FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

ATENÇÃO: Esta fic pode conter linguagem e conteúdo inapropriados para menores de idade então o leitor está concordando com os termos descritos.

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

14. Epílogo


Fic: Amor sempre amor. COMPLETA


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

N/A: Eu queria ter postado antes, mas a net não deixou. :/
Então, chegamos ao fim. Triste? Não! Definitivamente!
Inspirada para escrever outras estórias.
Espero que agrade.
Boa leitura!


Um mês depois...

Draco estava encarando Hermione sentada com aspecto divertido balançando as pernas.
Ela esperava o momento de mostrar suas lembranças para livrar Draco. Porém, o mesmo não aparentava estar feliz. Após o dia da morte de Kika, ela precisou ficar no hospital em tratamento, e não recebeu visita alguma até o presente momento.
Harry, a quem Draco procurava todos os dias pedindo que esclarecesse suas dúvidas, não atendia as súplicas dele e sentou-se entre o senhor Weasley e Gina no tribunal.
A audiência começaria em poucos minutos e o ministro tamborilava os dedos ansioso e esquivo pedindo silenciosamente que não seja descoberto pela “fuga de Draco”.

Comecem as apresentações. - falou nervoso. Um assistente começou a ler as acusações, nome do réu e nome da testemunha de defesa.
Hermione ficou de pé com um pouco de dificuldade, mas tinha um sorriso largo.
Senhorita Granger. - o ministro iniciou – Devo dizer que você é corajosa. Sente-se bem? O bebê nascerá por esses dias, não é?
Sim senhor. - ela respondeu com os olhos brilhando e Draco se remexeu na cadeira desconfortável. - Obrigada pelo “corajosa” mas, era minha obrigação verificar as acusações, as quais achei um tanto dúbias, contra Draco Malfoy.

Harry sorriu ao ver Draco o olhar confuso.

Conte-nos, senhorita. - ministro pediu. - Ou melhor, mostre-nos.
Hermione pegou um filete de memória com sua varinha e murmurou um feitiço fazendo aparecer uma cena em meio a sala do tribunal.

Hermione estava em Hogwarts, ainda estudante, e Draco a beijara apaixonadamente...

Todos que acompanhavam ficaram em silêncio. As cenas que se desenrolavam mostravam um pouco do namoro deles em época de escola, porém, não demorou a chegar a parte em que Hermione e Harry chegaram ao esconderijo de Kika. Draco prendeu a respiração.

Vamos depressa, Harry.
Entraram nos terrenos da casa e um jato de luz passou pela porta aberta da sala.
Estupefaça. - gritou Harry para a mesma direção.
Kika caiu desajeitada e eles correram para entrar.
Cruciu. - ela gritou desesperada. Harry se protegeu.
Petrificus totalus. - Hermione lançou e Kika ficou imóvel.
Pensou que não a acharíamos? - Harry perguntou aproximando uma cadeira e Hermione a amarrou nela desfazendo o feitiço de imobilidade.
A festa vai começar agora, Kika... - Hermione falou enquanto Harry vasculhava o resto da casa.
Limpo. - ele falou voltando para ficar junto a Hermione. Ela estava com o semblante de apavorar qualquer um.
Quem é você? - a primeira pergunta de Hermione.
Você sabe quem sou, idiota. - Kika respondeu.
Onde está seu marido? - Kika sorriu debochada mas não respondeu dessa vez.
Fale! - Harry gritou.
Em alguma vala por aí.
Hermione apontou a varinha, mas Harry pediu calma.
Ele era um Malfoy? - Harry perguntou novamente.
Não sei por que vocês acham que eu vou falar algo.
Hermione trincou os dentes e se aproximou dela. Segurou o braço e o torceu para trás.
Pare! - Kika gritou de dor.
Conte, ou vou piorar as coisas pra você. - Hermione ameaçou.
Ele não era...um Malfoy.
Hermione torceu mais.
ELE NÃO ERA MALFOY! - ela gritou.
Quem é? - Harry perguntou.
Sua vadia de sangue imundo.
QUEM É? VOCÊ CONHECE? - Harry gritou.
Hermione esbofeteou o rosto dela que a fez urrar de dor.
Eu falo... - ela respondeu baixo e gemendo.
LOGO! - ordenou Hermione.
Era o rapaz que foi pego no início dos ataques.
O que morreu em askaban?
Kika sorriu. Seus lábios já mostrando um filete de sangue escorrendo.

