FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

ATENÇÃO: Esta fic pode conter linguagem e conteúdo inapropriados para menores de idade então o leitor está concordando com os termos descritos.

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

17. Distância e Dificuldades


Fic: Os Sete Desafios


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________


A manhã chegava ao seu fim quando Harry deixou a sala onde estava Hermione, que ainda permanecia desacordada assim como Jason Stuarts que recebera a visita do seu irmão mais novo. O moreno tinha o olhar vazio e seguia para a torre da grifinória a passos lentos, derrotados.


Seus pensamentos perdidos na revolução que acontecia em sua vida desde o momento que descobrira ser um bruxo e não uma aberração como seus agora falecidos tios o condenavam.


O que um dia foi o momento mais feliz da sua existência, também tornara-se o início de uma perigosa jornada, cheia de obstáculos que atentavam contra sua própria vida.


Ele, desde então vivia diariamente uma batalha, contra os avanços de Voldemort, os seus comensais, um ministério corrompido, contra os mistérios que envolviam a morte de seus pais, os dementadores que perseguiam Sírius e a morte de Cedric se repetindo constantemente em seus pesadelos mais terríveis...


Porque tudo parecia sempre estar contra ele??? O que ele teria feito de tão errado para merecer isso??? Merlin realmente o odeia e agora ele tinha quase certeza disso!


Será que nunca teria um instante de paz até que a maldita batalha final contra Voldemort acontecesse? Nada jamais chegara se quer perto de ser normal na sua vida. Todas as suas memórias das mais emocionantes às mais dolorosas passavam por seus olhos em flashes insanos, como se levados por um furacão de dimensões gigantescas.


A cada novo pensamento Harry sentia seu humor piorar drasticamente, ele era o único com poder capaz de derrotar Voldemort, mas era também completamente impotente, não sabia nem poderia enfrentar um bruxo das trevas sem envolver aqueles que amava e ainda assim sair vivo.


Sim, agora ele não tinha mais escolha a não ser sobreviver, não mais por ele, mas pela sua nova condição que o ligava à Hermione. Maldição!!! Como ele conseguiria isso?


Agora que conhecia a profecia ele tinha completa certeza que um deles iria morrer, mas considerando a vasta experiência mágica e inclinação das trevas de seu inimigo ele estaria em sérias desvantagens. Como conseguiria inverter as chances que sempre estiveram contra ele???


Agora Harry teria de pensar por ele e por ela, pensar por dois, pela segurança dos dois... pelo futuro dos dois... imediatamente a lembrança das palavras de Hermione na casa dos seus tios, naquela noite dolorosa... a promessa de uma vida como sempre sonhou, de uma família cheia de amor e momentos intermináveis de felicidade.


A forma como os olhos dela o fascinavam, como suas mãos tão quentinhas e macias livravam o rosto dele das lágrimas frias, como seus lábios possuíam o poder de livrá-lo de qualquer pensamento ou dor, seus beijos o levavam aos céus e todo o mundo ao seu redor parecia deixar de existir.


Ela como uma recompensa do destino por todos seus sofrimentos, era a luz que o guiava, o fogo que o aquecia e a voz da razão em seu desespero. E por mais que tentasse colocar esses pensamentos de lado e focar-se em como acabar com todo esse caos, Harry não poderia deixar de desejar com todo seu ser que as palavras da grifinória se tornassem realidade.


Ele queria estar ao lado dela até ficar tão velhinho quando Dumbledore, queria ter um número Weasley de filhos, queria reunir todos seus amigos na sua casa para comemorar os tempos de paz, queria poder ensinar seus filhos a voarem numa vassoura, assistir a outra copa de quadribol com Rony, queria um casamento memorável com Hermione, queria conhecer os pais dela e acordar ao seu lado todos os dias de sua vida...


Hermione o preenchera de esperança quando ele já havia desistido de tudo e agora sem ela ele sentia-se tão perdido. Ela não tinha o direito de se arriscar assim em seu nome, afinal Harry não era mais um garotinho de onze anos que fazia tudo errado e precisava constantemente dos conselhos dela.


-Eu tomarei as decisões de agora em diante! Cada escolha será minha!


Diz para si mesmo com a voz carregada em mágoa. Balançando a cabeça negativamente o grifinório não percebe alguém em seu caminho e esbarra com toda a força derrubando o outro no chão. Estava tão surpreso que mal teve a chance de desculpar-se ao se deparar com o auror a sua frente.


-Cromwell?


Questiona Harry com um olhar alarmado.


-Hey Potter olha por onde anda!!! Por pouco não pensei que estava sendo atropelado por um trasgo!!!


Reclama o auror levantando-se irritado, porém seus olhos tinham um brilho desconfiado sobre o grifinório.


-Desculpe-me, mas, não deveria estar investigando o campo de quadribol até achar alguma pista de quem atacou a Mione???


 Harry estava visivelmente aborrecido com a presença do auror.


-E você não deveria estar na sala de aula?


Rebate Henry estreitando os olhos para o garoto, mesmo que não deixasse transparecer, o moleque tinha razão e ele estaria em apuros se Tonks descobrisse sobre seu desvio de rota até certa torre grifinória para fazer suas investigações “independentes”.


-O que está fazendo aqui afinal?


O grifinório estava fora de si encarando mortalmente Henry que levanta uma sobrancelha em desafio.


-O meu trabalho garoto! É isto que eu estou “tentando” fazer, então vê se fica fora do meu caminho!!!


Responde com arrogância o auror sem deixar-se intimidar e lançando um feitiço na entrada do quarto dos monitores-chefes Henry entra no dormitório sem menor cerimônia, o que deixou Harry o assistindo estupefato antes de uma onda de fúria o tomar.


-Sai do “meu” quarto A-G-O-R-A!!!


Vociferava Harry seguindo como uma flecha.


-Potter já falei para me deixar fazer o meu trabalho!!!


Fala impaciente Henry diante da expressão mortal de Harry.


-Não vou permitir que toque em um único objeto da Mione!


Diz Harry num tom de aviso.


-Você não pode me impedir pirralho!


Responde Cromwell calmamente seguindo para a mochila com os livros e pergaminhos de Hermione sobre uma cadeira de madeira.


-Eu não só posso como vou!!! Ninguém tem o direito de mexer nas coisas da minha namorada!!!


Protestava o grifinório diante de um Henry chocado.


-O que disse? Namorada? Fala sério Potter poderia ter inventado algo melhor!!! Ela é a namorada do Viktor Krum, eu leio o Profeta Diário!!!


Diz o auror ignorando quando Harry trinca os dentes com um rosnado feroz. Ele segue até a poltrona em frente à lareira e pega uma pena branca e macia.


-Ela recebeu a visita de alguma coruja mais cedo?


Pergunta o auror quando Harry volta os seus olhos para a pena branca na mão dele. A única que poderia ter entrado no dormitório além da fênix de Dumbledore era...


-Edwiges...


Murmura Harry agora entendendo o que poderia ter acontecido, a possibilidade de sua coruja estar envolvida deixou o grifinório angustiado.


-O que disse Potter?


Pergunta confuso o auror, mas, segundos depois estava caído ao chão completamente petrificado.


-Sinto muito Cromwell... mas, não tenho escolha!


Responde Harry tomando a pena de Edwiges da mão do auror antes de pegar o diário de Lily no quarto de Hermione e o espelho de Sirius em seu próprio e seguir para o corujal o mais rápido possível.


.................................James Potter....................................


