FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

ATENÇÃO: Esta fic pode conter linguagem e conteúdo inapropriados para menores de idade então o leitor está concordando com os termos descritos.

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

14. O dia em Hogwarts


Fic: Os Sete Desafios


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

O dia em Hogwarts...




Rony tentava a todo custo continuar a conversa sobre Hagrid com Harry e Hermione durante o café da manhã, mas depois que Lavender o encontrou tudo foi por água abaixo.


-Won-Won!!! Onde você esteve? Fiquei até agora te esperando no salão comunal!!!


Choramingava pendurando-se no pescoço do grifinório que engasgou com a própria comida. “Essa garota tem um aperto da morte” pensava o Weasley esfregando o pescoço depois que ela sentara ao seu lado.


-Não vai me dizer nada???


Dizia manhosa a garota ao seu pé do ouvido enviando um arrepio pela nuca do ruivo, mas estranhamente fora um arrepio desagradável. Quase que de imediato seus olhos alcançaram a mesa da corvinal.


Luna tinha uma expressão desolada em seu rostinho. Ela estava assistindo ao espetáculo de mimos e carinhos da Lavender com ele, que agora experimentou um forte sentimento de culpa pesar sobre seus ombros, mas, Lavender puxou seu rosto para ela beijando-lhe rapidamente os lábios tirando-lhes dos devaneios.


-Para dar sorte no treino de hoje Won-Won!!!


Diz animadamente a grifinória deixando o ruivo mais nervoso ainda.


-Escuta aqui Lavender!


Sua voz soara mais alto que o normal e todos na mesa da Grifinória voltaram sua atenção para o casal. A garota o fitava confusa com o copo de suco de abóbora a poucos centímetros dos lábios piscando um par de vezes em sua direção.


-Er... hm... nós... po-podemos falar sério antes da aula de História da Magia?


Pergunta sentindo-se ruborizar por ser novamente o centro da atenção.


-Meu Mérlin Won-Won... você quer falar sobre o que eu estou pensando??? A resposta é sim sim sim sim!!! Eu aceito namorar você!!!


Questiona empolgada deixando o suco de lado e pulando novamente no seu pescoço espalhando montes de beijinhos pelo rosto vermelho de Ron. Harry encarava o amigo segurando a vontade de rir, enquanto Hermione balançava negativamente a cabeça diante da cena.


-AAAH!!! Eu não quero namorar você! É justamente o contrário!


Ron livrara-se dos braços de Lavender Brown bruscamente. E mais uma vez o silencio fora geral, agora todos o encaravam estupefatos novamente, mas ninguém ficara pior que a própria Lavender, ela parecia estar petrificada, seus olhos não piscavam, seu rosto perdera toda a cor e ela simplesmente não respirava mais.


-Lavender...


Ele começou, mas, a garota desferiu uma tapa poderosa no rosto do grifinório antes de sair com os olhos vermelhos para fora do salão, esbarrando em Ginny que assistiu a tudo horrorizada.


Ron ficara parado com uma mão sobre o rosto onde a garota o tinha acertado se perguntando o que fizera de tão errado até procurar a presença de Luna na mesa corvinal... será que ela assistira aquela cena humilhante? Piscou vezes seguidas ao perceber que a loirinha não encontrava-se mais ali.


-Maldição, agora tenho duas garotas me odiando!


Murmura inconsolável batendo a cabeça na mesa quando Ginny sentou ao seu lado.


-É maninho, acho melhor se desculpar com as duas! Você tem um talento nato para fazer garotas chorarem!


Comenta enquanto pegava uma torrada e virava-se para conversar com Colin. Ron lançou-lhe um olhar fulminante, mas teve de admitir, teria de desculpar-se com as duas e isso seria uma tarefa árdua.


-Como eu consigo falar com a Lavender de novo?


Perguntava a Harry que dera ombros enquanto Hermione limitava-se a lançar-lhe um olhar de morte. Mas, assim que levantou o rosto encontrou Parvati piscando um olho para ele. “Ótimo elas são amigas, a Patil vai me ajudar tenho certeza!” pensou sentindo-se mais animado. “Agora só falta a Luna!”...


...........................James Potter.............................


Ginny comera rapidamente o pedaço de torrada antes de seguir para a sua aula de feitiços com Colin Creevey a perseguindo como sua sombra, ele lhe contara sobre a história de Hagrid e agora questionava a amiga.


-Eu sei que você não dormiu no dormitório essa noite!


Ele acusa colocando-se na frente da ruiva com os olhos semicerrados.


-Como pode ter tanta certeza?


Rebate a grifinória já impaciente com as mãos na cintura.


-A Rebecca Hoover e a Glória Smith disseram que você não retornou depois do jantar!


Argumenta o grifinório.


-Está fazendo minhas colegas de quarto me espionarem???


Acusa horrorizada a ruiva.


-Não!


Apressa-se em responder o garoto, levantando as mãos em rendição.


-Eu apenas estou preocupado com você!


Diz mais pacificamente fitando os olhos azuis da menina com carinho.


-Eu aprecio sua preocupação Colin! Você é um grande amigo, mas não quero que fique me espionando por aí! Já basta o Fred e o George no meu pé!


Diz ainda com as mãos na cintura e com a cara de brava assim como sua mãe quando dava uma bronca nos gêmeos.


-Somente um amigo?


Questiona decepcionado o grifinório recebendo um olhar desconfiado da Weasley.


-Sim Colin, eu sempre deixei isso bem claro não deixei?


Pergunta com mais delicadeza, mesmo que precisasse ser dura, não queria magoar mais ainda o amigo.


-Você ainda gosta do Harry não é?


Pergunta garoto ao que a Weasley estapeia seu ombro irritada.


-Já disse que aquilo foi uma paixão de criança!!! Hoje ele é como um irmão mais velho, um pouco mais maduro que o Rony! Colin, gosto muito de você, mas não como namorado!


Explica a ruiva revirando os olhos, usava o máximo de sua paciência, ela estava cansada, dormira pouco e ainda perdera a hora para o café além de não conseguir falar com seus amigos sobre como ajudar o Hagrid.


-Porque você nunca aceitou ficar comigo?


Pergunta o garoto tristemente.


-Porque mesmo sendo uma Weasel, cabelo de fogo, ignorante, idiota, sem teto e pobretona, ainda tem bom gosto...


Uma terceira voz se fez presente ganhando um olhar contrariado de Colin e uma expressão estupefata de Ginny.


-Pansy Parkinson?


A voz do grifinório era de pura aversão à garota sonserina.


-Oh, o garotinho mudo das fotos sabe meu nome? Que meigo!


O olhar que Ginny lançou à morena era fulminante.


-O que quer?


Pergunta de uma vez para a sonserina.


