FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo



______________________________
Visualizando o capítulo:

2. O Vidro que Sumiu


Fic: Os Gêmeos Potter e a Pedra Filosofal.


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

Nada parecia ter mudado.
Dez anos haviam se passado, e a casinha em Surrey conservava a mesma aparência em suas paredes, o mesmo gramado verde e exageradamente bem cuidado, e a mesma família trouxa residente: Válter, Petúnia e Dudley. No entanto, a presença de mais duas pessoas era escondida.
Nada nas fotos da casa indicava a presença dos Potter: a única criança retratada na estante de fotos era Duda (mais parecido com uma bola rosa-pele de praia usando chapéus) junto de seus pais. Mas eles estavam lá.
Harry Potter era agora um garoto magricela de olhos verdes, óculos redondos remendados na ponte e cabelos negros que cresciam insistentemente para todos os lados. Sua irmã, Ashley Potter, tinha os olhos também verdes, mas em um tom um pouco mais esmeraldino, cabelos negros muito curtos, na altura do queixo cortados em um channel adulto demais para uma criança de onze anos, com uma franjinha sobre a testa. Tão magricela quanto o irmão, se não fosse mais, e usava óculos retangulares.
Harry usava as roupas velhas de Duda, e Petúnia recorria a doações de todos os tipos, principalmente através da igreja, para vestir Ash. A questão é que as roupas de Duda eram muito grandes para Harry, deixando-o ainda menor e mais magricela, e as que Ash usava eram às vezes muito grandes, às vezes muito pequenas, então ela tentava misturar uma grande com uma menor para equilibrar. O efeito geral lembrava uma pêra.
Na manhã em que esta parte de nossa história se inicia, Harry e Ash se espremiam para caber na cama e no colchonete minúsculos colocados para eles no armário sob a escada. Um lugar horrível para se dormir, mas era o que tinham. Petúnia, já de pé, bateu na porta do armário:
- Acordem vocês dois. Harry, limpe a cozinha, e Ashley, termine o café. Quero tudo perfeito hoje no dia do meu Dudinha...
Ah, o aniversário do Duda, o pior dia do ano. Válter e Petúnia levavam Duda e um amiguinho para um lugar legal e a Harry e Ash restava a casa de Arabella Doreen Figg, ou Ms. Figg, como os Potter a chamavam.
Ms. Figg era uma velha solteira que morava com seus gatos, sua casa fedia a repolho e o bolo de chocolate que ela servia tinha gosto de algo guardado a muitos anos.
De qualquer forma, os irmãos se levantaram, Ash pegou uma roupa qualquer e foi ao banheiro se trocar enquanto Harry se vestia no armário mesmo.
Alguns minutos depois, Harry lavava a louça e Ash fritava o seu bacon e o de Harry. Duda se empaturrava de bolo e torta de frango na frente de uma enorme pilha de presentes que ocupava a mesa toda e Petunia e Vernon mimavam ainda mais o filho gordão.
Harry e Ash se assentaram em um canto isolado da mesa para tomar seu café da manhã enquanto observavam os neurônios escassos de Duda se esforçarem para contar seus presentes:
- Trinta e cinco, trinta e... e seis... e... e... trinta e sete. Trinta e sete? Mas no ano passado ganhei trinta e oito!
Harry e Ash se olharam, sabiam que era uma questão de tempo até que o primo virasse a mesa de raiva, então começaram a engolir seu café o quão rápido podiam.
Válter e Petúnia também pressentiram o perigo, então a mãe de Duda disse:
- E vamos te comprar mais dois suvenires no zoológico, então você fica com trinta e nove fofinho. Trinta e nove, tudo bem?
Dudley pareceu fazer um esforço enorme para raciocinar, até responder:
- Tudo bem.
Ash e Harry respiraram aliviados, terminaram seu café e foram ao jardim conversar em paz:
- Como é que pode existir alguém tão burro quanto ele? - perguntou Ash se referindo a Duda.
- Não existe. Ele é único, devia ser estudado em laboratório.
E os dois irmãos caíram na gargalhada.
A única coisa que eles tinham para se distrair de sua realidade era um ao outro, e ainda assim os momentos dos quais dispunham eram poucos: Harry e Ashley sempre estavam ocupados em casa: ele limpando, ela cozinhando e cuidando do jardim, além de terem que estudar como toda criança normal.
Ah, a escola. O único lugar pior que sua casa, na opinião de Harry. Duda e sua turma perseguiam o primo por toda a escola para bater nele enquanto outros meninos o seguravam. Não batiam em Ashley por ela ser menina, mas os apelidos colocados nela tinham uma força psicológica tão grande que quase doía fisicamente.
Os irmãos só tinham um ao outro porque na escola Duda e sua turma não gostavam deles, então ninguém se atrevia a ir contra a turma do Duda e ser amigo dos "estranhos gêmeos Potter". E é claro que a aparência deles e as roupas usadas não ajudavam muito. Os Potter não tinham amigos.
Ash e Harry ainda conversavam quando o telefone tocou do lado de dentro da casa. Eles entraram de volta apenas para saber do que se tratava e ficaram surpresos quando descobriram que tinham mais a ver com a ligação do que imaginavam:
- Vernon, o que faremos?
- Deixe-os com com aquela sua amiga... Monique, certo?
- Está passando férias em Majorca. Que tal a sua irmã Guida?
- Não diga besteiras Petúnia, ela odeia os dois.
Harry e Ash se olharam. Alguma coisa acontecera com Ms. Figg e agora eles não tinham aonde ficar.
