FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

ATENÇÃO: Esta fic pode conter linguagem e conteúdo inapropriados para menores de idade então o leitor está concordando com os termos descritos.

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

4. Assassina


Fic: Síndrome de Estocolmo ::Dramione::CAP NOVO ON


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

 



4.Assassina


 


"Por que aquelas palavras saíram da minha boca?”


 


Hermione Granger


 


Gina Pov


 


Ficar ali encostada a Harry, presa àquele momento era tão reconfortante. Tudo que eu queria era que essa sensação de segurança durasse para sempre.


 


Contudo como se tratava da minha vida, obviamente algo nos interromperia de ficar simplesmente apreciando a presença um do outro, enquanto observávamos a feia paisagem dos fundos daquele velho armazém.


 


Um grito de Hermione.


 


Eu e Harry nos encaramos preocupados antes de corrermos para dentro.


 


Sufoquei o meu grito de surpresa com o que se apresentou diante dos meus olhos.


 


O homem estava morto, sem as duas mãos, um de seus olhos dependurado pelo rosto. Hermione estava ajoelhada com os braços apoiando sua cabeça, a varinha esquecida ao seu lado. Malfoy a encarava pasmo.


 


- O que aconteceu aqui? - perguntei correndo até Hermione colocando as mãos em suas costas, extremamente preocupada.


 


- Ah, coelha, sabia que sairia bem na melhor parte - comentou Malfoy me encarando saindo do transe - mas sua amiga aqui fez pior, ela matou a cobaia.


 


Arregalei os olhos para Hermione, percebendo que ela chorava, em choque.


 


- Foi você que o matou? - perguntei precisando ouvir a resposta da boca da minha amiga.


 


Ela apenas assentiu com a cabeça.


 


De repente, senti a necessidade de tirar as minhas mãos de suas costas como se ela pudesse me contaminar.


 


- Para você ver, Coelha. - disse Malfoy voltando sua atenção ao homem - Só falta você.


 


Ofereci meu melhor sorriso cínico a ele, que infelizmente não chegou a ver.


 


- A culpa não foi minha.


 


Foi um choque ao perceber que aquela voz era de Mione, ela se levantara recolhendo a varinha e encarava Malfoy de forma acusadora.


 


- Por acaso eu empunhei a sua varinha e o matei? - Malfoy balançou a cabeça - Assuma, ainda que uma vez na vida, as coisas que faz.


 


Aquela frase não dizia nada para mim, porém parecia significar muito para Hermione que o encarou com ódio.


 


- Eu tive que fazer isso, era desumano obrigá-lo a continuar agonizando.


 


- Certo, então o humano seria matá-lo. - ele ironizou - Parabéns,Granger.


 


- Eu não teria que fazer nada se você não tivesse perdido o controle! - Mione gritou furiosa - Eu pedi para você parar e você me ignorou!


 


- É claro que te ignorei. Você estava tentando me impedir de fazer o meu trabalho!


 


- Seu trabalho era conseguir a verdade!


 


- Se você acredita sinceramente que o trabalho de um torturador é conseguir a verdade, então é mais ingênua que a sua amiga aí - ele disse olhando para mim e revirei os olhos cansada de ligarem aquele adjetivo a meu nome.


 


Eu não sou tão ingênua assim.


 


Eu acho.


 


- Então me diga a função de um torturador, Malfoy. Ah além de mutilar as pessoas que não te fizeram nada!


 


- Intimidação. - Malfoy disse seco - Se o que quisesse fosse a verdade, vocês simplesmente teriam que arranjar um pouco de Veritasserum ao passo que torturar é mais complicado. Precisa de alguém com o sangue-frio que vocês não tem. Algo que eu tenho.


 


- Não, precisa da mente doentia que nós não temos. - falou Hermione decidida em atingir Malfoy de algum modo.


 


- Chame do que quiser, Granger. -ele replicou aborrecido – Isso não muda o fato de que sou necessário para amedrontar os inimigos, ou você acha que Halliwell não vai ficar com medo depois de souber o que aconteceu com o comparsa dela? Ela vai ficar tão ou mais assustada que vocês mesmas ficaram ao ver aquela reportagem no jornal sobre a Skeeter.


 


Malfoy aproveitou o silencio que se seguiu para num aceno de varinha levitar o olho, agora separado do dono e colocá-lo com cuidado em uma caixa.


 


- O que vai fazer com isso? - perguntou Harry ousando se aproximar.


 


- Apenas um brinde da nossa conversa para Halliwell.


 


Ele escreveu em um pergaminho:


 


“Estamos de olho em você.” 


 


Percebendo nossos olhares reprovadores se defendeu.


 


- O que foi? Pelo menos é original!


 


- Como pode agir assim? - perguntou Hermione inconformada - Aquele homem que você acabou de matar não estava mentindo! Ele tinha família, já imaginou o que vai ser dela quando vir essa cena? - finalizou Hermione apontando para o corpo inerte do homem.


 


- Se aquele homem tinha família, isso já não é minha responsabilidade. As escolhas foram ele quem fez e elas que o levaram para esse fim. - ele falou guardando a caixa no bolso interno das vestes - Ah sim, Harry caso Voldemort tivesse mulher e filhos, isso te impediria de matá-lo?


 


- Isso é diferente, Malfoy! - falou Hermione antes que Harry pudesse esboçar uma resposta.


 


- Por quê? Os dois eram pedras no caminho. Um aviso, Granger: Nunca mais me interrompa num trabalho. Se você acha que isso foi perder o controle, é porque me conhece muito menos do que imaginei.


 


Depois dessa ameaça direta, Malfoy saiu de forma tempestuosa.


 


Hermione me encarou, porém desviei o olhar. Eu estava tão confusa.


 


Em um segundo tudo mudou. Hermione não era a mesma. De repente, ela se tornara uma assassina.


 


Como Malfoy, Harry e Zabini. Eu não estava pronta para encarar essa realidade.


 


Era como se eu estivesse sendo passada para trás, nunca esperei que Mione fosse fazer isso.


 


Eu teria que encontrar uma maneira de me acostumar. Só precisava de um tempo.


 


- Então, quem vai fazer o relatório? - perguntou Harry quebrando o estranho clima que se instalara depois da saída de Malfoy.


 


- Eu faço - Hermione anunciou secamente, guardando a varinha de voltas às vestes.


 


- Certo - assentiu Harry - vocês já podem ir, eu vou dar um jeito na bagunça que Draco fez.


 


Estranhando a sua definição de bagunça, saí do velho armazém com Mione do meu lado. Nenhuma de nós falava, eu não conseguia me lembrar um momento de maior desconforto entre nós duas.


 


A verdade estava ali, pairando a nossa frente, contudo ninguém tinha a coragem de verbalizá-la.


 


Quando saímos do bloqueio de aparatação pulando a cerca do terreno de Malfoy, ela virou-se para mim e pude ver em seus olhos e em suas palavras o quanto estava ferida.


 


- Sabe... Muito obrigada pelo apoio, Gina. Você me ajudou bastante.


 


E aparatou me deixando sozinha e com meu sentimento de culpa.


 


Draco Pov


 


Depois que saí daquele maldito armazém, imediatamente enviei o presente para Halliwell e voltei para casa, frustrado.


 


A verdade é que quando Granger matou o homem, fiquei aliviado. Pensei que a partir daquele momento, ela teria finalmente aberto os olhos e entendido realmente o quanto que teria que sacrificar pelo trabalho.


 


Não podia imaginar que segundos depois estaria me acusando das próprias ações. Passei pela porta desejando mais que tudo, um longo banho frio e meu Whisky.


 


Contudo, parece que a vida reservara outros planos para mim


 


Mal fechei a porta, senti uma movimentação pela sala.


 


Eu me virei com a varinha empunhada, em posição de ataque.


 


- Draquinho! - exclamou Pansy deitada na minha poltrona, até então favorita, completamente nua.


 


É, por essa eu não esperava.


 


- Cubra-se - mandei tentando ignorar a reação do meu corpo, que tinha outras idéias.


 


- Mas Draquinho... - ela ronronou e recolhi o seu sobretudo que estava no chão, jogando a peça para ela que recolheu, confusa.


 


Pansy vestiu-se, porém andou de forma provocante na minha direção, encostando-me na parede.


 


- O que houve com você, Draco? - ela sussurrou tentando me abraçar,  entretanto  afastei-me.


 


- Comigo? Mas que porra houve com você,Pansy? Como diabos entrou aqui?? 


 


Ela se afastou, visivelmente decepcionada.


 


- Lembra daquela vez que me emprestou a sua chave daqui quando estava viajando?


 


-Como poderia esquecer? - ironizei dando um pouco distancia dela - você insistiu tanto.


 


-Sabe como é - ela começou falando nervosa e pressenti que não ia gostar do resto da frase - Eu tirei uma cópia, achei que podia ser necessário.


 


-Para o quê? Para você entrar na minha casa sem eu saber? Você não tinha terminado comigo?


 


Ela balançou a cabeça.


 


- Mudei de ideia, Draco.


 


- Porém eu não. Sai daqui, Pan. Eu não quero estragar a nossa amizade. - falei abrindo a porta num convite bem óbvio.


 


- Você só está me tratando assim por causa daquela maldita Sangue-Ruim!


 


Senti uma raiva atingir-me sem aviso e o porquê eu não entendi, em Hogwarts sempre chamava a Granger assim. Por que agora me incomodava tanto ouvir Pansy fazendo o mesmo?


 


- Não a chame assim.


 


- Você é o último que pode me criticar, Draco. Sabe disso - ela suspirou - acho que percebendo que o quanto sua visita foi inútil – Afinal, onde ela está?


 


- No trabalho, onde pessoas vão quando tem coisas melhores a fazer do que arrombar a casa dos ex namorados.


 


Pansy me encarou mortificada entendendo a indireta, no entanto como ela era uma Parkinson, não podia deixar de lado seu orgulho.


 


- Só vou embora depois que você me devolver o meu colar!


 


Como se eu tivesse tomado dela.


 


- Ah, o que você usou como arma para me atingir?


 


- Esse mesmo - ela disse cínica e como eu não tinha mais nenhuma paciência para discutir, simplesmente recolhi a jóia da cômoda perto de mim e entreguei a Pansy, que sem um agradecimento se virou para a porta.


 


- Entretanto não se esqueça de me devolver a chave. - eu a lembrei, furiosa ela a retirou do sobretudo e me entregou de má vontade.


 


Depois disso, canalizou toda sua força e energia para bater a porta na minha cara.


 


Realmente, eu mereço.


 


 


Harry Pov


 


O fim de semana, como de costume, passou muito mais rápido do que eu pretendia.


 


Achei que seria uma boa oportunidade de organizar os pensamentos confusos em seu devido lugar, entretanto quando menos esperava a segunda feira batia a porta trazendo o tempo nublado e más notícias.


 


Para começar, nossa secretária havia se demitido misteriosamente. Ninguém tinha notícias de Celine Dalton, então a possibilidade de um seqüestro não estava descartada.


 


Feldman só faltava se atirar pela janela. Eu não queria admitir, porém o caso Halliwell estava ruindo aos poucos. Wood culpava os meus planejamentos, eu tinha certeza que o motivo de tanto problema era a presença inútil e desnecessária daquele imbecil ali.


 


Afinal, qualquer um pode fazer pesquisa. Não é preciso ser o gênio que ele tanto insiste em dizer que é.


 


Até porque se ele fosse metade inteligente do que afirma ser, já teria pensado numa maneira de nos tirar daquela situação.


 


Feldman foi até a minha mesa depois do almoço anunciando aquelas três palavras, as quais estava começando a acostumar-me.


 


- Reunião de emergência.


 


Não questionei, apenas segui para sua sala prestando atenção em Hermione.


 


Era apenas uma suposição, no entanto duvido que ela estivesse conseguindo dormir direito. Custaram-me meses para que meu sono se regulasse depois da primeira morte. Isso para não entrar na questão dos pesadelos.


 


Definitivamente, a pior parte.


 


Ela estava péssima em todos os aspectos. Era difícil ver uma pessoa como ela passando por isso, porém não havia nada que eu pudesse fazer para mudar.


