FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

ATENÇÃO: Esta fic pode conter linguagem e conteúdo inapropriados para menores de idade então o leitor está concordando com os termos descritos.

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

15. Cap 9 - o ataque


Fic: Eu Grávida Como JL CAP 9 ON


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

Obrigada meninas por não desistirem dassa fanfic. Ela já esta completa e pretendo postar ela completa até o fim desse mês. Bjs e espero que continuem gostando. 


Cap. 9 – O ATAQUE


Pov. Remo Lupin

- Alice vamos embora agora – exclamei aborrecido. Essa noite não ia ter um fim não?

- FRANK ME SALVA – continuou berrando

- Larga ela ai cara – falou uma loira – Deixa ela se divertir 

- Issoooo – concordou a garota feliz – por favor remito 

Antes de fazer qualquer coisa, a loira me deu um tapa e Alice um chute nos meus “documentos” - FDP que dor – e saiu correndo para abraçar e beijar o coqueiro deixando a loira para trás.

- Sabe remito você até que bonitinho – falou sorrindo enquanto Lice se esfregava no “Frank” - Sabe vamos aproveitar 

E a loira louca me beijou, melhor me agarrou me empurrando para o chão e se deitando por cima de mim. Beijava minha boca, mordia meu pescoço, aquilo estava bom. Não me importei mais com resto e só curti a loira, que descia suas mãos delicadas por dentro da minha calça. 

Tremi com o contado da sua pele com meu amiguinho. Puxei para um beijo quando escuto alguém berra: POLICIA POLICIA, FUJAM!

Emburrei a loira que me encarou atômica, a área da piscina estava cheia de gente correndo. 

“Tenho que achar meus amigos agora”


 


Pov. James Potter
Meu jantar com a minha ruivinha foi perfeito. Jantamos, conversamos, flertamos. Ela estava linda como sempre rindo enquanto observa como ela ficava maravilhosa sobre a luz das estrelas. 
- Sabe meu amor, porque não dançamos? - perguntei me levantando e fazendo um reverencia
- Não tem musica Jay – comentou, peguei a varinha e fiz um feitiço não verbal. Começou a tocar uma musica clássica que a minha mãe ama. 
- Agora tem – sorria
- Agora tem – falou levantando, coloquei minhas mãos em sua cintura a trazendo para mais perto, suas mãos foram para o meu pescoço dei um rápido selinho e começamos a dançar. 
Quando a musica terminou, a puxei para um beijo ardente. Nossos corpos se colaram, nossas bocas se completavam, nossos corações batiam no mesmo ritmo.
- Te amo ruivinha – falei puxando para dentro da casa. Íamos para segundo parte do meu plano.


 


Pov. Marlene Mckinnon
.
POLICIA FUJAM
.
Ai Merlin. Joguei longe o gato que estava beijando, catei a minha blusa colocando de qualquer jeito e sai atrás dos meus amigos. Na área da piscina encontrei o Remo tentando arrancar Alice do coqueiro.

- REMO – berrei – Ajuda? - o maroto só concordou

Peguei um pé da minha amiga enquanto o Remo puxava o outro, e começamos a puxá-la. Alice berrava desesperada “FRANK MEU AMOR”. Ninguém merece, ela parecia dopada.

- Remo como vamos sair daqui? - perguntei

- Vamos achar o Sirius e vamos aparatar – comentou – Lena vai procurar eles no quarto. Eu e a Alice vamos procurar na piscina, praia e sala Ok? 

- Remo eu procuro tira a Alice daqui – falei andando para o quarto.

A cara do meu marto estar lá com mais umas 20 futuras garotas mortas. FOCO LENA. Achar o Sirius e sair daqui, quem sabe matar algumas vaquinhas no meio do caminho.


 


Pov. Pedro Pettigrew 
.
O Ataque foi um sucesso. Agora só falta dois traidores de Sangue. Potter e Black
.
Tadinho do Pontas, será que atrapalho agora quando sobem para o quarto ou daqui uns 10 minutos. Comecei a rir. Não ia deixar meus amigos morrerem iam convencer a seguir meu passos. E eu iria ser o líder.


