FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

ATENÇÃO: Esta fic pode conter linguagem e conteúdo inapropriados para menores de idade então o leitor está concordando com os termos descritos.

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

15. Sensações.


Fic: O Coração Nunca Esquece ATUALIZANDO


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

Capítulo 15 – Sensações.


 


Hermione já estava ficando irritada. Era a terceira vez que tentava inutilmente se concentrar na essência de bolhas que precisava acrescentar em sua poção. Mas toda vez que começava a virar o pequeno recipiente para deixar as gotas caírem em sua poção, acabava se atrapalhando e por pouco não derrubava o vidro inteiro.


- Harry para com isso! – Disse por entre os dentes olhando de soslaio para o amigo ao seu lado.


Imediatamente Harry parara de mexer a perna que balançava compulsivamente enquanto olhava para o quadro negro fingindo ver os ingredientes da poção Vilax que o professor passara para essa aula. Estava na sala a vinte minutos apenas, mas era suficiente para desejar correr porta afora, se aventurar pelos corredores frios e desertos afim de se esconder em algum canto isolado. Quem sabe assim conseguiria fugir dos olhares afiados do sonserino.


Draco sentara na fileira ao lado, junto com os outros sonserinos, mas não parara de encarar sua nuca. Seu olhar era tão agudo que chegava a romper a barreira de sua pele e entrar em sua carne esquentando-a, fazendo-a arder e clamar por ele.


Incomodava.


Durante vinte minutos sentiu-se tonto e irritado. No inicio da aula, quando se levantou para pegar os ingredientes no armário, parecia que era o momento mais tenso de seu cansativo dia. Esperou que todos os alunos pegassem o que precisava, talvez conseguisse evitá-lo, Draco já deveria ter pego seus materiais.


Porém, assim que chegou ao armário e estendeu seu braço para o pote de figo, viu uma mão pálida e cumprida aparecer ao seu lado indo em direção ao mesmo pote. Imediatamente fechou os olhos sentindo o cheiro intenso de baunilha que a pele macia dele continha. Um hálito quente foi soprado de leve em sua nuca arrepiando seus pelos e causando uma fraca tontura. De repente não conseguia saber onde estava. Só sabia que estava próximo à ele.


A voz aveludada invadiu sua mente fazendo-o fechar os olhos lembrando-se dos momentos em que aquele mesmo tom de voz gemia em seu ouvido enquanto o penetrava ora com calma ora com força.


O som vibrava em suas veias tecendo uma música pelas suas artérias. Era intenso e o fazia ofegar. Precisou morder o lábio para não dizer algo naquele momento.


- Algum problema, Potter?


Potter? Ele não era Potter, ele era Harry.


Não era?


Não. Não para esse Draco. Não para esse comensal que participara de todas as novas atrocidades que aconteceram nas vilas trouxas.


- Sim. – Respondeu Harry sentindo as ondas de calor sumirem e serem substituídas pelo frio.


Devagar se virou e encarou os olhos cinzas com determinação. Draco estava da mesma forma que estivera durantes todos esses dias, lindo. Seus cabelos loiros estavam sem gel e caiam em curtas ondas por sua têmpora emoldurando o rosto fino. Sua pele estava pálida como de costume, mas um pequeno rubor aparecia em suas bochechas quando o olhava.


Era Draco, ali, na sua frente.


Ele era tão lindo. Como um anjo que entrara em sua vida. Mas um anjo não cometia tantas atrocidades. Não infligia dor e nem fazia as pessoas implorarem pela morte.


- Harry?


O sussurro saiu tão baixo pelos lábios finos do sonserino que mal conseguia se ouvir. Foi como um silvo do vento no inverno. Intenso e baixo assustando quem o ouvia.


Mas naquele momento quem começava a se assustar era Draco ao ver a luz de vida, a centelha de calor começar a se dissipar por trás das esmeraldas. Logo não haveria mais aquela pequena chama que dava a vida intensa ao grifinório. Começava a se tornar nada.