Hermione, acompanhando a cena, tentou sentar de outro modo, parecia desconfortável.

Ele ia dar com a língua nos dentes.
E você o matou? - Harry a encarava com raiva.
Fui visitar e dei um jeito nele, assim como meu marido, e assim como vou fazer com vocês logo que sair daqui.
Você só sairá daqui para a prisão, Kika. - Harry a corrigiu.
Nada... - Hermione a fuzilava com os olhos. - Sairá direto para um caixão.
Kika a olhou desafiadora.
Você se acha mesmo, não é? Vagabunda... Também está de olho na herança, querida?
Hermione a socou mais uma vez e empurrou a cabeça dela contra a parede. Ela pareceu desnorteada por uns segundos.
Vaca! - Kika murmurou. Hermione partiu para bater novamente mas foi surpreendida por um chute que Kika tentou dar na barriga dela. Hermione se desviou a tempo e Harry apontou a varinha na cabeça de Kika.
Mais uma que fizer para bater na barriga de Hermione e eu te mato sem dó nem piedade.
Ela não vai ter esse...
CALE A BOCA! - Hermione gritou. Kika a olhou de lado e olhou sua varinha jogada ao chão perto da caderia onde estava presa.
Nem pense nisso. - Harry chutou a varinha para detrás da cadeira.
Idiota! Imbecil! Seu desgraçado!
A carta, como conseguiu? - Harry questionou com raiva.
Eu tenho meus métodos de interceptar corujas. Copiei tudo que tinha na letra de Narcisa e mandei a carta depois. - confessou raivosa. Sabia que teria de contar senão apanharia mais.
Hermione a olhou confusa.
Como pode fazer ficar antigo. É feitiço facilmente detectável.
Tolinha... Trouxa e não sabe do que pode fazer. Grilos, já ouviu falar? - ela cuspiu sangue no chão.
Hermione permaneceu calada mas Harry a olhou supreso.
Não imaginei que pudesse fazer algo tão trouxa e antigo.
O que é isso? - Hermione perguntou.
Só colocar papel numa caixa e jogar grilos em cima, em pouco tempo os dejetos dos grilos irão dar um aspecto envelhecido ao papel.
Simples assim? - ela o olhou surpresa.
Ninguém dar valor aos detalhes mais simples. - Kika murmurou e se remexeu na cadeira. - Logo vou lhe dar uma surra. - falou encarando Hermione.
A memória do homem loiro enfeitiçando as crianças, como fez? - Hermione parecia ter chegado a um ponto que lhe afligia muito, pois nem deu valor ao comentário que Kika fez de bater nela.
Kika se calou. Olhou para o relógio e isso a entregou.
Ela deve estar esperando alguém. - Harry comentou.
Fale! - Hermione segurou o braço dela e torceu com toda força que tinha.
Largueeee!!! Vagabunda! Cachorra! - Hermione apontou a varinha e começou a corta-la devagar no rosto.
Vadia, você vai falar por bem ou por mal. - Hermione bateu a cabeça dela por mais duas vezes na parede fazendo um corte e inchando o local na mesma hora. Kika desmaiou.
Aguamenti! - Hermione conjurou e jogou no rosto dela. Ela acordou choramingando.
Minha cabeça está latejando. - Kika reclamou.
Hermione a chutou na perna. - FALE!
Foi meu ajudante. - Kika falou baixo e respirando descompassadamente. - Assim que botamos a mão no Malfoy bastardo fizemos um polissuco pra que meu marido tomasse e se passasse por Draco. O bastardo tinha muitas características dos Malfoy, cabelo, corpo, altura. O que o ministro viu não mostrava o rosto de perto. Mas olhando ninguém poderia negar que era um Malfoy.

Hermione mordeu a boca e virou de sopetão. Três homens entravam na casa e já lançavam feitiços contra ela e Harry. Um deles lançou um para soltar Kika e ela conseguiu alcançar sua varinha no chão.
Dois homens, um deles sendo o que sempre acompanhava Kika gritaram juntos.