 


Pov. Sirius Black 

- SIRIUS BLACK – berrou uma voz muito semelhante a da Lena perto dali

- MERDA – falei parando de beijar a gatinha numero 1 e empurrando a gatinha 2 e 3 que se aproveitavam do meu lindo corpinho - Vocês tem que sair daqui AGORA

- Mas Six – falou a gatinha numero 4 – a próxima seria eu– ela começou a se aproximar da cama, deitando por cima de mim, esfregando seu corpo no meu – só mais um pouquinho – e me beijou

- SIRIUS BLACK ESPERO QUE ACABE A SAFADESA AI PORQUE EU ESTOU ENTRANDO – berrou, com certeza a Lena – VOU CONTAR ATÉ CINCO

- DROGA, TODAS COLOCANDO ROUPAS AGORA – e sai atrás da minha roupas. 

As gatinhas fizeram uma careta mas não desobedeceram. Graças a Merlin. Agora onde esta as minhas roupas?


 


Pov. Marlene Mckinnon 

- CINCO – berrei entrando no quarto e me deparando com a cena mais estranha do mundo.

Eram 5 garotas e o meu maroto, até ai tudo normal. 3 garotas usando apenas roupa intima “normal, estamos falando do Black”, 1 garota usando a blusa do Sirius e o abraçava como se ele fosse dela “FILHA DA P..” a ultima estava escondida mas era obvio sua falta de roupas. E o meu maroto tentava fazer a cara mais santo possível, ou seja, não deu certo. Usava sua bermuda, tinha uma blusa feminina tentando entrar pela sua cabeça, mas ficava muito pequena e era da mesma cor que a sua “Ops acho que se confundiu”, estava cheio de marcas de batom e chupões pelo meu 
corpo

- Sirius querido de tchauzinho a suas amantes igual eu fiz com os meus e vamos embora. A policia esta ai – falei calmamente empurrando uma por uma daquelas vacas.
- Six vai fica com agente por ele ama mim muito mesma. E eu ama ele – Além de vaca e burra, assassina da gramática, ainda bem que a Lily não esta aqui. Ou quem sabe seria bom mesmo uma loira burra no mundo. 

- Verdade Six? - Levantei uma sobrancelha e encarei o meu maroto

- Você sabe que é só você na minha vida Lenazinha – Ri da cara das garotas e o puxei para fora daquele antro.


 


Pov. Remo Lupin 

Finalmente consegui aparatar na frente da casa puxando a Alice aos berros para dentro. 

- O que aconteceu? - perguntou o Rabicho

- Não sei, mas que saber cansei – falei exausto – vou chamar a Li para cuidar da amiga – apontei para garota que chorava e tentava me bater e quase acertou um vaso no Rabicho de raiva quando este tentou pará-la

- LÍLIAN EVANS – berrei depois de tentar me livrar do soco da Lice – Sonorus LÍLIAN EVANS É URGENTE – depois desfiz o feitiço e comecei a segurar a tentar conter a garota drogada – Onde esta o Pontas e Li?

- No quarto a um bom tempo – comentou o rato

- Algo me diz que o Pontas vai chegar muito estressado – comecei a rir sendo acompanhado pelo Pedro, Alice se aproveitou e saiu correndo tacando qualquer objeto que conseguia em nós. Ninguém merece.


 


Pov. James Potter 
.
- LÍLIAN EVANS É URGENTE 


- Merda – falei quando a garota me empurrou e saiu a procurar das suas roupas 

Flashback 

Nós beijávamos com desejo, paixão. Os seus braços enlaçaram meu pescoço arranhando de leve. Minhas mãos corriam pelo seu corpo decorando cada partezinha, tocando, me deliciando. 

Sem interromper o beijo, a deitei na cama, colando nossos corpos e fazendo sentir a intensidade de meu desejo. Não lembrei quando as roupas sumiram e nem quando os beijos não se prendiam mais aos seus lábios, correndo cada canto daquele corpo perfeito. 

- Lílian – ofeguei quando senti abrir as pernas num convite mudo. Mas então escutamos os berros do FDP do Aluado.

Fim do Flashback 

- Lílian nem deve ser nada importante – falei me levantando e abraçando por trás – deixa que o Remo resolva – a virei para mim e encarei seus olhos verdes

- James – falou me dando um simples selinho – deve ser algo importante eles deviam estar na festa – e saiu do meu abraço

- Li olha tudo que eu fiz pra nós – apontei pro quarto. Ele estava todo cheio de pétalas de rosa vermelha, velas e tinha um hidromel. Sem contar a comida caso ficamos com fome 

- E eu amei Jay. Serio, vou lá ver e já volto prometo – e sai do quarto. Chutei a primeira coisa que vi e quando ia me embebedar, a minha ruiva volta – Esqueci dizer eu te amo – e saiu correndo. 