-Desafiar você!


Os olhos de Ginny e Colin ampliaram-se em surpresa.


-Vai desafiar alguém da sua turma! As masmorras da Sonserina são para o outro lado!


Retruca Colin puxando Ginny pelo braço.


-Eu estou falando com a Weasel!


Reclama a sonserina sem desviar os olhos da ruiva levantando uma sobrancelha provocativa.


-Eu não estou interessada em seus joguinhos, tenho coisas mais importantes a fazer do que perder meu tempo ouvindo baboseiras!


Responde Ginny virando as costas, mas Pansy aumenta a voz.


-Com toda certeza passar uma noite com o Malfoy deixou-a muito convencida para uma maltrapilha como você!


Agora Ginny tinha a atenção de mais da metade dos alunos da sua turma além de um chocado Colin Creevey ao seu lado. A ruiva paralisou sem conseguir acreditar no que a morena havia dito. Voltando-se lentamente para a “rival” ela diz entre dentes.


-ME. DEIXA. EM. PAZ!


Um sorriso malicioso atravessou os lábios vermelhos de Pansy, ela tinha conseguido a atenção da Weasley novamente.


-Se você tivesse deixado o “meu” Draco em paz eu não estaria aqui para colocá-la no seu lugar!


As duas estavam próximas e pareciam a poucos instantes de avançarem nos cabelos uma da outra.


-Eu não sabia que o Malfoy tinha dona... não lembro de nenhuma coleirinha com seu nome noite passada!


Provoca Ginny com os olhos estreitos ao que a sonserina pisca os olhos processando a informação e com um rosnado furioso ela responde.


-Não importa o que aconteceu naquela maldita biblioteca, Draco nunca ficaria com alguém tão inferior quanto você! Não por muito tempo... e eu vou provar isso pirralha!!!


Ameaça a morena empurrando a grifinória de seu caminho. Agora a ruivinha ofegava extremamente vermelha diante dos olhares e sussurros a seu respeito. Colin a fitava horrorizado balançando a cabeça negativamente para ela antes de virar as costas à Weasley, assim como a maioria dos grifinórios da sua turma.


-Estou ferrada!


Choramingava a ruivinha seguindo para a sala de aula, sem perceber que por baixo das vestes sua flor brilhava vivamente no pulso, seu desafio acabara de começar.


...................................Harry Potter....................................


Harry e Hermione estavam em duplas para a primeira aula do dia, Herbologia, essa aula os grifinórios dividiam a sala com os lufa-lufa, onde Rony teve de aturar Jason Stuarts que não parava de falar sobre Hermione estar deixando de lado os deveres de monitora-chefe.


-Estou falando sério Ronald, você como amigo deveria alertar a Mione, o Potter é um ima de problemas e agora...


Continuava o lufa-lufa lançando olhares fulminantes para o casal.


-Cala a boca Stuarts!


Grita o ruivo bagunçando os cabelos desesperadamente chamando a atenção de toda a turma novamente além de deixar a professora furiosa.


-Senhor Weasley e Senhor Stuarts, menos dez pontos cada pela interrupção da aula!!!


Reclamou a bruxa enquanto Rony fervia de raiva do lufa-lufa.


-Satisfeito? Quando você vai entender que não adianta tentar afastar o Harry e a Mione cara?


Rebate Rony entre dentes antes de voltar a atenção para sua planta de espinhos coloridos, já tinha demais seus próprios problemas para cuidar do que ficar ouvindo a dor de cotovelo de um lufa-lufa.


-Até ela perceber que existem opções melhores para namorado!


Responde no mesmo tom seco ignorando o ruivo e voltando a encarar a grifinória que segurava as mãos de Harry carinhosamente ensinando-o a retirar os espinhos sem varinha.


Mais tarde Rony seguiu com Neville para a aula de adivinhação enquanto Harry e Hermione foram encontrar o professor Dumbledore. Quando Luna se aproxima dos dois.


O ruivo sentiu o coração acelerar ao ver os olhos sonhadores da loirinha e um sorriso bobo se formou em seu rosto, será que ela o tinha perdoado? Até o momento que ela desvia dele para Neville o ignorando completamente.


-Neville, poderia me ajudar com uma lição de Herbologia? Soube que você é o melhor nisso!!!


Pergunta docemente a menina deixando o Longbondon sem graça e Ron fumegando de ciúmes.


-Ah claro Luna... bem... quem sabe nós... err... podemos pegar alguns livros que eu tenho para ajudar!


Responde hesitante o garoto sem perceber que o Weasley o estuporava pelos olhos.


-Seria ótimo! Hoje os Wrackpurts estarão no castelo, mas acredito que podemos ficar sossegados perto do lago negro!


Sussurra a loirinha ao ouvido do moreno deixando Rony vermelho tamanho ódio que sentia.


-VOCÊ NÃO PODE IR SOZINHO COM ELA PARA O LAGO NEGRO!


A voz de Ron poderia ser ouvida do outro lado do castelo. Neville pulou atrás de Luna assustado, os alunos que passavam por ali o fitavam chocados enquanto ela o fitava com uma expressão indiferente.


-Não deveria deixar os Drifkies atormentá-lo tanto!


Avisa a corvinal antes de voltar-se para Neville o acalmando.


-Não tem Drif... hey!!!


O grifinório quase cai para trás ao ver pequenos monstrinhos sobrevoando sua cabeça e começou a balançar o cabelo freneticamente apontando a varinha para o alto murmurando “lumus” até se dar por vencido deixando seus colegas o rotularem de maluco e diz para Luna e Neville.


-Eu vou com vocês! Vamos “estudar” Herbologia juntos!


Exige em tom ameaçador ao colega de quarto apontando a varinha para o nariz do pobre garoto e ignorando a expressão confusa de Luna.


-O que você quer saber de Herbologia Rony? Eu posso te ajudar... eu e a Parvati somos ótimas professoras e melhores companhias que certas pessoas!


Oferece a Padma passando um braço pelo ombro do capitão de quadribol que lança-lhe um olhar atormentado soltando-se dela rapidamente, haviam bichinhos estranhos andando pelos ombros da corvinal e ele teve que esfregar os olhos várias vezes para deixar de vê-los.


-Eu vou com ficar com a Luna e o Neville!


Responde o ruivo cerrando os olhos para a Patil retomando a postura e o controle sobre o que enxergava.


-Está recusando a minha companhia para ficar com o Neville nerd e a Looney esquisitona?


Padma estava incrédula.


-Não! Eu estou recusando a sua aula para ficar com o meu “amigo” Neville e com a “Luna Lovegood” e não “Looney” está me entendendo?


A corvinal ficou chocada com o que ouviu, Rony estava a defendendo e escolhendo a sua companhia à de uma das gêmeas Patil???


