FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

ATENÇÃO: Esta fic pode conter linguagem e conteúdo inapropriados para menores de idade então o leitor está concordando com os termos descritos.

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

19. Capítulo XIX


Fic: The Marriage Bed


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

Oi, oi povo!! É... quando tudo parece correr bem, sempre tem um porem...


 


Undiscovered: Também gosto dessa época, para romances, porque não sei se conseguiria viver nesse tempo, não com a mentalidade que tenho...  Estou pensando aqui o que vou fazer com aquela parte, não quero deixar daquele jeito... Sobre o creme, na resumida não tem (a fic é baseada nela), mas na versão original tem sim. Ah volta lá no cap. 2, vai te ajudar a entender um pouco melhor as coisas. ^^


Leleu: Eu vou apanhar por conta desse capítulo de hoje??rsrs Olha a culpa não é minha e sim da autora original hein!rsrs
Sobre esses traumas dele, da uma olhadinha no cap. 2. ^^


 


Um beijo pra Carla Cascão e flor, estou aqui rezando pela sua mãe viu, dê noticias.


 


Boa Leitura e bjs.


 


*****


 


Hermione adorava fazer amor de manhã, mas quando Draco acordou nem teve tempo de dar-lhe um simples beijo antes da primeira interrupção.[1]


Uma leve batida foi o único aviso antes de a porta se abrir e Susan entrar trazendo um maço de cartas.


— A correspondência, milady. — quando a secretária levantou a cabeça, viu a patroa sentada em cima de seu marido, nua, com as cobertas tapando muito pouco de seus corpos, corou violentamente. — Oh! — gritou, deixando cair o que segurava. — Eu sinto muito! — agarrou a maçaneta apressadamente e saiu do quarto, fechando a porta atrás de si.


A jovem senhora encarou o marido.


—Viu como a pobrezinha ficou? — sussurrou Hermione — Meu Deus, que susto levou! Creio que Susan pensa que somos indecentes, fazendo amor em plena luz do dia, ainda mais em total nudez — falou meio perdida, numa mistura de vergonha e perplexidade.


Draco rolou para cima dela, sentindo o ar frio do quarto em suas costa e o calor do delicado corpo embaixo do seu.


— Esqueça a senhorita Bones, querida. Onde estávamos mesmo?


— Bem, deixe-me pensar... — com os olhos quase cerrados, ela se ajeitou embaixo do marido — Se não me engano, você estava me beijando.


— Sim, creio que era isso mesmo — se aproximou saboreando os lábios da esposa — acredito que a geleia de amora seria bem vinda agora...


Como resposta de seu pedido, outra batida na porta. Era a vez da empregada trazendo o desjejum.


— Seu café, senhora. Jesus Cristo!


— Deus, tenha piedade! — o loiro murmurou, enquanto a empregada largava a bandeja em qualquer canto e saía às pressas, fechando a porta atrás de si.


O casal começou a ouviu vozes cochichando no corredor e até risadinhas, sem dúvida comentando o fato de que nenhum homem jamais dormia a noite toda no quarto de sua esposa.


Draco esperou até que todos os sons cessassem e certificou-se de que nenhuma outra criada iria entrar, para continuar a explorar as delícias das formas de sua mulher.


— Quer um pouco de chá? — Hermione o empurrou, com um sorriso malicioso.


— Se não tiver algo que eu possa tirar de sua boca com um beijo, não, obrigado. — e se colocou de novo entre as coxas dela.


A porta do quarto se abriu mais uma vez.


— Milorde? — Pringle chamou pelo patrão. — O sr. Flint está lá embaixo, esperando para vê-lo.


— Pringle? — Draco gritou. — Saia daqui!


— Sim, senhor.


O loiro ouviu a porta sendo fechada, mas já tinha havido interrupções demais. O momento se perdera, portanto.


— Lembre-me de ter uma conversa com nossos empregados sobre a rotina matinal — disse ele, desistindo de tentar de novo.


