FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

7. Um adeus sincero [parte I]


Fic: Harry Potter e os poderes da sétima filha


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

 


CAPÍTULO 7


  


 


Um adeus sincero


 


  


 


         APÓS UM JANTAR nem um pouco alegre, – devido ao fato dos acontecimentos recentes e também por causa do que aconteceria no dia seguinte – eles se recolheram novamente na Sala Comunal de suas antigas casas, enquanto os professores, aurores e pais de alguns alunos continuaram a conversar no Salão Principal, com certeza, pensou Harry, discutindo o que deveriam fazer no dia seguinte.


  


          A Sala Comunal da Grifinória estava completamente vazia, exceto por um pequeno grupo de quatro pessoas que estavam próximos à lareira.


  


          Harry estava sentando no sofá, observando as chamas acesas crepitarem, com Gina ao seu lado, a cabeça dela encostada em seu ombro, Hermione, sentada em uma das poltronas, lia absorta o livro Poderes Mágicos do século XV: descubra-os enquanto Rony brincava distraidamente com um buraco no tapete em que estava sentado. 


 


          Durante o jantar Harry recriminou-se por Gina ter percebido que ele estava observando-a de mais, pois estivera sentado ao seu lado durante todo o jantar, seguido junto com ela para o salão comunal e sempre perguntando se ela estava se sentindo bem – Hermione e Rony lançavam-lhe olhares de advertência sempre que fazia essa pergunta – e Gina já estava desconfiada de que ele lhe escondia algo.


 


          Estavam sentados ali, a mais ou menos meia hora, discutindo como seria a vida de ambos após saírem do castelo, quais carreiras que gostariam de seguir, mais depois de um tempo o cansaço foi tomando conta de todos seguido por um silencio muito incomodo.


 


          - Eu estive pensando...  – Rony quebrou o silencio mais seu tom de voz saiu muito triste quando completou – o que será que acontecerá amanhã... sabe, nos funerais?


 


          Harry sentiu como se tivesse engolido algo muito grande que ficou entalado em sua garganta, trouxe Gina mais para perto dele. Contudo foi Hermione quem respondeu a pergunta.


 


          - Não havia pensado nisso, sabia? Provavelmente será igual ao de Dumbledore. – disse a garota, desviando sua atenção do livro pela primeira vez – Com certeza virá muitos jornalistas. – terminou ela, com uma careta.


 


          - Odeio eles. – disse Gina e Harry sentiu ela enrijecer em seus braços – Se parecem mais com um bando de morcegos velhos, prontos para atacar.


 


          Ela estremeceu um pouco e Harry deu-lhe um beijo no topo de sua cabeça.


  


          - Queria saber se todos os funerais acontecerão aqui, quer dizer... – disse Rony, levantando-se e sentando ao lado de Gina, encarando os amigos – Dumbledore foi enterrado aqui porque era diretor de Hogwarts a anos, aqui era sua casa, e enquanto aos outros? Eu não quis falar sobre isso com a mamãe, mais... será que o Fred será enterrado aqui também? E quanto ao Prof.º Lupin e Tonks?  Será que Andromeda trará o pequeno Teddy?


  


          Chegara ao assunto em que Harry não queria falar. Não podia ficar se culpando pelas mortes, mais também não se sentia a vontade de debater sobre elas assim, dessa forma. Nem se quer pensara como seria o dia de amanhã e não queria debatê-lo tampouco.


  


          - Acho que vou dormir. Boa Noite! – dizendo isso deu um beijo em Gina e rumou para as escadas. Quando estava a meio caminho do dormitório ouviu a voz zangada de Gina.


  


          - Você não dá uma dentro, não é Rony?


  


 
 


 


          Quando acordou no dia seguinte não encontrou nenhum dos colegas no dormitório. Após ter tomado um banho e se vestido – vestiu uma jeans preta e uma camisa branca – desceu para o salão comunal e encontrou Rony, Hermione e Gina sentados nos mesmos lugares em que esteve a noite anterior.


  


          No momento em que perceberam a sua presença, levantaram e foram ao seu encontro – não se surpreendeu ao ver o cansaço e a dor, que tentaram fingir não sentir até ali, estampados em seus rostos – e então recebera um abraço triplo.