 


Além disso, no final das contas, Hermione vai sobreviver assim como todos nós.


 


Acomodamo-nos nas mesas, ninguém tinha muito humor para conversar e Feldman iniciou a reunião com seu ríspido discurso.


 


-Muito bem, eu sinceramente espero que nessa reunião os senhores me provem que não estou trabalhando com um bando de incompetentes, que não conseguem nem lidar com uma psicopata em treinamento. 


 


Psicopata em treinamento? Ele realmente estava subestimando a Halliwell. Não é uma boa tática para nos incentivar, mas Feldman parece desesperado.


 


- Embora eu odeie admitir isso - começou Draco mal humorado - Halliwell é a suspeita mais inteligente até agora. Esse não é um caso exatamente fácil e não estamos lidando com uma amadora.


 


- Contudo, Sr.Malfoy, é preciso que eu lembre que os senhores tampouco são amadores, logo já era para terem finalizado o caso. Quais são as informações que juntaram até agora? - questionou Feldman num exemplo clássico de chefe exigente.


 


- Sabemos que estudou em Durmstrang, está envolvida em uma profecia e teve contato com McLaggen. - disse Wood checando seus pergaminhos - Ah, e que por algum motivo desconhecido quer matar Gina.


 


Imprestável. Até um recém-nascido podia fazer isso.


 


De repente, Gina levanta-se triunfante, surpreendendo a todos. 


 


- Tive uma ideia - anunciou e depois se dando conta do que fizera voltou ao seu lugar, completamente envergonhada.


 


-Por favor, não hesite em nos surpreender com sua sagacidade, Weasley - disse Feldman a encarando criticamente.


 


Ela não pareceu se importar com o sarcasmo de Colin.


 


- Halliwell é a assassina do meu irmão!


 


Retesei-me prevendo perigo por ela entrar naquele território arriscado.


 


- Não é. - nego muito seguro, talvez assim ela pare com esse assunto.


 


No entanto, parece que minha fala teve sentido contrário.


 


- Como pode ter tanta certeza? - Gina questionou cruzando os braços - Você disse que não viu o assassino!


 


- Não vi, mas Halliwell não estava no local.


 


Aquilo era uma meia mentira. Ou talvez, num ponto de vista menos pessimista, uma meia verdade.


 


- Correção: você não a viu no local - Wood estava mesmo demorando a entrar na discussão.


 


- Correção: É a mesma coisa, gênio - retruquei começando a me aborrecer.


 


- Então estaria supondo que viu tudo e todos no meio de uma batalha? - Wood perguntou me desafiando.


 


Antes que eu pudesse dar a resposta que eu queria, Draco interviu.


 


- Concordo com o Harry.


 


- Essa me surpreendeu - Wood ironizou.


 


Respirei fundo, tentando me controlar.


 


- Algum problema, Wood? - Draco indagou erguendo a sobrancelha.


 


- De forma alguma, Malfoy.Por favor prossiga.


 


- Halliwell não tem marca negra.


 


- Ah agora estou tranqüila - retrucou Hermione sarcástica - Malfoy, desde quando isso é prova de alguma coisa?


 


- Desde que eu fui comensal, Granger - respondeu Draco revirando os olhos.


 


- Ela não precisava ser comensal para entrar no local - Gina interpôs.


 


- Por que afinal esse tem que ser o motivo de Halliwell? - Draco disse e percebi que estava tentando me ajudar - pode ser outra coisa.


 


- Como o quê? - Gina quis saber.


 


- Você não acha muito estranho essa mulher surgir logo depois que você e Harry supostamente estariam juntos?


 


-O  quê?!Você esta querendo dizer que ela fez tudo isso só para conseguir algo com o Menino Que Sobreviveu? - Eric falou incrédulo, mas parou quando percebeu a expressão furiosa no meu rosto - Ah sem ofensas, Potter.


 


A minha vontade foi de bater naquele imbecil.


 


Contudo, eu pretendia manter meu emprego.


 


Mesmo porque, Malfoy já tinha saído para o ataque.


 


- Bom, além da fama internacional, ele derrotou o bruxo mais poderoso de todos os tempos, isso é bem mais do que posso dizer de você - falou Draco olhando para ele com desdém - Ah sem ofensas, Wood.


 


- Halliwell apareceu antes dos boatos, ela tinha algo com McLaggen, lembram? - Gina falou provavelmente tentando evitar uma discussão.


 


Wood ainda fuzilava Draco com os olhos.


 


- Verdade, tem algo que não estamos sabendo - disse Hermione preocupada.


 


- Porque estamos jogando o jogo dela. Ela dita as regras do que vamos saber - concluí.


 


- Só temos a dica sobre a profecia - lembrou Draco.


 


- Na verdade - Hermione começa como se tivesse algo importante para dizer, mas para ao trocar um olhar de compreensão com Wood, desviou-se do assunto - Harry, Gina e eu já tivemos envolvimento com uma profecia.


 


Não era isso que ela ia falar tinha certeza. Por algum motivo, ela travou por causa de Wood. Dando uma olhada na mesa, noto que apenas Gina e eu percebemos isso. Talvez por conhecer Hermione há mais tempo.


 


- Pelo que entendi apenas Harry era o envolvido, por que matar a Weasley? - Draco diz incerto.


 


Mais uma pergunta sem resposta.


 


Feldman que nos encarava com uma expressão impassível, anunciou finalmente.


 


- Liberados.


 


Gina Pov


 


Quando voltei a minha mesa, encontrei um pergaminho em cima dela. Curiosa, o abri rapidamente.


 


“Jantar, amanhã à noite.


Está proibida de negar.” 


 


Senti um sorriso gigantesco surgir no meu rosto e uma alegria sem tamanho chegar. Depois de tanto tempo, será que Harry finalmente...


 


Ah.


 


Havia uma assinatura na carta ,e eu na euforia nem me dei o trabalho de olhar.


 


"E.W."


 


Droga.


 


Eu gostava de Eric. Como podia ser diferente? Ele era divertido, carinhoso, sensível. Tudo que Harry não tem sido nos últimos tempos.


 


E ainda assim, não era por Eric que estava ansiosa para sair.


 


Contudo, foi ele quem fizera o convite. Era ele quem esperava a resposta.


 


Dei uma espiada esquiva na mesa de Harry onde o dono estava sentado revisando uma série de planejamentos. Por tanto tempo quis me convencer que um dia ele voltaria a ser o mesmo, ou que pelo menos voltaria para mim.


 


Agora me encontrava sem argumentos.


 


Ele teve sua chance. Aliás,teve suas milhares de chances e se não aproveitou era porque obviamente não estava interessado.


 


Harry tinha seguido em frente. Estava mais do que na hora de eu fazer o mesmo. Peguei uma pena rabisquei uma resposta.


 


“Por que eu negaria?


Que horas você me pega?


G.W.” 


 


Tentando me convencer que aquilo não era um erro, andei em direção ao banheiro deixando discretamente o pedaço de pergaminho em cima da mesa de Eric, que me encarou surpreso.


 


Não esperei para ver sua reação e entrei no banheiro, onde encontrei Hermione andando de um lado para o outro.


 


Estava mais arrumada que normalmente, com um vestido verde que não chegava aos joelhos e acentuava a sua silhueta esbelta. Nos cabelos, uma mecha estava presa com uma bonita presilha, enquanto o restante caía em cascata pelas costas. No rosto, um pouco de maquiagem ressaltava seus olhos.


 


- Nossa, essa produção toda é para o Malfoy? - falei sorrindo divertida e ela me encarou séria pelo reflexo do espelho.


 


- Claro que não, vou sair com o Vítor. Ele acha que é só um encontro - ela contou com um muxoxo.


 


Aquilo me lembrou o que vi naquele mesmo dia mais cedo havia ido a mesa de Hermione quando ela ainda não tinha chegado.


 


Fechei a cara lembrando de sua mentira.


 


- Não tenho a menor ideia do que fazer quando chegar lá - ela confessou nervosa.


 


- Por que não mente? Você é boa nisso - eu a aconselhei sarcasticamente enquanto checava a minha imagem no espelho.


 


- Certo, em situações normais eu ignoraria isso, até porque ainda estou chateada com você por causa de sexta- recolhi-me percebendo que nesse ponto estava certa e ela continuou - Mas como estou surtando, vou perguntar:qual o seu problema?


 


- Eu já sei que mentiu para mim quando disse que estava com o Krum sexta retrasada - anunciei assistindo seu rosto ficar lívido.


 


- Eu vou matar o Malfoy - ela disse balançando a cabeça - Escuta,Gina,eu..


 


- Espera aí, até o Malfoy sabia disso e eu não?


 


Hermione percebendo que tinha se entregado, tentou consertar.


 


- Hã na verdade, não tive escolha. É complicado.


 


- Tão complicado quanto o assunto secreto que você e Eric têm juntos que te impediu hoje de falar algo sobre a profecia? - pela expressão em seu rosto, tive a minha resposta - é, foi o que pensei.


 


- Estou de mãos atadas, confie em mim, Gina! 


 


- Como vou confiar se você não me conta nada?


 


- Da mesma forma que eu confio em você, mesmo que não me dê apoio quando eu preciso!


 


- Eu estava confusa.


 


- É?! então imagina eu. Precisava de uma amiga e você não estava lá.


 


- Não fique aí me acusando como se a culpa fosse minha, você mentiu para mim primeiro! - retruquei com raiva.


 


- Não foi por isso que você não me apoiou na missão, né? Foi por egoísmo mesmo - Hermione disse me encarando decepcionada.


 


Eu nunca sei como lidar quando as pessoas estão chateadas comigo, eu sei que devia ter falado algo, no entanto Hermione saiu bruscamente e como sou uma péssima amiga, não a segui.


 


 


Draco Pov


 


Granger saiu furiosa do banheiro, o que quer que tenha acontecido lá a deixou assim. Ela estava tão transtornada que nem percebeu que eu comecei a segui-la.


 


Estava curioso para onde ela ia daquele jeito. Granger podia ser irritante e birrenta, mas era inegavelmente gostosa.


 


Talvez todo esforço feito em deixar claro que nunca seria minha, possa ser a explicação dessa fissura.


 


Certo, agora estou parecendo um obcecado pervertido.


 


Entretanto, desde aquele beijo tenho perdido o sono por causa da Granger. Imaginado coisas que faria com ela, as quais ela ficaria escandalizada caso descobrisse.


 


Perceber que ela devia estar se encontrando com outro despertou um sentimento de posse que nem sabia existir. Como se eu tivesse que reivindicar um prêmio que afinal não era meu.


 


Porque Granger não era minha.


 


Ainda, pelo menos.


 


Ela andava apressada enquanto atraía olhares masculinos pelas movimentadas ruas de Londres, eu reprimi a vontade de socá-los. Essa atitude provavelmente revelaria minha posição.


 


Quando Granger entrou num discreto café trouxa, finalmente pude conhecer a identidade do meu concorrente.


 


Vítor Krum.


 


Ele parecia muito feliz em vê-la, o que já me aborreceu. Sentei-me numa cadeira não muito afastada do casal, porém que não deixasse óbvia a minha presença.


 


Com um forte déjàvu, esperei Granger se levantar para ir ao banheiro e a interceptei.


 


- Malfoy! – ela exclamou em surpresa – o que está fazendo aqui?


 


- Sabe... Eu poderia fazer a mesma pergunta, no entanto acho que o jogador búlgaro sentado ali atrás seria resposta suficiente. Você ficou maluca de vir aqui sozinha?


 


Ela revirou os olhos como se eu estivesse falando um absurdo.


 


- Estamos em público mesmo que Vítor fosse perigoso, não ia sair por aí explodindo metade do restaurante. Ele tem uma reputação a zelar.


 


- E você um trabalho para fazer – disse entregando uma Orelha Extensível a Granger que arqueou a sobrancelha, contrariada.


 


- Eu não vou usar isso – avisou categoricamente.


 


- Tenha certeza que vai, ou prefere que eu me junte a vocês?


 


Aborrecida, ela arrancou o objeto das minhas mãos, colocando em si.


 


- Satisfeito? – Granger perguntou dando as costas.


 


- Nem perto – falei para mim mesmo observando-a voltando para o lugar.


