FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

ATENÇÃO: Esta fic pode conter linguagem e conteúdo inapropriados para menores de idade então o leitor está concordando com os termos descritos.

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

6. 6


Fic: NC-16 APOSTADO Dramione by LandaMS Final


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

 


                                                              6


 


Hermione começou a beijá-lo no corredor que levava para o quarto de monitor chefe. E a  passos trôpegos ele alcançaram a porta.


Draco estava um pouco espantado, mas não ousou reclamar porque não parecia, mas ele estava adorando aquilo.


Abriu a porta com um pouco de dificuldade, pois Hermione estava agarrada à ele de tal forma que impedia que ele se movesse com maestria.


Quando fechou a porta ela o imprenssou na madeira.


Ele estava se perguntando de onde saíra tanta ousadia sendo que ela só bebera suco na festa de comemoração.


Hermione estava com a boca grudada na dele quando Draco sentiu os botões de sua camisa serem abertos com violência.


Respirou com dificuldade quando ela desceu beijando seu pescoço e seu peito de forma atrevida.


 Mas só se deu conta do que ela realmente fazia quando sentiu seu cinto ser desafivelado e o botão de sua calça serem abertos as preças.


Ele piscou para recobrar o controle. Ela já estava se ajoelhando quando ele a puxou de volta para ficar quase na alutra dele.


_Ei, o que deu em você hoje? Por que está tão desinibida?


Ele perguntou olhando profundamente para ela.


_Desculpe – ela falou meio desconcertada. – Mas eu achei que você quisesse comemorar sua vitória.


Ele logo entendeu. Ela não estava fazendo aquilo por que queria, estava lhe pagando.


PAGANDO A APOSTA.


 


Fhash Back...


 


_Sabe que eu não quero Draco. Ainda não estou pronta para isso.


 Ela caminhava com ele pelo corredor  tentando falar o mais baixo que conseguia.


Afinal não queria que toda a escola ficasse sabendo que Draco e ela estavam discutindo, por causa de assuntos como aquele.


No dia seguinte a primeira tentativa dele de fazer amor com ela, Draco vinha tentando descobrir desde que a encontrara– além de sua virgindade – porque ela estava tão redutível em discutir aquele assunto com ele.


Era normal que ela quizesse se guardar e ele até respeitava isso, mas tinha muita coisa em jogo e a principal delas era sua reputação.


Ele bufou.


Quem liga para a reputação, quando se tem uma namorada como Hermione Granger?


Ele ouviu a voz de Zabini em sua cabeça. A conversa com o amigo o havia feito refletir bastante.


 _Está bem.


Ela parou de andar na hora. Draco a olhou e quase riu com a fisionomia chocada da garota.


_O que foi? – Se aproximou.


_Estou tentando descobrir se o que meus ouvidos ouviram saíram da sua boca mesmo. Ou se é o Pirraça fazendo alguma traquinagem.


Ele riu e pegou em sua mão.


_Foi eu mesmo, Gatinha. Seus ouvidos ouviram certo. Por mim tudo bem. Você não quer, vou aprender a respeitar isso até que mude de idéia.


Hermione desconfiou da atitude dele na hora.


Os Malfoy não eram de desistir tão rápido. Principalmente Draco que ela conhecia muito bem. Por trás daquela conversa fiada tinha alguma coisa. Ele lhe escondia alguma coisa.


Olhou ao redor e avistou  uma sala.


_Vem comigo.


Ela não esperou que ele argumentasse, apenas o arrastou, ignorando o “Pra onde vamos?”.


Ele teria que se explicar rapidinho.


Empurrou a porta e deu graças a Merlin por ter cido uma sala vazia quando olhou ao redor e não viu niguém enquanto fechava a porta.


Voltou-se para ele num girar de calcanhares rápido.


_Muito bem Draco Malfoy. – Hermione cruzou os braços na frente do corpo.


Ele olhou para ela sem saber o que dizer.


_Pode ir se explicando, pois sei muito bem que você está tramando alguma coisa.


_Mas do que é que você está falando? – Ele perguntou indo se escorar em uma mesa enquanto ela permanecia perto da porta.


_Não de uma de desentendido. Até agora a pouco você estava querendo me persuadir a me entregar a você. E derrepente do nada você desiste? – Ele abriu a boca para retrucar, mas ela foi mais rápida. – E não me venha com essa de que respeita as minhas votades, pois não vou acreditar.


_Mas é verdade. – Ele se defendeu. – Eu respeito.


_Pode até ser que eu acredite nessa parte, mas ainda desconfio que você esconde algo de mim.


_Acredite, não escondo. – Ele tentou ser convincente agora. Mas cada vez que permanecia olhando os olhos dela, imagens da aposta feita com Marshell vinham em sua mente e embora fosse um ótimo oclumente, sabia que Hermione saberia ler seus olhos. Ali ele não conseguiria esconder nada.


_Você está mentindo.  – Ela ficou olhando para ele pra ver se alguma coisa lhe dizia que estava enganada, mas nada mudou, ou fez seu sexto sentido alerta-lhe que  poderia  estar equivocada. – Vejo em seus olhos que está...


Ela não conseguiu segurar as lágrimas que brotaram e antes que as derramasse na frente dele ela as engoliu e ergueu a cabeça. Draco franziu o senho diante da nova postura da namorada.


_Está me traíndo com outra garota, Draco?


Pelo menos o seu orgulho, ela materia intacto. Pena que não foi por muito tempo.


Ele arregalou os olhos diante da pergunta inesperada. Fora pego de surpresa e por um momento manteve se calado aumentando a aflição em Hermione.


_Oh, meu Deus! Você está. – E as lágrimas rolaram.


Ela não perguntou, apenas afirmou diante do silêncio do loiro.


Ele soltou  a respiração indignado diante dos pensamentos dela.


_Por Merlin, Hermione! É claro que não. Eu não seria capaz de uma coisa assim.


Nisso ele falava a verdade. E ela mesma podia comprovar. Sempre vira Draco com várias garotas antes de começar a namorar com ela, mas sempre uma de cada vez. Lilá, Parvati, Bell e Gina sempre estavam a par de todos os começos e términos de namoros dentro de Hogwarts desde que se conheciam por gente. Hermione teria uma fonte de informação segura se perguntasse à elas.


_Então por que não quer me contar? – ela disse entre os soluços. – Achei que me achasse uma pessoa confiável.


Ele passou a mão na testa. Vê-la chorar daquele jeito de certa forma estava deixando seu coração em pedaços.


_Eu só queria que confiasse em mim para contar seus segredos.


Agora a mão foi para os cabelos platinados.


Ele a puxou de encontro ao corpo logo em seguida e a abraçou.


 Hermione sequer relutou. Encostou a cabeça no peito dele e se deixou ser abaraçada.


