FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

5. Juntos na Floresta Proibida


Fic: A Bela e a Fera - contos para bruxos


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

Lúcius Malfoy estava furioso, reuniu todos os seus cavaleiros após a busca pelo elfo que amaldiçoou seu filho. Estava impaciente, para ele o misterioso ataque era como uma afronta a autoridade da família Malfoy no condado, um desrespeito à realeza, um ato de hostilidade contra um puro sangue que deveria ser punido com derramamento de sangue.



Pontos de guarnição estavam apostos nas fronteiras de seu palácio, diante das torres leste via-se um verdadeiro mar composto por um impressionante exército de homens trajando armaduras de aço e bronze com o símbolo da Sonserina, a serpente de olhos vermelhos.



Cavaleiros de todos os níveis, dos mais fatais aos temíveis iniciantes, agora estavam vulneráveis à vontade do ambicioso rei. Eram inúmeros arqueiros, escudeiros, generais, cavaleiros em suas montarias e os melhores espadachins em formação, nenhum deles ousava dar um passo em falso, não vacilavam, até a respiração de cada um era comedida. A tensão no ar era tão palpável que poderia ser cortar com uma lâmina de espada.



-Esta é a capacidade do prestigioso exército da Serpente Sonserina?



Ele inicia com uma falsa tranqüilidade, com o que seus aliados chamavam de “calmaria que antecede à tempestade” tinha o rosto em altivez e segurava severamente as rédeas de seu corcel, lançando um olhar congelante aos seus soldados.



Montado em seu imponente corcel branco, Magnus, fruto de um unicórnio com uma de suas éguas reais, trajava sua armadura de honra coberta por um manto de veludo negro e em sua cabeça observava-se a coroa de esmeraldas onde duas serpentes cruzavam-se formando a circunferência em ouro maciço entalhada por inúmera runas de proteção. Ele estava preparado para um verdadeira guerra e todos os homens temiam uma onda de punições em massa.



-A ignorância de vocês mancha a imagem do reino mais temido entre todos os condados!!!



Vociferava, jogando o manto para trás e arrancando uma espada dourada do seu cinturão. Uma explosão de magia das trevas podia ser percebida pelos cavaleiros reais, emanando do Patriarca Malfoy, o homem possuía um semblante inominável, os olhos frios e lábios apertados não deixava perceber a maldição silenciosa que fazia, quando todas as atenções voltaram-se para um raio verde brilhante que escapou da lâmina da espada de ouro lançando um corpo inerte contra a muralha que cercava as terras do palácio. Fora uma maldição da morte em um dos primeiros cavaleiros e formação.



-Não os enviei para retornarem de mãos vazias!!! São mais de mil homens contra um mísero elfo doméstico... eu sinto vergonha de vocês!!!



Ele grita furioso lançando maldições pós maldições em seus cavaleiros que como estivessem sob efeito de um encanto de imperius não ousavam mover-se daquele local, mesmo correndo o risco de perderem a própria vida.



Horas mais tarde, o rei estava ofegando e sentia a magia deixando seu corpo, esgotara-se no castigo aos seus cavaleiros, porém recusava-se a aceitar a fuga do maldito elfo. Havia derrubado e torturado quase cem homens ao anoitecer, mas fora a notícia que um dos seus escravos trouxe que o tirou completamente insano.



-Majestade, o príncipe... o príncipe Draco fugiu!!!



O pobre criado ofegava, estava desesperado, procurara por cada recanto do sombrio palácio real e não encontrara sinal algum do futuro rei. A expressão de Lúcius não poderia ser contada em palavras, todos os seus cavaleiros jamais iriam esquecer como um denso escudo negro formara-se ao redor do rei e explodira jogando todos em um raio de três metros de distância pelos ares.



-MALDITO SEJA!!!



Bradava seguindo para os portões do palácio.



-Quero todos os generais... Zabini comandará o segundo grupo!



Anunciava levantando a espada e dividindo as direções que cada general deveria seguir, mas um murmúrio assustado tomou os cavaleiros... Lúcius estreitou os olhos... onde estava Blaise Zabini?



