FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

ATENÇÃO: Esta fic pode conter linguagem e conteúdo inapropriados para menores de idade então o leitor está concordando com os termos descritos.

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

23. Segredos e Revelações


Fic: Os Sete Desafios


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________


Dobby, Cho e Hermione estavam no interior da biblioteca de Hogwarts, em uma mesa afastada de todos, próxima a seção restrita. A oriental por ais que tentasse escapar não conseguia livrar-se do elfo que estava determinado a ajudar Hermione a desvendar a verdade sobre a corvinal.


-Como ousam me sequestrar assim? O Harry sabia disso?


Esbraveja Cho lançando um olhar mortal para a grifinória que permanecia impassível.


-Não estamos sequestrando você Cho, não há ameaças ou acusações, simplesmente não tivemos oportunidade de conversar sem causar problemas com Harry, Draco Malfoy ou Jason Stuarts!


Ao mencionar os dois últimos nomes a corvinal sentiu-se estremecer de pavor, reação que não passou despercebida por Dobby.


-Já contei tudo para o Harry!!! Não quero passar por tudo isso novamente, eu não me lembro de nada!!!


Responde a oriental ficando mais nervosa ainda.


-Então porque o Malfoy e o Stuarts a assustam tanto?


Pergunta Hermione transmitindo uma calma que no fundo não sentia, ela sabia que Cho estaria escondendo a verdade, e que deveria conduzir esta conversa com máximo cuidado para que a corvinal não voltasse a jogar Harry contra ela.


-Eles não me assustam!


Defende-se Cho jogando os longos cabelos negros para trás enquanto desviava os olhos para longe de Hermione.


-Até mesmo a Luna já percebeu isso!


Reclama a grifinória, mas Cho permanecera em silêncio.


-Qual a primeira vez que percebeu essa marca em seu pulso?


Pergunta Hermione sem rodeios deixando a oriental chocada. Cho abriu e fechou a boca uma dúzia de vezes sem deixar um único ruído escapar de sua garganta. Hermione estreitou os olhos em sua direção enquanto Dobby assistia a tudo concentrado.


-F-faz alguns dias!


Responde nervosamente a corvinal.


-Quantos dias exatamente, essa marca não é tão pequena a ponto de se deixar passar por seus olhos Cho!


Rebate Hermione ficando séria novamente.


-Eu já disse que tudo parece um borrão na minha memória, não existe nada de concreto!


Defende-se Cho desesperada batendo uma das mãos sobre a mesa.


-Não estou perguntando sobre suas memórias, apenas quero saber há quanto tempo notou a rosa em seu pulso!


Explica pacientemente a grifinória como se estivesse diante de uma criança de sete anos de idade. A forma pacífica como Hermione a tratava deixava a oriental mais intimidada ainda, a grifinória a estava encurralando literalmente.


-Há mais ou menos uns... três dias!


Responde evasivamente e Dobby a encara com desconfiança. Assim como Hermione ele percebera que coincidia com a mesma data do incidente no campo de quadribol e ainda poderiam estar lidando com uma falsa resposta.


-E quando ela começou a tomar seu antebraço?


Pergunta Hermione sem hesitar, ela teria que encontrar alguma forma de arrancar a verdade de Cho, ela não gostava disso, mas estava envolvendo a segurança de pessoas importantes demais para ela, especialmente Harry e Hermione não poderia falhar.


-Para quê serviria essas informações afinal?


Desafia Cho sem desejar revelar mais nada a respeito da “maldição da rosa” como chamava.


-Não subestimo sua inteligência Cho!


Responde Hermione estreitando os olhos perigosamente e a oriental desvia o olhar, afligida.


-Eu não quero colocar Harry, Rony, Ginny, Luna ou “até mesmo” o Malfoy em perigo! Se estas consequências chegaram até você não demorarão à atingi-los, descobrindo o que aconteceu a você eu poderei concertar... o meu erro!


Argumenta a monitora-chefe com um esforço sobre-humano para admitir que existe “mesmo que numa porcentagem consideravelmente nula” a chance de ter cometido algum erro “apesar de ter certeza absoluta que não houve erro algum”.


Cho a fitou com curiosidade, como se tentasse ler através de seus olhos algum sinal de leviandade, não encontrando nenhum respondeu secamente.


-Começou ontem, quando vi você e o Harry juntos! Essa coisa começou a queimar como se deixasse minha pele em brasas!


Hermione respira fundo, aqueles era um dos sinais óbvios do sacrifício, quando começa as marcas queimam como fogo mágico quando despertam a cólera de seus “usuários”.


-O pouco que sei sobre isso me fez perceber qual poderia ser meu possível “sacrifício”!


Completa Cho com ironia diante do olhar inquieto de Hermione, a julgar pela expressão da grifinória a oriental percebeu que ela também desconfiara disso.


-Você acredita que para se livrar da maldição tenha que me separar do Harry!


Fora mais uma conclusão do que um questionamento e Cho apenas balançou o rosto em confirmação. Hermione engoliu seco, sentiu-se ligeiramente zonza antes de fazer a pergunta que seu coração exigia e sua mente reprimia arduamente.


-E... o Harry... ele sabe disso?


Pergunta Hermione e dessa vez Cho sentia-se em vantagem, levantando uma sobrancelha sugestivamente ela responde num tom de voz calmo e melodioso.


-Ele não contou sobre a nossa conversa?


Hermione amaldiçoou-se por se permitir cair nessa armadilha, seu lado racional a pressionava por deixar seus sentimentos interferirem, mas não poderia evitar, em nome de Mérlin, era uma das garotas mais cobiçadas de Hogwarts e antiga paixão de Harry que estava deliberadamente tentando roubá-lo de suas mãos.


-Não importa!


Completa Hermione tentando evitar o olhar atrevido de Cho em sua direção.


-Se lembra de mais alguma coisa dos dias anteriores à “descoberta” da marca?


Questiona a grifinória mecanicamente.


-Se desejava um interrogatório completo deveria chamar os aurores!


Rebate Cho com um sorriso presunçoso que obrigou Hermione a contar até mil mentalmente antes de respondê-la com uma gentileza desconcertante.


-Eu o faria se isto não comprometesse a todos nós à uma longa e desconfortável estadia em Azkaban! Ritos como estes foram banidos há mais de um século atrás e são punidos com o exílio mágico!


Os olhos da corvinal ampliaram-se chocados, esse era o preço de revelar ao ministério seu segredo? Jason não a havia alertado quanto a isso.


-Está mentindo!


Gritou Cho, mas Dobby a conteve em defesa de Hermione.


-Hermione Granger não mentir!


Anuncia o elfo lançando um olhar reprovador para a corvinal.


-Jason tinha razão!!! Você foi longe demais e está arrastando o Harry na sua loucura!!! Não percebe o que está fazendo com a vida dele???


Esbravejou a oriental soltando-se de Dobby, seus olhos arderam em ódio antes de sua ultima palavra.


-Não sei o que fez para ele estar tão obsecado por uma garota como você, mas não vou deixar você prejudicar o Harry!


Ameaçou a garotaa antes de deixar a biblioteca à procura de Luna. O elfo voltou-se para Hermione que pareceu congelar naquele momento, seus olhos castanhos tão cheios de vida, estavam vazios de emoção e seu roso encontrava-se ligeiramente pálido.


-Dobby vá com ela!


Pede a grifinória fracamente.


-Harry Potter pedir para Dobby cuidar da sua Granger!


Responde o elfo conjurando um copo com água para a menina.


-Eu ainda posso usar a minha varinha, mas ela não! Por favor, a leve até o salão comunal corvinal e prometo que ainda estarei aqui quando retornar!


Insiste Hermione encarando os pergaminhos em suas mãos. O elfo a contra gosto prometeu retornar rapidamente deixando a monitora-chefe sozinha com seus pensamentos.


...................................Harry Potter........................................


-Hey, Dean!!! Presta atenção no ataque, a Ginny já te derrubou duas vezes, você é o artilheiro cara tem que se equilibrar numa vassoura até amanhã de manhã ou perde alguns quilos pelo menos!!!


Rony gritava ordens para arduamente enquanto analisava o desempenho da equipe. Ele estava pegando pesado no treinamento de hoje, especialmente depois de quase ter terminado com a sua loirinha.


-Prestem atenção... Ginny vamos começar de novo!!!


Ginny parou momentaneamente esticando os braços e massageando o pescoço, sentia-se tensa demais para se concentrar no jogo agora, sua mente não deixava a imagem de Draco sentado contra a parede do dormitório com um olhar perdido.


-Ginny? GINNY!!!!


A apanhadora não percebia os gritos do irmão em sua direção, rebatendo a goles de forma agressiva quase derruba o ruivo da vassoura.


-FICOU MALUCA???


Berrava o capitão enquanto seus colegas seguravam a vontade de rir loucamente do grifinório que se sustentava com as duas mãos num aperto de morte sobre o cabo da sua vassoura.


-Desculpa Rony!!!


A ruiva avança até onde o irmão estava e o ajuda a se recompor antes de retornar ao ritmo de treinamento.


-Estava distraída!


Confessa a grifinória sem jeito, mas não escapou dos serões exagerados de Ron.


-Não podemos nos distrair amanhã Ginny!!! Abrimos os jogos este ano e não quero uma derrota para os Lufa-Lufa tão cedo!!!


