FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

ATENÇÃO: Esta fic pode conter linguagem e conteúdo inapropriados para menores de idade então o leitor está concordando com os termos descritos.

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

2. Mudança


Fic: O Mesmo Destino - Vários Ships - UA


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

Capítulo 02
Mudança

.........



A cidade de Campo Alegre, em Santa Catarina, sempre foi muito pacata. Com poucos habitantes e um clima bastante úmido, era o ponto de interesse de muitos turistas.
O local, com casas grandes e um delicioso ar europeu conquistava a todos que o conheciam pela muita vegetação, cachoeiras, flores e macieiras por todos os lados. Pessoas sorridentes e hospitaleiras. O local aonde quem vai quer ficar.


E isto foi o que aconteceu com o casal recém-casado Patrick e Nathalie Granger. De passagem pela bela cidade brasileira comemorando a lua de mel, o jovem casal de dentistas decidiu que seria neste local onde iriam construir sua família.


Depois de muito custo, conseguiram vender a antiga casa que haviam finalmente terminado de pagar e comprado a menos de três meses na Europa e financiaram uma casa na pequena cidade, em um local de grande verde, casas simples e imponentes, e de vizinhos encantadores.


Logo de inicio tiveram dificuldades para aprender o português, mas depois de quase três anos morando no local, quase não havia mais sotaque. E eles também não abandonaram a cidade natal, o local onde se conheceram, onde seus pais e familiares permaneciam.


Sempre que possível voltavam à pequena cidade de Durham, situada no interior da Inglaterra, e que lembrava e muito o local onde moravam. O porquê de se mudarem se os locais eram tão parecidos? Nem eles mesmos saberiam responder, mas eram, sim, imensamente felizes ali.


Felizes não, totalmente felizes, ainda mais agora que conseguiram finalmente montar o consultório odontológico próprio e que a pequena Hermione Jane Granger estava por chegar.


Por que Hermione? Porque a sua mãe sempre adorou a peça Conto de Inverno de William Shakespeare. O mesmo nome é a forma feminina de Hermes, o deus da eloquência segundo a mitologia grega. E por fim, por ser o nome da filha de Helena de Tróia, pela qual o pai era fanático.


Hermione foi uma menina meiga, muito inteligente, é verdade, e muito encantadora. Os grandes olhos castanhos contrastavam com a grande juba marrom que tinha na cabeça e os dentes da frente maiores que o normal eram características marcantes da pequena menina que encantava a todos com apenas cinco anos de idade.


Muito estudiosa e inteligente ao extremo, a menina era o orgulho dos pais. O conhecimento que tinha era maior do que a maioria das crianças de sua idade e a maioria dos professores a considera uma estudante modelo. Adorava ler, escrever e viajar nos contos que sua mãe ainda lhe contava, mesmo que ela tivesse agora 14 anos de idade.


Resolver ir de contra as investidas dos pais e resolveu fazer faculdade de Recursos Humanos. Formou-se na Universidade de Santa Catarina com louvor e ficou emocionada com a homenagem que recebeu dos familiares, já que muitos deles vieram de Durham para prestigiar a sua formatura.


Tornou-se uma garota muito bonita, com valores conceituados e traços meigos que encantavam a muitos. O sorriso delicado conquistava a quem o olhasse, e ela agradecia feliz este feito aos anos de estudos odontológicos dos pais.


Era muito diferente da maioria das vizinhas da rua onde morava. Era baixinha tinha apenas 1,59 cm comparados aos 1,75 cm, no mínimo, das amigas de infância que já não eram tão baixas quanto antes. A pele era alva, mas com pequenas sardas que a deixava com o ar moreno, enquanto as amigas tinham a pele branca como o leite, ou melhor, mais branca que o leite.


Tinha olhos castanhos, pequenas olheiras, nariz pequeno e fino, traços muito finos e delicados, nada muito atrativo ou que chamasse a atenção, e era quase que sempre apagada atrás dos belos olhos azuis ou esverdeados que as amigas possuíam.


E mesmo que ficando na traseira em relação à beleza das amigas, Hermione saía na frente na coragem, audácia, simpatia, astúcia e inteligência. Não tinha conseguido conquistar o garoto de seus sonhos de infância, mas...