 


Depois de pedir um café e me acomodar novamente na minha cadeira com vista para o casal, me atentei nas palavras que eles trocavam.


 


- Você me contou na carta que estava trabalhando no ministério. – começou Krum.


 


- Ah sim – fala Granger e percebo pelo seu tom superficial que logo começaria a mentir – estou no Profeta Diário, não que tenha sido fácil. É um ramo competitivo.


 


- Acho que posso entender isso. No Quadribol não é diferente.


 


- Tem uma mulher que parece determinada em fazer da minha vida um inferno – ela se interrompe num falso embaraço – Mas o que estou dizendo? Não quero te fazer perder tempo com os meus problemas.


 


Granger dando uma de vítima. Quem diria.


 


- Eu nunca perderei meu tempo, se estiver com você – diz Krum e reviro os olhos, entediado.


 


- Você é muito gentil – fala Granger com um sorriso – Porém não quero mais ocupar o nosso encontro com Alyssa Halliwell.


 


Hum... Ela é boa.


 


- Halliwell, você disse? – pergunta Krum franzindo a testa.


 


- Sim, você a conhece? – questiona Granger com uma expressão tão inocente que enganaria até Voldemort, se este tivesse vivo.


 


- Estudei com ela – assentiu Krum – Garota estranha, aquela.


 


- Em que sentido? – indaga Granger preocupando-se em manter um tom de voz levemente interessado.


 


- Sempre fazendo Arte das Trevas pelos cantos, obcecada por poder e popularidade. Ah, e não largava Karkarrof.


 


Esse nome me surpreendeu e pelo visto o mesmo aconteceu com Granger que resolveu confirmar suas suspeitas.


 


- Karkarrof, o ex-Comensal? O até então Diretor?


 


- Esse mesmo. Alguns diziam que eles eram amantes, outros pai e filha, porém se esse fosse o caso, ele nunca a assumiu, pois Halliwell levaria seu sobrenome.


 


- E o que você achava?


 


Agora estava mais difícil tirar a curiosidade da voz, no entanto com sorte Krum acharia que seria proveniente da história em si.


 


- Tinha maldade demais envolvida nas fofocas por que Halliwell era muito sinistra, mesmo para os padrões de Durmstrang. Eles deviam ser apenas amigos, ela queria o poder e ele o tinha.


 


Granger parou para refletir por um tempo e se voltou para Krum, com um semblante falsamente despreocupado.


 


- Uma coisa que não entendo nisso tudo... Se Halliwell fazia Artes das Trevas com freqüência, como não acabou expulsa?


 


Eu também estava desconfiado por não conter uma linha sequer daquele comportamento que Krum acabara de narrar na ficha imaculada de Halliwell.


 


A risada de Krum me arrancou dos meus pensamentos.


 


- Ora Hermione, ninguém era sequer repreendido em Durmstrang pelo uso de Arte das Trevas. Essa prática era, aliás, encorajada.  Bom, obviamente não no caso de Halliwell. Entretanto, agora fiquei curioso, o que ela exatamente fez a você?


 


Essa era uma pergunta complicada. Qualquer passo em falso, Krum sacaria a mentira.


 


Granger olhou para trás na minha direção num pedido de ajuda bem óbvio.


 


Levantei-me preparado para a minha cena. Na cabeça, as minhas falas eram montadas na mesma velocidade que andava em direção dos dois.


 


Granger me encarou assustada. Estava na cara que não era isso que ela devia ter em mente, mas agora eu estava no comando, hora de fazer as coisas do meu jeito.


 


- Hermione, que diabos está fazendo com ele?


 


- Perdão? –perguntou Krum  atordoado.


 


- Quero saber o que está fazendo com a minha namorada. – foi difícil não começar a rir da cara que eles estavam fazendo. Granger se levantou cautelosamente.


 


- Draco... Eu posso explicar – ela começou olhando para os dois parecendo mesmo pega de surpresa.


 


- Tenho certeza que pode – falei em tom ríspido – em casa.


 


- Espere aí... – tentou Krum falar alguma coisa, porém tive que voltar ao papel.


 


- Você aí, fique calado e agradeça o fato de eu estar num excelente humor hoje. – mandei agarrando a mão de Granger e a guiando para fora do estabelecimento.


 


Assim que pisei na rua pude rir livremente da cara que Krum ainda estava fazendo lá dentro. Granger, por outro lado não estava nem de longe com o mesmo humor que eu.


 


- Por que fez isso? Eu estava me virando muito bem sozinha lá.


 


- Por que será que cada vez que vocês falam isso, eu acredito menos? – perguntei sentindo o meu bom humor evaporando.


 


- Eu não sei, Malfoy. Porém já está na hora de você aprender que sei me cuidar sozinha. Não preciso da ajuda de ninguém.


 


- Espero que não se esqueça disso quando estiver encrencada, mais uma vez, precisando da minha ajuda.


 


Sem olhar para trás, desaparatei. Fulo da vida.


 


 


Harry Pov


 


Para minha imensa frustração, nenhum carro atingiu Wood a caminho do trabalho de forma que eu tive que suportar seu jeito anormalmente presunçoso, ainda mais em destaque naquela terça-feira cinzenta.


 


- Bom dia, Potter.


 


Voltei-me para ele certo de que delirava. Ao longo do ano em que trabalhava na sessão, em nenhum dia era recebido por algum tipo de cumprimento de Wood.


 


- Bom dia – resmunguei sentindo minha testa se enrugar.


 


Havia algo de muito suspeito em Wood tão feliz. Ele não costumava ser uma pessoa animada.


 


Contudo, naquele dia havia certa aura de satisfação em volta dele tornando sua presença mais indigesta que de costume. Desviei minha atenção para meu planejamento da missão de tarde: arrombar a casa de Celine Dalton.


 


-Pelo visto, mais uma missão a caminho – comentou Wood como se fossemos amigos – arrombar a casa de uma funcionária? Não é radical demais?


 


- Claro, afinal ela pode estar de férias e ter se esquecido de nos avisar. – ironizei cinicamente, entretanto não tive a reação esperada.


 


Wood me encarou com um sorriso calmo.


 


-Sabe Potter, não vou me estressar com você, não hoje. Estou num humor muito elevado para isso.


 


Antes que eu pudesse perguntar o motivo de tanta alegria, Gina chegou apressada na sala, ofegando. Estava atrasada, de novo.


 


Ela também estava diferente. Fizera algo com o cabelo que caía com mais volume sobre as costas dando-lhe uma aparência menos comportada que de costume. As roupas estavam marcando mais seu corpo aguçando minha imaginação e meus sentidos...


 


-Estou atrasada? – ela perguntou preocupada nos encarando.


 


-Está. – respondi aborrecido. O motivo da raiva não era seu atraso, porém descontar meus problemas nela já virara um hábito difícil de ser quebrado.


 


-Tudo bem, ninguém ainda chegou.


 


Ótimo, Wood. Sempre sabotando meu poder de autoridade.


 


Ela sorriu para ele e me ignorando, acomodou-se em sua cadeira caindo em silêncio.


 


Intrigado por aquela atitude, virei-me para Wood que continuava a frente da minha mesa.


 


-Alguma coisa que eu possa fazer por você? -questionei num falso tom prestativo e ele se afastou.


 


Não demorou muito para que os outros chegassem ansiosos pela missão. Logo depois Feldman entrou trazendo a pior notícia do dia.


 


-Boa sorte na missão de hoje, senhores. Espero que essa seja mais eficiente que as realizadas até agora. Tomei a liberdade de providenciar que isso aconteça. – disse ele num monólogo - Vista seus esforços e toda a ajuda que tem fornecido ao caso, o Sr.Wood vai incorporar a equipe a partir deste...


 


- O QUÊ?!  - o meu filtro entre cérebro e boca falhou justamente naquela hora interrompendo Feldman que me encarou seriamente.


 


-Por favor, contenha o entusiasmo, Sr.Potter – ele pediu sarcasticamente – Ah, e peço que todos se esforcem para criar um ambiente saudável de trabalho.


 


É...O aviso do chefe foi bem sutil.


 


Primeiro achei que essa então fosse a razão da alegria de Wood, porém ele parecia tão surpreso quanto o resto de nós.


 


Eu já passara desse nível. A perplexidade vazava pelos meus poros, por que Wood tinha que ser escalado para a equipe de missão?


 


Certamente não pelos motivos que Feldman alegara.


 


Quero dizer, esforços? Toda a ajuda que tinha fornecido?


 


Por favor, até Duda podia fazer o seu trabalho.


 


No entanto, suponho que Colin está desesperado pela solução do caso aceitando qualquer tipo de ajuda sem questioná-la.


 


Troquei um olhar preocupado com Draco, ele também não devia achar aquela uma boa ideia.


 


Ninguém em sã consciência acharia.


 


Gina Pov


 


Foi uma boa ideia a do Feldman colocar Eric na equipe. Apesar disso, eu confesso.


 


Não gostei nada.


 


Em maior parte porque começava a questionar-me por ter aceitado sair com ele àquela noite. As pessoas me chamam de ingênua, entretanto sei exatamente o que ele está esperando nesse encontro e não tenho certeza se vou poder alcançar suas expectativas. Hoje ou em qualquer dia.


 


Além disso, não é que eu duvide da capacidade de Eric, porem não estava especialmente ansiosa para passar as horas seguintes escutando as discussões dele com Harry.


 


Como líder das missões, Harry vai encontrar em qualquer movimento de Eric um deslize para condenar, tenho certeza.  Eu conheço essa sensação e não é nada agradável.


 


Nosso grupo estava maior que nunca com Zabini e Eric presentes. Quando sairmos no início da tarde em direção a casa de Celine Dalton, esperávamos entrar numa casa com sinais de luta e móveis virados, mas antes mesmo de entrar a construção de dois andares de nossa ex-secretária parecia abandonada.


 


- Tem certeza que leu direito o endereço, Malfoy? – perguntou Mione tentando checar o pergaminho, no entanto ele o afastou de sua mão.


 


- É claro que tenho, não sou analfabeto. – retrucou entre dentes.


 


Eles provavelmente começariam uma discussão se Eric não começasse a falar.


 


- Talvez seja apenas uma fachada. – sacudiu os ombros como se aquela informação fosse óbvia – Sabe... Para se proteger de pessoas perigosas.


 


Harry não podia ficar calado.


 


- Acho que todos aqui sabemos o significado da palavra “fachada”, Wood. No entanto, obrigado por elucidá-lo.


 


- Harry. – ralhei tendo noção que tinha uma longa tarde pela frente.


 


- Está tudo bem, Gina. – Eric disse buscando-me tranquilizar – Vou relevar isso, por ora.


 


Para meu alívio, Harry avançou tocando a campainha, sem mais provocações. Passou-se um tempo e ninguém atendeu a porta. Sem escolhas, a arrombamos.


 


O interior era tão abandonado quanto desconfiávamos. Nem móveis haviam. Apenas paredes descascadas, uma escada de aparência frágil mais a frente e um pedaço de papel amassado no meio do cômodo.


 


Entramos cautelosamente e Zabini que ficara para trás fechou a porta com o cuidado de não produzir muito barulho.


 


- Podíamos usar o feitiço de localização humana. – sugeriu Eric empunhando a varinha como todos nós.


 


- Não, isso denunciaria a nossa presença. – replicou Harry num tom frio olhando atentamente o local.


 


-Não se fizesse com um feitiço não-verbal. – explicou Eric e percebi que ele estava começando a perder a paciência. 


 


Sinceramente, não podia julgá-lo. Harry estava sendo um bastardo.


 


- Não sei da onde tirou essa ideia, mas é mentira. – disse Harry erguendo a sobrancelha.


 


- É verdade sim, foi meu pai quem disse. – retrucou Eric irritado.


 


- E se o seu pai for tão idiota quanto você? – provocou Harry e Eric ia se atirar nele se eu e não me metesse no meio.


 


- HEY! – gritei com os braços abertos virando a cabeça para encarar os dois – Será que dá para vocês pararem de brigar por dois segundos?


 


- Muito obrigada. - agradeceu Hermione e nós trocamos um olhar cheio de tensão.


