FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

16. Volta tudo e vem a descoberta


Fic: SENTIMENTOS


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

Um dia após o Natal, quando todos estavam retornando a escola, Deivid, sem querer, bateu a cabeça na entrada, mais precisamente na porta, da sua casa Grifinória. Foi meio instantâneo. Todas as lembranças voltaram rapidamente. Ele nem um pouco perturbado, saiu correndo. Precisava achar Sabrina. Agora ele lembrava de como pedira ela em namoro, e de como o beijo dela era bom. Ele precisava encontrá-la. Eles tinham ganhado o jogo! Ele precisava comemorar com ela, mesmo que a comemoração fosse um pouco tardia.
Rindo do que pensava dobrou um corredor, esbarrou na própria, que carregava dois livros sobre história da magia.
-Estava indo levar para você, já que se lembrou do que lia antes, achei bom...
Ele não deixou ela terminar de falar. Pegou ela pelos ombros e a beijou, acariciando seu rosto. Ela que tinha os livros ainda nas mãos os deixou cair para o lado. Tocando assim a face de Deivid, que era macia ao tato.
Após o beijo, ele ainda segurando o rosto dela abriu um sorriso.
-Eu lembrei de tudo! Quis comemorar a vitória que você conseguiu pra gente, mesmo que eu não tenha visto, creio que você foi excelente, assim como Andril que me substituiu.
Sabrina ainda com as pernas bambas da emoção, conseguiu abrir outro sorriso.
-Que bom meu amor! Estava me angustiando você não lembrar de mim... Mas você acordou lembrando de tudo?
-Não. Eu quis sair dar uma volta, e tinha muita gente entrando e saindo, e eu com pressa acabei batendo minha cabeça. Acho que no mesmo lugar, e daí tudo voltou em questão de segundos.
-E você não esqueceu de nada em quanto estava sem a memória?
-Não.
-Não se machucou?
-Não minha linda.
-Vamos devolver esses livros a biblioteca então?
-Te acompanho.
Os dois saíram de mãos dadas até a biblioteca.
Encontraram Andril na biblioteca, ele estava lendo um jornal chamado Profetizando. Era um jornal local.
-Que bom que sua memória voltou – disse ele feliz para Deivid. – Estava aqui lendo uma matéria antiga.
-Deixa-me ver...
Sabrina pegou o jornal. E leu o título da matéria das páginas centrais.
- “Tragédia no casamento do famoso menino da cicatriz”. Autora Rita Skeeter. Aqui diz que o bebê morreu.
-Do que vocês estão falando? – quis saber Deivid.
-Leia.
Deivid pegou o jornal. Nele dizia que o filho de Ronald Weasley e Hermione Granger, amigos íntimos de Harry Potter, morrera envenenado por um possível ex-comensal da morte. O corpo não fora encontrado, mas a mamadeira continha uma dose considerável de veneno. Além disso, a misteriosa aparição de uma parente distante, que estava dada como desaparecida, chocou os convidados. Segundo testemunhas da cena do crime, nada mais que o local da festa de casamento de Harry Potter, a garota teria matado com o Avada Kedrava um homem desconhecido. Possivelmente o mandante do crime.
-Isso é meio chocante... – disse Deivid depois de absolver a história.
-Aconteceu na nossa família. Nem Andril, e nem eu éramos nascidos.
-Nunca acharam o assassino?
-O caso foi encerrado cedo demais – respondeu Andril.
-Por quê?
-Como você deve ter lido, usaram o pretexto da mamadeira com veneno para dar certeza do óbito, e depois consideraram o corpo do homem desconhecido como o assassino.
-Mas pode ser exatamente isso. Não? – quis saber Deivid.
-É o que eu digo a ele – começou Sabrina – Mas Andril acha que há algo a mais por trás dessa história.
-Tem. Eu sei que tem – disse Andril com convicção. – Bem... eu preciso ir, marquei um encontro na sala dos professores com uma pessoa.
Andril pegou seus livros e saiu sem dizer mais nada.
-Quem será essa pessoa? Acho que ele tá de caso com aquela apanhadora da Corvinal, a Isabell Krum... – Sabrina deu risada, Deivid achou que Andril tinha bom gosto e sorriu. Ficou ainda mais um tempo na biblioteca com Sabrina lendo o profeta diário da segunda após o jogo, onde tinha saído uma matéria de página inteira sobre seu talento, além das outras duas páginas sobre o jogo com os herdeiros, que deu o que falar. Finalmente a fama chegava até Deivid, suave, mas lhe prometendo o céu.

