FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

ATENÇÃO: Esta fic pode conter linguagem e conteúdo inapropriados para menores de idade então o leitor está concordando com os termos descritos.

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

7. Cap. 6 - O casamento


Fic: Eu Grávida Como JL CAP 9 ON


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

Desculpa a demora meninas, mas estou na epoca de vestibular. Vou começar a postar aqui uma nova fanfic também dos marotos, duas ones, e uma nova geração 
Obrigadas pelos comentarios *-*  
Vou tentar postar o mais rapido possivel. 


Pov. Lílian Evans

- Potter eu preciso falar com você 

Eu chamei o maroto que estava em umas rodinhas de garotas idiotas o elogiando

“Que coisa ridícula. Não se enxergam. Ficam se jogando para cima dele. Vacas. Fique claro que eu estou indignada por elas não se darem valo ok? ”

Mas o garoto muito esperto sai de perto das fãs antes que eu desse uma lição de moral aquelas oferecidas e veio falar comigo, com um grande sorriso no rosto

- O que foi Li? – Ele não cansa de sorri? Deve dar câimbra

- Esse fim de semana é o casamento da minha irmã – eu posso perceber que estava começando a ficar vermelha. Droga, esse é o problema de ser ruiva. Corar - A Lena foi convidada e por conseqüência o Sirius vai também – respirei fundo e falei rapidamente – Vais querer ir junto?

Agora eu com certeza, estou vermelha, e o idiota do Potter deu um sorriso maroto. 
Porque será que algo me diz que não vou gostar da resposta?


 


- Você quer que eu vá para ajudar com seu pai? 

- Bom, isso também – Merlin e possível me matar agora? – Eu também não quero ser responsável pelo Sirius e nem agüentar ele durante todo fim de semana – Isso deve servi. 

Por que mesmo eu estou convidando? Nem eu sei talvez eu tenha me acostumado com sua presença. Deve ser isso. E agora ele vai se vingar de mim e vai dizer não. Ótimo.

- Eu vou – ae ae ae ele vai. Eu só estou feliz por alguém ficar de olho do Sirius – mas vais ter que me chamar pelo nome – completou serio

- Que eu saiba Potter é seu nome 

- James. Ou me chama de James ou nada feito – ele só pode estar brincando – é fácil, J-A-M-E-S agora repete tudo junto e pronto – completou sorrindo

- Tudo bem James – respondi contrariada. Ele pensa que eu sou uma criança? E não sei nem falar uma palavra simples.

Fiz uma careta e comecei a sair dali enquanto o maroto abria um sorriso de acelerar meu coração, “hormônios da gravidez, apenas isso. Por favor, Merlin, apenas isso”


 


Pov. Marlene Mckinnon



Estava com a mala pronta para ir ao casamento da cara de cavalo. Fechei os olhos e relembrei as ultimas horas que eu passei nos braços do Six numa sala vazia.



- Sonhando acordada? – exclamou o maroto de cabelos arrepiados – Pelo jeito o sonho e para menores de 18



- Eu não sonho, na verdade os torno em realidade – sorri, fazendo o rir 



- Lena – observei o garoto pálido a minha frente – como é o senhor Evans?



- Bem legal, ele criou a Lily e a irmã cobra dela desde a morte da mãe dela quando ela ainda era criança.


Ele tem os olhos esmeraldas e cabelos loiros. E é bem ciumento com as suas filhas – o maroto engoliu em seco – mas não se preocupe. Vamos contar sobre o trabalho quando chegarmos lá. A Li já enviou uma carta falando sobre o projeto de porções apenas omitiu o resultado. 



- Hum – suspirou – existe alguma possibilidade dele me matar ?– perguntou tenso 



- Bem provável, a Lily é o bebê dele.



Eu ri da cara de pânico que o James fez. Acho que ele vai dar um enfarto aqui.


 


Pov. James Potter


Aparatarmos direto num beco perto da casa dos Evans. O inverno já estava começando, o frio era realmente intenso. Essa era 1° semana de dezembro, 12 semanas desde o inicio dos meus dramas, 6 meses de gestação da Lily que já não conseguia mais esconder a barriga redondinha. 

- Só espero que não neve enquanto estivermos aqui – escutei a Lena comentando para a ruiva muito pálida

- Gente e por aqui – apontou meu Lírio. Logo podemos ver uma bonita casa de dois andares, com um belo jardim – Chegamos 

“Acho que eu e a Li vamos daqui a pouco dar as mãos e sairmos correndo para banheiro vomitar. Apesar de que aprecio muito a ideia de volta para escola – pela primeira vez na minha vida”

A Marlene olhou para nós dando um sorriso maroto e apertou numa espécie de “tomata” (seria Tomada o correto) que saiu um barulho estranho 

- O que é isso? – perguntou admirado, o Almofadinha

- Campainha – falou a gestante

- Campanhia?