- EU NÃO QUERO ELES LÁ! VÃO ESTRAGAR TUDO! SEMPRE ESTRAGAM! - Duda berrava enquanto soluçava de maneira muito exagerada para simular o choro. Simular sim, pois não chorava de verdade desde que nascera. Ainda assim adiantava fingir, pois sabia que se esperneasse e fizesse cara de choro os pais lhe dariam tudo que quisesse.
- Hm... Tia Petúnia... O que houve com a Ms. Figg? - perguntou Harry, sendo, na opinião de Ash, educado demais.
A Tia fechou a cara como sempre fazia quando os Potter lhe perguntavam algo.
- Fraturou a perna. - e virou a cara e continuou sua discussão com Válter.
Sem dúvidas, uma das regras para uma boa convivência com os Dursley era evitar as perguntas ao máximo. As poucas que os gêmeos fizeram tiveram algumas consequências desastrosas, como quando Harry quis saber como conseguira sua cicatriz. A resposta rude e seca de Petunia foi "No acidente de carros que seus pais morreram. E não faça perguntas."
Ash admirava a paciência do irmão, ela mesma evitava qualquer tipo de contato com os Dursley a menos que fosse pura e estritamente necessário.
Depois de um tempo, a situação foi resolvida de modo que Ash e Harry se encontravam no banco de trás com Duda, indo ao zoológico, e o amiguinho do Dursley iria se encontrar com eles lá.
Assim que chegaram, se depararam com uma moça que vendia sorvetes. Duda logo quis um sorvetão de chocolate, e seus pais compraram um para ele e outro para seu amigo Pedro. Como a moça perguntou "e os outros dois, vão querer o que?" antes que os Dursley fugissem, compraram um picolé barato de limão para cada Potter e saíram.
Os gêmeos adotaram a tática de andar afastados dos Dursley para evitar qualquer tipo de agressão, e até que estava funcionando. Se distraíram como nunca antes: riram de uma girafa com o pescoço mais curto do que as outras, ficaram fascinados com o leão, Ash babou na pantera negra, e Harry no veado com uma galhada enorme. Ash se escondeu atrás de Harry, com medo de um elefante muito grande e os dois riram das palhaçadas dos chimpanzés.
Lá pela hora do almoço, todos comeram pizza e Pedro e Duda ganharam outros sorvetes. Então foi hora de visitar a sala dos répteis.
Ash e Harry repararam que os animais estavam começando a entediar Duda e passaram a andar ainda mais afastados, não queriam virar vítimas. Apesar de que, ambos já estavam achando que estava tudo bom demais para ser verdade...
Isso porque as coisas mais estranhas tendiam a acontecer com os gêmeos. Com Harry, uma vez seu tio tivera um acesso de raiva com os cabelos do sobrinho. "Não é minha culpa," Harry tentou argumentar. "eles simplesmente crescem assim, para todos os lados!". Mas de nada adiantou: Harry foi levado à barbearia e quando voltou estava quase careca, exceto por uma franja que seu tio deixara para cobrir a cicatriz. Harry nem sequer dormira, com medo de que Duda e seus amigos ganhassem mais um motivo para fazê-lo de saco de pancadas. Então, quando, acordou, seus cabelos estavam do mesmo jeito que estavam antes do corte. Harry simplesmente não soube explicar como acontecera, e acabou de castigo.
Outra vez, Petunia implicou de vestir Harry com um macacão marrom de pompons laranja horrível, que fora de Duda. Harry ficou com tanto medo de ser visto daquele jeito, que de uma maneira ou outra, o macacão foi encolhendo cada vez mais enquanto Petunia tentava passá-lo pela sua cabeça, e no fim, parecia feito para uma fofolete. Petunia concluiu que encolhera na lavagem, mas Válter não fora tão educado e colocou Harry de castigo.
Mas na pior das vezes, Harry estava cansado e dolorido de tanto apanhar, então fora correndo pela escola para fugir e de repente, ao saltar para se esconder atrás de latas de lixo, se viu em cima do telhado da cantina. A repercussão dessa história foi tão grande que Harry ficou duas semanas sem jantar.
Com Ashley, aconteceram outras coisas. Uma vez, na aula de artes, ela se lotou de raiva de uma garota que ria do seu cabelo curto. A verdade é que apesar de meio inadequado, Ashley gostava de seu cabelo. Ainda assim, a tesoura do colega atrás da menina que a zoava levitou do estojo e cortou o cabelo da menina tão rapidamente que quando se notou, só era possível ver o resto do cabelo na cabeça e um monte dele no chão. A culpa recaiu no menininho dono da tesoura, e como Ashley não fizesse ideia do que ocorrera deixou por isso mesmo.
Num outro dia, riam dela por usar uma saia comprida demais. Ela estava pensando em cortá-la e ouvir os gritos de Petunia quando se deu conta de que a saia encolhera até um pouco acima dos joelhos - e depois na hora de ir embora, voltara ao tamanho normal.
Mas ela ganhou seu maior castigo quando cuidava do jardim em pleno outono. Ficou chateada com a aparência morta da grama seca e repentinamente o chão se encheu de flores e a grama ficou verde. Ela chamou Petunia para ver, emocionada, e para sua surpresa foi castigada a três semanas sem jantar.
Por tudo isso, quando tudo ia bem demais, os gêmeos tendiam a desconfiar que algo iria acontecer.
A certo ponto do passeio pela sala dos répteis, Harry chamou Ash para ver uma cobra enorme, que estava deitada sem fazer nada. Os gêmeos ficaram a olhando com o nariz grudado na vidraça, até Harry comentar:
- Nossa, deve ser um saco ficar presa num vidro o dia todo...
E para surpresa de Harry, a cobra levantou a cabeça para ele e balançou em sinal afirmativo.
Os irmãos se olharam intrigados, e Harry se virou para a cobra:
- Consegue me entender?
Ela afirmou novamente.

