FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

ATENÇÃO: Esta fic pode conter linguagem e conteúdo inapropriados para menores de idade então o leitor está concordando com os termos descritos.

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

17. Quando eu mais precisei


Fic: O Preço De Amar Um Malfoy


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

N/A: Desculpa pela demora, guys... Não queria fazer vocês esperarem tanto pela primeira vez de Draco e Hermione. =P Espero que gostem.........


No momento que mais precisei


“Você precisa agora cuidar da sua vida como se fosse a minha, pois se você cair, cairei com você.” (Steven Pressefield)


Tinham esperado todos dormirem em todo o acampamento, inclusive os professores para se encontrarem embaixo de um carvalho, longe da “civilização”. Hermione levou cobertores e almofadas e Draco levara a comida. Forraram o chão com uma cobertor e jantaram ao ar livre enquanto tomavam um pouco de vinho que Draco também tinha levado. Em seguida deitaram confortavelmente e se cobriram, já que a noite era fria. Mas logo Hermione foi descobrir que o cobertor era desnecessário uma vez que ela tinha um cara como Draco a menos de dez centímetros de si. O pedaço grosso de pano foi dispensado quando o clima começou a esquentar.


Naquele momento, Draco estava por cima dela e eles se beijavam com paixão enquanto ela tentava se lembrar o que tinha dito para si mesma antes de sair do dormitório naquela noite, que não deveria acontecer nada além de alguns beijos porque não seria correto eles dormirem juntos agora, quando tinham acabado de voltar. Mas quem pensava no que era certo ou errado quando tinha a mão de Draco Malfoy passando furtivamente por baixo da sua blusa?


Eles continuaram se beijando por um bom tempo e não demorou muito para os beijos se estenderem a outras partes do corpo além da boca. Logo as peças de roupa começaram a sair e Hermione mal percebia. Ficava totalmente fora de si ao sentir o toque dele no seu corpo ao mesmo tempo que ansiava por poder tocar cada parte dele e senti-lo se arrepiar quando o fazia.


A blusa de Hermione já tinha sido jogada no chão, assim como a de Draco, quando a garota recobrou um pouco da razão.


- A gente devia parar aqui, Draco...


Ele parou de beijá-la, se afastando aos poucos como se doesse fazê-lo.


- Ok. – foi tudo que conseguiu dizer no momento.


No fundo ele queria que ela dissesse que não queria parar, que já estava pronta, como da vez em que eles quase transaram depois da festa. Mas sabia que aquilo dificilmente ia acontecer. Ela estava totalmente fora de si naquele dia da festa. Já tinham conversado sobre isso e ele sabia que Hermione não ficava bêbada, mas com certeza o álcool tinha algum efeito sobre ela.


Ele tentou reprimir um som exasperado enquanto saia de cima dela para deitar ao seu lado. Ser um cavalheiro enquanto namorava uma garota como Hermione, por quem – ainda por cima – estava completamente apaixonado, estava sendo mais difícil do que ele imaginava. Até porque ele nunca tentara ser um cavalheiro antes. Se a garota que ele estava não quisesse transar logo, ele costumava chutá-la imediatamente e procurar outra mais fácil.


- Me desculpe. – ela falou se virando para ficar de frente para ele.


 


- Você não tem que se desculpar. – ele se virou também e colocou uma franja que caía no olho da garota atrás de sua orelha – Eu te espero o tempo que precisar.


Ela sorriu levemente e o abraçou. Fechou os olhos enquanto sua cabeça estava encostada no peito dele, sentindo seu coração. Ele tocou seus cabelos e começou a brincar com eles. Aquilo a deixou sonolenta e logo ela estava dormindo.


Draco queria contar a verdade sobre o feitiço para ela. Podia dizer que conhecia Hermione o suficiente agora para saber que ela ainda se sentia desconfortável com o fato de achar que ele não a amava. Sabia que a sombra daquele feitiço a perturbava – assim como costumava perturbá-lo – e ele queria muito afastar aquilo para eles finalmente serem completamente felizes juntos. Queria dizer a ela e queria ouvir dela, ter certeza de que ela sentia o mesmo, mas tinha que admitir, pelo menos para si mesmo, que tinha medo da reação dela. Da última vez que ele tinha dito, não estava sendo completamente sincero apesar de ele próprio ter suas dúvidas. Não sabia se era o seu lado apaixonado falando mais alto – as pessoas sempre dizem que quando se está apaixonado, você geralmente não age com clareza - mas ás vezes tinha a impressão que o feitiço tinha sido quebrado muito antes daquela noite na ilha. Tinha a impressão de que o feitiço tinha sido quebrado por Hermione e ele não tinha percebido. Ele nunca tinha sentido aquilo antes, então como saber? A única coisa que ele sabia era que mesmo antes da ilha, ele já sentia algo muito forte pela grifinória. Se tivesse um modo de ter certeza...


Tinha que tomar coragem e contar a ela como se sentia. Mesmo correndo o risco de ela não acreditar, de achar que estava mentindo de novo. Mas se ela botasse na cabeça que ele estava mentindo e terminasse o namoro deles, ele não ia poder provar a ela o contrário a não ser que Snape imprestasse um pouco do seu estoque de veritasserum. Suspirou. Iria morrer de remorso se se declarasse e, por causa disso, estragasse tudo entre eles. Mas ela merecia saber a verdade, não merecia?


***


Hermione ficou surpresa em notar, ao entrar na barraca em que a professora Minerva havia instalado sua sala, que se havia diferenças daquele lugar comparado á sala que ela mantinha em Hogwarts, eram poucas. Com certeza impossíveis de serem vistas a olho nu.