_Por favor Draco. Confie em mim. – Ela pediu.


Draco soltou a respiração contra os cabelos cheirosos e macios.


_Está bem. – Ele a soltou e a fez se sentar em uma cadeira próxima. Puxou uma cadeira e sentou ao lado dela pegando uma das mãos delicadas entre as suas. – Mas me prometa que não irá surtar. Que vai me ouvir antes da fazer qualquer coisa.


_Me conte...


Ele sacudiu a cabeça em negação.


_Primeiro prometa. – Ela ficou quieta. – Prometa Hermione. Prometa para mim que não vai cometer nehuma atrocidade.


Ela respirou fundo antes de dizer a palavra que ele queria ouvir.


_Você é maravilhosa.


_Não enrole, Draco.


_Certo. Me desculpe, mas eu tinha que dizer isso.


Ela olhou feio para ele e este lhe sorriu.


_Ok. No dia do baile em comemoração a vitória de Potter contra o Lorde das Trevas, Nick Marshell...


_Ah, nem me lembre daquele atrevido. Me beijou a força. – Ela o interrompeu lembrando do ocorrido.


_Eu sei. Mas é sobre ele que tenho que falar.


Hermione franziu o rosto lavado de lagrimas.


Ele a analisou por alguns instantes antes de continuar.


Ele iria magoá-la e ela até poderia terminar com ele. Coisa que ele tinha certeza, certamente o faria. Mas agora que havia começado iria até o fim prometendo a si mesmo que aguentaria as consequências. Mesmo que essa consequência fosse perdê-la para sempre.


_Bem... – Ele pigarreou e se levantou tomando coragem para continuar. – Nesse dia eu estive conversando com ele logo depois do que aconteceu. Por favor me deixe continuar ? – Pediu vendo que ela iria interrompê-lo. – Como eu dizia... Eu conversei com ele, e nós fizemos uma aposta. E antes que me julgue, eu confesso que adorei o desafio. – Ele a olhou intesamente demonstrado através do olhar que não se arrependia em nada do que tinha feito até agora.


_Aposta? Que tipo de aposta? O que você ganharia com essa aposta?


Ela perguntou curiosa.


Ele resolveu responder apenas a última parte da pergunta, ingenuinamente imaginando que ela esqueceria o resto da pergunta.


_Se eu ganhasse ele facilitaria no jogo final do Campeonato de Quadribol.


_Sei. Mas o que ele pediu em troca disso?


Draco a encarou e começou a falar...


As costas de Hermione encontraram o espaldar da cadeira quando ele contou tudo.


Ela tinha a boca ligeiramente aberta em formato de “o”, seus olhos estavam arregalados e suas unhas pareciam perfurar a madeira da mesa.


Ela ficou calada por bastante tempo deixando-o preocupado.


Voltou a se sentar perto dela. Num gesto impensado ele cobriu a mão dela com a sua.


_Por Merlin, Mione. Diga alguma coisa.


Ela afastou a mão da dele e se levantou.


_Preciso ir...


Draco soube na hora que ela iria procurá-lo para tomar satisfações e quando viu ela girar a maçaneta da porta ele correu em sua direção e a impediu.


_Hermione...


Hermione se virou enfurecida. Draco já previa aquilo, só imaginou por que ela estava demorando tanto.


_Seu cretino! Como teve a audácia de me usar dessa forma?


_Hermione.. Amor?...  – Ele tentou segurar sua mãos de novo.


_Não me toque... E não chame de amor. Eu não sou seu amor. Você estava me usando para ganhar uma maldita taça? Queria dormir comigo por causa de um jogo idiota?Draco eu te odeio...


Ela avançou sobre ele e Draco a segurou pelos pulsos. Enquanto ela tentava a todo custo acertá-lo.


_Por favor, me deixa explicar.


Hermione soltou um rosnado de raiva e puxou seus braços, se afastando dele.


_Você é um idiota. Eu odeio você. – Ela ebravejou mais uma vez.


As lagrimas começaram a rolar enquanto ela continha o impulso de bater nele com toda a força que conseguiria ter naquele momento.


_ Não, por favor – Ele pegou nos cabelos dela, mas Hermione deu um tapa afastando sua mão. – Draco suspirou ressentido. No começo achou que ela não deixaria ele falar, mas quando viu o seu silêncio sentiu-se seguro. – No começo eu realmente via como uma aposta. Mas depois que te conheci, tudo mudou Hermione. Eu começei a ver a pessoa maravilhosa que você é. Meus sentimentos foram ficando mais fortes a cada minuto que eu passava perto de você. E quando eu te beijei pela primeira vez eu vi que o que eu realmente sentia  era amor. Um amor tão grande e forte que seria capaz...


_Quando você me beijou pela primeira vez, tentou transar comigo. – Ela o acusou.


_Eu seu. Eu sei. Fui um idiota. Um idiota quando aceitei fazer a aposta, mas também um sortudo. Um sortudo, porque você é a pessoa mais encantadora que eu conheço e eu estou irrevogavelmente apaixonado por você Hermione.


Ela olhou para ele atravez das lágrimas decidindo se acreditava ou não.


Draco se aproximou, mas ela se afastou decidida.


_Hermione, por favor. Não faz isso comigo. Eu te amo e não saberia viver sem você...


_Prove.


Ele não entendeu.


_O que?


_Se está tão apaixonado como disse, então me prove.


_Você não está falando sério, está? – Agora ele tinha um ar indignado na voz.


_Estou sim, Draco. Estou falando muito sério. Se diz estar tão apaixonado por mim, quero que faça uma aposta comigo. Se conseguir ganhar, te dou o que vem tentando conseguir a dias.


_Hermione não precisa fazer isso.


_Vai aceitar, ou não? – Ele ficou quieto e Hermione sabia que ele refletia. – Pense bem, uma noite comigo e terá sua tão sonhada taça.


_Não. Eu não posso, você é importante demias...


_Fui mais importante quando resolveu fazer a aposta com o imbecil do Marshell. – ela rebateu amarga.


 Draco direcionou-lhe um olhar raivoso. Refletiu mais um pouco e então se decidiu.


_Eu aceito. – Ele estendeu a mão. – Vou provar a você que é muito mais importante para mim do que pensa.


_Não precisa de feitiço Draco, te garanto que se você ganhar o que vou propôr transo com você.


Draco aceitou mais pelo desafio imposto por ela do que pela raiva que estava sentindo. Mesmo se ganhasse não forçaria Hermione a nada que ela não quizesse fazer.


Reconquistaria sua confiança e seu amor.


_Então – ele abaixou o braço – o que vai me propôr?


_ Desfaça o acordo que fez com Marshell sobre o jogo da final. Ganhe o campeonado de modo limpo. Marque com ele no dia do jogo e lhe mostre algumas provas de que conseguiu o que ele não queria que você conseguisse.


