FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

ATENÇÃO: Esta fic pode conter linguagem e conteúdo inapropriados para menores de idade então o leitor está concordando com os termos descritos.

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

5. Arrependimentos e Promessas


Fic: Os Sete Desafios


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________


Harry dava pequenos selinhos nos lábios de Hermione antes de afastar seu rosto lentamente, tinha os olhos fechados e respiração descompassada, mas ainda sustentava um pequeno sorriso em seus lábios. Agora com a testa encostada contra a dela, sentia o coração tão aquecido, preenchido de um sentimento novo, revigorante, capaz de redobrar suas energias, de fazê-lo sentir-se vivo, principalmente porque ela retribuía cada um dos seus beijos com a mesma paixão e isso o deixava em êxtase.


-Ah Harry...


Murmurou a grifinória quando Harry, com uma afabilidade que desconhecia, Harry deslizou as mãos da face delicada da garota até alcançar sua mão direita, estava tão gelada e vacilante que o moreno a segurou entre as suas numa tentativa de aquecê-la e transmitir segurança. Harry sabia que ela precisava disso, sentir-se segura, e tentava demonstrar à Hermione que não havia motivos para medo ou dúvidas, afinal era ele que a tinha nos braços e não permitiria que nada de mal a acontecesse.


Era o seu melhor amigo, seu companheiro de casa, seu confidente, seu defensor, aquele que faria qualquer coisa para vê-la sorrir, aquele que a tirava da biblioteca para embarcar nas suas travessuras, ou arrancaria um livro de suas mãos só para deixá-la irritada e prestar mais atenção nele, era apenas o Harry que ela salvara a pele e aconselhava incansavelmente tantas vezes desde o primeiro ano.


Concentrando-se na mãozinha de Hermione, o moreno percebeu como sua pele era macia e suave, era tão pequena e delicada para alguém que andava de um lado a outro carregando inúmeros livros, tinteiros e pergaminhos pesados. Lentamente, ainda fechando os olhos, levou a mãozinha até seus lábios, beijando-a com imensa ternura antes de guiá-la até seu peito.


Queria que ela sentisse a explosão que causara em seu coração. Seus olhos abriram para admirar a imagem da sua melhor amiga neste momento. A grifinória também não estava muito diferente do moreno, fechava os olhos com força tinha o rosto completamente corado e ofegava bastante.


As coisas ainda pareciam girar ao seu redor, os pensamentos incoerentes e as inúmeras perguntas continuavam sem respostas, as pernas tremiam ao recordar dos últimos beijos, a forma como ele acariciava seu rosto e o brilho em seus olhos verdes que a faziam literalmente derreter, graças a Mérlin, Harry a segurava em seus braços.


Seus olhos castanhos ampliaram-se em surpresa ao sentir o coração de Harry bater tão acelerado ou mais que seu próprio, Hermione mordeu o lábio inferior num suspiro, antes de encarar aqueles olhos verdes que a encantavam.


-Mione... eu...


O moreno começa, hesitante, nunca fora bom com as palavras, não sabia se expressar e não sabia como agir, apenas sabia que tinha que falar para Hermione o que sentia, que ela precisava sentir o quão valiosa era em sua vida, especialmente agora que Voldemort estava cercando-o e arrancando qualquer vestígio de alegria e segurança da sua vida.


-Hermione? Hermione você está aí???


Uma voz ecoava insistente ao final do corredor fazendo os dois separarem-se bruscamente virando os rostos para o dono da voz.


-Hermione?


Questionou novamente.


-Jason?


A morena pisca algumas vezes retomando o controle sob sua mente, ela afasta-se mais de Harry desencostando-se da parede, mas não teve chance de perceber a expressão assassina de Harry ao encarar o Lufa-Lufa.


-Hermione eu... Hey, Potter!!! Espero não estar atrapalhando!


Diz o garoto com uma voz de falsa culpa que deixou o grifinório mais furioso ainda. O que raios aquele lufa-lufa imbecil queria com a SUA Hermione agora? Justamente agora??? Já não havia deixado bem claro que ela estava com ele quando saíram da sala juntos????


-Jason eu estava conversando com o Ha...


Hermione agora completamente vermelha começa a falar rapidamente, porém Harry a interrompe segurando sua cintura possessivamente, sem desviar os olhos de Jason.