Andril realmente estava interessado em Isabell, e apesar da pouca idade, queria convidá-la para sair. Quem sabe tomar um sorvete no Beco Diagonal? Mas era outra pessoa que ele estava indo encontrar na sala dos professores. Alguém fundamental para algumas de suas pesquisas.


Ela mal lembrava de como era a sala dos professores. Fazia tanto tempo que não entrava naquele castelo para penetrar em suas dependências, naquelas portas que outrora fora sua vida. As escadas que se mexiam, as portas que não davam a lugar nenhum. Os livros pesados. As matérias extras. Os seus únicos dois amigos. Quando ela podia imaginar que se casaria com aquele ruivo, cabeça dura, se viviam brigando? No terceiro ano em Hogwarts era por causa do bichento, quando o gato havia tentado pegar Perebas, que na verdade era o Rabicho, que fim trágico ele tivera. Morto pelas mãos do próprio Voldemort.
As brigas entre ela e Rony eram tão freqüentes, por motivos tão bobos. Casaram e tiveram um filho, que foi tomado pelo destino antes mesmo de dar seus primeiros passos. Uma tragédia que nunca seria realmente superada, uma cicatriz maior do que a que Harry carregava na sua infância e adolescência. Com a diferença que não era visível. Andril viera depois para tornar a vida alegre de novo. Hermione sempre teve medo de fazer comparações quando Andril era apenas um bebê. Tinha medo de ser super protetora por causa do fato anterior. E agora ela estava ali, esperando seu filho.
-Oi mãe! – disse Andril, chegando sorridente.
-Oi filho. Você falou que precisava de minha ajuda. Pra que?
-Eu preciso que você me leve até o tio Harry. Preciso conversar com ele.
-Ele está trabalhando. Está ocupado por causa dessa história de clones ilegais.
-É eu sei. E como não posso sair sem autorização, queria que você me levasse até lá.
-E não pode ser comigo essa conversa? Ou com seu pai? Sobre o que é?
Andril já sabia o que dizer caso a mãe perguntasse.
-Exatamente sobre a clonagem através de feitiços. É um trabalho que quero fazer para aumentar minha nota em feitiços.
-Mas eu sei tudo sobre isso, caso você queira que eu te...
-Não mãe! Não se incomode, é que preciso de experiências relatadas, recentes. O tio Harry pode me ajudar , eu sei.
-Está bem, vamos então.
Após avisarem a diretora, eles saíram de Hogwarts, e em Hogsmeade usaram uma lareira para se dirigirem até Londres. Lá foram até o Ministério, na sessão de aurores, e encontraram Harry, que tomava cerveja amanteigada, sentado em sua mesa.
-Que prazer! Sentem-se – disse indicando duas cadeiras em frente a sua mesa. - Aceitam uma?
-Não. Meu menino quer dar uma palavra com você, eu vou ir ver Rony. Depois volto pra buscá-lo.
Hermione saiu deixando Andril à vontade para falar tudo que tinha em mente. Ele se sentou de frente pra Harry.
-Fale o que quer meu sobrinho...
-Tio Harry, eu sei de muita coisa que pode ajudar você.
-Me ajudar?
-Sim. Eu acho que sei o paradeiro de Gabrielle.
Nessa hora Harry deixou cair cerveja amanteigada na roupa. Após se restabelecer na cadeira, depois do susto, voltou-se para o sobrinho.
-Onde? Como você sabe dessa história?
-Pesquisei em jornais, descobri que ela foi vista várias vezes no deserto. Creio que é lá que ela está, e com meu irmão.
-QUE?
Harry não aprecia acreditar no que acabara de ouvir.
-Gabrielle era freqüentemente vista, até o dia em que no seu casamento, o meu irmão, ainda bebê, desaparece, e ela nunca mais é vista de novo...
Harry atordoado, confuso, querendo saber como o sobrinho sabia de tanta coisa, preferiu pensar no que ele acabara de falar. O garoto tinha razão. Ele mesmo pensara nessa hipótese. Mas provavelmente teriam morrido, Gabrielle e Deivid, logo depois... A não ser...
-Como você acha que eles teriam sobrevivido ao deserto? Somente com magia?
-É ai que entra uma outra pessoa...
-Quem?
-Tio, no dia do meu teste para entrar no time, um cara loiro de olhos azuis me trancou dentro de um armário. Esse cara deve estar invadindo a escola de alguma maneira, pois eu acho que foi ele o responsável pelos balaços estarem enfeitiçados no último jogo. Para mim, ele ajudou na sobrevivência dos dois, e agora não quer nossa reaproximação.
-Você está me dizendo que...
Harry parou abismado, era verdade então sua leve suspeita.
-Um dia falei com Sabrina sobre esse assunto, e até ontem eu achava que era bobagem. Mas escutei uma pergunta que mudou tudo.
-Que pergunta?