Sabe beber pode esperar um pouco, depois de curti a noite com a ruiva. Ela disse que ia voltar. Vou preparar um banho de banheira.


Pov. Lílian Evans 
Desci as escadas correndo, queria acabar logo com isso e voltar para o meu maroto. Quando cheguei à escada deparei com uma cena deplorável. 
Remo estava segurando Alice que tinha sua varinha na boca tentando furar os olhos do lobisomem. Pedro se encontrava pendurado pelas costas no lustre todo colorido, a sala toda destruída.
- O que está acontecendo aqui? – perguntei seria colocando minhas mãos na minha cintura enquanto todos me encaravam – Eu quero saber AGORA
- Alice se drogou – falou Remo
- Remo não me deixou com o Frank – comentou uma menina chorosa
- A culpa é toda deles – exclamou o Pedro – eu sou uma pobre vitima 
- Não quero saber de quem é a culpa – fuzilei eles com meu melhor olhar “vou matá-los” – Quero essa sala arrumada e os três pra CAMA, entenderam?
Os três acenaram e foram arrumar a sala. E eu? Fiquei fiscalizando, com os pensamentos lá em cima no meu quarto.


Depois de colocar aqueles 3 tolos pra cama, ver meus anjinhos dormindo no quarto do Pedro – porque eles não ficam assim quietinhos sempre? Corri para o meu quarto com o maroto. 

Eu queria fazer algo para me desculpar por ter que deixá-lo sozinho depois de tudo que ele fez. O engraçado é que eu dizia odia-lo e agora eu o amo. Acho que Merlin adora brincar com sentimentos das pessoas. 

Voltando, fui até a sala peguei o som e mais uns Cd’s e ia fazer uma dança que Lena tinha mostrado para mim e Alice. Espero que ele goste. 

Subi a escada cantarolando e relembrando tudo que eu passei com o meu Potter nos últimos anos.


Flashback 

- Lírio, ruivinha, meu anjo ruivo sai comigo? – perguntou o arrogante e prepotente do Potter

- Não, nunca, nunquinha, nem morta – falei com calma como se explicava a uma criança mas o idiota só aumentava o sorriso – É EVANS, POTTER

- Evans Potter realmente fica lindo

E bom, começou mais uma corrida pelos corredores da escola

-*-

- POTTER, DETENÇÃO – berrei quando vi azarar um sonsariano

- Com você amor eu faço qualquer coisa – e veio me deu rápido selinho e sai pulando

- EU VOU TE MATAR SEU TRASGO

- *- 

- Eu te amo minha ruivinha

- Eu te odeio Potter, e nada de pronomes possessivos com o meu nome

- Mas LILY como você quer que eu te trate na hora que tivermos chegando no orgasmo de Evans Potter?

- CALA BOCA – “falei” corando 

- *-

- Minha Lily como vai se chamar nossos filhos? 

- Eu NUNCA vou ter filhos com você POTTER, É EVANS 

- Ruivinha o que vamos fazer hoje a noite?

- Eu vou estudar e você ve se taca da torre de astronomia

- Não vou te impedir de ver a pessoa mais bela, mais charmosa, mais TUDO do mundo meu Lírio. Não se preocupe

Infelizmente o livro que taquei no individuo não acertou. QUE RAIVA


Fim do FlashBack


Entrei no quarto rindo, como nós éramos infantis. Olhei em volta atrás do meu maroto e o achei no chão. Seus ombros tremiam e havia uma carta na sua mão.

- J-jay? – droga, porque tinha que falhar? Mas logo esse pensamento foi esquecido quando ele me ignorou. Ninguém ignora Lilian Evans 

Caminhei até sua frente e forcei me encarar. Seus olhos estavam vermelhos, suas bochechas tinham marcas de lagrimas. Ele tentou esconder o rosto de mim, mas não deixei. Aquilo estava errado, meu maroto era alegre feliz, ninguém poderia fazer sofre.

- Jay o que houve? – ele me ignorou novamente e se levantou caminhando com dificuldade pro banheiro – JAMES POTTER – finalmente ele me olhou nos olhos e começou a chorar desesperadamente. Corri e o abracei. O que será que aconteceu? Eu nunca mais deixaria ele sofre assim. Nunca.


 


Pov. Marlene Mckinnon

Chegamos a casa já estava quase amanhecendo. Eu e o meu moreno fizemos um pequeno desvio pela praia, sabe ficar um pouco a sós depois de aproveitarmos a noite e a fechamos com chave de ouro. 