Gritava o ruivo ficando vermelho de raiva, Ginny estreita os olhos segurando-se para não puxar sua varinha e estuporá-lo logo em seguida.


Enquanto Harry montado em sua firebolt pairava no ponto mais alto do campo estreitando os olhos calculadamente em busca do borrão dourado que se transformara no pomo.


O sol já não o incomodava tanto em sua procura pelo pequeno e veloz objeto de ouro. Harry admitiu a si mesmo esta vantagem por não ter que se preocupar com seus óculos.


“Ao menos por enquanto” ponderou o grifinório, mergulhando a vassoura numa queda livre de mais de vinte metros perseguindo ferozmente o pomo de ouro com uma agilidade que somente ele possuía.


O vento bagunçava ainda mais seus cabelos negros e um brilho maroto percorreu os olhos esmeralda, jogar quadribol, estar com seus amigos e lembrar que seu pai também estivera neste mesmo campo, sentindo estas mesmas sensações de emoção enquanto perseguia o pequeno globo dourado era uma sensação única para Harry.


Um dos poucos momentos em que se sentia verdadeiramente livre, mas dessa vez algo não estava certo, sua cicatriz ardia sob sua pele por breves instantes quando se aproximou da arquibancada sonserina, um sussurro distante ameaçava sua concentração, mas o moreno ignorou a sensação estranha ligando ao fato de quase ter perdido Hermione naquele lugar.


Passava por seus colegas como um raio e mal enxergavam o vulto vermelho de sobrenome Potter até que este ressurgisse por vontade própria levantando triunfante o pequeno objeto alado.


-Estão vendo? Ao menos o Harry está levando isso a sério!!! E nem está de óculos!!!


Reclama o Weasley fazendo os demais praguejarem baixinho o péssimo humor do ruivo.


-Rony pega leve cara!


Alerta Harry aproximando-se do amigo e mostrando que todos já estavam exaustos. O próprio Rony sentia os ombros doloridos, sabia que estava descontando sua raiva neles e dando-se por vencido anuncia o fim do treino aos demais que comemoravam indo e direção ao vestiário deixando Harry, Rony e Ginny para trás.


-Hey... Rony, Harry me esperem!!!


Grita Ginny do outro lado do campo correndo em direção aos dois.


-Não gosto de ficar sozinha aqui, este lugar vazio ainda me dá arrepios!


Reclama a ruivinha olhando em volta desconfiada.


-Você entra naquela câmara ao lado de um “Malfoy”, encara o defunto de um basilisco que tem vinte vezes o seu tamanho sem dizer nada e está com medo de ficar num campo de quadribol?


Questiona Rony incrédulo até receber uma tapa na nuca de Ginny.


-Eu vi a Hermione ser torturada e jogada de mais de trinta metros de altura enquanto um bruxo louco tentava me matar!!! Acho que isso foi o suficiente!


Responde furiosa a Weasley com as mãos na cintura fuzilando o seu irmãozinho com o olhar.


-Ela tem razão, por mais que eu tente não pensar nisso, lembrar que quase perdi a Mione aquele dia, bem aqui... não torna as coisas mais fáceis!


Comenta Harry olhando para o alto. Agora o trio parava observando todas as arquibancadas vazias havia espaço demais naquele lugar, seria fácil o bruxo se esconder depois de atacar Jason e Hermione.


-Eu me pergunto onde ele poderia ter se escondido!


Completa Rony estreitando os olhos.


-Os aurores vasculharam tudo e não encontraram pista alguma!


Explica Ginny.


-Talvez não tenham procurado direito!


Diz Harry seriamente apertando o cabo da sua vassoura em sua mão com força, somente a ideia do infeliz que teve a coragem de machucar a sua Hermione está livre por Hogwarts e enchia de ódio.


-Bem, a Mione disse que tinha um nevoeiro por aqui e não dava pra saber ao certo por onde o bruxo chegou!


Lembra Ginny seguindo para o local onde encontrara Jason caído. Rony seguiu para o meio do campo onde imaginava estar o bruxo “disfarçado” de Hagrid.


-E Jason Stuarts seguindo a Mione só percebeu o bruxo depois que ele a atacou pela primeira vez, garantindo que era o Hagrid!


Harry estreita os olhos recordando de cada palavra de Hermione sobre o incidente.


-Eles lutaram até o bruxo se cansar e pegar uma vassoura para levar a Mione! Mas, ele não foi a lugar algum, ele queria que “eu” estivesse no lugar dela, esperando que “o menino que sobreviveu” viesse em socorro da sua namorada, mas tem algo errado... eu poderia não ter vindo! Ele não poderia manter a Mione naquela vassoura por muito tempo!


A cabeça de Harry começa a doer, mas o grifinório não desistia de entender o que realmente acontecera.


-Ele levou a Mione, mas esperava que o Stuarts fosse me chamar, assim ele poderia barganhar a liberdade de Hermione...


Completa Harry levando a mão à cicatriz.


-Mas Jason não foi atrás de você, ele estava muito ferido! Ele ficou no chão sem se mover por muito tempo!


Reclama Ginny ainda confusa.


-Então ele estaria aqui para ver que não era mais o Hagrid, ele teria visto que o bruxo se transformou para levar a Mione sobre a vassoura até lá em cima!


Os olhos de Rony brilham com a possibilidade de pegar o lufa-lufa mentindo e já seguia furioso em direção ao castelo.


-Aquele idiota mentiu o tempo todo!


Vociferava o ruivo, mas Harry o impede de sair do campo de quadribol.


-Mas Jason também poderia ter planejado isso! Ele pode estar envolvido, de alguma forma, o bruxo não iria ficar o dia todo com Hermione em seu poder, chamaria atenção demais especialmente com Hogwarts sob cuidados de aurores, ele só teria uma pessoa para negociar a vida da Mione!!!


Harry anuncia com um olhar sombrio que deixou Ginny preocupada e chamou a atenção de Ron que responde num sussurro descrente.


-Stuarts!


Harry balança positivamente a cabeça enquanto Ginny os fitava incrédula.


-Ele barganhou a acusação contra o Hagrid pela vida de Hermione?


Pergunta a ruivinha perplexa, seus olhos demonstravam medo, se fosse desta forma então não teria como colocar o lufa-lufa como traidor, não poderia julgá-lo bom ou mau.


-Como podemos descobrir se isso é verdade?


Pergunta Rony ignorando a pergunta de sua irmã.


-Infelizmente Hermione não conseguia entender muito bem o que acontecia enquanto aquele desgraçado a torturava!


Desabafa o escolhido com amargura soltando o braço de Rony.


-Então somente ele pode confirmar ou negar isso?


Pergunta Ginny novamente irritada por estarem a ignorando.


-Ginny é melhor não se envolver nisso!


Alerta Ron impaciente, mas antes que o ruivo terminasse de falar ela o interrompe seguindo diretamente para Harry.


-A única forma de fazer o Stuarts abrir o bico é usando a Mione! Se eles estiverem sozinhos ele vai se sentir seguro e vai contar tudinho para ela! Aposto a vassoura do Rony nisso!!


Anuncia a ruiva cruzando os braços numa pose determinada. Rony a encarava embasbacado, ela apostaria a “sua” vassoura???? Enquanto Harry estreitava os olhos mortalmente.


-O Stuarts não vai ficar sozinho com a Mione nem por cima do meu cadáver!


Esbravejava o moreno dando as costas para os irmãos Weasley e seguindo a passos pesados para o vestiário. Mal sabia ele que alguém na arquibancada sonserina o observava com extrema atenção.


-Chegou bem perto Potter...


Uma voz rouca e arrastada pronunciara antes de desaparecer sem deixar vestígios.


.....................................Cho Chang............................................


-Varinhas de alcaçuz!!!


Diz entre dentes um sonserino de olhos metálicos e cabelos loiros enquanto uma gárgula se movia de seu caminho abrindo a passagem para o escritório do diretor de Hogwarts. Respirava pesadamente, mas seu semblante permanecia inalterado, demonstrando uma tranquilidade que não existia no sonserino.


Suas vestes negras do tecido mais nobre entre os bruxos, o anel de prata em forma de serpente, botas bem desenhadas de couro de dragão e sua varinha muito bem escondida sob um bolso no interior do casaco ao seu alcance. Ele estava pronto para o encontro com seu pai.


-Algo errado senhor Malfoy?


Pergunta afavelmente o velho diretor ao notar a aproximação um tanto hesitante do loiro da entrada do escritório. Draco ampliou ligeiramente os olhos cinzentos, Dumbledore já sabia que era ele mesmo sem tê-lo encarado.


-Tenho algo muito importante para tratar com o senhor!


Responde em um tom que lembrava o próprio Lúcius. O diretor volta-se para o garoto com um olhar curioso e um pouco condescendente, enxergava aflição por trás da mascara de indiferença de Draco.


-Pois bem senhor Malfoy... sobre o que poderíamos conversar nesse exato momento? Acredito que deveria estar seguindo para a mansão de seu pai como lhe foi designado!


Completa Dumbledore o fitando com seus orbes azuis, esperava que o sonserino lhes contasse sobre as discussões e ameaças de Blaise Zabini, sobre seu envolvimento no vinculo de sangue com Harry, Ron e Hermione, ou até mesmo sobre seu recente envolvimento com a mais nova dos Weasley.


