FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

ATENÇÃO: Esta fic pode conter linguagem e conteúdo inapropriados para menores de idade então o leitor está concordando com os termos descritos.

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

17. Capítulo XVII


Fic: The Marriage Bed


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

Oi, oi povo!! E com vocês a tão esperada (acho eu) NC, já adianto que pra quem não gosta, não leia o capítulo.


 


Undiscovered: Li com todo cuidado sua sugestão e estou considerando sim, não sei se seria de todo mal esse filho, mas acho que depende muito das circunstancias e a maneira como vai será escrita, teve algumas partes de que não gostei também e estou pensando no que fazer. Só espero não desagradar no final...


Leleu: Pois é, né? Só mesmo ele pra me falar uma coisa dessas... Só lendo o capítulo de hoje pra saber se a Hermione amoleceu ou não...


Taina: Como disse pra Leleu, só o Draco pra falar uma coisa dessas...rsrs


 


PS. Carla, espero que sua mãe esteja melhor.


 


Bjs e boa leitura.



*****





Depois do mergulho em águas lamacentas, foi necessário um longo banho antes do jantar. As empregadas trouxeram água quente para encher a banheira de cobre. Hermione se banhou, e, enquanto Winky a ajudava a secar os cabelos com a toalha, não podia deixar de pensar em Draco e na aventura daquela tarde, na maneira em que ele a olhava e nos versos por ele recitado. Ele realmente sentia o que disse?


Aquela pergunta martelava em sua cabeça. No quarto de vestir, a camareira ofereceu vários vestidos para sua escolha, mas sua mente não estava ali.


Será que ele fora sincero? Com todas as outras mulheres com quem havia estado, como podia se assegurar de que significava mais para ele do que qualquer outra? Como poderia ter certeza de que iria durar? Hermione podia ouvir o barulho dos empregados levando água e enchendo a banheira do marido, acabou imaginando-o nu. entrando na banheira. Recordava muito bem como era seu corpo másculo, suas recordações e imaginações começaram a atormenta-la, da mesma forma que os sonhos da noite anterior  e de muitas outras.


Havia dito que nunca quis tanto alguém. Disse também que não existia rosto mais belo do que o seu. Era verdade tudo aquilo que dizia? A jovem tratou de lembrar a si mesma que palavras não bastava. Que seu desejo não significava nada. Mas era difícil preocupar-se com isso, ainda mais quando a única coisa que lembrava era o desejo que ela mesma sentia quando a beijava e a acariciava.


“Ouve uma vez em que tudo ia bem conosco, lembra-se?”


Claro que se lembrava.


Apertou a testa com os dedos, tão desorientada que mal conseguia raciocinar.


— Senhora, está se sentindo bem? — ela encarou a empregada.


— Sim Winky, obrigada.


A criada, que a servia os quinze anos, sorriu e lhe mostrou os vestidos.


— Marfim ou azul?


— Azul — respondeu sem se importar, e a mocinha deixou o traje azul-céu em suas mãos.


Hermione nem se mexeu. Do outro lado da porta, escutava Draco conversando com Pringle. Não entendia o que diziam, porque em sua mente só podia ouvir as palavras daquela manhã.


“Eu te quero, e quero que me queira também. Desejo-a tanto Hermione, que sou capaz de enlouquecer... Mesmo quando as coisas estavam péssimas entre nós, eu tinha esperança de que, um dia, voltaríamos a viver juntos.”


No mesmo momento tudo ficara muito claro e todas suas emoções mistas foram fundidas em uma decisão muito simples. Respirou profundamente e andou na direção de Winky.


— Winky, diga ao pessoal da cozinha para atrasar o jantar em algumas horas.


A empregada olhou para ela, sem entender.


— Claro, milady.


— Vá e encontre algo para fazer até que a chame, mas pode acontecer de não a chamar.


Um brilho de compreensão e assombro passou pelo rosto da moça. Fazendo uma reverencia, andou até a porta, saindo do quarto. Quando se viu a sós, a viscondessa foi até o toucador e apanhou um pente. Separou as mechas molhadas, mas não as trançou, e voltou ao quarto de vestir com os cabelos soltos.


O loiro ainda estava no banho. Ela podia ouvir o ruído da água e a voz dele, conversando com o camareiro. Parou com a mão na maçaneta, se deteve pou um instante para respirar fundo e entrou.


Avistou Draco recostado na banheira, os braços apoiados nas laterais, e Pringle, ao lado em pé, com uma toalha nas mãos. Ambos a olharam surpresos com sua entrada.


Ignorando o criado, Hermione olhou dentro dos olhos de seu marido.


— É mesmo verdade? Você está sendo franco em tudo o que me diz? — perguntou sem cerimônia.


O loiro fitou o empregado e fez um sinal para que saísse. Pringle pôs a toalha sobre uma banqueta e se foi no mesmo instante, fechando a porta atrás de si. Ela esfregava as mãos, nervosa, esperando por uma resposta.


Draco se recostou na banheira, sorrindo enquanto a olhava.