David, belo, alto, cabelos lisos e espetados, tão loiros que ofuscavam o sol. Olhos incrivelmente azuis, e ela era fixada em olhos azuis. A pele tão branca que parecia porcelana, com barbas e bigodes ralos, dourados como os raios de sol que adentravam em seu quarto e aqueciam as suas manhãs.


É... Ele ficou com a Marla... Tão incrivelmente bela que pareciam um casal de contos de fadas. Longe disto, namorou um coleguinha de escola, igualmente normal como ela... Ao menos era possível atingi-lo e conquistá-lo.


E namoraram. O namoro de crianças aumentou e se tornou um relacionamento forte, até que o ciúme que ele tinha começou a irritá-la, e a falta de controle que ele possuía a fez cansar de viver dando satisfações de tudo o que fazia.


Tentara forçá-la duas ou três vezes a passar dos limites impostos por ela. Sim, ela já tinha seus vinte anos... Sim, ela já estava na faculdade... Sim, já namoravam há quase seis anos, mas ela não se sentia à vontade em dar um passo tão adiante com ele.


Não se sentia confiante, não tinha certeza que era ele aquele que ela poderia entregar-se por inteiro, e a falta de compreensão a irritou e a fez explodir. Terminou o namoro de tantos anos e sua mãe, particularmente, ovacionou com a decisão.


Decidiu então viajar. Já que a maior parte da família estava na Inglaterra, mandou apreensiva a solicitação de intercambio para a Universidade local, e em uma manhã de inverno, foi acordada com emoção por sua mãe.


 




- Mione, meu amor. Veja...


- Mamãe... -a voz era embargada de sono- Definitivamente eu te amo, mas não poderia ter esperado que eu me acordasse de modo convencional?


- Minha filha, chegou a resposta do seu intercambio...


- Sério? - Ela levantou-se de um pulo e sentou-se na cama, de frente com a mãe.


- Abra.


 




Sim. Foi isto que ela fez. O papel timbrado da Alliance Française tinha um enorme AF em marca d’água no meio da folha.


 




“Prezada Senhora Hermione Jean Granger,


Temos o prazer em informar que V.Sa tem uma vaga garantida na Escola de Graduação e Especialização Alliance Française.


Informamos que para nós será um grande prazer que uma aluna com tão excelentes notas faça parte de nosso corpo discente.


O período letivo iniciará no dia 10 de junho do corrente ano e aguardamos a confirmação via e-mail ou telegrama até o dia 30 de maio”.


Atenciosamente,
Minerva McGonagal - Diretora Substituta.


 


- Mamãe, eu li direito?


- Sim minha filha... Você foi aceita...


- Ah mamãe... Papai... Papai... Eu fui aceita...


 


Como ela conseguiu controlar a alegria, ela não sabia. Sentia-se realizada. Na verdade, sempre quis estudar fora, e fazer especialização em Relações Internacionais no país de origem dos pais seria muito mais que perfeito. Já conhecia o lugar, tinha parentes por lá e via-se encantada com a possibilidade de viver de forma independente.


Tudo passou de maneira veloz. Respondeu a carta que recebera da escola no mesmo dia. Sua mãe ligou para uma de suas tias perguntando se ela poderia hospedar-se até encontrar um local para ficar, e ela foi sim, muito bem aceita. Aproveitou que estava no computador e enviou alguns currículos para Londres, que seria onde estudaria e pretendia morar durante os estudos.




[...]


 


- Ronald, eu juro que eu nunca vou te entender.


- Por que Ginny?


- Ronald, você tem tudo aqui na Toca. Uma família que te ama, pais maravilhosos, uma casa, comida... Pra que se aventurar em Londres? Essa vida de fama e holofotes não vai te fazer bem. Você não nasceu pra isso.


- Gina, eu apenas cansei de viver de sobras. Tudo o que tenho ficou do Charles ou do Bill. Eu preciso ter a minha independência.


- Mas Rony, meu irmão. Por que você não vem estudar aqui comigo?


- Eu detesto Direito Gina.