-Estávamos muito ocupados agora... Stuarts!!! Agradeceria se nos deixasse em paz!!!


Diz Harry ameaçadoramente cerrando os olhos para Jason que não pareceu se intimidar, dando alguns passos à frente se aproximando do casal.


-Eu apenas vim avisar à Hermione que a professora já chegou e temos menos de dois minutos para estar na classe! Somos monitores-chefe e temos que dar o exemplo!


Diz seriamente Jason encarando Harry, Hermione podia sentir a tensão no ar ser tão palpável que poderia se cortar com uma faca. A morena movia os olhos freneticamente entre Harry e Jason pensando qual seria a melhor alternativa para evitar um confronto entre os dois.


-Er...Jason tem razão... Harry eu realmente preciso ir!


Diz Hermione fazendo o moreno encará-la incrédulo. Ela estava escolhendo Jason à ele? O lufa-lufa não conseguia esconder um sorriso vitorioso diante da atitude de Hermione.


-Vou pedir dispensa desta aula para a professora Vector, posso fazer um relatório completo da disciplina até a próxima semana se for preciso, mas, Harry, nós precisamos terminar esta conversa!


Diz a monitora corando ainda mais, porém com determinação, encarando os olhos esmeralda e recebendo um olhar de descrença de Jason e um suspiro aliviado do moreno que segurou a mão de Hermione acompanhando-a até sua classe.


..............................................Grifinória..............................................


Rony estava pálido, estático, com olhos esbugalhados e com o queixo caído, praticamente petrificado. Qualquer aluno que o encontrasse desta forma acreditaria que fora vítima de um beijo de dementador tamanha a expressão de choque.


-Senhor Weasley? Está se sentindo bem?


Questionava a enfermeira diante da reação do ruivo.


-MAS QUE DIABOS A GINNY FOI FAZER COM UM MALFOY SOZINHA NA BIBLIOTECA???


Bradava furioso Ron quase derrubando madame Pomfrey da sua cadeira tamanho o susto.


-Senhor Weasley!!! Estamos em uma enfermaria, ou fica em silêncio ou retire-se!!!


Repreende a enfermeira com uma mão sobre o coração enquanto arfava pesadamente.


-Desculpas madame Pomfrey, mas... mas, é absurdo isso!!! Ginny ainda é uma criança indefesa e aquela doninha desgraçada deve ter feito alguma coisa para envolvê-la nisso!!!


Defende-se Ron agora de pé andando impaciente de um lado a outro.


-Recomendo que acalme-se, afinal a única pessoa que pode confirmar isso está no leito ao lado sob sono profundo!!! Enquanto madame Pince não acordar não podemos culpar o Malfoy de nada!!!


Aconselha a enfermeira com rigidez, voltando para sua sala para fazer algumas poções, deixando o ruivo intrigado. O grifinório aproxima-se do leito da madame Pince e levanta uma sobrancelha ao notar a expressão de pavor ainda estampado no rosto da bibliotecária, não acreditava que a mulher ficara assim por causa de alguns volumes de livros ao chão.


-Fanática!!! Tomara que a Mione não tenha a mesma reação quando encontrar tantos livros em ruínas!!!


Diz o ruivo balançando a cabeça negativamente e voltando seu olhar para onde estava Luna. Com um suspiro resignado o ruivo segue até a corvinal e segura sua mão ao sentar-se na beirada da cama.


-E você? Como reagiria ao ver uma biblioteca como a de Hogwarts destruída, corvinal?


Pergunta acariciando inconscientemente a mão da loirinha que vira o rosto na direção do Weasley. Ela parecia tão indefesa, e mesmo ele sentiu-se um idiota por chamá-la de lunática ou looney – a solitária. Poderia até ser comparado ao Malfoy, quando chamava seus irmãos de pobretões, sem teto.


Sentiu a raiva fluir em suas veias, sentiu o rosto ficar vermelho e suas orelhas esquentarem, ninguém merecia ser comparado ao Malfoy.


-Vou descobrir quem fez isso! E eu vou fazê-lo pagar, prometo a você! E quando um Weasley faz uma promessa, ele vai até o fim!!!


..................................................Hermione Granger.....................................................