Ginny estava visivelmente enfurecida, seu rosto extremamente vermelho e seus lindos olhos faiscando com um brilho assassino a cada pessoa que se aproximasse dela perguntando como escapara das garras mortais do “Aspirante a comensal da morte, Draco Malfoy”.


A Weasley já ponderava que em breve a comensal da morte seria ela, quando encontrasse as pessoas que começaram com esses boatos e começasse a lançar avadas por aí. Já perdera a conta de quantas pessoas apontavam a varinha em suas costas bradando um “Finnite Incantatum” para livrá-la de um suposto “Imperius” lançado por Draco.


Essas mesmas pessoas precisaram correr mais rápido que a firebolt de Harry para não serem estuporados pela grifinória que andava cuspindo fogo. Os gêmeos há muito desistiram de atormentá-la diante do humor sombrio da irmãzinha mais nova, nem mesmo Molly Weasley seria tão assustadora assim para paralisar Fred e George de medo. Malfoy parecia ter mesmo razão, ela tinha uma parte bem sonserina dentro de si.


-Ginny irmãzinha linda do nosso coração!!! Não sei se percebeu, mas... Você está mais assustadora que a tia Muriel quando recebeu nossos fogos explosivos de natal!


Anuncia Fred sentando ao lado direito da grifinória na mesa comunal.


-Lançando feitiços estuporantes e repelentes de bicho papão contra seus colegas de casa não ajudou muito! A sua colega Rebecca ainda nem recuperou os sentidos!!!


Completa George sentando-se do outro lado da ruivinha que estreitou os olhos para os dois.


-Queremos saber então...


Começa Fred.


-Se o Malfoy tem mesmo culpa ou te fez alguma maldição!


Completava novamente George encarando Ginny seriamente.


-Deixem ela em paz!!! Eu já disse que o Malfoy não fez nada com a Ginny!!!


Gritava Rony já sem paciência para aquela comoção ao redor de sua irmãzinha.


-Cala a boca Won-Won!!! Vai correr atrás de uma Goles vai...


Rebate George irritado.


-A conversa ainda não chegou no campo de quadribol!


Fred provoca voltando a atenção para a ruivinha.


-Mas é a verdade!!!


Defende-se o grifinório indignado com seus irmãos mais velhos.


-A doninha já deve tê-lo sob imperius também!


Murmura George com falso pesar.


-Ou será que os bichinhos mágicos da nossa querida Loony já afetaram o juízo nada perfeito do nosso irmãozinho?


Questiona-se Fred com um semblante desolado que deixou Rony mais vermelho que pimentão soltando fumaça pelas orelhas.


-Já chega!


Gritava Ginny batendo as mãos na mesa furiosamente antes de sair deixando para trás seus três irmãos mais velhos discutindo sobre o Malfoy ser ou não inocente. Ela já não agüentava mais, estava cada vez mais confusa e desesperada, sentia que precisava encontrar o sonserino, mas ele desaparecera completamente.


Ginny também estava muito assustada com tudo o que acontecera até agora, em menos de vinte e quatro horas tentaram tirar sua vida duas vezes, vira Hermione ser cruelmente torturada e quase perdendo a vida numa queda mortal no campo de quadribol, fora interrogada e agora era alvo de um maldito boato.


Ela queria sumir até toda Hogwarts esquecer essa história idiota... mas as palavras de Colin naquele bilhetinho a fizeram desistir da idéia...  afinal a Parkinson estava por trás disso tudo.


-Agora aquela cobrinha vai aprender de uma vez por todas a não mexer com uma Weasley!!!


Promete a grifinória antes de tirar a capa da invisibilidade de Draco de dentro de seu bolso e seguir para as masmorras determinada a ter sua vingança.


...........................Sírius Black......................


Rony deixou o grande salão logo em seguida à saída de Ginny. O ruivo estava no seu limite de paciência, não gostava de andar por aí defendendo um Malfoy, era completamente contra seus princípios, chegava a ofender à ordem natural das coisas, ao menos no seu ponto de vista.


Eram uma das coisas mais impossíveis de acontecer, para Ron seria mais fácil Voldemort deixar o mundo das trevas e apoiar a nação trouxa que um Weasley e um Malfoy defenderem-se mutuamente em harmonia, no entanto, acusavam o sonserino de algo terrível contra sua irmãzinha quando na verdade ele a salvou da morte.


Por mais que odiasse Draco Malfoy, Ron tinha que ser justo, devia a vida de Ginny àquela doninha miserável e ele ainda havia lutado ao lado dos grifinórios para salvar Hermione mesmo sem ter motivo algum para isso, e ele jamais esqueceria disso. Nos últimos dias as coisas mais contraditórias martelavam sua mente e agora nada mais fazia sentido.


-Mérlin eu vou ficar louco!!!


Resmunga o grifinório entrando na sala precisa com as mãos dramaticamente sob os olhos. Lembrando-se que ainda não fizera as pazes com Lavender e Padma e em poucos dias teria a primeira partida de quadribol contra a Lufa-Lufa... nem completaram o primeiro treino com seu novo time.


-Não vai não, apenas precisa aprender a deixar certas idéias de lado para enxergar o que realmente vale à pena!


A voz de Luna ecoava pela sala assustando Ron que quase cai do sofá tamanho susto.


-Pelos deuses Luna!!!


Responde apavorado o Weasley com a mão sobre o coração e respirando descompassadamente.


-As coisas não são tão complicadas como sua cabeça fazem parecer! Se prestar atenção elas podem ser bastante simples, basta não deixar velhos sentimentos entrarem no caminho!!! As coisas estão sempre mudando, nada permanece do mesmo jeito para sempre!!!


Explica a loirinha sentando-se ao lado dele ignorando a cara da choque do ruivo e entregando a capa de Harry.


-Vim devolver a capa... não vou mais interromper seus pensamentos...


Responde a corvinal diante do silencio do ruivo, ele ficara vários minutos com os olhos vidrados na Lovegood com a mesma expressão assustada, ela achou que seria melhor deixar que o grifinório amadurecesse seus pensamentos sozinho.


Ele era teimoso demais para aceitar certas coisas, mas ela sabia que ele tinha o próprio ritmo para aprender e mesmo que demorasse ela ainda tinha esperanças que ele algum dia tivesse a chance de enxergar sem mais obstáculos o mundo ao seu redor.


Mas, assim que Luna levantou-se para ir, a mão de Rony alcançou seu pulso impedindo que a corvinal o deixasse.


-Por favor, fica!


Pede o Weasley sem encarar a loirinha.


-Porque precisa que eu fique?


Pergunta suavemente a corvinal voltando-se para ele, não poderia negar o efeito que o toque do ruivo sobre sua pele provocava, ele a incendiava e a fazia estremecer ao mesmo tempo, fazia acender algo dentro dela que nem mesmo ela seria capaz de discernir.


-Você faz as coisas parecerem certas mesmo quando eu só presencio mais e mais problemas acontecendo comigo, minha irmã ou com meus melhores amigos!!!


Responde de uma vez o grifinório apertando os olhos e sem se dar conta aquelas palavras já saíam de sua boca fazendo a corvinal fitá-lo com toda a atenção que possuíam seus brilhantes olhos azuis.


-Não sou eu que faço isso...


Responde levemente a garota franzindo a testa, mas antes que Luna tivesse a chance de completar sua frase ele já voltara a falar:


-Sim é você e só você que consegue fazer isso!!! E mesmo com toda essa confusão de desafios e monstrinhos invisíveis que cospem fogo e fogem da luz... você sempre consegue me convencer que as coisas podem ficar melhores!!!