A diretora da grifinória havia chamado a garota ali, dizendo que deveriam ter uma conversa. Hermione não tinha gostado muito do tom dela. Mas o que poderia haver de errado? A morena havia andado dentro das regras nos últimos dias. Quer dizer, para falar a verdade, ela tinha deixado todos pensarem que ela estava andando dentro das regras. Mas seu segredo podia vir a tona logo que Pansy notasse que as bebidas que mantinha em seu quarto estavam evaporando misteriosamente. Hermione devia arrumar um jeito de comprar outras e colocá-las no lugar antes que ela percebesse. Sabia que Pansy era sua amiga e que não era nenhuma santa ou coisa assim, mas Hermione sabia que ela mantinha um olho aberto com ela desde a festa. Se a sonserina descobrisse que a colega de dormitório estava bebendo com bastante frequência para controlar seus poderes, podia contar para Draco e o sonserino iria encher o seu saco. Tinha era que arrumar um jeito de contrabandiar bebidas para colocar no lugar das que havia pegado e para fazer seu próprio estoque, assim não precisaria mais pegar da sonserina. Mas ela nunca tinha contrabandeado nada para dentro do castelo antes, não podia correr o risco de ser pega. Precisava arrumar alguém que a ajudasse com isso.


Quando ela começou a pensar sobre isso, Minerva finalmente apareceu.


- Que bom que já chegou, srta Granger.


Hermione a observou andar até a sua cadeira atrás da mesa e se sentar.


- Há algum problema, professora?


Minerva analisou a garota.


- Não exatamente um problema. Como você está?


Hermione pestanejou achando aquilo estranho.


- Bem.


- Hermione, - Minerva suspirou – sei que está passando por muitas dificuldades desde que chegou a Hogwarts.


- Quem não sabe? – murmurou Hermione.


- Exatamente. Seus poderes... ninguém sabe exatamente o que são eles, ou até que ponto podem chegar. Então, nós professores tivemos uma conversa e decidimos que seria melhor para você se afastar do cargo de monitora-chefe permanentemente.


- O quê? – perguntou chocada – Vocês não podem tirar meu distintivo! Eu trabalhei duro para consegui-lo durante esses seis anos, ninguém merece mais do que eu!


- Ninguém duvida disso, srta. Mas nas condições atuais...


- Que condições atuais? – Hermione praticamente gritou – Eu estou ótima!


- Hoje. Agora. Por enquanto. Mas Merlin sabe o que pode acontecer a seguir... – Hermione cruzou os braços e fechou a cara – Entenda, querida. Estamos fazendo isso para ajudá-la. E ajudar Hogwarts. Pode ser sincera comigo e me dizer quantas vezes por dia se lembra que é monitora-chefe? O sr. Malfoy tem feito as suas obrigações e as dele, sem reclamar, por incrível que pareça. Mas coisas assim não podem ser encobertas por muito tempo.


Hermione deu de ombros. Era verdade que não vinha cumprindo com seus deveres. Se pensasse bem, veria que aquilo até era uma coisa boa. Ela não vinha conseguindo nem cuidar de si própria nos últimos tempos, com certeza não tinha tempo nem ânimo para cuidar de um castelo, dar detenção para alunos e etc. Mas ser monitora-chefe era uma coisa que sempre quis, mesmo que no fundo não se importasse mais com aquilo. Só que ela queria se importar, assim como queria que outras coisas que costumavam ser importantes voltassem a significar alguma coisa pra ela.


- Posso ao menos saber quem vocês escolheram para ficar no meu lugar?


- Não vejo porquê não. A escolhida foi Taylor Rose.


O destino só podia estar de graça com a cara dela.


***


Hermione foi para a aula de poções com os nervos á flor da pele. Mal tinha se acertado com Draco e já tinha descoberto que a vadia da sonserina com quem ele andou dando uns amassos enquanto estavam brigados vai passar a ter uma convivência diária com o seu namorado. Queria controlar os ciúmes mas sabia que sentir aquilo era inevitável. Ela o amava, mesmo que ele não sentisse o mesmo, pensou cabisbaixa. Ele podia muito bem trocá-la pela sonserina linda e perfeita com quem iria passar grande parte do seu tempo agora.


Quando entrou na aula, viu o loiro sentado lá na frente, guardando o lugar para ela. Ele não gostava muito de se sentar na frente mas sabia que era o lugar preferido de Hermione então tinha passado a ficar por lá também. Um sorriso começou a nascer no seu rosto quando viu que a garota se aproximava mas logo foi substituído por uma expressão preocupada quando viu a cara de poucos amigos dela.


- Aconteceu alguma coisa? – perguntou ele quando ela se jogou ao seu lado.


Ela apenas o olhou com os olhos faíscando e começou a abrir a mochila e tirar seus livros sem dizer absolutamente nada. Tinha perfeita noção de que estava sendo irracional, é claro. Draco não tinha culpa nenhuma de que ela havia sido substituída pela Rose. Pela expressão perdida dele, nem mesmo devia saber da história. Mas Hermione não estava racional. Na verdade, sentia uma intensa raiva naquele momento. Uma raiva sobrenatural.


Pelo olhar de Hermione, Draco só podia ter certeza de uma coisa: o problema era com ele. Começou a repassar mentalmente todos os momentos que estiveram juntos naquele dia e na noite passada, em que pudesse ter feito alguma coisa que a irritasse. Nada lhe veio a mente. Desde que voltaram, ele tinha se comportado como um namorado de ouro. O que será que havia de errado?


- Hermione, - ele a chamou cautelosamente – você está bem?


- Não. – ela respondeu sem tirar os olhos do livro a sua frente.