Diante do silencio da Patil o grifinório voltou-se para Neville e Luna falando em tom definitivo.


-Hoje, nas margens do lago negro depois dos testes de quadribol!


Luna apenas balança positivamente o rosto sem demonstrar qualquer tipo de emoção antes de seguir para a sua sala de aula do professor Binns.


-Ah... e Neville, nem tente se aproximar da Luna antes disso!


Ameaça Ron fazendo o colega engolir seco. “Realmente a professora Trelawney tinha razão, este não era seu ano de sorte!” pensava o Longbondon.


...............................Hermione Granger.................................


Draco era um dos últimos alunos do seu ano a permanecer na sala de transfiguração após a aula. Sem nenhum motivo aparente o sonserino continuava a rabiscar ferozmente em seu pergaminho algo que ninguém poderia saber.


Os olhos sob olheiras profundas não negavam as horas que passara em claro na biblioteca, e sua mente fervilhava enquanto colocava em palavras aquilo que poderia ser sua liberdade e sua condenação eterna. Colocara ali seu mais obscuro segredo para apenas uma pessoa o possuir.


Após terminado, o sonserino tira das vestes um diário com o nome “Ginny Weasley” gravado em caprichosas letras em dourado e com um movimento simples de sua varinha o desbloqueia, quase que imediatamente o diário abre-se e lá dentro entre páginas ainda em branco, Draco deixou o pergaminho.


-Em algum momento poderá usar isso para se proteger Weasley!


Murmura o mesmo encanto trancando o diário e guardando-o em suas vestes antes de levantar e encontrar uma furiosa Pansy Parkinson à sua espera.


-O que quer Parkinson?


Pergunta o loiro friamente para a morena.


-Que fique longe daquela pirralha ridícula!


Esbravejou a sonserina ao que Draco cerrou os olhos perigosamente em sua direção.


-Porque eu deveria?


Desafia o Malfoy levantando uma sobrancelha e cruzando os braços.


-Ela é uma maldita Weasley grifinória!!! Precisa de mais motivos?


Questiona horrorizada, mas ele a ignora passando ao seu lado e saindo da sala.


-Draco você está cometendo o maior erro da sua vida!!! Não percebe isso?


Agora ela gritava histericamente.


-Não Pansy!!! Deixe-me em paz!!! Quando será que vai entender que eu não quero mais nada contigo?


A voz dele era fria e sem emoção alguma, seu tom de voz era neutro o que deixou Pansy mortificada.


-Como consegue me descartar assim? Eu fui a única que te defendeu das armações de Zabini, te contei tudo que sabia sobre os planos de Nott e agora eu sou um erro???


Gritava avançando de encontro à ele que permanecera indiferente.


-Vai se arrepender Draco, vocês dois vão pagar caro muito caro mesmo!!! E depois de tudo você virá de joelhos aos meus pés! Eu juro pela minha magia... que você vai pagar caro por isso! Você e aquela garotinha estúpida!


Vociferava Pansy sem segurar as grossas lágrimas que escapavam pelos seus olhos antes de desaparecer pelos corredores. Agora Draco seguia para o salão comunal, era a hora do almoço e Crabbe e Goyle já o esperavam. No entanto antes que alcançasse o saguão alguém o intercepta.


-O que quer?


Diz ferinamente ao garoto grifinório, Colin Creevey.


-Fique longe da Ginny! Você e seus amigos estão fazendo muito mal a ela!!!


Acusa bravamente o mais novo usando toda sua coragem grifinória.


-Meus amigos?


Questiona o loiro estreitando os olhos e puxando Colin pela gola do uniforme quase tirando seus pés do chão.


-Não sei o que você acha, mas se deixo a Weasley em paz ou não, isso só cabe a mim decidir!


Responde ameaçadoramente antes de tirar o garoto do seu caminho.


-Está enganado! Não vou deixar você machucar os sentimentos dela!!! Ela merece alguém que a ame de verdade e não deixe alguém como a Parkinson fazer o que fez!


Agora o grifinório tomou uma postura de enfrentamento que surpreendeu o sonserino.


-O que a Parkinson fez?


Falou Draco entre dentes.


-Ela desafiou a Ginny! Se não fizer alguma coisa para protegê-la eu vou contar tudo para a professora McGonagall sobre o incidente da biblioteca e todo o resto!


Ameaça o Creevey deixando Draco estupefato. O mais novo poderia estar nervoso, mas não parecia hesitar para proteger a ruiva.


-Como raios você...


Começou a perguntar, mas o grifinório o cortou.


-Eu tenho minhas fontes! Esteja alerta!


Avisa Colin antes de soltar-se e entrar no salão principal sentando-se longe de Ginny. A ruiva, no entanto, parecia mal tocar sua comida, e quando Malfoy entrou, seus olhos encontraram-se instintivamente, eram olhares intensos, cheios de angústias, questionamentos, medo e repentinamente... saudades.


Ginny sentiu o rosto corar, mas fora Draco o primeiro a desviar o olhar seguindo para a sua mesa.


...............................Ronald Weasley................................


Cho Chang estar furiosa seria um eufemismo histórico, por todos os corredores que passava só ouvia comentários de como o Potter e a Granger estavam mais “íntimos” que nunca especialmente agora que eram monitores-chefe em pleno sexto ano o que fora a grande surpresa do século já que monitores-chefes restringiam-se ao sétimo ano.


Fora inegável que desde o café da manhã os dois não se desgrudavam, trocavam olhares intensos e sorrisos bobos sem falar nas mãos dadas e abraços carinhosos constantemente compartilhados entre eles. No fundo ela ainda sofria demais pela perda de Cedrico e o único que ainda trazia um pouco de calor ao seu coração endurecido era Harry.


Cometera seu maior erro ao terminar com ele, sempre tão doce, com aqueles olhos verdes mais envolventes que já conhecera e sem mencionar o fato que ele simplesmente a adorava, andava aos seus pés. O sonho de qualquer garota da sua idade.


Ela sentia-se como a garota mais incrível do universo ao seu lado, e agora de uma vez por todas, desejava estar com ele novamente, dar mais uma chance ao menino que sobreviveu, dessa vez sem permitir a interferência da Granger.


Seus olhos negros procuravam a presença do grifinório no grande salão, mas nem ele, nem Hermione Granger encontravam-se lá. Um sentimento de puro ciúmes tomou a corvinal que levantou-se sem nem ao menos tocar na comida e saiu correndo de volta ao seu dormitório, porém no caminho esbarrou em um garoto que a segurou poucos instantes de ir ao chão.


-Hey está tudo bem?


