FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

7. Remorsos


Fic: Pago Para Mentir - hiatus


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________





Não contara a ninguém, nem mesmo a Gina. Não queria que soubessem. Nem ela própria queria saber, reconhecer. Fora um acidente banal e podia ter sido evitado, não fosse... Não fosse o quê? Seu cérebro, seu corpo, sua vontade? Rony não a forçara a nada.

Story of my life, searching for the right
História da minha vida, procurando o certo
But it keeps avoiding me
Mas ele continua me evitando
Sorrow in my soul
Sofrimento em minha alma
‘Cause it seems that wrong really loves my company
Porque parece que o errado realmente ama minha companhia

Ela suspirou e enxugou o rosto no lençol. Ainda era Outubro, e ela já traíra a confiança do namorado. E nem podia dar a mesma desculpa que dera ao ficar com Draco naquele dia, no trem. Ela não estava mais dando um “tempo”. Ela não tinha nenhuma “vingancinha” a empreender. Ela não tivera motivos plausíveis. Não tivera motivo algum.

— Mi, levanta, por favor! – exclamou Gina, batendo na porta do dormitório feminino do sétimo ano. Hermione era a única ali dentro. – Destranca essa porta, por favor, Hermione! O que está havendo?

A garota enterrou o rosto no colchão e cobriu a cabeça com o travesseiro. Ela fizera certo ao pedir um tempo para Ray, e errara colossalmente ao se deixar levar por Rony. Não importava quantas coisas certas ela fizesse, a próxima sempre seria um erro indesculpável.

Alorromorra! – gritou a ruiva, do outro lado da porta, arrombando-a. – Mione!

Ela tirou o travesseiro de sobre a cabeça da amiga e forçou-a a se sentar e fitá-la.

— Olá, Ginny... – Ela fungou e sorriu.

— Por Merlin, Hermione, o que houve com você? – perguntou a ruiva, assustada. – Essas olheiras e olhos inchados... Hermione, você andou chorando?

Ela deu de ombros. Sabia que se admitisse explicitamente, acabaria contando à amiga tudo o que se passara na noite anterior. Ela não queria contar. Precisava contar a alguém, mas não no momento.

— Eu só subi porque Ray está te esperando lá embaixo, no Salão Principal... – Ela ergueu a amiga e foi até a porta do banheiro com ela. – Agora tome um banho, vista-se decentemente e desça para se encontrar com o cara que te ama.

O tom de voz da garota não permitia desobediência. Hermione tomou banho, escolheu a esmo um dos uniformes reformados e vestiu-se apaticamente. Gina prendeu seus cabelos e forçou-a a agir naturalmente enquanto desciam as escadas para o Salão Principal.

— Mi! – exclamou Ray, enlaçando a garota com carinho e beijando-a. – Como foi a noite?

He’s more than a man, and this is more than love
Ele é mais que um homem, e isso é mais que amor
The reason why the sky is blue
A razão pela qual o céu é azul
But clouds are rolling in
Mas nuvens estão passando
Because I’m gone again
Porque eu vou de novo
And to him I just can’t be true
E para ele eu simplesmente não posso ser real

Ela se conteve para não chorar ali mesmo, nos braços do namorado. Em vez disso, sorriu o mais animadamente possível e respondeu com clareza e suavidade:

— Muito boa. E a sua?

— Fazendo trabalho. – Ele deu de ombros. – Normal.

Sentaram-se lado a lado, dessa vez na mesa da Grifinória. Hermione sentiu o braço de Ray envolvê-la pela cintura e apoiou a cabeça no ombro do rapaz, como se entorpecida. Ajudava a esquecer. Suavizava. Ela sabia que Ray sempre estaria a seu lado. Ele prometera isso. Ele a amava com todas as forças que tinha, e o sentimento era recíproco, Hermione tinha certeza. Certo?