- Campainha Sirius - o meu Lírio engoliu em seco e quando virei para porta encontrei o senhor Evans nós olhando em choque – oi papai


 


- Lilica? – apenas o idiota do Sirius conseguiu rir numa hora dessas. O senhor Evans piscava os olhos tentando fazer a imagem de a barriga sumir da filha – Lílian Evans diz que eu estou tendo uma miragem

Como a ruiva não respondeu. O pouco de cor que ainda tinha no pai dela sumiu. E ele completou quase berrando. 

– Já para dentro sua irresponsável. Como você uma menina direita, estudiosa, esperta, aparece assim na porta da minha casa? – a garota parecia que ia desmaiar ao qualquer minuto. Enquanto seu pai mudava de cor de branco para vermelho – Quem fez isso com você? Quem fez isso com meu bebê? Fala que eu mato desgraçado – acho melhor me preparar para morrer – Te forçaram a isso não foi? Porque minha você não ia ser assim tão irresponsável 

“ Mãe, pai, tia Malfada, marotos, alguns professores e amigos e claro a minha ruiva eu amo todos vocês e meus pertences ficam para os marotos e o dinheiro para Li” 

- Papai, acho melhor entramos e eu vou explicar tudo, não é o que o senhor esta pensando – exclamou a gestante

- O que seria então Lílian? Engordasse e concentrou tudo na barriga? Não minta para mim, menina

Eu olhei em choque para Sirius e pude perceber que ele estava assustado com a reação do senhor Evans que parecia que ia bater na filha ali mesmo na porta da casa.

- Eu vou explicar, vamos entrar. Por favor pai – Este apenas concordou e entrou


 


Entramos. A casa era cheia de coisas estranhas, mas muito bem organizada e bonita. Tinha varias fotos da Li, do senhor Potter e uma garota muito feia, mas nenhumas destas fotos mexiam. “Deve estar estragadas” 

- OH OH, A filhinha perfeitinha do papai ta de barriga – caiu na gargalhada a garota cara de cavalo das fotos 

- Fica quieta Petúnia – exclamou cansada a possível causa da minha morte prematura – Pai se lembra do trabalho de porções que eu falei? – ele concordou – Esse era o seu efeito

Sabe o que o pai da Lílian fez? Riu.

- Acha que vai inventar uma estória dessas, eu vou acreditar? Se fosse um trabalho tira isso AGORA – berrou

- Mas é verdade, eu não posso tirar. Aqui – disse a menina apontando para uma carta do diretor que explicava sobre o trabalho – esta a prova 

O senhor Evans leu com calma e virou para filha 

- Então você não estar grávida? – perguntou confuso

- Estou – o senhor Evans ficou azul – mas é diferente. E mais rápida, e vai nascer uma criança que vai durar até o fim do trabalho

-Só não vou te mandar aborta porque sou contra mesmo não sendo real – e eu vi a ruiva soltar a respiração – Mas quem é esse professor? Eu vou matá-lo – eu concordo – Quem é o “pai”? – debochou

Me ferrei.


 


- E-eu senhor Evans – Pela hora para gaguejar. Pude ver a raiva queimando aqueles olhos verdes – James Potter – me apresentei com a voz mais firme agora

Eu jurava que ele ia me matar ali mesmo. Seus olhos correram pela sala se fixando numa arma grande que ficava do lado da lareira. Isso não é bom.

- Vamos bater um papinho senhor Potter – virou para o resto – Lily leve eles para cozinha - troquei um olhar preocupado com a ruiva antes deles saírem de lá 

- Bem feito anormal – comentou a cara de cavalo 

Quando ficamos apenas eu e o senhor Evans, senti toda minha coragem sair correndo pela porta. 

- Sente-se 

Apontou para sofá a minha direita, sentando se numa poltrona muito perto da arma.

“Merlin se eu sobreviver eu prometo virar um bom maroto” 

- Potter você não tem nada com a minha filha? – acenei – Ótimo. Esse trabalho não envolveu nenhuma relação física eu espero? – eu acenei novamente – Perfeito. E isso acaba no final do ano letivo? – confirmei – Então me explica por que você olha de forma tão possessiva para meu bebê? 

Gelei.