Expelliarmus. - Hermione e Harry pularam bem a tempo, porém, Kika já estava solta e corria com um dos homens para fora da casa. Sem pensar, Hermione foi atrás, deixando Harry lutando com os outros dois.

Hermione se mexeu novamente vendo o resto da cena se desenrolar e Draco, já sabendo do ocorrido, fixou os olhos nela. Ela parecia nervosa.

Não há nada mais a falar. - o ministro pronunciou assim que a memória se desfez. - Malfoy está livre de todas as acusações.
Espere aí. - uma das pertencentes ao juri interrompeu. - E quanto a Granger? Ela usou de métodos de tortura para obter informações, e se Kika assumiu a culpa por querer se livrar da dor? - Draco riu de escárnio e o ministro o repreendeu com o olhar.
Temos alguém aqui que pode confirmar tudo. - Hermione apontou para o homem que trabalhava com Kika, e sorriu para ele de um modo ameaçador, era como se dissesse que poderia fazer bem pior com ele do que fez com Kika.
Sim, excelência. - o homem concordou sem nem piscar. - Tudo é verdade. Iríamos receber uma parte do dinheiro.
Sendo assim. Declaro o senhor Malfoy...
E quanto a Granger? - a mulher interrompia novamente e Hermione fez uma cara de amargura. - Ela terá que receber uma punição.
Não é possível... - Draco falou angustiado e Hermione o olhou nervosa.
O ministro pareceu não querer entrar naquele assunto e pronunciou: - O senhor Draco Malfoy está livre de todas acusações. Caso encerrado.
Abrirei outro caso, Hermione Granger será julgada ainda hoje pelas torturas feita a Kika Kelvin.
Ela tem carta livre para fazer valer seu trabalho. - o ministro interviu. Hermione olhou pálida para Gina e depois para Harry.
Não com esses métodos. - a mulher retrucou.
Chega! - Hermione gritou. - Desculpe, ministro, mas tenho que ir ao hospital. Senhora Weasley, pode me acompanhar?

Molly, que estava ao lado de seu marido, levantou-se apressadamente. Draco ficou olhando nervoso Hermione ser erguida com ajuda da senhora simpática e de Gina. O ministro deu permissão para que se retirassem e chamou a mulher encrenqueira do juri para uma conversa a parte. Ele ia mostrar quem mandava no ministério. Harry aproximou-se de Draco.

Vamos?
Para onde? - Draco perguntou aflito.
Para o hospital.
Potter... O que eu faria lá? Hermione não fala comigo desde a descoberta de Kika, ela não vai me querer lá.
Venha. - Harry chamou. - Você tem que estar lá. Ela não podia falar com você. Não podia complicar mais as coisas. Mas garanto que ela está lhe esperando no hospital.

Draco deu uns passos o acompanhando.

Ela vai ter um bebê, Potter. - Draco sussurrou. - Por que eu devo ir?
Justamente por isso.

Draco o virou pelos ombros e Harry o encarou confuso.

Onde está o pai do bebê, Potter?
Harry sorriu. - O pai? - repetiu. - Você está maluco, Malfoy?

Draco o olhou chateado.

Estamos há muito tempo longe um do outro. Ela foi para Durmstrang, não foi? Depois foi que se juntou a você nessa busca. Ela falou que precisava ir e lá tem aquele...Krum... - Draco falou ressentido.

Harry cruzou os braços e balançou a cabeça.

Você é muito estúpido, Malfoy. Vamos para o hospital. Seu filho já vai nascer.

Draco paralisou. Não conseguia respirar. Pensou no dia que teve a intenção de engravidar Hermione só para ter um herdeiro e agora...

Corre, Harry. Preciso que você corra!!!

Harry se espantou ao ver Draco correr de repente e falar seu nome. Correu logo atrás dele sorrindo.

Chegaram ao hospital aparatando na entrada e foram direto a recepção. Draco parou em frente a mulher que atendia.