 


          Passados alguns segundos onde permaneceram abraçados, Harry sentiu os corpos de Hermione, Rony e Gina se sacudirem e então percebeu que eles estavam chorando. Não conseguiu segurar a dor e a angustia que estava sentindo desde a morte de Dumbledore e então, deixou-se por pra fora todo o sofrimento, toda a dor e angustia.



          Quando se separaram Harry percebeu que os amigos também vestiam branco, - Rony estava usando uma jeans azul e uma camiseta branca; Hermione trajava um vestidinho branco que ia até a altura dos joelhos com babadinhos e rendas, o cabelo estava preso com uma trança e Gina usava uma calça bege e uma blusa branca com magas compridas, o cabelo preso em um rabo de cavalo – então lhe ocorreu um pensamento: talvez todos estivessem vestindo branco também.


 


          À medida que iam descendo em direção ao Salão Principal, percebeu que seu pensamento estivera certo. Por alguma razão todos os estudantes estavam usando uma peça do vestiário na cor branca, – provavelmente uma forma de homenagear aqueles que haviam dado suas vidas naquela batalha – pensou Harry.


 


          Quando cruzaram as portas do Salão Principal o garoto correu os olhos rapidamente pelo aposento e não se surpreendeu ao vê-lo lotado. Pais, alunos, professores, repórteres, gente de todo o Ministério, elfos e até mesmo pessoas que Harry jamais havia visto, provavelmente curiosos dos arredores da escola, estavam presentes.


 


          Dessa vez o teto do Salão Principal não refletia o céu lá fora, e sim um teto mal cuidado, nem tinha o aspecto esplendido de sempre e tampouco estava composto por suas costumeiras quatro longas mesas, em lugar disso haviam varias cadeiras enfileiradas; sem sombra de duvidas a antiga “divisão” que existia na escola acabara. Hogwarts agora era uma só.


          Encaminharam-se por entre as pessoas para encontrarem seus lugares. Avistou os Weasley a um canto, entre eles achava-se um Hagrid desolado, um enorme lenço do tamanho de uma toalha de mesa nas mãos, cobrindo um rosto ainda machucado e banhado de grossas lágrimas.


              Hagrid deu-lhes um sorrido enviesado e caiu novamente no choro. Jorge, que estava ao seu lado, batia suavemente em suas costas. Embora triste pela dor de ter perdido um membro da família, os Weasley tentavam consolar os colegas.
  


             Quando, enfim chegaram aos seus lugares o Sr. e a Sra. Weasley foram os primeiros a levantar.
 


     Gina, que até aquele momento não largara a mão de Harry, deixou-a livre e abraçou o Sr. Weasley que estava à frente; Rony, então, dirigiu-se à Sra. Weasley.
  


             Foi uma cena dolorosa de presenciar. Apesar de não ter nenhum tipo de parentesco com os Weasley, era como se um pedaço de Harry tivesse sido arrancado.
  


            O garoto dirigiu o olhar à Hermione e notou que a garota tentava, em vão, secar as lágrimas que caiam em grande quantidade sem parar; abraçou-a.
  


            Por fim, quando Rony e Gina se soltaram dos pais, a Sra. Weasley dirigiu-se a Harry.
  


              – Ah! Harry, querido, – disse ela, se atirando em seus braços e o abraçando. Um abraço caloroso...carinhoso. Abraço de mãe. – Graças a Deus que está bem! – E caiu no choro novamente. Ele sentiu as lágrimas caindo em seu ombro.
  


               Não soube o que dizer, não tinha palavras para consolá-la. Simplesmente devolveu o abraço, o mesmo abraço que acabara de receber. Um abraço de filho para mãe.
  


               – Obrigado, Sra. Weasley... – começou a dizer, mais foi interrompido pela Senhora.
  


              – Não estaríamos aqui se não fosse você, Harry. – E olhou em seus olhos. Harry ficou apreciando aqueles olhos, os mesmos olhos da pessoa que mais amava.


 


              Então, lhe invadiu uma necessidade de abraçá-la e assim o fez.


 


              – Vocês nunca estarão sozinhos. Eu sempre estarei com vocês. Sempre. - disse ele.
 


               Ele sentiu lágrimas da Sra Weasley continuar a cair sobre seu ombro e ele sentiu os olhos arderem. Não saberia quanto tempo mais conseguiria segurar as lágrimas.
  


              Então, ela o soltou e foi ao encontro de Hermione. As duas ficaram abraçadas por um longo minuto e Harry dirigiu-se ao Sr. Weasley. Deu-lhe um abraço e seguiu à cumprimentar os outros.
  