 


Pov. Sirius Black 

“Se o Pontas morrer a capa de invisibilidade vai ser minha”

- Pimentinha tem alguma chance do Pontas sair vivo de lá? – apontei para a sala, já bolando o plano para pegar a capa sem o Aluado ver

- Não sei Sirius. Já disse para parar com esses apelidos ridículos – exclamou a garota muito pálida

“Acho que ela estar passando mal. Que eu saiba gestantes não podem passar por estresses Ops.”

- Chama ela de anormal – comentou a garota que é a ovelha negra dos Evans, quem sabe um parente distante da família Black – Espero que todos você morram – Com certeza uma Black perdida.



Pov. James Potter


- E que – Alguém que me matar? Eu estou pagando 10 galeões – Bom, sabe senhor a sua filha é minha amiga e eu cuido dos meus amigos

- Potter você não olha assim para sua outra “amiga” – comentou entre a raiva e a vontade de debochar da minha cara

- Talvez eu gosto da sua filha de outro jeito – ele revirou os olhos. “Acho que isso é de família” – Tudo bem eu gosto da Li – respirei fundo enquanto via o senhor Evans xingando baixinho, possivelmente toda minhas gerações – mas não se preocupe ela não sente o mesmo – percebi ele dar graças – e eu não vou força nada.

- Acho que podemos terminar essa conversa por enquanto. Estou de olho em você. Um dedo fora da linha e adeus Potter. Sua sorte ela não querer nada. Ah e não esqueci dessa gravidez falsa, só não te mato agora porque não estou querendo parar na cadeia por causa de alguém assim - apontou para mim. Me senti muito importante agora.

"Não morri, hoje ainda. Agora vou viver sendo vigiado e ameaçado de morte”


 


Pov. Marlene Mckinnon

“O James não morreu e com isso estragou os meus planos. Eu e a minha dupla já havíamos preparados tudo. Cor do caixão, flores, a divisão da herança.”

- Senhor Potter já esta avisado qualquer coisa e só me chamar que eu processo este guri – exclamou o Senhor Evans, enquanto o maroto perguntava baixinho o que era “processo” – Lílian levem eles lá para cima, vão ficar todos no seu quarto – “OBA SURUBA” – de porta aperta – “AAAH” – Agora tenho que achar uma explicação para minha filha estar aparentemente grávida

- Desculpa – murmurou a ruiva e nós levou para quarto super organizado dela. 

Ele era rosa bebê, tinha uma bela cama de casal, varias fotos, livros e aparelhos trouxas espalhados.

- Como vamos dormi se só tem uma cama de casal? – perguntei

- Simples, magia – exclamou a ruiva diminuído a estante e o guarda-roupa e conjurando outra cama de casal – pronto

- Eu não vou dormi com o Pontas – falou a minha dupla – ele é VIADO

- Veado é diferente de viado, mas prefiro CERVO. Eu também não vou dormi com esse cão sarnento

- Ótimo, vou dormi com a Lena – falou a minha dupla me levando para cama. Fazendo os outros dois corarem por perceberem que vão dormi na mesma cama. Eu ri. 

- Lily e a porta? – perguntei. Não ia gostar nem um pouco se o senhor Evans aparece aqui durante a noite, sabe se lá o que eu posso estar fazendo durante a noite. 

- Vou usar feitiço “confundus”. Toda vez que ele vier nos ver, vai lembrar-se de algo importante e assim podemos deixar a porta fechada.

“AMO SER BRUXA”


 


Pov. Lílian Evans 

A Lena e o Sirius já estavam na sua cama, que atualmente possuía cortinas e bem provável isolada acusticamente porque impossível eles tarem dormindo.

Olhei para minha cama que esta noite ia dividir com Pott.. James, o qual estava ainda no banho. Peguei o hidratante para passar pernas e barriga. E tentado não pensar muito na divisão das camas e de ter um homem muito bonito do meu lado durante a noite 

“Isso vai ser torturante”


Pov. James Potter


Quando sair do banheiro trouxa que tinha um “cuveiro eletico” muito legal, parei na porta do quarto feminino e pude ver a visão do paraíso. 

A ruiva estava com pijama, o qual era uma regata e um shortinho curto de mais para meu autocontrole, passava lentamente um creme nas suas pernas definidas. Tive que me segurar na porta para não sair correndo e eu começar a passar as minhas mãos naquelas coxas. Fiquei apenas observando, curtindo o momento. Isso esta me enlouquecendo, minha mente pervertida já estava imaginando seu toque contra a minha pele.