Draco, se encontrava com cara de pouquíssimos amigos, nada além do habitual para seus colegas de sala, os olhos cinzentos vidrados na lousa até então intocada, pois o professor ainda estava focado na leitura do livro de feitiços raros do século XV, os cotovelos rijos sobre a mesa e queixo apoiado frente às mãos numa postura elegantemente calculada de pura concentração, o loiro parecia inabalável e inatingível, e na opinião de muitas meninas, muito sexy.


Ao seu lado seu lado esquerdo estava a morena Pansy Parkinson, com os cabelos negros graciosamente curtos emoldurando seu rosto pálido, qualquer um que a visse diria que era uma imagem angelical, mas estariam seriamente enganados. Pansy deixava os lábios excessivamente vermelhos e estava mordiscando nervosamente a ponta da sua pena enquanto fingia ler algo em seu livro, seu pé batia no chão ritmicamente demonstrando ansiedade, de vez em quando desviava os olhos para sorrateiramente espiar a expressão indiferente do loiro.


E ao lado direito do Malfoy, estava nada mais nada menos que seu único “amigo”... Blaise Zabini. Este último fitava o colega de casa com o canto dos olhos em desconfiança. Poucos sonserinos seriam capazes de interpretar alguma falha no comportamento snobe do príncipe da Sonserina. Mas, Zabini era observador demais, sabia demais e aquele comportamento apenas mostrava o quanto o loiro estava tentando esconder sua ira.


Silenciosamente um pedaço de pergaminho surgiu na mesa do monitor-chefe, que imediatamente desviou os olhos para o pedaço de papel.


“Não que eu aprecie sua falta humor matinal, mas esta sua cara está pior que a do Snape em dia de entrega de notas”


Com uma sobrancelha levantada com um toque de ironia com o comentário do amigo.


“Realmente Zabini, você não aprecia e isso não o interessa!”


Responde Draco voltando sua atenção ao quadro vazio com impassibilidade.


“Hey, vamos com calma Malfoy, está me confundindo com algum Weasel?”


Os olhos de Draco fecharam-se em fendas ao terminar de ler.


“Weasel o inferno! Vai cuidar da sua vida Zabini e pára de falar naquele clã de cabeças de fogo adoradores de Potter!!!”


Responde o sonserino para o amigo que levanta uma sobrancelha em descrença, finalmente havia encontrado o motivo, e com um sorriso malicioso, Blaise envia a ultima mensagem à Draco.


“Não que esteja a me intrometer, mas seu mau-humor atende pelo nome de Ginny Weasley??? Se tiver certo acho bom olhar para a porta da sala!!!”


Draco perdeu toda a cor, desviou o olhar do pergaminho e voltou-o para a porta de entrada, mas ficou surpreso ao não encontrar ninguém apenas ouviu seu amigo Zabini abafar uma risada cínica. Furioso, o Malfoy amassou o pergaminho entre os dedos com força e trincando os dentes sussurra.


-Você vai pagar Zabini...


........................................................Harry Potter.....................................................


Ginny estava a roer todas as unhas durante sua aula de História da Magia, sentada ao lado de seu amigo Colin Creevey de quem tentava copiar as anotações.


A Weasley encontrava-se completamente distraída, absorta em seus pensamentos. Toda a raiva que o Malfoy lhe provocara a fez explodir e mentir descaradamente para a professora McGonagall e agora sentia-se profundamente culpada.


Sabia que hora ou outra a verdade viria à tona. Fechou os olhos um instante na tentativa de imaginar como reagiriam seus amigos...


“-Eu não acredito nisso!!! Como teve coragem? É tão sonserina quantos eles!!!


Acusa Ron virando o rosto para a irmã.


-Você mentiu!


Repreende Hermione.


-Eu acreditei em você Ginny, quando aquele maldito Malfoy falava a verdade pela primeira vez!!!


Dizia profundamente irritado Harry.


-Prejudicou um aluno inocente que salvou-lhes a vida!!! Este não é o comportamento de um grifinório de verdade senhorita Weasley!!!


Acusa com profunda decepção a professora McGonagall.


-Que feio Gin...


Diz Fred balançando o rosto negativamente.


-Ele salvou você, poderia ter estuporado ele, mas mentir não!


Diz George.”


Abriu os olhos horrorizada com seus próprios pensamentos. Não que o Malfoy não merecesse uma super detenção, porque isso ele merecia, ah e merecia muito, merecia em dobro, merecia multiplicadamente mil detenções na Floresta Proibida por cada idiotice que saísse daquela boca arrogante de garoto mimado.