_Mas pra isso teria que dormir com você…


_Eu posso lhe ajudar com essa parte do plano. Mas não pense que dormirei com você. – Ela acrescentou assim que viu ele erguer uma sobrancelha questionadora. – Iriei apenas lhe dar alguma coisa para mostrar à aquele imbecil..


_Entendi, mas sei que você quer alguma coisa em troca...


_É claro que quero.


_O que?


_Sua total confiança.


_Mas eu já confio em você.


_Não Draco. Eu quero sua confiança de verdade. Uma confiabilidade cega.


Ele analisou a proposta. Não seria tão dificil confiar em Hermione Granger, seria?


_Certo. Quer mais alguma coisa?


_Não. Apenas isso.


_Tem certeza de que é só isso? – Ele se aproximou tentando jogar todo o seu charme pra cima dela. – Posso te prometer mais coisas... – agora ele a puxou de encontro a seu corpo pondo as duas mãos em sua cintura e escondendo seu rosto no pescoço dela. – Quem sabe uma semana inteira de mimos e carinhos, hum?


Hermione suspirou de encontro ao ouvido dele e Draco sentiu estar rompendo aquela  barreira fria que ela havia erguido assim que contara toda a verdade. Apenas sentiu, porque no segundo seguinte, Hermione o virara de encontro a mesa que ele havia prendido seu corpo e lhe deixara um lembrete.


_Oh, sim. Tem mais uma coisinha sim – ela olhou para baixo e viu um pequeno volume se formando entre as pernas dele. Seu olhar voltou para o cinza – Nada de beijos ou mãos bobas até segunda ordem. Só vou lhe dar o que quer quando fizer o que mandei.


Draco parecia não acreditar no que estava ouvindo. Ficar sem beijá-la ou tocar nela até que ela deixasse? Parecia ser torturante demais.


_Mas para que não fique com saudades...


Ela não completou a frase, apenas avançou sobre ele e o beijou não deixando que ele aprofundasse o beijo quando tentou.


Quando Hermione se afastou sorriu de modo travesso para o loiro.


Ele parecia petrificado e não acreditava no que ela acabara de fazer.


E para provocá-lo ainda mais se virou  e curvou o corpo para pegar a mochila que depositara perto da porta quando entrou, empinando todo o quadril para ele.


Draco quase caiu da mesa diante da visão tentadora. A saia havia se erguido na parte de trás... Não revelava muita coisa, mas foi o suficiente para fazê-lo suar frio e sentir a pele quente, quase em brasa. Sentiu ficar mais apertado dentro da calça do uniforme.


Ela ergueu o corpo.


_Até mais tarde, Loirinho. Te encontro dois dias antes do jogo para colocarmos meu plano em prática. – Ela jogou um beijo para ele no ar e piscou saindo como se nada tivesse acontecido.


Mas sabia o efeito que tinha deixado para trás.


Podia ser quem era, mas acima de tudo sabia usar as armas de uma mulher quando a mesma quer alguma coisa.


 


Fim flash back...


 


 


Ele olhou para ela desorientado antes de falar:


_Hermione – saiu de perto dela e foi sentar-se nos pés da cama. – não precisa fazer isso se não quiser.


Hermione sorriu maliciosa e cominhou até ele lentamente. Seu salto fazendo um pequeno barulho pelo piso.


Draco endureceu o corpo quando viu ela se sentar em seu colo com um joelho de cada lado. Seus corpos se roçando. O short jeans que ela usava ficou ainda mais curto, revelando coxas roliças e perfeitas. Ele enrolou os dedos no lençol para não cometer nenhum desatino.


Draco abriu a boca para respirar, não se lembrando em momento algum de ter prendido a respiração.


_Quem disse a você que eu não quero? – O sussurro foi provocante, mas nada se comparou ao olhar dela seguindo o caminho que os dedos faziam pelo ombro musculoso ao empurrar a camisa dele para baixo deixando-o com o dorso nu.


Draco a viu morder o lábio e dar um meio sorriso. Malfoy não resistiu. Avançou sobre ela de modo lascivo e beijou-a ardentemente.


Enquanto o beijo avançava as mãos faziam o trabalho de sentir a pele. As unhas dela deslizavam pela pele firme numa leve carícia, enquanto os dedos masculinos passeavam pelas curvas de seu corpo sem nenhum pudor.


Coxas, quadril, cintura, costas, cabelos... Tudo era necessário ser desvendado. Hermione sentiu ele pressionar sua cabeça com mais força – tentava aprofundar o beijo – enquanto seu outro braço a puxava pela cintura tornando o espaço entre os dois praticamente inexistente. Ela embrenhou os dedos pelos cabelos loiros e sedosos e puxou a cabeça dele numa tentativa inutil de buscar um pouco de ar. Mas Malfoy não queria perder o contato e por isso mudou a direção do beijo. O alvo agora era seu pescoço e uma pequena parte do colo quase todo escondido pela blusa de mangas.


A mão que estava em seus cachos desceu por seu pescoço até o seio esquerdo e Draco teve todo o formato na palma da mão.


_Merlin! Como você  é perfeita. – O loiro sibilou no rosto dela. Seus olhos agora estavam grudados um no outro, enquanto ele sentia ela mover o quadril lentamente em cima do seu fazendo seu corpo masculino crescer.


Hermione sorriu e o beijou de leve agora, Draco estava pronto para aporfundar o beijo, mas não estava pronto para o que ocorreu a seguir.


Num ato de força e ousadia, Hermione o empurrou na cama até que ele estivesse mais centralizado no colchão e não permitiu que ele levantasse o tronco.


Aproveitando os minutos de choque do sonserino, ela cruzou os braços na frente do corpo e se livrou ela mesmo da blusa branca que usava.


Draco teve a visão de um sutiã verde com renda e pedraria adornando a peça.


Hermione se curvou fazendo os cabelos castanhos criarem uma cortina ao redor do rosto de ambos. Draco segurou em sua cintura.


Beijou – o apenas por provocação e endireitou o corpo novamente. Ela se afastou um pouco e com uma pequena ajuda dele, livrou-o da calça, dos sapatos e das meias.


Atrevidamente, quando voltou para cima dele, ela escorregou a mão por sua virilha e Draco soltou um suspiro pesado. Ele já se sentia bem excitado agora e aquele gesto fez seu membro pulsar fortemente.


_Espero que possa me ensinar, pois sou inesperiente com essas coisas...


Ela ergueu a cabeça e lhe lançou uma grande sorriso antes de dobrar o tronco.


_Ensino, mas quero saber se está certa de que quer fazer isso realmente?


Não quero achar que está fazendo isso apenas por se sentir pressionada por causa da nossa aposta.