Achando graça, Hermione também saiu do leito. Jogando os cabelos para trás, vestiu a camisola e o robe.


— Talvez você esteja muito afoito — comentava encanto amarrava o robe.


— Afoito, eu?! — deu um salto da cama e aproximou-se por trás. A jovem deu uma risadinha tentou se afastar, mas ele a puxou de volta pela cintura — Você é que quase me devorou ontem à noite. Nunca se cansa de fazer amor comigo, não é?


— O que? Ora... — tentou se afastar.


A segurou mais firme e beijou-lhe a nuca.


— Confesse.


— Não, você já é bastante convencido. — se soltou do abraço e puxou a sineta para chamar a camareira. — Além disso, seu secretário o aguarda, e eu tenho de ir à cidade. Sendo assim, é melhor pararmos de nos divertir e começar a cuidar de nossos assuntos.


— Por que tem de ir a cidade?


— Esqueceu-se de que tenho de organizar um baile? Meu baile de caridade, Draco.


Ele resmungou.


— É imprescindível nossa presença? Detesto bailes à fantasia.


— Minhas obras de caridade são muito importantes para mim. Se não bastasse, perdi o do ano passado e não posso tornar a faltar. De todo modo, não sei do que está reclamando. — comentou — Você não pode ir.


— Por que não?


Ela sorriu, segura de que desta vez o tinha pego.


— Porque não recebeu nenhum convite.


— Não importa — riu divertido — Falsifiquei um de lady Brown há muito tempo — a beijou e se encaminhou para seus aposentos — Não admira que sempre perca no jogo de xadrez, querida — disse balançando a cabeça e sorrindo de forma vitoriosa saiu.


Quando entrou em seus aposentos, ainda a escutou dizendo, do outro lado...


— Não acredito que me casei com esse homem!


 


 


O secretário esperava pelo patrão no escritório.


— Fico feliz em saber que se curou do sarampo, Marcos — Draco o cumprimentou, sentando-se atrás da escrivaninha. Fazia muito tempo desde a última vez em que havia sentado nesse escritório, pensou em como se sentia bem voltando ali.


— Obrigado, sir. — abriu uma pasta. — O senhor tem muita correspondência para responder.


— Estou certo de que, com você sendo preguiçoso, durante a última semana e meia as minhas custas, é natural que tudo se acumule...


Flint havia trabalhado com ele tempo suficiente para perceber que ele estava brincando, mas o pobre não tinha nenhum senso de humor, permanecendo dessa forma impassível.


— Desculpe-me senhor.


Draco suspirou e mudou de assunto.


— Algo importante?


O secretário apresentou a pasta aberta para que o loiro pudesse ver. Estava cheia de pequenas folhas de papel rosa, dobradas e seladas. Pansy...


Olhou as missivas, e seu sorriso foi substituído por uma leve irritação.


— Meu Deus — murmurou — quantas são?


— Sessenta, milorde. Enviadas de Calais.


— Todas nos últimos dez dias? — Draco apanhou uma porção delas, imaginando que tipo de mulher faria aquilo.


Lembrou-se da mulher que fora sua amante no outono e no inverno do ano passado, e não recordou nada relevante sobre ela. Cabelos negros, olhos castanhos... Um tipo de jovem fácil de se gostar e fácil de se esquecer.


— O que Pansy espera conseguir com isto? Mais dinheiro? — o secretário nada comentou, pois sabia que se tratava de uma pergunta retórica. Aguardou por suas ordens.


— Marcos, quero que você... — ele foi interrompido pela abertura da porta.


— Draco, a que horas pretende ir para a cidade? — Hermione parou à soleira, o olhar fixo no montante rosa.


Ela empalideceu e seus olhos se arregalaram, e o loiro pôde ler seus pensamentos como se estivessem escritos na testa.


— Hermione... — começou a dizer.


— Sinto muito. Não pretendia atrapalhar. — e ela deu-lhe as costas.


— Hermione!


A jovem estacou por um segundo, mas logo continuou a andar, sem olhar para trás, até desaparecer da vista dele.