Perguntou o garoto, mas Cho apenas soltou-se de seus braços voltando a correr, deixando Jason Stuarts a fitá-la desconfiado, não era normal ver a Chang tão distraída assim. E suas suspeitas aumentaram mais ainda quando uma de suas colegas monitora-chefe da corvinal corria atrás da oriental.


-O que será que aconteceu com ela?


Questionava-se Jason preocupado, mas deixou suas dúvidas de lado na esperança de encontrar Hermione no grande salão, estava decidido, ele iria falar com ela, revelar seus sentimentos e lutar por ela, mesmo que tivesse de enfrentar o escolhido para ter seu coração.


................................Sírius Black...............................


-Por favor, Parvati!!!


Implorava Ron à grifinória que o ignorava solenemente.


-Você magoou a minha melhor amiga e a minha irmã gêmea!!! Como se atreve a me pedir ajuda Ron?


Questiona a Patil segurando-se para não virar seu suco de abóbora na cabeça do ruivo.


-Eu estou pedindo para me ajudar a me desculpar com elas!


Insistia o Weasley.


-Está dizendo que vai mesmo pedir perdão para a Padma e vai namorar a Lavender?


Questiona a morena levantando uma sobrancelha sugestivamente deixando o grifinório vermelho.


-NÃO! Ehhr... bem eu... eu só não falei as coisas da forma certa! Gosto da Lavender, mas não desse jeito... e quando à Padma... ela foi cruel com o Neville e a Luna e até mereceu ouvir certas coisas... mas não queria ficar mal com ninguém!


Falava usando o máximo de cautela com as palavras, era sua ultima chance de convencer Parvati a ajudá-lo. A grifinória o fitou impressionada com a sinceridade do ruivo, e convencida ela suspira derrotada antes de responder:


-Tudo bem, vou falar com as duas, mas sem promessas de perdão ok? A Lavender ainda está muito mal e a Padma anda cuspindo fogo ultimamente...


Comenta a grifinória virando-se para Ron que agora tinha um de seus sorrisos brilhantes no rosto.


-Valeu Parvati!!! Sabia que poderia contar contigo!!!


Comemora o capitão do time a abraçando rapidamente antes de levantar-se com energia e convocar seus companheiros de time para a seleção no campo de quadribol. Sem nem perceber o rosto levemente corado da Parvati que o fitava com um suspiro apaixonado.


-Quando será que ele vai perceber que eu gosto dele?


Murmurava inconformada a Patil vendo-o sair do salão.


...............................Minerva McGonagall.................................


O resto do dia passou rapidamente, Ron tivera um grande trabalho para fazer a seleção dos novos integrantes sem Harry por perto, mesmo assim contou com a ajuda de Ginny e Oliver para a difícil tarefa. Assim que livrou-se das roupas suadas no vestiário correu para encontrar Luna já o esperando às margens do lago Negro.


A corvinal estava sentada contra o tronco de uma arvore lendo a mesma edição do Pasquim que tinha os significados das flores, ela parecia tão concentrada especialmente enquanto comparava o desenho em seu pulso com algumas imagens da revista.


Era a visão mais doce que ele já encontrara, seus cabelos estavam soltos em longas mechas que emolduravam o rosto de porcelana e seguiam graciosamente até sua cintura, seu rosto levemente corado e a forma que ela lia, seus lábios rosados moviam-se tão sedutoramente que o grifinório chegou a prender o ar.


Depois de breves instantes ele aproximou-se sentando ao lado da garota em silencio absoluto. Ela apenas o fitou com curiosidade e estava prestes a dizer algo quando, hesitou e deixou de lado fechando a revista em seu colo e abandonando-se no silencio que os envolvia.


-Eu sinto muito Luna...


Começa hesitante e sem jeito o grifinório.


-Por quê?


Questiona inocentemente a corvinal deixando o ruivo ainda mais sem jeito.


-Bem... hoje... o que você viu... é que... eu e a Lavender... bem nós terminamos, mas não de uma forma muito... agradável!


Explicava desajeitadamente Ron, ficando ainda mais nervoso pelo fato da loira não o olhar nos olhos.


-Não gosta mais dela?


Pergunta a corvinal o encarando e Ron sentiu-se congelar.


-Eu... eu não sei mais!


Responde por fim abaixando a cabeça, começava a ver uma série de criaturinhas passeando pela margem do lago.


-Eu estou em dívida com você!


Diz a loirinha com os olhos sobre o lago, recebendo um olhar confuso do grifinório.


-Salvou minha vida duas vezes e ainda me defendeu da Patil!


Explica com um sorriso fraco em seus lábios.


-Eu dei a minha palavra que não deixaria ninguém machucar você Luna!


Defende-se Ron que a tocou no ombro fazendo-a encará-lo.


-Não precisa se preocupar com isso...


Começava a corvinal antes de ser cortada pelo ruivo.


-Eu me preocupo porque não quero que ninguém te faça mal! Você é uma garota incrível, inteligente, meio maluca as vezes, mas ainda é uma garota que precisa ser protegida! E agora, nós estamos juntos para ajudar nossos amigos com esses desafios...


Explica Ron diante dos olhos ampliados de Luna.


-Eu não sei explicar muito bem o porquê, mas eu não consigo parar de pensar em você!


Revela a corvinal sentindo-se corar profundamente, mas mantendo contato com os olhos do ruivo.


-Eu não consigo esquecer nosso beijo!


Confidencia o grifinório aproximando seu rosto ao da loirinha, não conseguira resistir, tê-la tão perto, tão frágil o deixava louco, desejava tomar aqueles lábios nos seus, prendê-la nos seus braços mesmo que isso significasse entrar no mundo dela, enxergar as pessoas e a magia através dela, ele não se importava mais, não agora.


Ron beijou Luna apaixonadamente puxando-a para seus braços enquanto aprofundava o beijo, a corvinal envolveu o pescoço do ruivo entregando-se aos lábios dele, sentia cada parte do seu corpo explodindo em calor e seu coração acelerar loucamente dentro do peito.


Os dois apenas se afastaram quando Neville chamava por eles, o pobre grifinório carregava uma pilha de livros sobre herbologia, especialmente sobre estudos da flora como Luna havia pedido.


-Terminamos nossa conversa depois!


Disse o Weasley segurando a mão da loirinha antes de levantar-se para ajudar o colega disfarçando o rosto excessivamente corado, mas estampando um sorriso bobo. Luna não continha o olhar sonhador em direção ao garoto dos seus sonhos, ela não poderia estar mais feliz.


.................................Severo Snape.....................................


Harry e Hermione retornaram ao castelo ainda aquela noite, e muito cansados seguiram direto para o dormitório onde Dobby levara o jantar dos dois a pedido de Dumbledore, mas nenhum deles tocaram na comida.


Era uma noite comumente fria. Agora o moreno estava deitado no sofá com a cabeça no colo de Hermione que acariciava seus cabelos rebeldes enquanto fitava as chamas da lareira a sua frente.


