FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

9. Alto Demais


Fic: Pago Para Mentir - hiatus


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________




Dias depois, Hermione se perguntaria se o teor alcoólico do Whisky de Fogo era realmente o que se encontrava impresso na embalagem. Essa era a única explicação plausível para seu comportamento. Exemplar? Ah, sim, claro, com certeza. Para qualquer um, até seria, mas não para ela. Não mesmo.

Chegaram com Donnie à festa mais de meia hora depois de seu início. Era o horário normal das duas, e ninguém se incomodou com esse atraso. Havia pessoas espalhadas pelo salão, derreadas em divãs, bebendo de drinques absurdamente alcoólicos a sucos naturais sem açúcar, com roupas que variavam de jeans a semiformais. Gina roubou a taça do primeiro garoto que passou por ela e, quando ele ameaçou reclamar, ela o calou com um beijo. O rapaz não falou mais nada, apenas sorriu de canto e voltou para a namorada que tinha abandonado. Gina riu. A ruiva não tinha o álcool como desculpa para suas ações, visto que ela era provavelmente a pessoa mais lúcida em qualquer festa a que comparecesse. Até Hermione, com meia dose de um drinque, ficava mais “alta” que a amiga.

— Quando eu digo que nunca terei coragem para agir como você, estou falando sério – disse Hermione, um tantinho constrangida.

— Você realmente acredita que eu sempre fui assim? – A ruiva riu. – Qual é, Mione; eu aprendi. Você pode aprender qualquer coisa. Incluindo o que não presta.

— Por que eu faria algo assim? – replicou a garota, sem compreender. – Por que eu mudaria mais?

— Porque você aprenderá que pode ser bom – respondeu Gina, simplesmente, realmente séria. – Eu te indico o caminho; você só segue, ou não. Como dizem, “sucumbir ou desistir”. Mas prove antes de desprezar. Essa é a única regra.

Hermione entendeu. Depois de tanto tempo conversando com Gina e tentando compreender a cabeça da amiga, ela entendeu. Se alguma coisa desse errado, a culpa só poderia ser atribuída a uma pessoa. Apenas uma, e Hermione preferiu não pensar no assunto, porque a perspectiva a apavorava. A ruiva, sorrindo, se afastou com Donnie, deixando a amiga sozinha.

— Se você acredita em coincidências, não olhe para trás – disse uma voz masculina atrás dela.

Coincidência. Essa era a última coisa que a garota precisava. Mas ela sabia quem era. Ela reconhecia a voz. Ela sempre fora boa com vozes.

— Se eu olhar, vou ficar petrificada? – perguntou ela, sugestiva.

— Depende. – O rapaz envolveu a cintura de Hermione. – Você costuma ficar petrificada quando encontra alguém como eu?

— Se você souber como agir...

A frase ficou em suspenso, e Hermione teve ganas de se matar. Ela já estava quase se acabando por um incidente que nem tinha certeza se acontecera, e resolvia flertar com um rapaz?! A palavra “inevitável” podia ser até clichê, mas era verdade. Era inevitável.

— Você não está de blusa transparente hoje... – lamentou-se o garoto.

— Eu não vivo só de blusas transparentes, Brian. – Ela virou-se e encarou-o. – Mas se você sente tanta falta assim, Mariah está logo ali.

— Hum... Cruel. – Ele riu. – Bem, creio que não posso reclamar da veste... Ficou excepcional em você.

— Obrigada pela parte que me toca – respondeu ela, sorrindo apenas com os olhos.

— Ah, não, Mione; nenhuma parte te tocou, ainda – disse Brian, sério, transbordando malícia. – Você não estaria calma assim se tivesse te tocado.

— Você é sempre convencido assim? – A garota estava um pouquinho incrédula.

— Nunca convencido, apenas realista. – Ele puxou uma taça da bandeja de um garçom. – E os realistas normalmente parecem arrogantes, não é?

Hermione esperou que ele levasse a taça aos lábios para roubá-la dos dedos de Brian, tocando o cristal fino com os lábios e bebendo apenas um gole do conteúdo cristalino. Não era água. Depois, ela retornou a taça ao rapaz, que bebeu também, os lábios postos exatamente na mesma posição que os de Hermione haviam ficado. A garota enrubesceu. Não era tonta, sabia o que significava o gesto. Indiretamente, Brian a havia beijado, e tão deliberadamente que nunca poderia ter sido um engano. Ela sorriu, apesar da cor que lhe subia às faces, e deu as costas ao sonserino.