-Estou sendo forçado a servir o senhor das trevas...


Revela o sonserino sem demonstrar um único gesto de arrependimento ou culpa... simplesmente não havia emoção em sua expressão. No entanto, as feições de Alvo Dumbledore tornaram-se sombrias. Abominava a idéia de um de seus alunos serem forçados a servir Voldemort.


 -Há quanto tempo?


Questiona o diretor assumindo uma postura elevada.


-Desde o último verão! Achei estranho não ter as correspondências do meu pai interceptada como no último verão... quando me colocou na posição de monitor-chefe!


Completa o sonserino com amargura enquanto Dumbledore estreitava os olhos.


-Suponho que esta visita à sua casa esteja envolvida no plano de Lúcius em torná-lo um dos comensais da morte!


Conclui o mais velho furioso e Draco apenas confirma com um movimento do rosto.


-Não permitirei que vá! Entrarei em contato com a ordem, você estará protegido dentro de Hogwarts, Snape deveria ter me contado sobre isso!


Responde Dumbledore irritado levantando-se e seguindo até Fawkes enviando-a para contatar um dos membros da ordem.


-Mas eu quero ir!


Responde o loiro com determinação ganhando um olhar preocupado do diretor. Percebendo que se expressara de forma errada o sonserino completa:


-Não tenho interesse algum em me tornar um deles, mas preciso ir! Você-sabe-quem está ameaçando a vida de minha mãe, meu pai está obcecado pelo poder das trevas exigindo que eu entregue a... alguém muito importante para mim... se eu não for ele poderá machucá-la e...


Dumbledore interrompe o desabafo desesperado do Malfoy.


-Se “ela” estiver em Hogwarts nada poderá machucá-la senhor Malfoy! Sua família apesar dos poucos recursos, esta sempre por perto!


Responde o diretor diante de um Draco lívido, Dumbledore sabia o tempo todo que a pessoa importante para ele era Ginny.


-Mas este não é o único motivo não é?


Arrisca Alvo retornando a sua mesa e encarando o loiro com atenção.


-Entre todos os alunos em Hogwarts sou o único que lida diretamente com os comensais da morte sem levantar suspeitas de ambos os lados... para meus “colegas” sou o aspirante número um à comensal da morte... assim como para meu pai e seus aliados...


Hesita o sonserino desviando os olhos do diretor e tomando coragem.


-Eu poderia ser um espião, como o meu padrinho, Snape! Em troca teria proteção dentro e fora de Hogwarts!!!


Dumbledore não esperava por esta decisão de um aluno seu, em séculos, não conseguia acreditar no que ouvira... especialmente por estas palavras terem saído da boca do mais improvável deles... Draco Malfoy.


-Estaria colocando sua vida em risco desnecessariamente, você ainda é um dos meus alunos e irei protegê-lo enquanto permanecer no território de Hogwarts!


Defende-se Dumbledore balançando negativamente a cabeça contrariando o loirinho.


-Senhor Malfoy, posso não ter manifestado minha presença nos últimos dias quanto ao acontecimento da câmara secreta envolvendo Harry Potter, a senhorita Granger, senhor Weasley, Luna Lovegood e a senhorita Ginevra Weasley... mas, não significa que os perdi de vista! Diante da atual condição que os envolve não posso permitir que nenhum de vocês se arrisquem desta forma!


Anuncia o diretor o encarando por cima dos óculos meia lua, deixando Draco impaciente.


-Eu não posso ficar de braços cruzados enquanto sofro ameaças de ambos os lados!


Responde venenosamente o sonserino.


-O que pretende seguindo em frente com essa idéia equivocada senhor Malfoy?


Questiona Dumbledore assumindo um tom mais paternalista, era evidente nos olhos do loirinho que uma batalha de valores e decisões acontecia. Algo extremamente raro dada a natureza sonserina a qual Draco pertencia, ele estava mudando.


-Não quero me tornar um deles!


Responde quase desesperadamente.


-Esta não me parece uma razão muito convincente para permitir que siga com sua idéia adiante!


Rebate o diretor colocando-se firme na decisão de não deixá-lo ir.


-Não serei um fantoche de você-sabe-quem!


Defende-se o Malfoy ficando vermelho de raiva, como se estivesse diante de Lúcius, gritando para seu próprio pai que não seria submisso à ele, que tinha orgulho e ninguém o pisaria desta forma.


-Se continuar a pensar como ele não fará diferença segui-lo como comensal ou não!


Alerta o diretor com cautela, mesmo sabendo que poderia estar provocando o sonserino, precisava certificar-se de que a mudança no garoto era verdadeira para tomar sua decisão final.


-Não penso como ele, sou um nobre puro-sangue e defenderei minha soberania mágica até o ultimo dia da minha vida, mas não desceria tão baixo quanto ele para provar isso!!! Eu tenho o direito de escolher como seguir a minha vida!


Responde arfando furiosamente o sonserino.


-E isto não tem nada haver com a garota Weasley?


Draco emudeceu perante a voz desdenhosa e arrastada do professor Snape que acabava de chegar ao escritório de Dumbledore pelo chamado de Fawkes.


-Sim... tem tudo haver!


Responde secamente depois de alguns breves minutos.


-Então professor Dumbledore... qual a sua decisão?


Questiona Draco diretamente à Alvo Dumbledore que o encarava com um olhar misterioso.


...................................Ronald Weasley...........................................


Luna sorria suavemente e seus olhinhos azuis iluminaram-se com a lembrança do beijo que Rony lhe roubara antes de seguir para o treino de quadribol. Ela ainda sentia os lábios formigarem e seu coração disparar como se ele ainda a estivesse abraçando possessivamente.


Uma sensação de euforia a invadia por dentro e seu coração se aquecia como nunca. Ele não desistira dela, enfrentou todos seus amigos sem se importar em sair machucado só para provar que a merecia e Luna nunca se sentiu tão importante para alguém como ele a fazia sentir.


Ela tinha certeza que seu Ronald era o único capaz de despertar sentimentos tão revigorantes dentro dela, o grifinório de cabelos vermelhos era o seu sol, sua luz, e a partir de agora não haveriam Drifikies capazes de fazê-la duvidar do amor que crescia entre os dois.


Foi com esses sentimentos sublimes que Luna enviou uma carta ao seu pai. Narrando tudo o que acontecera desde o primeiro dia em Hogwarts, pedindo para que tomasse cuidado com os dias que virão e que lhe enviasse o quanto antes, seus artigos sobre as lendas bruxas, de alguma forma a loirinha acreditava que iria precisar muito disso.


E sorrindo deixou o corujal, seguindo até o salão comunal corvinal cantarolando feliz, ela também atribuiu esta animação ao fato de ter encontrado snorkacks de chifres enrugados próximos à casa de Hagrid. “Isto é uma prova definitiva de que o nosso gigante não é mau” refletia a loirinha.


Horas mais tarde ela se ocupava de terminar as ultimas alterações do artigo para o jornal de Hogwarts enquanto Colin escolhia as melhores fotos entre uma pilha com mais de cinqüenta delas quando Dobby desaparatou diante deles deixando uma certa oriental furiosa para trás.


-O Harry não pode deixar isso acontecer!!! Aquela garota está controlando a vida dele!!!


Esbravejava a corvinal para os dois que mal prestavam atenção aos seus protestos.


-Estão surdos? Eu disse que a Granger está ficando maluca, ela quer me colocar contra o Harry!!!


Gritava Cho, com lágrimas nos olhos, mas Luna apenas balança negativamente a cabeça e Colin se quer levantou os olhos de suas fotografias.


-Hermione pode ser qualquer coisa... mas, não é maluca!


Reclama Colin dando de ombros para estupefação de Cho.


-O Harry e a Mione estão juntos Cho, é você que está se colocando contra eles!


Anuncia Luna com tranqüilidade fitando os olhos escuros da oriental com pesar, sabia o quanto ela estava sofrendo pelo seu amor não correspondido.


-O Harry só não está comigo por culpa dela!!!


Defende-se a corvinal sentando-se no sofá azul marinho enxugando os olhos, ela perdera Cedric... não suportaria perder Harry também, depois de tudo.


-Cho você teve todas as chances com o Harry antes disso!!! Mas, agora que ele finalmente pediu para a Hermione ser namorada dele, você quer estragar tudo???


Acusa Colin estreitando os olhos para a Chang, ele mesmo fora um dos espectadores das desastrosas vezes que Harry tentara conquistar a corvinal que recusava-se a esquecer Cedrico.


-Não sou eu quem está estragando as coisas!!!


Ela respira fundo abandonando seus medos de lado, tinha uma missão agora e não descansaria até cumprir o seu desafio assim como havia dito à Hermione.


-Eu vou provar que o Harry merece ser feliz com alguém que o ame de verdade!!!


Cho segue a passos determinados para seu quarto.


-Ela esta sofrendo muito, mas esta acusando a pessoa errada!


Murmura Luna observando a escadaria que dava para o dormitório das garotas com seus olhos sonhadores.


-Ela não quer admitir que perdeu o Harry e agora que ele tem a Hermione a Cho não tem a menor chance!


Comenta Colin ainda irritado com o escândalo da oriental, especialmente contra a adorada monitora-chefe da Grifinória.


-Entendo... Hey Colin será que devo alertá-la sobre os chifres de Snorkacks sobre sua cama?