 


Eu não costumava falar nesse nível de voz e eles se calaram, emburrados.


 


Revirando os olhos, apanhei o pedaço de papel e senti pela textura que era uma foto. Antes de virá-la me preparei psicologicamente para ver Celine numa cena horrível de tortura ou algo do tipo, no entanto, me surpreendi. Na foto estava a ex-secretária abraçada a alguém. Estreitando os olhos reconheci a mulher ao seu lado.


 


Era Halliwell.


 


- Elas são amigas. - pensei alto.


 


- O que disse? – perguntou Harry do meu lado.


 


- Celine e Halliwell são amigas – anunciei erguendo a foto para que todos vissem. Hermione e Malfoy do outro lado do cômodo analisando algumas escritas na parede congelaram, assim como Zabini ao lado da porta.


 


A única pessoa que se moveu foi Eric que se aproximou de mim para examinar a foto mais de perto.


 


- Sabia que tinha algo de errado quando Dalton me avisou que eu tinha um trabalho na sexta depois do funeral. – comentou Zabini – afinal, Feldman tinha pedido para cancelar tudo.


 


- Alguém te esperava? – perguntou Malfoy.


 


- Não, o local estava completamente abandonado. Que nem esse, aliás. Pelo menos agora sabemos quem era o espião.


 


Aquilo fazia todo o sentido. Era por causa disso que Halliwell não esperava os meninos na missão de sexta, ela tinha apenas as informações de uma secretária.


 


-Mas tem algo errado nisso tudo aqui. – disse Eric tenso.


 


- O quê? – Harry quis saber.


 


- Por que deixariam a foto aqui? –respondeu desconfiado – Uma prova proposital? – ele parou de falar até que num sobressaltou disse – isso não é uma pista, vocês não entenderam? É uma isca, é uma armadilha!


 


Mal Eric acabou de falar, o teto se abriu caindo sobre nós separando-nos. Zabini que estava mais perto da porta foi obrigado a recuar saindo da casa, foi a última coisa que vi fazer antes da madeira e o mármore cobrir o meu campo de visão. Malfoy e Hermione, que estavam mais próximos da parede também recuaram o máximo possível para o lado do cômodo oposto ao que eu, Harry e Eric tivemos que ocupar.


 


- Mas que bom trabalho, Wood. – comentou Harry estressado e nem me dei o trabalho de ouvir a resposta grossa de Eric.


 


Olhei para a minha companhia sentindo meus ombros despencarem em desânimo.


 


Vai ser realmente uma longa tarde.


 


 


Draco Pov


 


Wood é um imbecil, muito provavelmente a armadilha se desencadeou por causa do uso da palavra. Já tinha ouvido falar desse feitiço.


 


Granger tossia encolhida na parede, o espaço que sobrou para nós era muito pequeno e só podia pedir que ela não fosse claustrofóbica.


 


- Em breve o oxigênio vai acabar. – ela avisou empunhando a varinha e eu a segurei.


 


- O que pensa que está fazendo? – perguntei achando que ela ia começar a tentar tirar os escombros do caminho, o que poderia acabar nos deixando soterrados.


 


- Fazendo o feitiço cabeça-de-bolha, Malfoy. Não sei você, mas não pretendo morrer asfixiada – ela disse e quando olhei para ela, a sua cabeça estava envolvida pelo feitiço transparente.


 


Fazendo em mim também, nada mais restou do que sentar e encostar a cabeça na parede, senti Granger se sentando do meu lado.


 


- Agora esperamos? – ela perguntou incerta.


 


- Sim, não temos mais nada a fazer. Se tentarmos afastar as pedras, outras podem acabar caindo desse lado.


 


Ela assentiu e encostou-se à parede parecendo exausta. Granger realmente precisava dormir um pouco.


 


Como se tivesse ouvido meus pensamentos, sua cabeça pendeu de lado e foi parar no meu ombro algum tempo depois. Tendo certeza que ela já dormia um sono profundo, aos poucos e para não acordá-la, a deixei ir se acomodado em meu colo enquanto observava cada detalhe do seu rosto, a cor exata de seu cabelo, o anel que ela nunca tirava de seu dedo.


 


Mantive meus olhos abertos, se algo acontecesse poderia protegê-la. Era estranho sentir essa necessidade. Talvez pelo trabalho ou talvez pela proximidade que ele impunha.


 


Eu não conseguia parar de pensar que se fosse outra garota bêbada, eu teria feito o mesmo? Não, eu não iria me aproveitar de qualquer que fosse, mas teria tanta paciência? Ou tanta vontade para repeli-la? E seria tão difícil sair de perto?


 


Provavelmente não.


 


Eram tantas perguntas sem respostas, talvez precisasse de Granger por perto para respondê-las.


 


Por enquanto, só uma coisa era certa.


 


Eu estava intrigado com Granger.


 


 


Harry Pov


 


Depois que aquele imbecil do Eric calou a boca, realmente pensei que não tinha como a minha situação piorar, o que talvez tenha sido o meu maior erro.


 


Já que descobri recentemente, não importa o quão ruim esteja sempre pode piorar. Separado do grupo e cercado da parte menos produtiva da seção, virei-me tentando me decidir se deveríamos subir ou não as escadas.


 


Dificilmente teria algo de interesse lá em cima, mas seria errado não checar. Antes que pudesse verbalizar meus pensamentos, percebi que aqueles dois conversavam animadamente sobre algo.


Prestando um pouco atenção, descobri ser de um encontro dos dois que aconteceria mais tarde.


 


Isso é, aconteceria caso eu não soubesse.


 


De jeito algum que permitiria que aquela palhaçada fosse adiante. Já foi uma grande surpresa ver Gina aceitar aquela coisa toda.


 


- Vocês sabem que nada disso vai acontecer - avisei calmamente sem me dar o trabalho de olhar para os dois.


 


- Perdão? - demandou Wood cinicamente.


 


Então esse era o motivo de alegria dele?


 


- Não fale como se precisássemos da sua permissão - retrucou Gina cruzando os braços.


 


- Você sabe que precisa - repliquei a encarando e ela devolveu o olhar por alguns segundos antes de desviar novamente.


 


- Se isso for por causa dos boatos - começou Wood ainda com aquele maldito sorriso na cara - Não se preocupe. Vamos num lugar calmo.


 


Eu quase quis rir com aquele argumento, porém meu humor não estava nos melhores dias.


 


- Não existe lugar calmo nessa cidade assim como não há lugares que as pessoas não me conheçam. - disse com plena consciência de que aquilo era óbvio.


 


-Ok. Isso é um tanto egocêntrico da sua parte. - ele comentou erguendo a sobrancelha.


 


FODA-SE. Ela não vai e pronto. O que ele não tinha entendido?


 


 - De qualquer forma, é a Gina quem decide. - Wood voltou a falar e tive que intervir antes que Gina acabasse dizendo algo que depois fosse se arrepender.


 


- Não é bem assim.


 


- O que quer dizer com isso? - ela perguntou revoltada.


 


- Que não cabe a você decidir - respondi mais rudemente do que pretendia - Os boatos servem como disfarces nas missões e não estão em votação.


 


- É da minha vida que você está falando - Gina me lembrou e olhei em expectativa para ela.


 


Tinha a certeza que ela ia dar um fim aquela idiotice.


 


Era previsível. Óbvio. Até Wood se meter.


 


-É claro que a Gina vai querer escapar do trabalho por uma noite, afinal o seu único interesse é de manter os boatos. Embora eu não veja relevância neles, asseguro que vamos num lugar discreto... A menos que não seja só trabalho.


 


Agora era Gina quem me olhava em expectativa. Eu ainda não tinha entendido como do nada a questão toda passou a se voltar contra mim.


 


Filho da mãe. Ele sabia que eu não falaria. E o que ela esperava?Agum tipo de declaração?Um pedido de casamento? Isso até podia acontecer com o Harry de antes, porém não com esse.


 


-Diferente de algumas pessoas, eu não misturo trabalho com a minha vida afetiva.


 


Ou a falta dela.


 


A verdade é que existiram muitas após a Gina. Todas casuais, interessadas pelo meu nome e pela fama. Contudo nada relevante.  Eu as usava de um modo diferente que elas me usavam. Era tudo uma troca de favores. No final, se resumia a isso.


 


Se eu sentia falta de Gina?Sim, todo dia. Porém, o direito de ficar com ela me foi arrancado naquele maldito dia.


 


- O que isso significa? - perguntou Wood indigestamente.


 


- Entenda como quiser - falei sem paciência - mas isso não vai acontecer, é uma ordem. Acredito que ainda sejam meus subordinados.


 


Vendo como não tinha como retrucar contra esse fato, eles se calaram.


 


Não me lembro de ter apreciado tanto o silêncio como apreciei esse.


 


 


Gina Pov


 


Isso é tão injusto. Harry não pode impedir que eu siga a minha vida.É tão egoísta da parte dele que me dava vontade de gritar. Claro que ele tinha que esfregar na nossa cara que é, diretamente, o chefe. Como se eu pudesse me esquecer disso.


 


Quer saber? Eu não vou aceitar isso. Quando esse caso acabar, eu vou estar fora da sessão de qualquer maneira, então o que eu tenho a perder? Enquanto Eric destruía a frágil escada que era mais uma armadilha, virei-me para Harry aproveitando que só ele escutaria o que eu tinha a falar.


 


- Eu só quero que você saiba que não controla a minha vida - disse me sentindo mais confiante do que me sentia em muito tempo.


 


- Eu sou o líder das missões - ele retrucou arqueando as sobrancelhas com aquelas esmeraldas voltadas em minha direção.


 


Ok, foco. Preciso de foco.


 


-Eu estou afirmando que vou e ponto final. - falei sorrindo - O que vai fazer a respeito, demitir-me? - parei dando uma risada seca baixa - Ah espere, parece que você já fez isso.


 


Vendo que ele tinha ficado sem reação, afastei-me ainda com um sorriso no rosto oferecendo ajuda a Eric. Cansei de jogar esse jogo com Harry, não é ele quem dá as cartas. Também não é ele quem vai tomar as minhas decisões por mim.


 


De repente uma explosão do lado de fora ouvida e todas as pedras que impediam a passagem pareciam estarem sendo sugadas para o lado de fora da casa. Em pouco tempo, pude ver uma cena, no mínimo, incomum.


 


Hermione dormia com a cabeça encostada nas pernas de Malfoy que a olhava de um forma estranha. Digo estranha porque não é o tipo de olhar que você pode esperar do Malfoy. Do Eric sim, do Harry de antigamente também, porém do Malfoy para Hermione? Não mesmo.


 


Aliás, ela despertou com o barulho e começou a ficar toda vermelha. Em nome da nossa amizade, reprimi as risadas que queriam sair. Malfoy nos encarava com uma cara que prometia uma sessão de tortura para o engraçadinho que viesse com comentários maliciosos.


 


Eles se levantaram um tanto sem graças e desviei o olhar buscando não deixar o momento mais constrangedor do que já estava sendo. Zabini entrou na casa, parecendo aliviado de ver todos ali com a vida.


 


Estávamos todos sujos de fuligem e poeira, contudo se for para comparar com as outras missões, acho que nos saímos bem. Pelo menos ninguém foi torturado ou teve que parar no hospital. Podemos nos considerar sortudos.


 


- Quem faz o relatório? – Hermione fez a pergunta que não queria calar.


 


- Eu posso fazer – disse Zabini sacudindo os ombros.


 


Quando todos se despediam aparatando, pude notar um olhar em mim, era Harry. Desviei o olhar para outra pessoa , mas Hermione que sobrara conosco ali tinha acabado de aparatar.


Estava sozinha com ele.


 


Por que essas coisas têm que acontecer comigo? Ainda estou para descobrir.


 


-Tem certeza que vai fazer isso? – ele perguntou aborrecido e revirei os olhos, estressada.


 


- Não me faça sentir culpada por querer me divertir, Harry. Sabe o que parece? Que você não me quer, entretanto também não aceita que ninguém queira – eu disse balançando a cabeça – e isso não é justo.


 


- Não é isso que está em questão – ele argumentou e bufei irritada.


 


- Então o que é? Se esse caso demorar meses? É esse o tempo que terei que esperar para sair com o Eric?


