FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

ATENÇÃO: Esta fic pode conter linguagem e conteúdo inapropriados para menores de idade então o leitor está concordando com os termos descritos.

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo



______________________________
Visualizando o capítulo:

7. capitulo-7


Fic: Muito mais que inimigos.


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

Já passava das quatro da tarde quando uma coruja branca entrou pela janela do apartamento de Scorpius, voando diretamente para cozinha.
Lily lutava contra uma embalagem de ravioles congelados, e Scorpius tomava banho. Quando o animal pousou na bancada de mármore da cozinha, Lily deu um grito, fazendo com que a coruja se irritasse e soltasse um sonoro pio de indignação.
-Merlin, Puffy! Você me assustou, querida...
Os dedos delicados da mulher, correu entre as penas branquinhas da coruja enquanto tirava a carta na pata que se esticou de imediato.
Scorpius apareceu enrolado em uma toalha branca, encharcando o piso.
-Por que você gritou, ruiva?
-Oh desculpe, Scorp. Puffy entrou quando eu estava distraída e acabei me assustando.
Scorpius olhava da coruja para Lily sem entender grande coisa.
-Mas o nome da coruja do Sr.Potter não é Vênus?
-Ela prefere, Puffy! Eu dei o apelido quando ela chegou em casa do tamanho da palma da minha mão.
Ele balançou a cabeça em descrença.
Lily correu os olhos na pequena carta e abriu um sorriso involuntário.
-Tio Rony está na Inglaterra! Estão todos na casa do papai. – passou voando por Scorpius e deu um beijinho estalado nos lábios rosados dele.
Escolheu roupas quentes e simples e voltou pra cozinha onde encontrou Scorpius sentado comendo os Raviólis.
-Pra onde vai toda essa comida? – ela questionou.
-Já disse que estou em fase de crescimento. –ele tirou os olhos do prato e viu que Lily estava arrumada.
-Onde pensa que vai?
-Ora Scorp, pra casa dos meus pais...  Esqueceu que tio Rony e tia Hermione estão lá?
-Está fora de cogitação, Lily, você não vai!- Scorpius, mantinha a calma o tempo todo, e voltou a comer como se não tivesse sido interrompido.
-Como não vou? E claro que eu vou, é a casa dos meus pais.
-Não esqueça que foi o SEU pai que me deu essa “adorável” responsabilidade.
Lily estava vermelha e possessa.
-Quem você pensa que é, MALFOY?
-Eu sou o responsável dessa merda toda, Potter!
-VOCÊ NÃO MANDA EM MIM!
-Enquanto estiver em minha casa sob meus cuidados... Sim eu mando! – Scorpius não alterava o timbre da voz hora nenhuma enquanto a ruiva gritava a plenos pulmões.
-QUANDO VAI PARAR DE ME TRATAR COMO UM BEBÊ, MALFOY?
As lágrimas da ruiva já caíam pelas bochechas rosadas, e Scorpius se levantou derrubando a cadeira.
-QUANDO PARAR DE SE COMPORTAR COMO UM!
Olharam-se, por alguns segundos e Lily saiu do apartamento batendo a porta da sala. Os copos que estavam no alcance da mão de Scorpius voaram pelas paredes.
 
