FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

11. A carta do Ministério


Fic: Albus Potter


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

O natal estava cada vez mais próximo. Na metade do tempo, Albus iria para Romênia visitar seu tio Carlinhos, junto com toda sua família. E mais tarde ficaria em casa, onde passaria a maior parte do tempo. Arrumou suas malas e desceu até o salão principal. Poucos alunos que iriam passar o natal em Hogwarts estavam sentados em suas mesas, alguns jogando xadrez bruxo, outros lendo livros. O restante já estava embarcando no expresso de Hogwarts. 

Albus ainda não tinha achado sua capa da invisibilidade, o que o preocupava. Já fazia quase uma semana e seu pai não tinha a menor ideia. Acompanhado dos alunos do primeiro ano, seguiu o caminho até chegar no trem, onde entrou na primeira cabine que encontrou. Ficou sentado por alguns minutos, esperando que alguém estrasse.

O trem começou a andar, ele olhou para a janela e viu Hagrid cada vez mais distante, abanando. Ele ouviu um barulho e olhou para os lados, Ben entrava na cabine com um garoto de cabelos cor de areia e olhos claros. Eles se sentaram um do lado do outro e olharam para Albus.

-Oi Albus. -Falou Ben ofegante.

-Oi. -Falou Albus, olhando para o outro garoto.

-Ah, este é Ethan Finnigan. -Falou Ben. -Alguns garotos da sonserina estavam o incomodando, lancei algumas bombas de bosta na cabine deles. Espero que tenha os distraído por alguns minutos.

-É. E eu odeio aqueles sonserinos, principalmente o loirinho. -Comentou o garoto. -Sabe, ele fala mal do meu pai toda hora. 

-Quem é seu pai? -Perguntou Albus.

-Simas. Simas Finnigan. Acho que nossos pais eram amigos, não eram?

-Acho que sim. -Ele fez um breve silêncio. -Ben, onde está Rose?

-Rose. -Ele falou cabisbaixo. -Ela estava dentro da cabine em que eu joguei as bombas de bosta.

-Mas quem estavam lá eram os sonserinos. Não me diga que ela... 

-Sim, ela estava lá. Conversando com o garoto loiro.

-Scorpius. -Albus cochichou. -Aquele garoto quer arruinar minha vida. Pelas calças de merlin, o que Rose estava fazendo lá?

-Sinceramente? Não sei. Mas ela parecia estar se divertindo, e agora está brava comigo.

Albus se levantou e foi saindo da cabine.

-Aonde você vai? -Ben perguntou.

-No banheiro. -Ele mentiu.

Albus andou com passos rápidos pelo corredor. Alguns garotos vestidos de cachecóis verdes passavam por ele, cobertos por bomba de bosta. Um pouco mais adiante, ele avistou Scorpius, com trajes sujos, e logo em sua frente Rose, conversando com o mesmo, que quando olhou para Albus, rapidamente abaixou o olhar. Albus parou um pouco antes de chegar ao local e olhou para os dois. Cabisbaixo, deu meia volta e recomeçou a andar.

-Albus. -Ele ouviu passos vindos em sua direção, e logo em seguida uma mão agarrando seu braço. 

-Me solta. -Ele falou, tentando se soltar.

Mas ela não o soltou. Ele virou e a olhou.

-O quê?

Ela não respondeu nada, apenas ficou o olhando.

-Você quer que eu aceite sua amizade com ele?  Por mim tudo bem. Comece a andar com ele, mas saiba que eu estou fora.

-Albus, qual é o problema? Ele nem é tão ruim assim.

-Rose, ele quer arruinar a minha vida! E você sabe disso, ele é um verme.

-Eu sou um verme? -Scorpius se aproximou por trás.

Albus se virou.

-Isso mesmo.

-Garotos, por favor. Scorpius, deixa que eu falo com ele. -Rose tentou interromper.

-Verme. -Scorpius riu, empurrando os ombros de Albus. -Quem você pensa que é? É como seu pai, esnobe e ignorante, só podia ser filho de Harry Potter.

-Harry Potter salvou a vida do seu pai! Se não fosse por ele você nem existiria!

-E você acha que eu não sei disso? Meu pai me contou tudo. Ele falou para eu não arrumar nenhuma confusão, e que agora tudo estava acertado. Falou para eu não ter ódio por vocês, mas é impossível. Pensei que talvez você fosse diferente, mas é igualzinho ao seu pai.

Albus tirou a varinha de suas vestes.

-ESTUPEFAÇA! -Ele gritou e Scorpius foi lançado para longe. Muitas pessoas que estavam em volta foram correndo em direção à Scorpius.

-Ele desmaiou! -Um garoto gritou do meio da multidão. 

-Seu idiota! -Rose gritou.  