- Eu sei, mas você poderia fazer outro curso, sei lá... Filosofia, Letras, Recursos Humanos...


- Gina, eu fui aceito para o teste e eu vou fazer.


- Ah meu irmão. Você vai ficar deslumbrado. Tudo vai mudar. Você não será mais o meu Roniquinho.


- Não vai mudar nada, e eu realmente não quero ser o seu Roniquinho.


- Nunca que eu vou entender porque motivo você inventou de mandar suas fotos pra essa agência. Eu odeio essas coisas. Preferia que você ficasse aqui.


- Pensa pelo lado positivo. Se tudo der certo, você pode tentar transferir o teu curso pra Faculdade de Londres e ir morar comigo no Centro. Assim você fica de olho e tem certeza que nada de mais vai acontecer comigo.


- Pode ser, mesmo assim...


- Gina, nunca deixarei de ser o Ron. Só estou buscando algo pra mim, assim como você e nossos irmãos.


- Mas ninguém foi embora de casa, Ron.


- Gin, não vou morrer, certo. Vou apenas me mudar.


- Tudo bem - ela suspirou forte e vencida - Vou mudar minha faculdade e ficar de olho em você.


 


A Toca, como era chamada a casa Weasley, estava há dias deprimida. Saber que o filho mais novo sairia de casa para se aventurar sozinho na capital não deixava os patriarcas da casa satisfeitos.


Embora ele já contasse seus vinte anos, parecia que ainda andava de fraudas pela sala fugindo das aranhas que os irmãos gêmeos sempre jogavam sobre ele, aproveitando-se de sua aracnofobia.


 


- Papai, mamãe, por favor. Vou apenas fazer o teste. Nem sei se serei aceito ou escolhido.


- Meu filho, modelo... Bem, se é o que quer, tem meu apoio.


- Obrigado papai.


- É. Quem sabe agora o Roniquinho não conquista uma namorada que preste...


- De preferencia, uma que tenha todos os dentes.


 


Os gêmeos caíram em risadas ao concluir a piada lembrando de uma ex namorada de Rony que havia caído de uma macieira e quebrado dois dos dentes da frente.


 


- Eu prometo que vou tentar entrar em contato toda a semana - falou ignorando os dois - e caso não de certo, semana que vem já estarei de volta e juro que vou te ajudar na chácara papai.


- Oh, meu filho, eu fico sem saber o que dizer - a matriarca o abraçou - Quero que você se dê bem em seus propósitos, mas não gostaria que você se afastasse de nós. Não sei como agir nem o que falar.


- Apenas me apoie, mãe. É tudo o que eu preciso, do apoio de vocês. E se não der certo, eu volto pra casa semana que vem.


 


Semana que vem não chegou à casa da família Weasley. Apenas a ligação de Ronald informando que havia sido selecionado para uma campanha de calças. Não apareceria inicialmente nada além da bunda e da barriga muito bem trabalhada que ele mantinha sem muito custo ajudando o pai nas coisas da chácara.


Depois de algumas semanas, teve o seu primeiro reconhecimento. Uma indústria ousou abusar de seus profundos olhos azuis na divulgação de uma nova linha de óculos escuros exclusivos.


Estava progredindo rapidamente, e logo em seguida estava fazendo o seu primeiro comercial de TV junto com a famosa Lavander Brown. Era um comercial de comemoração do dia dos namorados. Nele, Rony aparecia semi nu junto com Lavander, o que provocou ira em sua mãe, ao ver que além de tudo, eles estavam em uma cama e trocavam um beijo muito profundo para a pobre matriarca Weasley.


 


“Mas mãe, era uma propaganda de dia de namorados”.


- Eu ví muito bem meu filho, mas precisava aparecer nu daquele jeito?


Mãe, eu não estava nu. Usava uma cueca, a senhora não viu?”


- Isto é um absurdo Ronald. E aquela zinha se insinuando para você?


“Mãe, àquela zinha é Lavander Brown, aquela modelo que você e a Ginny sempre acharam linda”


- Mas ela estava nua...