Quando entramos na sala, encontramos Remo triste e Alice cuidando dos bebês.

- Finalmente vocês chegaram – falou Remo preocupado. Só demoramos umas 3 ou quem sabe 4 horas a mais. Nada de mais

- Melhor Alice? – perguntei. Ontem ela tava muito louca, mais divertida que muitas vezes.

- Não – quando ela virou vi seus olhos vermelhos

- O que houve? – perguntou o Six

- Um ataque - falou Remo - Almofadinhas senta temos que conversa

O meu moreno me encarou preocupado, suas mãos tremeram de leve. Apertei e o conduzi até o sofá

- Agora conte tudo Aluado - perguntou o maroto. Remo fez uma cara triste e Alice voltou a chorar. Lá vem merda é pelo jeito das grandes.


Pov. Sirius Black 

- Almofadinhas houve um ataque a Londres esta noite. E os pais do James foram uma das vitimas 

Aluado continuou a falar, Alice chorava cada vez mais, senti os braços da Lena me entrelaçando. A minha mente estava em choque. Os pais do Pontas, meu pais adotivos, mortos. Não. Não pode. Impossível. Eu havia perdido os únicos que me trataram como filho. 

Senti meus olhos arderem e me levantei, só tinha uma pessoa naquela casa que me entenderia agora. Meu irmão cervo.


Pov. Lílian Evans

James não chorava mais. Seus olhos estavam vidrados, não emitia qualquer sinal de emoção. Eu o abraçava com carinho, fazendo cafuné nos seus cabelos. Nós já vestíamos roupas pretas e aguardamos a chegada de alguém do ministério para velório.

Eu estava com medo de que ele fizesse algo irracional. Ir atrás dos culpados. Ele não poderia fazer isso, eu não poderia perdê-lo. 

- Pontas? – chamou o Sirius da porta, seus olhos estavam inchados e seu rosto idêntico ao do James. Este levando e os dois amigos se abrasaram no meio do caminho – Eles vão pagar por isso Pontas

- Vão sim Almofadinhas – tremi com raiva em sua voz – eles tiraram nossos pais 

- Sim, nossos pais – comentou abraçando mais forte. Eu sabia o que era perde uma mãe, mas ainda tinha o meu pai. E aqueles dois perderam os dois juntos. Era terrível. 

- O PROFESSOR DUMBLEDORE CHEGOU – berrou Remo lá de baixo. 

Abracei os dois marotos e descemos. Aquele iria ser um longo dia.


Pov. Marlene Mckinnon

Chegamos ao enterro, no cemitério de Godric's Hollows, já estava cheio. Inúmeros bruxos se encontravam. James recebia os comprimentos ao lado da sua Ruivinha. O Sirius também recebi comprimentos por ter sido considerado filho do senhor e senhora Potter. 

Eu, Remo, Alice e Frank (que apareceu para consolar a noiva, que era amiga de infância do James) estávamos ao fundo com os bebês. Tentando não chamar atenção e também por não saber como acabar com a dor que os marotos estavam sentindo com aquela perda.

Pedro? Esse sumiu. Disse que ia avisar os pais e até agora não apareceu.
O enterro foi simples e bonito. Palavras de consolo aos “filhos”, despedida triste dos melhores aurores do ministério, uma onda de aplausos e o fim. 

Estava escurecendo quando muito já iam embora. Quando percebemos a marca negra sobre o cemitério. Não houve tempo para reação e já estávamos cercados de comensais. 

- Viemos atrás do ultimo traidor de sangue Potter – berrou uma voz grave

- E do traidor do Black – comentou uma garota com a voz fria, que tirou o capuz expondo sua face

- Olá Bella, isso ainda complexo de rejeição? – perguntou o meu maroto

- Priminho foi só foi um passatempo – falou rindo maleficamente – Avad..

Mas antes de ela completar o feitiço. Remo lançou varias cadeiras atacarem. E assim começou mais uma guerra. 

E eu? Ia matar aquela FDP da Black. Quem ela pensa que é, para matar O MEU MAROTO?


Pov. Sirius Black 

- Bellazinha? Bellinha? Priminha? Blackizinha? Chatinha? Feinha? Burrinha? Ruizinha na cama? – comecei chamar a minha amada parenta. Ela ia pagar por tentar me matar a ia – Sabe Bella você era tédio na cama, tão fria que era melhor transar com o monstro 

- CALA BOCA SIRIUS

- Vem calar belazinha – falei rindo. Agora eu ia me vingar pela morte dos MEUS pais.
.
.