- Quer me dizer o que aconteceu?


Ela o olhou tão irritada que Draco preferiu que ela não o tivesse feito.


- Por que você não pergunta pra sua amiguinha Taylor? – ela falou, suas palavras derramando sarcasmo – Tenho certeza que ela pode muito bem te explicar o que aconteceu.


Draco agora estava mais intrigado do que nunca.


- O que Taylor tem a ver com isso?


- Sabe o que a Minerva queria, Draco? – ela disse quase explodindo de raiva – Tirar o meu distintivo de monitora-chefe! – ele arregalou os olhos – Sim, ela tirou de mim uma coisa pela qual eu vinha esperando por anos! Eu admito que eu tenho estado um pouco relapsa com as minhas obrigações nas últimas semanas, mas ela poderia simplesmente ter vindo até mim e chamado minha atenção, para que eu pudesse me dedicar mais ao cargo! Mas não foi isso que ela fez, ela me afastou de cara, sem nem me dar uma outra oportunidade! E sabe quem está no meu lugar agora? É, a Rose.


- Sinto muito, Hermione. – ele passou os braços em volta da garota – Sei o quanto queria esse cargo.


- É. – foi tudo que ela disse.


- Mas... Olha, a McGonagall pode estar certa... Você já está passando por muita coisa para ainda ter que se preocupar com o fato de ser monitora. E Dumbledore não te disse que o seu professor particular que vai te ajudar com os poderes já está a caminho? Talvez você devesse só se focar nisso.


- Talvez... – murmurou cabisbaixa.


Hermione sabia que ele estava certo. Ela estava realmente ansiando por se dedicar ao controle dos seus poderes e aprendê-los a usar de forma que eles pudessem ter alguma utilidade na guerra. Não era exatamente aquilo que a estava encomodando e ela sabia disso. E Draco não demorou a desconfiar também.


- Isso não tem nada a ver com ser Taylor que vai ficar no seu lugar, né? – ele perguntou.


Ela desviou o olhar e se desvencilhou dele.


- Claro que não. – disse enquanto voltava a se focar nos seus livros. – Por quê a pergunta?


- Hermione... – ele começou mas ela o interrompeu.


- Draco, a aula já vai começar.


Snape tinha entrado na sala de aula com seu típico mal humor. Mandou que eles abrissem o livro na página 507 e começou a explicar sobre o Veritasserum. Depois disso, falou para todos pegarem seus ingredientes e começarem a prepará-la ali, o que era um absurdo já que aquela era uma das poções mais difíceis e longas de serem feitas, somente para especialistas. É claro que não adiantava discutir com Snape sobre isso então todos simplesmente fizeram o que ele estava falando.


Hermione pegou os ingredientes e se pôs atrás do caldeirão tentando se concentrar na poção mas não conseguia.  Tudo que pensava era que tinha perdido a única coisa da sua vida que ainda a ligava a garota de antes. O medo que vinha sentindo tanto ultimamente e que, de alguma forma, Draco afastou voltara naquele momento e ela não sabia onde ia parar se continuasse daquele jeito.


Foi uma grande surpresa quando, ao adicionar o último ingrediente á poção, esta começara a borbulhar e crescer de um jeito assustador. Tudo que Hermione viu foi o líquido verde musgo vir em sua direção antes de dar um passo para trás e ver tudo acontecer em visão panorâmica. A poção se espalhara por toda a sala enquanto Hermione sentia o teto tocar as suas costas. Ela levou as mãos á boca, apavorada, quando percebeu o que estava acontecendo. O líquido quente teria ido com tudo para cima dela, se num impulso ela não tivesse se elevado e ficado da altura do teto.


- Hermione... – Draco olhava para ela prevendo o que aconteceria em seguida – Fica calma...


Mas não adiantou muita coisa. Foi uma questão de segundos até ela entrar em pânico e, com um grito, cair do teto de dez metros da sala de poções, de mal jeito, batendo a cabeça e meio que abrindo espaguete no chão ensopado de poção.


O silêncio reinou na sala.


Snape olhava para a bagunça com uma cara de profundo aborrecimento. Para completar, não parecia estar nem um pouco preocupado com o estado de Hermione. Todos olhavam para a garota chocados. Draco foi até ela e se abaixou ao seu lado.


- Hermione, você está bem?


Ela não se moveu. Simplesmente resmungou algo que Draco achou ser uma afirmativa.


Rony e Harry se aproximaram também, assim como Lucas e Pansy. Os grifinórios ainda não se falavam mas pensaram na mesma coisa naquele momento: socorrer Hermione.


Os garotos começaram a falar ao mesmo tempo, perguntando o que tinha acontecido, como aquilo aconteceu e falando mais um monte de coisas que irritaram Draco profundamente.


- Dá para o testa rachada e o pobretão calarem a boca???


Hermione apenas continuou lá estirada, em sã consciência mas sem realmente ter forças para levantar, se perguntando porquê motivo ela ainda ficava surpresa com aquele tipo de coisa. Devia viver a sua vida esperando que algo daquele tipo acontecesse...


Em um certo momento, sentiu que Draco a pegou no colo e a levou para a ala hospitalar. Ainda podia ouvir as vozes preocupadas de Harry, Rony, Lucas e Pansy por perto. Fechou os olhos e tentou esquecer de tudo.


