FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

ATENÇÃO: Esta fic pode conter linguagem e conteúdo inapropriados para menores de idade então o leitor está concordando com os termos descritos.

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

44. Mal Julgo


Fic: O Mesmo Destino - Vários Ships - UA


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

Cap 44 - Mal Julgo
 


 


Quando ele entrou naquela sala, sentiu-se só. Era estranho ver a edição do jornal tão parada. Olhou ao redor e não encontrou ninguém. Desde a morte de Romilda e o acidente de Cho as coisas haviam mudado muito.


Gina e Hermione praticamente mudaram a forma como retratavam as coisas no jornal. Não queriam saber de nada que estivesse de fora com as questões escolares ou comunitárias. Cho e Luna que continuavam com aquilo, embora a oriental estivesse cada vez mais tentada a se aposentar também. A perda do bebê havia feito com que ela pensasse e ponderasse mais suas escolhas, e era bom que ela agora tivesse limites impostos ao que fazia em sua vida.


Havia dias, meses na verdade, que ele estava curioso com o que Cho e Luna haviam descoberto sobre seus pais, e por mais que ele dissesse que não, queria saber do que se tratava. Aquela era a oportunidade perfeita para Harry entender um pouco mais sobre sua vida, sua origem e seus pais.


Sentou-se de frente ao computador central. Olhou apreensivo ao redor como se estivesse fazendo algo completamente errado, amedrontado por ser descoberto a qualquer momento. Meus documentos e lá estava à pasta aberta depois de alguns poucos clicks. Assustou-se com a foto de seu pai retratada há anos atrás. Era tão parecido com ele. Sentiu uma alegria ao se reconhecer nele e sorriu. Mas o sorriso se conteve e desfez assim que ele leu as matérias que vinham abaixo da imagem daquele homem tão jovem.


As matérias vinham como enxurradas em seus olhos, e ele leu tudo tão rapidamente que achou ter uma vertigem com tantas informações ao mesmo tempo. Fechou os olhos ponderando se acreditava ou não, se continuava ou não...


 


James Potter, acusado de desvio de mais de $300.000 é absolvido.


 


Investigações apontam James Potter como o principal suspeito da morte da família Underwold.


 


Testemunhas dizem que o trágico acidente é resultado de uma traição da bela esposa, Lily Evans Potter.


 


Ninguém sabe como o jovem Harry sobreviveu ao atentado.


Caso Potter: Tragédia ou Acerto de Contas?


 


James Potter teria sido retaliado depois de tentar sair da Organização que alguns começam a chamar de Máfia X.


 


Harry James Potter, salvo por um tio distante.


 


James Potter é acusado pelo crime de contrabando de armas.


 


 


Ele levantou da cadeira desorientado, tombando no que tinha atrás sem ao menos ver onde esbarrava. Não conseguiu ler. Não conseguiu abrir nenhuma das matérias, as excluindo temporariamente de sua vida apenas pelos títulos. Era muita informação reunida, muitas informações ruins reunidas em um único local. E... Não podia ser verdade.


Desesperado, volta para o PC e apaga todos os arquivos que encontrou relacionados à sua vida e sua família. Exclui e exclui novamente, limpando toda a lixeira. Não percebeu que era observado por Cho que acabara de chegar.


 


- O que está fazendo? - apressou-se tentando salvar alguma coisa.


- Com que direito vocês fizeram isso?


- Do que você está falando?


- Por que vocês estão investigando minha vida? Com que interesse? E pra que?


- Não estamos investigando a sua vida...


- E isso é o que?  - ele gritava alto.


- Isso é o que descobrimos quando fomos ajudar a Luna. Você já sabia, e eu não entendo esse estardalhaço todo - ela gritou igualmente alterada olhando o computador.


- Vocês não tem o direito de se intrometer na minha vida.


- Ninguém se intrometeu na sua vida. Não temos culpa se seu pai parece ter um passado sujo...


- Você não pode falar dele assim...


- Sim, eu posso. E você destruiu nossa pesquisa de meses. O que está achando, que ele era um santo? Não Harry Potter, seu pai era da organização X e só Deus sabe o que ele fez além do que tínhamos aqui...


- Não fale mal do meu pai...


- Eu falo, falo sim. Pare de ser um menino mimado e idiota e veja a vida de frente. É passado, ele errou. Se quer saber do passado, procure, mas não nos acuse por seu pai não ser o herói que você imaginou e criou pra si. Nenhum de nós tem culpa dele ter se juntado com esse povo.


- Eu não quero ouvir.


- Então vá embora. Fuja. Pode apagar os arquivos que quiser, mas o passado dele nunca vai ser apagado porque foi o que ele escreveu para si.