Pov. Remo Lupin 

Alice e Frank correram para ajudar contra os comensais. Marlene tentava chegar até Bellatriz e matá-la por te quase feito isso com Almofadinhas. E sobrou pra quem de novo os bebês? Eu. 

Pensa Remo. Pensa. Merlin te amo. 

Peguei os projetos de James e Lily e leveis para onde estavam varias crianças. Coloquei no colo de uma que me lembrava muito a garotinha que eu ajudei aquele dia na biblioteca, acho que nome era Toks, Tonk, Tanks, Tenks, não não, ee Tonks, isso. Só que ela estava com os cabelos verdes hoje. Estranho. 

Entreguei os bebês e fui ajudar a me livrar dos comensais.


Pov. James Potter

Uma onda de fúria tomou conta de mim. Estavam ali os assassinos dos meus pais. Estavam ali os assassinos de muitos inocentes. A cólera me fazia avançar contra eles. Lançando as piores azarações que conhecia. Eles iam me pagar.

- Potterzinho coitadinho órfão – debochou um encapuzado – com medo?

- Eu não sou covarde igual a vocês eu monstro quem sou – falei tremendo de fúria 

- Se pais imploram tanto pela morte. Como dois bebês. Eles estavam com medo, eu podia ver nos olhos deles antes de ajudar matá-los

- CALA BOCA – berrei. Eu queria estrangular. Mas tinha que ir com calma. Ter sangue frio. Logo teria a minha vingança.

- Potterzinho potterzinhos teus pais traidores não te ensinaram respeito? 

- Para de enrolar e mata logo. Cansei já – comentou outro retardado 

- Avada K,, - começou o retardo 1. Eu me virei por retardo dois e comecei a lançar um azaração quebradora de ossos. O retardo numero 1 achou que ia me matar e já estava rindo. Mas a minha super ruivinha o estuporou e eu comecei andar em sua direção. Queria ver quem era o assassino dos meus pais. Queria matá-lo com as minhas próprias mãos. 

Tirei seus capuz e vi a imagem do Malfoy Pai. E socoí. Esqueci da varinha, esqueci que estava atacando um estuporado. Só queria eu mesmo acabar com vida desse infeliz com as minhas próprias mãos. 

- Chega James – falou a Lílian colocando a sua mão no meu ombro – você vai se arrepender depois 

E o soltei. E vi que mais um pouco eu matava. Mas a ruiva tinha razão. Eu não era igual a eles. 

- Vamos ajudar os outro – peguei a sua mão e fomos lutar.


Pov. Sirius Black
.

- Crucio – berrou a minha amada priminha mirando em mim, mas como sou o melhor aluno de transfigurações, o mais gato, o mais gostoso, o mais mais. Transfigurei a mesa a minha frente igual ao muro e com isso o feitiço do coração de pedra desviou. Que peninha – Eu vou te matar

- Se cada vez que você disse que ia me matar eu ganhasse um galeão. Estaria mais rico que toda minha ex-familia – debochei – Agora belinha e minha fez 

Dei um sorriso maroto. Lancei uma Bombarda me livrando do muro, peguei uma foto minha que sempre tinha no bolso para minhas fãs. E lancei nela um feitiço permanente que foi para bem no meio da cara da Bella

– agora você nunca vai esquecer de mim Bella. Você sempre vai lembrar, pois lhe dei seu primeiro beijo, fui seu primeiro amante e agora tens uma foto minha de cueca colada na sua cara – e comecei a gargalha quando a menina tentava arrancar a foto. Amo ser eu.


Pov. 3° pessoa

No meio de toda essa confusão, o professor Dumbledore apareceu usando uma veste negra e sua varinha na mão direita. Em menos de 10 minutos a batalha acabou. Muitos comensais fugiram, outros foram presos. 

Tiveram varias vitimas fatais e outros tanto feridos. Nosso grupo de amigos estava salvo, alguns arranhões, músculos doloridos, mas vivos e juntos. James e Sirius já tinham conseguido sua vingança, por hora, pela morte de seus pais. E agora todos voltavam para suas camas quentes e confortáveis da torre da Grifinória.


Pov. Remo Lupin 

Acordei na manhã seguinte me senti muito mal, procurei o calendário e vi que a próxima noite seria lua cheia. Novamente. 