Mas desta vez ele a salvou, ela tinha plantado a confusão na biblioteca na ansiedade de pegar seu diário de volta, esquecendo-se de lançar o feitiço de forma mais especificada ao seu diário.


Pelas barbas de Mérlin, ela estaria em sérios riscos de vida se ele não a tivesse encontrado. Agora toda a escola estaria pensando o pior dele, especialmente Rony e os gêmeos... e para completar sua desgraça matinal... esquecera o diário no meio da confusão.


“que bela confusão você se colocou Ginny”


Pensou a ruivinha batendo a cabeça na carteira e choramingando entre gemidos abafados.


-Ginny... você tá bem?


Questiona Colin a fitando preocupado, a ruiva vira o rosto para o lado sem tirá-lo da mesa e com os cabelos caídos sobre a face responde fracamente:


-Eu queria um vira-tempo!!!


Diz antes de gemer frustrada voltando a bater a cabeça na carteira novamente diante de um Colin confuso e brevemente assustado.


........................................................Ronald Weasley.....................................................


Harry arrastou Hermione pelos corredores até chegarem ao salão comunal da Grifinória, que neste horário da manhã encontrava-se vazio. Os dois sentaram-se no sofá diante da lareira, um frente ao outro, cruzando olhares intensos e cheios de expectativas.


Harry segurava com força a mão de Hermione entre as suas, respirando pesadamente e com o coração acelerado, ela mordeu o lábio inferior contendo o desejo de encher o amigo de perguntas e ele usou todo seu autocontrole para não beijar a morena e esquecer completamente todo o tormento que o perseguia desde o início das férias até a breve reunião com o diretor da escola.


Harry conseguia ver nos olhos castanhos da monitora-chefe, milhares de perguntas sendo formuladas, ele sabia do esforço que a amiga estava a fazer para não colocar todas suas dúvidas em cheque. Cobrando-lhes respostas para cada uma delas e antes que Hermione começasse a interrogá-lo, o moreno dá fim aos longos minutos de silêncio determinado a revelar tudo à sua melhor amiga.


-Hermione o que aconteceu foi terrível...


Harry pára de falar rapidamente ao notar os olhos e a boca de Hermione ampliarem-se exageradamente em choque.


-NÃO! Mione não é o que você tá pensando... Não estou me referindo a... aos nossos... beijos... eles foram incríveis... Estou falando de... o que eu queria dizer... arg!!!


Harry mexe-se impaciente tirando os óculos massageando as têmporas com força na tentativa de clarear os pensamentos, estava mais vermelho que um Weasley e suas palavras saíam mais confusas que nunca.


-Harry! Não é preciso ficar nervoso, eu sei que deve ser algo muito importante para te deixar assim! Não tem que se sentir forçado a me contar nada, eu respeito seu direito de ficar em silêncio e temos todo o tempo do mundo para falar sobre isso!


Interrompe Hermione em um tom de voz quase maternal diante da reação inquieta do garoto, mesmo que também estivesse corando em vários tons de rosa, Hermione volta-se para ele com um olhar carinhoso, apertando sua mão, mas Harry retoma a postura determinada e começa a falar.


-Hermione, eu quero contar tudo a você, mas o que eu disser aqui não pode ser revelado a ninguém, nem mesmo ao Rony! Ok?


Diz o moreno com seriedade. Ganhando um aceno positivo da grifinória o incentivando a continuar.


-Esta manhã o professor Dumbledore me chamou para uma reunião sobre assuntos que segundo ele só interessavam a mim... disse para ir sozinho e não contar a ninguém mais sobre seu chamado!


O grifinório respira fundo antes de retomar a explicação, tentava encontrar cada acontecimento daquele início de manhã com detalhes para dividir com a sua amiga.


-De inicio eu achei meio estranho, mas o que nesses cinco anos que descobri ser o “menino que sobreviveu” foi “normal”??? Eu passei a maior parte do tempo imaginando que seria mais alguma notícia de Voldemort, sobre a marca negra ou ameaça quando...


O moreno diz com sarcasmo, mas quando Hermione balançou o rosto negativamente, ele desviou os olhos para a lareira como se meditasse antes de prosseguir.