— Você sabe que não poderá fugir para sempre, não sabe? – sussurrou ele, ao ouvido da garota, antes que ela se afastasse.

— Não precisa ser para sempre, Brian. – Ela beijou o canto da boca do rapaz. – Basta ser o suficiente.

Ela não tinha noção, quando o deixou, que o suficiente estava bem perto.

Encontrou pessoas interessantes pela festa, inclusive o professor de Defesa Contra as Artes das Trevas, um loiro de olhos negros, mais ou menos da idade de Donnatello, que o acompanhava, com um quê de falsete na voz. Seu nome era Henri Euter, mas todos, absolutamente todos, o chamavam de Henri. Por algum motivo, a garota sabia que ele e Donnie tinham muito em comum, e que isso seria... o suficiente para eles. Riu por dentro. As pessoas não buscavam muito, apenas o suficiente. O suficiente bastava.

— Hermione! – exclamou uma voz atrás de si. Era um garoto, Nicholas Devereaux, um lufa-lufa bonito, alto e inteligentíssimo, sobrinho do professor Euter por parte de mãe. – Achei que não comparecia a festas como essa.

— E não compareço, Nick. – Ela beijou a face do colega. – Não normalmente.

— Mas quando o faz, o faz em grande estilo. – Ele fez com que ela rodopiasse uma vez, e parou-a com um movimento suave. – Um Gucci, ahm? – E, respondendo à questão não proferida de Hermione, acrescentou: – Tenha um tio tão obviamente gay e você aprenderá mais sobre roupas do que qualquer um.

— Henri não é obviamente gay. – Ela riu. – Você ainda não conheceu Donnie.

— Dom Donnie? – A garota sabia que parecera surpresa, pois o rapaz sorriu. – Ele é o... hum... personal stylist do meu tio desde que se conheceram. Eles tiveram um... sabe, um caso, há algum tempo. Faz alguns anos, Donnie ainda lecionava em Hogwarts, e não tinha certeza se sua tendência para o lado pink da Força era forte o suficiente. Digamos que ele descobriu.

— Meu Merlin, eu não consigo imaginar Donnie e Henri juntos... Não sei, eles são tão...

— Não queira imaginar. Você não perde nada. Falo sério, experiência própria. – Ele pegou uma taça e ofereceu-a a Hermione. – É só Whisky de Fogo.

— Que seja. – Ela criou coragem e bebeu todo o conteúdo da taça de uma vez. – É horrível!

— Concordo – disse Nicholas, sentando-se e convidando-a para juntar-se a ele, bebendo também todo o seu whisky. – Mas, ao menos, demora um pouco para que fiquemos bêbados.

A palavra “demora” não significa que não ficaremos, pensou Hermione, recebendo outra taça. Mas, se ficarmos, que mal tem? Ninguém morre por ficar bêbado, a menos que seja um psicótico que consiga a proeza de entrar em coma alcoólico.

— Bem, você já sabe o que vai fazer da vida? – perguntou a garota, brincando com a taça, já vazia.

— Se eu passar nos N.I.E.M.’s, serei medibruxo – respondeu ele. – Papai me queria como auror, mas eu não dou para a coisa. Prefiro curar a condenar. Parece gay, não parece? É, eu sei que parece. Afinal, meu tio é gay.

— Eu acho inspirador – admitiu Hermione. – Gosto dessa perspectiva. Convivo com garotos que pensam praticamente o dia inteiro em passar no exame para aurores, e isso me deprime... Não que eu não tenha interesse em me tornar uma, também, mas... Sei lá, cansa.

— Também cansa conviver com tio Henri. Meus pais ficaram na França, então eu moro com ele. – Nick tragou os últimos goles de sua bebida. – Ele é estranho. Pergunto-me se isso é normal.

— Bem, todos somos estranhos, não somos? – Hermione riu. – Até você e eu, Nick. Mas você me parece preocupado. O que é?

— Se eu te disser que me chamam de homossexual, você não vai acreditar, vai?

— Por que não acreditaria? A maioria dos garotos é estúpida. – Ela bebeu mais um pouco. – Vem, fica de pé. Tem um jeito de descobrir, ou, ao menos, tentar.

— Você não vai pedir para eu te beijar, vai? – Nicholas sorriu de lado. – Afinal, eu conheço o seu namorado, e ele ficaria possesso.

— Não, seu tonto! – Ela se postou na frente dele e encostou a pélvis na coxa do rapaz. Depois, vendo a cara de desentendido dele, arranhou-lhe de leve a região lombar, no sentido horizontal, a partir da coluna. Sentiu que Nicholas se sobressaltava e corava. – Viu? Isso – ela apontou para o meio das pernas do rapaz – prova que você não é do lado pink da Força.

