FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

5. Parte 5


Fic: Impostora


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

Depois do dia na sala de Minerva Hermione estava mais feliz, poderia ficar com seu bebê e ele havia chutado. E apesar da colaboração da castanha em obedecer ao que lhe impunham, todos continuavam a lhe cercar, a seguiam até para ir ao banheiro, e Hermione se esforçava ao máximo para não se estressar com os amigos. Estava voltando da antiga cabana de Hagrid e atual cabana dela, acompanhada de Roger.


Estavam fazendo mudanças no lugar, aumentaram magicamente o espaço por dentro e dividiram em cinco cômodos, uma sala, uma cozinha, um banheiro, um quarto e um laboratório para as poções que faria. Era fim de tarde e os alunos seguiam para o salão principal saindo das últimas aulas do dia, quando Hermione parou de repente segurando o braço de Roger.


- Olha Roger. – Hermione apontava para um garotinho do outro lado do corredor.


- O que tem o lufo-lufo?


- Ele tem Mentos.


- Tem o quê?


- Mentos. São umas balinhas trouxas, são doces. Meu pai sempre comprava pra mim quando voltava do trabalho.


- Vamos perguntar à ele onde ele conseguiu.


Roger pegou a mão de Hermione puxando-a em direção ao garotinho, que aparentava não ter mais que 12 anos, encostado na parede oposta.


- oi. Eu sou Roger Davies e essa é Hermione Granger.


- Eu sei quem vocês são. Sou Owen Cauldwell.


- Nós queríamos saber onde você arrumou essas balinhas.


- Comprou na Dedos de Mel? – Hermione perguntou ansiosa.


- Não, não vendem balinhas trouxas em Hogsmead.


- Não vai ter jeito de você conseguir Mione.


- Essas minha mãe me mandou de casa.


- Eu quero.


- O quê?


- As balas, eu quero.


- Mas ele acaba de dizer que... – Roger começou a falar, mas parou quando viu Hermione tomar o pacote das mãos do garoto e se virar correndo pelo corredor. – Ela roubou as balinhas?


- Sim. – Owen respondeu abismado. – Ela me roubou.


- Deve ser os hormônios da gravidez que estão fazendo isso com ela. – Roger lamentou.


- Eu tenho uma caixa delas, ela poderia pedir e eu daria pra ela.


- Não deve ter ocorrido à mente criminosa dela pedir.


- Soube que foi dela a idéia de assaltar o Gringotes, mas não achei que ela continuaria na vida de crimes.


- O que mais ela não tem roubado por aí não é? Vai ver foi ela quem roubou as canetas de açúcar da Padma Patil.


- Mas custam apenas dois nuques.


- Vai ver ela tem cleptomania. Apesar de que se foi ela quem roubou as canetas de açúcar da Padma, deve ter sido por vingança pelo “gorda” que ganhou dela.


- Acho que devia ir atrás dela, ela é perigosa.


- Você tem razão. Até mais.


Roger se despediu de Owen e seguiu pelo corredor atrás de Hermione, estava andando a uma velocidade normal, mas acelerou o passo ao ver que ela dobrara um corredor.


********************************************************************************


Hermione corria e ria sozinha ao mesmo tempo, e ria mais ainda ao pensar em como devia estar parecendo louca, mas não se importava, queria tanto as balinhas, e agora as conseguira, só precisava se afastar o bastante para que o tal Owen não as pegassem de volta. Virou mais um corredor, mas ricocheteou ao bater contra algo e iria ao chão se esse mesmo algo não a segurasse.


- Oul. Tenho que parar de andar pelos cantos das paredes para que as pessoas não esbarrem mais em mim.


- Olá Zabini. – Hermione cumprimentou risonha.


- O que está fazendo por aqui Granger? Onde estão suas babás? E porque está sorrindo feito maluca?


- Eu roubei. – a castanha ria.


- Como é que é?


- Eu roubei as balinhas de um lufo-lufo. – ela respondeu e Blaise abaixou a vista para o pacote nas mãos dela.


- Ok. Você está tão pobre assim que não pode nem comprar um pacotinho de balas Granger?


- Elas só vendem no mundo trouxa. E ele não parecia tão disposto a me dar, então eu peguei e fugi.


- Quem diria que a Princesa Grifinória iria roubar balinhas dos garotinhos indefesos pelos corredores escuros.


- São tão boas, são docinhas e tem gosto de frutas. Você quer provar? – sem esperar resposta, Hermione enfiou uma bala na boca dele. – Não são boas?