-Quando o que ele tinha a me dizer... era que, na noite passada a marca negra pairou sob a rua dos Alfeneiros... Aquele monstro desgraçado conseguiu atravessar as fronteiras da barreira mágica que protegia a casa dos Dusleys!!!


Os olhos de Hermione ampliam-se em choque e a morena leva uma mão à boca. Como seria possível? Como Voldemort infringiu as barreiras mágicas reforçadas pela ligação de sangue de Lily e Petúnia Dusley? A expressão de Harry era ilegível.


-É Mione, Voldemort está ficando cada dia mais forte e está esfregando isso na cara de toda comunidade bruxa matando a única “representação” de família do menino que sobreviveu!!!


Diz Harry com ironia forçada levantando-se bruscamente do sofá e aproximando-se da lareira socando a borda com uma das mãos com tanta força que sentiu os dedos formigarem em choque, ele permaneceu de costas para Hermione, não desejava que ela o visse com olhos rasos de lágrimas.


-Harry... eu... eu sinto muito!


Diz a grifinória ainda em choque, mas aproximando-se do amigo colocando uma mão em seu ombro reconfortando-o.


-Não Mione, eu não deveria estar de luto por aqueles que dedicaram tantos anos a tornar minha existência um lixo, que me maltratavam, humilhavam, torturavam, mentiam para mim, que nunca demonstraram qualquer carinho, pena, nem mesmo restos de amor... eles ... eles tinham nojo de mim...


Harry agora gritava desviando o ombro da mão de Hermione andando a passos circulares no salão até a grifinória o interceptar obrigando-o a encará-la. Harry olhava nos olhos dela com mágoa. Ele mais uma vez explodia diante da garota que apenas respirou fundo e continuou ao seu lado em retribuição.


-Harry, não é errado sentir-se assim!


Diz a morena com ternura ao que o moreno irrita-se ainda mais.


-Não Hermione, eles não mereciam!!! Eles não gostavam de magia, odiavam meus pais e agora... eles morreram, pelas mãos do mesmo assassino dos Potters!


Diz o garoto com a voz embargada e com o rosto vermelho. Hermione abraçou o moreno com força, Harry enterrou o rosto nos cabelos de Hermione tentando acalmar aqueles sentimentos de revolta.


-Eles não mereciam alguém tão maravilhoso como você nas vidas deles Harry, mas sentir-se triste apenas prova que ao contrário deles... você tem um coração! Um coração cheio de coragem, de força e de amor, do amor mais puro de todos!!!


Responde Harmione levando as mãos ao rosto do moreno olhando-o nos olhos com amor antes de tocar os lábios de Harry com os seus num beijo casto. Harry apertou a cintura da garota a envolvendo em seus braços aprofundando o beijo. Os dois afastaram-se ofegantes e ainda abraçados, Harry encostou sua testa à dela.


-Não quero chorar a morte dos Dusleys!!! Não quero ser o próximo alvo de Voldemort! Não quero ser a droga de herói do mundo bruxo!!! Eu trocaria tudo Hermione, tudo mesmo para ter meus pais comigo, para ser apenas Harry!!!


A morena ouvia tudo com o coração apertado, imaginando o quanto Harry estava sofrendo.


-Vai ficar tudo bem Harry!


Ela diz docemente.


-Espero que sim Mione! Depois da profecia e de todos esses pesadelos eu...


-Shhh... Vamos resolver cada um desses problemas depois, agora me deixa cuidar de você Harry!


Hermione diz colocando o dedo sobre os lábios do moreno que fecha os olhos saboreando a sensação de ter a grifinória tão perto.


-Obrigado por estar aqui Mione!


Sussurra antes de beijá-la novamente.


.............................................Hogwarts................................................


Demoreiiii, mas tenho um capítulo enooorme pra vocês!!! XD


Estão gostando da fic??? Dos momentinhos HHr??? Da confusão entre a Ginny e o Draco??? E a reação do Rony??? Quem será que machucou a Luna??? Quem deu o super beijo na Ginny no primeiro capítulo??? Que segredo Pansy está escondendo de Draco??? Jason vai deixar Harry e Hermione em paz???


Comenteeeeemmmm!!! =D


Próximo capítulo será mega emocionanteee!!!

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 0

Nenhum comentário para este capítulo!

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.