Lily andava apressada pela grande avenida que ladeava o prédio onde Scorpius morava. Avistou um beco escuro e abandonado entre duas lojas pequenas e com pouco movimento. Levou as mãos trêmulas no rosto para limpar os vestígios das lágrimas e aparatou em seguida.
A casa dos Potter localizava-se no campo, próximo à Toca.
Os jardins de Ginny rodeavam toda a propriedade, dando um ar de conforto e calma. Olhou-se no reflexo da porta antes de entrar, os olhos avermelhados passariam desapercebidos pelo frio.
A casa estava quente e agradável, da sala pôde ouvir as risadas de seu tio Rony vindo da cozinha, parou de chofre na lateral da porta para observar a família da qual fazia parte. Todos rodeavam a grande mesa de mogno no centro da cozinha, Ginny estava sentada no colo do marido e quando se levantou Lily podia notar os olhos do pai no traseiro da mulher que ainda conservava sensualidade.
O primo, Hugo Weasley fazia malabares com os bolinhos de chuva, Hermione ditava passagens de seu novo livro a Harry, e Rony conversava animadamente com Albus e Roxanne. No canto mais afastado da cozinha Dominique Weasley e James Potter cochichavam e a loira era toda sorrisos para o primo que parecia total e completamente desinteressado, achando a xícara que segurava mais interessante.
O primeiro que viu Lily foi Hugo, que levantou derrubando todos os bolinhos e correu para abraçar a prima.
-Lilyzinhaaaaaaaaaaaaaa!!!
Hugo abraçava e rodopiava a ruiva no ar enquanto ela dava soquinhos inúteis nas costas largas do primo pra que ele a largasse.
-Eu também Hugo, mas preciso respirar! – Hugo soltou a prima que em seguida foi abraçada pelo tio.
-Como vai a minha pequena? – perguntou um Rony com entradas salientes e muitos fios brancos.
-Vou bem, tio Ron... Papai te contou que tirei férias por livre e espontânea vontade? – Harry sorria abertamente na direção da filha não dando importância pras suas alfinetadas.
-Seu pai nos contou alguns detalhes, querida. Viemos para auxiliar nas investigações, sua prima Rose vem mais tarde... Estava de plantão no hospital trouxa onde trabalha e ainda iria na casa de Patrick, o namorado dela.
- Um trouxa... Criamos nossos filhos pra isso, Merlin o que eu te fiz pra merecer tanto desgosto?- falou Rony teatralmente.
-RONALD BILLIUS WEASLEY! Você está terminantemente proibido de criticar, acusar, impor ou falar o que quer que seja contra nosso genro.
-Mas Mione ele é um trouxa!
-SEUS SOGROS TAMBEM O SÃO! Algum problema quanto a isso, “querido”?- Hermione terminou a frase em tom de ameaça e Rony resmungou alguma coisa antes de encher a boca com um bolinho.
Hermione se voltou na direção de Lily e voltou a conversar.
-Como eu ia dizendo meu bem, sua prima chega  às seis horas, e Dominique veio nos acompanhando para fazer parceria com James.
Lily olhou na direção da prima que exibia um sorriso irritante nos lábios e enrolava uma mecha dos cabelos dourados no dedo indicador.
-Onde está Scor,p Lil? – perguntou Albus que parara o assunto com o tio.
A ruiva deu de ombros, desinteressada na pergunta.
-Mas como hoje Draco e Astoria vão aparecer pro jantar, com certeza veremos Scorpius, Al, não se preocupe.
Harry olhava atentamente para filha, enquanto notava ela forçar uma cara de indiferença.
-Porque Scorpius não veio com você, Lily?
Ela suspirou antes de se virar para o pai, irritada.
-Porque, papai... Ele não é minha babá pra seguir todos os meus passos, o que está acontecendo com o senhor? Nunca me tratou como uma criança idiota e incapaz, eu moro sozinha há três anos, papai, e nem quando eu estava aqui o senhor era tão pegajoso!
-Não é questão de ser pegajoso, Lily, você é alvo principal desse bando de loucos que querem estourar outra guerra! E sabe por que,      Lily? POR QUE VOCÊ É MINHA FILHA, DROGA!
 
Todos olhavam assustados pros dois que estavam vermelhos e se olhavam raivosos.
Ginny falou baixinho no ouvido do marido e ele se acalmou pedindo breves desculpas a todos enquanto se retirava, antes de sair totalmente da cozinha olhou mais uma vez pra Lily.
-Isso não acaba aqui, mocinha! – e saiu sem dizer mais nada.
 
