FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

3. Parte 3


Fic: Impostora


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

- Hermione? – uma voz perguntou depois que estava algum tempo sozinha. Hermione levantou a cabeça imediatamente.



- Roger... – disse no que o moreno não entendeu se foi um comprimento, uma resposta ou uma lamentação.



- Você está bem? Oh, pergunta estúpida, você não estaria chorando se estivesse.



- Eu estou gorda? – perguntou entre soluços.



- De novo isso? Você não está gorda Hermione, você está... Fofa. – Roger disse se sentando ao lado de Hermione.



- Fofa é uma forma educada de dizer que estou gorda.



- Ok, quem disse que está gorda dessa vez?



- Parkinson.



- Ela só está com inveja porque você foi casada com o Malfoy e ela não. E por falar nisso Hermione, eu estava conversando com a Gina e ela me pediu para que eu conversasse com você.



- A respeito de quê? Você não está tentando mudar de assunto não é?



- Hermione não pode dar seu bebê. – a castanha ficou em silêncio mirando o chão por um tempo antes de responder.



- Eu não queria ter que fazer isso, mas eu não tenho escolha. Eu não poderei nos sustentar por um bom tempo e não posso jogar esse peso nas costas de outra pessoa. Vocês não entendem, sei que todos querem me ajudar, mas não fazem ideia do que vai ser os meses após o nascimento.



- E o pai dele? – outro silêncio.



- Ele não o quer, nem a mim.



- Mas o filho também é dele, é obrigação dele também, você não o fez sozinha.



- Ele não o quer e eu não vou obriga-lo, já fiz muito mal a ele e não vou obriga-lo a ficar com um filho que ele não quer. Ele não sabe e nem vai saber que meu bebê é dele e depois que o ano terminar e eu o der tudo estará resolvido. Será melhor para o meu filho Roger, terá uma família e será bem cuidado, de um jeito que no momento eu não poderei.



- É do Malfoy não é?



- Porque diz isso?



- Pelo jeito que você fala do pai dele. Não sou burro sabe? Se prestar atenção dá pra ligar os pontos e perceber.



- Sim, é dele. Mas ele não o quer. Ele me odeia e odeia qualquer coisa ligada a mim.



- Não sei o que ele disse pra você, mas deve tê-la magoado.



- Foi um dos motivos por eu estar chorando.



Hermione relatou todos suas brigas com Draco, no dormitório quando descobriu sua farsa, no Natal quando tentou contar à ele sobre o bebê, em Hogsmead quando omitiu sobre o pai do bebê e na última hora quando ele e Pansy a humilharam.



- E porque enganou ele?



- Porque meus pais estão desaparecidos na Austrália. Se eu me casasse com alguém rico e depois me divorciasse, eu ganharia uma parte do patrimônio e poderia bancar as buscas por eles. Esse tipo de coisa é muito caro e nem Harry poderia me ajudar, então ele deu a entender que gostava de mim então eu fingi também gostar dele e um tempo depois ele me pediu em casamento então aceitei.



- Se tivesse dito ele poderia ter lhe dado o dinheiro.



- Ele era minha única chance, e se ele se recusasse eu estaria perdida. Sei que fui egoísta e perversa, mas não queria magoá-lo.



- Você podia ter saído dessa de várias formas Hermione, mas entendo que estava desesperada demais para pensar em outras opções.



- Acho que sim. E depois eu me acostumei a ele e ao jeito dele fazer as coisas, de me tratar e acabei me acomodando e me esquecendo do foco.



- Ah... Se apaixonou por ele. – Hermione bufou.



- Isso que dá conversar com corvinais. – resmungou.



- Estou muitíssimo orgulhoso de conseguir desvendar o que você não diz. – o moreno sorriu.



- Seu bobo. – Hermione riu de leve limpando o rosto.



- Hermione, só tem um detalhe que eu não entendi.



- Qual?



- Se você se casou para poder se divorciar e pegar parte do dinheiro do Malfoy...



- Falando assim eu me sinto um monstro. – a castanha o cortou.



- Agora que estão se divorciaram, porque não tem dinheiro? Porque agindo mal ou não você tem direito.



- Não nos divorciamos ainda.



- Por quê?



- Porque eu não concordei com algumas cláusulas e o advogado teve de reescrevê-lo.



- E que cláusulas seriam essas?



- As que me dão metade da fortuna dele.



- Porque não concordou?



- Porque mesmo estando desesperada pra encontrar meus pais, tudo que fiz foi errado e fez muita gente sofrer, e com a minha gravidez, achei um absurdo tirar o dinheiro dele.



- Então tudo que fez foi em vão?



- Sempre que eu, olhasse, lembrasse ou usasse o dinheiro eu ia lembrar a crueldade que eu fiz. Não valeu a pena, por isso preferi abrir mão. Posso voltar ao desespero, mas é melhor. – Hermione voltou a chorar e Roger a abraçou.



Perto dali uma morena prestava atenção a cada palavra da conversa e saiu pensativa depois do que ouviu.



************************************************************************************



Dias depois da conversa com Roger no corredor Hermione estava mais uma vez na sala de Minerva de frente para o advogado de Draco.