Ele deixou cair a montanha de cartas na pasta.


— Queime essa droga toda! — ordenou alto o suficiente para que a esposa ouvisse. — Ou melhor, mande-as de volta para a srta. Parkinson, com uma mensagem dizendo que não lhe darei mais nem um centavo e que ela não volte a me procurar. Entendeu?


Sem esperar uma resposta, saiu correndo atrás de Hermione. Encontrou-a no terraço, mirando o rio, que brilhava a distância. Decerto ela ouvira o som de suas botas nas pedras, mas não se voltou.


— Eram cartas de amor, não? Ora, o que estou dizendo? Lógico que eram. Papel cor-de-rosa, letra feminina... pude até sentir o perfume!


— Ela escreve para mim, mas eu não escrevo para ela.


— Sei disso — concordou com a cabeça, mas continuou contemplando as águas.


O fato dela estar tão calma o impeliu a falar.


— Não estou mais com Pansy. Rompemos há alguns meses.


— Não tem de me dar explicações, Draco.


— Claro que não tenho, droga! Não há nada para explicar. Acabou.


Ela cruzou os braços e girou a cabeça ligeiramente em sua direção.


— Pelo volume de correspondência que envia, parece que a srta. Parkinson ainda não se deu conta desse fato.


— Mas deveria. Deixei tudo bem claro, paguei o contrato dela. Já a havia abandonado meses antes da morte de Regulus. Você é a única mulher com quem tenho estado desde então.


A jovem o olhou.


— Acredito em você.


Mas a frieza intensa em seu olhar o machucou. “Não, não faça isso, querida”, pensou.


— Parkinson está apaixonada por você?


— Amor? — sua voz era dura e nervosa perante a ideia. Ela fez uma careta de dor e o loiro acabou por suavizar sua voz por um momento — De modo algum. Pansy é uma cortesã, Hermione, uma acompanhante paga. Esses arranjos não têm nada a ver com amor; não compreende?


— Creio que é a srta. Parkinson quem não compreende isso. — ela tornou a olhar para o rio.


Draco fitava as costas rígidas de sua esposa por um longo tempo, sem saber o que dizer. Ele não sabia o que ela queria que fizesse. Com um suspiro, girou nos calcanhares e foi embora.






[1] Ok gente, não briguem comigo... Juro que não é culpa minha!rs


Quem leu minha outra adaptação, sabe do que estou dizendo. ^^



Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 4

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Undiscovered em 28/06/2012

Ah sim sim, nao lembro exatamente qual versao que eu li... Na verdade nem sabia que existia duas haha! Vou procurar depois. 

Nota: 1

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Carla Balsinha em 25/06/2012

Olá querida!

Eu bem disse que reconciliação ía durar pouco....apetece-me bater no Draco!!O homem não é nada energético,não sabia dizer á outra com firmeza que tudo não passou de uma simples aventura e depois quer que a mulher lhe perdoe....agora é que vai ser posto á prova...será que a hermione é suficiente forte para ultrapassar esta quesília?!A ver...vamos....

Peço-lhe desculpas por não ter comentado antes,isto por aqui tem sido uma odisseia....mas no meio disto tudo,houve uma evolução,a minha mãe já toma banho na banheira,havia de ter visto a felicidade dela,com a ajuda do apoio domiciliário e uma cadeira especial que emprestaram á minha irmã,foi maravilhoso!

Cá espero novo capítulo

Beijinhos grandes

Carla Cascão

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por taina cullen em 20/06/2012

bom, eu acho que a mione foi bem compreenciva, vamos ver como ela vai agir apartir d agora neh.
ps: boiei na ressalva (qual adaptação?)
bjoks 

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por leleu_mione em 20/06/2012

Uau, mas o draco é zicado né, também quem mandou bancar o galinha por todos esses anos? Agora vamos começar tudo de novo. Coitada do nosso casalzinho maravilhoso. Beijos e até o próximo capítulo.

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.