Olhou-se no espelho outra vez quando sua prima Rose entrou em seu antigo quarto.
- Imagine o dia que for se casar, Lil? Terá que começar se arrumar um mês antes! Vamos, ruiva, todo mundo já desceu.
-Como se você não fosse ruiva também, Rosinha.
-Somos ruivas diferentes, porque meu cabelo é ruivo laranja e o seu é vermelho sangue!- Rose revirou os olhos com a obviedade do assunto.
-Certo, ruiva laranja... Aposto que nossa “ querida” prima Dominique não desceu.
-Pois dessa vez você esta errada priminha, ela já desceu e está no maior papo com o filhote de doninha.
Lily estreitou os olhos com o comentário sobre Scorpius e desceu as escadas o mais rápido que seu sapato permitia.
O único lugar vago era o que ficava de frente pro Malfoy mais novo, que estava sentado ouvindo atentamente as peripécias de Hugo no quadribol, Dominique que tentava participar a todo custo da conversa dos rapazes sorria e jogava os cabelos de lado debilmente para chamar a atenção do loiro.
Scorpius não dirigiu nem sequer um olhar na direção de Lily que ficava cada vez mais irritada com as investidas de Dominique.
O jantar foi servido e todos comiam e falavam sobre diversos assuntos. Hermione estava interessada sobre os casos que Lily trabalhava no ministério, e essa contava orgulhosa quantos casos vencera.
O assunto começou a se voltar para o misterioso caso que acontecia atualmente.
-Como eu te disse, Rony, não temos pistas. Todos seguiram os passos da tal Melina e a garota na faz nada que prove que tenha algo a ver com o caso. Bulstrode estava trancada em casa... Mas descobrimos que teve uma alergia séria causada por um creme facial que ela usou no tal SPA. Estamos cada vez mais perdidos e sem pistas, seja quem for está fazendo muito bem feito.- falou um Harry enfaticamente.
-Certo. Eu andei lendo os relatórios da sua equipe, Malfoy, e alguns relatórios não estão completos.- disse Hermione antes do marido responder Harry.
-Como é que é, Granger?- perguntou Draco irritado.
-É Weasley, Malfoy. Continuando, é Isso que você ouviu, estão incompletos, vocês investigaram apenas famílias inglesas e pessoas com as iniciais M.B, porque não investigaram famílias de outros países?
-Mas não faz sentido, Granger, é tão óbvio que esta pessoa reside na Inglaterra! Ela sabe todos os detalhes do que acontece aqui.
-Não disse que ela não reside aqui, eu disse que não olharam famílias de outras nacionalidades.
Harry olhou para o filho mais velho que permanecia entediado com tudo.
-É possível levantar essas informações, James?
Ele levantou os olhos preguiçosamente em direção ao pai e respondeu:
-Dominique é especialista em relações exteriores, ela consegue isso melhor do que eu.
James disse isso e saiu da mesa arrastando os pés.
Harry viu o filho subir pro quarto e olhou para Dominique.
-Então, Domi? Você pode levantar esses dados?- perguntou Harry carinhoso pra sobrinha.
-Vou tentar conseguir o mais rápido possível, tio.- ela sorriu meiga pra Harry que apenas concordou com a cabeça.
-O que nos leva a outro assunto, porque hoje você não estava com a Lily, Scorpius? Achei que soubesse que não pode deixá-la sozinha nem por dez minutos.
Sem se dirigir uma única vez a Lily, Scorpius olhou para Harry calmamente.
-Perdão, senhor, mas até mesmo o senhor há de admitir que sua filha age por impulso. Ela é explosiva e irresponsável, não tem respeito e nem leva a sério todo o trabalho que estamos fazendo para mantê-la em segurança senhor.- Scorpius disse tudo calmamente e esperou a reação do chefe.
-É realmente difícil admitir, Scorpius, mas Lily é um pouco explosiva mesmo, o que não te dá o direito de desrespeitar minhas ordens.
Lily sorriu arrogante pro loiro que voltou a atenção pro chefe.