                Rony e Gina se encontravam no lado extremo onde os Weasley estavam. Duas cadeiras vazias entre eles. Sentou-se em uma das cadeiras; ao lado de Gina. Olhou-a por alguns segundos. Seus olhos e a ponta do nariz estavam vermelhos. Seu rosto estava banhado de lágrimas, mas quando falou sua voz saiu firme.
  


             – Que bom que está aqui. – disse ela, olhando-o nos olhos.


 


             Harry não soube o que dizer. Eram muitos sentimentos envolvidos. Apenas queria estar ao seu lado, abraçá-la e tentar amenizar sua dor.  Sabia que ela não seria forte o tempo todo, e sentiu raiva de si mesmo por saber disso.


 


             – Você nunca vai ficar sozinha porque sempre vou estar com você. Nunca mais vou te deixar. – e dizendo isso abraçou-a. Fez questão de transmitir nesse abraço todo o sentimento que nutria por aquela que desde o primeiro instante o amara.
  


             Deu-lhe um beijo em sua face molhada e outro em seus lábios. Ergueu a mão direita e enxugou as lágrimas que agora rolavam sem parar pelo rosto de Gina.


 


           Então o silêncio se apoderou do lugar. Neste instante Minerva McGonagall acabara de entrar no Salão Principal.



         Minerva McGonagall era, sem duvidas, a mulher mais corajosa que Harry já conhecera. Contudo, sua aparência não demonstrava pertencer à ela; estava com o semblante cansado, e ainda era possível ver em seu rosto alguns dos muitos arranhões causados pela luta durante a Guerra. Ela seguiu por entre as pessoas, cabeça erguida, porem em sua face podia-se notar a tristeza. – o que já era de se esperar, pois o mesmo acontecia com os demais que estavam presentes no ambiente – Seguiu pelo corredor de pessoas e foi-se instalar juntamente com os demais professores.


          Por um breve momento Harry lembrou-se de Dumbledore, das diversas vezes em que o diretor fez seus discursos de fim de ano e suas reflexões. A partir de agora tudo seria diferente, não havia Dumbledore, nem Fred, Tonks ou Lupin, existia apenas o pesar e a tristeza de saber que ele jamais veria aquelas pessoas, que jamais iria rir das piadas de Fred, ou das faces de Tonks, nem receberia os concelhos de Lupin.


         Seus olhos arderam miseravelmente; baixou a cabeça, pois neste momento uma lágrima teimou em rolar pelo seu rosto. Ficou pensando, deixando seus devaneios o levarem para longe daquele lugar; talvez fosse apenas um sonho ruim, um pesadelo. Talvez ainda estivesse deitado em sua cama de armar, dentro da barraca velha do Gui, acampados em uma floresta qualquer.


         Então sentiu um leve beliscar em seu braço esquerdo: ao levantar a cabeça e olhar para o lado viu que Gina o olhava com aqueles olhos marejados e seus de significações. Ela fez um gesto com a cabeça – o que fez com que seus cabelos balançassem e caíssem sobre seu colo, como uma cascata flamejante. Harry seguiu seu movimento e percebeu que McGonagall havia levantado e dirigia-se ao pedestal em forma de coruja, e mais uma vez o silencio invadiu  seus tímpanos: o salão se infiltrou no mais constrangedor silencio que Harry já presenciara.


         McGonagall ergueu a mão com a varinha até a garganta e então falou com sua voz amplificada:


         - Caros amigos – começou ela a falar, seu olhar percorrendo todo o salão – é com grande pesar que me direciono a todos os presentes nesta Escola hoje.  Durante muitos anos Hogwarts foi o palco de grandes conquistas, desafios e, por que não dizer, Vitórias? Ao longo desses anos, fomos nos conhecendo, fortalecendo os laços que há muito estava ameaçado, não só pelas trevas, e ainda assim fomos firmes e fortes, conseguimos reagir a tudo isso, conhecemos a dor, a perseguição, o medo, o desespero, mais acima de tudo conhecemos o amor, a amizade, a lealdade e foi isso que nos tornou mais fortes a cada dia.


         “Desde quando comecei a lecionar em Hogwarts sempre presei a coragem e a confiança que meus alunos demonstravam, e fico orgulhosa em saber que a maioria das pessoas que estiveram conosco nesse terrível dia já foram meus alunos. Pudemos aprender juntos e consequentemente, juntos também lutamos”.