 


- Eu não confio nele – Harry disse sério.


 


- Acontece que não cabe a você confiar ou não. Além disso, já achamos a espiã, por que continuar discutir isso?


 


- É diferente – ele explicou – você também sabe que ele está escondendo algo.


 


- Sim – admiti cansada daquela conversa que não ia chegar a lugar nenhum – mas se esse fosse o único requisito para ser espião, não teríamos uma pessoa confiável no departamento. – finalizei desaparatando direto na soleira da minha casa, sem sentir um pingo de remorso por deixar Harry plantado lá. 


 


Ele certamente não teria por mim se a situação fosse outra.


 


Como eu não ia assim para o encontro com Eric e tinha pouco tempo de me arrumar, corri para o banho mais rápido da minha vida tentando, sem sucesso, bloquear o nome “Harry Potter” da minha mente.


 


Draco Pov


 


Depois de chegar em casa, tomei mais outro banho frio. Era o terceiro do dia. Praga de garota. Ouvi a campainha e como o imprestável do elfo doméstico não atendeu, coube ao dono da casa. Granger esperava do lado de fora, com os braços cruzados e uma expressão confusa, como se nem soubesse como viera parar ali.


 


Como acho que ainda não cheguei ao estágio das alucinações, só pude supor que ela estava ali atrás de um novo motivo para uma discussão.


 


- Se veio para me acusar de mais alguma coisa, já aviso que está perdendo o seu tempo – soltei entrando de volta a sala deixando a porta aberta num convite mudo.


 


-Na verdade - ela começou a falar tensa mexendo nas mãos nervosamente – eu vim pedir desculpas por ter gritado com você naquele dia.


 


Está aí uma coisa que não se vê todo dia, Hermione Granger se redimindo.


 


Ela fechou a porta e olhou para mim, esperando uma resposta.


 


-Que dia? Poderia ser mais específica? – perguntei sentindo um sorriso sacana crescer no meu rosto.


 


Granger revirou os olhos, respirando fundo.


 


-Você sabe... No armazém. Eu não entendo até hoje porque fiz aquilo...- ela suspirou fundo - por que aquelas palavras saíram da minha boca?


 


- Negação. Não foi a primeira nem será a última pessoa que fará isso – eu a tranquilizei mas ela ainda parecia tensa - você matou uma pessoa, Granger. Não é o fim do mundo.


 


-Certo, então eu deveria escutar o torturador da equipe – ela zombou e franzi a testa.


 


-Por que está aqui então? – perguntei olhando de soslaio para a garrafa de Whisky do meu lado no balcão de bebidas.


 


-Sinceramente, eu não sei – ela disse andando de um lado para o outro – por algum motivo achei que você fosse a pessoa certa a recorrer.


 


Dizer que fiquei surpreso com aquelas palavras seria mentir. Nunca esperei que Granger fosse ser tão sincera comigo, como estava sendo.


 


-Aceita whisky? – perguntei logo depois de fazer um gesto para que ela sentasse.


 


Era tão surreal vê-la ali na minha frente, num estado completamente sóbrio.


 


-Não, obrigada. Desde o que aconteceu não quero ver bebida perto de mim – ela disse sorrindo.


 


-Ah claro, me esqueci – comentei me servindo – você chegou a se lembrar do que fez? 


 


- De algumas coisas – ela admitiu.


 


-E se arrepende delas? – antes que pude evitar as palavras já tinham saído e pelo meu tom, tinha certeza que estava bem claro ao que eu estava me referindo.


 


-Eu podia mentir e dizer que sim – ela falou desviando o olhar – Contudo algo me diz que você não vai usar as minhas palavras contra mim. Você vai? – ela questionou e havia um divertimento em sua voz.


 


-Não - repliquei largando o copo de Whisky intocado no balcão e me aproximando dela, erguendo-a do sofá puxando-a para mim – só vou refrescar a sua memória.


 


Dessa vez não houve culpa, não precisei ficar preocupado com moralidade. Era só eu e ela ali.


 


Prendendo sua cintura colada ao meu corpo com uma das minhas mãos enquanto a outra estava ocupada segurando a sua nuca, eu a tinha como tantas vezes imaginei. Eu não me lembrava de outra vez que fiquei tão obcecado por uma pessoa como ela.


 


Calei qualquer exclamação de surpresa, num beijo faminto. Eu precisava do seu gosto, como uma droga que me deixou viciado desde a primeira vez que usei. Ela não demorou a responder na mesma altura, cercando meus quadris com as suas pernas e só me provocando mais.


Deitei-a no sofá, cambaleante e sem parar de beijá-la, percorrendo minhas mãos pelo seu corpo arrancando um gemido seu em resposta.Seu casaco foi parar no chão em um piscar de olhos.


 


Antes que pudesse evitar, Granger já tinha arrancado minha blusa e a jogou no chão. Ao olhar de volta para mim tinha um sorriso divertido no rosto até que sua expressão mudou. Por um minuto achei que tivesse se arrependido e que fosse começar a sessão das desculpas.


 


Esqueci que o problema era comigo, ela passou os dedos pelo meu peito desnudo e pude ver a curiosidade em seus olhos. Estava olhando para elas, as cicatrizes. Apesar de fazer tempo, lembro claramente da primeira delas, o motivo continua desconhecido a todos.E é assim que tem que permanecer.


 


- O que...


 


-Um dia eu te conto – disse.


 


Era uma promessa.


 


Recolhi a blusa do chão, afastando-me dela e tomando o cuidado de não encarar seu rosto desapontado me encarando.


 


- Isso foi um erro – ela falou se levantando e revirei os olhos ainda de costas.


 


Se ela não ia assumir o que estava acontecendo não seria eu quem o faria.


 


- Se é o que você acha, então provavelmente foi – respondi ainda sem me virar, mas percebendo pelo som que ela se levantara e arrumava a roupa.


 


- Te vejo no trabalho. - Ouvi a porta se abrindo e se fechando logo depois. Nada fiz para impedir.


 


Quando tive certeza que estava sozinho soquei a parede mais próxima de mim. Precisaria de mais um banho frio para dormir.


 


Harry Pov


 


Ela não ia fazer isso, eu não ia deixar. Tem algo de muito suspeito naquele imbecil e ninguém consegue enxergar isso. É exatamente por isso que vou segui-la. Não é como se eu tivesse alternativa. Afinal, tudo seria mais fácil se ela não fosse teimosa. Qual o problema de me obedecer uma vez na vida? Não, Gina tinha que se arrumar toda para aquele babaca presunçoso e esperar com aquele sorriso ingênuo dela.


 


Wood, que não é burro, a buscou para jantar num dos melhores restaurantes da cidade.


 


Realmente, acho que por lá ninguém deve ter ouvido nunca falar de Harry Potter.


 


Idiota.


 


Esperei o casal feliz entrar e em seguida ajeitei o ridículo chapéu que usava como disfarce – sem tempo para uma Poção Polissuco – entrei discretamente no restaurante sentando no bar em um lugar com vista privilegiada para os dois.


 


Numa patética tentativa de se mostrar educado, Wood puxou a cadeira para Gina se sentar. Era tudo tão nauseante que para não ir lá e quebrar a cara dele, tive que pedir um Whisky. 


 


Já estava pronto para usar um feitiço para confundir o garçom, caso esse me reconhecesse, entretanto como era um restaurante bruxo, não seria legal me arriscar.


 


Será que tinha como essa noite piorar? Não, com certeza não.


 


-Ah meu Deus! Você é Harry Potter? 


 


Virei-me para a voz aguda do meu lado. A dona tinha me reconhecido e pela reação histérica em breve começaria a gritar e anunciar para o restaurante todo. Em pânico tapei sua boca com uma das minhas mãos, todavia isso só serviu para deixá-la mais agitada. Eu tinha que tomar alguma atitude.


 


- Por favor, não grite – pedi olhando para os lado e sentindo alívio ao ver que ninguém tinha reparado.


 


- O que eu vou ganhar com isso? – a garota perguntou sorrindo.


 


Essa é esperta, tenho que admitir.


 


- Um jantar – falei a primeira coisa que me veio a cabeça, ignorando uma voz interna alertando que essa era uma péssima ideia.


 


- Não é que eu não goste da ideia – a desconhecida disse franzindo a testa – mas você não tem namorada?


 


Tenho sim, porém hoje ela tem um encontro com um babaca.


 


- É complicado – usei a minha resposta padrão para quando não sabia o que falar – faz o seguinte: Qualquer um que pergunte você pode simplesmente dizer que se trata de um prêmio de alguma revista...


 


- O Semanário das Bruxas.


 


- É...Tanto faz – respondi chamando um dos garçons e pedindo discrição da sua parte e uma mesa afastada para dois.


 


Talvez eu ainda conseguisse ficar de olhos nos dois.


 


- Vou ver o que posso fazer pelo senhor, todavia já aviso que uma reserva aqui é extremamente difícil e precisa ser agendada com semanas de antecedência.


 


Espero que essa seja uma daquelas situações em que ser famoso traga alguma vantagem.


 


- Então Harry – ela começou a falar animada e parou eufórica – ah meu deus, isso é tão legal!Hum, por onde começo...ah sim, é verdade que está namorando Gina Weasley?


 


- Estamos passando por uma fase complicada – expliquei deixando meu tom vago.


 


- É por isso que está bebendo?


 


Antes que eu pudesse dar a resposta que eu queria, o garçom voltou interrompendo minha linha de raciocínio.


 


- Tem muita sorte, Sr. Potter. Conseguimos uma mesa para o senhor e sua acompanhante. Apesar de que eu tenha que insistir para que tire o chapéu.


 


- Sem problemas – respondi frustrado.


Consciente de que estava sem meu único disfarce, segui o garçom guiando a fã desconhecida tomando o cuidado de não olhar para a mesa de Gina e Wood, contudo para meu desespero, o caminho se aproximava cada vez mais deles.


 


- Perdão, onde vai ser a nossa mesa? – perguntei.


 


- Ora, senhor Potter, ao saber que tinha dois amigos seus com uma mesa reservada hoje simplesmente decidi encaixá- los. A propósito, muito nobre da sua parte manter uma relação tão saudável com a Srta.Weasley, mas não esperava nada menos do senhor...


 


O QUÊ?!


 


Tarde demais, estávamos em frente a mesa dos casal e suspirei aborrecido, eu não fugiria agora. Segurando a mão da desconhecida avancei para o pesadelo de noite que estava por vir.


 


Gina Pov


 


Sentada em frente a Eric, o meu nervosismo ainda não passara. Apesar disso tenho que admitir que ele estava se comportando como um perfeito cavalheiro. Abriu a porta para mim, fez questão de puxar a cadeira para que eu sentasse e manteve aquele sorriso calmo que já serviu para me acalmar um pouco. Conversamos sobre amenidades e ele pediu vinho enquanto ainda decidíamos o que comer. Era estranho como eu procurava algum defeito, um detalhe que potencializasse uma catástrofe. Talvez eu só tivesse mal acostumada.


 


Relaxando na cadeira, sorri meio boba observando Eric colocar sua mãe sobre a minha. Estava começando a aceitar que tudo estava correndo bem e que eu não devia me preocupar com mais nada.


 


 Foi aí que aconteceu. Chame de sexto sentido. Ou premonição. Ou até mesmo poderes psíquicos. Eu não estava errada em procurar um desastre, porque afinal ele estava a caminho. E acabou se sentando ao meu lado.


 


Sim, Harry Potter surgiu como se tivesse materializado dando as mãos a umazinha, que nem me darei o trabalho de descrever, para aterrissar na nossa mesa.


 


Eu sei. É como se eu tivesse num filme de terror.


 


A minha garganta se fechou pela surpresa e tossi muitas vezes para não morrer asfixiada. Provavelmente não a melhor atitude para se tomar naquela hora mas o que eu podia fazer? O que ele estava fazendo ali?


 


Em sua defesa – e só nisso que vou me pronunciar – ele parecia tão surpreso quanto eu. O maitre, totalmente alheio ao clima péssimo que dominou a mesa começou a falar num tom muito animado.