And I know that he knows I’m unfaithful
E eu sei que ele sabe que eu sou infiel
And it kills him inside
E isso o mata por dentro
To know that I am happy with some other guy
Saber que eu estou feliz com algum outro cara
I can see him dying
Eu posso vê-lo morrendo

Seu olhar foi momentaneamente atraído pela chegada de Rony. Ele beijou sua bochecha e a da irmã, apertou a mão de Ray, Harry e Draco, que estava ao lado de Gina, e sentou-se para tomar o café da manhã. Nada transparecia no olhar dele. Ninguém jamais ligaria a perturbação de Hermione àquele ruivo. Ele simplesmente não estava nem um pouquinho perturbado.

Incrédula, mas sem demonstrar isso, ela o encarou. Ele retribuiu o olhar. Algo nele dizia que Rony sabia da traição de Hermione, mas sequer pensava que ele próprio estava incluído na história. Era um olhar estranho, evasivo e acusatório ao mesmo tempo. Estremeceu.

— Frio, querida? – perguntou Ray, aconchegando-a mais contra ele.

— É, talvez um pouco. – Ela relanceou os olhos para Rony, mas voltou a atenção à comida em seguida, murmurando quase inaudivelmente. – Talvez um pouco.

Ela sabia que nunca poderia contar a Ray. Ele morreria. Ele gostava dela. De verdade.

I don’t wanna do this anymore
Eu não quero mais fazer isso
I don’t wanna be the reason why
Eu não quero ser a razão pela qual
Everytime I walk out the door
Sempre que eu saio pela porta
I see him dying a little more inside
Eu o vejo morrendo um pouco mais por dentro

Lembrou-se da primeira vez que vira Ray. Fora no quinto ano, na biblioteca, enquanto ela procurava um livro que não sabia estar alugado. Vira-o andando entre as estantes com o exemplar na mão, parecendo desinibido e confiante. Tivera medo de aproximar-se do rapaz e pedir o volume emprestado por algum tempo. Seria rápida, eram apenas duas questões relativamente fáceis.

Ele a apavorava. Alto, um bom físico, cabelos bem arrumados e olhos claros e incandescentes, realmente quentes e brilhantes. Andava compenetrado, como se estivesse escolhendo um livro no meio de prateleiras cujos exemplares todos já haviam sido lidos por ele.

Não soubera que estivera parada ali, olhando-o, fascinada e amedrontada. Fora uma surpresa quando ele virara-se para ela e sorrira. Hermione relaxara, e ele encaminhara-se a ela.

— Olá – dissera, na voz grave e com um ligeiro tom rouco da qual a garota aprenderia a gostar. – Sou Raymond Jones.

— Ahm... Hermione Granger – respondera ela, sem conseguir sorrir, embora quisesse.

— A sabe-tudo preferida de Minerva McGonnagall? – Ela parecera ofendida, e ele rira. – Desculpe. Não quis ser rude. A senhorita me olhava com muita atenção. Quer algo de mim?

— Eu... Ahm... Ray... Raymond... – A garota estava encabulada. – Esse livro... Eu... Queria emprestado... Para um trabalho...

Parecera a ela que ele fora tomado de uma radiância ao sugerir que eles se sentassem a uma mesa e trabalhassem juntos. Depois, no entanto, quando ela se fora, agradecendo-o imensamente, ele pareceu voltar a ser apenas um simples mortal desanimado por sua musa inspiradora ter ido embora.

I don’t wanna hurt him anymore
Eu não quero mais machucá-lo
I don’t wanna take away his life
Eu não quero jogar fora a vida dele
I don’t wanna be a murderer
Eu não quero ser uma assassina

E ele deixara de ser mortal para ela quando começara a namorá-la. Se tornara alguém mais, mais belo, mais humano, com aquela qualidade radiante de semideus que ela lera em alguma época em um livro de mitologia grega.

— McGonnagall tem um recado para os monitores – sussurrou Ray a seu ouvido, despertando-a de seus pensamentos.

— Senhores monitores, a partir de agora qualquer magia realizada em corredores, salas comunais e locais não-supervisionados deverá ser punida com severidade exemplar – disse a professora. – Os senhores têm carta branca para punir os infratores da maneira condizente à infração. E só.