Arrumei-me e deixei meus amigos dormirem mais um pouco era muito cedo, para um dia de aula. Desci as escadas com calma e encontrei uma amiga das meninas Maxine Emylee Sanders. 

Esta se encontrava lendo em frente a lareira, usava ainda o pijama rosa cheio de unicórnios. Seus cabelos pretos envolviam seu rosto delicado. Era um ano mais novo que nós, segundo as fofocas do colégio apaixonada pelo Sirius como muito outras, jogava com goleira da Grifinória e odiava sonserinos. Pelo que lembre era quase como nós, os marotos, só que uma menina.

- Oi Lupin – escutei a garota me chamar. Droga não devia ter ficado olhando tanto tempo para ela 

- Oi Sanders, acordasse cedo – sorri – não esperava ver ninguém aqui

- Pode me chamar de Max, Lupin. E respondendo sua pergunta gosto de acorda cedo – falou sorrindo, ela tinha um belo sorriso. 

- Só se você me chamar de Remo – falei sentando do seu lado. Enquanto começávamos a conversar.


Pov. Marlene Mckinnon

Quando desci as escadas encontrei os marotos, Lílian, Alice e os bebês (que agora tinham um carrinho preto ampliado magicadamente que mais parecia um mini parque de diversão) conversando com a Sanders. 

Melhor falando Alice lia um livro, Lílian e James babavam pelos filhos ou entre eles mesmos (eles vão assumir o namoro hoje. Eu sei, estou chocada também), Remo estava emburrado e o filho da megera Black flertava com a feinha da Sanders.

- Olá gente, pode animar eu cheguei - falei sentando entre a feinha e o meu maroto

- Oi Lena - falaram todos juntos enquanto a sem sal da Sanders falava "Oi Mckinnon".

FALSA, HORRENDA, FEIOSA, CHATA, ENCALHADA, FOCO MARLENE

- Six querido - falei ao pé do seu ouvido - se ficar dando trelinha para essas ai - falei apostando, sei nem um pouco discreta mas o que é meu eu não divido. Ainda mais o cachorro gostoso do Sirius - eu te capo - terminei fazendo sinais de tesoura com a minha mão

- O QUE? - berrou assustado o maroto

- Isso mesmo meu amor. Só tenta me desafiar. Eu ainda não soube dos detalhes com historia com sua prima - falei piscando, virei para galera e completei - Bora comer gente 

- Parece até o Rabicho - comentou Remo

- Falando nele não vejo desde o enterro - comentou a ruiva

Dei de ombro e desci para salão principal.


Pov. Sirius Black

Estava me divertindo com a Max, nem estavamos flertando, quem sabe só um pouquinho. Só convidei para dar uma volta em sala vazia. Nada de mais. E o pior que ela aceitou e a Lena atrapalhou. Claro que na maior inocencia. 

- Olá gente, pode animar eu cheguei - falou a minha garota sentando ao meu lado

- Oi Lena - respondi 

- Six querido - falou ao pé do meu ouvido, me fazendo querer mais- se ficar dando trelinha para essas ai - falou apostando para Max Gatinha - eu te capo - Ela só pode estar brincando 

- O QUE? - berrei assustado. 

Ela confirmou e simplesmente parei de prestar atenção na sala. Ela não pode contar Sirius Junior, ele é alegria da nação. Um presente de Merlin, uma benção para mulherada. Não. Não. Encarei a futura assassinada do prazer do mundo, ela tinha um sorriso irônico e assustador no rosto.

Merlin me ajuda. Vou fugir. Meu Sirius Junior não. 

Calma sem o meu companheiro eu viro o que? Mulher? AHHHH DE NOVO NÃO.


Pov. James Potter
.
Andava de mãos dadas com a minha ruivinha em direção ao salão principal, a cada passo que dávamos a vi ficar cada vez mais nervosa.

- Li? - chamei 

- Sim? - falou com a voz bem fraquinha

- Não precisa fazer isso se não quiser - tentei mostrar indiferença. Mas estava triste, ela não queria admitir que gostava de mim. 