 


- Naturalmente é uma honra receber uma ilustre celebridade como o Sr. Potter e seus amigos – dizia com um sorriso que ocupava todo o rosto e revirei os olhos percebendo a bajulação – quando estiverem prontos para pedirem, é só chamar. - saiu apressado com os clientes de outras mesas.


 


- Certo, estou pronta para ir embora – anunciei me virando para pegar o meu casaco, todavia Eric me impediu com raiva no olhar.


 


- Não, Gina. Nós chegamos primeiro, logo não vejo razão para a nossa saída – replicou ele encarando Harry que podia ficar calado.


 


- O que quer dizer com isso? Eu não pedi para dividir o espaço com você, posso assegurar isso.


 


Ótimo, agora virou mais uma disputa entre os dois.


 


- Então que diabos veio fazer no mesmo restaurante que nós? – perguntou Eric e pude notar pelo seu tom baixo que estava realmente nervoso.


 


- Na verdade, - a umazinha começou a falar num tom descontraído roubando a atenção da mesa para si – eu ganhei esse jantar com ele. Sou a vencedora da promoção do “Semanário das Bruxas”.


 


Céus, eu não estou ouvindo isso. 


 


Definitivamente, não posso estar vivendo isso. Entretanto estava, como os dois idiotas da mesa eram orgulhosos demais para se retirarem só me restou voltar a atenção ao cardápio fazendo um esforço sobre-humano para ignorar a companhia.


 


Com aqueles dois querendo se matar e uma garota que já devia estar realizada na vida só por estar dividindo o oxigênio com o famoso Harry Potter, não tinha grandes expectativas para aquela noite.


 


- Então me diga, - a umazinha continuou a falar interessada após o maitre sair com os pedidos anotados – da onde vocês se conhecem, do trabalho?


 


Essa eu não vou responder. Qualquer coisa que eu diga, Harry vai inventar uma desculpa para me criticar.


 


- Sim, somos aurores – ele respondeu com a voz relaxada – e você, mil perdões mas na pressa esqueci de perguntar seu nome.


 


- Claire Lancaster – disse a garota sorrindo – nem acredito que estou aqui com vocês. Ah, não se importem em discutir assuntos de trabalho, deve ser tão interessante trabalhar no Ministério!


 


- Você vai perceber – falei rolando os olhos num cinismo que nem sabia ter – que somos uma equipe muita unida, madura...


 


- A começar por você, Gina – ironizou Harry me interrompendo e se servindo de mais vinho.


 


Sorri querendo esganá-lo.


 


- Nosso amigo aqui, - Eric entrou na conversa – sendo Harry Potter obviamente não pôde esperar nem seis meses desde que entrou para ocupar o cargo de líder. Como pode ver, a fama nunca faz mal. 


 


Mordi o lábio nervosa com o rumo que aquela provocação estava indo, aquele território era perigoso.


 


- Ora, cuidado com suas palavras, Wood – replicou Harry num tom falsamente animado, o que só me preocupou mais – assim Claire irá pensar que não mereci o cargo que ocupo.


 


- Não, de maneira alguma. Tanto merece o cargo quanto que só devemos a você o incrível avanço que estamos tendo nesse último caso – replicou Eric simulando um olhar agradecido.


 


- Agora está sendo modesto, Wood – Harry o corrigiu sorrindo sinistramente - é claro que é graças a você e sua insubstituível pesquisa que estamos fazendo tanto progresso!


 


Depois dessa, até uma criança ia entender a indireta.


 


- OK, eu vou dar uma passada no banheiro antes que me afogue com tanto sarcasmo – Lancaster se levantou e olhou para mim - Me acompanha, Gina?


 


Só se quiser ter sua cabeça enterrada na privada.


 


Óbvio que eu não falei isso.


 


Desde quando eu dei liberdade para me chamar pelo primeiro nome?


 


Assim que Lancaster se afastou, Eric se virou para Harry perguntando, revelando seu aborrecimento.


 


- Que merda está fazendo aqui?


 


- Duelando com Voldemort – Harry respondeu sarcástico - eu sei que você é um imbecil, Wood. Mas creio que tenha capacidade mental de decorar uma resposta.


 


Então todas as máscaras caíram e eles vão parar com o teatro. Essa é uma péssima ideia.


 


- Harry, - decidi intervir antes que eles decidissem se matar - como você pôde insistir tanto em cancelar o nosso jantar quando você mesmo tinha um? E como sabia que íamos estar aqui?


 


Ele me encarou seriamente. 


 


- Eu não sabia. Acha o que, que estava seguindo vocês? – ele perguntou rispidamente e me mantive calada numa resposta muda – Notícias bombásticas, Gina. O mundo não gira ao seu redor.


 


Eu nem pisquei depois do que ouvi. Vai levar um tempo para me recuperar desta.


 


Eric, no entanto, já estava pronto.


 


- Não, gira ao seu – ele retrucou - o grande Harry Potter que nem precisa reservar uma mesa para jantar.


 


- Wood, por mais que te incomode o que eu tenho, pare de resmungar porque está se tornando extremamente cansativo – Harry falou revirando os olhos e desviei a atenção para a taça na minha frente. 


 


Era tão doloroso ter que assistir o que ele havia se tornado.


 


- O que você nunca lutou para conseguir – Eric o corrigiu.


 


- Vou te dar um conselho: pare de me culpar pelo que você não conseguiu – disse Harry irritado - o cargo estava lá à disposição e se você não conseguiu vá reclamar com Feldman, não comigo.


 


- Você sabe por que ele te escolheu, não? Bem ou mal, você nunca vai ter a certeza se conseguiu pela fama ou por mérito próprio.


 


- Mas suponho que esse seja um problema exclusivamente meu. Então por que está tão preocupado com isso? Sua vida é tão patética assim que presta tanta atenção na minha?


 


- Parem vocês dois! – interrompi saturada – estamos em um restaurante, será que podem deixar essa discussão sem fim para amanhã?


 


- Eles se encararam provando que tinham idéias diferentes em mentes, mas pelo menos, calaram-se.


 


- Hum,o que eu perdi?


 


Claire Lancaster estava de volta.


 


-Nada de bom, eu garanto – respondi decidida a não trocar mais um olhar com o idiota do meu lado.


 


A comida chegou finalmente dando a todos um propósito excelente de manter a mesa silenciosa.


 


Pulamos a sobremesa já que ninguém conseguia mais aguentar aquele clima de enterro. Eric lançava olhares fulminantes a Harry, porém esse eu nunca poderia saber como reagiu já que estava cumprindo a minha promessa com afinco. Lancaster tentava dar uma descontraída só que inevitavelmente acabávamos no mesmo silêncio esmagador. Até que chegou uma hora que ela também desistiu.


 


- Então, gostaram do jantar? – perguntou o maitre mexendo nas mãos ansiosamente e acabei sorrindo em solidariedade.


 


- A comida estava excelente – elogiei me sentindo uma pessoa melhor.


 


Pelo menos a noite de outra pessoa não seria uma perda total de tempo e energia.


 


O momento da conta foi a mais embaraçosa de todas, Eric e Harry ficaram competindo quem dava a maior gorjeta.


 


- Vamos embora? – perguntou Eric olhando para mim.


 


- Por favor – disse aliviada me levantando e percebi que Harry e a Lancaster demorariam mais um pouco na mesa – prazer te conhecer, Claire.


 


Sorri sem jeito para a garota.


 


Tenho que admitir que a revista poderia ter escolhida uma fã pior. Bem pior.


 


- Igualmente, Gina – ela respondeu com um sorriso tímido – e você também, Eric.


 


Ele apenas acenou com a cabeça, como o antissocial que é. Nenhum de nós nos demos o trabalho de falar com Harry. Engraçado, parecia que ele sempre achava uma nova maneira de me ferir. Mas então eu me lembrava que eu não era tão importante assim para realmente ligar. Suspirei sentindo o frio me engolir no momento que pisei na rua deixando o restaurante para trás.


 


- Está frio, não? – comentei com Eric que se manteve quieto.


 


Tinha algo errado com ele.


 


- Tudo bem com você? – perguntei cruzando os braços.


 


- Não, Gina – ele retrucou de má vontade.


 


Que ótimo! Agora Eric vai descontar seus problemas em mim. A minha noite só melhora a cada segundo que passa.


 


- Por que está assim? – perguntei impaciente e Eric se virou para mim a poucos metros do restaurante.


 


- Eu realmente não sei por que me fiz de idiota hoje te trazendo aqui – ele balançou a cabeça frustrado – pensei que a gente ia se divertir.


 


- A gente se divertiu – menti descaradamente. O momento não pedia sinceridade, afinal.


 


- Eu vi o quanto ele te abalou. Achei que depois de tanto tempo você já estava pronta, entretanto você não esqueceu o Potter – ele disse muito sério e me mexi desconfortavelmente.


 


- O quê? É claro que não – menti de novo.


 


- Mesmo? Então repita olhando nos meus olhos agora – pediu Eric e como a covarde que sou, desviei o olhar – é, foi o que pensei.


 


Então ele fez a coisa mais inacreditável. Virou as costas e saiu. Deixando-me completamente sozinha no meio da rua.


 


Sinceramente, acho que não falta mais nada acontecer.   


 


Draco Pov


 


Por que Granger teve que esquecer o casaco dela aqui? Não consigo olhar para peça sem me lembrar do momento em que a tirei, o qual Granger estava nos meus braços. Tão perto.


 


A frustração que não queria me deixar naquela noite foi a culpada de me fazer sair de casa para entregar um casaco idiota para a dona mais idiota ainda, mas também qual o problema de deixar o casaco na portaria?


 


“Que diabos” pensei quando agarrei o casaco e saí de casa aparatando em frente ao prédio de Granger. Olhei para cima, sem saber o seu andar e procurando uma janela cuja luz tivesse acessa.


 


O que está acontecendo com você, Malfoy? É só uma garota. A mais complicada que já encontrei, de fato. Antes que eu pudesse acabar com aquilo logo, vi outra pessoa entrando para falar com Granger e me vi boquiaberto. 


 


Não era Krum. Acho que nem se fosse McLaggen teria me surpreendido tanto, olha que ele está enterrado a sete palmos abaixo da terra.


 


Era Pansy.


 


O que ela ia fazer lá, eu só podia supor. Eu não sei se devia impedi-la, porque então teria que explicar o que eu estava fazendo lá e era um longa história, que por algum motivo desconhecido, eu não estava a vontade de compartilhar.


 


Ela não é uma assassina.


 


Tem uma mente meio psicótica é verdade, entretanto nunca matou ninguém. Diferente de Granger que, aliás, estava bem grandinha para se defender sozinha.


 


O que Pansy viera fazer ali, eu não tinha ideia. Entre tirar satisfações ou fazer um complô contra mim, eu era mais a favor da primeira opção. Então decidi esperar cinco minutos. Nada a mais.


 


Depois disso vou arrombar a casa da Granger antes que Pansy dê uma de namorada histérica.


 


Exceto pelo fato de que ela não é mais minha namorada. Só está enfrentando alguns problemas para perceber isso.


Certo.


 


1,2,3,..


 


Ok,já deu.


 


Estou entrando.


 


Harry Pov


 


- Sabe... Apesar de tudo eu me diverti essa noite – Claire comentou sorrindo.


 


- Então você é a única. – falei ainda olhando para a porta do restaurante.


 


- Você a ama, não é? – Claire perguntou com um jeito peculiar.


 


- Do que está falando? – me esquivei, mas percebi que não a enganava e suspirei derrotado – fica assim tão óbvio?


 


- Não – ela riu se divertindo as minhas custas – mas como eu sou sua fã número 1, pode-se dizer que te conheço mais do que você mesmo.


 


- Agora você está me assustando – falei me dando o luxo de sorrir um pouco.


 


- Quer um conselho? – Claire perguntou se curvando na mesa para abaixar o volume da voz aumentando o suspense.


 


-Se você o está oferecendo...


 


- Não a perca. – ela disse séria – vá atrás dela.


 


- Mas...


 


- Você já fez coisa pior – ela me interrompeu da série de motivos antagônicos ao seu conselho imprudente que eu estava prestes a listar.


 


- Acredite, fiz mesmo – falei mais para mim mesmo do que para ela.


 


- Então o que ainda está te impedindo?