Nenhuma palavra era necessária, apenas a presença do outro era o suficiente para acalmar a tempestade em seus corações. Fora um dia difícil demais para ambos, especialmente para Harry que agora dormia tranquilamente como um garotinho no colo da sua mãe. Os olhos de Hermione encheram-se de ternura, o grifinório sofrera tanto...


Em meio a tantos pensamentos um miado chamou a atenção da monitora-chefe, o gato de olhos vivos e pelos alaranjados reclamava por sua atenção, ele parecia estranhamente incomodado, Hermione o fitou curiosa, estaria Bichento com ciúmes de Harry? Mas o felino sempre gostou do grifinório... dando de ombros ela responde ao seu gato:


-Shhh! Calma, já vou levar sua comida!


Diz suavemente a monitora levantando-se com cuidado para não despertar Harry e assim que se colocou de pé, conjurou um cobertor sobre o moreno, mas antes de seguir com seu gato para o quarto ela lhe beijou docemente os lábios.


-Eu te amo!


Diz baixinho levando seu gato para o quarto, porém surpreendeu-se ao encontrar lá dentro nada mais nada menos que...


-Jason Stuarts?


Os olhos da grifnória ampliaram-se em choque quando Bichento arqueou-se perigosamente contra o lufa-lufa.


-Faz idéia do quanto a esperei?


A voz do lufa-lufa era dura e amarga, ele levantara-se da cama da grifinória e seguia até a garota que permanecia parada na porta do quarto o fitando horrorizada.


-O que faz aqui? Aliás, como entrou nesse dormitório?


Hermione agora estreitava os olhos para o monitor, tendo a varinha em um local de fácil acesso caso fosse necessário.


-O que eu faço aqui? Esta noite teríamos ronda após o jantar e você simplesmente desaparece com o Potter o dia todo!!!


Acusa Jason entre dentes.


-Minhas rondas foram alteradas para fazer com o Harry e todos já sabiam disso desde a última reunião!


Agora a grifinória tinha certeza que Jason mentia.


-Vá embora Jason!


Adverte a grifinória furiosa.


-Não irei a lugar algum antes de me ouvir Hermione!


Ele a segurava pelo braço aproximando os rostos dos dois.


-Se não me soltar agora vou denunciá-lo à professora McGonagall!


Ameaça Hermione encarando-o determinada, mas logo seus olhos ampliaram-se ao perceber que essa breve discussão poderia acordar Harry.


-E dizer o que? Que estive cobrando mais responsabilidade de uma monitora que vive desaparecendo com o bruxo mais famoso do mundo mágico o maldito Potter? Uma atitude condenável senhorita Granger, o que acha que as pessoas comentam por aí?


Hermione não conseguiu conter-se e levantando a mão livre acertou uma forte tapa no rosto dele. Agora Jason parecia transtornado.


-Não tens o direito de me julgar! Tenho a permissão de Dumbledore para me ausentar este dia, então não vejo motivos para estar aqui! Deixe-nos em paz, o Harry já teve um dia difícil demais para ter que lidar com seu mau-humor!


Agora a grifinória aumentava o tom de voz o bastante para que o outro percebesse que ela falava sério.


-É sempre ele não é? Sempre o Potter!!! Seu mundo não pode girar em torno dele Hermione!!!


Agora Jason a encostava contra a parede, mas a grifinória sacou a varinha apontando para ele em resposta.


-Está passando dos limites Jason! Não tens motivos para ficar aqui!!! Vá embora... agora!


Agora Hermione o encarava com um olhar mortal, estava tendo um trabalho árduo para manter a calma.


-Eu NÃO vou embora!!!


Disse enfaticamente o lufa-lufa, puxando a varinha de Hermione fora de seu caminho, mas com esse movimento o pulso da grifinória ficou a mostra revelando o lírio adornado em runas.


-O que significa isso?


Os olhos de Jason ampliaram-se em choque, ele estudava runas na mesma turma de Hermione e pelo que conseguiu discernir fora algo ligado à vínculos de sangue, uma arte mágica extinta e proibida.


-Nada que o interesse!


Responde a grifinória afastando seu pulso bruscamente com um semblante alarmado.


-Como o diário de Lily Potter no criado mudo também não seja algo do meu interesse???


Provoca o garoto deixando Hermione pálida de pavor.


-O que pensa que está fazendo invadindo meu quarto?


Praticamente gritara correndo para o criado mudo e escondendo o diário.


-Até onde iria para protegê-lo? A ponto de quebrar as leis mágicas?


Acusava o monitor-chefe a prendendo pelo pulso com tanta força que a grifinória deixou uma lamentação de dor escapar de seus lábios trazendo Jason de volta à realidade a soltando bruscamente.


-Mione... eu... eu não queria parecer um idiota com você...


Ele começa a falar com mais calma olhando nos olhos castanhos da monitora-chefe ao soltar seu pulso, não se perdoaria jamais se a machucasse.


-Mas já esta agindo como um!


Responde contrariada.


-Não consigo evitar, tenho ciúmes do seu amiguinho Potter! Eu gosto de você Hermione, antes mesmo de sermos monitores, antes do baile de inverno quando você surgiu tão surpreendentemente linda, eu já te amava antes de vê-la petrificada pelo basilisco! Por Mérlin! Sempre a admirei de longe sem nunca ter uma chance de me aproximar porque sempre esteve ao lado “dele” e nada do que eu fazia para chamar sua atenção era remotamente percebido!!! Será que não entende o quanto isso é frustrante? Tudo o que você fazia era por ele ou para ele, sempre se preocupando com seus amigos, mesmo assim o Potter sempre estava no topo da sua lista! A única chance que eu tinha de ganhar você foi quando nos tornamos monitores e mesmo assim o Potter destruiu isso!!! Não vou perder esse momento agora! Eu quero uma chance com você Hermione Granger e não importa o que tenho que fazer para conseguir!!!


A grifinória o encarava estática, Jason explodira em sua raiva gritando seus sentimentos à Hermione.


-Ela já disse para ir embora Stuarts!


Uma terceira voz ecoou no quarto da grifinória.


-Harry!


Exclama a morena quando Jason se afasta para encará-lo desafiador.


-Não interfira Potter!


A voz do lufa-lufa era ameaçadora.


-É contra as regras da escola invadir um dormitório de monitoria, especialmente se pertencer a uma garota... a qual, está assediando tão descaradamente! Está sujeito a suspensão elem de correr o risco de perder o seu adorado crachá de monitor!!! E se torna mais ilegal ainda quando esta garota em questão está comprometida... comigo!