Agora ele a olhava nos olhos transmitindo uma onda de confusão e admiração pela loirinha, ela despertava os sentimentos mais complicados e ao mesmo tempo mais naturais dentro dele.


-Luna... você... de um jeito completamente maluco... você me faz acreditar contigo que toda essa loucura faz algum sentido afinal!!! Quando a tenho do meu lado o mundo parece girar do jeito certo e quando estamos longe um do outro eu fico contando os minutos para poder te encontrar novamente!!!


Luna pisca os olhos repetidas vezes sem palavras para tudo o que o grifinória revelava à ela quando imaginava que ele desejaria distanciar-se dela.


-Ronald...


-Luna eu sei que existe algo muito forte e novo entre nós e por mais que isso me assuste eu não quero perder essa chance!!! Eu já não consigo mais pensar direito ou fazer qualquer coisa sem imaginar como você fica linda quando fala sobre alguma esquisitice da revista do seu pai, ou como você parece não guardar nenhum rancor daqueles que a machucaram antes ou como seu sorriso parece iluminado e...


-Ronald...


-Luna eu sei que parece uma idiotice tudo o que eu estou te dizendo, mas não é, eu passei noites sem dormir, eu vi aqueles monstrinhos por todos os lados como você vivia falando e mesmo que eu não acredite nisso... eu acredito que algo novo está crescendo dentro de mim por sua causa!!! Eu quero muito ficar com...


Antes que ele terminasse Luna pula em seu pescoço unindo seus lábios aos dele num beijo apaixonado.


-Quando vai me pedir em namoro Ronald?


Questiona Luna com um sorriso maroto que deixou o ruivo encantado, sorrindo amplamente com ela.


-Agora!!!


Diz o Weasley ficando de joelhos e segurando teatralmente a mão da corvinal, para a surpresa da loirinha, toda a sala transformava-se num imenso jardim rodeado de incontáveis flores de todas as cores possíveis.


-Luna Lovegood... daria a honra de ser a minha namorada???


Pergunta ansiosamente para a corvinal sem quebrar o contato apaixonado de seus olhos. Mas ela não respondeu, ela pulou em seu pescoço o derrubando ao chão enquanto seus lábios encontravam-se novamente com todo o carinho e amor que sentiam.


..............................Remo Lupin............................


Draco estava trancado no seu dormitório jogando todas as cartas que recebera de Lúcius nas chamas da lareira com ódio.  O sonserino amassava cada folha de pergaminho entre seus dedos com tamanha força que seus dedos ficavam brancos.


Os olhos metálicos guardavam um brilho quase maligno assim como todo o ar ao seu redor parecia cada vez mais sombrio, assim como seus pensamentos. As pessoas olhando para ele entre sussurros, apontando em suas costas o chamando de comensal da morte, o acusando de coisas horríveis contra Ginny quando ele a manteve em segurança...


Maldição!!! Por isso que um Malfoy não deve ser bom, ter piedade de outra pessoa, ser justo e lutar para salvar um “inimigo” (leia-se Potter testa rachada, Granger sabe-tudo e seus amigos) só o envolveria em mais problemas como o que acabara de acontecer esta manhã.


Agora ele era piada para os membros da sua casa e assassino para o resto de Hogwarts. E tudo isso começou desde que encontrara a Weasleysette na biblioteca sendo perseguida por centenas de volumes de livros. Em outros tempos ele teria chorado de tanto rir do azar da menina, mas... depois do beijo que roubara dela momentos antes...


Algo mudou para Draco e agora ele não sabia como nem o porquê ele estava sempre no caminho da grifinória de cabelos de fogo. Ela poderia ser ardilosa, manipuladora e em muitos aspectos infantil demais... mas existia outro lado que o deslumbrava completamente na Weasley, a paixão com que ela defendia seus sonhos, a coragem de enfrentar  os riscos e a doçura nos seus olhos antes de sentir a maciez de seus lábios quentes contra os seus.


Balançou a cabeça negativamente com força, não poderia deixar esse tipo de pensamento vagando por sua mente agitada, seria perigoso demais, Weasley e Malfoy não se misturam!!! Mesmo que a Weasley em questão fosse absolutamente fascinante e incrivelmente bonita na visão do loirinho.


-Mas que porcaria ela não sai da minha cabeça!!!


Torturava-se o Malfoy jogando-se contra o sofá frente à lareira e voltando os olhos cinzas como aço em direção ao fogo que crepitava hipnoticamente alimentado pelos tantos pergaminhos que Draco lançava sobre ele.


-Draco?


Uma voz ecoou na escuridão da sala o fazendo levantar-se subitamente.


-Como entrou aqui Pansy?


Os olhos do sonserino enviavam uma onda de desprezo para a sua nova “companhia”.


........................Lily Evans..........................


Harry chegou ofegante ao corujal, olhava para todos os lados nervosamente antes de procurar Edwiges, no entanto o que encontrou o deixou mais confuso ainda. Ao lado de sua coruja de penugem branca como a neve ele encontrou a sua ex-namorada, a corvinal Cho Chang que apontava a varinha para a coruja de Harry.


-Cho?


A voz de Harry surpreendeu a oriental que se virou rapidamente na direção do grifinório com os olhos ligeiramente amplos de medo.


-Ha-Harry? O-oque você tá-tá fazendo aqui???


Pergunta a oriental trêmula e visivelmente pálida.


-O que você estava fazendo com a Edwiges?


Questiona o grifinório estreitando os olhos para a oriental.


-Nada!!!


Apressa-se em responder a oriental diante do olhar desconfiado do moreno enquanto puxava as mangas da sua capa sobre as mãos.


-Harry... eu-eu apenas estava procurando uma correntinha que deixei cair por aqui!!!


Mente a corvinal tentando sair do caminho para fugir do corujal, mas Harry a segura pelo pulso. Esse fora seu grande erro, a mão direita da menina sangrava e ela puxou agressivamente a mão esquerda quase acertando o rosto do moreno que soltara o braço antes de ver seu pulso.


-Cho você está sangrando!


Preocupa-se o grifinório ao perceber que sua mão estava suja com o sangue da corvinal e a segura pelo braço novamente.


-Me larga Harry!


Grita a menina assustando algumas corujas que estavam por perto deixando Harry alerta, ela estava lutando para que ele não visse seu pulso.


-O que está escondendo de mim Cho??? Por acaso você não fez nada com a Edwiges fez???


Alerta Harry, mas, a corvinal escapa correndo para longe do escolhido.


-Ela não vai se esconder por muito tempo!!!


Murmura Harry voltando-se para Edwiges que segurava um estranho pergaminho como se sua existência dependesse disto. Os olhos do garoto estreitam-se ao encarar a coruja albina. Ela parecia estranhamente estática, quase que sem vida, seus olhos grandes estavam vazios e sem luz.


-Menina o que fizeram a você???


Desespera-se Harry aproximando-se da coruja, mas ela abre as asas numa postura ofensiva, apesar de não ter saído do lugar.


-Edwiges, sou eu!!! Não está me reconhecendo? Harry Potter, você foi minha primeira amiga desde que eu me lembro...


Harry tenta novamente se aproximar, mas com mais cautela estendendo apenas a mão sob a cabeça da coruja, mas ela quase arranca-lhe os dedos com o bico piando ameaçadoramente.


-Edwiges...


Agora Harry tinha certeza que algo sério acontecera à sua coruja, ela nunca fora agressiva para com ele. Trincando os dentes ele lembra que Cho apontava a varinha em sua direção quando chegou ao corujal, perdendo qualquer cautela de lado ele aponta a varinha para ela.