- Vamos logo de uma vez Potter - falou braba me puxando pela mão - Você não vai escapar 

Eu ri com vontade. Ela me encarou e começou a rir também. Me aproximei, entrelacei meus dedos em sua cintura e coloquei como um saco de batata nos meus ombros e sai correndo

- POTTER ME COLOCA NO CHÃO - berrou a garota me socando as costas 
.
.
.
Pov. Lílian Evans
.
Quando finalmente o idiota do Potter me colocou no chão a única coisa que deu para perceber que já estavas no salão principal, antes de ele me agarrar e me beijar com desejo. O salão caiu em silêncios, meus amigos assobiavam ou aplaudiam, mas a única coisa que conseguia pensar. Era o contado dos seu lábios nos meus, das suas mãos em meus cabelos e cintura me puxando sempre para mais perto. Da sua língua me levanto a loucuras. Que saber? Eu amo esse idiota. E retribuir o beijo com urgência.


 


 


Pov. Lílian Evans

Depois do show que James inventou de fazer no meio do salão principal, comi rapidamente e fui para a biblioteca. Os professores disseram que era só ir lá e me inscrever que os bebês ficariam com uma “babá” durante o período de aula. Esta “babá” ganharia pontos extras. 

Escrevi na lista e vi que uma das candidatas era uma aluna da Corvinal minha amiga. Rebecca Stolf, dois anos mais nova e queria os créditos para ajudar a ser monitora. “Por isso que sempre gostei dela”. Tinha os cabelos ruivos e olhos cor de mel, acho que seu maior defeito são as roupas muito curtas e apertadas valorizando seu corpo.

Sai dali correndo para as aulas. Parece que a vida esta voltando ao normal.


Pov. Remo Lupin

Desde àquelas horas em frente da lareira me sinto estranho. Max não sai dos meus pensamento. Por favor Merlin, faz isso parar. Eu sou lobo uma vez por mês, um assassino. 

Caminhava sem prestar atenção aonde ia e acabei esbarrando em alguém de cabelos azuis. Tonks.

- Desculpa – dissemos juntos – a culpa foi minha – completamos novamente juntos e acabamos rindo. Ajudei a menina levantar e recolhi o que caiu no chão. 

- Eu sou muito desastrada – falou envergonhada fazendo seus cabelos ficarem vermelhos

- Eu que sou distraído – falei sorrindo, gostava daquela menina. Era diferente, alegre – Seus cabelos estão vermelhos como ? 

- Ahh – ela fez uma careta de dor e logo vi um outro Remo Lupin em minha frente. Só que este estava sorrindo – Assim 

- Muito explicativo – debochei – és metamórfica? 

- Sim – falou voltando ao normal, mas seus cabelos estavam agora rosa Pink – É legal, mas as vezes queria ser igual a todo mundo. Acho que todos tem um segredinho só seu, esse é o meu – comentou alegre e saltitante

- Acho que sim – eu tenho o meu segredo e ele não de longe tão bom e agradável como seu Tonks. Cometei em pensamento

- Vou indo Tchauzinho – e saiu pulando pelo corredor tropeçando no final dele, me fazendo rir alto e ir ajuda – lá


Pov. James Potter

Estava indo encontrar a minha ruivinha linda no jardim. Sabia que ela estava em algum canto por aqui. Só tinha que achar. 

Comecei a andar de um lado para o outro, como uma criança brincando de esconde-esconde. Quando eu finalmente a vi. Ela estava rindo de mim e ria alto. Mas foi ai que tudo começou a mudar. 

Um garoto do primeiro ano se aproximou e me entregou um bilhete. Abri ele e comecei a ler andando em direção uma ruiva curiosa 

“ James meu amor, te encontro no lugar de sempre. Não se preocupe já preparei todinho. Te amo xuxu. “
.
QUE MERDA É ESSA?


Pov. Lílian Evans 

Eu vi James vindo a minha direção lendo um recado de um menininho do primeiro ano entregou, em seu rosto antes tinha um sorriso no rosto agora apresentava um expressão de choque. O que será que aconteceu?

Sai andando em sua direção, mantendo os meus olhos no rosto dele. Logo ele olhou em minha direção deu rápido sorriso e guardou o bilhete. Quando chegou finalmente a minha frente, encarei nos olhos vi um reflexo de medo mas logo senti seus lábios contra os meus. E acabei esquecendo. 
.
.
.
Pov. James Potter

Eu não podia perde-la, não podia ficar sem ela. Eu ia descobrir quem tinha escrito aquele bilhete antes de estragar tudo. 

- J-james – falou a minha ruivinha corando – o que foi isso?

- Saudades meu anjo ruivo – falei dando um rápido beijo – eu te amo ruivinha viu? - encarei seus olhos esmeraldas que tanto amo.

- Eu também – sorriu – Que bilhete era aquele? 

