FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

12. Capitulo 12


Fic: A Bela e a Fera


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

CAPÍTULO XII

O furacão foi chamado de "Helen" e era devastador. As ondas erguiam-se a mais de cinco metros de altura, arrebentando na praia e subindo para o vilarejo. Era como se a natureza punisse aqueles que ousavam viver tão perto do oceano.

Hermione admirava aquela força, mas sabia que seria diferente se não estivesse segura no castelo. A chuva estava cada vez mais forte e a previsão era de que iria piorar. Assim, não desviava a atenção das notícias do rádio. As portas e janelas balançavam com o vento. Os vidros tinham sido reforçados e protegidos. Do lado de fora, sacos de areia alinhavam-se junto às portas do salão. Do lado de dentro, Hermione colocara toalhas para absorver a água que o vento jogava por baixo das portas. Aquele era o único lugar da casa que os preocupava.
Kelly via tevê e brincava com as bonecas, enquanto Harry percorria a casa, checando tudo, verificando o telhado para garantir que não haveria vazamentos.

Hermione entrou no quarto amarelo, sem acender as luzes, e como a energia já tivesse ameaçado acabar várias vezes, acendeu a lanterna. Olhando pela janela, observou a cidade deserta. A última balsa partira no dia anterior, levando todos, exceto os policiais.

Um relâmpago clareou o céu, iluminando a cidadezinha abaixo. Meu Deus, pensou Hermione.

— Harry! — chamou. — Venha depressa.

Ele entrou correndo no quarto.

— Não devia ficar perto da janela — disse, aproximando-se. — Não está protegida.

Ela ainda olhava atentamente para a vila.

— O vento vem do outro lado — observou, olhando-o por cima do ombro. — Mas ainda há gente lá embaixo.

— O quê? — Ele correu para a janela.

— A cidade está inundada. Quando o relâmpago clareou tudo, vi os policiais tentando colocá-los em segurança. — Ela apontou, mas não era possível ver nada no escuro. — Precisamos fazer alguma coisa.

— Pensei que todos tivessem ido para o continente.

A cada furacão, durante os últimos cinco anos, a ilha era completamente evacuada, com exceção dos policiais. E dele próprio. Harry não podia ficar de braços cruzados, na segurança do castelo, vendo-os lutar contra a tormenta. Tirando do bolso o rádio que usava para se comunicar com Lupin, explicou-lhe a situação.

— Pegue a picape. Ainda tem aquele rádio para comunicar-se com a polícia?

— Sim. E ouvi que a casa da sra. Demmer está debaixo d'água, e a enchente já chegou à rua Magnólia.

— Então precisamos ser rápidos. Chame os policiais.

— Certo. Vou buscá-los.

Harry guardou o rádio e virou-se para Hermione.

— Venha. Precisamos de travesseiros e cobertores. — Ele saiu do quarto, caminhando para a escada. — E alguns medicamentos. Faça café, também. — Ele parou, virando-se para fitá-la. — Ainda temos comida para mais uns dias?

— Sim, e posso fazer com que dure bastante.

— Que bom. Não tenho idéia de quantas pessoas estão lá. — Ele continuou a descer a escada. — Eu me sinto um tolo por não ter pensado nisso.

— Nem poderia. Pensávamos que todos tivessem partido.

— Isto aqui vai ficar uma confusão por uns dois dias.

— Querido, você nunca teve que manter um bode na sua cozinha, tentando evitar que comesse as melhores toalhas de mesa de sua mãe.

Hermione passou por ele, dirigindo-se para a cozinha. Ele riu, baixinho.

— Um bode, Hermione? O que o pessoal dos concursos diria, se soubessem?

— Acho que pegariam de volta as minhas coroas. — Ela parou, virando-se e beijando-o na boca. — E acha que eu me importaria?

Ele sorriu, dando um tapinha nas nádegas firmes. Ela olhou-o intensamente antes de entrar na cozinha, acendendo as luzes.

— Há cobertores e travesseiros no armário lá em cima. E mais alguns no meu quarto.

— Talvez haja mais alguns na biblioteca — disse Hermione, começando a fazer sanduíches.