-Eu tentei detê-la senhor, mas ela não me deu ouvidos, agora se o senhor permitir que eu use da minha força e prenda sua filha todas às vezes que ela se comportar como uma criança mal criada eu farei...senhor.
-Não será necessário, Scorpius. Lily vai se comportar melhor daqui pra frente, ela sabe o quanto a mãe dela ficaria preocupada e arrasada caso lhe acontecesse algo. Não é minha, filha?
Lily sorriu sarcástica pro pai.
-É claro, papai.- e revirou os olhos.
-E se me permite, senhor, caso sua filha não se comporte enquanto EU for o responsável pela segurança dela, eu peço humildemente que me libere da missão. – Scorpius tornou o pequeno discurso extremamente formal e polido.
Draco se engasgou com o vinho e olhou espantado pro filho, Albus balançava a cabeça freneticamente, e Harry apenas sorriu.
-E porque isso, Scorpius?-perguntou Harry.
-Porque talvez ela não confie em mim pra tal cargo, ou se sinta mais inclinada a respeitar o que Albus disser... Não sei ao certo, senhor, mas talvez tenha que perguntar a ela o que prefere, caso ela não queira mais que eu seja o responsável, não vejo porque forçá-la a aceitar minha presença.
Harry concordou e olhou pra Lily que parecia ter levado um balaço no estômago.
-Então querida, como vai ser? Você pode aceitar permanecer sob os cuidados de Scorpius ou podemos por Albus ou Dominique para ficar com você, o que lhe for mais confortável. – o pai disse tudo baixo e calmamente, mas Lily sabia que ele tinha muito mais segurança com Scorpius que trabalhava na equipe dele desde que virara auror. Albus ele sabia que seria facilmente ludibriado pela irmã e Dominique ele sabia que nem sob cruciatus Lily aceitaria a futilidade da prima 24 horas por dia. E sua cabeça estava à milhão, agora que tudo estava começando a entrar nos eixos com ela e o loiro, tinha sido tão bom estar com ele, conversar com ele, ela se sentia em casa.
Olhou pro pai notando o quanto ele torcia por sua decisão permanecer inalterada.
-Não se preocupe, papai, o Scorpius pode continuar sendo minha babá temporária, não quero deixar o senhor e a mamãe com mais cabelos brancos... Se é que isso é possível. –ela sorriu amável pro pai que entendeu que toda a raiva da filha se dissolvera.
-Então estamos resolvidos sobre isso, Scorpius, Lily ainda está em suas mãos. –falou Draco tranquilo.
-Claro, Sr.Malfoy, Lily está em boas mãos. – Albus sorriu descarado pra irmã e depois Draco disfarçou a risada com uma tosse.
Depois de todos terminarem suas sobremesas, foram pra sala de estar, continuar as conversas.
-Acho que poderíamos burlar alguma lei do ministro e enfiar veritasserum goela abaixo dessas garotas.- Albus falava pro pai.
-Isso é impossível, Al, você sabe que o estatuto do sigilo dos pensamentos e sentimentos foi criado...
-E blá blá blá, nós sabemos que você sabe todos os estatutos Rosinha, poupe-nos da falação, por isso eu disse burlar, essas meninas são ótimas oclumentes, invadir a mente delas é infinitamente mais complicado.
-Talvez Albus tenha razão, Harry. –Hermione interveio pelo sobrinho. Todos arregalaram os olhos diante da ideia de Hermione Granger Weasley burlar uma lei.
-Viu? Até a tia Hermione que é sabe tudo concordou.
-Menos, Albus, acho que você está convivendo demais com os Malfoy, está pegando as manias irritantes dele.
-Ora, Granger...-Draco começou, mas foi calado por um beliscão que Astoria lhe aplicou.
- Vou ler tudo sobre os estatutos, e se não conseguirmos a liberação, faremos sem que o ministério saiba, eu mesma preparo o veritasserum.
-Todos de acordo?Draco?-perguntou Harry.
-Certo, Potter, a sabe tudo tem razão. Se as mocinhas estiverem escondendo algo, descobriremos.
 