Questiona a menina recebendo um olhar curioso do grifinório.


-Tem chifres na cama da Cho?


Pergunta Colin com uma sobrancelha levantada ao que Luna apenas balança positivamente a cabeça.


-Então deixa ela descobrir isso sozinha!


Sussurra o Creevey cúmplice abafando uma risada ao lado da loirinha. Os dois terminaram a preparação do primeiro modelo e só aguardavam o veredicto de Ginny para mandarem fazer as cópias com o pai de Luna que cedeu alguns de seus instrumentos da revista O Pasquim.


...............................Draco Malfoy...................................


Harry joga a firebolt sobre o seu ombro enquanto corria para a biblioteca de Hogwarts, os cabelos ainda úmidos caindo rebeldes sobre os olhos verdes enquanto o grifinório desviava dos alunos que retornavam de Hoagsmead em seu caminho, ignorando as reclamações de Pirraça sobre desordem nos corredores, e ansiando por encontrar Hermione antes que Jason o fizesse.


A conversa que tivera com Ron e Ginny no campo de quadribol, depois do treino, não saía da sua cabeça. A possibilidade de Jason Stuarts saber a verdadeira identidade do bruxo das sombras e estar acusando Hagrid injustamente o deixava furioso.


Mas, nada disso o preocupava mais do que a chance de deixar Hermione sozinha, ao alcance do lufa-lufa, depois de tudo, a ultima coisa que Jason seria, era confiável, e conhecendo a monitora-chefe, poderia apostar sua firebolt, que ela procuraria o Stuarts para esclarecer suas dúvidas quando tivesse uma chance.


Seu único alívio devia-se ao pequeno elfo doméstico, Dobby, que prometera cuidar de Hermione até que Harry retornasse do treino, mas depois da discussão sobre Jason, o moreno estava muito atrasado para encontrar sua namorada.


Ofegante, sentindo o coração acelerar dentro do peito, encontrou-se na entrada do lugar favorito da grifinória de olhos castanhos, no entanto quando deu o primeiro passo, um olhar assassino da Madame Pince em sua direção o fez recuar, engolindo em seco.


-Senhor Potter... Não são permitidas vassouras dentro da “minha” biblioteca!!!


Avisa entre dentes a senhora respirando desordenadamente e apertando sua varinha com nervosismo diante do grifinório, o olhar dela era mais assustador que um basilisco e sua voz era tão tenebrosa que faria até Voldemort pensar duas vezes antes de desafiá-la.


O monitor fora aconselhado a não contrariar a bibliotecária, que tornara-se possessiva e ligeiramente protecionista em relação a “sua” biblioteca após o acidente envolvendo o cruel Draco Malfoy e a ingênua Ginny Weasley.


-Pretende usar essa vassoura para destruir o que restou dos meus pobres livros????


Acusa a senhora indignada, sem dar chance do grifinório explicar-se. O colapso nervoso ainda não fora completamente tratado em St. Mungus, logo deveria tomar todo o cuidado possível, medidas como a proibição da entrada de Ginny ou Malfoy foram uma das primeiras exigências da velha bruxa ao diretor Dumbledore.


-Ma-mas eu tenho que encontrar a Mione!!!


Insistia Harry usando toda sua força de vontade para parecer gentil com a bibliotecária de aspecto homicida.


-Senhorita Granger abomina vassouras tanto quanto eu! Recomendo que livre-se da vassoura e depois retorne!


Responde furiosamente madame Pince empurrando um Harry incrédulo para fora da biblioteca.


-Eu não posso demorar madame Pince, eu “preciso” falar com a Hermione “agora”!!!


Harry resistia aos empurrões da bibliotecária que levou as mãos aos quadris encarando severamente o moreno.


-Senhor Potter, com essa vassoura o senhor não entra!


Anuncia em tom definitivo levando Harry a contar até mil mentalmente para acalmar-se antes de responder à altura, mas uma terceira presença o impede de reclamar com madame Pince.


-Dobby ouvir a voz do grande Harry Potter e vir se oferecer para polir a sua vassoura para o jogo de amanhã!!!


O pequeno elfo sorridente assusta o grifinório e a bibliotecária ao arrancar a vassoura das mãos de Harry e desaparecer tão rapidamente quanto chegara, sem ao menos esperar uma resposta de Harry que voltou-se para a bibliotecária cruzando os braços sobre o peito e ostentando uma sobrancelha levantada.


-Sem confusões com os meus livros!


Ameaça a senhora saindo do caminho do moreno antes de falar:


-Décima terceira estante de encantos mágicos, na última mesa!


Madame Pince indica a localização de Hermione e o grifinório sente o coração acelerar, não gostava de ficar tanto tempo longe da sua namorada e secretamente, noiva. Desde a morte dos Dusleys ele sentia-se mais dependente ainda da presença de Hermione.


A biblioteca estava praticamente vazia, com exceção de alguns poucos corvinais que não conseguiam separar-se dos livros.  Não demorou muito e logo Harry avistou Hermione, de costas para ele, debruçada sobre um volume enorme de encantos em estado de concentração absoluta.


Os cabelos encaracolados caindo graciosamente por suas costas ganhavam um tom quase dourada sob a luz amarelada da biblioteca, os ombros delicados mantendo uma postura um tanto tensa enquanto ela virava-se para escrever algo sobre um pergaminho.


As mãos pequenas e suaves da grifinória apertavam as bordas do livro após soltarem a pena. Ela tinha uma expressão preocupada no rosto, mas Harry só conseguia enxergar o quanto ela estava linda. Ele era realmente sortudo por ter a bruxa mais brilhante de todos os tempos ao seu lado.


O escolhido sorriu largamente ao ouvi-la reler alguns encantos para depois anotar no pergaminho, como sentiu falta da voz da grifinória, dos seus olhos, seu sorriso... seus beijos, era como uma eternidade dentro de uma única tarde que passaram separados, e sem pensar duas vezes seguiu até sua mesa, virando a cadeira de Hermione bruscamente e roubando um beijo apaixonado da monitora-chefe.


Assustada, Hermione tentou levantar-se, mas Harry aproveitou a chance para envolver seus braços possessivamente por sua cintura a trazendo de encontro ao seu corpo e aprofundou ainda mais o beijo. A grifinória logo levou as mãos ao pescoço de Harry brincando com os cabelos molhados do escolhido.


Sentindo a monitora relaxar em seus braços Harry a encosta contra uma estante enquanto com uma das mãos acariciava o rosto de Hermione carinhosamente. Tentando desesperadamente sentir o calor da grifinória com seu próprio corpo, o perfume dela, a pele macia, quente, convidativa demais para resistir, os lábios tão viciantes o deixavam louco, querendo muito mais da “sua” Hermione sem se importar onde estavam ou se alguém poderia encontrá-los.


Hermione mordeu o lábio inferior com força quando Harry abandonou seus lábios e seguiu com beijos cálidos até seu pescoço, fazendo a grifinória fechar os olhos e estremecer contra os lábios do moreno. Jogando a cabeça para trás Hermione quase derrubou um dos livros de encantos, e isto foi o suficiente para os dois grifinórios recobraram a razão e afastarem-se extremamente vermelhos.


Ambos ofegantes fitando os olhos um do outro com desejo e paixão. Harry oferece-lhe um sorriso maroto de tirar o fôlego ao fitar os lábios vermelhos de Hermione, e aproximando lentamente seu rosto ao dela, murmura baixinho em seu ouvido:


-Senti tanto sua falta!


A voz de Harry fez Hermione suspirar perdida nos braços do grifinório que a prendeu num abraço apertado enquanto beijava ternamente o ombro da morena.


-Porque demorou tanto?


A voz da grifinória estava abafada no pescoço de Harry que logo percebeu que Hermione estremecia levemente enquanto perguntava. Ele a conhecia bem demais para deixar isso passar e afastou-se dela apenas o bastante para olhá-la nos olhos.


-Rony, Ginny e eu tivemos uma conversa séria depois do treino... mas, este não é o melhor lugar de Hogwarts para discutirmos isso!


Revela o grifinório com uma expressão preocupada, Hermione parecia triste e ao mesmo tempo apreensiva.


-O que aconteceu enquanto estive fora Mione?


Questiona Harry sem rodeios.


-Nada importante Harry... é melhor irmos ou vamos perder o jantar!


Diz a monitora com um sorriso fraco soltando-se de Harry e guardando seus pergaminhos e o livro de encantos.


-Hermione Jean Granger...


Começa Harry puxando a namorada pelo braço a obrigando a voltar-se para ele, Hermione tinha os olhos levemente avermelhados para a surpresa do escolhido.


-Por favor, o que aconteceu enquanto estive longe de você? Alguém te machucou? Está sentindo alguma dor? Eu posso te levar até madame Pomfrey agora mesmo Mione...


Desespera-se Harry até ser silenciado pela morena que segura seus lábios com um dedo da mão o fazendo prestar atenção ao que dizia.


-Harry, como você mesmo disse este não é o lugar, nem o momento para falarmos sobre isso... vamos para o grande salão e mais tarde no nosso dormitório podemos discutir sobre tudo o que quiser!


Pede suavemente a monitora-chefe com uma expressão cansada e Harry apenas balança a cabeça em confirmação após depositar um beijo casto nos dedos de Hermione que ainda estavam em seus lábios. De mãos dadas, os dois saíram da biblioteca sob os olhos desconfiados de madame Pince sobre eles.