-Finniten Incanttatun!!!


E com um piado doloroso a coruja nevada deixa-se cair nos braços do grifinório que sustentava um olhar sombrio em direção ao pergaminho que ela ainda segurava entre suas garras.


Alguns minutos mais tarde, Harry enervava Edwiges colocando-a sobre uma almofada que ele mesmo transmutara e tirando o pergaminho de suas garras suavemente para não machucá-la e o grifinório fica em choque ao perceber a letra e a assinatura.


-Hagrid!?


Agora Harry encontrava-se definitivamente em choque. Respirando pesadamente o grifinório apertava o pergaminho com força em sua mão, se recusando a acreditar que o gigante havia levado Hermione para àquela armadilha mortal no campo de quadribol. Primeiro a ameaça de Jason na noite anterior, o desaparecimento e tortura de Hermione, depois Cho sangrando e logo em seguida, Edwiges sob imperius, para completar uma carta desesperada de Hagrid pedindo ajuda...


-Eu não posso resolver isso sozinho!!!


Mas quem poderia ajudá-lo? Hermione estava desacordada, frágil... e ele não iria de forma alguma envolvê-la novamente em algo tão perigoso. Rony entraria em pânico e surtaria duas vezes mais que o próprio Harry (ele recorreria à Hermione assim como Harry faria).


Dumbledore teria que alertar os aurores, Cromwell... bem Harry não confiava nele, Luna e Ginny não poderiam fazer muita coisa, Malfoy estava fora de questão por razões OBVIAS agora só restavam duas opções, o professor Remo Lupin e seu padrinho Sírius Black. 


O olhar do escolhido recaíam sobre Edwiges que já demonstrava alguns sinais de melhora, seus olhos vibravam intensamente e logo ela se empoleirou no ombro de Harry.


-Ainda tenho que enviar uma carta aos pais da Mione...


Lembrou-se o moreno bagunçando ainda mais seus cabelos rebeldes com nervosismo, ele ainda era só um garoto para conseguir resolver todos esses enigmas de uma vez. Ele sentiu novamente seu peito afundar, ele sentia falta de Hermione novamente, ela já teria apontado uma solução.


Balançando a cabeça negativamente, Harry afastou essa idéia da sua mente, precisava se esforçar para manter o foco. Respirando fundo ele volta sua atenção para a coruja.


-Garota, preciso que fique em segurança, vôoe até Sírius e permaneça com ele até que eu a chame para levar a carta dos Grangers!!!


A coruja piou negando-se a ficar longe do garoto nesse momento, ela podia perceber o quanto Harry estava confuso, mas o grifinório estava determinado e não deixou o corujal até o momento que Edwiges desaparecera nos céus cinzentos de Hogwarts e seguiu para a sala precisa sozinho, sempre conferindo o mapa para ver se não fora seguido.


-Agora... mostre-me, Sírius Black!


Exige o escolhido para o espelho e instantes depois a imagem de um homem de olhos negros e cabelos longos surgia no espelho.


-Hey filhote!!! Não esperava notícias suas tão cedo! Como estão indo as coisas com a Hermione???


Falava Sírius com um meio sorriso malicioso, que se dado em outro momento teria deixado o grifinório completamente vermelho de vergonha.


-Hermione não está nada bem Sírius, as coisas em Hogwarts estão um caos e eu preciso da sua ajuda!!!


O tom sério do garoto fez o fugitivo fechar o semblante de imediato, principalmente com a menção de “Hermione” e “nada bem”na mesma frase.


...............................Severo Snape.................................


Ginny finalmente conseguira entrar no salão comunal sonserino depois de ouvir três primeiros anos murmurando a senha distraidamente.


-Serpentti... nada criativo...


Murmurava contrariada, ela ficara quase uma hora tentando inutilmente encontrar a senha deles, tentara até o nome do próprio Lord das Trevas e nada. Calmamente a Weasley seguia esgueirando-se pelos cantos até identificar o corredor que dava para o dormitório feminino e com um sorriso maroto ela seguiu até o quarto que Pansy Parkinson dividia com Daphine Greengrass.


Não fora muito difícil, afinal tudo no “lado da Pansy” era rosa choque, daqueles que se poderia enxergar do outro lado da fronteira de tão chamativo. Ginny balançou a cabeça negativamente em reprovação antes de adentrar o dormitório e conferir se havia alguém lá dentro.


Para sua sorte nenhuma das alunas sonserina estavam lá. Decidida ela entra no dormitório e aponta a varinha para a cama da rival... digo... da sua odiada inimiga Pansy. Murmurando alguns feitiços dos gêmeos ela transfigurou todas as colchas rosadas em trapos esfarrapados e muito sujos além de lançar sobre eles um encanto de mau-cheiro.


Depois disso ela seguiu para o baú da Parkinson e abriu-o sem dificuldades revirando tudo até encontrar o objeto de seu desejo... os olhos de Ginny brilharam em satisfação ao pegar o diário de Pansy, e guardando-o na sua capa ela volta a aplicar uma série absurda de feitiços destruidores e de pó de mico sobre os uniformes da sonserina antes de sair sob a capa da invisibilidade novamente.


-Tenha bons sonhos Pansy querida...


Sorria a Weasley lançando um ultimo feitiço de desilusão que mascarava as reais condições dos caríssimos objetos da sonserina.


.................................Lúcius Malfoy......................................


Horas mais tarde Rony, Ginny e Luna encontravam-se na sala onde Hermione e Jason estavam a ser tratados, enquanto eles permaneciam no leito da amiga grifinória, o irmão mais novo de Jason parecia assustado e inconsolável sobre a condição de seu irmão mais velho.


Luna fitou o garoto com curiosidade, e deixando Rony a conversar com Ginny ela se aproxima do garoto colocando uma mão sobre seu ombro reconfortantemente.


-Ele ficará bom logo, logo!!! Seu irmão foi um herói tentando salvar a Hermione esta manhã!!!


Sussurra a corvinal fazendo um pequeno sorriso de orgulho surgir no rosto do garoto.


-Sério? Jason foi um herói como o Harry???


Pergunta curioso o pequeno grifinório.


-Sim! Os Nargles me contaram que Jason lutou contra o mal para proteger a Hermione!


Mal terminava de falar e o garoto abraçou Luna com um sorriso enorme. A cena não passou despercebida por Ron que fitava fascinado a forma como Luna conseguia transmitir esperança as pessoas.


-Alguém aqui está babando pela Luna...


Murmura Ginny provocando o irmão que desvia o olhar para longe da corvinal extremamente vermelho.


-E-eu não to babando não!!!


Defende-se o ruivo.


-Ahh Rony não tem como negar a sua cara de babaca quando fica sonhando com ela!!!


Alfinetava Ginny novamente levando o seu irmão a estreitar os olhos irritados para ela.


-Estou brincando Ron!!! Fico feliz que esteja gostando mesmo dela...


Completa a ruivinha abraçando o braço direito do irmão docemente observando como Luna conversava animadamente com o irmão de Jason sobre “Chariuons”, duendes e tempestades.


-Mas presta bem atenção!!! Não é porque é meu irmão que vai escapar de um feitiço super potente espanta bicho-papão se magoar a minha amiga!!!


Ameaça Ginny puxando o irmão para longe da sala e apontando a varinha para seu pescoço.


-Hey, eu não pretendo machucar ninguém!!! E desde quando a Luna é sua amiga???


Protesta Rony enfrentando a irmã.