 


Tinha um motivo muito forte me impedindo pensei com a cabeça abaixada só que quando a ergui, Claire não estava mais na minha frente. Tampouco no restaurante.


 


Saí de lá e olhei para o lado, porém ao invés de ver Claire achei Gina andando sem rumo.


 


- O que está fazendo aqui ainda? Cadê Wood? – perguntei curioso e ela retrucou irritada.


 


- O que você tem haver com isso afinal?


 


Lembrei-me das palavras de Claire e a puxei para perto, ao que agradeci internamente por ela não ter fugido e a calei da melhor maneira que eu conhecia.


 


Sua boca abriu passagem e com uma das mãos venci a distância entre nós a puxando pela cintura. Gina colocou as mãos a volta do meu pescoço enquanto eu aprofundava mais o beijo esperando que aquele gesto pudesse compensar as minhas palavras não ditas. 


 


Como tinha que ter algo para nos interromper, um feixe de luz poderosa nos distraiu.


 


Abri meus olhos querendo matar o infeliz que interrompeu e uma máquina fotográfica estava bem no meu rosto tirando uma infinidades de fotos. Tive que me controlar para não quebrar o aparelho com as minhas próprias mãos. Vontade não me faltava.


 


- Alguma declaração, Sr. Potter? – perguntou o fotográfico que parecia decidido a nos cegar.


 


Claro, dê o fora daqui.


 


Eu, obviamente, não falei isso. Tinha uma reputação a zelar.


 


Ao invés disso, saíram aquelas famosas palavras.


 


- Nada a declarar.


 


O imbecil já tinha recebido o que queria e então aparatou para o escritório da revista que devia trabalhar.


 


- Você sabia que tinha gente fotografando? – perguntou Gina desconfiada – foi por isso que me beijou?


 


Eu não queria ter que explicar, todavia me preparei para falar até que ela mudou de ideia, não me dando nem direito a uma resposta.


 


- Essa foi baixa, Harry, até mesmo para você. - desaparatou antes que a pudesse impedir.


 


Gina Pov


 


Aparatei diretamente para a soleira da minha porta, com a minha respiração acelerada e querendo dormir para nunca mais acordar.


 


Sabe quando você ouve algo tantas vezes que começa a acreditar? Acho que isso está acontecendo comigo. Foi mesmo muita ingenuidade minha acreditar que, depois de tudo que tinha dito no jantar, Harry ia mesmo surgir daquele jeito e me beijar por vontade própria.


 


Por que eu tenho que ser tão idiota?


 


Um barulho sinistramente perto de mim me arrancou dos meus pensamentos. 


 


Certo, essa é a hora que algum psicopata aparece como Halliwell aparece e me corta em pedacinhos. Virei-me em pânico soltando um grito agudo histérico.


 


- Ai meu Deus, Eric – exclamei quando o reconheci encostado na parede logo atrás de mim –você quase me mata de susto.


 


Ele nem se importou com o meu ataque de nervos, parecia extremamente aborrecido com algo.


 


Esperava que não fosse comigo ainda.


 


- Divertiu-se ? – perguntou com deboche e me encolhi em culpa.


 


- Como? 


 


-Não precisa mentir. Eu vi você com o Potter – ele disse para meu desespero.


 


- Aquilo foi só para os boatos – falei revirando os olhos como se fosse óbvio.


 


- Eu sei, contudo você sabe disso? 


 


Agora sim.


 


- De qualquer forma, eu não vim por causa disso – Eric falou se aproximando – você quer realmente saber se foi a Halliwell que matou seu irmão?


 


- Sim, quero a verdade – disse me afastando um pouco dele e acabando encostada na minha porta.


 


- Mesmo que para isso tenhamos que usar métodos não convencionais? 


 


Aquele interrogatório estava me deixando curiosa, porém também estava preocupada com o que meus vizinhos podiam ouvir.


 


- Sim, estou interessada, não importa o que tenha que fazer – falei decidida.


 


- Nem quem você teria que atingir?


Refleti por alguns segundos. Se a pessoa não tivesse mentindo para mim, não teria como atingi-la.


 


E se fosse diferente... Bom, aí era outra história.


 


Olhei para Eric e depois para a minha porta.


 


- Aqui não é o lugar certo para conversar sobre isso. Quer entrar?


 


N/B – Carol: AAAAAAAH CARA!!! VOCÊ PARA NOS MOMENTOS MAIS TENSOS, COMO ASSIM?! Eu adorei esse capítulo. Draco e Hermione são tãão quentes huahauhauaha E essas cicatrizes... Hummm, adoro ahahahahaha Ok, que a Pansy é louca todo mundo sabe, mas o que ela foi fazer na casa da Mione? Oo A cena do restaurante ficou muito boa! Gostei da Claire, ela foi bem agradável, não pagou uma de groupie doida rs O Harry não foi tão chato nesse capítulo, ele foi bem fofinho na cena pós-restaurante, pena que foi um banana e nem se explicou -.-‘ Ok, Eu não curto muito o Eric, sei que ele é importante(não irei soltar spoilers, i promise! Rs) mas aff, a Gina é do Harry e ponto. Humpf. AMEI, AMEI o capítulo!!!! Beijos, beijos Xarááá!!! 


 


N/A:Ah Carol,você sabe que eu não teria acabado sem você!Brigada mesmo pela dica da Claire e do lance deles sentarem juntos!Hahahaha 


Ao pessoal que lê e acompanha,não me matem por acabar assim,foi necessário..


 


Revelações do capítulo 5:


 


*Sobre a morte do Ron!


 


*A primeira NC da fic!


 


*Encontro da Pansy com a Hermione!


 


UIA, algumas considerações a fazer:


 


-Claire Lancaster é o nome da protagonista de uma das melhores fics que já li,"The Only One".Créditos a autora.


 


-Desculpe a demora,pessoal.Final de ano, resultados de vestibular e viagem me atrasaram.O próximo chega rápido!


 


-Muito obrigada aos votos e aos comentários!


 


-Tava pensando em fazer Pov para o Eric,o que acham?


 


Descobri que minhas leitoras são mais sádicas que o Draco!Hahahaha


 


Respondendo aos coments:


 


*annalimaa_:É, você acertou!!Hahahaha espero que tenha gostado desse capítulo!E que continue acertando as respostas!!Brigada pelo coment!Beijos!!!


 


* Michele Malfoy:Ok,em primeiro lugar:AMO textos gigantes para eu ler,em geral são os que mais falam da opinião e também me divertem,então não se reprima!!!HahahahAh Ahh sim,a mentira da Mione você percebeu foi um dos fatores da briga dela com a Gina!!O motivo do Harry ter receio de contar a verdade para a Gina,você vai descobrir no próximo capítulo!Ih,To achando que sádica é você! Hahahahaah Estão chegando momentos Dramione pela frente,pode deixar!O que achou da Pansy? Você que é fã de triângulos amorosos deve ter gostado da disputa entre o Eric e o Harry hahahahah eu tbm adoro isso!Pretendia fazer isso com a Hermione mas tadinha,ela já está bem encrencada para se preocupar com isso também.. Ah brigada pelos palpites,vc viu possibilidades onde nem eu sabia que existia!Mas no final foi a Mione mesmo..Ah cara,muito obrigada pelo seu coment,eu quase me acho depois de lê-lo hehehe brigada pelo apoio,viu?Beijo!!


 


* Miss Caroline: Nem sei como agradecer toda a ajuda que tem me dado para a história!Ela é parte sua,já te disse isso,né?Hahahaha minha xará favorita!!


 


*Carolina Cavalcante:Pois é,Hermione realmente quis guardar muito bem esse segredo do Eric,pena que isso não vai lhe trazer bons frutos!Hahahah A Gina continua amadurecendo mas se vai ser suficiente ou não,acho que terão que esperar um pouco mais para terem as respostas!O Draco Sádico Hahhaah me diverti com os comentários de vocês!Ah eu acabo com esses finais para prender a atenção de vocês!O Eric vê as coisas de um ângulo bem diferente do Harry, percebeu?Quanto ao espião,no final todo mundo mordeu a isca que botei e desconfiaram do coitado do Zabini!Ahh sim, sobre a morte do Ron..vocês vão descobrir sobre ela no próximo capítulo!


Obrigada pelo comentário,minha meia-xará!!!Hahahah


 


* NaahMont:Ahh muito obrigada pelos elogios!!O suspense e a trama vão continuar sendo a base da história.Ao mesmo tempo que vou revelando algumas coisas para vocês, outras vão surgindo..Que legal que está curtindo!Muito brigada por comentar!


Beijoo!!


 


* Katie Black:Todos nós temos o lado sádico dentro da gente!O do Draco é só mais aparente!Hahahah Ah mas o Harry não ia demitir a Gina no hospital se ela não acordasse e fosse toda grossa com ele..poxa,nesse ponto fico do lado dele.Ficou dormindo naquela poltrona dura de hospital e quando a linda acorda chega falando assim?Ele meio que só reagiu.A Mione realmente é meio inocente sim,por isso que eu fiz ela matar o cara,isso vai abrir os olhos dela para muita coisa.Sobre os espiões..nenhum dos dois né?Nem Zabini nem Eric.Hahahaha A Hermione se enrolou tanto com essa história que acabou brigando com a Gina apesar de que tudo começou com o "super apoio" que a ruiva ofereceu para a amiga!Ahh vou me acostumar com seus coments sim,sem problemas nenhum,adorooo!


Brigada por sempre vir dar a sua opinião aqui!Espero que tenha gostado desse!Beijoo!!


 


*Jamii Altheman:ok,primeiramente desculpe,acho que demorei um pouco,foram quase 3 semanas sem postar mas final de ano e essas coisas me atrasaram.Fora que esse capítulo grandinho não é muito rápido de se fazer!Hahaha Ah minha criatividade para essa história veio de um sonho, sonhei com parte dessa história e o resto construí ao seu redor com base nessa minha cabeça maluca e filmes de perseguição que vejo!Alguns que vi recentemente (e não tem nada haver com a história mas são legais e posso usar uma coisa ou outra) são O Preço do Amanhã e Abduction!Adorei!!!Brigada po coment e os elogios!Beijoo!!


 


* Srta. Rouge:Brigada pelas dicas de tortura!!Vou usar num futuro próximo dando os créditos a você!!!Hahahaah sua very important person! Ah o Draco aqui agradece e diz que será uma honra em utilizar esses seus métodos em..Ops, esqueci que não posso contar!Hahahaah


Brigada pelo coment!!


 


* Lana Sodré:Deve mesmo!!Eu já fico incomodada em novela quando as pessoas se batem e tem aquele som de carne triturada então imagina ao vivo e a cores tortura!Ahhh Quanto a Harry e a Gina,sim há atrito por causa do Harry que apesar de não ficar esse cavalo a fic toda também não vai ficar nunca mais aquele ursinho carinhoso!Ah vi que você mudou o nome,realmente melhora para localizar!O Eric está escondendo coisas sim mas não é o único e isso não necessariamente coloca ele no time dos vilões..a Mione se enrolou nessa história do Krum e até discutiu com a Gina,apesar da ruiva ter muita culpa no cartório também!A Mione também é meio ingênua mas com esse choque vemos o que acontece!Muito brigada pelo seu coment!!!Ahh sim,foi a Mione, pelo título você deve ter percebido!Hahaha Beijoo!!


 


* Débora Granger Potter:Será?Será?


Torço para que a espera tenha valido a pena!!Sim,Mione usou uma Maldição Imperdoável,mas acabei demorando um pouquinho hahahaha Brigada pelo seu coment!! Beijoo!!


 


* Nana-moraes malfoy:Sim,menina há quanto tempo???E como anda aquela sua fic,passarei por ela, certeza!Esse tipo de história te interessa??Ahh bom saber!!!Mione virou Assassina e o Draco sádico e o casal se vai ficar junto?Ah o que fazer?A autora nunca fala,né?Brigada pelo coment!!Beijoo!!


 


* leleu_mione:Esse Draco sádico..hahaha detalhes da morte do Ron estão prestes a serem revelados...e pode deixar,vou esquentar esse casal sim!O próximo vai ser um capítulo feliz para Dramione e triste para HG!As férias chegaram mas acabei atrasando a atualização porque viajei e tal.Bom,o capítulo está bem grandinho para compensar!Brigada por comentar!!Beijoo!!