- Cala a boca Chang, cala a boca - ele gritava.


- Não. Eu não me calo. Eu falo mesmo, você precisa deixar de ser tão mimado e idiota. A vida não é um conto de fadas, aprende isso...


 


 


Ele saiu em disparada dali, tropeçando diretamente com Hermione que ouviu os gritos histéricos do corredor e o olhou assustada perguntando o que houve, mas ele não pareceu ouvir. Ele saiu descabelado, tropeçando a passos tortos por onde ia. Chorava. Lágrimas escorriam de seus olhos matando a ideia que sempre teve do homem que o colocara no mundo.


Tudo o que ele acreditou, todas as idealizações... Tudo jogado no lixo. Não poderia ser possível que aquelas coisas fossem verdade. Não seria possível que seu pai tivesse feito tantas coisas erradas... Que sua mãe o houvesse traído. Não podia ser verdade que Snape sempre esteve com a razão. Ele se negava a acreditar. Seu peito doía.


 


 


- Não é verdade - falou para si sem perceber uma garota se aproximar.


- Harry


 


 


A voz de Gina foi como um calmante naquele momento. Olhou para ela e pode ver em seus olhos o quanto ela se assustou ao encontra-lo chorando, debilitado e sozinho, tão desolado.


A ruiva fez a única coisa que poderia; aproximou-se e o abraçou calma e demoradamente, ouvindo os soluços do garoto contra o seu ombro e tentando lhe fazer cafunés precariamente.


Ele estava tão triste que ela não sabia o que fazer, não sabia por quê. Ele chorava compulsivamente e tinha uma grande dificuldade em respirar. Não poderia acreditar que estava vendo isso, não acreditava que Harry Potter, sempre tão forte, estivesse derribado e se consolasse em seus braços.


 


 


- O que houve, Harry? - ela perguntou doce depois que ele se acalmou um pouco.


- Minha vida toda é uma grande mentira. - falou com a cabeça ainda recostada ao seu ombro.


- O que está acontecendo? - forçou-o olha-la, tocando seu rosto.


- As pesquisas... você sabe... da Cho e da Luna...


- Elas descobriam coisas sobre seus pais, não é?


- Sim. Você sabia? - perguntou ficando claramente revoltado.


- Um pouco, mas não me envolvi realmente. Depois de um tempo, só ouvi falar. Não cheguei a ver ou investigar. Acho que não era da minha conta, sei lá... não ia gostar de ter minha vida revirada assim.


- Por que elas fizeram isso?


- Não é culpa delas, Harry. Elas estavam procurando sobre uma coisa e acabaram ligando a outra. Não foram bisbilhotar a sua vida, mas aparentemente seu pai estava realmente envolvido... eu sinto muito.


- Eu não sei o que fazer...


- Nem eu sei como te ajudar - confessou - A única coisa que posso fazer é te ofertar meu apoio e minha presença, mas só você decide o que fazer.


- Eu não sei o que fazer...


- Eu tenho uma ideia.


- Hum...


- Por que não vai para casa, se acalma um pouco e tenta relaxar? Pensa bem sobre o que acabou de descobrir, sobre todas as implicações que isso pode trazer, e no que pretende fazer... se vai deixar de lado ou vai procurar entender.


- Você procuraria?


- Harry, essa é uma resposta totalmente particular...


- Mas iria?


- Sim, eu procuraria. Mas não assim, de cabeça quente. Preferiria traçar metas, planos e caminhos. É a sua vida, antes de qualquer coisa, e não pode ser tratada de qualquer forma.


- Acho que você tem razão...


- Sim, eu sempre tenho - riu divertida e ele acompanhou.


- Você é perfeita... Em tudo...


- Harry...


- Tudo bem, uma hora você me da bola.


- Eu gosto muito de você, Harry e você sabe... Mas vamos deixar a poeira baixar um pouco. - ele assentiu concordando.


- Obrigado por ficar aqui comigo.


- Não tem o que agradecer. Quero te ajudar, e quero que confie em mim independente do que decidir. Eu quero ficar do seu lado e quero te ajudar.


- Me promete uma coisa?


- O que?


- Não conta pra ninguém que me viu chorar assim, tudo bem?


- Ah... Potter... - ela riu e revirou os olhos. Ele riu junto - Seu machista de merda.


 


...


 


Depois de alguns dias sem contato algum com Luna ou Cho, Harry decide continuar entender sua vida. Estava agradecido por ter Gina e Hermione por perto, por elas lhe auxiliarem e não lhe abandonarem nesse momento.


Haviam feito pesquisas simples, encontrado algumas informações e um pouco mais tranquilo, ele decidiu por ler e tentar entender o que de fato estava acontecendo. Depois de muito tentar e procurar meios alternativos, viu que não teria mais como escapar. Precisaria de mais ajuda, e sabia a quem iria recorrer.