***


Hermione ia ficar bem, foi o que Madame Pomfrey tinha dito. A batida na cabeça tinha sido muito forte então ela estava usando um pano na cabeça, que mais parecia uma bandana e também estava com a perna direita engessada. Era triste dizer que a mulher já estava tão acostumada com a presença de Hermione por ali, que quando ela entrava pelas portas duplas, seja sendo carregada ou se arrastando por conta própria, ela nem mesmo se surpreendia. Pela cara dela, Hermione podia jurar que talvez ela estivesse planejando fazer uma carteirinha para a grifinória, que a permitisse ter algum tipo de privilégio no atendimento ou perguntar a Dumbledore se a garota não podia simplesmente trazer sua bagagem e se mudar para a enfermaria. Sinceramente, se aquilo a ajudasse de alguma forma, Hermione não iria se opor a nenhuma das idéias.


Quando ela foi liberada para voltar ao dormitório e se viu dispensada de todas as aulas enquanto seu namorado e seus amigos ainda tinham um dia todo pela frente, Hermione simplesmente se jogou na cama e ficou deitada lá com o estoque de bebida da Pansy como companhia. Quando um sono começou a bater, resultado dos medicamentos misturado ao álcool, ela guardou todas as garrafas e copos e dormiu.


Quando acordou novamente, já estava de noite. Não tinha imaginado que iria dormir tanto. Mas sabia que poderia continuar dormindo se não tivesse ouvido uma música calma tocando no cômodo.


Ela se virou lentamente na cama devido a cama engessada e deu de cara com Draco arrumando uma mesa de jantar.


Ela franziu o cenho.


 


- Tá fazendo o quê?


- Um presente para você. – ele respondeu simplesmente.


O quarto estava todo escuro, a não ser pelas velas que estavam no candelabro da mesa. A música vinha do rádio que tinha sido instalado em cima da penteadeira que ela dividia com Pansy e a comida parecia muito apetitosa para alguém que tinha passado horas somente á base de... bem, de álcool.


- Hum... Jantar á luz de velas... – ela disse enquanto se sentava lentamente na cama – Por acaso o senhor está tentando me seduzir, Malfoy?


- Que droga, Granger... – ele se aproximou e esticou a mão para ela – Descobriu meu segredo...


Ela o olhou com uma sobrancelha erguida.


- Você sabe que eu não posso andar, não é?


Ele revirou os olhos.


- Você não muda, Granger... Sempre estragando o clima...


Como ela não aceitou sua mão, ele a segurou pela cintura e a levantou. Hermione esperou sentir a dor de quando seu pé tocasse o chão mas isso nunca veio a acontecer. Draco a segurava firmemente pela cintura enquanto os dois flutuavam a uns três centímetros do chão.


- Isso parece melhor quando você faz. – ela murmurou olhando para os seus pés.


Ele riu levemente e começou a se movimentar lentamente ao som da música.


Hermione passou os braços em volta do pescoço dele e escorou seu queixo no ombro do loiro, fechando os olhos enquanto apenas o deixava conduzi-la.


Seus olhos se encheram de lágrimas ao perceber o que ele estava fazendo. Draco devia ter imaginado que ela provavelmente estaria muito mal depois do que tinha acontecido – como ela sempre ficava depois de uma crise de poderes – e preparou aquilo para fazê-la se sentir melhor. Agora ela estava ali nos braços dele em vez de estar no meio de uma crise de lamentação pelo seu estado, que era o que ela provavelmente começaria a fazer assim que acordasse. Ele não demorou a sentir a umidade no seu ombro.


- Ei... – ele a afastou um pouco só para olhá-la – Você está bem?


- Eu estou ótima. – ela acariciou o rosto dele levemente – Não sei o que dizer para te agradecer por isso.


Ela queria dizer que o amava mais que tudo naquele momento, mas não queria estragar tudo falando de sentimentos que sabia que ele não correspondia.


- Você não precisa me agradecer. – ele a beijou levemente – Eu que tenho que te agradecer por me deixar ficar aqui, cuidando de você.


Ela sorriu exultante, amando-o mais do que nunca.


***


As semanas passavam rápido para Hermione e Draco. Sem os poderes incomodando a garota – pelo menos depois do incidente da aula de poção-, os dias e as noites eram mais que perfeitos para o casal. É claro que não estava tudo realmente certo na vida de Hermione. Pior do que seu relacionamento com Harry e Rony se limitar a leves acenos de cabeça quando se cruzavam nas aulas como se eles fossem meros conhecidos, era Gina que uma vez fora sua melhor amiga e agora nem olhava para sua cara. Além disso, a grifinória sabia o motivo pelo qual seus poderes não incomodavam mais. Ela estava tomando o devido cuidado para tomar uma boa dose de álcool por dia e impedir que mais incidentes acontecessem. Tinha parado de roubar do estoque de Pansy e passara a comprar de um grupo de corvinais do sétimo ano que vendiam escondido no dormitório. Ela tinha ouvido falar que sonserinos faziam o mesmo mas não queria correr o risco de algum colega de Draco contar para ele que sua namorada comprara whisky de fogo. Fora isso, o namoro ia perfeitamente bem. Os dois raramente brigavam e, quando o faziam, os dois sabiam exatamente o que fazer para acabar logo com aquela besteira.


 As melhores horas do dia para Hermione era quando eles podiam ficar sozinhos depois das aulas ou depois da monitoria dele, no seu quarto. Era aquilo que faziam naquele momento.


Draco mal tinha chegado da sua última aula e eles já estavam deitados no sofá de Pansy, se beijando loucamente. Hermione tinha aberto os botões da camisa do loiro revelando o peitoral que tanto adorava. Se virou ficando em cima dele e mordiscou seu lábio inferior, descendo para beijar seu pescoço em seguida. Draco acariciou a parte interna da coxa da garota, subindo lentamente a mão enquanto deixava um caminho de fogo na pele da morena. A mão dele começou a subir em direção ao traseiro da grifinória, levantando a saia e a fazendo se arrepiar toda. Ela mordeu seu pescoço para extravazar o que sentiu quando ele apertou sua nádega direita levemente. Voltaram a se beijar na boca enquanto Draco ainda explorava o corpo da garota com a mão, enfiando a mão que não estava massageando seu traseiro embaixo da blusa dela. Como Hermione não podia fazer o mesmo com o sonserino já que usava suas mãos para evitar cair no sofá, tudo o que fazia era soltar leves gemidos durante os beijos enquanto ele tocava em pontos sensíveis.