--------------------------------------------------------------------------------------------------



Escurecia e tudo parecia triplamente mais assustador no interior da floresta proibida, era frio, úmido, sombrio e o pouco que enxergava era obra dos frágeis raios da luz do pôr-do-sol entre as cada vez mais densas folhas das arvores que encontravam-se no caminho.



Ofegando de ansiedade e medo, Ginny segura com mais força os braços do Sonserino apertando a cela com as pernas. Ele conduzia sua montaria numa velocidade surpreendente, como raios ele poderia enxergar por onde seguiam naquele breu? Se não tomasse cuidado poderiam cair num precipício, tropeçar numa raiz exposta, bater contra uma daquelas milhares de arvores grotescas... pelos céus ele sabia para onde estavam indo?



No exato instante que esta pergunta lhe surgiu na mente, o príncipe parou tão bruscamente que a ruiva teve de se segurar mais forte contra ele para não ser arremessada longe. Sem qualquer cerimônia o loiro desce de cavalo a puxando consigo.



-Espere!



Ele ordena sem se quer fitá-la o que a deixou estranhamente irritada. Draco seguiu para uma arvore não muito afastada e prendeu as rédeas do seu cavalo num tronco baixo, mas grosso em comparação aos demais. Deixando sua montaria bem presa, Draco volta-se para a garota, aproximando-se a passos urgentes e ficando a poucos centímetros de distancia, o loiro ainda trajava a capa e o capuz cobria-lhes a face, mesmo assim Ginny pôde perceber a respiração descompassada do nobre.



Sob aquela escuridão, os olhos azuis metálicos de Draco examinavam minuciosamente o rosto da garota, era estranho, mas conseguia enxergar muito melhor no escuro, estreitou os olhos e contraiu os lábios ao constatar essa novidade. Seria mais um dos efeitos da maldição??? Apertou as mãos em punhos encarando a ruiva que o fitava numa mistura de curiosidade e pavor.



Mais uma vez Draco teve de admitir, ela era bela, os cabelos caindo graciosamente sobre o rosto de traços finos, esculpido delicadamente por anjos... a contemplava como a uma criatura divina, mas sentiu-a afastar quando um dos seus suspiros soaram como um rosnado animalesco.



Ginny o mirava assustada, primeiro ele a sequestrou e a levou para o interior da floresta proibida, depois de horas cavalgando desconfortavelmente, ele quase a derruba do cavalo, a ignora, logo depois se aproximava sem nada dizer e ficou por longos e assustadores minutos a fitando como se ela fosse uma aberração e agora rosnava para ela como um cão selvagem pronto a atacá-la.



Deu um passo para trás, talvez não tivesse sido uma idéia tão boa acompanhá-lo, talvez devesse ter esperado o general Zabini voltar a si... Não, não e não!!! Quebrara todas as regras, tudo fruto de sua teimosia, escutara desde sempre, “jamais confie em um sonserino...” seus irmãos repetiam como um mantra em cada uma de suas correspondências... fazer o que? Já era tarde demais estava sozinha com o trasgo inimigo, isso literalmente, sem pensar duas vezes virou-se e correu, mas a escuridão a fez tropeçar desequilibrando-se numa pequena pedrinha, a pobre ruivinha girou o corpo no ar levantando os braços como pedindo socorro e caindo de bumbum no chão.



-AAAAHHH!!!



Ela gritou ao sentir o impacto contra folhas secas e algumas raízes salientes, e para sua surpresa o sonserino abafava um riso que não demorou a tornar-se uma audível gargalhada. O loiro segurava o estomago com as mãos evitando cair, estava rindo como louco pela reação da ruivinha que agora encontrava-se indignada, com os olhos maiores que um pires e a boca ligeiramente aberta em estado de choque.



-Como tens coragem de rir??? Fizestes isto propositalmente???



Bradava furiosa levantando-se num pulo e voltando-se para ele a passos rápidos apontando-lhes o dedo à altura do rosto. Draco nada fez, continuou gargalhando até lhe faltar o ar.



-Pares de rir de mim ou vais arrepender-te!!!