“Mãe... Era apenas um comercial. Ninguém estava nu, ninguém foi obrigado a nada. Era só uma propaganda mostrando dois namorados num dia comum. Vai dizer que a senhora e o papai nunca agiram daquela forma antes de nos ter?”


- Ronald Abílio Weasley, você me respeite.


“Então respeite meu trabalho mãe, e vá se acostumando que fui convidado para fazer um filme, então sossega”.


- Ai meu filho...


“Mamãe eu preciso desligar. Depois nos falamos. Te amo”


 


A carreira de Ronald Weasley despontou e em pouco tempo seu rosto e seus cabelos vermelhos eram conhecidos em toda Londres e vizinhanças. Eram comerciais, outdoors e participações em filmes que o fazia estar estampado por todos os lados. As fãs começava a se juntar e o cache começava a aumentar da mesma forma.


Em alguns meses ele conseguiu comprar um apartamento no Centro, um carro popular e convidou Gina para morar com ele. Ela aceitou. Seria bom para seu curso e sua formação, e ainda poderia ficar de olho no irmão, que agora namorava a insossa e sem graça Lavander Brown.


 


[...]


 




Os 40 dias que antecederam a partida de Hermione voaram, literalmente, e no aeroporto ela prometeu aos pais que ligaria, ou se conectaria na internet, ou escreveria... Não importava como, manteria contato diário com eles.


A viajem foi tranquila, como sempre fora quando ela ia visitar os familiares, mas desta vez tinha algo diferente no ar, além das nuvens avermelhadas do fim do dia. Ela estava finalmente crescendo. Sempre amou os pais, mas sabia que mudar era essencial para o seu amadurecimento, e agradecia aos céus por seus pais sempre terem a convicção que um dia era isto o que ela faria.


Chegou animada no Aeroporto local, e reconheceu instantaneamente a tia Gertrudes, irmã de sua mãe, na qual ela passaria algum tempo, até se firmar e conseguir um local para morar mais próximo de Londres.


E isto aconteceu rapidamente. Tinha pensado e fora feliz no pensamento. Colocou o número do telefone da casa da tia nos currículos que enviara e foi chamada com menos de uma semana para uma entrevista.


E sim, foi selecionada. Com o dinheiro que recebia mensalmente da bolsa que ganhou da Universidade mais o salário que receberia do trabalho, já poderia começar a pensar em mudar-se e alugar um Flat, talvez dividir as despesas com alguém.


Começou a trabalhar na loja de Perfumes situada no terceiro andar de um dos maiores shoppins na mesma semana que fora selecionada. Estava se sentindo linda. Embora fosse baixinha, tinha quadris arredondados e ficou encantada com a imagem refletida no espelho do quarto que dividia com a prima Lois.


A roupa era simples. Uma camisa branca com mangas compridas, um colete no tom lilás, que era a cor da loja, e o blazer e a calça reta justa no corpo, que evidenciava de forma discreta suas curvas, e a faziam sentir poderosa.


O cabelo estava domado e bem mais curto do que sua mãe costumava manter na infância, e estava agora na altura dos ombros, em um rabo de cavalo alto. A franja repicada estava presa com presilhas prateadas e o scarpin meia pata preto envernizado a deixava alguns centímetros mais alta e ainda mais elegante.


 




- Está bela Mione.


- Obrigada Lois. E ansiosa para começar.


- Fico feliz que tenha conseguido este emprego, e ainda mais não te prejudicando nos estudos.


- Ah sim... Quando enviei os currículos, deixei bem claro que estava para estudar e com bolsa, então, algumas empresas aceitam ajudar os pobres estudantes nascidos em outros países.


- É verdade. Não vejo a hora de terminar meus estudos também. Quero viajar. Conhecer novos lugares. Até agora só conheço Santa Catarina, por causa da titia.


- Apenas estude e se dedique. Está apenas com 14 anos Lois, ainda tem muito o que aprender.


- Ah Mione, quem te ouve falando nem acredita que você tem apenas 21 anos.


- Você é ótima Lois. Mas me deixa ir, senão perco o ônibus. Até mais tarde.


- Até mais prima, e arrasa.