_Minha aposta com você, não tem nada a ver com meus desejos sexuais Draco. Sou uma mulher adulta agora e quero viver essa experiencia... E estou feliz que seja com você que eu vá vivê-la pela primeira vez. Por que mesmo que no futuro nós não estejamos mais juntos, vou lembrar desse momento com nostalgia e poder contar a minha filha quando ela estiver crescida que não precisa ter medo da sua primeira vez, pois se for com alguém que ela ame, tudo vai ser lindo e perfeito como esta sendo agora.


Embora ele acreditasse nas palavras dela ele sentiu a necessidade de afirmar o que ela tinha acabado de dizer.


_Prometo tornar tudo lindo e perfeito para você minha Gatinha.


Hermione olhou bem fundo nos olhos dele, viu sinceridade ali.


Draco não era muito de expor sentimentos, mas hoje ele a havia surpreendido bastante. O garoto antes arrogante e prepotente podia continuar entranhado nele, mas ali, naquele dia ele o soube esconder muito bem.


Aproximando a cabeça, ela buscou seus lábios. E Draco os recebeu com ganancia reiniciando todo o clima erótico que ela havia criado minutos antes.


Hermione tentou mante-lo por baixo de si, mas a tentativa de empurrá-lo para a posição anterior falhou no momento em que Malfoy percebeu.


Com uma experiência adquirida com o passar dos anos, Draco soube exatamente onde segurar nela e inverter as poisções.


Hermione não protestou, pois imaginou estar fazendo alguma coisa errada para que ele tomasse uma atitude como aquela.


_Me recordo perfeitamente  de pedir que fosse seu professor para assuntos sexuais.


Hermione riu gostosamente enquanto sentia ele beijar o vale entre seus seios.


_Desculpe, professor. Prometo ficar quietinha enquanto você passa a primeira lição...


Ela entrou na brincadeira enquanto sentia a boca descer a até seu umbigo. Draco se ergueu.


_Sério? – Ela sacudiu a cabeça afirmando. Draco puxou o lábio como se prevesse algo e subiu um pouco mais o corpo até alcançar a gaveta do criado mudo.


Hermione o viu tirar de lá uma embalagem quadrada e pequena nas cores prateada e azul marinho.


Ele apoiou-se em um braço e mostrou a embalagem para ela.


_Primeira lição de hoje: nunca, está me ouvindo? Nunca faça amor sem camisinha. A não ser que queira que seu parceiro te passe alguma doença ou te engravide.


_Está me dizendo que você ou eu possamos ter alguma doença?


_Não. Sei que somos muito saudáveis, mas também sei que você não quer ter sua filha com dezessete anos sem estar casada.


Draco tinha razão e Hermione sabia disso. Embora o amasse bastante para pensar num futuro com ele, não poderia prever o que aconteceria. Ela tinha muitos sonhos que gostaria de realizar. Boa parte deles antes de pensar em ter uma família.


_Você está certo.


_Sei que estou. – Ele sorriu. – Mas agora preste muito atenção – abaixou o corpo – pois o restante da sua aula vai começar e não quero que perca uma só detalhe...


O restante da frase foi dita com os lábios colados aos dela.


Hermione se entregou ao beijo com sofreguidão e luxúria. E dessa vez não houve interrupções .


Os lábios e as mãos dele percorreram todos os caminhos de suas sinuosas curvas e quando Malfoy lhe tirou os sapatos e o short jeans, ela quase travou. Apesar de não parecer estava com um pouco de medo e o loiro pareceu sentir isso quando retirou-lhe a a parte de baixo do conjunto verde. Ela respirou fundo tentando não olhar para ele, pois sabia que ele olhava para sua intimidade, mas seus olhos lhe traíram e quando olhou, viu que estava enganda. Ele tinha o olhar fixo no rosto afogueado. Ela olhou o teto do quarto como se fosse a coisa mais interessante existente ali.


Draco sorriu. Hermione havia vacilado o olhar um pouco mais para baixo.


Ele olhou para o mesmo ponto e alisou sua ereção um pouco para frente e para trás.


Hermione continuou olhando o teto, mas sentindo o colchão ocilar a medida que ele se movia sobre ele.


Ela abriu a boca para sugar o ar, pois seu nariz parecia não cumprir com a obrigação corretamente no momento em que a cabeça dele pairou sobre a sua.


Agora ela tinha a plena conciência de sua presença, de seu peso sobre o corpo dela. De sua ereção tocando-lhe a barriga. Seu corpo retesou. Os dedos apertaram um pouco mais as pontinhas do travesseiro.


Draco beijou-lhe a testa, a bochecha direita e esquerda, a ponta do nariz e sem delongas a boca sensual e macia.


Hermione colocou uma mão nos cabelos loiros a aproveitou o beijo molhado.


_Precisa ficar calma. Relaxada. – O pensamento veio-lhe a mente quando sentiu ele lhe apertar a cintura nua.


 A língua de Draco parecia impiedosa e aquilo foi como fazer a alma de Hermione sair do corpo.


Ele a tocou no pescoço, e enquanto sua boca sugava-lhe a pele da região, os dedos firmes abaixavam as alças do sutiã. E em seguida todo o resto de roupa que lhe cobria o corpo era posto para fora do alcançe.


Agora Hermione sentia-se ainda mais exposta. Era como se aquela pequena peça a protegesse.


Ela abriu os olhos e viu Draco a admirando da cabeça até os pés.


_Céus! Como você é linda.


Ele elogiou e seu olhar acompanhou sua mão subir da coxa, passando pelo quadril, barriga até alcançar um dos seios.


Quando Draco escondeu o bico entre os lábios Hermione sentiu uma pequena corrente elétrica espalhar-se pelo corpo, fazendo-a involuntariamente arquear o corpo.


 Draco interpretou o ato como um oferecimento e se apossou do outro seio.


Ouviu um primeiro gemido.


_Isso. É só ficar calma e relaxar – falou se movimentando sobre o corpo dela de maneira que com os joelhos a fizesse abrir as pernas.


Draco sentiu os músculos da barriga dela tremerem quando sua boca tocou ali.


Hermione soltou um gemido de susto e abriu os olhos quando sentiu a mão dele em sua intimidade.


Ela ergueu o tronco para impedí-lo de continuar o que quer que fosse fazer, mas já estava um pouco atrasada.


Ele já estava com uma das mãos em seu estômago, impedindo-a de levantar.


_Relaxe. Vai gostar disso.


Ela sentiu uma sensação de dejá vu, mas dessa vez obedesceu sem interromper.


Quando sentiu a primeira lambida, quase fechou as pernas, mas Malfoy  soube conter seu movimento com as mãos.


Agora que tinham começado, ele iria até o fim. Não suportaria ficar excitado vendo sua maravilhosa namorada o deixar na mão de novo.