- Então é isso que vocês fazem enquanto o senhor deveria estar na monitoria, não é?


Hermione fez menção de se levantar ao ouvir a voz da garota mas Draco a prendeu contra seu corpo, a segurando firmemente pela cintura e voltando a beijá-la


- Draco... – ela murmurou.


- Só ignora ela... – ele disse.


Pansy revirou os olhos.


- Olha, eu não sou muito fã de voyeurismo não, ok?


- Então se manda. – falou Draco com os lábios pressionados contra os de Hermione.


- Taylor está te procurando feito louca para começar a monitoria. – a sonserina informou.


Hermione se afastou dele.


- Vai de uma vez, Draco...


- Peraí, Hermione... – ele murmurou tentando puxá-la de novo, mas dessa vez a garota não permitiu.


- Vai de uma vez antes que eu tenha que ouvir a palavra ‘Taylor’ de novo, ok? – ela se levantou, fechando os botões da blusa do uniforme.


- Ok. – ele se levantou a contra-gosto – Eu vou lá, então.


Hermione o acompanhou até a porta e beijou seu lábios, pretendendo que aquele fosse um beijo casto mas Draco o aprofundou, tirando-a do chão enquanto Hermione acariciava os cabelos loiros dele.


- Te vejo depois. – ele falou olhando-a com um olhar significativo.


- Ok. Se comporte, ouviu? – ele sabia que ela estava se referindo a Taylor.


- Hermione, por que você fala esse tipo de coisa? – ele fez a maior cara de anjo que poderia - Não sabe que eu sou o garoto mais comportado de Hogwarts?


- Sério? Quando mudaram o significado de comportado no dicionário?


Ele deu um sorriso safado típico e se afastou.


Hermione fechou a porta e olhou para Pansy sonhadora.


- Vocês dois estão quase lá, não estão?


A grifinória foi se deitar na própria cama. Sabia do que a amiga falava. Ela e Draco ainda não tinham transado mas se continuasse do jeito que estavam, não demoraria muito.


Pansy riu quando Hermione não respondeu.


- Draco deve estar subindo pelas paredes... E pelo que eu vi aqui, não só ele, né?


Hermione riu.


- O que eu posso fazer, Pansy? Não sou santa e estou com o cara mais gostoso de Hogwarts!


- Não estou julgando. – falou Pansy divertida. – Vocês dois estão muito bem juntos, sabia?


- Estamos. – suspirou – Fazemos dois meses na próxima semana.


- E Taylor? Tem dado trabalho?


- Não. – Hermione deu de ombros – Ela claramente é caidinha por ele mas não parece que vai tentar alguma coisa enquanto ele estiver comigo.


- E você não tem ciúmes nenhum em pensar de que ele fica sozinho com ela?


- Pra falar a verdade, eu tento não pensar nisso. Não posso andar grudada nele, vigiando-o pra cima e pra baixo. Não quero enlouquecer pensando no que eles estão fazendo, senão minha mente vai começar a inventar coisas e eu vou virar uma neurótica.


- Você tem razão. – Pansy sorriu – E de qualquer forma, Draco não te trairia.


- Isso eu não posso ter certeza... – falou receosa.


Pansy a olhou incrédula.


- Você tá doida? Ele é louco por você!


- Pode ser... Mas a carne é fraca, não é?


- Não subestima ele... – ela falou – Ele nunca estragaria as coisas com você de novo. Você deveria confiar nele.


Hermione não respondeu. Draco vinha sendo perfeito, mas como confiar totalmente numa pessoa que já mentiu outras vezes


***


Mais tarde, quando a noite começava a chegar nos terrenos de Hogwarts, Hermione saiu para dar uma volta enquanto sabia que Draco estava na monitoria com Taylor. Tinha pego o hábito de andar sozinha por uma área mais afastada do acampamento, gostava de fazer aquilo para colocar os pensamentos em ordem. Ouviu um barulho de gritos e presumiu que alguma casa treinava no campo de quadribol. Para a felicidade dos amantes do esporte, o campo não havia sido muito destruído e foi possível colocá-lo em funcionamento normal em menos de uma semana, assim mantiveram o calendário de jogos intocado desde então.


Olhando na direção do campo, se surpreendeu ao ver uma figura loira em trajes da corvinal se aproximar.


- Luna! – Hermione sorriu – Não sabia que você acompanhava os treinos da corvinal...


Luna corou.


- Eu não acompanho. – ela encolheu os ombros – A grifinória que está treinando.


- Oh! – a ficha da morena caiu – Observando Rony?


Luna deu um risadinha.


- É... Nós estamos... mais próximos agora... E no próximo passeio para Hogsmeade, acho que pode acontecer alguma coisa.


Conhecendo Luna e seus poderes , se ela dizia que alguma coisa podia acontecer, é porque ia acontecer.  E Hermione ficou feliz em saber daquilo. Gostava muito de Luna e queria muito a felicidade de Rony, não podia imaginar uma garota melhor para ele.


- Não sabe como é bom pra mim ouvir isso, Luna.


- Posso imaginar.


As duas começaram a andar lado a lado pelo castelo sem nem perceberem.