- Você está maior do que eu me lembro. – debochou quando viu a barriga de Hermione.



- Já estou cansada de todo mundo me chamar de gorda, se insinuar isso mais uma vez eu te azaro.



- A gravidez deixa os nervos a flor da pele não é? Minha esposa teve gêmeos e a gravidez dela foi terrível, mais chata impossível.



- Vejo que é costume você falar mal das pessoas pelas costas.



- Não consta nada sobre pensão ou algo do tipo no contrato. Meu cliente não quer assumir o filho?



- Se o problema fosse esse eu requereria os direitos do meu filho. – Hermione mentiu na cara de pau. – Não é dele.



- Agora entendi porque o divórcio. – murmurou baixo.



- Me dê logo esses malditos papéis. – a castanha esbravejou e o advogado lhe passou os pergaminhos. Ela releu e os assinou.



- Agora você volta a ser Granger.



- Nunca deixei de ser. Isso é tudo?



- Sim, passar bem.



- Até nunca. – Hermione sorriu saindo da sala. – Agora eu digo que sou solteira ou divorciada? – perguntou para si mesma caminhando de volta para a Torre da Grifinória.



- Granger. – Hermione se virou para ver Pansy caminhando na sua direção.



- Estou cansada pra discutir com você hoje Parkinson, porque não marcamos pra amanhã?



- Eu sei quem é o pai do seu filho. – soltou de vez e Hermione enrijeceu o corpo.



- Você não sabe. Esqueceu que estávamos na dúvida entre Harry, Rony e Roger? Você não sabe, não tem como saber.



- Ahh, eu sei, e sei que não é nenhum desses... É o Draco.



- Você está jogando verde, mas eu não vou cair.



- Então você não vai se incomodar se eu sem querer contar à Rita Squitter que a grandiosíssima Hermione Granger está grávida e que o pai possivelmente é Draco Malfoy. Seria a matéria do ano, aposto que ela é promovida, além do Draco ficar uma fera quando ler a notícia no jornal. Aposto também que não lhe deixariam em paz um segundo sequer e lhe perseguiriam até conseguir uma foto sua com seu filho.



- Uma hora o resto do mundo bruxo vai saber que eu tenho um filho. – “Ou não.” completou mentalmente. – E tirar uma foto dele não me incomoda.



- Nem se ele tiver cabelos loiros e olhos cinzas? Pare de fingir Granger, sei que ele é o pai.



- O que você quer? – disse entre dentes.



- Nada. – disse depois de alguns minutos.



- O quê? Acho que não ouvi bem.



- Não quero nada, por enquanto. Só queria lhe aterrorizar. Quem sabe mais tarde eu não use essa informação pra arrancar algo de você não é?



- Ah claro, você quer mais é que a história continue como está não é? Tem medo que o Draco queira voltar comigo se souber do bebê? Não precisa se preocupar com seu posto Parkinson, ele já deixou bem claro que não quer filhos comigo, ele é todo seu.



- Eu vou ficar calada sim. – Pansy riu. – Mas não é por esse motivo que você pensa não. E cuidado com o que conversa pelos corredores. Talvez alguém não tão bonzinho quanto eu escute. – a morena deu as costas e voltou seu caminho pelo corredor.



- Preciso da Gina. – Hermione mordeu o lábio inferior. – E de chocolate. – completou.



************************************************************************************



Hermione ficou mais apreensiva depois que Pansy descobriu sobre seu segredo, andava mais estressada e sempre que via a sonserina ficava tensa. Os amigos a aconselharam a esquecer o assunto até que realmente fosse um problema. Hermione havia saído mais cedo das aulas alegando estar cansada, estava vendo TV no seu dormitório, Minerva havia conseguido e enfeitiçado o aparelho, era uma das poucas coisas que prendiam a atenção de Hermione e a fazia descansar já que tinha que ficar obrigatoriamente sentada ou deitada para assistir.



Sentia o ventre enrijecido, além da dor de cabeça, Gina ainda não havia voltado do jantar e já estava começando a ficar preocupada. Assistiu a mais alguns desenhos animados quando sentiu algo molhado e pegajoso escorrer por entre as pernas, levou a mão ao local achando que a bolsa amniótica havia estourado, mas ao voltar a mão ao seu campo quase desmaiou.



- Sangue. – sussurrou quase desesperada.



Hermione começara a tremer, levantou e caminhou cuidadosamente para fora do dormitório, se apoiando nas paredes e segurando a barriga deixando um pequeno rastro de sangue pelo caminho. Entrou na enfermaria, mas Madame Pomfrey também não havia voltado do jantar.



- Comilões, comem mais que a grávida. Socorro! – gritou se arrastando pelos corredores vazios. – Eu vou perder meu filho. Eu não quero perde-lo. – a castanha já começava a chorar.



- Você está vem? – uma voz perguntou a frente. Hermione ergueu a cabeça e viu um garotinho de aparentemente 12 anos lhe encarando do começo do corredor.