A conversa se voltou para amenidades, Lily que falava com Rose e Roxanne sobre as ultimas tendências pediu licença para ir à cozinha beber água, estava distraída esfregando o pescoço que estava mole e relaxado pelo vinho, quando sentiu duas mãos a puxando pra dentro do escritório do seu pai.
-Mas que porra é essa?- perguntou tentando se acostumar com o escuro do lugar.
-Por que não escolheu Albus para fazer sua segurança?
Lily reconheceu a voz arrastada e grave de Scorpius.
-Porque não era o que meu pai queria, Malfoy.
-Voltamos a nos tratar tão formalmente? –ele disse dando um risinho pelo nariz.
-Incomodado?- ela perguntou cruzando os braços.
-Nem um pouco, me agrada os velhos tempos.
Antes que Lily pudesse protestar estava presa contra a porta.
-Eu vi você de papo com seu priminho... Eu me lembro quando vocês estiveram se agarrando no sexto ano, estavam combinando de relembrar os velhos tempos?
-Isso faz tempo, Scorpius, não tem nada a ver.
-Ele beijava você como eu beijo?
Lily começou achar impossível respirar.
-O quê?
Scorpius se aproximou ainda mais, colando seus corpos.
-Ele te tocava como eu toco, Potter?- sua voz saia quente próximo ao ouvido dela, fazendo-a fechar os olhos cedendo ao toque dele.
-Scorp... –Ela tentou dizer, mas sua voz estava rouca de prazer.
  -Você o deixaria fazer tudo que faço com você?- sussurrou dando beijos molhados ao longo do pescoço dela. – Tudo que quero fazer com você?
Ela deixou o pescoço a mostra permitindo que ele se aprofundasse nos beijos.
A respiração dele estava ofegante enquanto olhava o rosto dela.
-Diga que me quer.
Lily se esforçou para tornar a respiração mais fácil, enquanto mirava os lábios dele, que estavam perigosamente próximos.
 