DROGA. 

- Nada de mais, apenas uma brincadeirinha dos marotos – graças a merlin eu sei meti e a beijei antes dela contestar.


Pov. Sirius Black
.
Estava sentado na escada esperando algo acontece. Esse colégio anda muito parado. Agora a Lena não me deixava mais sair com mais nenhuma outra garota gostosa. O Potter esta agora só andando com a ruiva, Aluado continua um CDF e Rabicho um roto comilão. 
Vou animar isso aqui. Por que eu sou Sirius Gostoso Black. 
.
.
.
Pov. Marlene Mckinnon

- Lenazinha larga o Black – comentou aquela voz tão conhecida – Você não nasceu para ficar com um perdedor

- Então o que você sugere? - debochei

- Eu – falou saindo do escuro e me abraçando por trás 

- O que você conseguiu entrar aqui Malfoy? - perguntei. Porque o Sirius não parece quando preciso dele

- Meus pais mandam nesse colégio querida – falou beijando meu pescoço – Vamos para uma sala vazia?

- Não Malfoy – larguei do abraço – ACABOU – sai de lá quase correndo. Meu passado não pode atrapalhar agora. Estava tudo perfeito. Eu e o meu maroto, nada de Malfoy.

- Lena isso não é o fim – falou e fingi não escutar. Droga


Pov. Remo Lupin

Eu ria alto das trapalhadas daquela garota. A cada mudança de humor, seus cabelos mudavam. Alegre ficavam rosa, envergonhada vermelhos, animada azul, triste pretos, esperança se transformava em um tom verde. Seu sorriso era lindo. A menininha mais linda que ele já tinha visto.

- REMO – berrou uma voz, atraindo a minha atenção e da Tonks que estávamos sentados no meio do corredor. 

- Oi Max – falei sorrindo, percebi que o cabelo da Tonks se tornou marrom – Como vai? 

- Bem, estava te procurando – sorriu e andou até nós, ignorando a menininha – Vamos dar uma volta no lago?

- Nós estamos conversando agora, caso você ainda não reparou – debochou a Tonks

- Porque não vamos nós três? - Max fechou a cara e Tonks abriu um belo sorriso – Vamos?

Levantei-me e fui seguida pelas duas, cada um com puxando um assunto diferente.


Pov. Sirius Black

Estava sentando esperando o show começar. Falta 10 segundos para o colégio literalmente tremer. 

10 .. Escutei os primeiros berros

9 .. Explodiu os banheiros

8 .. Começou a chover doces

7 .. Todos os sonsarianos passaram desesperados com as caras igual a cobra, o que eles são de verdade.

6 .. As roupas das garotas gostosas do colégio desaparecendo e ficando apenas de roupa intima

5 .. Bebidas e comidas apareceram por todo salão principal

4 .. A música começou a tocar

3 .. Os professores apareceram todos usando roupas de praia, o professor Dumbledore ficou a visão do inferno de sunga de varinhas

2 .. Stripper apareceram

1 .. Explodiram todas as salas de aula, ou seja, sem aulas por um bom tempo

E a festa vai começar.


 


Pov. Lílian Evans

- Então Becks você sabe lidar com crianças?

- Sim Lily, amo crianças e segundo a professora eu cuidaria eles durante o dia e você apenas a noite

- Isso mesmo, então deixa eu apresentar Hannah e o Harry, eles são muito marotos

- Sem problemas – sorriu – Tchauzinho

Coitada nem sabe o que esta se metendo. 
.
.
Pov. Rebecca Lynx Stolf (Becks) 

- Oi fofinhos - falei apertando suas bochechas. A menina sorriu, mas o garoto mordeu o meu dedo - AAI

Acho que eu vou querer demissão, mas cedo que pensava


Pov. James Potter
.
“ Jamizito meu amor, me encontre as 23h na torre de astronomia. Beijinhos em todas as partes desse corpo perfeito”.

E agora? Vou fazer o que? Se eu for posso acabar com essa palhaçada, mas se for a Lily me mata. 

- James? - exclamou uma voz

- Oi Lena – falei sorrindo falso e escondendo o bilhete – Tudo bem?

- Tudo sim, como eu faço para me livrar de um homem? - perguntou

- Sirius? 

- Não – suspirou – outro 

- AAH então faz issoo..





Capitulo enorme e inteirinho. Viu eu sou bozinha as vezes. Até o proximo post. 

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 0

Nenhum comentário para este capítulo!

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.