-Deivid perguntou se éramos parentes... Eu respondi que não, e até ri, ele tinha perdido a memória, e devia estar se confundindo, foi o que eu pensei na hora. Mas enquanto falava com minha mãe, hoje, na sala dos professores, achei esse papel no chão, embaixo de um armário. Onde tudo indica que Deivid tem uma tia com o nome de Gabrielle. Deivid é meu irmão.
Harry ainda olhava chocado para o papel, que Andril lhe entregara. Como um garoto de apenas doze anos podia saber tanta coisa? Tudo levava a crer que ele estava certo. Mil pensamentos passaram em uma fração de segundos pela cabeça de Harry. E agora?
-Eu deixei esse papel cair, quando cheguei em casa procurei, mas ele não estava mais. Era outro papel dentro de meu bolso. Acabei esquecendo da história. As clonagens andam me trazendo problemas. Então deixei de lado mais uma vez, porque no fundo eu queria acreditar em todo mundo. Gabrielle estava morta. Deivid também.
Harry falava tudo aquilo com muito cansaço, a idade tinha lhe trazido um peso diferente daquele que ele carregava quando Voldemort estava vivo.
-Tio... O que nós fazemos agora?
-Você é apenas uma criança, não deve se meter em assuntos de que eu vou tratar agora, vou visitar pessoalmente a tia de Deivid para confirmar a história. Ela pode estar tomando a poção Polissuco para se disfarçar, nós aqui temos o antídoto, poções para falar a verdade e essas coisas. Agradeço se você, por enquanto, manter em segredo essa história. Ninguém pode saber que faremos uma abordagem a casa de Gabrielle. Vou convocar os demais aurores, inclusive seu pai. Mas também não direi nada. Vou dizer apenas que recebi uma ligação anônima de que Gabrielle está viva. No momento é o melhor que temos a fazer. Vá para a escola, e fique num lugar seguro.
-Ok. Vou procurar minha mãe.
-Não diga nada a ela.
-Não disse antes, não direi agora. Quero ter certeza para dizer.
-Você é um garoto muito especial. Obrigado Andril.
-Por quê?
-Você pode estar acabando com um sofrimento que dura quase quinze anos.
-É eu sei, tchau tio Harry. Me mantenha informado.
Andril seguiu em direção a sala do pai.
-Olha quem está aqui? Meu campeão. – Rony abraçou forte seu filho.
Andril imaginou que seu pai ia ficar orgulhoso de ter dois campeões na família. Deivid era melhor no quadribol, sem dúvida. Era uma pena não poder falar nada ainda.
-Vamos filho? – perguntou Hermione, que já se preparava para sair da sala de Rony. – Já está ficando tarde. Vamos comer algo na lanchonete daqui e eu te levo pra escola. Tchau meu amor.
-Tchau Mione. Tchau garotão – se despediu Rony de seu filho dando outro abraço forte.
-Tchau pai.
Após eles lancharem, saíram de Londres. Quando chegaram a Hogsmeade já escurecia. O sol estava se pondo.
-Eu vou entrar com você, quero falar com uma amiga de infância que se tornou professora – disse a mãe de Andril, quando os dois estavam no portão de Hogwarts.
Os dois entraram no castelo. Hermione subiu junto com o filho, quando eles dobraram um corredor ela se bateu com Sabrina.
-Tá todo mundo esbarrando em mim hoje! Ah... Oi tia!
-Oi minha sobrinha predileta. Seu namorado melhorou?
-Ele recuperou a memória hoje de manhã.
-Que bom.
Andril estava pálido.
-O que você tem Andril? – perguntou Sabrina.
-Nada. Eu preciso entrar no dormitório.
Andril queria ver se Deivid estava lá, não queria que sua mãe o visse de perto ainda. Saiu mal dando tchau a ela.
-Esses meninos... – disse Hermione risonha.
-Eu acho que ele deve estar assim por causa da Isabell Krum... – disse Sabrina rindo.
-O que? Meu filho está gostando de uma garota? Ele não me disse – falou Hermione risonha.
-Os garotos são todos iguais, não falam conosco sobre essas coisas, mas nós mulheres pegamos no ar. Olha ali... – disse Sabrina indicando as costas de Hermione. – O meu namorado está vindo ai, de cabeça baixa , olha só... Deve estar pensando em quadribol...
Foi como se alguma coisa puxasse a cabeça de Hermione, quando ela se virou esperava ver algum garoto normal... Mas ela estava vendo uma pessoa conhecida, há muito conhecida... Ela quis desmaiar, mas não podia, precisava ter certeza do que estava vendo. Era uma cópia de seu pai quando adolescente.
As fotos que Hermione olhava do pai, quando era uma menina pequena, eram fotos da juventude dele, de seu herói. E agora as imagens das fotos antigas estavam estampadas no rosto que aquele garoto erguera. Os cabelos faziam uma pequena exceção. Mas lembravam aos cabelos dela própria. Os olhos verdes eram sem dúvida os mesmos que Andril herdara de Rony.
O coração de Hermione bateu rápido demais, suas pernas ficaram bambas, e sua visão turvou. Tudo escureceu muito rápido e ela desmaiou.