“Vou ter que tomar outro banho, só que BEM GELADO”

Mas a ruiva parou “DROGA” e levantou a blusa e começou a passar o creme na barriga, que tinha crescido desde a ultima vez que eu a toquei. Fiquei ali olhando até que ela me viu e corou.

Quem ta na chuva e para se molhar, não? Não custa nada tentar algo.

- Posso? – apontei para o creme e depois para seu frente, fazendo a corar – Não é como se eu nunca tivesse feito isso antes – disse sorrindo.


 


Peguei o creme e comecei a passar e fazer leves círculos, aproveitando a sessão pele com pele que fazia todo meu corpo se aquecer. Do nada senti um chute e olhei para Lily. Esta possuía uma expressão de perplexidade e comentou quando nossos olhos se cruzaram

- Mexeu. Eu não acredito, nunca antes.

Comecei a fazer carinho na barriga da ruiva, e senti outro chute. Trocamos sorrisos e pude perceber os olhos marejados da menina a minha frente. Coloquei meu ouvido ali e tentei escutar algo. Mas parece que nosso “filho” cansou.

E ficamos apenas nós olhando. Ela tinha olhos lindos, era esmeraldas com um toque mel em volta da pupila. Eu poderia passar dias ali olhando.

CENAS "FORTES"


Pov. Sirius Black 

Pela primeira vez, eu e minha dupla estávamos realizando umas das nossas experiência numa cama. Nessas horas o nosso selvagem dominava, e nosso corpo implorava pelo prazer.

Peguei o chocolate que contrabandeados da cozinha da ruiva e passei por aquele corpo a minha frente, pude percebe a Lena fazendo o mesmo no meu e acrescentado na sua boca. Beijei-a, provando-a. O gosto do chocolate misturado com o próprio gosto da minha dupla era intoxicaste.

Os lábios não se prendiam em lugar nenhum, eles corriam pelo meu corpo tanto quando os meus pelos dela. Tocando, beijando, mordendo, lambendo, chupando.

Pousei as mãos na sua coxa a puxando para mais perto. Lambei-a toda o chocolate presente do corpo a minha frente e implorando por mais.

Logo saciamos o nosso desejo, senti entrando, comodei um ritmo alucinante e chegamos juntos clímax. Nós beijamos. E partimos para uma nova rodada, agora com leite condensado.

FIM DAS CENAS FORTES


 


Pov. Lílian Evans

Acordei naquela manhã diferente que as anteriores na minha vida. Sentia envolvida em braços fortes, uma respiração calma no meu pescoço que me deixavam arrepiada. Um braço se encontrava na minha barriga abraçada a minha mão, o outro nos meus cabelos. Todo meu corpo estava contornado por um corpo maior. Lembrei-me que estava dividindo a cama com o James.

Em vez de dar um escândalo, como varia em alguns meses atrás, apenas apreciei o toque do seu corpo contra o meu. Mandei a minha razão dar uma voltinha, pois essa dizia que era uma loucura devia me afastar que era Potter arrogante e idiota de sempre, eu seria apenas mais um troféu. 

Se alguém nós pegassem nessa situação ia ser no mínimo contrajedor. Mas meu corpo implorava para continuar ali, era uma sensação de segurança, proteção, fazia todo meu corpo aquecer. 

Então fiquei apenas ali, e senti sendo puxada para mais perto, e pude sentir o tanquinho do James contra as minhas costas. Sorri. E acho que voltei a dormi, pois eu estava me sentindo muito bem. Tudo culpa do sono é claro.


 


Pov. James Potter

Quando acordei me senti aquecido, pude percebe a minha mão abraçada à outra, um perfume delicioso, e o corpo da ruiva grudado no meu, dormindo de conchinha. Era confortável, seguro, perfeito. Sentia-me muito bem. Eu nunca gostei de abraçar nada enquanto dormia até agora. 

Comecei a fazer carinho nos cabelos vermelhos, e com a outra mão desenhava pequenos círculos na barriga da garota. E logo senti novamente um chute. Sorri e senti a ruiva acorda assustada pelo movimento do bebê. 

- Ele mexeu de novo – sussurrei perto do seu ouvido. Controlando para não fazer mais nada, e percebi que ela também sentiu afetada com aproximação. Sorri satisfeito. 

- Ele? Que eu saiba pode ser ela também – comentou a minha baixinha em tom de riso

- Eu sei que é ele – senti um chute de novo – viu? Ele concorda – fiquei fazendo carinho na ruiva tanto em seus cabelos quanto na sua barriga, enquanto ela fazia círculos na minha mão. – Acho que ele gosta das nossas vozes

- Só se for da sua, a minha ele escuta direto e nunca tinha chutado antes.