Harry foi buscar lanternas e velas. Não tinha coragem de dizer a ela que quando as pessoas chegassem cuidaria delas sozinha.


Hermione serviu o café olhando para Lisa Tolar, uma jovem adorável que chegara à ilha com o marido, para passar a lua-de-mel. Não tinha sido uma boa escolha, pensou. Mas pelo menos teriam algo diferente para contar aos filhos. Lisa logo começou a ajudar, assim como o marido, um jovem oficial da Marinha, servindo café e bebidas, ajustando o vídeo e acalmando a todos. No chão, Kelly brincava com a única criança do grupo, Christhopher Austi, um garotinho de cabelos ruivos. Os pais sentavam-se num sofá próximo, enquanto as crianças coloriam uma revista. Havia mais três pessoas, incluindo os dois policiais, Andrew e Mark, que saíam periodicamente para checar em volta da casa, embora não houvesse, de fato, necessidade, uma vez que a ilha estava deserta e os poucos que haviam restado se encontravam no castelo.

As pessoas se dividiam entre o salão, a sala de jantar e a cozinha.

Com exceção de Harry.

Era a oportunidade que ele precisava. Tinha aberto a casa para eles, e por certo não zombariam dele. Não na frente de Kelly. Ninguém seria tão insensível.

Mas Hermione estava tensa, imaginando por que ele demorava tanto.

— Onde está o sr. Potter? — perguntou Mark Lindsey, o policial.

Hermione deu de ombros.

— Em algum lugar da casa.

— Você já o viu?

— É claro.

— E como ele é?

Kelly ergueu o olhar, fitando os dois.

— Bonito, muito alto — respondeu Hermione, aproximando-se e enchendo de café a xícara de Mark. — Tente não ser rude, policial Lindsey. Ele é um homem como qualquer outro. Aliás, um homem que abriu a própria casa para acolhê-los.

Ele corou, tomando um gole do café. Então Kelly largou os lápis de cor e levantou-se, indo até o corredor e depois para a escada. Hermione ouviu a voz dela e o sussurro de Harry. Kelly entrou correndo e parou.

— Aqui está ele — disse, olhando por sobre o ombro. Mas Harry não apareceu.

Kelly voltou para as sombras e poucos minutos depois retornava, puxando Harry pela mão e trazendo-o para a claridade. Harry olhava para a garotinha, tão emocionado com esse gesto que não conseguia falar. Respirou fundo e ergueu a cabeça, deixando que todos vissem o rosto da fera.

Hermione deixou a garrafa na mesa e foi até ele, ficando a seu lado e segurando a mão forte. Juntos esperavam a demonstração de horror ou de piedade. Mas nada disso aconteceu.

— Olá, sr. Potter — disse Mark, aproximando-se devagar. — É um prazer conhecê-lo finalmente. — Os dois apertaram-se as mãos e Mark apresentou o parceiro e todos os outros. Harry sorriu, imaginando quando começaria. Mas nada aconteceu.

E quando Mark chegou aos recém-casados, esqueceu os nomes.

— Gary e Lisa Tolar — disse a jovem. – Estamos em lua-de-mel.

— Que bela recepção — brincou Harry, e o casal sorriu.

De repente, a grande janela do salão espatifou-se, espalhando vidro à volta deles. Harry correu, puxando as cortinas sobre a abertura e segurando-as contra a força do vento.

— Mark, na despensa tem martelo, pregos e algumas placas de madeira.

O policial correu, e logo ele e Harry vedavam a janela, decidindo que seria melhor fazer o mesmo com as outras.

Hermione varreu os cacos de vidro, enquanto os policiais afastavam os móveis da janela. Harry aproximou-se, mas ela recolheu os cacos, levando tudo para a cozinha, sem fitá-lo.

Havia algo errado, pensou, apreensivo. Mas não tinha como ficar sozinho com ela naquele momento. Havia muitas pessoas ali. E não estava sendo fácil para ele ficar no meio delas depois de tanto tempo. Disfarçadamente, escapou para a biblioteca, encontrando Mark no sofá, lendo um livro.

O jovem policial levantou-se, com o rosto muito corado.