Usando e abusando do poder que tinha na ponta da língua, Draco simplesmente se deliciou fazendo sua namorada se arquear com o prazer momentâneo.


Quando sentiu o corpo dela esticar-se como se estivesse tendo algum tipo de convulção, ele soube que ela havia tido seu primeiro osgasmo provocado pelo sexo oral.


Ele ergueu a cabeça e ela parecia alheia a tudo que se passava. Suas mãos delicadas cobriam-lhe o rosto e ele teve que forçar entrada para que pudesse alcançar-lhe a boca mimosa.


Hermione pode sentir o gosto ácido de seus fluídos nos lábios perfeitos, mas isso por pouco tempo, pois sabia que o que viria agora era o motivo real de seu maior temor.


Viu o namorado levar os dedos aos próprios lábios e molha-lhos com saliva. Não se atreveu a acompanhar o movimento que fazia, pois imaginou que não fosse certo fazer. Nunca imaginou sentir tanta vergonha na vida.


_Isso vai doer um pouquinho, mas prometo fazer passar bem rápido, ok?


Ela passou a língua pelos lábios, umidecendo-os e piscou, como se confirmasse que ele podia continuar.


Ele se posicionou de maneira correta e então começou.


Hermione  sentiua lubrificação do latéx, apertou a cintura dele com força e aquilo para Draco foi apenas um estímulo ainda maior para continuar.


O sonserino sentiu o calor do interior dela assim que introduziu a primeira polegada. Viu Hermione morder o lábio inferior contendo um grito que ele sabia: estava preso na garganta.


Malfoy imaginou que toda aquela ousadia inicial caíria por terra quando ele lhe mostrasse a realidade e ele ficou feliz em saber que ela teria todas aquelas maravilhosas sensações pela primeira vez com ele.


_Vou colocar mais um pouco. Se doer, me avisa.


Hermione riria do comentário final se pudesse.


Merlim, porque teria que perder a inocência com alguém tão bem dotado?


O pensamento cruzou sua mente, mas logo desapereceu.


Aquilo estava doendo muito.


Queria estravazar aquilo de alguma forma, Tinha que ter algum jeito.


Piscou os olhos e viu a solução entre uma das mãos.


Levou os dentes até a maciez do travesseiro e o mordeu.


Draco não esperava por aquilo.


Num ato de coragem, Hermione abafou todo o grito quando puxou com uma das mãos o quadril dele de encontro ao seu, escondendo o que faltava dentro do seu corpo. Seus dentes doeram, tamanha a força que exerceu sobre o travesseiro, mas agora poderia respirar aliviada.


Ela tinha lágrimas nos olhos e Draco a beijou no local secando-as.


_És minha agora, meu amor. Todinha minha.


Ele sentiu com nitidez a barreira dela subjulgar-se à ele.


Ele começou a se mover devagar até que ela se acostumasse com o ritmo imposto.


E o que para ela pareceram horas, para Malfoy fora apenas alguns segundos. A dor ainda estava lá, mas a medida que ele se movia ela sentia aquele incômodo abadonar-lhe, enquanto apenas prazer engolfava-lhe os sentidos.


Um prazer diferente de quando ele estivera com a boca entre suas coxas. Era um prazer mais prolongado e pelo visto mais dificil de ter um fim.


Deduziu isso ao longo do processo, pois Draco parecia muito empenhado em estocá-la de todas as maneiras cabíveis e possíveis.


Havia momentos em que ele parecia se fundir ao seu corpo de tão colados que se seus corpos ficavam, outras ele se afastava e a estocava com força. Quando parecia se cansar ele mantinha o ritmo lento, fazendo-a ter plena conciência do seu tamanho.


Em outros momentos, Hermione sentia o gozo quase transbordar, mas ele parecia saber e se mantinha enterrado nela, beijando-a e quando ela parecia esquecer da pulsação feroz no baixo ventre, ele se afastava a rercomeçava tudo de novo.


Permanerceram naquele jogo prazeroso por um tempo equivalente de quarenta e cinco minutos e quando Draco não suportou mais ouvir os gemidos de prazer da nomrada ele se libertou dentro dela tendo o látex transparente para impedir que seus flúidos avançassem pelo interior feminino.


Ele caiu sobre o corpo dela respirando pesadamente, um minuto depois rolou para o lado fazendo Hermione fazer uma pequena careta – que ele não viu.


 O coração dele acelerado contra o seu só a fez ter ceteza de uma coisa: amava-o desesperadamente.


Mesmo não tendo chegado ao orgasmo pleno em sua primeira vez, não diminuiu a beleza do momento. Sabia que outras oportunidades surgiriam.


Sua respiração estava mais normalizada quando sentiu ele virar o corpo em sua direção.


_Você está bem? – Perguntou devido ao longo momento de silêncio.


Ela sacudiu a cabeça afirmando. Estava um pouco insegura  agora que tudo havia acabado, puxou um dos travesseiros para cima do corpo e o abraçou.


Draco a olhou com curiosidade e sua mão cameçou a alisar o braço dela.


_Você é tão gostosa, sabia?


Hermione soltou um meio soluço com uma risada, mas mesmo assim não olhou para ele. Sabia que o olhar azul a observava dos pés a cabeça. Talvez teria sido melhor se cobrir com o lençol.


_Me desculpe – ele beijou seu ombro com delicadeza. – Queria que tivesse sentido o que eu senti, mas não consegui me segurar escutando você gemer.


_Eu deveria ter ficado quieta? – agora seu rosto havia se virado para ele.


_Não. Quero dizer, claro que não. Os gemidos de uma mulher na hora do sexo é que estimulam o homem. Quer dizer a ele que ela está gostando do jeito que ele está fazendo, entendeu?


Hermione virou o rosto para o teto de novo.


_Eu realmente gostei do jeito que você fez. – Arrependeu-se no momento em que as palavras escaparam de sua boca.


Não se atreveu a olhar no rosto dele, mas sabia que este tinha um sorriso orgulhoso nos lábios.


Porém seus olhos lhe traíram. O sorriso estava lá.


Ela se irritou com aquilo. Agora ele ficaria insupotável.


_Não precisa fica prepotente Malfoy. – Brigou com ele.


_Por que? Porque você disse que gostou? – Enquanto falava ele aproximou o corpo e puxou o dela mais para perto. – Não estou sorrindo por que você gostou do meu jeito, Mione. Estou sorrindo, porque não ficou zangada por eu não ter te dado um primeira vez inesquecível como prometi. Nem sangrar você sangrou. – avisou a ela de modo natural.


_Minha mãe me falou que algumas garotas não sangram na sua primeira vez, talvez eu seja uma dessas garotas.


_É, talvez. Mas sabe o que é melhor? – Ele beijou-lhe o rosto e desceu para a orelha onde sussurrou:


_Eu gosto quando a garota não sangra, pois assim eu posso sentí-la com minha língua sem ter que esperar ela correr para o banheiro se lavar.