         O salão Principal foi tomado por um acesso de concordância e balançar de cabeças. Harry olhou para Rony e Hermione; imaginou-se o que teria sido dele se não tivesse aqueles dois em sua vida, a coisa que mais presava e importava era a amizade deles. Os amigos retribuíram o olhar e sorrisos tímidos brotaram em seus rostos. Harry olhou de esguelha para Gina, sentada ao seu lado; desta vez ela não estava chorando, mas sustentava um olhar vago, fico em um ponto adiante. Ele então apertou-lhe ainda mais seus dedos, tentando demonstrar nesse gesto que ele sempre estaria junto dela, que jamais deixaria cair, que estava pronto a puxa-la se casso acontecesse.


         - Hoje somos uma comunidade livre do medo e da perseguição que vínhamos sofrendo durante vários anos, conseguimos vencer o mal, contudo, nossa alegria não é completa, somos obrigados a lembrar que perdemos pessoas inocentes, e com um coração magnificamente grande, que perderam suas vidas nessa busca por liberdade. Se hoje somos livres, devemos a essas pessoas.


         Harry sentiu-se demasiado ansioso. O momento em que a McGonagall anunciaria os nomes daqueles que ele jamais esqueceria, daqueles que o ajudara mais que qualquer pessoa.


         - ... pessoas como nosso querido antigo professor de Defesa Contra as Artes das Trevas, professor Lupin, que apesar de ter sido condenado a viver uma vida desumana, não se deixou dominar pela fera que morava dentro de si, dedicando-se sempre pelo bem de seus amigos, nunca deixou de ser leal a eles e muito menos a esta escola.


         E o Salão se encheu de aplausos.


         - Tonks, Moody, Fred e tantos outros amigos, que perderam suas vidas para nos proporcionar dias melhores...


         E então, Harry lembrou-se. Lembrou-se que faltava mais alguém; alguém que também merecia ser lembrado. Levantou-se de súbito.


         - Lembrei de uma coisa, encontro vocês depois. – deu um beijo na face de Gina e saiu  porta a fora, sem dar atenção aos olhares interrogativos de Rony e Hermione.





                              





_____
__________________ ###______________________


* LUMUS 


*Juro solenemente que não pretendo fazer nada de bom

Olá, pessoal?
 
 CAP postado, espero que estejam gostando desta que está sendo minha fonte de alegria... (autora emocionada  ='D)

Bom, este CAP terás duas partes, esta é a primeira ... [ estou com muitas ideias em mente sobre o que acontecerá n proxima parte ]... 


 



Aaaah, não deixem de comentar, ok?  [recebi muitos comentário no CAP anterior, o que me motivou a escrever este...fikdik  --->   ;) ]
Cap dedicado a todas as pessoas que estão acompanhando "minha bb" e em especial à:

 Vivikasc  - leitora sempre presente

 Neuzimar de Faria - minha cúmplice, pois ambas encontramos nas FICs um meio de preencher o vazio que o fim da saga deixou em nosso s2

Maria Clara CP Duarte  - vc sumiu, não foi? rsrsrs

lully potter weasley  -  também minha cumplice -- HG maníaca... rsrsrs
e


Giselle di Launnblecc  - minha mais nova leitora

Estou eternamente agradecida à vc's por estar compartilhando comigo este meu sonho... 



PS: Deixando mais uma vez o lembrete:  Se quiserem podem me add no MSN: dih_potter@hotmail.com, ou no POTTERMORE: 

*
 NOX


 


 


 


 


 


 


 


 


 


 


 


 



Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 4

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Meire Black em 10/07/2012
Own você é muito fofa! Tá acompanhando a minha fic(que eu não atualizo a séculos!) e eu to acompanhado a sua e aproveitando para deixar um comentário. Tá otima, eu adoro;) continue escrevendo que vc faz isso muito bem! Prometo que vou acompanhar! Rsrsrs
Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por potter e weasley em 17/05/2012

quero continuação.... amando a fic... chorando aki tb

 

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por nicla potter em 01/05/2012

CHORA CORAÇÃO...........

Nota: 1

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Lilly_Potter em 28/04/2012

Aiii... este Capitulo com certeza vira com muitas emoções...
 ja estou com as lágrimas escorrendo aki... ='(

POsta logo a continuação... e não demora muiot, tá?
Bjosss 

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.