-Diga, Lily. – Ele ofegou, deslizando as mãos pra dentro do casaco dela para cobrir seus seios. – Diga que me quer.
 
Arqueando contra o corpo dele, levou a cabeça pra trás para sentir melhor os lábios quentes que percorriam sua garganta.
-Scorpius,...
-Diga. – Ele implorou, fazendo movimentos circulares com os dedos sobre os mamilos até ficarem arrepiados.
Prendendo a respiração abriu os olhos pra olhá-lo  e quando viu o desejo estampado no rosto dele deixou de lado o fato de estar no escritório do seu pai, com um cara que a achava uma garotinha.
 
-Eu quero você, Scorpius.
Com um gemido, Scorpius se aproximou, fazendo-a ficar nas pontas dos pés enquanto cambaleavam contra a parede. Ela enlaçou os braços em volta do pescoço dele enquanto suas línguas dançavam ardentemente.
Sensações inacreditáveis explodiam e deslizavam dentro dela quando arqueou contra ele, aumentando aquela maravilhosa sensação que crescia entre suas pernas.
O gosto dela era tão bom, querendo sentir a carne com as mãos, Scorpius deslizou o casaco para cima, raspando seus dedos ásperos  na pele macia. Afastou seus lábios do de Lily que estavam entreabertos, para tirar completamente o casaco, mas sua boca capturou com sofreguidão a dela mais uma vez enquanto suas mãos passeavam pelas costas e desabotoava o sutiã habilmente, tirando-o.
Lily gemeu contra os lábios dele quando he arrancou a camisa deixando-a cair no chão. O fogo dentro dela se intensificou e estava prestes a suplicar de tanto prazer.
As mãos delicadas e suaves apalparam cada centímetro do peito definido de Scorpius, e ela pode sentir os músculos contraírem-se debaixo de suas mãos.
Ele tateou os bolsos da calça de Lily procurando pela varinha, e quando achou Scorpius trancou a porta do escritório e enfeitiçou para não serem ouvidos.
Os dedos dele lutavam para abrir o botão da calça jeans que ela usava, e por fim o arrancou a força.
-Scorpius. –Lily ofegou, apertando os ombros dele. Ela tentou respirar, ele estava fazendo quase que o impossível para ela lhe implorar. Virou a cabeça pro lado e em seguida se perdeu nas sensações quando a mão dele entrou dentro da sua calcinha.
Um gemido escapou da garganta de Scorpius quando Lily inclinou seu quadril contra ele.
Apoiando um braço na parede mordeu o lábio inferior dela sedutoramente.
Ficava a observando enquanto a levava próximo ao orgasmo com seus dedos, mas repentinamente parou. Lily abriu os olhos e soltou um gemido de frustração, ele não podia parar agora... Não quando ela estava tão perto.
Os lábios de Scorpius traçaram um caminho pelo pescoço, ombros,
E ela arregalou os olhos quando ele se ajoelhou e abaixou sua calça, ele era completamente louco! Estavam no escritório do seu pai, e ele queria serviço completo. Ela balançou a cabeça como se não acreditasse nos movimentos dele. Ele não podia... Podia?
Seus olhos se fecharam quando ele deslizou a língua em sua intimidade. Ela gemeu alto e entrelaçou os cabelos entre seus dedos. Oh, sim... Ele podia.
Repentinamente ela sentiu seu quadril se inclinar contra ele, acompanhando o leve movimento. Abriu a boca para poder respirar. O fogo crescia em seu estômago, ameaçando explodir. Ela sentiu seus joelhos começarem a ceder quando apertou forte o cabelo dele. Ela precisava que ele parasse... Precisava respirar.
Mas quando a língua dele deslizou dentro dela, sua mente ficou repentinamente branca e gemeu muito alto, caindo sobre ele. Os tremores passavam por todo seu corpo. Ela teria caído molemente no chão se Scorpius não tivesse levantado rápido e a segurado pelos braços.
- Não terminamos ainda... - Ele ofegou, encontrando os lábios dela.
Ela terminou de tirar a calça que estava em volta dos tornozelos, assim ficou totalmente nua... E ele estava tirando freneticamente a sua roupa... Assim poderia sentir seu corpo contra o dela. Ele precisava sentir aquela pele macia contra a sua, se aproximou virando-a para irem pro divã.
-Eu não posso... – Ela murmurou bem baixinho. Não podia o quê?
Nem mesmo ela sabia, e nem podia pensar quando enfim ele deslizou as mãos em seu corpo.
-Você pode, Lily. – Ele sussurrou, com a voz trêmula pelo desejo, deu um passo pra trás... Queria e precisava ser cuidadoso, queria deixá-la molhada desejosa, queria fazê-la gritar.
Lily colocou os joelhos em cima do divã, mas ele não deixou que ela se deitasse. Os olhos se encontraram, notando a urgência que cada um sentia. Ele nunca tinha sentido essa vontade quase animal, nunca precisara tanto de uma mulher. Ela o tinha, quase a beira da insanidade, ela o tinha tremendo e nem mesmo sabia disso.
Suas mãos desceram do braço para a cintura e a virou, ficando com seu peito contra as costas dela.
Beijou-lhe a nuca e apertou firmemente os seios pra depois descer a mão pela barriga.
Quando sua mão deslizou entre as pernas dela, ele moveu os dedos para dentro dela e beijou o nódulo da orelha.
- Você está tão molhada...
Ela levantou um braço para abraçar o pescoço dele e virou a cabeça para que seus lábios se encontrassem. Seu corpo reagiu contra a vociferante necessidade que ele tinha e ela, inconscientemente, pressionou seu quadril contra o dele.
Scorpius gemeu quando sentiu ela o apertando ficou louco por ouvir os gemidos sôfregos que saía dos lábios vermelhos. Contraindo os dentes deixou seu controle de lado e a empurrou para frente.
Ela agarrou o encosto do divã, e estava pra perguntar quando sentiu as mãos no seu quadril fortemente.
Ela repentinamente percebeu qual era sua intenção e só pôde gritar quando ele deslizou para dentro dela. Ele ficou parado por um momento para que ela pudesse se ajustar e passou as mãos na sua pele macia quando ela empurrou seu quadril contra o dele, deixando-o profundamente dentro de dela.
-Lily... –Ele gemeu, e a respiração oscilou quando ela começou a se mexer.
-Não pare! – Ela disse gemendo quando ele começou a se impulsionar dentro dela. O que eles estavam fazendo... O que ele estava fazendo com ela era inacreditável. Ela não sentiu vergonha, nem restrições. Só sentia aquela louca necessidade.
Seus gemidos ecoavam pelo aposento, enquanto seus corpos trabalhavam num ritmo rápido e frenético.
Ela estava em volta dele tão forte, que o fez fechar os olhos enquanto lutava contra seu momento de libertação. Ainda não...
Ainda não.
Lily apertou o lençol forte entre os dedos, e arqueou a cabeça pra trás soluçando o nome de Scorpius enquanto ele a penetrava. Sua respiração se prendeu na garganta enquanto gozava e só pôde gemer e deixar o gozo fluir através de si.
Momentos depois ela o sentiu se inclinar e puxar sua cabeça gentilmente pelo cabelo, ela se virou encontrando os tentadores lábios rosados dele, abafando seu próprio gemido ele tremeu derramando-se dentro dela.
 