 Ela virou a face pronta para brigar com ele, mas o beijo demorado que recebeu afugentou todas as palavras mal criadas que pretendi-a lhe falar.


Aos poucos o travesseiro foi sendo puxado e Draco ocupou seu lugar sobre o corpo dela.


Ela arranhou suavemente as costas dele com a unha.


Draco riu contra a pele dela e continuou a beijar-lhe.


Hermione soltou um primeiro suspiro de prazer. E os suspiros só almentavam a medida que ele descia a boca até seu seio...


Os dedos dela entrelaçaram os fios platinado e os trouxeram atá a altura do seu rosto onde ela capturou os lábios do sonserino.


Draco segurou a cintura dela e Hermione viu a oportunidade perfeita para inverter as posições.


Agora já tinha uma pequena experiência de como se fazia e achou-se capaz.


Curvada sobre ele Draco tentou inverter de novo as posições mas ela não permitiu.


_Acho que posso ficar aqui em cima por algum tempo, você não acha?


Ele ia discordar, pois gostava de ficar por cima, mas quando viu a mão dela puxar a camisinha que ele ainda não havia tirado mudou de idéia imediatamente.


_Concordo plenamente.


Hermione mordeu o lábio e sorriu.


Draco adorou ver a Hermione atrevida do incio daquele capitulo da história deles vir à tona.


_Sabe, isso aqui – ela ergueu a camisinha ainda melada por dentro – pode ser seguro, mas é um pouco disconfortável as vezes – ela jogou  o objeto no lixeiro mágico que fez sumir imediatamente como se tivesse sido arremessado dentro de um buraco negro. – Uma das enfermeiras me ensinou um feitço simples e que nos protegerá com muito mais eficiencia de qualquer mal.


Quando ela voltou a posição inical a varinha dele girava entre seus dedos.


Draco apenas fechou os olhos quando o feitiço quente envolveu os corpo dos dois.


_Acho que podemos continuar agora. – A grifinória falou rente a boca dele e Draco ergueu a cabeça para tocar os lábios dela.


O beijo foi sensual e calmo como Hermione queria, pois seu objetivo não era só beijá-lo.


Era beijá-lo na verdade, mas não só na boca e Draco se contorceu um pouquinho quando viu ela cobrir seu peito e sua barriga com eles


Ela lambeu os lábios delicadamente e seu olhar capturou o rosto dele por segundos antes de voltar ao seu objetivo final.


O membro dele estava ali, semiereto descaçando sobre sua barriga e Hermione não perdeu muito tempo.


Lembrou-se de como ele havia feito em sua intimidade e passou a língua da base até a ponta. Imaginou como se aquilo fosse uma sobremesa trouxa e usou a ponta como base para colocar um pequena quantidade dentro da boca.


 Observou Draco suspirar fundo. Ele parecia não acreditar que aquilo estava acontecendo, pois o modo como levou as mãos ao rosto deixou claro que tinha alguma coisa errada, mas as palavras de satisfação que saltaram de sua boca deram convicção para que ela continuasse.


Ela não sabia se estava correto o modo como fazia, mas de algum modo sabia que estava fazendo certo. Sua cabeça ia para trás a e para frente, engolindo e libertando o pênis dele, de modo que sua saliva deixava o processo mais fácil. Ele tinha o gosto do próprio gozo na pele e ela apreciou o sabor. Como seria se fosse o sabor dela?


 Saberia mais tarde.


Sugou com força fazendo o namorado soltar um gemido alto. E olhar o que ela estava fazendo. A mão delicada dela envolta do corpo masculino enquanto ela tinha a ponta da língua acariciando a ponta vermelha.


_Por Merlim, Gatinha. Isso é gostoso demais...


Agora, com o membro mais enrigecido, Hermione ousou até o limite.


Escorregou-o para dentro da boca o quanto pode e com um estalar alto dos lábios ela o soltou, vendo o loiro soltar a respiração com força.


Ela sorriu e engatinhou de volta para cima do corpo dele.


Beijou-o demoradamente e passando a mão entre seus corpos posicionoando a masculinidade dele em sua fenda úmida.


Desceu o quadril devagar, se acostumando com a nova posição. Agora sim. Sem o preservativo de latéx ela pode senti-lo em toda a sua plenitude. Era carne contra carne. Olhou o rosto dele e pode apreciar a satisfação no rosto bonito. Depois de alguns segundos começou a cavalgá-lo.


Ela tinha o rosto dele em seu campo de visão e seus olhos não desgrudaram sequer um minuto do outro…


Sentia o rapaz acariciar suas coxas, deslizar pela curva da cintura e alcançar os seios.


Quando ela diminuia o ritmo Malfoy balançava os quadris, estocando-a um pouco mais rápido.


Nessas horas ela não conseguia manter os olhos abertos.


Jogando o corpo para trás, Hermione se manteve com o corpo ereto enquanto continuava com o movimento, Draco achou a distância entre eles incomôda demais e com um movimento dobrou o corpo na direção dela. Seu braço esquerdo rodeou sua cintura, enquanto o outro apoiava o peso de ambos no colchão atrás de suas costas.


Hermione prendeu os cachos que balançavam agitados no topo da cabeça e Draco viu o gesto como um convite.


Levou a boca aos seios macios e os sugou de forma deliberada.


Hermione jogou a cabeça mais para trás apreciando com gosto a inciativa do amante.


Quando voltou a cabeça no lugar procurou a boca dele e o beijo foi luxurioso.


A posição em que estavam facilitava os movimentos e quando Hermione percebeu Draco já os girava na cama, ficando por cima outra vez.


_Sei que gostou de ficar por cima, Gatinha – ele se esforçou para falar – mas ainda quero cumprir minha promessa de te fazer ver estrelas essa noite.


Hermione não protestou quando Draco saiu de dentro dela e abocanhou sua intimidade por alguns minutos. Podia sentir a língua dele trabalhar avidamente, deixando-a ainda mais molhada e quando teve sua primeira convulção Draco a deixou lá em baixo para sentir o calor de seu interior com o membro rijo.


Dobrou as pernas dela até a altura de sua cintura e arremete-se contra ela de forma violenta. Hermione sentiu outra convulção e dessa vez Draco sabia que estava alcançando seu objetivo.


_Ah, Draco... Amor – ela choramingou  o nome dele e Malfoy soube que ela iria gozar.


_Não goze  – ele exigiu com dificuldade. Queria chegar lá com ela.


Com um último movimento, Draco colocou-se para fora do corpo dela e Hermione achou que de novo não sentiria alcançar o céu. Mas dessa vez ela estava enganada.


Ao mesmo tempo em que o pensamento lhe cruzou a mente sentiu todo o seu interior ser preenchido pelo corpo masculino.