Ótimo. Mais uma responsabilidade. Fiscalizar magias nos corredores durante os períodos de aula era tarefa de monitores-chefe e de Filch, normalmente. Era tudo o que faltava: ficar evitando que alunos burros tentassem se matar no meio dos corredores.

Não é uma decisão idiota, Hermione, repreendeu-se ela. É necessário. Duelos não são brincadeiras para crianças.

“Duelos não são brincadeiras”, replicou. “Duelos são prenúncios de assassinatos.”

E por falar no assunto, já pensou num meio de assassinar o amor de Ray por você sem deixar que ele acabe com você ou se mate?

Ela afastou o pensamento com veemência. Não contaria a ele. Ninguém sabia, além dela e Rony. Ninguém jamais saberia. Ela não o faria sofrer a troco de um deslize besta.

I feel it in the air
Eu sinto isso no ar
As I’m doing my hair, prepairing for another day
Enquanto eu faço meu cabelo, preparando-me para outro dia

Ela separou-se do namorado para enfrentar as aulas do dia. Passou no banheiro da Murta para ajeitar o cabelo, que arrepiara um pouco, e passar uma água gelada no rosto. Sentia os olhos da fantasma observando-a, mas não se virou ou tentou encontrá-la. Murta não era boba; saberia na hora que havia algo errado com ela. E, nada contra a fantasma, mas ela não era a maior guardadora de segredos que Hermione conhecia.

Encontrou Rony passando pelo corredor ao sair do aposento. O ruivo sorriu e começou a andar a seu lado, acompanhando-a até a sala.

A kiss up on my cheek, he’s here reluctantly
Um beijo em minha bochecha, ele está aqui relutantemente
Asks if I’m gonna be out late
Pergunta se eu vou ficar fora até tarde
I say I won’t be long, just hanging with the girls
Eu digo que não vou demorar, só passear com as garotas

Ele beijou-lhe a bochecha ainda fria pelo contato com a água.

— Você vai ficar fora hoje à noite? – perguntou-lhe, parecendo mais do que nunca o Rony bonzinho que ela conhecera a vida toda.

— Talvez – respondeu ela, dando de ombros e tentando não pensar na lembrança das mãos do rapaz em suas costas. – Vou ficar perambulando com Gina, e talvez encontrar os meninos... Não sei.

— Hum... – Ele riu baixinho. – Pensei que não teria esses planos para hoje à noite.

— E que planos eu deveria ter? – perguntou-lhe ela, sem entender.

O olhar que recebeu de volta foi muito significativo. Ele pensava que ela diria a Ray o que ocorrera entre eles dois? Mas nem morta! Quando, em sua vida, em plena consciência, ela faria isso? E, principalmente, por quê? Não adiantaria de nada, e ainda acabaria com o garoto.

Os olhos do ruivo, tão significativos, diziam-lhe o que ela já sabia: se ela não contasse, estaria mentindo. Omitindo, na realidade, mas com um caráter tão falso quanto o de uma mentira.

Entraram na sala de Transfiguração, e a garota sentou-se longe do rapaz. Apenas longe. Não que Rony a assustasse, ou algo assim, não; ela simplesmente queria paz, e isso era algo que a presença do ruivo nunca a deixaria ter.

A liar didn’t have to tell because we both know
Uma mentirosa não tem que dizer, porque nós dois sabemos
Where I’m about to go and we know it very well
Onde eu estou prestes a ir, e nós sabemos isso muito bem

Saiu da sala de aula direto para a biblioteca para pegar um livro antes da aula seguinte. Inevitavelmente, acabou entranto no mesmíssimo corredor em que estivera com Rony. O livro que pegara ainda jazia na prateleira, como ela o deixara, para poder levá-lo depois. Pegou-o. Talvez viesse a ser necessário para o ruivo, e ele teria então alguma dificuldade para pegá-lo.

Mostrou os dois volumes – o de Poções e o de Transfiguração – a Madame Pince e sentiu o olhar gélido que ela lhe deu em indicação a sua roupa. Hermione sabia que sua escolha a esmo não fora a mais recatada: a saia era a mais curta e a blusa, a mais justa. A bibliotecária, no entanto, após um exame detalhadíssimo com os olhos, entregou os livros à garota e voltou à leitura habitual que Hermione interrompera.