— Se falava sério, o que? — perguntou com certa inocência, mas seus olhos a olhavam de forma ardente — Que seus olhos são da cor da lama?


A jovem titubeou, sentindo-se imediatamente tímida e sufocada, perguntando-se se não estaria a ponto de cometer um erro terrível.


— Não... — sussurrou, o medo retornando novamente. Seu coração batia tão depressa, tão forte, que estava segura de que ele podia ouvir, mesmo estando do outro lado da habitação, no entanto, ela permanecia em pé, numa agonia de incerteza — Sobre que nunca havia desejado tanto ninguém como me desejou, os momentos preciosos, o quanto sou importante para você e tudo o mais... e o que disse essa manhã, que esperava voltar a viver comigo um dia... Falava sério, ou eram somente palavras que sabia que eu queria ouvir?


Ele não respondeu, e esse momento de silencia a destroçou.


— Não importa. — murmurou, dando meioa volta para regressar a segurança de seu quarto.


O barulho da água foi o único aviso de que ele saíra da banheira. Hermione não tinha dado mais que dois passos quando Draco a alcançou, rodeando sua cintura e a apertou contra si.


— É verdade — sussurrava, beijando-lhe o pescoço — Nunca fui tão honesto em toda a minha vida...


O corpo úmido, a boca quente... e essas sensações acabaram de pôr em terra as últimas resistências dela. A ansiedade que ela estava segurando há anos irrompeu em um instante. Com um gemido, se virou e envolveu com seus braços o pescoço do marido. Procurou por seus lábios e o beijou com avidez, um beijo faminto, ansioso e molhado, nascido de todo o tempo em que não esteve com ele. Agora, apertava-se contra seu amor, beijando-o com toda a paixão que negara a ambos.


Draco, embora surpreso, abraçou-a com mais força e aprofundou o beijo, a língua invadindo aquela boca voluptuosa, as mãos apertando-lhe as nádegas. Tudo o mais no mundo resumiu-se a nada.


Sua boca na dela se derretia ao saborear aqueles beijos quentes, profundos com pequenas mordidas rápidas enquanto a conduzia de costas pela porta até o quarto dela.


 Lá, ele se movia e guiava a jovem como se estivessem dançando. Quando ela foi colocada de encontro à parede, ao lado da cama, o loiro procurou pelo laço de seu robe, soltou-o e puxou a peça de roupa para trás, deixando-a cair pelos ombros, mas ficou presa nos quadris. Hermione se afastou da parede e o robe deslizou com suavidade até seus pés.


O ar do dormitório estava gelado, mas quando as mãos do marido tocaram sua pele nua, sentiu-se incendiar. Ele pegou seus seios com ambas as mãos, as pontas dos dedos apertando os mamilos enrijecidos, enquanto beijava com muito carinho seu rosto, o queixo, a testa, os lábios.


Afastou-se um pouco para ver as próprias mãos tocando o corpo do homem que tanto amava, a pele úmida pela água do banho, quente como fogo sob seus dedos. O acariciava contemplando o caminho que fazia pelo torso nu. Ela se lembrava daquilo, a forte parede de músculos de seu tórax, o abdome firme, as formas de Draco, tão bonitas e vigorosas como nove anos atrás. Espalmou as mãos no baixo-ventre dele, mas, antes que pudesse descer mais, ele a impediu.


— Não... — disse, quando ela murmurou um protesto.


— Mas eu quero tocá-lo...


— Mais tarde. — e a fez calar com um beijo, pegou suas mãos e as prendeu na parede.


Em seguida, baixou a cabeça e tomou um dos mamilos de leve entre os dentes, para logo depois saborea-los sugando com fome, primeiro um e depois o outro, mantendo-a presa e imóvel. Hermione vibrava a cada toque, suspirava e gemia, implorando por mais. Quando ele prendeu seu mamilo entre os dentes outra vez, ela se curvou com um grito de prazer. Sentia o calor crescendo entre suas coxas, contorcia-se, movendo os quadris na direção dele, mas o loiro estava fora de alcance.


— Draco, por favor, toque-me...


Ele largou o mamilo e fez um caminho de beijos até o pescoço.


— Já estou tocando você.


— Não demore... — ela implorava — Toque-me.


— Onde?


— Você sabe onde.


— Não, não sei.... — disse beijando-a


Ela queixou-se, esticando os braços.


— Você sabe, claro que sabe...


O loiro se levantou enquanto suas mãos brincavam com seus seios


— Diga-me. Quero que fale. Adoro isso, lembra?


E como se lembrava, uma excitação desaforada fluía por todo seu ser. Envergonhada, escondeu o rosto no peito forte. Ele estava querendo demais em muito pouco tempo. Sentiu os dedos ágeis deslizarem por entre suas coxas.


— É aqui que quer que eu a toque? — perguntou com ternura.


Hermione balançou a cabeça em afirmativa, e ele deslizou um dedo entre suas pernas. Ela gemeu.


— Adoro isso Draco, adoro...


— Eu sei, querida. — beijou-a outra vez. — Mas há algo que sei que gosta ainda mais...