-Você é imbatível no ranking insensibilidade, idiotice e em partir o coração das garotas, ontem humilhou a Lavender na frente de toda Hogwarts e depois deu um senhor fora na Padma Patil diante de toda a turma do sexto ano...


Argumenta a ruivinha estreitando os olhos claros em claro tom de ameaça o que levou o ruivo a engolir seco.


-A Luna se aproximou bastante de mim nos últimos dias, e especialmente hoje ela me apoiou muito com a história do Malfoy ter me seqüestrado para propósitos sombrios e essas coisas absurdas... Não vou deixar que você machuque o coraçãozinho dela!!! Se fizer a Luna derramar uma única lágrima... eu juro que a mamãe saberá de todas as suas “aventuras” com suas “namoradinhas”!!!


Depois dessa ameaça descarada Ginny deixa o grifinório sozinho com seus pensamentos e agora apavorado com a promessa de Ginny em acabar com ele caso fizesse Luna sofrer. Por um lado ele tinha certeza que seria capaz de qualquer coisa para fazê-la feliz, amava seu sorriso e o protegeria com todas as forças... mas, por outro lado, ele ainda estava muito confuso com seus pensamentos e sentimentos para se comprometer a não fazê-la sofrer.


Lembrava de quantas vezes Hermione o repreendeu por sua falta de modos e insensibilidade, ele já tinha dezesseis anos, logo faria dezessete, era quase um adulto e deveria ter mais noção de como lidar com seus problemas... especialmente com garotas.


-Ah Mione... você bem que poderia acordar logo e me dar uns conselhos!!!


Implorava o ruivo voltando para o leito da amiga que continuava adormecida com vários ferimentos espalhados pelos braços e rosto.


.............................Minerva McGonagall............................


Harry desaparecera pelo resto do dia, o grifinório isolou-se na sala precisa desde que saíra do corujal levando consigo o espelho de Sírius e o diário de sua mãe, ele ainda não esquecera de Henry Cromwell petrificado em seu dormitório e verificava a cada meia hora o mapa do maroto para ver se o auror havia escapado.


A conversa que tivera com Sírius fora a mais séria que Harry já tivera em toda sua vida. Ele explicou ao padrinho tudo o que aconteceu desde o dia que soube da profecia, a morte dos Dusleys, os sonhos com Voldemort, a descoberta do Vinculo de sangue com Hermione, a decisão de pedi-la em casamento, como Draco, Ginny, Rony e Luna entraram nos desafios, o ultimo desafio que fora dado a uma pessoa misteriosa, o sumiço e acusação de Hagrid e agora a armadilha que levara Hermione para o homem das sombras que quase tirou-lhe a vida.


A reação de Sírius fora no entanto surpreendente, ele estava visivelmente transtornado, revoltado por não poder estar com seu afilhado em um momento como este, furioso pelos aurores ainda não terem encontrado os culpados, ainda mais com esse tal Cromwell que segundo as descrições de Harry seria um problema à parte, ele também não acreditava na culpa de Hagrid e já desconfiava do que poderia ter acontecido ao gigante.


-Escute com atenção Harry, não tome nenhuma decisão precipitada, fez bem em me contar tudo isso, agora entendo porque Edwiges chegou aqui sem nenhum pergaminho... primeiro você deve evitar esses aurores ao máximo!!! Não os deixe saber sobre o vinculo... você e a Hermione correriam sérios riscos caso essa informação caísse sob conhecimento do ministério!!!


Essa primeira informação deixou o grifinório preocupado, Jason mencionara algo do tipo quando discutia com Hermione, e agora Harry estava determinado a ler todo o diário de Lily até ter cada dúvida sua descartada. Depois de terminar a conversa com seu padrinho, Harry procurou Remo.


-Não entregue a carta de Hagrid a ninguém, espere Hermione acordar para descobrir o que realmente aconteceu, não podemos correr o risco e alguém querer incriminar o Hagrid! Temos que ficar de olho na Chang, mas posso pedir para Tonks dar um jeito nisso!!!


Explica o professor, mas Harry desespera-se.


-Não podemos falar nada aos aurores!!!


Repreende o moreno, mas Lupin o tranqüiliza.


-Calma Harry, Tonks é sobrinha de Sírius, ela está do nosso lado e sabe de tudo o que já enfrentamos contra você-sabe-quem!!!


Tranqüiliza o lobisomem.


-E quanto ao Cromwell???


Questiona Harry com desgosto ao falar o nome do auror.


-Não se preocupe, darei um jeito nele... Tonks ficará furiosa em saber que ele não seguiu as ordens... mas posso garantir que ele não lembrará como chegou até a torre da grifinória!


Promete Remo pela primeira vez mostrando um sorriso digno de um maroto, ele ouvira os relatos de Tonks sobre como Henry poderia ser um problema para eles. Depois de resolver a primeira parte do problema, Harry retorna à sala precisa que ganhou a aparência do salão comunal grifinório, com o calor acolhedor da lareira e o grande sofá confortável.


O escolhido sentiu o coração apertar ao tomar o diário de sua mãe em suas mãos e colocá-lo na mesinha de centro diante do sofá. Ele teria que enfrentar seus medos e desvendar as magias guardadas naquele diário escrito por sua própria mãe... sem Hermione do seu lado, isso seria realmente difícil.


.................................... Bellatriz Lestrange.............................


Os gritos de Pansy eram ouvidos por todas as masmorras, assustando até mesmo os fantasmas do castelo. Fora questões de segundos para cada aluno sonserino estar fora de suas camas e empunhando varinhas assustados em pleno salão comunal.


Tonks, que estava responsável pela ala sonserina esta noite foi a primeira a chegar ao quarto que a garota dividia com Daphine Greengrass e teve uma verdadeira surpresa com o que viu...


A metamorfa já não estava de bom humor desde que decobrira Henry Cromwell dormindo num armário de vassouras enquanto deveria patrulhar o campo de quadribol em busca de pistas e agora teria atenção redobrada na segurança dos alunos.


-Que demônios você tem Parkinson???


Esbravejou Tonks quando encontrou a corvinal aos gritos olhando para sua cama com repugnância, os cabelos da auror ganhavam uma tonalidade roxo forte enquanto seus olhos faiscavam perigosamente contra Pansy.


-Minhas coisas...e a minha cama... ela parece... parece cama de um Weasley pobretão!!! Tem um cheiro horrível mais parecendo meleca de Trasgo!!!


Todos os sonserinos ouviam claramente as reclamações de Pansy.


-O que você fez aqui???


Tonks encarava a cama da morena estupefata, como ela conseguira tamanha destruição de suas coisas assim???


-Eu??? EU NÃO FIZ NADA!!! ALGUÉM FEZ ISSO PARA SE VINGAR DE MIM!!!


Gritava a Parkinson deixando Tonks mais irritada ainda.


-Se vingar de você?? Porque se vingariam de você senhorita Parkinson???


Questiona a auror, e nesse momento Pansy ficara muda. Percebera que na hora da raiva falava demais!!!


-Porque... porque eu sou muito mais bonita que qualquer outra bruxa nessa escola e sentem inveja da minha beleza!!!


Responde com arrogância, mas, logo em seguida todo o salão comunal sonserino explodia em gargalhadas ferozes. Pansy seguida por tonks e Daphine correra para o salão para assistir a todos seus colegas de casa gargalhando febrilmente das suas palavras.


-Do que estão rindo???


Questiona Pansy irritadiça, até que Daphine aponta para sua camisola que estava arruinada e cheia de remendos com as palavras “Sou uma cobrinha” passeando magicamente pela roupa em letras prateadas. Vermelha, a garota volta e tranca-se no quarto deixando Tonks para lidar sozinha com um bando de sonserinos que agora estavam sem sono.