Harry o olhava com frieza quase calculada. Era o desprezo que desejava sentir, mas que não conseguia colocar para fora. Somente agora, que olhava no fundo dos olhos de Draco, podia se libertar das amarras e deixar correr solto por si todo o sentimento reprimido após ler as manchetes dos jornais.


Pensou por um momento que quando estivesse frente a frente com o loiro, acabaria voando em seu pescoço e o apertando até que os olhos cinza se arregalassem pelo medo e o corpo relaxasse pela falta de oxigênio. Mas isso era só um pensamento e pensamentos jamais devem ser tomados como possíveis atitudes de um coração quebrado.


Harry sabia disso, pois podia brigar e bater em Malfoy, mas naquele momento só queria se afastar dele, ficar longe de seus atos violentos, dos massacres que estavam em seus olhos e do sangue que manchavam suas mãos.


Mas muito pior que isso.


Queria se distanciar do jovem que estava com Trevor Danver.


Não era preciso ser muito inteligente para saber isso. Não era necessário que alguém lhe contasse. As sumidas de Draco misteriosamente no meio da noite sempre intrigaram-no. Um dia, no entanto, desejou saber o que estava acontecendo e o seguiu vendo-o sair dos limites da escola e aparatar. Por duas horas Harry esperou, até que Draco apareceu. Seus olhos estavam distantes e vazios, mas sua roupa bagunçada e seus cabelos desalinhados não eram resposta para seus questionamentos.


Porém, havia algo mais em Draco. Era algo em seu ser, em seu corpo. Estava diferente.


Protegido com sua capa da invisibilidade, Harry se aproximou do jovem quando o mesmo parou por um instante na beirada da escada que levava às masmorras.


Foi naquele instante, com o nariz quase grudado no pescoço de Draco que descobriu o que estava diferente no sonserino.


Ele cheirava a sexo.


Draco se afastou ao ver um túnel profundo se erguer dentro das esmeraldas. Sua testa franziu. Harry estivera quase ronronando só por sussurrar em seu ouvido e agora o olhava como se tivesse descoberto que Voldemort voltara e que seus esforços em proteger o mundo haviam sido em vão.


Não, era pior que isso, era um olhar de desprezo. O típico olhar que ele merecia.


Abriu os lábios para dizer algo, mas Harry apenas passara por si e se dirigiu à sua mesa, onde sentou com as mãos entrelaçadas embaixo do queixo, o olhar fixo no quadro negro sem lê-lo e mexendo a perna embaixo da mesa.


Poucos segundos depois também voltara para sua bancada tentando executar a tarefa pedida. Até que não fora tão difícil, afinal, seu treinamento de comensal o deixou hábil à desligar-se de tudo e focar-se no que precisava fazer naquele momento.


Naquele momento ele tinha que fazer uma poção que simula a morte.


Mas Harry não tinha a mesma sorte. Além de levar bronca de Hermione por não parar de mexer a perna, continha em seu caldeirão algo parecido com água suja, sendo que era para a poção estar violeta e fina.


Definitivamente estava errado e Snape só confirmou isso quando lhe retirou dez pontos da grifinória e esvaziou seu caldeirão.


Tudo bem, naquele momento só importava ir embora.


Dez minutos depois o sinal tocou e Harry correu para colocar todos os materiais dentro da bolsa. Porém, sua coordenação motora jamais fora boa para que conseguisse agir com rapidez. Assim que puxou a alça da mochila, a mesma se abriu e derrubou todo o material no chão fazendo voar folha e derramar tinta.


- Podem me esperar lá fora. – Disse para Rony e Hermione que estavam parados ao seu lado. – Não vou demorar.


- Vamos te esperar. – Disse Hermione.


Harry deu de ombros e se abaixou para pegar suas coisas. O tinteiro estava todo derramado, teria que compra outro, as folhas estavam todas espalhadas. Pegou as mais próximas e se ajoelhou para pegar as mais distantes, porém quando se ajoelhou e esticou a mão para o pergaminho mais distante, viu um par de sapatos lustrados pararem embaixo de seus dedos.