- Harry, o que está fazendo? - Ashley perguntou, surpresa, um pouco assustada, mas muito curiosa. 
- Eu não sei... - ele respondeu, se virando depois para a cobra. - De onde você é? - a cobra apontou uma placa com o rabo onde se lia "Boa Constrictor, Brazil". - E era bom lá? - ela tornou a se virar para a placa: "Nascida em cativeiro."
- Ela nunca conheceu os pais. - Harry comentou, informando a Ashley. Em seguida, se virou para a cobra. - Nós também não. Somos irmãos. - completou Harry.
- Nossos pais morreram quando éramos muito pequenos. - a garota falou, imaginando que, talvez, a cobra tivesse algum tipo de talento especial e pudesse entender humanos.
A cobra se desenrolou e se postou de frente para o vidro em posição de bote, mas de maneira nada agressiva.
Harry ia perguntar se ela já conversara com as cobras dos outros vidros quando de repente...
- PAI! PEDRO! VENHAM VER O QUE ESSA COBRA ESTÁ FAZENDO! - e os Potter foram jogados no chão para "saírem do caminho".
Eles ficaram muito bravos... Muito mesmo. Então de repente, o vidro sumiu enquanto Harry fixava os dois garotos, e ambos caíram dentro do tanque. A cobra saiu do tanque, se enrolou um pouco em Harry, um pouco em Ashley, e o menino jurou que a ouviu sussurrar "Brasil, aqui vou eu. Obrigada amigo dos olhos cor de folha..."
- Não há de quê... - ele sussurrou surpreso. Harry ficou olhando a cobra se afastar, ainda assentado no chão e Ashley voltou um olhar raivoso com uma carinha emburrada para os garotos ainda dentro do tanque, e quando os dois se levantaram para sair... o vidro estava lá de novo. Como mágica.
Ashley mal conteve o riso. Cutucou Harry com o cotovelo e mostrou a situação, ele também quase não se segurou.
De nada adiantou os dois irmãos tentarem explicar que não sabiam o que acontecera, foram castigados a cinco semanas sem jantar...

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 0

Nenhum comentário para este capítulo!

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2023
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.