Ele se ajoelhou e a castanha tremeu inteira sabendo o que viria, seu marido começou a traçar um caminho de beijos em seu ventre, e mais para baixo... Os dedos seguiam a boca, movendo-se com perícia ao redor de sua intimidade. Draco sorria, tocando a marca de nascença em forma de violino que a esposa possuía entre as coxas.


— Eu me lembro dessa marca... — murmurou — Tenho sonhado com ela quase todas as noites. — e pressionou os lábios contra a marca marrom, depois beijando um pouco mais para cima, sentindo a suavidade dos pêlos.


Hermione se curvava, pedindo pelo prazer daquele beijo íntimo. As mãos fortes agarravam seus quadris, mantendo-a firme contra a parede.


Começou a carícia devagar, primeiro embaixo, depois outra vez em cima, movendo sua língua por toda a extensão de sua intimidade, saboreando, sentindo o gosto doce do amor, enviando-lhe sensações de calor que pulsavam por toda a sua corrente sangüínea. Ela tremia com cada investida suave da língua, gemendo, as mãos apertando os ombros dele.


— Draco... Draco... — suspirava e movimentava os quadris, incapaz de fugir daquela deliciosa prisão.


Então, a língua quente tocou aquele ponto mais sensível de todos. Quando Hermione pensava que ia enlouquecer, ele a soltou um pouco para que pudesse se mover à vontade contra sua boca. Ela se deliciava cada vez mais, até que foi envolvida num redemoinho que parecia não ter fim. O loiro deu-lhe um último e longo beijo, então parou e ficou de pé.


Sem forças, ela se deixou cair para a frente, nos braços dele, arfando, o corpo ainda pulsando de prazer. Ele a apertou contra si, e com isso pôde sentir toda a força de sua ereção contra seu ventre.


— Quero você, Hermione. Não posso esperar mais — dizia com urgência.


Agarrou-a com ambas as mãos e deitou-a de costas na cama, seus joelhos se moveram apartando as pernas torneadas da esposa.


— Venha para mim. — deitou-se sobre ela. — Agora, querida, venha para mim...


Era a vez de Draco implorar, pensou, com satisfação. Ele se comprimia em cima dela, com uma urgência tão desesperada que ela não resistiu mais, e o recebeu.


O loiro a penetrou, sugando os seios com força. Sim, suspirou, ela se lembrava disso também. Aquele era Draco, ardente, forte, possuindo-a com paixão. Mesmo assim, dentro dela, não parava de beijá-la, mordiscar sua orelha, pescoço, ombro, de tocar seus seios. A agitando cada vez mais, obrigando-a aceitar seu tamanho, penetrando-a fundo cada vez mais, atingindo um ponto de extremo prazer, se contorceu, praticamente gritando.


— Draco!!! Sim...!


Frenética e extasiada, correspondia as investidas se movendo também, sua palavras de suplica saiam em tropel, em uma série de sílabas desconexas.


— Mais depressa... oh, por favor! Por favor! Sim, isso!


O loiro aguentava seu peso sobre os braços, obedecia as agitadas exigências, penetrava-a rápido e com firmeza, uma e outra vez, até que a sentiu se apertar contra ele e chegar ao clímax.


— Vem Draco... vem... — suplicava — mais... mais...


Draco soltou um gemido rouco no cabelo dela, apertando-se naquele corpo como se ainda não estivesse perto o suficiente. Um forte estremecimento se apoderou dele quando seu prazer chegou, e todos os músculos ficaram rígidos enquanto a inundava de calor. Se deixou cair em cima dela, ofegando contra o travesseiro. Ergueu a mão e a tocou no rosto.


— Hermione... — suspirou — Meu Deus, Hermione — respirava com força, beijando seus cabelos, sua orelha, seu pescoço — Era verdade — disse num sussurro —  juro que era verdade, querida, cada palavra!


Ela sorria, acariciando as costas de seu amado, passando as unhas pelas linhas firmes, sentindo, de novo, o peso familiar do corpo do marido.


“Draco, bem-vindo de volta ao lar.” Pensou feliz.

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 3

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Carla Balsinha em 05/06/2012

Alô querida!

Desta vez li o capítulo atrasado e hoje este,que está maravilhoso!E,agora o que irá acontecer a seguir?!Será que vão ser felizes desta vez,ou vem por aí ainda mais confusão?!

E,quando é que o Draco admite de uma vez que a Hermione e diz o que sente?!

Obrigada amiga,por se preocupar,ontem fomos novamente com ela para o hospital,passou a noite anterior com muito mal estar,pensou-se que era da vesícula,mas não,parece que é do estômago,agora tem de fazer uma endoscospia....depois é esperar para ver...Mas,Há-de correr tudo bem,tenho muita fé amiga!

Beijinhos grandes

Carla Cascão

 

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por taina cullen em 04/06/2012

*-*

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por leleu_mione em 04/06/2012

Uau, o que foi isso, digno de uma reconciliação depois de tanto tempo, como o draco e a mione são explosivos, ardentes, o casal mais perfeito com certeza. Adorei o capítulo (e poderia ser de outra forma?) e estou aguardando a continuação, beijos.

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.