Enchi-me de vaidade e me aproximando do seu ouvido, eu queria morde seu lóbulo inferior, mas resistir e acabei me afastando. Já sentia uma pressão na minha área intima. 

- Acho que ele gosta dos dois juntos

E como se confirmasse, chutou novamente e com mais força. Eu comecei a rir e fui acompanhado pela ruiva. 

“Amei o som do riso dela, era paraíso aos meus ouvidos”


 


Pov. Marlene Mckinnon


Acordei com os risos da ruiva e do maroto de cabelos arrepiados. Olhei para o lado e percebi o Sirius em estado de choque, o mesmo que devia estar na minha cara.

“Desde quando aqueles dois se dão tão bem?”

- Acho que estou dormindo ainda – comentei

- Cara, eu só posso estar sonhando – falou o maroto – mas podemos fazer um teste para ver se eles – apontou para o outro casal – não são sonâmbulos

Nós olhamos e trocamos um sorriso maroto, pegamos nossas varinhas e fizemos chover nos nossos vizinhos de cama. E logo escutamos os xingamentos do James e a Lily berrando. Caímos na gargalhada.


Pov. 3°pessoa – café da manhã


O grupo de bruxos adolescentes estava conversando sobre criaturas mágicas para atormentar a pobre Petúnia, a qual possuía pavor de tudo relacionado à magia. Mas as provocações só encerraram com entrada do senhor Evans. 

- Lilica – a ruiva encarou o pai – passei a noite inteira pensando. Nós temos que esconder sua gravidez dos convidados. Não tem como usar magia e fazer desaparecer? – perguntou o senhor tenso

- No máximo pai, posso fazer um feitiço para ninguém olhar a minha barriga – comentou a garota olhando para prato.

- Serve - falou irritado 

E o resto do café se passou em silêncio.


 


Pov. Sirius Black 

- Anda pimentinha quero conhecer o mundo trouxa

- Fique quieto Sirius. Já estamos indo – falou a ruiva.

As duas amigas não estavam nem um pouco empolgadas comparada a mim e o Pontas. Mas a Lily é nascida trouxa assim como a mãe da Lena. Não tinham ideia como aquilo era estranho.

- Vamos a onde Lírio? – perguntou o outro maroto

- Vou levar vocês ao parque de diversão aqui perto de casa e depois tem o casamento da Túnia – falou a anfitriã.

Casamento da Black perdida vai ser ótimo, uma pena que não vou ver a cara da noiva quando ela abrir o presente dos marotos. Um espelho mágico para lembra - lá sempre como ela é feia e vai ser a senhora porco.

Parque de diversão..

Isso aqui era demais e tinha tanta coisa diferente e animador. Fomos ao elevador, big tower, montanha “Rússia” – a pobre da Lily saiu dali correndo para o banheiro, carrinho de choque, tira ao alvo, umas xícaras gigantes que fizeram eu e o James ver tudo rodar – as meninas apenas ficaram assistindo.

Comemos um monte de comida trouxa diferente, amei tal de pipoca e refrigerante

- Vamos Lena, vamos ao trem fantasma 
Falei puxando a garota para onde todos saiam berrando. Algo me dizia que ia rir muito com aqueles trouxas tolos.


 


Pov. James Potter

Os trocados saíram para andar em um trem e sobramos eu e meu Lírio. 

- Li ?– chamei, ela virou me encarando com um algodão rosa de comer nas mãos – Vamos naquele lá

Apontei para onde tinha uma roda gigante.

- Tudo bem, vamos – falou sorrindo e eu apenas retribuir. 

Peguei na sua mão e senti todo o meu corpo se arrepiar com aquele simples toque e fomos assim até a roda. Não era lá muito empolgante, mas me deixava muito perto da ruiva que sentava a minha frente quase encostando os nossos narizes.

- Isso ai é bom? – apontei para aquela coisa rosa que ela comia

- Algodão doce? – eu acenei – e sim experimenta

Peguei aquela coisa de textura estranha e pude perceber que desmanchava na minha boca. Era ótimo, tentei pegar mais um pouco, porém a ruivinha não deixou

- Se quiser mais compre o seu – disse ela rindo da minha cara de emburrado.