- Você é maluca Granger? Onde já se viu enfiar doces nas bocas dos outros, ainda mais doces trouxas, e na boca de um sonserino.


- Ah, deixa de ser chato ó grandessíssimo sangue-puro. Admite que são boas.


- Perdeu a noção do perigo Granger? Ou você está bêbada?


- Eu não tenho medo de você, e grávidas não podem beber nada que contenha álcool.


- Onde estão suas sombras? Porque está sozinha.


- Você parece eles falando desse jeito. Tive de fugir do Roger também, ele estava comigo e com o garotinho da lufa-lufa.


- E você pode correr com a barriga desse tamanho?


- Claro que posso, você me encontrou correndo não foi?


- Hermioneeeeeeeeeeeeeee. – a voz de Roger preencheu o corredor, Hermione correu para trás de Blaise voltando a rir.


- Olha Granger, você não pode agir assim.


- Assim como? Como uma débil mental ladra de doces?


- Não. Como uma criança que se esconde atrás dos outros, você está meio grandinha pra que não te vejam.


- Não me chama de gorda.


- Eu não disse isso, você mulheres são paranóicas com isso ou é coisa de gravidez?


- Um pouco dos dois.


- Eu estou vendo você Hermione.


Hermione deu um leve sobressalto e já estava se virando para seguir pelo corredor quando Blaise a impediu.


- Nananinanão Granger. A bebê agora vai com o papai.


- Não faz isso de novo Zabini, é feio. – Hermione disse fazendo uma careta e Blaise se segurou para não rir.


- Hermione! – Roger chamou quando chegou perto dos dois. – Você é maluca?


- Acho que são os hormônios. – Blaise opinou.


- Não falei com você Zabini. Está bem Hermione? – Antes que Hermione pudesse responder Roger continuou. – Onde você estava com a cabeça pra sair correndo desse jeito? E roubar doces de uma criança ainda por cima. Você podia ter caído e se machucado...


Roger continuou reclamando enquanto Hermione tentava soltar seu braço que Blaise ainda segurava e olhava para todos os lados dos corredores tentando achar uma saída. Quase dez minutos se passaram e Roger continuava a falar, Hermione não prestava atenção e se perguntava o que ele tanto tinha para reclamar e Blaise ignorava o moreno, olhava para a barriga da castanha atentamente quando uma voz os interrompeu.


- Mas o que está acontecendo aqui? – Todos se viraram imediatamente para a origem do som. Hermione abriu um largo sorriso.


- Ginny!


- Zabini porque está segurando a Hermione? E Roger porque o Zabini está segurando a Hermione?


- Eu a impedi de fugir da babá aqui. – Blaise apontou para Roger.


- O Mapa do Maroto mostrou a Hermione correndo para longe de você e eu vim ver o que estava acontecendo.


- Você é mesmo vigiada vinte e quatro horas Granger? A Weasley é sua mãe por acaso?


- É pior. – Hermione sussurrou.


- Quem vai me explicar?


- A Hermione roubou balinhas de um lufo-lufo, por isso ela saiu correndo me deixando pra trás.


- Tem de todos os sabores de frutas trouxas Gina e também tutti-frutti que é uma mistura de várias frutas. – a castanha justificou quando a ruiva lhe lançou um olhar zangado.


- Você podia ter caído e se machucado.


- Roger já disso isso, mas estou bem não estou?


- Ela roubou um garotinho. – Blaise disse. – Estão mais preocupados por ela ter corrido do que o crime que ela cometeu?


- Ninguém sabe do crime. – Hermione disse e todos levantaram as sobrancelhas. – Vocês sabem, mas não vão contar a ninguém e se o garoto abrir a boca nós podemos silenciá-lo.


- Merlim! Você é uma psicopata, tenho pena do seu filho, por ele ser criado com uma maluca feito você.


- Ele não vai ser criado por ela. – Gina disse automaticamente, mas se arrependeu ao ver a expressão de Zabini.


- Não vai criar seu filho Granger? O que foi? Não conseguiu arrancar nada do pai dele ou você não sabe quem ele é? – Blaise disse maldosamente fazendo os olhos de Hermione se encherem de lágrimas


- Cala boca Zabini! Você não sabe de nada. – Roger gritou empurrando Blaise contra a parede fazendo-o soltar o braço de Hermione.


- Nem eu nem ela pelo visto. – retrucou sarcástico. – Mas um conselho Granger, se ele nascer ruivo permaneça calada, o pobretão Weasley tem menos dinheiro que você.