Ela ordena em tom ameaçador, estava ficando vermelha de raiva, suas bochechas lá podiam se confundir com seus cabelos, os olhos brilhando em raiva, e instintivamente a garota levantou o joelho e jogou levemente a perna para trás tomando impulso antes de chutar com toda a vontade a canela do príncipe que imediatamente pára de rir agarrando a canela enquanto choramingava furioso.



-FICASTES LOUCA???



Ele bradava a encarando com ódio, jamais um homem, pior ainda, uma mulher tivera a coragem de machucá-lo assim tão... descaradamente infantil e muito, mas muito dolorida. Os olhos do príncipe estavam amplos e apesar da raiva estava surpreso com a atitude da menina.



-Eu avisei vossa majestade que iria arrepender-se de caçoar de mim!!!



Ela diz em igual tom estreitando os olhinhos aproximando mais o rosto ao dele, que agora estava mais visível sobre o capuz.



-EU sou o PRÍNCIPE da Sonserina, e posso rir de quem EU QUISER!!!



 -NÃO PODES NÃO!!!



-HÁ, POSSO SIM!!!



Responde perdendo a calma segurando a ruiva pelos ombros com força quase a tirando do chão. A expressão de Ginny evoluiu de fúria para pânico.



-Não me machuca!!!



Ela implora fechando os olhos com força. Draco parece então acordar e solta a ruiva afastando-se dela, sentindo o coração apertar. Ele estava machucando-a e nem se dera conta disso. Estava machucando a única pessoa que talvez o ajudasse a encontrar uma cura. Deu-lhes as costas e escorou-se contra uma árvore, estava ofegante e notou pelo canto dos olhos a ruivinha continuar parada na mesma posição na qual a deixara.



-Acho que esta maldição trás efeitos inesperados sobre mim...



Ele murmura tristemente e dessa vez Ginny levanta os olhos em sua direção com um semblante piedoso. Ela suspira pesadamente, o coração batia desesperado no peito e ela parecia hesitante em dar o próximo passo, o ritmo da sua respiração acelera e o som das folhas secas ao contato leve dos pés da ruivinha eram percebidos com clareza espantosa pelos sentidos do sonserino. Que criatura ele se transformara? Voltou-se diretamente para a ruiva quando esta puxou-lhe suavemente a manga de sua capa.



-Perdoe-me Majestade... Mas acredito que desta forma não conseguiremos ajudar-nos...



Os olhos brilhantes da garota procuram qualquer reação por parte dele, mas apenas escuta mais um rosnado frustrado do príncipe. Resolve então começar do zero.



-Meu nome é Ginevra Weasley!



Ela anuncia com um pequeno sorriso estendendo a mão ao loiro que a mirava curioso.



-É para apertar a minha mão...



Ela fala sem graça, apontando para a mão dela, mas o príncipe apenas voltou o olhar para a pequena mão estendida em sua direção.



-Não sejas arrogante, é deselegante recusar uma saudação, na Sonserina não apertam-se as mãos???



Esbravejava agora com as mãos na cintura batendo o pé direito no chão.



-Uma Weasley...



Ele fala entre dentes.



-O que tem meu sobrenome?



Ela questiona com uma sobrancelha levantada.



-O que diabos uma grifinória faz nas minhas terras???



Ele grita indo em sua direção ameaçadoramente a assustando.


---------------DG--------------


É Gente, o capítulo ficou muito longo por isso não coloquei a parte do Harry ainda, mas próximo capítulo é garantia da visão do Harry a respeito dessa guerra entre os reinos e a verdadeira missão da Mione no condado...


Finalmente o verdadeiro encontro DM/GW o que acharam??? Essa estadia na floresta proibida tá só começando, e as coisas vão ficar mais emocionantes depois que o rei Lúcius começar as buscas pelo filho... eu não gostaria de estar na pele do Draco.


Bem... por hoje é só pessoal XD

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 1

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Isis Brito em 13/09/2012

"O que diabos uma grifinória faz nas minhas terras???"

Ha! Amei! Não sei se fico empolgada ou se fico com medo, rsrs... 

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.