- Você também tem estado em um bom momento, não é? – disse Luna.


- É, - Hermione suspirou – as coisas não estão perfeitas mas Draco e eu estamos juntos e ele é um porto seguro pra mim. Ele prometeu não me decepcionar e tem cumprido essa tarefa com perfeição desde então.


- Ele realmente... – Luna pareceu mudar de idéia no caminho de dizer algo – tem sentimentos fortes por você.


Hermione mordeu o lábio mostrando uma expressão duvidosa.


- Você acha mesmo?


- Tenho certeza. E acho que você logo vai ter também.


Luna ficou em silêncio por um instante e Hermione a observou. A corvinal parecia estar travando uma séria guerra interna.


- Luna? – ela chamou delicadamente.


Luna pareceu sair de seu devaneiro.


- Sim?


- Tem alguma coisa... que você queira me dizer?


- Na verdade, Hermione... Tem sim. Eu tive...


- Uma visão? – a grifinória completou.


- Sim. Mas dessa vez foi diferente. Foi num sonho. Mas eu sei que não pode ser só um sonho porque era real demais.


Hermione, que já tinha parado de questionar o poder de Luna, ficou instantaneamente interessada.


- Envolvia a mim?


Luna assentiu.


- Minhas visões são... como eu vou explicar? – ela pensou por um instante – Eu não vejo cenas, entendeu? Eu simplesmente fico um momento meio fora de órbita e quando eu volto, eu sei das coisas... Mas esse sonho foi diferente.


- Então me conte como foi. – Hermione já estava ficando ansiosa.


- Eu não vou te contar. É melhor você ver com seus próprios olhos.


As duas tinham chegado ao jardim de Hogwarts. Elas se sentaram em um banco ali perto e Luna tirou a varinha das vestes e, com um aceno, fez uma penseira aparecer no seu colo.


Hermione arregalou os olhos.


- Essa é a penseira de Dumbledore?


- Não. É do meu pai. Eu pedi emprestado pra ele. Já faz uns dias que eu tive esse sonho, mas estava me perguntando se devia te contar ou não.


- Luna, vai por mim. Se você tiver alguma coisa que pode me preparar para o futuro, você deve me contar.


- Ok. – Luna riu – Não vou esquecer disso.


- É possível ver sonhos na penseira?


- Sim, sonhos também são lembranças. Apesar de não ser tão claras.


Luna colocou a penseira no banco, entre elas. Ela fez um sinal para Hermione.


- Quando você quiser...


Hermione suspirou


- Ok.


Um segundo depois, ela não estava mais ali.


Não parecia ter ido muito longe. Estava em Hogwarts. Reconheceu o cenário mesmo antes de ele parar de rodar. Estava de noite e o castelo estava em silêncio. Hermione ficou sem saber o que fazer então começou a andar, tentando encontrar o que tivesse que encontrar. De repente, ouviu um barulho que parecia uma cadeira se arrastando e múrmurios. Seguiu o barulho e ele acabou levando-a a uma sala vazia.


Ela empurrou a porta de madeira e encontrou Draco lá, segurando Hermione fortemente pelo braço. Ela encarou a lembrança com o cenho franzido, sem entender porque Draco a segurava daquele jeito. E parecia tão furioso.


- Me larga, Malfoy!


Hermione se surpreendeu com a própria aparência. Ela estava tão diferente. Estava usando uma saia preta curta, botas e uma blusa decotada demais. Nenhuma daquelas roupas se parecia com alguma que ela tinha no momento.


- Me diz a verdade, Hermione! - ele esbravejou - Fala!


- Não tem nada pra dizer! Não está acontecendo nada!


- Ah, sério? - ele a segurou mais firme - Então você não está tendo nada com aquele idiota?!


A Hermione real arregalou os olhos com aquela acusação. Olhou para si mesma na memória e viu que seu rosto parecia extremamente inocente e impassível. Sentiu um alívio. Ela sabia que não era capaz de mentir muito bem. Se Draco a acusasse daquele jeito e ela tivesse que mentir, não conseguiria. Então pela sua expressão, dava pra ver que ela falava a verdade.


- Não estou!


- Eu não acredito em você!


Aquilo também pegou Hermione de surpresa. Como assim, não acreditava??? Ele, de todas as pessoas, sabia que ela não sabia mentir, por que ele não acreditava??? Pior que isso, por que ele estava achando que ela estava com outro cara???


- Como não? - ela perguntou com uma expressão triste - Você acha mesmo que eu seria capaz de ficar com alguém que eu não amo?


Draco suspirou.


- Eu acho que a Hermione de antes não. Mas você? Eu nem sei quem você é. Eu só sei de uma coisa. Você não é mais a mesma garota que me disse no verão que sexo significava mais pra você.


A Hermione atual queria ver mais. Saber o que estava havendo. Mas ela foi puxada pelo umbigo novamente, e quando viu estava sentada no jardim novamente, com Luna na sua frente.


- Luna?! Eu preciso voltar lá. – falou um pouco apavorada.


- Você não pode, Mione. – a expressão de Luna era triste - Aquilo foi tudo o que eu vi.


- Eu... – Hermione balançou a cabeça, tentado colocar as coisas em ordem - o que foi aquilo? Draco... Ele acha que eu o traí? Como ele pode achar que eu seria capaz de fazer uma coisa dessas? Aquela visão estava errada, só pode!


- Eu não acho que a visão esteja errada, Hermione. - Luna suspirou - Eu acho que alguma coisa aconteceu entre vocês. Alguma coisa ruim. Muito ruim.


Hermione pensou no que Luna disse, e não falou mais nada.