Mais lágrimas derramaram pelo rosto de Hermione e Gina sacou a varinha apontando-a para Blaise.


- Immobilus! Nunca mais fale da minha família ou da Hermione e do filho dela, o destino dele não diz respeito a você, e muito menos a situação dinanceira da minha família. – Gina sibilou de forma ameaçadora. – Vamos Roger. E se eu o vir perto de Hermione mais uma vez Zabini não será apenas um feitiço de paralisação que lançarei em você.


Gina abraçou Hermione e se pôs a caminhar rumo à Grifinória com Roger em seu encalço.


********************************************************************************


Depois do episódio com Blaise no corredor Hermione saía menos do seu dormitório, fora suspensa das aulas por ordem de Papoula e a partir de então um elfo levava suas refeições, Harry e Rony usavam uma pena de repetição rápida em todas as aulas para que copiassem tudo que os professores diziam nos pergaminhos que eles davam a ela no fim do dia e passava o menor tempo possível sozinha.


Estava sentada em uma mesa com Rony, Gina e Harry, Minerva organizara um baile para comemorar o aniversário de fundação da escola.


(Vestido: http://imageshack.us/photo/my-images/580/vestidosparagestantes.jpg/ / Cabelo: http://2.bp.blogspot.com/--r49f4Uo4ic/TiOl-1A_ZSI/AAAAAAAAAHU/iLZsQukX9ms/s1600/penteado_caracois.jpg / Sapato: http://4.bp.blogspot.com/_2vnwh5zSUBg/TVA66ztidLI/AAAAAAAAHy4/b6WKr89ELAk/s1600/100_2385.JPG).


A decoração do Salão Principal estava simples, uma pista de dança ao centro, e mesas espalhadas pelo salão ardonado por pilastras decorados com ramos de flores e com cortinas coloridas em cada uma das janelas. Uma banda tocava aonde deveria estar a mesa dos professores e muitos alunos já dançavam.


- Quer dançar comigo Hermione? – Rony perguntou.


- Claro, porque não.


Hermione aceitou a mão que Rony lhe estendia e foram para a pista, ficaram num ponto mais afastado para poderem dançar calmamente.Enquanto dançavam Hermione não tirava os olhos de certo loiro que também estava dançando, parecendo bastante feliz sorrindo para a loira que o acompanhava.


- Poderia ser mais discreta? – Rony perguntou irritado. – Ele sequer está notando sua existência.


- Não sei do que está falando Rony.


- Claro que sabe. Pare de olhar para o Malfoy Hermione, ele não quer mais saber de você.


- E quem disse que eu quero saber dele?


- Não precisava ser assim Hermione, se você tivesse me escutado e ficado comigo agora você estaria grávida de um filho meu...


- Eu não gosto de você desse jeito Ron, você é apenas um amigo, um irmão pra mim. – a castanha interrompeu.


- Ou melhor, não estaria grávida porque eu não permitira que você estragasse sua vida engravidando antes mesmo de terminar a escola. – Rony continuou como se ela não tivesse dito nada.


- Minha vida não está estragada! Meu filho não estragou minha vida!


- Não? Olhe pra você Hermione, onde, quando e como vai conseguir um emprego com um filho recém-nascido para cuidar? Minha mãe trabalhava quando se casou, mas teve que largar o emprego quando teve o Gui.


- Eu vou me virar, já fiz coisas piores e mais complicadas.


- Como se casar com um ex-comensal da morte, por exemplo?


- Ele não chegou a ser um comensal.


- Não ter a marca não significa que ele não estava do lado de Voldemort.


- Ele não estava! – Hermione começava a se alterar. – Ele se casou comigo, é prova suficiente de que ele não era partidário de Voldemort.


- Isso só prova que ele não é tão idiota. Ele só se casou com você para fingir que mudou e se aproveitar do seu corpinho.


- Não quero mais ouvir essas suas besteiras.


- O que foi? Não é porque ele deu um chute na sua bunda que vai mudar o que você é.


- Cala a boca. – Hermione pediu baixo.


- Você ainda é uma prostituta que se vendeu para o Malfoy Hermione. O fato dele ter sido um idiota a ponto de acreditar na sua conversa não muda os fatos.


- Não diga isso.


- E nem um golpe você sabe aplicar direito, terminou pior do que antes, sem dinheiro e com um filho pra dar prejuízo.


- Eu podia te dar dinheiro Hermione, você só precisava esperar Hogwarts terminar e eu conseguiria um emprego bom com a fama que conseguimos com a vitória na guerra.


- Pare.