 


A sala estava quase que completamente vazia. Havia apenas três pessoas que ele reconheceu serem a professora de Inglês, uma outra da área de Medicina, e ele, Severus Snape com seu grande nariz pontudo enfiado em um livro. Seus cabelos estavam mais sebosos que o normal e por uma fração de segundos, Harry ponderou ir embora e deixar tudo aquilo para trás.


 


 


- Professor Snape? - entrou um pouco, receoso, recebendo do outro um olhar curioso e indiferente.


- O que quer, Potter?


- Gostaria de fazer algumas perguntas.


- Entre. Se prestasse mais atenção nas aulas ao invés de ficar conversando, se exibindo e provocando, talvez não tivesse dúvidas.


 


Harry se aproximou enquanto ele falava. Sufocou uma resposta mal criada lembrando-se do teor da conversa que seria abordada em seguida. Precisava de respostas, e só aquele homem seria capaz de lhe dar.


 


- Snape, eu...


- O que quer, Potter? - Snape perguntou novamente ao observar que não se tratava de uma conversa simples.


- Preciso saber sobre meus pais.


 


Harry jamais imaginou que isso poderia acontecer, mas viu Severo Snape ficar ainda mais pálido do que já era, mais assustado do que parecia e desviar os olhos que sempre fazia questão de manter fixos nos de seu oponente, quem quer que fosse.


 


- Creio que não posso ajudar.


- Pode sim - Harry foi enérgico - O senhor é a única pessoa que pode me ajudar. Eu... eu sei que nós nunca nos demos bem e que, talvez, nunca cheguemos a esse nível, mas eu preciso entender o que aconteceu com meu pai e... com minha mãe e... você.


 


Snape olhou fixamente para o garoto novamente. Harry poderia dizer que viu uma infinidade de lembranças passarem por seus olhos. Não sabia definir o que o professor pensava agora, mas precisava esperar por sua decisão.


 


- Me acompanhe.


 


Snape falou tão abruptamente que Harry assustou-se. Levantou e o acompanhou para a saleta reservada que havia nas dependências dos professores. Silêncio envolveu os dois e Harry teve vontade de fugir.


 


- O que quer saber?


- Por favor, professor... tio...


- Não me venha com falsidades, Potter. Seja direto, não tenho todo o tempo do mundo.


- Tudo bem - Harry estava extasiado - O que aconteceu com meus pais?


- Seu pai era um bom homem... - falou automaticamente e Harry arqueou as sobrancelhas.


- Por favor, Snape, a verdade. Não sou uma criança. - o homem suspirou fundo antes de continuar.


- Seu pai era, realmente, um bom homem. Não vejo outro motivo para Lily ter se apaixonado por ele. Nunca nos demos bem, mas nos conhecíamos desde criança. Quando eles se casaram, a Lily imaginou que viveria em um conto de fadas. Não sei o que aconteceu, mas o conto virou terror.


Ela era constantemente ameaçada e como a irmã tinha ido embora, apenas me procurava e conversávamos muito. Seu pai tinha ciúmes, e realmente deveria ter. Eu sempre amei a Lily e faria qualquer coisa por ela.


- O que aconteceu entre eles? - Harry perguntou tentando mudar o rumo da conversa por sentir as entranhas apertarem diante daquela revelação.


- Seu pai estava envolvido com a máfia, você já deve saber, mas depois que descobriu que teriam um filho, resolveu se afastar e tentar mudar de vida. Sua mãe foi ameaçada novamente assim que ele tentou sair, e por isso foi viver com a irmã até pouco antes de você nascer. Seu pai tinha ainda muitas coisas para resolver e não se sai ileso desse tipo de situação.


Eu sempre falei pra Lily não voltar, mas ela não me ouviu. Quando estava prestes a ter você, ela resolveu ficar com o marido porque sua mãe sempre foi uma mulher forte e corajosa, que encantava qualquer um que a visse.


Pouco depois que ela voltou, você nasceu. Ele conseguiu segurança dizendo que não se afastaria da máfia e por essa desculpa conseguiu alguns meses de tranquilidade, até tentar fugir do país com você e sua mãe. Aqueles homens descobriram e provocaram o acidente.


- Como você sabia? Como sabe de tudo isso?


- Sempre mantive contato com a Lily. Nos correspondíamos e eu sempre tentei ajudar da forma que podia. Ela me contou como fugiriam. Quando seria e o que pretendiam. Seu pai havia conseguido uma boa cota de dinheiro com os anos e daria para recomeçar longe daqui. Mas...


- O acidente.