 


* Artemis Granger:Entendo melhor que ninguém essa loucura de fim de ano!Hahaha ok,espero depois a sua opinião e obviamente novo capítulo de Tormentas!!!Beijoo!


 


* Ariane:Ah valeu pelos elogios,mesmo!Bom saber que está gostando!Quanto a contar os dias para a atualização..desculpa a demora mas viajei e tal,essas coisas.Sim,agora que a Mione é a assassina isso não significa que ela vai sair matando geral hahaha mas vai ajudar mais os meninos nas missões,bem salvadora da pátria mesmo!! Brigada por comentar, espero que tenha gostado desse capítulo!Beijoo!


 


* Princess Slithice:respondendo você agora, fiquei com tanta saudades ,foi tão bom a gente se ver!!Que sorte que minha mãe decidiu marcar viagem justamente para Argentina e você estava no centro!Como eu te disse, ia demorar um pouco mas ia sair grande o capítulo!Hahahah To ansiosa mesmo para ler a sua fic nova,veve! E quando postar não esquece de colocar o nome na fic Dramione:A virada.Ótimo jeito de divulgar e incentivar esse shipper perfeito!!Obrigada por tudo veve!!Quando vem para o Brasil?To esperando,viu?Beijoo!


 


* Folk124:Fazer o que,tentei me segurar mas não dá.Tem personagem que tem que morrer,outros que tem que matar.Hahahaha Realmente,o Harry está pegando pesado com a Gina e com o Eric mas relaxa,vai ter Payback!Ah sim,coloquei lá em cima o ator que é Eric mas estava pretendendo mesmo fazer uma página para os personagens!Talvez crie um site ou coisa assim!Beijoo


 


 * Jaque Granger Malfoy:É que nem final de novela de sábado hahahaha 


mas serio coloco isso para vocês ficarem curiosas!!Risada maléfica!


Falando serio agora,brigada pelo elogios, a melhora é por causa da linda Miss Caroline que me ajuda MUITO!!! Sobre o Harry estar frio e tal,tudo será explicado nos próximos capítulo, ta chegando!!!A morte do Ron será explicada logo também,no capítulo 5.


Ah viu o encontro da Mione com o Vítor?Hahahahaah Draco dando uma de ciumento!Hm..todas as suas duvidas estão relacionadas a profecia e ela vai ser esclarecida no próximo capítulo!!Sim,


é muito poder!Hahahah Você acertou sobre o feitiço né,foi a Mione mesmo!!


Fiquei bem surpresa quando falou das frases no fim das reportagens..porque eu sempre sla coloco qualquer coisa! Hahahaha mas se você gostou,então ta ótimo!!Vou botar mais reportagens!!


Muito brigada por comentar e vi o seu segundo!!Hahahah desculpa a demora de novo!Beijooo


 


*Landa MS:Eu gostei mesmo da sua história,as NC tão perfeitas!!!Ele todo dominador aiai,nem me lembre!Vou escolher uma outra sua nesse estilo e vou começar a ler,ando meio sem tempo para tudo mas assim que achar passo lá!Recomenda alguma em especial?


Draco te deu medo?Hahahaha porque tinha gente aqui empolgada com tudo!É, cara não conseguiria assistir sem nada mas do jeito que sou medrosa ia dar uma de Gina e fugir.Não ia ficar lá para enfrentar a fera mesmo!!!Ok,brigada por comentar!!Beijoo!


 


* Alice Absolut:Baby steps,baby steps.. um dia ela chega lá!HAhahahah mas por que não confia no Eric?Tadinho!!


Teve beijo nesse capítulo,gostou?Obrigada por comentar,viu? Beijooo


 


É isso,pessoal!


 


Quem gostou já sabe,dê sua opinião, sugestão,vote.Tudo isso empolga muito a escrever!!


 


O nome do 5 é Mentiroso.Hm..idéias?


 


Até a próxima!


 


 


 


 


 


 


 



 

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 7

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Katie Black em 15/01/2012
O cap estava maravilhoso, ameei! Tava louca pra saber quem tinha matado o cara! Eu achei ótimo a Hermione ter matado ele, porque uma hora tinha que acontecer, e faz parte do trbalho dela, não queria que ela fosse ingênua. Isso combina com a Gina, mas ela que enfrentou uma guerra bem de perto por ser a melhor amiga de Harry Potter, não pode continuar assim... Mas um dia ela chega lá! Mas o que será que Pansy quer com ela? Dá pra imaginar, claro, mas o que ela foi fazer lá é que deixa aberto à imaginação! Eu vou rir muito se elas estiverem conversando no sofá e Draco invadir (o que ele já fez) que nem um louco! kkkk E a Nc prometida pro próximo cap será com eles né? Tenho certeza que sim! Anciosa.... Nem acreditei, quando Harry finalmente vai atrás de Gina.... aparece um imbecil de um fotógrafo! Harry devia ir atrás dela. Até pensei que era ele naquela hora, mas era só Eric. E o que foi que ele quis dizer com aquilo? Tô curiosa pra saber mais sobre a morte de Rony... Tenho dúvidas sobre Eric, mas fica difícil de saber.... Ele tem segredos, e ainda fazer uma proposta daquela pra Gina.... Tô amando a fic, você escre muito bem! Aguardando o next cap! Bjs:**
Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por The Daily Doll em 13/01/2012

Ameeei o capítulo, tadinha da Mione, matou um ser e está se corroendo de culpa tadinha. Pelo rumo que as coisas estão tomando parece que Harry matou Ron, acho que não chega a ser tão trágido (espero), mas acho que ele deve ter tido algo haver com a morte dele, por dizer que não viu o assassino e dizer que não merece Gina depois do que aconteceu, e parece que o Eric descobriu, ou ele está jogando verde pra Gina. E espero que o Draco agarre de vez a Hermione e não fique só de beijinhus e se interrompendo, afinal por que ele tinha que pará-la apra ouví-la falar? Quando ele viu que ela tinha visto as cicatrizes, era só beijar ela de novo que ela esquecia e se não esquecesse, perguntava depois que acordassem, mas enfim, tô ansiosa pra ver o que a Pansy vai falar pra Mione e se ela e Draco vão se declarar um pro outro, porque provavelmente a NC é deles neh. E tô ansiosa pra desenrrolar esse caso também, que complicação, parece que o Eric não é mais suspeito de ser do lado malígno da força, também achei que fosse Zabinni, mas parece que também não, achei estranho ser a secretária pra depois mostrarem de bandeja que eram amigas, podiam deixá-los pensando que não se conheciam, pra que tentassem resgatá-la e ela tentar obter alguma outra informaçã, e porque não voltaram a procurar Fleur? Ela num é amiga da maníaca lá? Ela deve de mais algo, sem falar que eles estão sendo péssimos porque só conseguem saber o que a loca quer que saibam, frustante.
Sorry te mandar um texto do tamanho do mundo, mas eu falo muito e sinto a necessidade de compatilhar minha opnião e minhas dúvidas e num sei se as datas disso aqui tão certas porque no menu da fic diz que a última atualização foi em 13/01/12, que é hoje, mas um dos coments dali d cima diz que foram de dois dias atrás, que seria impossível se o capítulo ainda não estava postado, então não sei quand você postou oc apítulo, masespero ansiosamente pelo próximo.
E apropósito, porque Síndrome de Estocolmo? É mais fácil abrir o Tio Google e ver o que é, mas é melhor que você me diga, porque aí você vai me dizer o porque de ter colocado esse nome na fic também, é porque a louca tem essa doença é? Bem, pra terminar meu monólogo tediante, adorei sua fic, espero ansiosamente pelo próximo capítulo, e acho que agora você deve estar vendo dois comentários no seu banco de dados, mas é porque no outro eu esqueci que tem que alterar a nota senão ela vai com 1, aí eu copiei pra reenviar rsrs, bêjuxs e até a próxima.

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Lana Silva em 11/01/2012

Ameiii o capitulo Foi muito bom kk Eu lendo o capitulo numa boa começo a imaginar um monte de coisas uma delas (equivocada demais ) eu pensei que a Claire fosse o Rony sei lá quando ela disse a Harry que conhecia ele melhor que ele mesmo, ai depois chamou a Gina pra ir ao banheiro ai eu pensei que fosse Halliwell tentando matar a Gina outra vez e achei que eles iam chegar na hora H e ela ia sumir mais um vez KKKKK sim ideias de uma louca. Hum....Proximo capitulo tem Nc ??? O.O Ahh eu acertei da Mione *-* quer dizer não foi tão bom assim afinal ela matou o cara, mas foi que meio por uma boa causa, e a Gina não falou nada porque tava muito assustada coitada...Ameiii o jantar kkk o sarcasmo e desprexo entre o Eric e o Harry foi demais. Amando de paixão D/Hr *-* agora tô curiosa pra saber o que a Pansy vai fazer na casa da Mione (apesar de imaginar que ela vá mandar Hermione se afastar de Draco e dizer que ele é dela, mas como isso tudo é obvio demais ela pode ir lá fingir que vai virar amiguinha da Hermione e como a segunda tá tão ingenua quanto a Gina é capaz de Acreditar) e pra saber o que o Eric quer de verdade com a Gina esse idiota. Simuma das outras ideias que tive e acho que não é muito imaginação minha, o Harry deve ter deixado ou o Ron morrer, ou visto quem matou o Ron e não fez nada ou ele matou o Ron sem querer e agora tá dese jeito porque desde o começo da fic ele fica assim.

Então bjoos flr até depois *-* Até o próximo capitulo que eu realmente estou louca por ele...

Tô até achando que o Ron pode estar vivo o que seria algo inconpreensivel e como eu tô sem tempo fui !

 

 

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Nana-moraes malfoy em 11/01/2012

Cap, arrasador como sempre! Um, estou tentando dar uma de Sherlock mas confesso que ainda está dificil apesar de saber que Wood pode estar envolvido. Também achei muito obvio essa espiã, isso me cheira armação. Que o Wood está envolvido posso até errar mas ele deve estar atolado até o pescoço. Essa aproximação da Gina, sei não. E o Draco mais Hermione, já estou ate acostumada com essas ! digamos brigas", não seria diferente, porém acredito que Hermione está metendo os pés pelas mãos, se tornará cumplice sem querer. Vamos ver, mas acho que tem mais gente envolvida nessa historia e vem lá de cima. Será que adivinhei? kkkkkkk! Êita menina curiosa!

Beijos e adorando!

nana

Nota: 1

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por leleu_mione em 11/01/2012

Oiiii, adooorooo capítulo enormeeeee, valeu a espera, mas já cheguei no final com gostinho de quero mais, como assim parar exatamente nessa parte, será que eu aguento esperar o próximo?
Sério que vai ter NC no p´roximo, tem que ser DRAMIONE ne possível, esses dois tão muito complicados viu, tem que se pegar logo, afinal a relação deles é bombastica, draco + mione é nitroglicerina pura!!!!!!!!!!!!!!
Beijos e até o próximo capítulo.

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por annalimaa_ em 11/01/2012

So eu to vendo a cara de espantada da hermione???? proximo capitulo o harry vai se dar muito mal pelo visto e aposto q a NC vai ser dramione surteiii legal com esse capitulo voce escreve maravilhosamente bem entao vale a pena esperar pelos capitulos

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Miss Caroline em 11/01/2012

Ninguém pode te cobrar mais! rs Capítulo postadíssimo. Ah eu já disse tudo ali na nota, mas eu preciso dar o coment. Olha eu realmente acho que tinha que ter um triângulo amoroso Draco - Hermione- Krum pq é sério, Draco com ciúmes é tãão legal *O* auhauahuhuahuah  Ahhhhh, oh Deus eu já imagino como o próximo capítulo estará cheio de emoções!!! Tô ansiosa demais hihihi vou parar por aqui senao eu posso falar demais rsrsrs De nada, você pediu a minha opinião. Eu ajudei minimamente rs Obrigada pelos elogios, a fic é maravilhosa devido a sua escrita e a sua imaginação!!!

 

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2023
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.