 


Dois meses depois de começar a trabalhar, Hermione já estava em seu próprio flat, alugado logicamente, mas que ela mantinha com seus esforços. A Especialização, só para variar, ia muito bem, e em pouco mais de dois meses de estudos ela já era umas das preferidas e mais citadas alunas da turma de Relações Internacionais.


No trabalho, tudo ia muito bem. O carisma e a simpatia que ela tinha tinham impulsionado a loja e ela fizera como já era esperado, amizade com as outras três vendedoras do local.


Havia conhecido nesse tempo um chá bar bem movimentado e que tinha donos maravilhosos. O Longbotton Café era onde ela e as colegas de trabalho revezavam entre si para tomarem um chá quando as tardes e inicio de noites esfriavam além da conta.


O Franco e Alice Longbottom era maravilhosamente maravilhoso. Sim, e era muito claro o porque do Caffé está sempre cheio. Eles atendiam a todos com a maior simpatia e depois que o filho Neville voltou da Faculdade de Administração, o café apenas melhorou. E Hermione já tinha uma das cadeiras mais altas garantida na beirada do balcão. Era onde se sentava para tomar o seu chá ou chocolate quente, na esperança de aquecer o corpo.


 


- Olá Nev, como vai?


- Tudo ótimo Mione, e você?


- Estou morrendo de frio. Outubro é um mês de bater os queixos.


- É verdade. Bom é lá no Brasil eim...


- Sim, no Nordeste. Porque lá em Santa Catarina é frio o ano inteiro. Quase não aparece o sol, mas claro que nem se compara com o clima daqui.


- E a Luna?


- Ainda não chegou. Você gosta muito dela não é Nev?


- Muito Mione. Estudamos juntos. Ela terminou os estudos e viajou com os pais por um bom tempo. Namorei algumas garotas, mas nunca consegui esquece-la.


- E porque você não fala com ela definitivamente?


- Não sei o que ela sente por mim. Ela é linda... Tão excêntrica, tão maravilhosamente linda... Ela nunca que ela ia querer alguma coisa comigo. Sou atrapalhado, desastrado e envergonhado...


- E ótimo Neville. Você é um rapaz maravilhoso. Sensível, inteligente, sincero. Tem características que conquistariam qualquer garota. Deveria tentar.


- Não sei Mione...


- Bem... Eu te apoio. Acho que vocês formam um casal lindo, mas tudo vai depender de você. Agora, me diz uma coisa, que tumulto é esse aqui?


- Ah é... Tem uns atores ai no shopping divulgando um filme... As tietes ficam empovorosas...


- Acho isso uma bobagem. Não sei por que endeusar pessoas normais como nós como se essas fossem deuses, superiores ou pessoas diferentes. Eu sinceramente, mal conheço esse pessoal famoso. Acho que existe tanta coisa mais importante na vida do que ficar me preocupando com gente famosa.


- Concordo com você, acho um absurdo.


- Bem, deixa eu voltar que a Romilda já deve está esperando. Hoje ela vai mais cedo pra faculdade.


- A Romilda é louca...


- Isso porque você só a conhece daqui do café. Se você trabalhasse com ela saberia. Ela deve estar em nervos pra ir ver esse pessoal do filme...


- Então vai lá.


- Olha aqui o dinheiro do cappuccino. Até depois Nev.


- Até mais Mione.


 




[...]


 




- Mione, você não tem ideia de quem está no primeiro piso autografando dvds.


- Não sei mesmo. Sei que é um pessoal de filmes...


- Romilda - Luna chegou comentando - Você sabe quem está lá embaixo autografando uns dvds?


- Sim... Eu sei Luna... Você o viu?


- Não. Tinha muita gente - Luna agia normalmente.


- Ai meu Deus, eu preciso ir embora... Ai meu Deus... Ai meu Deus... Eu preciso ir... Vem Luna, vem pegar teu posto que eu vou descer e tentar dar ao menos uma espiada naquela perfeição de homem...


- Compra o DVD Romilda. Tenta o autógrafo. Ah... Tira uma foto com ele...


- Sim... E quem sabe ele não me vê e se apaixona por mim... Tchau meninas, até amanhã.