— Sinto muito ter entrado sem pedir licença. Mas sua biblioteca é incrível. — Ele fez um gesto na direção das prateleiras.

— Pegue emprestado o que quiser, Mark. De que adianta ter tantos livros, se ninguém aproveita?

Harry foi até o pequeno bar, serviu uma dose de conhaque e ofereceu-a ao jovem. Mark agradeceu mas recusou, alegando estar em serviço.

Sentando-se na poltrona de couro, atrás da escrivaninha, Harry lembrou-se da noite em que encontrara Hermione ali. Queria que a tempestade acabasse logo, para poder levá-la para a cama.

Ao pensar nisso, mexeu-se na cadeira, desconfortável.

— As pessoas tinham medo de você.

— Eu sei.

— E sem motivo.

Harry arqueou uma sobrancelha, mas não disse nada.

De repente, Mark afrouxou a gravata e desabotoou a camisa, mostrando as terríveis cicatrizes de queimaduras que lhe cobriam o peito e o ombro, e que mal podiam ser vistas sob o colarinho.

Harry largou o copo sobre a mesa.

— Estava curioso para saber se eram piores do que as minhas — disse Mark.

— Acho que são iguais — disse Harry, apontando com um gesto a cadeira a sua frente. — Se não se importa de me dizer, como aconteceu?

O jovem policial sentou-se, abotoou a camisa e começou a contar.

— Naquele tempo eu era casado. Tinha terminado a academia militar fazia dois anos e estava servindo em Orangeburg quando fui chamado para ajudar num incêndio. Era num orfanato para crianças com problemas emocionais. Fui o primeiro a chegar e...


O furacão continuou por mais dois dias, antes de deslocar-se para o norte, deixando um rastro de destruição. Na manhã ensolarada e fria, os hóspedes despediram-se. Hermione tinha feito novas amizades e Harry parecia ter criado um forte laço com o jovem policial Mark. Ela estava contente por isso. Ao acordar na manhã seguinte e encontrar Harry preparando o café de Kelly, sentiu uma onda de tristeza invadi-la. Harry não precisava mais dela. Nem Kelly. A menina estava vestida e penteada, e parecia muito feliz.

— Bom dia — disse Harry, e sua expressão mudou ao fitar os olhos dela.

Hermione forçou um sorriso.

— Bom dia para os dois.

Kelly virou-se na cadeira, com um pedaço de bacon na mão. Hermione roubou-o com um gesto rápido, beijando o rosto da menina.

— Dormiu bem? — perguntou Harry, enquanto ela se servia de café.

Ela adormecera assim que tinham se deitado e, pela manhã, como sempre fazia, tinha voltado ao próprio quarto. Harry gostaria de poder acordar com ela nos braços.

— Sim. Não percebi que estava tão cansada.

— Você foi incrível — disse ele.

Ela fitou-o por cima da borda da xícara.

— Você também.

Por que os olhos dela estavam tão tristes?, imaginou ele, ao colocar as torradas na frente de Kelly.

Hermione forçou-se a terminar o café, embora sua bagagem já estivesse arrumada. Não queria ir, não queria dizer adeus. Mas agora Harry podia cuidar de tudo. O trabalho dela terminara. Gina Weasley telefonara no dia anterior, avisando que tinha conseguido um novo trabalho.

Era hora de partir. Hermione estava arrasada.

— Kelly e eu vamos à cidade. Não quer ir conosco?

— Não. Tenho muitas coisas para arrumar e estou um pouco cansada.

Harry aproximou-se, passando os braços à volta dela.

— Senti falta de você ontem à noite.

Hermione apenas assentiu, e ele tentou entender a expressão desolada no rosto dela.

— O que foi?

— Nada que um bom sono não possa curar.

— Por que não volta para a cama? São só oito horas.

— Quem sabe?! — respondeu ela, incapaz de dizer mais nada.

Alguns minutos depois, Harry e Kelly saíam, prontos para enfrentar as outras pessoas e desfazer qualquer boato, de uma vez por todas.

Hermione lavou a louça do café, preparou algo para o jantar e chamou um táxi.