A garota encontrou Brian no caminho para a aula de Feitiços. O rapaz desejou-lhe um “bom dia” educado e seguiu com ela até a aula. Escolta, era o que parecia. Primeiro Rony, depois Brian. Era um joguete do destino, provavelmente: os garotos que a haviam tentado pareciam persegui-la, enquanto seu namorado, inocente, assistia às aulas maçantes com o pensamento oscilante e claro. Dava remorsos.

[pre-Chorus]
[Chorus]

His trust
A confiança dele
I might as well take a gun and put it to his head
Eu posso muito bem pegar uma arma e apontar para a cabeça dele
Get it over with
Acabar com isso

Ao fim do dia mais longo e culpado de sua vida, Hermione sentou-se em uma das poltronas da Sala Comunal e espalhou os livros sobre a mesa. Encontrara-se com Ray logo antes de subir. Ele não sabia de nada, sequer desconfiava. Ele renovara o que lhe dizia todas as noites antes de dormir, aquele “eu te amo” tão cheio de sentimentos, porque, segundo ele, poderia haver algum acidente, e ele não suportaria que ela pensasse que ele não a amava. Isso a deixou arrasada. Completamente. Teve vontade de atirar em Rony, como os vilões faziam em filmes trouxas norte-americanos, só para não ter que encarar a personificação de sua traição.

Foi pensar no dito cujo e ele apareceu pelo buraco do retrato, sorridente e cantarolando. Hermione não suportou. Tinha que pedir a ele que esquecesse o que houvera entre eles, ou ao menos que não comentasse com ninguém. Precisava de um apoio para não se sentir o último e mais desprezível ser humano da face da Terra.

— Rony, vem cá – chamou, erguendo a cabeça e fitando-o.

— Diga – respondeu ele, sentando-se a seu lado.

— É sobre... é sobre o que houve entre nós, ontem, na biblioteca... – começou ela, sem jeito.

— Nós? – Ele riu, um riso com um tom maníaco bem oculto, mas presente, enquanto ela o fitava sem entender. Ficou sério repentinamente, e ela engoliu em seco. – Do que você está falando? Não houve nada entre nós, Hermione. Nada.

I don’t wanna do this anymore (anymore)
Eu não quero mais fazer isso (não mais)

[Chorus]

*♥ ~* ♥ * Ron/Hermione 4 Ever * ♥ *~ ♥ *



*♥ ~* ♥ * Ron/Hermione 4 Ever * ♥ *~ ♥ *

Capítulo demoraaado, mas chegou! Peoples, I'm very sorry, mas eu estava tão cheia de coisas para fazer que nem conseguia encontrar tempo para ver coisas do colégio no PC, quanto mais fics... Desculpa ^^

Thanking (minha praxe extremamente importante, ao menos para mim ^^)

Naty, admito, é um capítulo triste, sim... mas há outros ^^ Adoro tu, minha beta favoritona! Eu também amo o Ray... Queria um pra mim.. [xD]

Thássia, obrigada pelos elogios, moça ^^
Admito que as meninas estão diferentes... mas eu queria experimentar algo bem radical, porque eu meio que cansei de vê-las sendo muito vítimas e sempra tão certinhas *resumindo, baixou a revolucionária feminista xD* Espero que continue lendo ^^

Mari Granger, que bom que você gostou =D Belo Rony, não??

Maira Daróz, é verdade, esses capítulos revelam o Rony de verdade... poakspask

Raysa, que não comentou, mas deve continuar lendo... *esperançosa*

Girls, infelizmente eu não tenho mais Rony's para distribuir... Se eu tivesse, juro que distribuía! *leiloeira xD*

Gente que não comenta... Peço encarecidamente que o façam, per favore... Eu não sou assim tão lerda para postar, mas comentários ajudam taaanto...

Kisses and see y'all soon!!

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 0

Nenhum comentário para este capítulo!

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2023
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.