Ele a encarou por alguns momentos, e começaram a gargalhar. Fora muito estranho, e totalmente amigável, sem qualquer “segunda intenção”. Continuaram bebendo, conversando e brincando, rindo feito loucos e não sentindo o tempo passar.

Sentiu que voltava ao normal quando o efeito das doses de Whisky de Fogo – das quais ela perdera a conta – começou a passar. Nesse momento, Nick avisou que ia se retirar, e que havia adorado conversar com a garota. Despediram-se e, assim que Nicholas saiu do salão, Hermione se viu abordada por Brian. Ele definitivamente estava lúcido; ao menos, mais que a garota.

— Hey, você, de novo – disse ela, sorrindo. – Encarnou em mim, não foi?

— Claro que não – respondeu ele, um pouquinho sério. – Eu só estou atrás de uma coisinha pouca, bobagenzinha.

— Eu? – replicou Hermione, astuciosamente.

— Você – afirmou o rapaz. – Você pode facilitar a minha vida, sabia?

— Hum... – Ela segurou o colarinho da camisa do rapaz e ficou brincando com o tecido. – E o que eu ganho com isso?

— Só vai saber quando experimentar. – Ele segurou a mão da garota, firme, resoluto.

— Você é sempre tão direto? – Ela estava incrédula. Onde estava o senso de perigo daquele garoto?

— Quem pode, pode, Mione – sussurrou ele, arrepiando-a. – Quem não pode, obedece.

— E por que você pensa que pode? – atiçou-o ela.

— Porque eu sou simplesmente... eu.

A garota não tinha uma resposta para essa frase. Merlin, como ele era petulante! Charmoso, sim, e tentador, verdade, mas tão petulante! E realmente decidido, isso ela precisava admitir.

Sentiu a mão que o rapaz segurava ser solta, e pensou em brincar mais um pouco com ele. Era um jogo divertido, e ela começava a perceber por que Draco “brincara” com ela na cabine do trem. Era proibido. Proibido era melhor. Desabotoou o primeiro botão da camisa de Brian, e sentiu uma pequena reação em sua respiração. Passou para o segundo, bebeu um pouco da poção que Gina sabiamente lhe entregara havia algum tempo – a mesma que a curara da bebedeira no dia do teste de tolerância a álcool. Queria estar lúcida para ter certeza de que não faria nada que pudesse vir a ser constrangedor.

Quando tocou o terceiro botão, Brian parou sua mão. Se ela quisesse continuar a brincadeirinha, teria que ceder um pouco. Ele não seria feito de bobo, não por ela. Entendendo, Hermione suspirou, chegou um pouco mais perto e sentiu as mãos do rapaz em suas costas. Ele não a prendia, logo, fugir não seria difícil. Aos poucos, conseguiu abrir toda a camisa do rapaz. Uma olhada rápida denunciou que os meses de Quadribol realmente valiam a pena. O que era aquilo? Ela tinha problemas com jogadores de Quadribol, certo?

Só com os que te provocam, respondeu para si mesma. Só os que te provocam.

— O que foi? – perguntou Brian, astucioso. – Gostou do que viu, certo? Afinal, você está corada demais para estar impassível.

— Admito que excedeu minhas expectativas. – Mas nunca que ela confessaria a ele que gostara. Nunquinha! – Só um pouquinho, mas excedeu.

Ele limitou-se a um som com um quê de incredulidade, e aproximou o rosto da face de Hermione. A garota entrou em pânico. Estava lúcida demais para fazer aquilo. Escapou dos braços de Brian e correu para o outro extremo do salão, ofegando. Não, era só uma brincadeira. Ela não faria aquilo com Ray novamente. Não mesmo.

Viu um vulto de cabelos ruivos passar por si e pegá-la pelo braço. Virou-se e viu Gina, fitando-a, furiosa.

— O que foi? – perguntou Hermione, sem entender.

— Como é que você deixa passar uma oportunidade desse calibre?! – replicou a garota, como se a amiga tivesse ficado senil.

— Você fala isso porque não era você quem estava a quatro milímetros dele! – tornou Hermione. – Gina, você não entende.

— Não, eu não entendo – admitiu a ruiva. – Você obviamente queria. Por que não fez nada?

— Porque eu amo Ray – disse a garota, séria. – Eu não vou traí-lo.

— Você é quem sabe. – Gina deu de ombros. – Se eu fosse você, voltava para o dormitório, então. Brian não vai desencarnar de você.