Ambos gritaram enquanto deixavam que os fluídos corporais banhassem um ao outro.


Hermione conceguia enchergar debaixo das palpebras, feiches de luzes que pareciam sintilar e esplodir como fogos de artifício. Sentia seu corpo tremer e seu coração acelerado na palma da mão.


Abrindo levemente os olhos percebeu que o coração que batia frenético não era o seu e sim o do loiro.


Ela engoliu a saliva acumulada na boca e voltou a respirar mais calmamente.


Ainda ligados intimamente, Draco a encarou. Hermione abriu os olhos.


_Eu te amo. – Malfoy declarou.


_Também te amo.


_Como foi dessa vez?


Hermione abriu um sorriso sincero e sentiu-se ficar constrangida antes de responder:


_São estrelas muito bonitas de se ver.


Draco entendeu e abriu um lindo sorriso abaixando a cabeça contra o colo dela por segundos e erguendo em seguida.


_Sabia que iria gostar. Podemos descançar um pouco se quiser.


Hermione mordeu a língua para não portestar quando ele saiu de cima dela e se aconchegou ao seu lado trazendo-a para mais perto dele.


Dessa vez foi ele quem os envolveu com o lençol.


Hermione não disse nada apenas deitou a cabeça perto do ombro dele e pôs uma mão em seu peito.


Sorriu. Agora se sentia segura. Segura do amor de Draco. Segura de si mesma. Havia se tornado uma mulher completa e Draco Malfoy fazia parte desse desenvolvimento.


Sua mente vagou em lembranças. Lembranças não tão boas quanto aquele momento que estava vivendo, mas foi inevitável. Estar nos braços de Draco naquele momento remeteu-a a isso. Infelizmente.


 


Flash Back...


 


_Vai ficar longe dele, Granger. Draco Malfoy é meu. – Disse a garota convicta disso.


Ela havia encontrado Hermione durante o incio da ronda da grifinória e viera tomar satisfações. As duas já discutiam há um bom tempo.


_Eu não vou ficar longe de ninguém, Pansy. Nós somos amigos e você não tem o direito de me exigir uma coisa dessa.


_Amigos? – Pansy debochou. – Você não passa de uma sujeitinha de sangue-ruim. Draco jamais seria seu amigo.


_Ele não pensa assim a muito tempo Parkinson. Draco mudou depois da guerra. Sabe que esse preconceito idiota só o prejudicaria com as novas leis.


_Ele finge Granger... Draco ainda te odeia e vai te odiar sempre. É comigo que ele vai se casar entendeu? Alguém do nível dele, não alguém como você... – Ela a olhou como se Hermione fosse um lixo esquecido no corredor.


Hermione sentiu raiva da garota. Mas não deixou que lágrimas denunciassem seu estado abalado. A sonserina poderia ter razão sobre Draco, mas o mesmo demonstrava outra coisa totalmente diferente quando estava perto dela. Hermione sabia que poderia estar enganada a respeito disso, mas estava dispota a dar um voto de confiança para Draco Malfoy.


_Você está errada, Draco gosta de mim. – Hermione sibilou convencida disso.


_Pois eu duvido.


_Quer apostar? – Hermione não sabia exatamente o que estava fazendo, mas sua raiva a guiava.


_Apostar o que? Ficou maluca?


_Não Parkinson, não fiquei. Mas estou te fazendo um desafio. Aposto com você que faço Draco Malfoy se apaixonar por mim e se declarar na frente de toda a escola...


Hermione ficou mais furiosa quando a garota caiu na garaglhada.


_Agora sim você enlouqueceu Granger – ela disse um pouco mais calma depois do acesso de risadas. – Draco se apaixonar por você? Nem aqui nem em outra vida.


_Pois aposto com você que consigo.


_Pois eu aposto que você não consegue. – Desafiou a outra.


_Apostado então. Se até semana que vem Draco não me pedir em namoro eu não deixo ele se aproximar mais de mim, mas se ele me pedir em namoro até antes do jogo final, é você quem se afastará, entendido?


_Apostado! – Falou a outra sem nem ao menos esperar a outra terminar de falar. – Vou rir na sua cara quando ele disser que te odeia e que ainda te considera uma sujeitinha de sangue-ruim.


Vomitando essas palavras na cara de Hermione, Pansy se foi, deixando Hermione com sentimentos e pensamentos controversos.


 


(…)


 


Café da Manhã


 


_Achei que estivesse brincando ontem a noite, Draco! – Exclamou Hermione vendo Malfoy arrastá-la pela mão até a ponta da mesa da Sonserina.


_Eu não estava. Vem, senta aqui.


Ofereceu o lugar onde costumava se sentar e empurrou Goyle e Crabbe pra se sentar em sua frente.


Todos os olhares estavam sobre o casal inusitado daquela manhã de domingo.


 O único que sabia era Zabini, por ter conversado com o amigo no dia anterior.


Draco estendeu a mão e segurou a dela, fazendo a garota sorrir.


_O que ela faz aqui, Malfoy? – Pergutou Zachary Durgel, um garoto alto com cabelos encaracolados acobreados.


_Ora Durgel, o que acha que ela faz aqui? – Perguntou o loiro ainda olhando Hermione. – Ela veio tomar café comigo.


_Mas ela é da grifinória e uma sang...


_Termine essa frase... – Draco puxou o colega de casa pelo colarinho do uniforme e ficou cara a cara com ele. – E vai precisar que Madame Ponfrei saiba um bom feitiço que restaure dentes, porque vou quebrar todos os seus.


Durgel arregalou os olhos para o sonserino.


_Ok, cara! Só achei que...


_Você não acha nada cara. – Desdenhou. – Tenha mais respeito com ela, ouviu? Hermione Granger é minha namorada, e não vou deixar que caras como você a insulte na minha frente.


_Tudo, bem! Só estava tentando entender...


_Agora que está entendido, quero que tenha mais respeito.


E falando isso Draco deu um empurrão no rapaz soltando-o.


_Precisava de tudo isso? – Hermione falou apenas para que ele escutasse. Mas no fundo estava feliz, por ele a ter defendido e principalmente da cara de chocada que Parkinson fez na outra extremidade da mesa.


_Precisava. Você é minha namorada, quero que tenham respeito com você.


Hermione sorriu , Draco retribuiu e dobrou o corpo por cima da mesa puxando-a para um beijo que arrancou comentários em todo o salão.


_Está todo mundo olhando, Draco. – Hermione sussurou encabulada.


_Quer sair daqui? – Ele perguntou se levantando.


_Mas eu nem toquei na comida – reclamou vendo os deliciosos bolinhos ficando para trás.


Draco tirou a varinha do bolso e conjurou uma cesta pequena , fazendo em seguida várias guloseimas flutuarem para dentro usando o  Vingardium Leviosa.