-Vocês escolhem, ou vão para suas camas e voltam a dormir ou terei que desmaiar vocês um a um e enviá-los para o dormitório!!!


Ameaça a aouror furiosa apontando a varinha para o alto, seu tom de voz mortal silenciou todo o salão e numa corrida desesperada todos retornaram aos seus quartos.


.........................................Dumbledore..................................


Draco aguardava Ginny impaciente na biblioteca, dessa vez teriam a supervisão de um auror, chamado Claus Keane, o homem apenas lançou alguns feitiços de reconhecimento do local e depois de averiguar bem cada corredor de livros liberou o trabalho dos alunos, dessa vez permitindo que usassem suas varinhas e os deixou na biblioteca, indo montar guarda na porta da mesma.


Ginny chegava ofegante ao encontro do sonserino e murmurando milhões de desculpas retornava ao trabalho ao lado do Malfoy, que para seu desgosto a ignorava completamente... de novo!


Ela bem que tentou se aproximar, mas ele se afastava. Contrariada a Weasley seguiu a passos frustrados até uma nova montanha de livros e se surpreendeu ao encontrar seu diário sobre ela. Seus olhos cintilaram de emoção e ela mal conseguiu conter um gritinho de felicidade ao tomar o objeto em suas mãos novamente o abraçando com um sorriso largo.


Draco encarava de longe a animação da grifinória com o diário que acidentalmente acabara de “achar”. Ela ficava incrivelmente bela quando sorria, a forma como seus cabelos pareciam mais vermelhos com as luzes turvas da biblioteca e como ela suspirava abraçando aquele pequeno objeto parecia hipnotizar o sonserino.


Mas, o loiro chutou-se mentalmente. Ele prometera a si mesmo afastar-se dela de uma vez por todas. Mas quando deu por si, lá estava Ginny a poucos centímetros do seu rosto e encarando com aquele par de olhos curiosos e travessos. Ele piscou algumas vezes até perceber que ela encontrava-se a poucos centímetros do seu rosto, bastava apenas um movimento e poderia tomar aqueles lábios quentes e macios para si.


-Malfoy? Você está bem?


Pergunta suavemente a ruivinha mordendo o lábio inferior com preocupação. Em nome de Merlin ele já estava em seu limite, ela continuava a tentá-lo com aquele rostinho inocente e aqueles lábios vermelhos pedindo para serem beijados.


-Some da minha frente Weasley!


Sibilou o sonserino reunindo tudo o que lhe restava de orgulho e lançando para ela um olhar indiferente, frio e vazio de qualquer sentimento bom. A julgar pela expressão decepcionada da grifinória, ele tinha alcançado seu objetivo, a afastou, mas apenas o bastante para vê-la dar alguns passos para trás e desviar os olhos para a escada, ou ao menos o que restava dela.


-Foi aqui que ele me derrubou pela primeira vez... é um pouco assustador estar de volta ao lugar onde quase perdi minha vida...


Comenta a ruiva, mas Draco apenas vira-lhe as costas.


-O problema é todo seu!


Responde rispidamente o sonserino.


-Se fosse somente meu, você não teria se arriscado e me levado para as masmorras até curar meus ferimentos!


Rebate a grifinória furiosa com a indiferença do loiro.


-Eu fui piedoso, apenas isso!


Responde sem deixar-se abalar.


-Você se sentiu culpado!!! Me deixou sozinha para ficar por aí com sua namoradinha Parkinson e quando chegou aqui pensou que eu estava morta!!!


Acusa Ginny fechando a distancia entre eles e o encarando com ódio.


-Se estivesse com a Pansy não faria diferença alguma Weasley!


Responde Draco desviando o olhar dela... diante dessas palavras a Weasley ofegou, onde ele queria chegar com aquela guerra de provocações e indiferenças afinal???


-Faria sim!!!


Gritava a grifinória com os olhos marejados empurrando as mãos em punhos sobre o peito de Draco que a fitava estupefato.


-Olha nos meus olhos e diz que nada do que passamos juntos significou alguma coisa para você!!!


Exige Ginny enxugando as lágrimas que insistiam em cair com as mangas do uniforme deixando amostra o desenho negro da flor no seu pulso.


-Acreditou mesmo que um Malfoy iria para além de beijos com uma grifinória... ainda mais uma Weasley!!! Seria repulsivo!


Responde Draco segurando os pulsos de Ginny com força a obrigando a encarar seus olhos cinzentos.


-Eu não consigo acreditar em nenhuma das suas palavras Malfoy!


Diz a grifinória fracamente, os olhos vermelhos e o rostinho assustado quase o fizeram desistir de afastá-la, mas Draco já tomara uma decisão e não voltaria atrás, seria melhor para ele... e consequentemente... melhor para ela.


-Eu não a quero mais!!! Sua presença é um fardo irritante Weasley!!!


Vociferava Draco para a grifinória que sentia as pernas ficarem fracas e o coração se partir em milhões de pedacinhos... ele a estava destruindo por dentro... e isso doía tanto.


-Eu... eu pensei que poderíamos... eu... sou uma idiota mesmo!!! Vá ao inferno Malfoy!!!


Ginny reprimiu um soluço doloroso antes de soltar-se do sonserino e retornando para os livros sobre o chão o ignorou completamente, não disse mais uma única palavra depois disso.


Mas a grifinória não sabia, que o Malfoy já estava sangrando por dentro ao vê-la sofrer assim. Ele apenas volta a focar-se no trabalho, desejando que em breve ela fosse capaz de encontrar a carta que deixara para ela em seu diário.


..................................Harry Potter...................................


Harry enfrentava um dos momentos mais dolorosos de sua vida. Se passaram horas desde o momento que abriu o diário de Lily e perdeu-se nas paginas escritas por sua mãe. Ela contava como se apaixonara por James, como lutaram juntos contra Voldemort, como se casaram e a surpresa maravilhosa que foi a gravidez de seu primeiro filho, Harry James Potter.


Lily explicava em detalhes como enfrentaram os medos das trevas após a revelação da profecia sobre seu filho, contando também como os pais de Neville também temiam que ele fosse alvo dessa mesma profecia mortal, afinal ambos desafiaram Voldemort por três vezes.


Harry sentiu o coração apertar ainda mais quando Lily começa a narrar com riqueza de detalhes tudo o que aprendera sobre magia antiga para proteger seu bem mais precioso... seu filho. O grifinório não conseguiu evitar derramar algumas lágrimas todas as vezes que lia os trechos onde sua mãe demonstrava todo amor que sentia por ele assim como afirmava a luta incansável de seu pai para levá-lo para longe das batalhas.


Porque eles tinham ido tão cedo? Porque ele não poderia lembrar de como era estar nos braços da sua mãe, de ser ninado pelo pai, de dormir ouvindo historinhas encantadas e receber um beijo de boa noite??? Porque Voldemort tinha que tirar tudo isso dele???


Uma onda de ódio se formava no peito do grifinório, tudo que mais amava era tirado cruelmente de seu alcance pelas mãos do bruxo das trevas que tanto odiava.


Ele conseguia sentir o pânico que seus pais viveram desde o dia que tomaram conhecimento da profecia, através das palavras de Lily, Harry conseguia sentir cada batalha e cada procura desesperada por uma solução, por uma saída que livrasse seu filhinho de um destino tão sombrio.