***


A semana se passou sem outros grandes acontecimentos. Hermione tentou não pensar mais no sonho de Luna, se convenceu de que talvez fosse um sonho comum que a garota tivesse confundido com uma visão. Luna não tinha total conhecimento de seus poderes.


O dia em que Hermione e Draco completavam dois meses de namoro finalmente chegara. Ele tinha pedido para Hermione ir para o dormitório dos garotos á noite. Devia estar preparando alguma surpresa, a grifinória estava ansiosa. Quando ela estava quase pronta, Lucas chegou no seu dormitório. Já que Draco o tinha expulsado da sua própria barraca, ele passaria a noite com a namorada também.


Hermione saiu assim que ele apareceu, aceitando aquilo como um sinal de que Draco já tinha preparado o que quer que fosse.Não demorou a chegar no dormitório dele, andou rápido devido a ansiedade e o medo de ser pega escapulindo para o quarto de seu namorado. Não que não tivesse feito aquilo antes, mas a sensação que iria ser pega sempre a assombrava.


Entrou sem bater, sabendo que ele a esperava.


- Boa noite, linda... - ele se aproximou quando a viu passar pela porta e a beijou docemente.


- Boa noite! - ela o abraçou sorridente - Feliz aniversário de dois meses!


- Já nos cumprimentamos essa manhã. - ele riu, segurando sua mão e a guiando pelo quarto.


- Eu sei, mas eu gosto de ficar repetindo...


Hermione aproveitou para olhar o lugar enquanto se deixava ser puxada por ele.


O quarto estava escuro, exceto pelas velas espalhadas pelo lugar. Havia uma mesa preparada para jantar, como Hermione imaginou, mas não era propriamente uma mesa. A peça de madeira era muito baixa, e ele colocara almofadas em volta para eles se sentarem. Não deixou de notar também que o quarto sempre bagunçado, como era típico de garotos, tinha sido completamente limpo. Hermione não fora ingênua o suficiente para imaginar que Draco tinha limpado aquilo sozinho, ele provavelmente tinha subornado um elfo doméstico. Tentou não se irritar com esse pensamento, já tinha desistido de mudar algumas coisas em Draco.


- Aposto que achou que nós não duraríamos nada. - ele falou se sentando nas almofadas e sinalizando para ela se sentar na sua frente - Que eu estragaria tudo de novo.


Ela sorriu.


- Pode me culpar por esperar o que parecia ser provável?


Ele fingiu se ofender.


- Provável? Você é inacreditável!


- Ei, mas eu estava errada! - ela segurou a mão dele, entrelaçando seus dedos - Olha como chegamos longe.


- Isso não é longe! Longe é a vida inteira! Quando estivermos bem velhinhos, sentados em cadeiras de balanço na varanda vendo nossos netos correrem de um lado para o outro! Aí sim vamos poder refletir sobre como chegamos longe.


Ela sentiu seu coração se encher do amor que sentia por ele e achou seriamente que fosse explodir.


- Acho que você tá certo. Mas chega de olhar pro futuro. Aqui estamos nós hoje.


Ele balançou a cabeça.


- Aqui estamos nós.


Ela sorriu pra ele.


- Draco... Eu quero... sabe, te agradecer...


Ele franziu o cenho.


- Pelo quê?


Ela suspirou, tentando colocar seus pensamentos em ordem e fazer com que tudo saísse direito.


- Por tudo. Acho que muita gente que nos vê juntos não acredita, mas você é incrível. Incrível comigo. Você me ajuda tanto... Nem tem idéia de como eu fico cansada de tudo ás vezes, e saber que você está comigo tem me deixado mais forte pra superar essas coisas. E eu não acho que eu já tenha te agradecido por isso. Então, obrigada.


Ele sorriu de lado.


- Você não precisa me agradecer, Hermione. – ele a abraçou pela cintura e a encarou – Até porque eu não faço isso por você.


Ela o olhou com estranheza.


- Como assim?


- Eu faço por mim. – ele falou como se fosse óbvio – Você não tem a mínima, a remota idéia de como se tornou importante na minha vida. Eu sempre vou fazer de tudo que eu puder pra cuidar de você... Se você cair... – ela o interrompeu.


- Se você disser: “se você cair eu te pego”, eu me enforco agora... – falou entre gargalhadas.


- Ei! – ele se fingiu de bravo – Vai rir mesmo de mim, Granger?


Ela com certeza riu.


- Você é tão clichê, Malfoy...


- E você, Granger... – ele a observou por alguns segundos, o sorriso que demonstrava desaparecendo do seu rosto – Você é perfeita...


Ele se curvou e selou seus lábios nos dela como raramente já tinha feito. Era doce mas também não podia faltar um quê de sedução, ou então não seria um beijo dado por Draco Malfoy. Hermione gemeu baixinho quando ele se afastou e a olhou, sorrindo seu melhor sorriso safado. Em seguida, o loiro afundou as mãos no longo cabelo da grifinória e mordeu seu lábio inferior levemente, fazendo-a procurar seus lábios imediatamente. Mas ele se afastou novamente, sorrindo, e a mordeu novamente, em seguida descendo para o seu queixo. Hermione acariciou as costas dele enquanto fechava os olhos e sentia a sua boca quente queimar seu queixo. Tombou a cabeça quando ele desceu para o seu pescoço. Quanto mais ele a tocava, mais Hermione ficava sensível a ele. Ela praticamente se deitou no chão enquanto o deixava tocá-la. Draco se deitou em cima dela e voltou a beijar sua boca, agora sem brincadeiras. A grifinória segurou sua nuca e os dois se beijaram vorazmente, tentando saciar a sede que tinham um do outro. As mãos de Hermione desceram da nuca dele e exploraram suas costas. Quando encontraram a borda da camisa, ela começou a levantá-la e Draco parou de beijá-la e se sentou para ajudá-la a se livrar da roupa. Em seguida, Hermione voltou a beijar o namorado mas Draco tinha ficado sério de repente.