Hermione estava parada no cais, lutando contra as lágrimas. Estava dividida. Não queria deixar as duas pessoas que mais amava, mas não tinha escolha. Parte dela lhe dizia para ficar e continuar como estava. Mas seu coração advertia que Harry nunca lhe pedira para ficar, nunca falara sobre o futuro. Depois da experiência com Paul não queria se arriscar.

Harry sabia que era temporário. Seu trabalho terminara.

— Aonde pensa que vai? — disse uma voz atrás dela. Ela endireitou-se, sem se virar.

— Para casa.

— Pensei que estivesse em casa.

A raiva era muito clara na voz dele.

— Não, Harry. Vim para ajudá-lo com Kelly, para integrá-la em sua vida.

— Só isso? E vai me abandonar?

O coração de Hermione se apertou ao perceber a dor na voz dele.

— Tenho que ir.

Ele agarrou-a pelo braço, forçando-a a encará-lo.

— Por quê?

— Meu trabalho acabou.

Ele mal podia controlar a raiva.

— E o que Kelly e eu significamos? Apenas mais um emprego?

— Não!

— Então entra em nossas vidas e de repente vai embora? É o que pensa de mim? Um pobre-coitado que precisava de um pouco de ternura? — Ele baixou o tom de voz: — É isso que sentia quando eu a tocava?

— É claro que não. — Uma lágrima escorreu-lhe do rosto.

— Então por que está agindo assim?

— Porque nunca saberei se o que sente é apenas gratidão!

— Por Deus, Hermione! — Ele soltou-a, dando um passo para trás. — Sou um homem adulto. Sei o que quero. E quero você.

Ela balançou a cabeça e fitou-o. O coração dele apertou-se ao ver as lágrimas nos olhos dela.

— Como vou saber se não está confundindo suas emoções? Estava sozinho, escondido. Agora está livre, tem sua filha e pode ser um pai de verdade. Como posso ter certeza?

— Porque não preciso mais da sua ajuda. E continuo a sentir a mesma coisa.

Hermione piscou, afastando as lágrimas. De repente ele estava bem perto.

— Como pôde duvidar? Preciso de você no meu coração. — Ele acariciou os braços dela, fitando os olhos muito castanhos. — Sempre precisarei. Não posso respirar, não posso viver sem você. Por favor, fique.

Ela soluçou, as lágrimas escorrendo pelo rosto.

— Eu te amo! Desde que a vi pela primeira vez. Desde que gritou comigo por me esconder, desde que acarinhou minha filha. Eu estava aprisionado, Hermione. Mas amá-la é minha verdadeira liberdade. Por favor, não me mande de volta para a prisão.

Hermione sussurrou o nome dele, procurando os olhos verdes e vendo o futuro descortinar-se diante deles.

— Eu te amo — disse, baixinho.

— Graças a Deus. — Harry fechou os olhos e suspirou, e ao fitá-la de novo, pediu: — Case comigo, seja minha mulher, minha melhor amiga. Receba o meu nome, tenha uma porção de filhos comigo e me faça o homem mais feliz do mundo. Preciso de você, minha bela.

Ela fitou-o nos olhos.

— Diga sim.

— Está mandando ou pedindo?

— Suplicando.

— Ah, súplicas e esponja de lavar louça, é isso que gosto num homem!

Ele riu, e o som encheu o ar, livre de qualquer dor do passado.

— Eu te amo, Harry Potter — sussurrou, os lábios quase tocando os dele, e então se entregou ao beijo apaixonado.

— Ela disse sim, papai?

Hermione virou-se e viu Kelly sair do carro e correr para eles, os cabelos escuros flutuando ao vento. Harry pegou a filha no colo, e os dois olharam para Hermione.

— Agora vai ser minha mãe?

Hermione olhou para Harry e corou.

— Sim, querida, acho que vou.

Kelly sorriu, feliz.

— Viu, papai, você não precisou ir ao fim do mundo para achá-la.

Hermione sorriu, lágrimas de alegria inundando-lhe os olhos, enquanto Harry a abraçava, encostando a testa na dela.

— Não, querida. Mas eu teria ido. Com toda certeza.



Obs: Calma que ainda tem o epílogo...

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 0

Nenhum comentário para este capítulo!

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.