-O que fez para deixá-la irritada?


Pergunta Hermione curiosa com o olhar mortal da bibliotecária para o moreno.


-O que eu fiz? Mione porque acha que eu fiz alguma coisa???


Pergunta Harry sentindo-se ofendido.


-Harry James Potter... eu o conheço bem o bastante para saber que você  fez algo para irritar madame Pince!!!


Repreende Hermione lançando-lhe seu melhor olhar ao estilo McGonagall.


-Mione eu não sou o Malfoy ou me chamo Ginevra Weasley... sem falar que não sou ameaça aos livros, porque mal toco neles... ela não tem motivos para me odiar!!!


Defende-se o grifinório com uma falsa expressão horrorizada. Hermione não consegue conter uma risada sonora com a declaração de Harry.


-Harry me diz logo o que você aprontou dessa vez!


Exige entre risos a monitora ao sentir o moreno passar um braço ao redor de sua cintura enquanto seguiam para o grande salão.


-Ela me acusou de querer destruir os livros dela com a minha firebolt!


Responde Harry levando a mão livre sobre o rosto dramaticamente. Enquanto Hermione o encarava de queixo caído, a monitora piscou os olhos repetidas vezes até encontrar as palavras certas.


-Tentou entrar na biblioteca com a sua vassoura????


Pergunta perplexa para o escolhido que lhe retribui com um meio sorriso.


-Eu não tentei, eu entrei, mas ela me expulsou de lá a pontapés, se não fosse por Dobby eu teria entrado lá com firebolt e tudo!


Responde Harry com orgulho até receber uma cotovelada nas suas costelas.


-É completamente contra as regras entrar na biblioteca com uma vassoura Harry! Madame Pince acabou de se recuperar de um colapso nervoso e você ainda tenta enfrentá-la??? Somos monitores-chefe, temos que dar o exemplo e...


Hermione começa a dar um sermão em Harry, estava furiosa com seu namorado, mas o grifinório tinha outros planos em mente, apertando seus braços ao redor da morena, ele a coloca contra a parede roubando-lhe um beijo profundo e demorado, silenciando Hermione da forma mais eficaz.


Separaram-se em busca de ar alguns minutos mais tarde, e uma Hermione completamente corada e um pouco confusa havia esquecido totalmente sobre o que os dois discutiam antes do beijo de Harry.


-Ainda irritada senhorita Granger?


Pergunta Harry a puxando para o grande salão.


-Isso não é justo Potter!


Repreende Hermione sorrindo para seu namorado segurando mais forte sua mão.


.....................................Sírius Black....................................


Luna e Cho estavam no dormitório aquela noite, a loirinha planejava uma surpresa especial para Rony, dessa vez não usaria a antiga fantasia de leão para torcer pelo time da Grifinória.


Com a ajuda de Ginny ela conseguiu uma roupa trouxa ao estilo líder de torcida nas cores vermelho com detalhes dourados, o brasão da grifinória sob o peito e dois pompons vermelho berrante completavam o look da corvinal.


-Vai mesmo usar isso?


Questiona Marietta incrédula para Luna que apenas sorri encantadoramente antes de confirmar com um aceno do rosto.


-É uma roupa de torcida ao estilo trouxa!


Explica Cho de mau-humor cruzando os braços.


-Eu percebi, mas porque com as cores da Grifinória? Luna você é uma corvinal esqueceu?


Repreende outra corvinal do quinto ano ignorando Cho resmungando algo sobre alfinetes na sua cama.


-Meus amigos estão no time grifinório! Vou torcer por eles!


Responde tranquilamente a loirinha apontando a varinha para a cama de Cho.


-Inflamatte!!!


Cho pulou da cama apavorada quando surgiram dezenas de pequenos chifres estranhos sobre seu lençol quando o feitiço jogou uma chama de fogo sobre eles.


-Agora pode removê-los sem se machucar Cho!


Anuncia alegremente a loirinha antes de deitar-se.


-O-o qu-que são e-essas coisas???


Questiona Cho com repugnância temendo se aproximar dos pequenos chifres, ao seu lado Marietta estava pálida de medo, por um instante pensou que Luna jogaria a labareda de fogo sobre ela por questionar sua nova roupa de torcida. Enquanto Frida, a garota do quinto ano parecia petrificada no lugar onde estava.


-Chifres de Snorkacks! Eles acham que podem ajudar você a se sentir melhor se dormir perto deles!


Explica Luna dando de ombros quando uma coruja pequena e um tanto atrapalhada pousou em sua janela, os olhos da loirinha brilham ao reconhecer a coruja de Rony no parapeito da janela com um pequeno pacote em seus pés.


Quando a corvinal abriu a caixinha encontrou em um vidrinho arredondado preso por uma fita vermelha um dos doces mais famosos do mundo bruxo junto à um pergaminho.


“Luna, este é o doce de morango e abóbora especialidade da coluna do jornal de Molly Weasley! A mamãe me enviou esta tarde para poder entregar a você, espero que aceite como pedido de desculpas por todas as besteiras que já fiz, pode acreditar em mim, não é nenhuma brincadeira dos gêmeos, seu cabelo não vai amanhecer azul ou a sua pele vai parecer com escamas de dragão depois que comer!!! A Mione disse que te viu chorando e eu não gosto disso, então pensei que quando fico triste gosto de comer algo bastante doce para me animar, então pedi o melhor doce que eu conheço para ver você sorrir novamente. Do seu namorado, Rony Weasley.”


Sorrindo a corvinal não percebia os olhares curiosos de suas companheiras de quarto, ela estava encantada demais com o carinho do seu namorado e prometeu a si mesma dar a maior surpresa de todas para ele depois que vencesse o jogo contra a Lufa-Lufa, afinal, nenhuma das casas tinha chance quando o Rei Weasley estava em campo!


................................Ronald Weasley.................................


Ginny estava inquieta no seu dormitório, suas companheiras de quarto já dormiam pesadamente ansiosas pelo grande jogo contra a Lufa-Lufa na manhã seguinte.


Deitada na sua cama dossel, fitando nervosamente o teto do quarto, deixando os longos cabelos ruivos espalhados sobre o travesseiro macio, respirando pesadamente enquanto lembranças desta manhã percorriam sua mente em flashes assustadores.


Seu estomago parecia revirar em ansiedade, não pelo jogo, mas pela ausência de um certo sonserino de cabelos loiros quase brancos e olhos penetrantes de um azul metálico hipnotizante.


As palavras venenosas de Pansy ainda ecoavam em seus ouvidos... esta noite ele iria para a mansão Malfoy, entre inúmeros comensais da morte e quem sabe até na presença do próprio Voldemort. Este ultimo pensamento a fez estremecer.


Depois de tudo que acontecera nos últimos dias, ela conheceu um lado de Draco Malfoy que ninguém jamais havia descoberto, ele a permitiu entrar em seu mundo, enxergar através de seus olhos, desvendar seus desejos...


Ela não conseguia mais estar no mesmo lugar que ele e desviar seus olhos para longe do loirinho, não conseguia evitar sentir o rosto esquentar furiosamente ao lembrar dos momentos que compartilhavam juntos. Suas famílias se odiavam por gerações, ele um nobre de linhagem antiga, ela era de família pobre sem nome ou linhagem poderosa, as diferenças aumentavam a distancia entre eles.


O arrogante, prepotente, convencido, irritante, egocentrista, sarcástico, lindo, atencioso, possessivo, apaixonante de tantas formas diferentes, ela não conseguia odiá-lo tanto quanto o amava, tudo que girava em sua cabeça levavam a Draco e ela, a ultima noite que estiveram juntos, quando o sonserino deixou claro que nada poderia impedir que um desejasse o outro.


Eles poderiam ser como gelo e fogo, como o bem e o mal, o certo e o errado... iam contra todas as possibilidades, contra todas as regras sem se importar porque a presença do outro tornou-se essencial para manter a paz, para trazer calor aos seus corações.


A ruivinha respirou fundo resignada. Estava sentindo medo, muito medo por Draco, medo do futuro que os aguardavam a partir de agora, longe dele ela não poderia fazer muito a não ser confiar nas suas palavras de que tudo acabaria bem.


Mordendo o lábio inferior e resistindo bravamente à vontade de chorar, Ginny resolver fazer a única coisa que poderia acalmar seu coraçãozinho apaixonado, algo que há muito não fazia...


Levantando-se da cama ela vasculhou silenciosamente o seu baú até encontrar seu diário, pegou uma pena e abriu na ultima página que escrevera, percebeu que não voltara a tocar no diário após o “acidente” na biblioteca.


Esta noite ela colocaria em palavras todos seus confusos sentimentos desde o misterioso beijo que a levou à biblioteca uma certa manhã... sem ainda não perceber que algumas páginas em diante uma mensagem de Draco aguardava ser encontrada por ela.


............................Minerva McGonagall.................................


-Vocês acham mesmo que o Jason negociou a minha liberdade em troca da acusação de Hagrid???


Questiona Hermione com a voz alterada e visivelmente perplexa para Harry que estava diante dela no sofá do dormitório dos monitores.


-Isso seria impossível, Harry! Ele estava muito ferido para tentar uma negociação com bruxo das sombras, mesmo que fosse para salvar a minha vida, ele não estava em condições físicas ou mentais para fazer isso!!!