 


I remember what you wore on the first day
You came into my life
And I thought i would know
Is good for something
Cause everything you do
And words you say
You know that it all takes my breath away
And I am left with nothing


Ela era tão linda. O seu perfume intoxicava a minha mente, seu sorriso iluminava minha visão. Seus cabelos ruivos faziam um belo contraste com os olhos esmeraldas que me encaravam. Ao fundo se podia escutar uma musica trouxa e resolvir canta-lá. Minha voz saiu baixa e grossa. Estava afundando naquele verde vivo, me movia cada vez para mais perto

So maybe its true
That I can't live without you
Maybe two is better than one
There's so much time
To figure out the rest of my life
And you've already got me coming under
I'm thinking two is better than one


Quebrei o contado visual e fixei meu olhar naqueles lábios vermelhos. Passei a mão pelo rosto contornando suas feições delicadas fazendo fechar os olhos, a minha outra mão descia por suas costas até a sua cintura a trazendo para mais perto. E a beijei. 

I remember every look upon your face
The way you roll your eyes
The way you taste
You make it hard for breathing
Cause when I close my eyes and drift away
I think of you and everything's okay
I find you now your leaving
http://www.vagalume.com.br/boys-like-girls/two-is-better-than-one-feat-taylor-swift-traducao.html#ixzz1RqBSq800


 


Pov. Lílian Evans 

O simples toque dos seus lábios contra os meus fez todo meu corpo arrepiar e querer mais. Meus braços foram automaticamente para seu pescoço, quando o maroto mordia meu lábio inferior pedindo passagem que logo eu concedi.

“LÍLIAN EVANS PARE DE BEIJAR O POTTER” falou a minha mente “O AGORRANTE, IDIOTA”

“CALA BOCA MENTE, EU QUERO” 

A língua dele invadiu sua boca a explorando. O contato da sua língua com a dele, fez o mundo parar. Era apenas os dois ali. Não havia mais nada importante. O seu gosto era perfeito, não era nem doce e nem amargo, seu perfume nebulava minha mente, eu o puxava para mais perto. 

O beijo que começou gentil, doce e cheio de sentimento que nem eles entendiam se transformou em desejo. Podia sentir o maroto lhe segurando com possessividade, mas não ligava, no seu intimo até gostava. 

Não sei quanto tempo durou, mas a necessidade por ar até então esquecida se tornou presente. Se separaram entre vários selinhos. Ela encarou aqueles olhos castanhos esverdeados até o fim do passeio. Palavras estragariam aquele momento.


 


- * - 

Quando acabou o passeio a realidade veio com tudo. O que eu estava pensando? BEIJAR O POTTER – tudo bem que foi maravilhoso, mas agora ele consegui o troféu dele e nem deve querer mais olhar para minha cara. BURRA.

- Isso fica só entre nós, ok ? – ele apenas me encarava. Eu queria fugir dali, sentia me rosto ader de vergonha, meu corpo perdi por mais – Somos apenas amigos. Não vai acontecer de novo – minha voz saia como se implorasse que ele negasse ali e me agarrasse. Anta. – Vamos?

Ele segurou a minhas mãos ainda me encarando e saímos atrás dos outros dois.

“Esse foi o melhor beijo da minha vida – ignore-me”

Pov. James Potter


Aquele foi o melhor beijo que eu já tive. Ela era perfeita, seu gosto me enlouquecia e eu queria ela novamente. Nunca sai mais de uma vez com a mesma garota, mas Lily é especial, eu queria para sempre. Droga. Eu estou ficando louco, ou quem sabe eu a ame. Não definitivamente não. Eu gosto dela apenas isso. 

Ela me ignorou o resto do dia, se escondia quando podia, mas eu sabia que ela sentia o mesmo. 

- Cara, qual é o motivo de estar tão aluado? – perguntou meu melhor amigo

- Lily – respondi

- Ela não era só um desafio?- debochou e eu ignorei

“Ela era apenas um desafio, não mais. Eu queria aquela menina para mim. Eu acho que estou apaixonado. MERDA”


 


Pov. Marlene Mckinnon 

O casamento da cara de cavalo foi de péssimo gosto. A noiva parecia um bolo, noivo era horrível, a decoração esta mais para circo dos horrores. Serio quem usa flores laranja com tecido preto para enfeitar uma igreja? Bufei. Mas foi ótimo em outros pontos.

A Lily estava com vestido preto simples que ia até metade das suas coisas, valorizando suas pernas e camuflando a barriga. James, lindo de morrer de terno preto, blusa branca e gravada preta, babava pela ruiva. 

Sirius usava um vestido que achei super lindo azul, com uma fenda lateral e um decote nas costas. O maroto passou a festa inteira reclamando por não poder ficar com nenhuma prima da noiva. 

Eu vestia a mesma roupa que Jay, e passei boa parte da noite babando pelo vizinho gato os Evans, mas infelizmente.. 