A garota acenou afirmativamente com a cabeça, se despediu da amiga e saiu do salão. Pouco antes de sair, avistou Donnie, entretidíssimo com Henri, a um canto. Sorriu. Sentia falta de Ray.

Desabou na cama depois de um longo banho e fitou o teto. Pouco depois, ouviu a porta se abrir, e por ela entraram outras garotas, vindas da festa, exaustas e cheirando a álcool e perfume. Hermione fingiu estar dormindo. A última coisa que queria era conversar. Além do mais, sabia que, apesar da poção de Gina, ela logo precisaria de algo contra dor de cabeça, se não quisesse conviver com a pior – e potencialmente única – ressaca de sua vida.

Conseguiu adormecer, mas acordou com as têmporas latejando muito. Droga; por que bebera tanto? O que dera nela? Um surto ginístico? Uma tentativa masoquista, ou suicida? Ela não sabia, mas estava doendo.

Desceu as escadas rumo à Sala Comunal, esperando encontrar alguém acordado, para que pudesse ir com ela à cozinha e buscar um pouco de água, e à Enfermaria, para uma poção. Encontrou Rony, só de pijama, lá embaixo, e, com palavras que ele não respondeu, conseguiu convencê-lo a ir buscar uma poção junto a ela. Andaram em silêncio por algum tempo, passando na cozinha sem maiores problemas. Só quando eles estavam perto da Enfermaria foi que Rony se pronunciou.

— Eu vi você e Brian – disse, sério, encarando a garota.

— E daí? – replicou Hermione, fingindo desinteresse.

— Não é justo com Ray – tornou o ruivo, sem perceber a falsidade na voz da amiga. – E você sabe muito bem disso. Também não é nem um pouco justo comigo.

— Entendo que não seja justo com Ray, mas o que você tem a ver comigo? – perguntou ela, cáustica.

Recebeu em resposta um beijo aterrador, para o qual ela não estava preparada, que a pressionou contra a parede, extraindo todo o ar de seus pulmões, sufocando-a, sua cabeça parecendo prestes a explodir, doendo e latejando... Sentiu um peso no bolso do pijama curto, uma pressão no quadril, uma dor lancinante, a sensação de estar morrendo...

Acordou, assustada, apavorada, suando frio, e ergueu-se de um pulo. Os cabelos grudavam em seu rosto e nuca, e ela respirava ofegantemente. Afastou as mechas dos olhos, tentando fazer com que seu coração parasse de latejar. Ergueu-se, abriu a porta do banheiro e lavou o rosto com a água fria. Passou instintivamente as mãos pelas coxas e sentiu um objeto duro no bolso do pijama. Tirou-o rapidamente e fitou-o. Era um pedaço de uma capa de couro de um livro, no qual estava escrito “Rowe” e, logo abaixo, “Ra”. No verso, havia a frase: “Não esqueça...”

Não soube como conseguiu adormecer novamente, mas, quando acordou, o pedaço da capa do livro não se encontrava mais em seu poder. Também não lembrava do sonho, apenas da frase no verso do couro. Ela ecoava em sua mente, e Hermione não lembrava o suficiente para saber o porquê.

Desceu as escadas em silêncio, a mochila pesando nas costas, grata por não lembrar de nada da noite anterior, exceto algumas palavras que trocara com Nick, um ou outro flerte inocente com Brian e... a frase. Ela podia muito bem ter esquecido a frase, e não teria se importado. Parecia um presságio, ou algo do gênero. E, pior, ela se lembrava vagamente de que a caligrafia não era conhecida.

— Bom dia, amor – disse Ray, tirando-lhe a mochila das costas e enlaçando-a por trás. – Como foi a festa?

— Bem, eu acho. – Ela riu. – Talvez eu tenha exagerado um pouquinho no Whisky de Fogo. Não lembro de quase nada.

— Isso pode ser bom. – Ela virou-se e fitou-o. O rapaz ostentava um corte bem longo, da testa à têmpora, passando pela sobrancelha, que não estava ali no dia anterior.

— Meu Merlin, Ray, o que foi isso? – perguntou ela, preocupada.

— Só um pequeno arranhão – disse ele, sem encará-la, displicente. – Bati a cabeça em uma prateleira. Doeu um bocado, mas está cicatrizando.

— Pequeno? – Hermione entreabriu a boca. – Você é cego?!

— Ei, eu juro, não foi nada de mais, okay? – Ele a beijou, sorrindo então. – Vamos comer?