Continua Hermione furiosa com o moreno que fechava os olhos com força enquanto bagunçava mais ainda os cabelos com uma das mãos em frustração.


-Hermione, tenta pensar comigo!!! Você estava sob imperius e depois foi torturada, não lembra de como Jason foi ferido daquele jeito, você mesma disse que não sabe como aquele maldito bruxo te deixou viva por tanto tempo até que a encontrássemos!!!


Defende-se Harry lançando um olhar impaciente para a grifinória. Porque em nome de Mérlin era tão difícil convencer Hermione de algo tão óbvio quanto Jason estar mentindo sobre o que realmente aconteceu aquela manhã???


-Ele está mentindo Hermione, essa é apenas uma das possibilidades para ele querer acusar o Hagrid, e acredite em mim é uma das teorias mais “leves” envolvendo o Stuarts!!!


Responde Harry entre dentes.


-Seus argumentos são insuficientes Harry! Não há provas para garantir que Jason tenha negociado a minha vida com o bruxo das sombras, o nevoeiro também o teria impedido de enxergar a verdadeira identidade do bruxo...


Explica Hermione cruzando os braços ao encarar Harry.


-Apesar do nevoeiro, até mesmo um trasgo conseguiria diferenciar a sombra de um gigante para a de um bruxo de estatura normal!!! Ele continuou acusando o Hagrid mesmo depois de tentar tirar você do imperius vendo o bruxo atacá-la frente a frente!!!


Defende-se Harry estreitando os olhos em fúria.


-Harry nós já conversamos sobre isso!


Alerta Hermione abaixando o tom de voz em advertência, ela não queria uma discussão com Harry, especialmente agora, sobre um assunto tão delicado em mãos.


-Não o bastante Mione!!! Ele não foi se quer capaz de responder como encontrou você antes de todos nós!!!


Rebate Harry tentando controlar seu temperamento agitado com Hermione.


-Ótimo Harry! Suponhamos que Jason tenha negociado a minha liberdade, como explica o bruxo ainda me colocar como refém depois do acordo ter sido concluído?


Pergunta Hermione sarcasticamente levantando uma sobrancelha para Harry que balança negativamente a cabeça sem desviar os olhos da monitora-chefe cética a sua frente.


-Simples, ele usou o acordo para pode jogar a culpa no Hagrid e escapar, mas, seu objetivo era me atingir, ele queria me encontrar de alguma forma, por isso me esperou chegar antes de...


Harry começa a explicar desesperadamente até as imagens da manhã fria, de Hermione sendo torturada e jogada de uma altura nauseante o fizeram parar abruptamente sentindo sua cicatriz arder. O grifinório ficou ligeiramente pálido despertando a atenção de Hermione.


-Harry você está bem? O que está sentindo?


Questiona a grifinória se aproximando do moreno e levando uma das mãos até a testa dele sentindo sua temperatura.


-Não é nada... acho que só estou um pouco cansado dessas coisas acontecendo o tempo todo... você pode estar certa Mione... talvez eu esteja desconfiando de todo mundo à toa, mas eu não consigo pensar com calma quando você está envolvida!


Revela o grifinório ainda de olhos fechados tentando o possível para esvaziar sua mente dos últimos acontecimentos ruins.


-Não é culpa sua... depois de tantos anos de ameaças das trevas é natural não confiar em qualquer um... especialmente se ele se coloca contra nossos amigos!


Comenta Hermione docemente tranqüilizando o grifinório apoiando sua cabeça em seu colo enquanto afagava suavemente os cabelos rebeldes de Harry.


-Não vamos mais tocar nesse assunto Harry!!! A Ginny tinha mesmo razão, se eu tivesse concordado em conversar com o Jason já teríamos esclarecido tudo isso!


Explica Hermione calmamente para Harry, que imediatamente tornara-se tenso com as palavras da monitora.


-Você não vai encontrar com o Stuarts sozinha!


Diz o moreno entre dentes.


-Harry você deveria ser mais perspicaz as vezes sabia?


Repreende Hermione jogando as mãos para cima em irritação, recebendo um olhar confuso do maroto.


-Para que raios serve sua capa da invisibilidade se não pode usá-la para espionar minha conversa com o Jason???


Defende-se Hermione diante de um olhar impressionado de Harry.


-Mione você é brilhante!!!!


Comemora o monitor levantando e enchendo o rosto da grifinória de beijos.


-Francamente Harry! Eu posso me defender muito bem sozinha, mas conheço-o bem o bastante para saber que não adiantaria discutir isso com você!!!


Responde Hermione com um olhar irritado, mas com um sorriso no rosto.


-Quando você acha que podemos encontrar o Stuarts?


Pergunta Harry animado com a possibilidade de finalmente desmascarar o Lufa-Lufa.


-Vamos com calma Harry, eu preciso falar com ele enquanto você não estiver por perto ou então nosso plano vai por água abaixo! Acredito que amanhã, depois do jogo posso enviar um recado para ele marcando na sala precisa, estarei esperando por ele e você deve ficar bem afastado com a sua capa até ele começar a falar!


Conclui Hermione seriamente, Harry escutava cada palavra com o máximo de atenção para poder explicar à Rony e Ginny mais tarde.


-Jason provavelmente deve esperar que você esteja comemorando com o time enquanto conversamos, então trate de pega aquele pomo, Potter!!!


Ameaça Hermione com um sorriso maroto enquanto abraçava o grifinório. Harry rapidamente a envolveu em seus braços beijando seus lábios apaixonadamente, os dois perderam-se entre beijos entregando seus desejos um ao outro sem se importar com o resto do mundo.


-Eu te amo!


Diz a grifinória após finalmente se separarem para recuperar o ar, estava hipnotizada pelos olhos de Harry, eles pareciam tão mais vivos sem os óculos sobre eles, tão mais expressivos e penetrantes que Hermione sentiu-se estremecer diante do olhar do escolhido.


-Eu também te amo, e muito Mione, jamais esqueça disso!


O grifinório tentava ler os olhos castanhos dourados da monitora, havia uma mistura de amor e tristeza dentro deles, e isso estava deixando o escolhido com uma sensação ruim.


-Hermione... finalmente o que aconteceu enquanto eu estava no treino?


Pergunta Harry de uma única vez, vendo Hermione ampliar os olhos em surpresa e morder o lábio inferior em nervosismo, agora era oficial, ela estava escondendo algo dele, e Harry não descansaria até descobrir o que acontecera.


-Harry eu não quero falar sobre isso agor...


-Não Hermione!!! Você me deu a sua palavra, ou me conta agora o que diabos aconteceu naquela biblioteca ou eu vou chamar o Dobby e descobrir sozinho o que te deixou tão assustada!!!


Interrompe Harry perdendo a paciência com a relutância de Hermione em lhe contar a verdade, a sensação de ter a pessoa que mais confiava a esconder algo dele o deixava desesperado.


-Não é justo envolver o Dobby nisso Harry!


Acusa Hermione defensivamente na tentativa de desviar a atenção do grifinório, no entanto o seu noivo parecia irredutível.


-A escolha é sua!


Responde friamente o grifinório fazendo Hermione desviar o olhar para a lareira antes de responder. Os dois permaneceram num silencio angustiante por alguns minutos até a voz hesitante de Hermione interromper os pensamentos preocupados do escolhido.


-Eu e Dobby retornamos à câmara secreta...


Começa a grifinória até ser interrompida por um Harry furioso.


-Como você pôde se arriscar assim Hermione? O maldito bruxo das sombras que te atacou ainda não foi encontrado, Bellatrix Lestrange estava escondida lá até ser descoberta por Sírius, aquele lugar pode estar infestado de comensais da morte e você volta para lá sozinha com o Dobby????


Bradava o moreno arfando de raiva da imprudência da sua noiva, não importava se Hogwarts estava sob vigilância de aurores, Hermione fora atacada e cruelmente torturada no mesmo dia que estes chegaram à escola, isso só mostrava o quanto Voldemort estava desafiando o poder do ministério e do próprio Dumbledore e deixar Hermione em meio a tudo isso era absurdo demais para o menino que sobreviveu aceitar.


-Harry quer me escutar primeiro, por favor??? Depois que eu terminar você pode me criticar o quanto quiser!!!


Hermione o interrompe tão nervosa quanto ele, ela entendia bem o que Harry estava sentindo agora, era o mesmo tipo de preocupação e temor que a tomavam todas as vezes que ele narrava suas “aventuras” por Hogwarts ao arriscar sua vida como no episódio da floresta proibida.


Harry lançou um olhar decepcionado para Hermione, mas nada disse, apenas a deixou continuar.


-Entramos na câmara e lançamos um feitiço de iluminação, vasculhamos cada possível esconderijo, entrada ou saída e gravamos tudo em um mapa!!! Depois seguimos para a biblioteca e analisamos onde Cho Chang poderia estar enquanto realizávamos o vínculo... descobrimos era possível não somente a Cho estar escondida na câmara... identificamos cinco esconderijos diferentes e mais duas entradas para a câmara que nós trancamos por precaução!!! Eu encontrei um livro de encantos de proteção e lancei alguns escudos ao redor da câmara para identificar qualquer movimento suspeito, encontramos sangue espalhado por todos os lados, marcas de arranhões nos túneis, alguns fios de cabelo preto e nada mais!