Puxou a garota para fora. Seria melhor comer no jardim.


_Acho que Rony não gostou muito de saber do nosso namoro. – Ela falou já sentados debaixo da árvore preferida dela perto do lago.


_Eles vão entender. Gosto de você Hermione. Ele vai ter que aceitar.


_Falo com eles depois, agora deixe-me ver o que trouxe na cesta, estou faminta.


 


(...)


 


_Vai deixá-lo em paz Parkinson. Você viu. Ele já disse que somos namorados.


_Você ainda não ganhou nada Hermione. Draco pode estar namorando com você, mas ainda não ouvi ele dizer que te ama. Mas quer saber? Vou te dar mais uma pequena vantagem. Terá até o dia do jogo para fazê-lo se declarar... E aí, e aí veremos quem ganhará.


_Vou ganhar, pode ter certeza. – Hermione afirmou.


Parkinson se aproximou prepotente e olhou-a da cabeça aos pés e depois de novo nos olhos.


_É o que veremos... Sangue-ruim.


 


(...)


 


Era dia do jogo e ele ainda não havia se declarado. Estava preocupada.  Tinha que ganhar essa aposta. Parkinson não podia estar certa. Mesmo tendo descoberto sobre a aposta que Draco fizera com Marshell e tê-lo o ajudado a ganhar fingindo se entregar a ele para que Draco tivesse imagens quentes dos dois e feito o loiro ficar com sua lingerie, ele não podia saber sobre a sua aposta com Parkinson. Nem hoje e nem nunca. Mas e se ele não se declarasse, Parkinson com certeza lhe contaria e ela estaria acabada, porque por mais que não parecesse, ela o amava de verdade. Sabia que era pouco tempo para um sentimento tão forte crescer em seu coração, mas podia haver amor a segunda vista, não podia?


Ele estava procurando o pomo desesperadamente, embora a Sonserina estivesse na frente. Mas seu tempo estava acabando. E sabia que assim que ele encontrasse o pomo as areias do tempo em sua empulheta também se esgotariam.


Viu quando um aluno da corvinal se encrencou com um batedor da Sonserina e o jogo foi paralizado. Percebeu o olhar de Draco sobre si. Ele veio em sua direção, falou com ela, mas seus amigos responderam.


Conversou com eles um pouco e foi se virando.


Ela agiu por instinto e o segurou se declarando.


_Eu te amo.


Seu coração acelerou como mil unicórnios saindo em disparada quando ele respondeu que a amava também e então a beijou. Vendo mil flash’s  dispararem sobre si.


Ele voltou para o jogo e então pode procurar Pansy nas arquibancadas. Ela não a encontrou, mas seu triunfo foi ainda maior quando o jogo acabou e pediram para que Draco fizesse um pequeno discuro, ele falou, falou e então... Quando viu estava no podium junto com ele. Mais uma vez ele declarou que a amava e dessa vez para toda a escola ouvir.


Hermione também o amava, muito, mas sua alegria maior foi que depois que ficou sozinha no podium pode ver a cara enfurecida de sua rival que teria que se afastar de seu namorado. Parar de se jogar para cima dele.


 Pansy havia perdido a aposta.


 


Fim do Flash Back...


 


Não podia deixar que Draco soubesse de sua aposta com Parkinson. Porém sabia que ele nunca descobriria, pois era a única que sabia disso.


Sorriu ao lembrar que Pansy poderia tê-la delatado antes que estivesse com ele ali naquele quarto, mas fora mais rápida e apagara a memória da sonserina antes que ela desse com as língua nos dentes.


Não estava sendo perversa, estava apenas se assegurando que ele não descobrisse o que fez para ficar com ele.


Desviou rapidamente dos pensamentos  quando recebeu um beijo na testa.


_Outro beijo pelo seus pensamentos. – Brincou ele ajeitando-se melhor ao lado dela.


_Achei que soubesse legiminência como ninguém. – Rebateu divertida.


_Sou ótimo, mas prefiro que me conte, gosto de conversar com você.


_Huumm! – Gemeu ela se virando melhor para ele e ficando por cima de seu corpo. Insinuava-se. – Estou aqui pensando que você podia me amar mais um pouco...


_Mas eu já te amo infinitamente. – Ele colocou as duas mãos na cintura nua dela.


_Que tal se você me convecesse um pouco mais? – E dizendo isso ela levou a mão a intimidade dele e começou uma leve carícia.


_Oh, céus! Não me provoque assim, Gatinha. Vai me enlouquecer...


Sem que Hermione esperasse Draco a virou na cama com velocidade e fez o que ela queria... Amou-a.


Amou-a intensamente por longos setenta e um anos.


E mesmo depois de sua morte ele continuou a amá-la até não ter mais forças e ir amá-la além do infinito.


 


 


 


Fim.


 


E aí meninas? Gostaram? Não gostaram?Ficaram supresas com o desfecho da fic? Pois eu confesso que eu fiquei. Juro para vocês que eu me surpreendi comigo mesma.


No incio eu pensei em deixar a Hermione super furiosa com o nosso Loiro favorito, mas aí eu pensei. Seria clichê demais, então decidi mudar todo o final. Me contem o que acharam, pleaaaaseeeee? Ficarei extremamente feliz em saber. Beijos a todas que acompanharam a fic e quero dedicar esse cap a duas pessoinhas super importantes para que essa fic  terminasse de ser escrita bem rápido.


Anne Lizze Bastos e Josy Chocolate, obrigada pelo insentivo, vocês são demais.


Beijo a todas as outras leitoras e mais uma vez muito, muito obrigada mesmo por terem me acompanhado até aqui. Eu não sou a globocó, mas a gente se vê por aqui, por alí, acolá...


Tá , tá... Parei, parei. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 7

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por LoLa Malfoy em 27/07/2017
Que fic, mulher! me tirou o fôlego! <3
Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Diênifer Santos Granger em 16/02/2014

Dá uma passadinha lá na minha fic!!!

http://fanfic.potterish.com/menufic.php?id=46317 

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Aylane Cristina Macedo em 12/02/2014

Que linda a sua fic! Adorei *--*

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por juliana vieira em 08/02/2014

adorei, li tudo bem rapidinho.

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Diênifer Santos Granger em 07/02/2014

Amei! Poxa nunca tinha lido um final DHr tão interessante! Ameeei! Nota mil!

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Anne Lizzy Bastos em 29/01/2014

Muito boa adorei o final de sua fic.
bjs .

Que isso?! Sempre terá meus apoios para fics Dramiones
   

Nota: 1

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por RiemiSam em 23/01/2014

Quase não acreditei que tinha terminado a Fic vi hj. Achei bem interessante a postura da Hernione ela foi inteligente e sagaz. Uma verdadeira sonserimã. Amei!

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.