Flashback

Aquele vizinho divino da Lily estava me fazendo ficar pior que o Sirius que babava pelas primas da noiva dançando. O vizinho tinha 1,90, moreno de olhos azuis, pele bronzeada, musculoso, mas sem parecer exagerado. 

A minha dupla mandava sorrisinhos para as outras meninas e foi até se juntar na dança se aproveitando e passando a mão nas coxas quando desciam até o chão.

“Se ele pode aproveitar, eu também posso”

Eu fui me aproximar daquele bonitão dando o melhor sorriso que foi retribuído na hora, ficando ainda mais bonito.

“Vou aproveitar a noite”

- Oi – sua voz saiu tímida, aumentando a meu sorriso 

- Oi – falei confiante – quer dar uma volta?

- Claro

“E a noite está apenas começando”


Fomos andando até uma área afastada do jardim, passei a minha mão para seu pescoço o trazendo para mais perto e pude sentir suas mãos na minha cintura.
- Co-como você sabia o que eu era? – perguntou o garoto confuso
- Gato? 
- Co-como você sabia que eu era GAY? – e antes de pensar em uma resposta. Ele me beijou.
“MERLIN, eu estou sendo beijada sendo o Sirius, sendo homem. QUE NOJO. Mas ainda sou eu certo? Mulher no corpo de um homem, então tecnicamente eu não estou fazendo nada de errado, certo? Que saber ele é muito gato, eu sou mulher, e vou aproveitar”
O seu beijo era possessivo, suas mãos passavam pelas minhas costas, grudando nossos corpos. Mas aquilo era estranho, não havia um encaixe, era diferente com Six. 
Quando terminamos o beijo e vi alguém me chamando. Ninguém podia saber disso.
- Isso fica só entre nós – ele acenou confuso – nosso segredinho
Sai correndo. Espero que Six nunca descubra, porque se ele suspeitar vou preparar meu caixão rosa. 
Fim Flashback


 


Pov. Lilian Evans 

E o vi sentado no banco olhando os carros que passaram lá em baixo. James estava muito bonito de terno. Ignorem esse pensamento.



- Oi – falei quase num sussurro ao seu lado 
- Oi Li – ele se virou para mim me encarando com aqueles olhos castanhos esverdeados que faziam sentir borboletas no estomago – acho que nós temos que conversar – eu acenei – E-eu te amo ruiva, eu não queria, tentei me enganar, mas não consegui 



Eu encarava chocada para o maroto, mas este apenas continuou



- Eu não admitia para mim mesmo. Porém este sentimento sempre estava aqui. Eu te quero. Eu preciso do seu sorriso, das suas esmeraldas, da sua personalidade, preciso de você para poder viver feliz – “eu acho que estou sonhando” – Meu mundo se transformou em você. Só posso ser feliz, se você estiver antes, se você chorar eu choro. Droga isso está muito piquetes, nunca entendi antes quem falava essas coisas até agora – comentou rindo nervosamente – Isso é ridículo, mas eu te amo.


 


A intensidade daquele olhar, me fez desviar e olhar para minhas mãos entrelaçadas no meu colo. Pode-me sentir corar, e sentir suas mãos contra meu rosto, fazendo um carinho muito bom. Lutei contra a vontade de fechar os olhos e suspirar. 

Ele deve estar cansado de esperar por uma resposta, mas eu só conseguia pensar suas palavras “eu te amo” ainda ecoavam em meus ouvidos, minhas pernas estava bamba, minha respiração descompensada enquanto o meu coração quase saia pela boca. 

- Eu sei que você não sente o mesmo – exclamou com voz triste e automaticamente o encarei – Mas não precisa falar nada, eu que precisava contar

Comentou desesperado, levantando logo em seguida para ir embora. Contudo eu o queria ali, do meu lado. Em ato reflexo segurei seu braço. Não sabia o que sentia, não tinha ideia do que falar, mas ele não ia ir embora. Isso não. Me levantei e literalmente o agarrei colando nossos lábios.

O beijo foi diferente do anterior, foi urgente. Como se o mundo você terminar naquele minuto. Nossas línguas lutavam contra a outra, dançavam entre si. Todo meu corpo estava grudado ao meu corpo me fazendo arrepiar. A suas mãos antes da minha cintura desceram. Fazendo o maroto me erguer e eu abraçar sua cintura com as minhas pernas. 

Senti a grama contra as minhas costas e ele por cima de mim. Nossas mãos exploravam o corpo do outro. As minhas já entravam por baixo de sua camisa, e as deles pelas minhas coxas levantando o vestido. 