Explica a grifinória nervosamente parando apenas para respirar.


-Logo depois Dobby levou Cho para a biblioteca, estava suspeitando da teoria do Malfoy, e não adianta me lançar este olhar Harry, ele me falou sobre a marca ser uma maldição que inibe a ação do núcleo mágico da vítima então procurei em todos os livros da sessão restrita sobre maldições imperdoáveis e alguns livros sobre magia curativa antiga, mas a conversa com a Cho não nos trouxe grandes progressos! Acabamos discutindo depois que ela falou que eu o estava manipulando, e que... que o desafio que lhe cabia... de alguma forma ela me culpa por não estar com você Harry e depois disso não chegamos a lugar algum, e tudo que consegui está nesse pergaminho... eu iria te mostrar tudo depois que conseguisse resultados mais concretos, mas eu só consegui criar mais perguntas e reduzi as possíveis respostas!!!


Explica Hermione puxando um pergaminho da sua mochila e entregando à Harry que percebeu que as mãos de Hermione tremiam ao fazer isso, instintivamente ele segurou o pulso da grifinória e a puxou para si num abraço apertado enterrando a cabeça  no pescoço alvo da monitora onde depositou um beijo cálido antes de sussurrar:


-Nunca esconda mais nada de mim Mione!


Depois de ouvir as palavras de Harry, Hermione não conseguiu conter mais as lágrimas e chorou abraçada ao grifinório apertando seus braços em torno dele desesperadamente. Ela nunca sentiu tanto medo de perdê-lo como agora, precisava, ansiava por senti-lo ao seu lado.


-Me desculpe Harry!


Implora a grifinória ao ser embalada nos braços de Harry que afagava seus cachos castanhos.


-Eu que peço desculpas por não ter te contado tudo Mione, estava tão assustado com tudo o que aconteceu à Cho que agi para mantê-la calma, eu sentia que devia isso à ela, por Cedrico, por todos os anos que a vi sofrer por ele depois do retorno de Voldemort...


Agora ele puxava o rosto de Hermione suavemente até encontrar seus olhos e enxugar suas lágrimas com beijos carinhosos por sua face.


-Não existe nada neste mundo Mione, nem mesmo a profecia, a Cho, o Stuarts, o ministério ou até mesmo o próprio Voldemort teria forças para me afastar de você! Eu a amo e ninguém pode mudar isso!


Declara Harry abraçando forte a monitora-chefe antes de adormecer com Hermione ao seu lado, naquele momento nada mais importava além da presença de sua noiva e melhor amiga em seus braços.


......................................James Potter......................................


A manhã de domingo começou com um sol convidativo sobre os céus de Hogwarts. Todos estavam reunidos no grande salão ansiosos pelo primeiro jogo de quadribol do ano, os professores conversavam na mesa principal animadamente, os aurores faziam suas rondas tranquilamente enquanto Ginny corria atrasada até a mesa sentando-se ao lado de Rony e enchendo seu prato numa velocidade sobre-humana.


Harry tomava o ultimo gole do seu suco de abóbora sentindo uma sensação de ansiedade e empolgação agitando seu estômago, Rony parecia concentrado demais até para comer metade da comida que estava sobre seu prato. Ele repetia mentalmente incontáveis vezes as táticas de jogo, chamando a atenção de seus colegas para estarem no campo e já vestia suas luvas de goleiro quando alguém entrou no grande salão chamando a atenção de todos os olhares do local.


Harry tinha os olhos ampliados em choque, Neville ficara completamente vermelho, Dean deixou a colher cair de sua boca, Zabini pareceu congelar os olhos naquela direção, os gêmeos soltavam assobios e gracejos, toda a mesa corvinal estava em absoluto estado de choque.


Rony piscava os olhos repetidas vezes...


-Eu estou sonhando?


Pergunta debilmente até uma Ginny sorridente beliscar seu braço com força o fazendo gritar assustado.


-Não maninho, você não está sonhando!


Responde a ruivinha sentindo-se satisfeita com a reação do seu irmão. Lenta e sedutoramente uma voz doce e extremamente suave cantarolava em alto e bom som:


-Weasley é nosso rei!!!


Com os braços levantados para o alto segurando nas mãos dois rechonchudos pon-pons de torcida nas cores grifinórias, trajando uma blusinha justa e incrivelmente reveladora com o brasão grifinório e com uma saia curtinha plissada e mais reveladora ainda, sob meias altas vermelhas e um tênis trouxa completamente dourado se encontrava uma sorridente Luna Lovegood. Tonks tropeçou nos próprios pés caindo sobre um grupo de lufa-lufas enquanto Henry Cromwell engasgou com seu café.


A comoção foi geral, os meninos de Hogwarts estavam babando diante da visão da loirinha nas roupas de torcida trouxa, toda a mesa lufa-lufa olhava boqueabertos para a corvinal que aproximou-se de Rony balançando os cabelos cuidadosamente presos num rabo-de-cavalo por uma fita vermelha.


O pobre ruivo esforçava-se para falar qualquer coisa, no entanto nenhuma palavra saía de sua boca, especialmente quando Luna se aproximou dele cantarolando, o chamando de “meu Rei” foi demais para o grifinório aceitar, ela tinha os lábios vermelhos, olhos impecavelmente maquiados, a voz hipnotizava-o os movimentos dela o deixavam mais apaixonados que se estivesse diante de uma veela, Luna estava simplesmente... linda e em segundos o ruivo caia desmaiado no chão para a surpresa de todos.


-Ronald!!!


Gritava a loirinha, seguida por Ginny, Harry e Hermione que balançando a cabeça negativamente jogou um copo com água sobre a cabeça do amigo o fazendo acordar sobressaltado.


-Rony!!! Você me assustou, penseis que os Nargles haviam roubado seus sentidos!


Diz Luna preocupada, a loirinha estava ajoelhada ao lado do grifinório com o rosto do ruivo em seu colo. Naquele momento boa parte da ala masculina de Hogwarts estava invejando a sorte do Weasley. Harry segurava bravamente a vontade de rir, fizera uma nota mental de pedir a penseira de Dumbledore emprestada para mostra aquela cena a Sírius.


Rony estava embasbacado, não dizia uma única frase coerente, seus olhos arregalados e expressão impressionada deixaram Luna ainda mais assustada.


-Ronald não gostou da minha surpresa?


Perguntou timidamente a loirinha, mas antes que Rony respondesse, Fred puxa Luna pelo braço para longe de Ron que bate a cabeça com força no chão.


-Oh querida cunhadinha, ele gostou sim e gostou muito!!!


Diz Fred piscando o olho direito para a corvinal.


-O problema é que metade de Hogwarts também apreciou muito a sua surpresinha!!!


Completa George tomando o outro braço de Luna.


-Então minha cara Luninha...


Começa Fred.


-Qual dos irmãos Weasley você chama e Rei???


Questiona George deixando Luna mais vermelha que seu uniforme.


-Hey!!! Deixem a MINHA namorada em PAZ!!!


Grita furioso Rony resgatando Luna dos seus irmãos e a levando para fora do grande salão.


-Adoraria uma surpresinha como essa Mione...


Sussurra Harry no ouvido de Hermione que o lança um olhar mortal.


-Você e metade da população masculina de Hogwarts!


Comenta Colin atrás de Harry o assustando, o mais novo tinha documentado tudo para colocar na coluna de fofocas do jornal de Hogwarts.


-O que está dizendo Creevey?


Pergunta Harry entre dentes estreitando os olhos em fendas mortais ao garoto que detinha uma expressão inocente no rosto.


-Hermione ficaria muito bem naquelas roupas trouxas não concorda comigo?


Agora a monitora-chefe estava completamente rubra, Ginny abafava uma risada enquanto Fred e George provocavam Harry ao pedir para Hermione torcer por eles durante o jogo. Hermione dava a Harry um olhar acusador, mas este estava ocupado demais em deixar claro que ninguém teria permissão para ver a SUA namorada em roupas trouxa além dele.


Fora do grande salão Rony arrastava Luna pelos corredores até alcançar uma sala vazia onde entrou com ela ainda ofegante, sem conseguir olhar para a loirinha.


-Ron... não gostou das minhas roupas?


Pergunta tristemente a corvinal para desespero do grifinório.


-É claro que eu gostei!


Responde defensivamente ainda de costas para ela, que agora dava-lhes um olhar confuso.


-Então porque não consegue olhar para mim?


Questiona ao perceber que ele a evitava, jogando os pon-pons no chão ela senta-se numa das cadeiras com um semblante decepcionado, fizera aquela surpresa com tanto carinho.


-Eu... eu sinto muito, eu não queria envergonhá-lo!


Diz Luna afavelmente derrubando a barreira que Rony colocara entre eles, quase que imediatamente o ruivinho volta-se para Luna e segura suas mãos a colocando de pé.


-Você não me envergonha em nada Luna! E você está... incrível nessas roupas...


Diz Rony sentindo a garganta ficar seca e o coração acelerar estar com a garota dos seus sonhos, vestida como nos seus sonhos era algo completamente surreal e tentador demais para o grifinório.


-Então porque me tirou do grande salão?