N.B.: eita eita eita.... No escritório do pai, hein???? Adoreio capítulo claro. Senti falta de Blaise, mas eu perdoo pq ele deveria estar me agarrando em algum canto da sua história! Esperando por mais e o melhor.... o capítulo já está comigo!!!!
N.A.: Eu particurlamente gosto muito desse capitulo, pq eu quis deixar pra imaginação fértil de vcs meus leitores queridos, quero agradecer os comentários de todasssss as minhas leitoras fofas e lindas, Jessica,Tonks, Maris,quero agradecer minha mamis e beta Artemis Granger, ela que faz tudo isso acontecer lindamente! Beijosss e COMENTEM!

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Maris em 30/10/2011

Uau! Tivemos um anal aqui? 

Nunca li um tão perfeito..Extremamente erótico...Não caiu a pornografia...Li duas vezes!!!

 

Muito bom!

Nota: 1

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Larissa do Amaral em 16/10/2011

Aiii que alegria me da...quando vejo vcs comentando e dizendo que ta ficando bom...eu fico muito muito muitoooo feliz! OBRIGADA MEUS AMORES.

Nota: 1

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Tonks Fenix em 13/10/2011

Que Hot esse cap!!!

Essa fic tá cada vez melhor! Parabéns, Flor!!!

PS: ainda vou ler sua outra fic, e deixo coment por lá! Bjinhus!!!

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Artemis Granger em 10/10/2011

esse cap esta muito muito MUITO legal, ne???? ai que orgulho da minha pequena!

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por jessica salicio da silva em 09/10/2011

Só uma coisa: MORRI ! Sério não consigo falar desse capitulo de tão bom que ele ta. Bela NC. Affe maria essa Bella ainda me mata.Mas, caraca, eu sei quem quer pegar/matar a lilian: EU ,pra ter o Scorp só pra mim. ksoaksoaksoaks

Linda, linda e linda de morrer ! *-*

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.