Diz pausada e ameaçadoramente Harry aproximando-se do Stuarts com os olhos faiscando em fúria, seu tom soara tão glacial que Hermione sentiu-se intimidar com a ameaça que fora dirigida ao lufa-lufa.


-Comprometida?


A voz de Jason estava carregada em dor quando ele finalmente voltou-se pra Hermione que confirmou as palavras de Harry com uma expressão determinada.


-Isso não poderia acontecer Hermione!


A voz dele era cortante, ele avançava para Hermione puxando sua varinha e a teria machucado seriamente, mas Harry o impediu de se aproximar da grifinória a tempo lançando um “expeliarmus” o desarmando e se colocando entre ele e a morena que teve que segurá-lo para não acontecer um enfrentamento mais agressivo.


-Desapareça da minha frente ou eu juro que não terá ninguém capaz de impedir que eu o faça em pedacinhos!!!


Sem mais uma ultima palavra Jason desapareceu pela porta deixando para trás o casal grifinório, estava arrasado, não encontrava outra palavra para definir a dor tão profunda que o consumia naquele momento... ele saiu da torre grifinória sem olhar para trás.


A tensão era tamanha que poderia quase tocá-la com as mãos. Hermione ainda estava horrorizada com o que aconteceu, ela permaneceu imóvel até ser envolvida pelos braços protetores de Harry.


-Você está bem?


Pergunta o grifinório ao que a garota esconde seu rosto no peito dele envolvendo seus braços pela cintura de Harry.


-Estou!


Respondeu com a voz abafada pela camisa dele, e instintivamente o escolhido apertou seu abraço a trazendo mais para si beijando o topo de sua cabeça ternamente. Sentia-se mais aliviado agora que a tinha em segurança, longe de Jason.


-Me desculpe Harry, eu pensei que poderia lidar com ele sozinha!


Diz a grifinória afastando o rosto apenas o suficiente para olhá-lo nos olhos, ela sabia muito bem que Harry e Jason nunca se deram bem, principalmente depois que o lufa-lufa os flagrou no seu primeiro beijo.


-Não se preocupe... eu ouvi tudo!


Diz o grifinório tranquilamente diante de um olhar chocado da monitora.


-Oh!!! Ele sabe sobre o diário da sua mãe e viu a marca do vinculo no meu pulso, por Mérlin, ele já desconfia de nós e agora as coisas ficarão muito mais complicadas se ele interferir Harry! Além de termos que encontrar a ultima pessoa ainda teremos que lidar com as conseqüências das leis mágicas! Ainda somos menores de idade, o ministério poderia reter nossas varinhas e...


Desespera-se Hermione analisando a situação, mas o moreno a tranqüiliza.


-Meu amor, ainda é muito cedo para pensar nisso!


O moreno une seus lábios num beijo suave antes de concentrar-se em seus olhinhos angustiados.


-E depois que ele soube que estamos juntos, duvido muito que ele pense em outra coisa, além disso!


Completara Harry em um tom enigmático deixando a monitora novamente desesperada.


-Harry eu não sabia que ele gostava de mim, eu... eu nunca dei esperanças à ele...


-Shhhh!!!


Ele a silencia levando uma das mãos ao rosto da garota e traçando seus lábios com o polegar.


-Não precisa me explicar nada Hermione... como eu já disse, ouvi o bastante, para entender que o que ele queria... já pertence a mim! Somente a mim!


Diz o moreno aproximando seus lábios aos dela num beijo casto deixando o hálito quente acariciar sua face delicada, o que a fez sentir as pernas enfraquecerem.


-Mas da próxima vez terei a certeza de deixar claro para ele que você já é minha!


Diz fitando seus olhos castanhos intensamente antes de tomar os lábios da monitora para si em um beijo de tirar o fôlego arrancando qualquer questionamento da mente de Hermione.


.......................................Fred Weasley......................................


Ginny adiantou-se para chegar a tempo na biblioteca esta noite, estava absurdamente ansiosa para a sua detenção, não apenas para encontrar o Malfoy, mas para esclarecer as coisas que aconteceram durante todo o seu dia. Ela estava a ponto de ter um ataque de cólera especialmente depois de ler o conteúdo da carta que roubara dele.


O sonserino a ignorou todos os momentos em que ela o procurou, recusava-se a se quer olhá-la nos olhos. Sempre afastado e desaparecendo entre os corredores sem dar chance da ruivinha encontrá-lo. Ela também evitou ao máximo se aproximar das masmorras aquele dia, tinha um péssimo pressentimento quanto à ameaça de Pansy, mas mesmo assim precisava falar com o loiro.


E foi desta forma que encontrou a professora McGonagall na biblioteca inspecionando sua varinha antes de permitir que ela começasse a detenção, para sua decepção Draco ainda não chegara. Num suspiro exasperado ela começa a recolher mais um pilha de livros na tentativa de achar seu diário enquanto o sonserino não aparecia.


Estava se esforçando para guardar os livros numa prateleira superior ficando nas pontas dos pés até colocá-lo em seu devido lugar, quando o estranho vulto passa abaixo da escada onde se equilibrava a grifinória e estende a varinha até a peça de madeira a murmurar:


-Descumpostus!


A ruivinha apenas teve tempo de gritar agarrando-se à estante ao ver a escada ir ao chão em montes de pedacinhos. Os olhos da Weasley ampliaram-se ao enxergar o mesmo vulto da noite anterior, sentiu o coração pular apavorado dentro do peito e suas mãos já não agüentariam sozinhas o peso do seu corpo.


-Sectumsempra!


O vulto voltou a apontar a varinha em direção a grifinória que desesperada para fugir do feitiço não vê opção além de soltar as mãos caindo em queda livre até o chão antes que o raio amarelo a atingisse.


Sem pensar duas vezes foi isso que Ginny fez, no entanto, na queda a grifinória torceu o tornozelo além de bater o braço com toda força no chão. A dor era lacerante, mas mesmo assim a garota resistiu e ficou de pé, tinha que fugir, o feitiço acertara a estante derrubando uma prateleira inteira sobre a ruiva.


Infelizmente não houve tempo. O vulto desapareceu tão sorrateiramente como surgiu deixando a ruivinha desacordada coberta por livros e pergaminhos com um corte feio na cabeça.


.....................................Luna Lovegood....................................


Ron esperava por Luna ansioso na sala precisa, o lugar lembrava muito o salão comunal da grifinória, onde o ruivo sentava em um dos sofás diante da lareira, perdido em pensamentos confusos sobre o vinculo entre seus melhores amigos, quadribol, Luna e especialmente os bichinhos esquisitos de aparência duvidosa e supostamente invisíveis aos olhos dos seus companheiros de casa, aliás, para todos em Hogwarts com exceção de Luna Lovegood.