Nós separamos apenas para respirar, mas seus lábios não saíram da minha pele, corriam pelo meu pescoço beijando,mordendo, chupando. Enquanto eu mordi meus lábios inferiores para conter minha garganta de emitir qualquer tipo de som. 

- Lílian? Lílian Evans? – berrou uma voz grossa não muito longe


 


- Droga, é o meu pai – falei aborrecida

Empurrei o maroto ainda ofegante e pasmo para o lado e corri até o senhor Evans me esperava.

- Onde estava menina? Por que seus cabelos esta um ninho de rato? – perguntou desconfiado

- Estava deitada na grama vendo as estrelas – falei segura. 

Era apenas uma meia mentira. Eu não estava vendo as estrelas, eu me senti nelas. Pude perceber que ele não acreditou muito, mas estava muito feliz para ligar para ele. 

- Eu pensei que tinha visto aquele seu amigo indo para aquela direção também?

DROGA.

- Ah serio? – falei atuando perfeitamente – Não vi ninguém estava deitada, não tinha como ninguém me ver. Vou arrumar meu cabelo

Sai dali correndo antes que ele me fizesse novas perguntas.


 


Pov. James Potter



Ela me queria. Ela gosta de mim. Ela me beijou por livre espontânea vontade. 
Eu podia sair berrando e pulando de felicidade, mas antes eu necessito de bom banho frio.
Quando entrei aquela noite no quarto. Encontrei a minha ruivinha na cama, com uma camisola muito curta. Percebi que o banho não teve nenhum efeito, eu ainda queima de desejo por aquela baixinha. 
Aproximei e a beijei com vontade, me deitando por cima dela. Ficamos apenas nós beijamos, provando seu sabor, explorando cada pedacinho da sua boca. Eu tinha que me segurar para não avançar o sinal e ela sair correndo. Desci os beijos para seu pescoço enquanto a ruiva se livrava da minha camiseta e passava aquelas mãos delicadas pelo meu peito arranhando. Controlei-me para não fazer nenhum som e acorda os outros dois companheiros de quarto.
Minhas mãos às vezes nas suas coxas, pernas, nádegas ou cintura a puxando para mais perto. Eu queria muito mais.
- Eu te amo – sussurrei no seu ouvido e a vi se arrepiar. Inflamando meu ego e quase mandar meu autocontrole pastar. 



Mas antes de eu pensar como controlar meu desejo, a ruiva perguntou:
- O que nós somos? – Eu sorri encarando aquelas duas esmeraldas
- O que você quiser ser – e a beijei novamente 
Fim do Capitulo

 

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Angeline G. McFellou em 26/09/2011

rssrrrssr Bem ele sobreviveu ao senhor Evans (por enquanto).

O.O Six e Lena os depravados (se o Six escobre que a Lena ando pegando estando no corpo dele vai ter morte u.u).

rsrs AHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHHH EU QUERO UM JAMES DESSE PARA MIM, ME DA POR FAVOR.... (manda via Fedex)

E como vc para o capítulo nessa parte?

Quer ficar sem leitores (pq é isso que vai acontecer depois dos infartos generalizados que ocorreram)

rsrssr Amei o capítulo, curiosa pela continuação, att assim que der, por favor.

Beijos....

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por vitorialarissa em 26/09/2011

Eu quero um James desse de presente de dia das crianças sabe... ( Msmo não sendo mais criança né? ahsuah) Embala e manda ele pra mim via sedex por favor? Grata *-* 

Muito linda *-* e o Six e a Lena ngm segura né. Uii delícia xD ahsuahs. Posta logo. Beijo ;*

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por patrícia m prongs em 26/09/2011

Perfeito demais,muito lindo esse cap.Jay e Lily tão fofos,óin*-*

Posta mais,beeijos;*

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Sah Espósito em 25/09/2011

Oiii

adorei o momento romantico

 

e o pai da lili querendo matar o James... rsrs

 

Parabéns e posta logo!

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Lizzie Riddle em 25/09/2011

nss como vc para o cap assim?? xD HUSAUHASUHSHAU mancada... eu queria te fazer uma pergunta.. eu estava pensando em fazer uma fic tipo, essa ideia, um trabalho que deixasse alguem gravida, apenas a ideia geral, nada pareciso, shipper, época, nada.. apenas a ideia mesmo, queria pedir sua permissão, assim ninguem fala que é plágio e talz... aguardo sua resposta.. e posta logo quero ver esses dois em ação xD bjs

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.