Imediatamente levou os olhos pelas pernas longas e finas até chegar aos olhos negros e sorriso zombeteiro de Zabini.


- Isso mesmo, Potter. Esse é exatamente seu lugar, aos pés de pessoas mais puras que você.


- Cale a boca, Zabini. – Disse Rony largando a mochila no chão.


Harry balançou a cabeça e recolheu o pergaminho antes de se levantar e olhar com desprezo para Zabini.


- Você não vale a perda do meu tempo. Volte para seu covil de Comensais.


- O que disse? – Perguntou Zabini fechando a mão em punho.


- Zabini. – Chamou a voz fria de Draco que se aproximava devagar olhando intensamente para Harry. – Não perca seu tempo com essa gentinha. Eles não são capazes de entender o que falamos.


- Ninguém te chamou na conversa, Malfoy. Vá escovar seus cabelos oleosos. – Disse Rony sentindo Hermione segurar seu braço.


- Vou lhe dar uma dica, Wesleyzinho. – Disse Draco sorrindo de canto. – Se quer dar uma de macho, então não permita que sua namoradinha sangue ruim lhe segure.


Hermione apertou mais o braço de Rony, pois nesse exato momento o grifinório estava quase pulando em cima de Malfoy.


- Ow, segura seu cachorro, Granger. Ele não come a dias de tão pobre que é. Não quero que esse vira lata queria experimentar minha carne de primeira linha.


Antes mesmo de terminar a frase, Draco sentiu a ponta de uma varinha pressionar sua garganta. Harry emitia ondas de raiva e fúria. Era possível sentir no ar a intensidade de seu ódio.


- É melhor calar a boca, Malfoy.


- Se não o que? – Perguntou Draco. – Vai me matar? Sabe que não consegue e sabe o porque.


Draco dissera a última frase baixinho. Estava gostando de ver a centelha de vida no fundo de seus olhos verdes. Isso mesmo, queria Harry assim, vivo e ardendo.


- Você é nojento.


- Tem certeza?


O aperto na varinha se intensificou.


- Eu te odeio.


- Não odeia não. – Sussurrou Draco chegando mais perto de seu ouvido. – Você me quer. É só pedir.


Harry sentiu um arrepio em sua nuca e por um segundo fechou os olhos sentindo aquela voz invadir seu corpo e abalar suas estruturas.


- Estarei na sala precisa hoje a noite.


Harry não respondeu, apenas sentiu o sonserino se afastar com Zabine em sua cola.


- Que idiota, devia ter deixado eu estourar a cara dele, Hermione.


- Não. Isso só traria problemas.


- Em pensar que esse idiota trabalha para a Ordem.


- Igual Snape. – Comentou Hermione. – Eles podem até fazer algo para o bem, mas ainda assim são cruéis por dentro. Não acha, Harry?


Harry não olhou para a amiga e nem mesmo deu atenção à sua ultima pergunta ou o tom com que perguntou.


- Deixa isso para lá, vamos logo. Quero que esse dia acabe de uma vez.


Quando estavam no corredor, Hermione puxou Harry para que ficasse um pouco atrás, deixando Rony na frente. Baixando a voz em quase um sussurro a menina virou-se para o amigo.


- Creio que não iremos vê-lo após o jantar, não é mesmo?


- Do que está falando?


- Sabe muito bem do que estou falando. Eu não sou idiota, Harry.


- Ainda não sei do que está falando. – Repitiu Harry sentindo-se nervoso com o olhar da morena.


- Pode fingir que não sabe, eu só estou preocupada. Mas não vou te dizer o que fazer. Mas pelo menos use a capa de invisibilidade. Não quero que perca os pontos que demoro tanto para ganhar.


Sem dizer mais nada, Hermione saiu e se aproximou de Rony. Harry ficou parado no corredor por um momento, só vendo os amigos sumirem pela esquina do corredor.


Hermione sabia, de alguma forma ela já sabia. Tinha que descobrir como, mas antes tinha que terminar o dia de estudos para ir à sala precisa. 

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 0

Nenhum comentário para este capítulo!

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.