- Boa sorte amiga... Vai com fé - Luna entrou na brincadeira.


- Boa sorte Romilda - Hermione falou sem muita empolgação.


 


Depois de tropeçar no tapete e esbarrar em uma prateleira, Romilda conseguiu sair, sorridente e radiante, da Loja e Luna permaneceu em estado catatônico, fitando um ponto invisível que Hermione não poderia distinguir.


 


- Depois me chamam de DiLua.


- Ai Luna, não fala assim.


- É sério, que loucura ficar assim desesperada por alguém que ela nem conhece.


- Eu sei, mas que ela quer tanto ver?


- Ronald Weasley.


- Ronald Weasley?


- Sim. Ele é modelo. Até bem bonito por sinal e a Romilda é apaixonada por ele.


- Apaixonada por alguém que ela nem conhece?


- Ah, mas ela conhece sim. Pode perguntar o que quiser sobre ele que ela responde com certeza.


- Ah, Luna - risadas foram proferidas - Vocês são todas loucas.


- Posso ser louca, mas não sou apaixonada por alguém inatingível...


- E por quem você é apaixonada então Luna?


- Gosto muito de um rapaz, mas acho que ele nem me nota. É muito ocupado com as coisas da família, sabe. Gosto dele desde a época da escola, mas acho que é só uma paixonite...


- E eu conheço?


- Talvez...


 




[...]


 


 


E eis o primeiro capítulo Edson Weasley Granger EWG.


Vou destrinchar um pouco da vida de cada personagem e depois começo com a história propriamente dita...

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Tati Hufflepuff em 12/11/2013

Oi Andye, comecei minha leitura por aqui!
Posso dizer que simpatizei com a história logo de cara! Os personagens estão fiéis, a sua escrita é uma delícia e sinto que a trama vai me prender ainda mais nos próximos capítulos!
Beijos e seguindo!
>>>> 

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Van Vet em 14/01/2013

  Primeiro capítulo devidamente lido! Não sou mais uma invisível o/

   Ele está grandão e bem escrito, gostei muito da diagramação bem alinhada, pra não deixar a leitura cansativa.
   Acabando com as impressões técnicas "boring", vamos ao que achei da trama:
   Mione está super fiel a nossa Mione de sempre. Dedicada e estudiosa, sutil e muito sensível. Imagino a infância maravilhosa que deve ter tido ao lado dos pais no Brasil. Imagino agora, como essa garotinha vai se desapegar do mundo seguro que sempre conheceu para se arriscar em todas adversidades que acompanham a tão almejada independência. 
    
   Rony, de barriguinha tanquinho fazendo comercial (que delícia) está me parecendo aqueles rapazes deslumbrados que entram no mundo dos holofotes e viciam na fama, no que ela pode trazer. Pode ser só uma impressão, mas sinto que coisas ruim viram para nosso ruivo. 

   Romilda parece algumas pessoas que eu conheço..kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
   
   E Neville, o idealizo lindão como o Matthew está hoje. O dono de café mais pegável de Londres. ;) 
  
  BJOS!
   

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Violettaa em 27/09/2012

Primeiro capitulo perfeito demais adorei...

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Lana Silva em 16/09/2012

Nossa, tipo eu tava procurando algo para ler - porque odeio ficar sem ler nada e já tava roendo as unhas aqui, quando vi sua fanfic entre as fanfics marcadas na minha pag ai vem ler \O - e tô amando. Nossa a historia é bem criativa, gostei muito da Mione ir para outro país, ter nascido braileira...Ah é algo muito legal. E gostei também dos personagens, objetivos e tudo mais deles, amei a Gina querendo proteger o Rony da lambisgoia da Lavander...Amei mesmo flr *-*
beijoos! 

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Eliana de Albuquerque Lima em 04/06/2012

Olá, vou ler essa fic, mas esperou que a Mione não chore muito e nem fique louca de ciúmes do Rony. Ela bem que poderia arrumar um namorado antes de ficar com o Rony. Não sei porque a maioria das pessoas que escrevem as fics, não gostam dela com outros enquanto o Ronald se diverte com muitas garotas. Bjos

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.