Era estranho e até certo ponto angustiante ler num velho diário a sua própria história, mas fora a partir de agora que toda a sua atenção focou-se na leitura. Lily transcrevera com riqueza de detalhes tudo o que descobriu sobre magia antiga de proteção, sobre vínculos de alma e sangue, sobre runas e barreiras mágicas... e ali ele encontrou passo a passo o que sua mãe fez, e anos mais tarde Hermione repetiu.


Seus olhos alargaram-se em terror, as conseqüências, os perigos e a ilegalidade diante das leis mágicas. Ambas as bruxas sabiam que com o ritual estariam colocando em jogo sua magia e a chance de passar os restos dos seus dias em Azkaban.


Harry deixa o livro cair de suas mãos, sustentava uma expressão ilegível com os olhos vidrados sobre a mesinha de madeira a sua frente. Ele mal respirava, perdera-se em pensamentos desesperados de como poderia perder Hermione assim como perdera seus pais, por isso Sírius insistiu para que ele mantivesse em segredo sua ligação com Hermione, por isso Jason falava sobre quebrar leis mágicas e até mesmo compreendeu a pergunta sarcástica de Snape quando Remo alertou sobre a possibilidade de Hermione ter iniciado um vínculo de sangue com ele.


-Não deveria ter feito isso mione...!!!


Murmura Harry esfregando os olhos com força na tentativa de manter-se firme. Para sua surpresa, Edwiges surge na janela que magicamente aparecera na sala, chamando sua atenção, era hora de mandar sua carta aos Grangers.


“Senhor e senhora Granger,


Escrevo esta carta para explicar o que aconteceu à sua filha, minha melhor amiga, Hermione Granger assim como esclarecer a perigosa realidade em que se encontra o mundo mágico. Estamos em guerra contra um bruxo muito perigoso que ameaça a segurança de nossos amigos, especialmente os nascido trouxa como Hermione.


Esta manhã Hermione caiu em uma armadilha com um homem das sombras que estava à minha espera, ela foi enganada e logo depois feita de refém e foi cruelmente torturada por magias imperdoáveis até que a encontrássemos no campo de quadribol em poder do nosso inimigo.


Meu nome é Harry James Potter, tenho dezesseis anos e me encontro no olho do furacão desde o dia que nasci, eu conheci Hermione quando ainda tinha onze, no trem para Hogwarts... desde então sua filha tem sido uma presença constante em minha vida, e também uma das mais valiosas para mim.


Não os envio esta carta para atemorizá-los, mas para deixar claro as verdadeiras condições que enfrentamos no mundo mágico assim como seus perigos...


E assim Harry passou o resto daquela noite a escrever aos Grangers. Depois de terminar um longo pergaminho, Harry entrega para Edwiges pedindo para que permanecesse com os pais de Hermione até que tivessem a chance de responder a carta... isso também a manteria fora do alcance dos aurores por um tempo.


Depois disso o grifinório seguiu sentindo-se exausto para a sala onde Hermione estava sob os cuidados de McGonagall, passara o dia todo longe dela, sentia demais a sua falta, ela era sua força sua segurança, bastava apenas um toque de sua mão para levar para longe qualquer sentimento ruim de seu coração, no entanto ele foi surpreendido quando entrou na sala.


-Jason Stuarts acabou de acordar senhor Potter, e se recusa a falar com qualquer outra pessoa além de você!!!


Avisa a vice diretora com preocupação diante da expressão do moreno.


-O que ele quer falar comigo?


Questiona Harry estreitando os olhos furiosamente.


-Não me ouviu senhor Potter??? Ele se recusa a falar com qualquer outra pessoa!!!


Repete impaciente Minerva ao que Harry segue a contragosto para o leito do lufa-lufa.


-Até que enfim apareceu Potter!


Resmunga Jason com amargura.


-Diga logo o que quer Stuarts!!! Não tive o melhor dos meus dias!!!


Responde Harry irritado.


-Se você não o teve, imagine Hermione!!! Deveria estar com ela naquele maldito campo de quadribol!!!


Repreende Jason com repugnância atingindo o ponto fraco do grifinório que trincou os dentes furiosamente. Com isso o lufa-lufa lança um rápido “muffiato” ao redor deles.


-Eu não sabia como encontrá-la, os aurores me impediam de procurá-la, eu a procurei em cada parte de Hogwarts desesperadamente!!!


Gritava Harry para Jason que estreita os olhos para o escolhido.


-Se Hermione fosse realmente importante para você não a teria perdido de vista!!! Teria feito o que eu fiz!!! Mesmo sabendo que a tinha perdido para você eu a segui, lutei por ela e quase morri naquele maldito campo de quadribol tentando livrá-la de uma maldição de “imperius”!!!


Bradava Jason jogando contra Harry toda sua amargura.


-Eu também lutei por ela! Daria a minha vida se fosse preciso para mantê-la em segurança, por Mérlin eu mataria por ela!!!


Agora Harry perdia completamente o controle quase partindo para cima de Jason.


-Não poderia fazer isso sabendo das conseqüências sobre ela!!! Hermione quebrou as leis mágicas por sua culpa!!! Ela é tão devotada a você que não se importou em arriscar tudo o que tem para manter a sua bunda longe desses problemas que você sempre arranja!!!


Acusa Stuarts ferozmente e agora Harry engolia sua ira diante das palavras duras de Jason.


-Eu a amo Potter!!! E se for preciso esconder tudo o que sei sobre vocês dois do ministério eu o farei... mas, por ela!!!


Completa Jason desviando o olhar para o leito ao lado onde se encontrava Hermione.


-Obrigado!


Agradece o grifinório sem conseguir encarar o lufa-lufa, sentia tanto ódio e tanta tristeza dentro de si que não saberia como responder ao rival.


-Mas quero que prometa uma coisa Potter...


Agora a voz de Jason soou ameaçadora, rapidamente Harry o encarou com desconfiança.


-Terá que denunciar o Hagrid! Ouvi a Hermione chamando por ele, o alvo era você isso era obvio, e mesmo assim ela não se importou em arriscar a própria vida recusando-se a chamá-lo!!! Hagrid é o culpado pelo sofrimento de Hermione e que quero que ele pague por isso!!!


Exige Stuarts com um semblante sombrio, Harry fecha as mãos em punhos concentrando-se para não fazer nenhuma besteira, Jason o estava encurralando colocando entre a liberdade de Hagrid ou Hermione.


Ele tinha demais em jogo para arriscar numa única resposta agora, ele tinha que pensar rápido.


-Se eu recusar o que você faria Jason? Hermione ainda não acordou para confirmar a sua versão da história, até agora só tenho a sua palavra e garanto que não confio nada em você!!! Mione nunca culparia o Hagrid pelo que aconteceu, ela é a bruxa mais inteligente de nossa geração e com toda certeza saberia que seria uma armadilha usando o nome dele!!! Não acredito que a seguiu sem nenhum motivo aparente e duvido muito dessa sua certeza sobre a Mione ter quebrado as leis mágicas!!!


Os argumentos de Harry pegaram Jason de surpresa, ele ampliou os olhos com a rápida resposta do grifinório.


-Se a amasse de verdade, assim como eu a amo... não colocaria a liberdade dela em jogo por nada nesse mundo!!! Não se aproveitaria desse momento em que ela poderia se quer dar sua própria opinião sobre o assunto!!! Eu só não te dou uma surra Stuarts, porque sem você a Mione poderia estar muito pior... fora de nosso alcance...


Acusa Harry dando as costas para Jason que permanecia em silencio.