 Estava tão distraído com uma expressão que misturava angústia, confusão e até indignação. E fora dessa forma que Luna o encontrara ao entrar na sala precisa silenciosamente encarando o grifinório com uma expressão preocupada.


-Os Nargles estão afetando seu raciocínio?


Questiona tranquilamente a Lovegood ao que Ron literamente pula do sofá com uma mão sobre o coração com os olhos mais amplos que duas goles de quadribol.


-Em nome de Mérlin! Não me assusta assim de novo Luna!


A voz do ruivo era de absoluta surpresa e a corvinal não conseguiu conter um sorriso doce para ele, o sorriso da loirinha o desarmou completamente, era tão lindo e sincero que Ron acabou por rir com ela da sua própria reação.


-Está aqui há muito tempo?


Pergunta Ron finalmente sentando-se ao lado da corvinal sentindo-se mais a vontade.


-Na verdade não, os Drifikies estavam confundindo o meu caminho, mas pude chegar ao sétimo andar depois de enganá-los com feijõezinhos mágicos!


Explica Luna diante da expressão lívida de Rony. O ruivo pisca os olhos um par de vezes antes de respirar fundo e continuar a conversa.


-Bom... eu estava meio perdido em pensamentos...


Começa o ruivo sentindo o rosto esquentar.


-Não tivemos chance de conversar sobre a sua nova habilidade de perceber as criaturas ocultas do mundo mágico?


Luna fora direta surpreendendo o grifinório que a encarava estupefato. Como ela sabia de seu tormento? Estreitou os olhos para a corvinal enxergando algo parecido com borboletinhas coloridas sobre os longos cabelos da garota, era algo diferente, que a deixava iluminada, como uma ninfa das florestas.


-Ronald?


Luna o chamava pela terceira vez, o garoto mal piscava os olhos em sua direção e tinha uma expressão de pura adoração em seu rosto.


-Ah... err.. me desculpa Luna!!! Como eu estava dizendo, como você sabia que eu...


Começa o ruivo ficando extremamente vermelho tentando retomar a conversa desviando o olhar para o tapete quando ela o interrompe novamente.


-Eu consigo ver isso nos seus olhos! Você despertou essa habilidade recentemente e por isso tem atraído muitos Nargles ao seu redor, eu recomendo que tenha sempre rabanetes em mãos para...


-NÃO!


O grifinório a corta bruscamente, diante da expressão assustada de Luna ele logo se justifica:


-Desculpa... ahh eu estou ficando louco com tudo isso! Eu queria saber como eu faço para parar de ver esses... essas coisinhas esquisitas!


Luna tinha um semblante decepcionado ao responder.


-Não se pode mudar isso ou simplesmente parar, você só enxerga porque acredita neles!


-Eu não acredito nessas criaturas!


Defende-se Ron indignado.


-Então não deveria se importar, em algum momento deixará de vê-las!


Responde Luna sentindo-se magoada com as palavras do ruivo.


-Você tem certeza Luna?


Pergunta agora o grifinório sentindo-se mais aliviado ao pensar que isso iria acabar em breve. A corvinal apenas confirma com um gesto do rosto antes de baixar os olhos para seus próprios sapatos sentindo-se triste, seria mesmo tão ruim ser como ela?


-Ah, acho que agora podemos conversar sobre o que aconteceu mais cedo! Luna eu nunca imaginei que fosse sentir tanto a sua falta!


Ron começou a falar, mas a corvinal levantou rapidamente dirigindo-se para a porta.


-Já está ficando muito tarde e você ainda está muito confuso Ronald!


Responde Luna tristemente antes de deixar Ron completamente confuso para trás.


-O que eu fiz de errado?


Questionava-se o grifinório jogando-se no sofá irritadiço.


..............................George Weasley.................................


Ginny abriu os olhos com dificuldade, sentia uma dor absurda em seu tornozelo além de uma pontada forte em sua cabeça assim que se colocou na posição sentada. Ao levantar o braço direito percebeu algumas bandagens sobre o mesmo e viu-se sem sua capa ou sapatos do uniforme.


Estreitou os olhos percebendo o local onde se encontrava, não lhe era estranho... mas não conseguia lembrar como chegou ali, a ultima coisa que lhe veio à mente foi o vulto dentro da biblioteca que a atacou de forma covarde.


Alarmada a grifinória tenta se levantar, mas é impedida por um par de braços a envolvendo e a tirando do chão obrigando a voltar para a cama em seus braços.


-Weasley será que é tão difícil ficar parada apenas mais um pouco?


A voz impaciente de Draco a fez paralisar.


-Malfoy?


A ruivinha encarou os olhos cinzentos do sonserino que pareciam extremamente inquietos. O loiro tinha alguns frascos de poções sobre o criado mudo além de curativos e bandagens.


-Não pode sair daqui neste estado!


Diz o sonserino sem encará-la, ele estava muito sério quando a colocou de volta na sua cama e voltando-se ao tornozelo machucado da ruiva puxou a varinha apontando para ele.


-O que está fazendo?


Praticamente gritou a grifinória puxando a perna que estava em frente à Draco. O sonserno estreita os olhos para ela.


-Estou concertando isso!


Diz friamente diante dos olhos apavorados da ruivinha.


-Mas sem um encanto anestesiante vai doer muito!


Ela parecia uma criança assustada na opinião do Malfoy, olhos amplos de medo, rosto pálido e as pernas encolhidas e abraçadas por seus braços.


-Eu trouxe uma poção para evitar dor, mas precisa me deixar fazer minha parte!


Justifica Draco com o mesmo tom de voz indiferente, mas Ginny não parecia se importar.


-Promete que não vai doer?


Pede com os olhos marejados, o sonserino sentiu como se uma pedra afundasse dentro de seu peito, quanta dor ela já suportou até o momento em que ele a encontrou na biblioteca?


-Está tudo bem Weasley! Eu prometo que não vai doer!


Rende-se o loiro tocando suas mãos frias na pele quente da ruivinha ao puxar a perna fraturada esticando-a sobre a cama e pegando um frasco azul claro ele despeja a poção sobre o local com cuidado até a ruivinha não sentir mais nada. Depois disso ele pegou novamente a varinha e começou a murmurar feitiços de cura, que apesar de serem ministrados com toda preocupação ainda machucavam a grifinória que agarrava o braço dele com força até a dor passar.


-Agora tome isso! Assim poderá dormir melhor!


Explica o loiro entregando uma poção de sono sem sonhos.


-Eu não quero dormir agora!


Replica a grifinória vendo-o terminar de enfaixar sua perna. Mesmo que ela não assumisse jamais, ter Draco cuidando dela de forma tão dedicada a preencheu de um sentimento único de alegria.


-Você precisa descansar Weasley! Faz idéia do estado que se encontrava quando a trouxe para cá?