Falando isso, ela foi correndo ver Scorpius. Albus saiu como se nada tivesse acontecido e foi para a cabine onde estava Ben e Ethan. Quando entrou, seu irmão James estava sentado em um dos bancos vazios, com um sapo de chocolate em mãos. 

-Albus, demorou no banheiro. -Zombou James.

Ignorando seu irmão, ele se sentou do lado da janela e olhou a paisagem. Quando menos esperava o trem parou na estação. Ao se despedir de seus amigos, ele e James foram procurar seus pais. Quando já estavam quase de saída, Lily os chamou, iriam no carro de Hermione.

 No caminho do estacionamento Albus viu Scorpius junto com os pais, andando em sua mesma direção. Ele puxou o braço de Draco e lhe falou algo no ouvido, e o mesmo continuou andando sem o filho. Albus parou ao perceber que Scorpius vinha em sua direção, e James e Lily pareciam nem notar o que estava para acontecer. Quando o menino de cabelos loiros estava próximo, segurou o braço de Albus.

 -Potter, espero que se cuide. Terá troco pelo o que fez. -Ele lhe deu um tapa nas costas, apenas para parecer um gesto amigável para quem visse, mas não para quem sentisse aquela dor imensa. -Te vejo por aí. Pode ir com seu pai. Ambos nojentos.

 -Para a sua informação ele não está aqui.

 -É mesmo? -Scorpius deu meia volta. -Então quem veio buscar um verme como este?

 Ele riu e começou a ir para o encontro de seu pai. Albus fechou os punhos de raiva. Queria lançar o primeiro feitiço que viesse em sua cabeça. Antes mesmo ficar a alguns metros de distância, Scorpius virou sua cabeça para trás.

 -E Potter. -Ele falou com um sorriso no rosto. - Aquele feitiço foi o pior que eu já vi alguém lançar.

 Não aguentou. Olhou para os lados para ver se algum trouxa o identificaria, mas nada. Tirou a varinha das vestes e a ergueu em direção ao garoto.

 -SECTUMSEMPRA! -Scorpius caiu de bruços no chão. Ele começou a sangrar lentamente e gritar por ajuda. Albus ficou parado por alguns segundos. Seus tios e primos já deveriam estar no carro, especialmente o esperando. Ninguém havia notado o que estava acontecendo. Ele saiu correndo até chegar em um carro azul escuro. Entrou arfando.

 -Oi Albus. -Ron se virou, ele estava sentado no banco do passageiro. -Como vai?

 -Bem, bem. -Ele falou rapidamente. -Podemos ir.

 -Qual é a pressa Al? -Lily perguntou, o olhando confusa.

 -Nenhuma. -Ele olhou pela janela e viu Draco do outro lado da rua correndo. -Só estou comentando.

 Hermione deu a marcha ré e logo o carro já estava no meio da rua. Era um longo caminho até a toca, iriam visitar seus avós. Alguns minutos se passaram e Albus avistou algo voando do lado de fora. Parecia uma coruja, que vinha se aproximando. Ela era branca e tinha algumas manchas de um tom escuro. Percebendo oque iria acontecer, Albus abriu a janela. A coruja voou para dentro do carro, deixando uma carta sobre seu colo. Logo em seguida, ela foi embora. Assustado, Albus abriu a carta.

Prezado Sr. Potter,

Em adiantento a nossa carta enviada há aproximadamente dezenove minutos, o Ministério da Magia revisou a decisão de destruir a sua varinha imediatamente. V.S. poderá conservá-la até a audiência disciplinar marcada para o dia quatorze de janeiro, ocasião em que tomaremos uma decisão oficial.
Após discutir o assunto com a diretora da Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts, o Ministério concordou que a questão de sua expulsão será igualmente decidida na mesma oportunidade. V.S. deverá, portanto, considerar-se suspenso da escola até o término das investigações.
Com os nossos melhores votos,
Atenciosamente, 
Mafalda Hopkirk,
Seção de Controle do Uso Indevido de Magia
Ministério da Magia 

Albus olhou para o chão, pasmo.

-O que foi? -Perguntou James. Todos pareciam olhar para o mesmo lugar. -O que a carta fala?

-Eu vou me dar muito mal. -Ele murmurou para si mesmo.

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 2

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Juliana Maines em 23/08/2011

Oi, vou arrumar sim, eu nem tinha me tocado mas muito obrigada por me avisar :3

Nota: 1

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Gabriel Santos Lemos em 23/08/2011

oi, amei a sua fic, mas nessecapitulo, você cometeu uma gafe, e eu não posso deixar passar


Se você leu Hp2 deve saber que eles usam magia no trem sim, isso acontece no último capitulo, então dá pra arrumar esses e os dois próximos please?

Nota: 1

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2023
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.