-Se abrir a boca para falar sobre o Hagrid e principalmente, se falar qualquer coisa sobre Hermione... vai desejar nunca ter me conhecido Stuarts!


Ameaça Harry com uma voz tão sombria e cruel que mais parecia ser o próprio Voldemort falando através dele. O lufa-lufa se encolheu na cama frustrado, mas puxando a manga do casaco sobre os pulsos retira o encanto de silenciamento ao redor deles, pensando num próximo plano para livrar-se de Hagrid.


.......................................Rúbeo Hagrid.....................................



Mais um capítulo curtinho para vocês mostrando como as coisas correram nesse dia em Hogwarts!!! As coisas estão complicando mais ainda, tanto Cho quanto Jason estão escondendo os pulsos de vista...


Draco e Ginny reagindo mal aos boatos de Pansy e as conseqüências disso os afastando de forma dolorosa é de partir o coração...


Rony e Luna finalmente namorandoooooooo o/ essa foi para a Shell Weasley hauhauahuahauha....


Harry passou seu tempo isolado do mundo tentando corrigir esses problemas sozinho... aiaiai senti peninha dele enquanto escrevia, mas no próximo capítulo vocês verão a reação dos Grangers à carta de Harry e finalmente Hermione desperta!!!


Rosana Franco a primeiríssimaaaaaaaa a comentarr!!! Me deixou super mega hiper e loucamente feliz!!!! *-* Você tem toda razão as atitudes de Jason são muito suspeitas mesmo!!! Especialmente depois dessa ultima conversa que ele teve com o Harry, você consegue acreditar nele??? Por enquanto nada muito sério foi visto no diário de Lily, mas as coisas vão mudar quando Hermione explicar as ultimas páginas ao Herry XD O Rony ainda não foi para um hospício huahauhauhauhaua mas a reação dos pais da Mione assim como a carta que o Harry escreveu “versão completa” só no próximo capítulo!!! O que achou desse capítulo hein??? Me diz tuuudoo critica, aponta o que melhorar, o que gostou pelaseeee!!!


Bruna Jean Granger Hale Cullen Potter!!!! Fico incrivelmente feliz por saber que você gostou mesmo do ultimo capítulo \o/ ele foi bem angustiante não foi... competindo de perto com esse de hoje, a Mione super mal e o Harry sofrendo pela culpa da armadilha que ela caiu... aiaiai você também aposta no Jason para a ultima pessoa do desafio??? Não desconfia da Cho Chang também??? Nesse capítulo ela parece bastante suspeita também!!! O que achou desse capítulo de hoje??? Me deixa seu comentário!!!! Diz se ta gostando!!!!!


Coveiroooooooo!!! Fico tão emocionada a cada comentário seu *-* hauhauhauhauhauhuahauha!!! Serio mesmo que o ultimo capítulo foi bom??? Ahh não estou judiando deles não, o Harry ainda está muito abalado com o que eu aconteceu à Mione e voltou a se isolar de seus amigos, mas garanto que será por pouco tempo... ele quer provar a si mesmo que pode manter o controle sobre sua própria vida especialmente quando isso envolve a segurança de Hermione!!!! A Ginny está passando por um momento mega difícil agora que toda Hogwarts pensa que ela foi uma vítima de Draco maaaaaas no próximo capitulo as coisas podem mudar um pouquinho XD Ahhhhh você está brincando com a gente??? Suas pistas são mais do que sutis elas são cruelmente difíceis!!! Fico quebrando minha cabeça até identificar o que poderia ser usado para montar uma teoria de verdade, mas ainda tenho medo de arriscar... sei que você deve ter uma surpresa e tanto preparada!!! Vai me dizer que o Harry e a Mione fugiram para uma ilha paradisíaca longe de toda a confusão da guerra para viverem seu grande amor *-* aiaiai tenho bilhões de teorias formadas para explicar o desaparecimento deles, eles poderiam ter mudado de identidade, fugido para o mundo trouxa... quando vai postar o próximo capítulo hein??? PS: Eu li essa fanfic da Ingrid D. e ADOREEEEEEEEEIIIII!!! Ela é mesmo demais, agora sou fan também!!!


Shell Weasleyyyyyyyyyyyyy!!! Amoooooooooooooooo seus coments *-* de coração!!! Gostou dos momentinho Ron/Luna???? Adiantei o pedido oficial de namoro por sua causa, mas garanto que as surpresas não param por aí!!! O Rony ainda vai aprender muito com a Luna e a nossa linda loirinha ainda vai passar por maus bocados para ficar ao lado do grifinório!!! Ahhh o Jason é um ótimo suspeito, mas depois do capítulo de hoje você ainda acredita que seja ele??? Pelo amor de Mérlin não tenha um enfarte nãooooooo!!! Não me abandonaaaaa a fic precisa de você para seguir em frenteeee *-* agora me conta o que achou do capítulo!!!!! O que mais gostou??? O que pode melhorar??? Comenta pleaseeee \o/ PS: Estou adorando suas fics!!! Hauhauhauhauhauaa


Angelina G. McFellow!!! Oficialmente desaparecida do meu mapa do maroto T_T onde você está meninaaaa???


Aos demais please comentem!!! Amo comentários ele me fazem escrever mais e melhor além de servirem para dar um empurrãozinho extra para acelerar a chegada do próximo post!!!


Beijinhoooos


=***


 

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 4

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Coveiro em 26/03/2012

Mais um capitulo espetacular. Voce deixa a historia com um ar de misterio envolvente demais.
Harry sempre fazendo o que acha certo por mais errado que seja. Curti muito ele protegendo o Hagrid, e desafiando o carinha pra manter as coisas da Mione como ela deixou. Curioso pra ver o proximo capitulo.
Coitado do Draco. Por que o cara sempre é o culpado de tudo? A Gina tambem judia.
Posta logo o proximo.

Sobre as pistas, devo dizer que voce esta no caminho certo. Não te enrolei pro completo, afinal o principal da historia voce ja pescou. Por mais absurda que possa ser a teoria gostaria de saber. Adoro ver o que os leitores acham que vai acontecer, assim sei se vou ou não surpreender.

Até o proximo capitulo. Sobre o meu, provavel que na pascoa, pois to meio atarefado com a facul e meu emprego me toma o dia todo.
Mas acho que na pascoa voce vera um capitulo light em ação, revelador e meloso(acho eu).

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Shell Weasley em 25/03/2012

EU ABANDONAR ESSA FIC??? NUNCA! Mas eu quase tive um enfarte! Você ficou NOVE dias sem atualizar!!!Meu coraçãozinho deu um pulo quando eu li o novo capitulo!!Valeu muito a pena esperar! L-I-N-D-O o pedido de Rony! Fiquei super emocionada! Tadinha da Luna ela ainda vai chorar muito por causa dele? Se ele fizer isso vai levar nao só uma maldição do bicho papão da Gina, mas um avada quedavra meu, ah se vai! E um desperdício matar ele (eu sei!)!Que bom que esta gostando da minha fic! Estou escrevendo uma nova logo vou posta-la!
Beijos com gliter 
#esperandooproximocap.

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por rosana franco em 24/03/2012

A Gina é fodastica qd o Draco vai perceber q ele não vai escapar da ruiva.Muito fofo o Rony e\a Luna,agora to mais curiosa ainda sobre o Jason pq ele quer incriminar o Hagrid e oq ele e a Cho estão escondendo.Que auror mais chato não?O Harry qualquer hora vai ter um ataque de nervos.

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Bruna Bullock em 24/03/2012

Amei!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
Posta logo!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
Beijossssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssssss

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.