Quem era aquela mulher? Por que olhara para ele daquele jeito como se estivesse vendo uma alma penada? Ele não entendia. Sabrina parecia entender menos ainda. Deivid sentiu um aperto no coração quando a mulher de cabelos cheios, ondulados, perdeu os sentidos. Correu para acudi-la.
-Acorde por favor! – ele deu palmadas de leve no rosto da mulher, enquanto apoiava a cabeça dela em seu braço, ele estava ajoelhado no chão.
-Ela é minha tia. Não sei o que houve – começou Sabrina, com pânico na voz.
-Não se preocupa meu amor. Moça! Moça! – a urgência na voz de Deivid pareceu despertar a mulher.
-Filho... – Hermione disse isso com a voz muito baixa, mas o suficiente para Deivid e Sabrina ouvirem.
-Tia? Ele não é...
Hermione que estava ainda de olhos fechados, sorria, estava branca.
-É sim...
Deivid tentava entender.
-Não tia – o pânico de Sabrina se transformara em desespero.
-Senhora? É melhor você abrir os olhos. Me diga quantos dedos tem na minha mão.
Deivid mostrou três dedos.
-Três...
-A senhora está muito branca, vou levá-la para a ala hospitalar. Vamos Sabrina?
Sabrina estava paralisada no mesmo lugar. Ajoelhada no chão, olhando fixamente para o céu escuro, por uma janela que havia no corredor. De repente ela olhou para Deivid.
-Qual é o nome da sua tia? A que te criou? – perguntou com a voz fraca.
-O que tem isso agora Sabrina?
-Me diga por favor...
Deivid ajeitava a cabeça de Hermione em seu braço esquerdo, ainda ajoelhado no chão, era melhor ele dizer o nome de sua tia de uma vez.
-Gabrielle. Por quê?
Sabrina deixou uma lágrima cair de seu olho, parecia fria, rígida como uma pedra. Foi como se o clima tivesse ganhado um ar pesado, denso demais, para até mesmo Deivid suportar.
-O que houve Sabrina? Temos que levar sua tia, ela fechou os olhos. Acho que ela desmaiou de novo.
Ele pegou sua varinha, conjurou uma maca. Enquanto ajeitava Hermione na maca, Sabrina deixava lágrimas grossas rolarem. Não dizia uma única palavra.
Deivid foi até ela, e a abraçou, ela não retribuiu, não saiu do lugar. Ele num ato desesperado, a sacudiu.
-Sabrina reage! O que houve?
Ela continuava rígida. Nem o movimento mudara a rosto inexpressivo dela.
Nessa hora Andril chegava, estava suado, parecia ter corrido muito.
-O que aconteceu aqui? Mãe!
Andril correu em direção a maca.
-Acorda mãe!
-Eu estava levando sua mãe para a ala hospitalar, mas Sabrina parece ter entrado em estado de choque.
Sabrina continuava a chorar, mas agora fechava os olhos.
-Eu levo minha mãe. Cuida da Sabrina.
Andril saiu, levando a maca flutuando pelo corredor. Deivid chegou perto de Sabrina novamente, e se agachou. Achou melhor se ajoelhar perto dela e a abraçar de novo. Ela continuava a chorar. Ele queria entender porque. Mas por mais esforços que fizesse, não entendia.
A pegou no colo, ela se agarrou no moletom dele, e em um de seus braços, e ainda chorava em silêncio. Ele resolveu levá-la para a ala hospitalar também.

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 0

Nenhum comentário para este capítulo!

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2023
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.