A voz do loiro tornou-se dura e sua expressão estava sombria, a lembrança de trazer a grifinória com o rosto coberto de sangue e extremamente machucada o fez reunir todas as forças para não sair sozinho a procura de um culpado e lançar uma centena de “crucius” e “avadas” sobre ele.


-Não! Mas o que aconteceu não foi minha culpa, se não tivesse me deixado sozinha aquele homem das sombras não teria tentado me matar!


Acusa a grifinória sentindo-se furiosa pela acusação do sonserino que agora a encarava intensamente nos olhos.


-Você não contou à professora McGonagall sobre o estranho na biblioteca?


A expressão do sonserino era única, ele a fitava incrédulo.


-Claro que não! Se a professora suspendesse a detenção eu não poderia te ver de novo...


Responde baixinho sentindo-se ruborizar até as raízes do cabelo ao perceber que deixou essas palavras escaparem. Draco a fitou com um brilho ilegível nos olhos.


-Continuou se arriscando por que queria me ver?


Pergunta o sonserino perdendo a calma.


-A culpa é toda sua! Se não me evitasse o dia todo eu não me arriscaria tanto!


Defende-se a ruivinha ficando mais vermelha ainda, mas de raiva.


-Droga Weasley!!!


O sonserino reunia toda a sua paciência para respondê-la.


-Já que é assim, me diga como sabe que aquele vulto pertence a um homem das sombras?


Questiona Draco a fitando inquisitivamente nos olhos.


-Oras eu o ouvi murmurar os feitiços para desmontar a escada e depois a maldição imperdoável que quase me matou!


Responde dando de ombros diante do olhar assassino do Malfoy.


-O que mais conseguiu perceber?


Sibilou o loiro.


-Hm...


Murmurava a ruivinha tentando lembrar de algum detalhe importante sobre o estranho, mas sua cabeça começou a doer fortemente.


-Ele estava rindo, rindo muito... mas... Não consigo lembrar de mais nada! Minha cabeça está doendo muito!


Diz a Weasley visivelmente nervosa.


-Já foi o suficiente, agora durma!


Exige o Malfoy, mas a grifinória continua a recusar.


-Não quero dormir! Eu quero falar com você Malfoy!


Insistia teimosamente a ruiva e Draco ponderou se um feitiço de desmaius não seria o ideal para o momento, mas desistiu empurrando a grifinória para o lado e sentando-se ao seu lado na cama com as costas apoiadas na cabeceira da mesma.


-Então Weasley! Sobre o que quer falar?


Pergunta contrariado o sonserino.


-Sobre isso!


Diz a ruiva puxando o rosto de Draco entre suas mãos e unindo seus lábios aos dele num beijo suave e ao mesmo tempo insano. E aquela seria mais uma loooonnga noite em Hogwarts!


................................Hagrid...................................




Capítulo curtinho, apenas para mostrar como foi o dia em hogwarts enquanto Harry e Hermione estavam fora!!! Mas eu garanto que a continuação virá em breve, provavelmente nesse fim de semana!!!


Agora eu quero saber em detalheeeeeees... O que acharam do capítulo hein??? Por que sumiram??? Onde está você Angeline G. McFellow? sinto falta dos seus comentários eles me deixavam tão empolgada para escrever!!!


E a Bruna Jean Granger Hale Cullen Potter??? menina do nome bonito esqueceu de mim??? T_T


E você Rosana Franco??? Eu fiz um capítulo novinho para você e agora você desaparece também!!!


Tenho que enviar meus aurores atrás de vocês??? hauhauhauhaua


Pleasee não me abandoneeeeeemm!!! Sinto falta dos coments =(


Maaaaaaaaaaasss minha alegria continua *-* graças ao Coveiro!!! Obrigada por continuar aqui!!! @_@ é muito muito muito importante saber que está mesmo acompanhando a fic!!! E mais uma vez sinta-se super bem vindo e a vontade para criticar, dar sugestões dizer o que mais gostou e o que não gostou também!!! É o Rony vai sofrer muito no decorrer da fic e o Draco ainda vai ter que enfrentar muitos mais problemas para estar com Ginny, confesso que amooo esse casal *-*!!! Harry e Mione são maravilhosamente perfeitos juntos e no próximo capítulo descobriremos o primeiro desafio do casalzinho o/ pleaseeee comentaaa!!! E quanto à sua fic, fiquei sem palavras para descrever como você escreve bem!!! Sua fic é envolvente demais, é leve e ao mesmo tempo emocionante!!! Estou ansiosa para saber o que vai acontecer nos próximos capítulos *-----*


Aos demais, please deixem um coment eles me incentivam a escrever mais!!!


Beijinhuxxxx


=***

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 4

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Shell Weasley em 10/03/2012

Aiiii que fofa essa foto do Rony e da Luna ai no começo do capitulo! A Luna ta fofa o Rony esta lindo o Harry e a Mione estão fofíssimos sua fic ta perfeita!!Capitulo lindo (o Rony e um tapado mesmo ne?) aguardando ansiosamente os próximos capítulos!

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por rosana franco em 09/03/2012

Sem aurores atras de mim(bem se ele for lindo e de olhos verdes eu quero sim)Adorei o capitulo e estou com medo do que os apaixonados pelos nossos heróis são capazes de fazer se ficarem unidos.

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Coveiro em 08/03/2012

CURTI O CAPITULO. É SEMPRE LEGAL VER OS DIAS EM HOGWARTS. HARRY COMO SEMPRE APAIXONADO E DEPENDENTE DA MIONE, LEGAL. SOU FÃ DA GINA, QUE ATITUDE. E O RON, SÓ ENCRENCA. E AINDA MAIS AGORA COM UM CONCORRENTE.

OBRIGADO POR CONTINUAR COM ESSA RECEPÇÃO TÃO BOA. ESPERO ANSIOSO PELO PRIMEIRO DESAFIO. AFINAL O PRINCIPAL DE UMA FIC É AVENTURA, AÇÃO E ROMANCE. DEPOIS COMEDIA E UM BOM MISTERIO A TORNA MUITO FASCINANTE. E A SUA TEM TUDO ISSO.

FICO FELIZ QUE TENHA GOSTADO DA MINHA FIC E MAIS FELIZ AINDA COM SEUS COMENTARIOS, ESPERO QUE NÃO SE DESAPONTE QUANDO O MISTERIO FOR REVELADO. CADA CAPITULO TEM PELO MENOS UMA PISTA. DA PRA LIGAR OS PONTOS E QUEM SABE VC NÃO DESCOBRE O FINAL ANTES.

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Bruna Bullock em 07/03/2012

Amei!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
Claro que não esqueci de você!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
Posta logo!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!
Beijossssssssssssssssssssssssssssssssss 

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.