- Mas você foi gananciosa demais para esperar, preferiu dar pro Malfoy só pra conseguir mais dinheiro. Me admira que você não tenha tentado laçar outro milionário depois que ele se cansou de você.


Hermione que já estava com os olhos cheios de lágrimas, empurrou Rony e saiu o mais depressa possível do salão, sabia que o amigo estava transtornado, mas suas palavras a magoaram. Ela correu até quando seu fôlego e situação permitiu e se encostara ao parapeito de uma janela tentando normalizar a respiração e se recompondo como podia.


Rony só dissera na sua cara tudo que sua mente repetia insistentemente e estava se remoendo por isso. Já mais calma, planejava tomar o caminho do seu dormitório quando viu um casal se aproximando e reconheceu a cabeleira de Draco. Mas antes que casal chegasse mais perto, eles pararam.


- Eu só vou no banheiro um minutinho Draco. – a acompanhante de Draco disse e se dirigiu para o banheiro deixando-o no corredor. Ela era loira e mais baixa que ele e Hermione não lembrava de tê-la visto em alguma das aulas, então não deveria ser do sétimo ano.


- Draco. – chamou se aproximando. O loiro se virou na direção dela e apertou os olhos tentando reconhecer quem era no meio da escuridão do corredor.


- Ah não! O que você quer agora?


- Eu só queria pedir desculpas pelo que fiz com você.


- Não há desculpas para o que você fez. Se era só isso é melhor você voltar para os seus amiguinhos antes que eles cheguem aqui e achem que estou fazendo algo à você.


- Eu não queria ter lhe magoado, eu...


- Você brincou com os sentimentos de uma pessoa. – Draco a interrompeu. – Você foi cruel, insensível, desumana.


- Não foi por querer.


- Foi sim. – riu sarcástico. – Você se aproveitou de mim, muito feio para uma grifinória sabia?


- Você me maltratou por anos e eu lhe perdoei, não pode simplesmente fazer o mesmo?


- Não, e sabe porque? Porque o seu perdão não foi sincero, foi só um jeito de facilitar as coisas pra você. Eu fui sincero com você quando disse que gostava de você e você me usou.


- Não... – Hermione se interrompeu ofegando.


- Eu não vou discutir isso de novo com você. Eu já lhe disse tudo que deveria dizer no dia que descobri toda essa palhaçada.


- Você só me xingou naquele dia.


- Repito, eu já lhe disse tudo que queria dizer, sendo xingamentos ou não.


- Estou atrapalhando?- a voz áspera da acompanhante de Draco se fez presente, mas nenhum dos dois a ouviu.


- Do jeito como você coloca eu pareço ser a carrasca da história.


- E você quer ser quem? A princesa em apuros? – debochou. – Só tem um probleminha, princesas em apuros não esfaqueiam o príncipe encantado. – Draco fez um jeito com a mão como se esfaqueasse alguém.


- Que coisa horrível de se dizer Draco. Deixe essa sangue-ruim aí e vamos para a Sonserina. – a loira se manifestou.


- Ah! E você fica quieta aí.


- Draco! Não fale assim comigo. – exclamou indignada.


- Olha só, a conversa aqui não está no seu nível intelectual então é melhor você ficar de boca fechada antes que passe vergonha ok querida? – Draco retrucou com voz falsamente doce.


A loira bufou e começou a se afastar lentamente dele, indo até Hermione e voltando para perto do loiro.


- E você, de uma vez por todas, eu não a desculpo, portanto não se atreva a aparecer novamente na minha frente. – Continuou voltando-se para Hermione.


- Que água é essa no chão?


- Que água Lizzie?


- Estourou. – Hermione sussurrou.


 


 


 


 


 


N/A: Pessoa malvada que termina o capítulo assim neh, acho uma coisa tão feia fazer isso, tsc tsc rsrs, mas confesso que com esse final acho que pelo menos alguém vai pedir o resto neh. Eu achei que ninguém mais estava lendo, por isso nem tive pressa de postar, faltava terminar só uma cena antes dessa pra eu poder postar, aí a Byanca comentou e eu fiz a bondade de postar, já tenho material suficiente pro próximo capítulo, basta só vocÊs comentarem que eu posto rapidinho, já está perto do fim, mas as cenas serão mais compridas e acho que vai demorar um pouquinho pra que termine, mas isso depende de vocês rsrs. Bêjuxs e até a próxima.

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 1

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Byanca em 06/03/2012

Aaah você é muito maligna kk , eu preciso muito de mais *---*

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.