- Sim. Foi proposital, como você deve saber ou imaginar. Nada do que acontece nesse tipo de sociedade é corriqueiro ou eventual. Eu os estava seguindo, tentando manter uma certa proteção, porque eu sabia que aquilo não daria certo. Havia avisado a Lily - ele tinha rancor nas palavras - Eu disse pra ela deixar aquele homem e eu a assumiria, viveria com ela e com você, mas ela o amava mais que tudo e não aceitou.


No meio da estrada, em uma curva, seu pai perdeu o controle do carro. Eu adiantei o meu e me aproximei o mais rapidamente que pude. Quando cheguei mais perto, vi que seu pai estava desacordado, não usava cinto. Sua mãe estava presa, muito machucada e você chorava nos braços dela. Ela te entregou pra mim. Pediu que eu te ajudasse primeiro. Eu tentei solta-la daquele carro, mas o cinto estava muito preso, não consegui.


 


Harry observou que o professor tinha lágrimas nos olhos e que olhava para um ponto distante, envolvido naquela triste lembrança.


 


- Disse que levaria você para a beira da estrada e voltaria para soltar a ela e o seu pai. Corri com você em meus braços o mais rápido que pude, mas quando tencionei voltar para o carro, tive tempo apenas de jogar meu corpo sobre o seu e te proteger da explosão. Tudo acabou pra mim ali.


 


O garoto olhava o homem com um misto de tristeza e admiração. Não poderia mentir que o professor amava realmente a sua mãe, e não poderia dizer, agora, que se orgulhava da imagem que criara dele e de seu pai. Sempre esteve enganado em relação a tudo o que rodeou a sua vida.


 


- Um tempo depois, não sei dizer o quanto, os policiais e jornalistas começaram a chegar. Me levaram e deixei você em um orfanato, mas sempre o olhava. Entrei em contato com sua tia e o resto você sabe.


- Eu... Obrigado.


- Não me agradeça. Não quero sua gratidão em nada. A única coisa que queria realmente era a minha linda e doce Lily, e essa eu não terei jamais. Tome - ele fez um gesto rápido e pegou uma folha de papel e caneta, escrevendo algo em seguida - Esse é o endereço da sua casa. Veja com seus próprios olhos o seu passado. Talvez ainda consiga encontrar alguma coisa por lá. Agora, por favor, saia, Potter.


..................


Oi gente, segue o capítulo. Queria muito mesmo saber o que acharam porque estamos concluindo e agora as coisas vão começar a aparecer de verdade e muita coisa será solucionada. Acho que estava devendo esse capítulo para todos nós, afinal, o Snape não é um cara ruim e eu espero ter passado a comoção que tive ao escrever essa conversa. 

Eliana, Tati e Lana, muito obrigada pelos comentários, mas estou correndo hoje e não vou poder responde-los um a um.
Esse capítulo foi extra apenas com os dois, mas vou voltar a faze-los divididos. Também acho que fica mais legal nessa fic porque revela vários momentos ao mesmo tempo. Mas aqui, quis dar essa importância toda mesmo a conversa. Espero que tenham gostado. 
*Té depois. Vou tentar postar outro ainda essa semana. Quero terminar antes do Natal. 

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 2

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Lana Silva em 04/12/2013

Concordo com a Tati... Ai Merlin, se eu fosse Snape... Ficaria mal pra caramba. Poxa, ele salvou o filho do homem que tinha o amor da mulher que ele amava. De certo modo, ele salvou uma parte da Lily, mas ter que ver Harry, tão parecido com James, o tempo todo, deve ser horrível. Acho que as revelações vão mudar a maneira de Harry pensar... Só tenho medo que ele fique igual a Luna, tentando vingar a morte dos pais, porque James estava saindo da máfia e tal... Tipo, sou meio que team James e team Severo, apesar de só conseguir ver Lily, na maioria das vezes, com James... Mas senti tanto por Severo :( Bem o capitulo foi ótimo, mas tristinho :( Acho que virão piores que esse, prepararei meu coração!

Beijoos! 

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Tati Hufflepuff em 02/12/2013

Viiiiiish! Então James realmente se envolveu com as pessoas erradas, mas acredito que depois percebeu o que estava fazendo e mesmo sendo tarde demais, tentou ajeitar sua vida...
O amor de Snape por Lily é tão palpável, tão bonito que fiquei com peninha de Snape... Ele não conseguiu salvar o amor da sua vida e esse é o motivo de sua raiva por Harry, Lily escolheu morrer e Snape foi obrigado a atendê-la.
Muito bom o capítulo Andye, e agora as coisas vão começar a aparecer e isso quer dizer que mistério só vai aumentar antes de se resolver! Adooooro!! Esperando o próximo!
;*** 

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.