Sem muita convicção, a garota sentou-se à mesa, esperando os outros chegarem para começar a comer. Harry, Rony e Draco chegaram rapidamente, o loiro trazendo Gina a tiracolo. Harry tinha um ferimento que devia ser uma perfuração ou corte e se estendia do pescoço ao ombro, enquanto o ruivo apresentava o braço esquerdo rígido, com uma atadura que escalava o antebraço, bem visível. Draco parecia o menos “avariado” dos três, mas respirava com dificuldade, e Gina depois disse a Hermione que o loiro quase perfurara o pulmão. Todos, inclusive Ray, tinham pequenos cortes nos lábios, braços, pescoço, mãos e testa. O namorado de Hermione estava ainda com o pé torcido, como ela pôde constatar pela rigidez com que ele andou até a mesa.

— Nossa, Harry, que coisa foi essa no seu pescoço? – perguntou Hermione, sabendo que os quatro haviam estado em algum lugar, fazendo alguma coisa potencialmente perigosa e provavelmente fatal, e mentiriam abertamente o quanto pudessem.

— Ah, não foi nada. – Ele sorriu. – Briguei com um cara na festa. Nem me pergunte quem era; eu estava bêbado demais para lembrar.

— Sei... – respondeu ela, cética. – E, pelo visto, meteu Draco e Rony na história, não foi?

— Eles se meteram sozinhos – replicou o moreno. – Ah, qual é, menos perguntas, okay? Vamos comer.

Hermione estava intrigada. Nada em Hogwarts poderia tê-los ferido tanto assim, a menos que eles tivessem se metido na Floresta Proibida, depois da área dos centauros. Mesmo assim, não justificaria. Por que eles estavam tão feridos? E por que ela e Gina estavam tão inocentes nessa história? Se era assunto deles, deveria dizer respeito a elas, também, afinal, antes de qualquer coisa, eles eram amigos!

O dia acabou sendo estressante, com estudo de um lado, a frase incompleta e sem sentido de outro, os ferimentos dos meninos de outro. Seu dia não tinha lados suficientes para tudo o que estava havendo. A professora McGonnagall precisou chamar-lhe a atenção várias vezes, e o professor Flitwick chegou a dizer que, infelizmente, se ela não estivesse interessada na aula, poderia ir embora. Hermione lutou contra a vozinha que a mandava aceitar a deixa e ficou ali, sentada, esperando que a aula terminasse. Estava louca de vontade de deitar na cama e descobrir que fora tudo um grande pesadelo.

*♥ ~* ♥ * Ron/Hermione 4 Ever * ♥ *~ ♥ *

Uma prévia, de presente procêis. ^^

— Por quê? – perguntou a garota. – Você me apoiou, disse que eu deveria ficar com ele, lembra?

— Eu lembro, mas não significa que eu não me arrependa.

Minúscula, I know, mas deve ser melhor que nada, right?

*♥ ~* ♥ * Ron/Hermione 4 Ever * ♥ *~ ♥ *

E eu fiquei tão sem tempo, sem computador, sem absolutamente quase tudo, que abandonei vocês por muito tempo. Digo, realmente, tempo demais. Perdoem-me, please... *suplica* Vou tentar ser mais freqüente depois do vestibular, I swear.

Espero que tenham gostado desse capítulo.

Agradecimentos:

Fenf Igo, eu também quero um Gucci feito o da Mi! Aliás, será que esse vestido existe? Óia, não garanto NC, mas vou pensar na idéia, ^^

Raysa!! *emociona* O Rony é um frouxo... e o Harry é tão... sei lá, eu gosto dele. Apesar de tudo.

Mari Granger, é, as pessoas sempre imaginam a Mione meio santa... Mas eu não gosto muito dessa visão, ela não é fraca ou inocente como dizem por aí. xD Que bom que gostou.

Naty, que provavelmente vai me matar, porque sempre tenta me matar, eu posteeeeei! Viu que eu postei? Agora você pára de brigar co'eu, neah? i_i Ela judia de mim, girls, judia de verdade!

Bruna, obrigada pelo elogio... Na realidade, pouquíssimas pessoas gostaram do fato de a Mione estar com o Ray, apesar de ele ser um cara "do bem".

Fernanda, espero que tenha recebido a mensagem... ^^ Yeah, ela tem que notar logo... Um pouco de paciência, que esse belo drama se resolve, eu juro juradinho.

Que dizer? Vocês são meus pretzels de chocolate com marshmellow. ^^
Amocêis! ;**

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 0

Nenhum comentário para este capítulo!

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2023
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.