- Procure Gina ou Rony Weasley, ou Harry Potter, ou Madame Pomfrey, ou a professora Minerva ou alguém que consiga me carregar. Procure ajuda e diga que Hermione Granger está sangrando.



- Não saia daí, eu vou mandar alguém. – o menino se virou e correu. Hermione se apoiou da melhor maneira possível na parede, chorando sem parar.



********************************************************************************



O garotinho corria o máximo que suas pernas permitiam, todos no castelo conheciam e adoravam a aluna mais inteligente da escola, a melhor amiga de Harry Potter, ex-esposa de Draco Malfoy e grávida do ano, então seria melhor para o bem de todos inclusive o dele próprio que encontrasse alguém e rápido. Já estava quase no salão principal, mas trombou com alguém ao virar o corredor.



- Ai! Olhe por onde anda garoto.



- Nem doeu tanto assim Blás.



- Não, imagina. – respondeu sarcástico. – Manda o garoto com esse peso significativo dele bater em você em alta velocidade pra ver se não dói Draco.



- Detesto interromper... – o garoto disse se levantando. – Mas vocês podem me ajudar?



- Somos sonserinos, acha mesmo que vamos te ajudar? – Pansy disse rindo de leve.



- Hermione Granger está sangrando num corredor lá de cima e ela está grávida.



- Como você percebeu que ela estava grávida? Quando? – Blaise disse sarcástico.



- Esperem! Ela está sangrando? Onde ela está? – Draco levantou o garotinho pela camisa fazendo-o ficar com o rosto da sua altura.



- Ele não vai falar com você sufocando ele Draco. – Blaise fez o amigo soltar o garoto que já estava ficando roxo.



- Ela está num corredor perto da enfermaria. – o garoto mal disse e Draco se pôs a correr em direção às escadas, sendo seguido pelos amigos com alguns segundos de atraso.


************************************************************************************



- Socorro! Socorro! – o menino entrou correndo no salão principal, todos viraram para ele que só parou para procurar alguma cabeleira ruiva. – Gina Weasley! Gina Weasley!



- O que foi garoto? – a ruiva se levantou do seu lugar no começo da mesa.



- Hermione Granger... – o pequeno arfava. – Está sangrando num corredor.



Silêncio total.



Pânico.



Minerva, Papoula, Gina, Rony, Harry, Roger, Luna, Neville, entre outros alunos que se levantaram esbaforidos correndo na direção do garotinho. Várias pessoas o rodearam lhe enchendo de perguntas.



- Onde ela está?



- AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA!



- O que aconteceu?



- AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA!



- Como ela estava?



- AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA!



- O bebê está nascendo?



- AAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAAA!



- CALA A BOCA LUNA. – Gina berrou fazendo os outros se calarem também. – Nos leve até ela. Agora! – Gina disse e em seguida puxou o garoto para fora do salão, sendo seguidos de perto por vários outros alunos.



********************************************************************************



- Aqueles amigos dela não deviam estar com ela? Afinal quem deixa uma grávida sozinha por aí? – Blaise disse enquanto subiam as escadas.



Procuraram por alguns corredores até achá-la, escorada em uma parede suando, sangrando e chorando. Os sonserinos pararam a corrida e se aproximaram devagar.



- Granger? – Pansy perguntou e Hermione levantou a cabeça instantaneamente.



- Eu disse alguém que consiga me carregar e aquele trasgo miniatura me manda uma garota e sonserina pra melhorar a situação. – Hermione choramingou voltando a abaixar a cabeça. - Ela vai é terminar de me matar.



- Eu tenho cara de garota por algum acaso?



- Somos invisíveis Blás.



- Calem a boca vocês dois, acho que ela realmente não está bem. – Pansy disse chegando mais perto.



- Claro que não está bem, ela está sangrando. – Blaise também se aproximou.



- Granger está me ouvindo? – a morena se postou ao lado de Hermione.



- Estou. Está doendo, ele vai morrer. – choramingou começando a escorregar para o chão.



- Será que ela está delirando ou algo do tipo? – Blaise perguntou.



- Acho que ela só está confusa por causa da dor. Vamos levá-la para a enfermaria, ela está perdendo muito sangue.



- Não. – Hermione gemeu. – Os outros estão vindo pra cá. Eles vão salvá-lo, eu não posso perdê-lo.



- Peguem ela suas lesmas. – Pansy ralhou.



Draco apoiou as costas de Hermione enquanto Blaise pegava as pernas dela e caminhavam com o maior cuidado e rapidez que podiam até a enfermaria, um andar acima.










N/A: Então o que acharam? O capítulo ficou pequeno? Acho que tá menos que os anteriores, mas já é alguma coisa neh, o tempo passou voando, quandi vi já tinha passado uma semana desde que postei pela última vez, sorry pela demora, fico meio avuada, non esqueçam de comentar e se vocês quiserem se comunicar comigo (como se eu fosse um alien ou algo do tipo) é só me add ó ~> daily_kiki_doll@hotmail.com , esperem que gostem do capítulo, bêjuxs e até a próxima, continuem acompanhando.

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 0

Nenhum comentário para este capítulo!

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.