Pergunta curiosa a loirinha e Rony geme em frustração, era péssimo em admitir mas, Luna era frágil demais para discutir certas coisas que ela ainda não entenderia, ele conseguiu ver em seus olhos que ela fizera aquela surpresa somente para ele, e tomando o rostinho dela em suas mãos ele beija suavemente sua testa antes de responder:


-Eu senti ciúmes de você!


Revela o grifinório para a surpresa de Luna que rebate rapidamente.


-Não vejo Drifikies por aqui...


Rony ri com o comentário da namorada e a abraçando ele explica:


-Não os deixei chegarem perto o bastante, porque somente eu posso ver você assim!


Anuncia com orgulho o ruivinho provando que estava aprendendo a lidar com as criaturinhas mágicas, mas toda sua animação foi pelos ares quando ele tentou beijar Luna e ela o afastou.


-Ainda tem que pedir perdão para algumas garotas!


Responde a loirinha e Rony segue a contra gosto para o campo de quadribol deixando Luna sob os cuidados de Hermione e Cho Chang que ingnoravam a presença uma da outra.


O jogo fora equilibrado, mas Harry não demorou a pegar o pomo e colocá-lo nas mãos de Hermione enquanto a torcida da Grifinória gritava em empolgação. Mas toda a comemoração foi interrompida por Rony que tomando a varinha lançou um feitiço em sua garganta amplificando o alcance de sua voz por todo o campo e tirando um enorme pergaminho do bolso ele começou a falar:


-Bem, como todos já sabem eu fui um tremendo idiota com muitas garotas aqui em Hogwarts e fora também... não me importava com o que era realmente importante, os sentimentos das pessoas e minha melhor amiga Hermione sempre puxou a minha orelha por isso... eu não sabia o que é gostar de verdade de alguém até conhecer a garota mais impressionante de todas, e por ela estou aqui para pedir desculpas a todas as garotas que eu já magoei... Brenda Willians eu sinto muito por ter chamado você de magra demais n nossos ultimo encontro, Celina Frances eu fui um idiota por ter dito que cozinhava mal, Christhine Jhonson desculpe-me por reclamar do seu corte de cabelo, Diana Shay eu sinto muito ter terminado para ficar com a sua amiga Sharon, e Sharon eu sinto muito ter terminado contigo para ficar com a Shell (engole em seco nessa hora) err.. Mirian Grint eu me arrependo por não ter lembrado do seu aniversario, Padma eu peço desculpas por ter sido grosseiro contigo, Parvati, você foi uma boa amiga e sinto muito se não fui um amigo tão bom assim, Lavender... eu sinto muito por não te tratar com toda a atenção que você merece!


McGonagall assistia a tudo com uma expressão horrorizada, Remus estava lívido em seu assento, mal conseguia piscar tamanha estupefação, Flitwick tinha o queixo caído, Tonks ria horrores, Neville não conseguia formular nenhuma palavra coerente em sua mente para descrever sua perplexidade, Hermione levava as mãos cobrindo o rosto enquanto choramingava que seu amigo ficara maluco, Ginny e Harry congelaram sobre suas vassouras, Fred e George trocavam olhares cúmplices conjurando coraçõezinhos sobre a cabeça de Rony, professora Pomona tinha uma careta de desgosto absoluto e o diretor Dumbledore esfregava os olhos por baixo dos óculos como tentando se convencer de que se tratava de uma miragem.


Mas nenhuma das reações fora mais importante para o capitão grifinório do que o olhar apaixonado de Luna. O sorriso iluminado que ela lhe ofereceu fizera valer a pena toda aquela loucura.


.........................................os sete desfios...........................................




Meu Pai eternooooooooo antes tarde do que nunca!!!! Para começar... peço milhões de perdões infinitoooooooos a todos os meus leitores pela demora absurda a postar o capítulo =( eu sinto muito muito muito de verdade pela demora!!! Como disse no post anterior, uma semana doente de cama levou a um sério atraso em toda a minha agenda universitária (traduzindo tive que recuperar o tempo perdido do meu TCC) e estive presa com meus orientadores até agora (Mariana desesperada e histérica mode on) não durmo, não saio de casa e quando pego no meu PC é para pesquisar e escrever meu TCC T_T


Minha vida se tornou um caos completo (Mariana doente = pais preocupados que não deixa a filha pegar o netbook para fazer nada + atraso monumental do TCC + atraso insano das duas fics -> Mariana desesperada com uma pilha assustadora de livros e prazos estourados para cumprir) mesmo assim eu peço que não abandonem a fic, eu não parei de escrever!!!!


Então por uma questão de honra eu prometi a mim mesma que faria essa espera valer a pena, e juntei o que seriam dois capítulos separados para este post em especial!!! E prometo, aliás, eu juro pela minha magia, que mesmo com minha agenda maluca estarei sempre postando continuamente a fic, sem pausa, sem hiatus ou qualquer coisa do tipo, não gosto de nada inacabado U_U e esta fic é especial demais para mim para deixá-la abandonada!!! ^^


Espero que me perdoem por não ter dado nenhum sinalzinho de vida (se esconde dos avadas) e garanto que os comentários de todos vocês são fundamentais para a fic chegar ao numero atual de capítulos que esta!!! Agradeço de coração a todos vocês, aos que comentam e também aqueles que “ainda” não comentaram nada, só em saber que estão por aqui acompanhando Os Sete Desafios me deixam super emocionada o/


Prometo que responderei com toda a atenção aos comentários do capítulo anterior e deste em breve, Shell (ahh Shel obrigada pela preocupação mas, já estou melhor, apenas um pouco atarefada demais T_T ahhh eu simplesmente amooo seus comentários, espero que tenha “apreciado” a surpresinha Ron/Luna que coloquei no final), Coveiro (heranças hein??? Você tem o poder de me deixar confusa e mais viciada ainda nos seus mistérios, OMG você colocaria Naruto *-* eu amo aquele ninja de roupas laranjas desde o ensino fundamental –culpa do meu pai- e trarei logo a lista com as fics mais impressionantes que já li ), Bruna (meninaaa me diz o que achou desse mega capítulo de hojeeee), Rosana (menina sumida cadê você???) Alylyzinha (o que achou deste capítulo??? Ainda esta acompanhando a fic??? Alguma dica? Crítica? Sugestão???) Senhoria McFellow por onde você andaaaaaa???


Aos demais comentem pleaseeeee milhões de beijinhos e até o próximo capítulo o/

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por rosana franco em 26/05/2012

Desculpe nota errada de novo!!!T vendo como to ficando maluca!!!!

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por rosana franco em 26/05/2012

O Draco realmente esta apaixonado,querendo ser um agente duplo!!!O amor faz realmente milagres.Ainda bem que existe a Luna e o Rony para alegrar e fazer a gente morrer de rir com ele.Sera que oq esta acontecendo com a Cho não é por que ela não esta aceitando o seu desafio?O plano do casal H-H vai dar certo?Ainda estou curiosa pra saber oq o Harry combinou com os pais da Hermione.

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Coveiro em 18/05/2012

Demorei, mas to aqui.
UAU, voce capricho nesse.
Segredos tem muitos, mas cade as revelações?
Loco o jeito do Rony pedir desculpas pra todas as garotas que ele magoou, mas nem um beijo sequer ele ganhou, malvada.
Muito show a reação do Dumbledore, se fosse uma miragem ele tava muito feliz.
Minerva e os outros professores, ri muito.
Remo deve estar pensando que Sirius e James foram superados.
A Tonks realmente se diverte com tudo, jeito bem moleca.
Por isso combina tanto com o Lupin.
Harry e Mione não tem jeito.

Espero o proximo ansioso.

E espero meu comentario tambem.

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Shell Weasley em 16/05/2012

HI! 
Nao pense que eu desapareci nao, eu vou continuar a comentar sua fanfic você nao vai se ver livre de mim tão cedo!!!!
OOOOOOOMMMMMMMGGGGGGGG!!!!!
Valeu muitíssimo a pena esperar por esse capitulo! Eu nao sabia se ria se chorava ou se me emocionava com tudo isso!(você conseguiu a manha de deixar os leitores ficarem com duvidas quanto aos sentimentos pela fic!)
Começando pela briga de Cho Chang e Hermione Granger! Que terminou com Cho saindo da biblioteca deixando Hermione pasma para trás! Tadinha da Hermione... Como Cho pode falar uma coisa daquelas para ela...?
Mais dai para frente eu lia super animada ate que eu achando que já estava tudo emocionante de mais você vem e me escreve uma "surpresinha" dessas que a Luna fez! Omg foi super emocionante! Metade da população masculina de Hogwarts babando pela Luna nao poderia deixar Rony mais assustado do que a surpresa da namorada! Eu juro que achei que ele fosse brigar com a loira, mas felizmente isso nao aconteceu! (apesar de eu gostar de brigas entre os casais pois acho uma reconciliação d+ XD)
Ai mais uma vez você me impressiona com Ronald Bilius Weasley no meio de um jogo de quadribol pedindo desculpas para todas as meninas que magoou na frente de Hogwarts inteirinha! Eu fiquei lamentando como a Hermione aqui na frente do pc! "meu deus o ruivo ficou maluco!”
Nao preciso dizer mais nada.
Capitulo P-E-R-F-E-I-T-O!!
Aguardando ansiosamente o próximo!

 

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Bruna Bullock em 10/05/2012

Adorei!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
Posta logo!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
Beijossssssssssssssssssssssssss

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.