Onde está Hermione Granger?
Na ala quatro, segundo andar. - a mulher respondeu depois de olhar o papel. - Só pode entrar quem for parente, o senhor é? - ela perguntou desdenhosamente.
Sou. - Harry olhou Draco. - Sou o pai da criança. - a mulher cerrou os olhos desconfiada.
Um Malfoy? - Harry não pode deixar de sorrir com a desconfiança da mulher.
Sim senhora. - Harry confirmou. - Vai nascer um Malfoy. - bateu nas costas de Draco. - Vamos. - o chamou.
Cara, você viu a cara que ela fez?
É, acostume-se, todos vão olhar estranho para vocês por enquanto.

Ficaram em silêncio até encontrar Gina e a mãe na sala de espera do segundo andar.

Como ela está? - Harry perguntou a Molly.
Até agora não soubemos de nada. Venha, Malfoy, sente-se aqui.
Eu gostaria de entrar na sala.
Ora, ora, Malfoy, já devem estar no meio do atendimento.Você entrar agora só vai prejudicar. - ela falou.
Eu preciso vê-la.
E vai aguentar, cara? - Harry perguntou sorrindo. - Que eu me lembre você não é tão forte para encarar sangue e dor não...

Draco o olhou meio aborrecido mas logo lembrou-se de algo e o puxou para mais distante de Gina e da mãe.

Tenho que avisar a minha mãe.
Já foi avisada. O senhor Weasley ficou incubido disso.
Você pensou em tudo... - Draco pareceu agradecido. - Cuidou de Hermione, não foi? Toda a gravidez, aliás, desde a escola quando eu e ela estávamos...
Sempre cuidarei dela, Malfoy, não importa o que aconteça.
Quero te pedir uma coisa, seja o padrinho do meu filho, – Draco pensou divertido. - ou filha. Não vejo outra pessoa para isso. Confio em você.

Harry se surpreendeu com o pedido e sorriu abertamente.

Serei o padrinho da sua filha. - ele enfatizou. - E cuidarei dela como cuido de Hermione. Sempre.

Draco abraçou Harry no mesmo instante em que o médico saía da ala quatro.

Parente de Hermione Granger. - ele chamou.

Todos se levantaram.

Ela passa bem e a criança também. - sorriu.
Posso entrar? - Draco pediu. - Sou o pai. - o médico o analisou.
Malfoy? - perguntou olhando a ficha de Hermione.
Sim. Já estou desgostando de ser conhecido.
Mas... - o médico começou mas se interrompeu. - Não é da minha conta. Pode entrar, claro.
Draco entrou sem esperar por mais nada.

Acho que ele ia falar do sangue puro. - Gina comentou vendo o médico se distanciando.
Provável. - Harry respondeu.
Harry, - Gina começou e o puxou pela mão para ficar distante da mãe. - sinto muito por tudo. Esse tempo que ficou fora, eu pensei muito e me arrependi de algumas coisas... - ela se aproximou do ouvido dele. - Quer se casar comigo?

Harry a puxou para um abraço e lhe beijou ternamente. - Aceito, Gina. Dois pedidos hoje, estou num dia ótimo.
Como assim? - Gina o puxou de volta para sentar.
Serei padrinho da filha deles. - apontou para a porta da sala onde Hermione e Draco estavam.
Meus parabéns. - falou Molly escutando o final da conversa.


Draco abriu a porta devagar. Viu Hermione deitada com a cabeça um pouco erguida pela cama, em seus braços o bebê estava dormindo.

Acabou de adormecer. - ela falou baixo.

Draco olhou fixamente para a menina.

Ela é linda.
Parece com você. - Hermione comentou e pegou na mão de Draco.
Por que não me contou?
E você não sabia que era sua? - questionou surpresa.
Talvez lá no fundo...

Umas batidas na porta e ela foi aberta para muitas pessoas passarem - maioria Weasley - dentre elas, Narcisa Malfoy estava chorando de felicidade.

FIM

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 3

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por RiemiSam em 15/02/2014

Fics boas são assim a gente lê e fica emocionado independente de qdo ela foi feita. Palavras não morrem e tem o dom de contagiar o leitor que tem oportunidade de conhecer uma excelente história. Parabéns.

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Anna Malfoy em 30/09/2012

So So cute
Gostei mto e axei digno eu pasar por aqui, gostar e deixar um comentario. Amei a fic, axo que podia ter mais, mas so assim ela ja ta boa. 

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Larii Malfoy em 09/02/2012

Haha,adoreei! *o*

beijooos ;*

 

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.