- Que foi? - perguntou surpresa.


- Hermione... - ele se afastou um pouco - Eu não quero te pressionar nem nada disso mas... fica meio difícil assim... - ele a secou, de cima a baixo fazendo a garota ficar um pouco envergonhada.


Ela respirou fundo desviando o olhar do dele. Colocou o cabelo atrás da orelha, sua cabeça girando. Queria tanto aquilo, tanto ficar o máximo possível com ele. Não era justo adiar aquilo por mais tempo. O momento era perfeito.


Ela o olhou e voltou a beijá-lo.


- Eu quero você... - sussurrou.


- Eu também quero você, Hermione, é que...


Ela colocou uma mão nos ombros dele e o dedo indicador nos seus lábios.


- Quero você. Agora.


Ele pareceu ter ficado meio tonto.


- O quê?


Ela sorriu achando a surpresa dele adorável.


Ela ficou de joelhos na frente dele e passou as mãos nos seus braços, se curvando em seguida para mordiscar seu pescoço. Ela o viu se arrepiar diante do seu toque mas depois de alguns segundos estranhou ele não ter tomado uma atitude.


Ela parou para olhá-lo.


- Não fique aí parado... – falou um pouco envergonhada.


- Hermione, - ele a olhava num misto de emoções - você tem certeza mesmo?


Ela suspirou.


- Tenho, Draco. Agora dá pra fazer alguma coisa ou tudo que eu ouvi de você era só propaganda enganosa?


- Ah! Granger! – ele deu uma risada safada que sempre o deixava incrivelmente mais irresistível - Você se esquece com quem tá falando...


Ele ficou de pé e a puxou com força pela cintura, segurando-a com firmeza pela nuca e lhe dando um beijo de tirar o fôlego. O coração dos dois batia tão forte que era quase impossível o resto da escola não estar ouvindo. Draco se surpreendeu com o quão nervoso estava. As coisas que Hermione o fazia sentir nunca paravam de surpreendê-lo. Certas coisas ainda eram um mistério pra ele. Como seu coração podia acelerar só com um beijo dela? Como podia ficar excitado só de ouví-la dizer que o queria?


Descendo as mãos da cintura até seu traseiro, ele a pressionou com força contra seu corpo, fazendo-a sentir o membro duro e ereto tocando-a na altura da cintura. A garota ofegou, enquanto sentia a boca sendo explorada com ânsia pela língua de Draco. Uma onda de prazer se espalhou pelo seu corpo, deixando-a quente. De repente, deixou de sentir as pernas e achou seriamente que tinha se esquecido de como respirar. Provavelmente teria despencado com tudo no chão se não estivesse com o corpo tão preso ao dele. Draco segurou uma coxa da garota com força e levantou sua perna até a altura da sua cintura a erguendo no seu colo com rapidez, a surpreendendo, e a levou para a cama, a deitando. A observou por alguns segundos, tirando uma mecha que caía nos olhos castanhos da morena. Hermione percebeu que as mãos dele tremiam levemente e sorriu. Como ele conseguia ser tão irresistível, sexy e ainda ser fofo e amável, tudo ao mesmo tempo?


Draco acariciou seus cabelos e beijou cada milímetro do rosto dela. Depois cobriu os olhos e as bochechas com beijos curtos e provocantes deixando todos os pêlos da grifinória de pé. Deu pequenas mordidas em seu pescoço, provando sua pele branca e macia com lambidas e chupões, fazendo-a gemer de prazer. Retirou o casaco dela e se embrenhou com as mãos por debaixo de sua blusa, desabotoando o sutiã e assim deixando seus seios livres para serem tocados. Ela arqueou a coluna, num movimento que parecia que havia levado um choque. O toque dos dedos de Draco sobre os mamilos rijos e sensíveis a fez soltar uma exclamação curta de prazer.


Com a respiração ofegante, Draco se afastou para tirar a calça dela. Quando ele voltou a se aproximar, Hermione correu os dedos lentamente pelo peito largo e quente dele, descendo até o abdômen musculoso e viu que ele estremeceu quando ela continuou descendo. Olhou-o nos olhos sorrindo de lado. Eles a devoravam. Draco envolveu o rosto de Hermione e a beijou novamente com ansiedade. Ele começou a levantar a blusa dela e interromperam o beijo somente para que Draco pudesse arrancá-la de vez.


Agora de joelhos na cama, Hermione voltou a beijá-lo, descendo para o pescoço do loiro e em seguida mordendo também sua orelha. Deu mordidas mais fortes do que pretendia diante da excitação, tirando gemidos dele. Draco quase foi a loucura quando ela foi tirar a calça dele e esbarrou sem querer no seu órgão. Vendo sua reação, Hermione o empurrou, fazendo-o se deitar na cama, agora somente de cueca, e se ajoelhando em cima dele com cada perna de um lado do seu corpo, começou a tirar sua cueca vagarosamente, agora deixando-se esbarrar nele propositalmente. Depois de deixá-lo completamente nu, ela o tocou um pouco acanhada, mas quando o viu soltar um gemido gutural de prazer ao sentir os dedos pequenos dela em volta do seu membro, ela se sentiu encorajada a continuar massageando-o e arrancando gemidos cada vez mais fortes do sonserino.


Sentindo que estava bem próximo ao ápice, Draco afastou as mãos dela e fez com que trocassem de posições. E então, com a língua, brincou com os bicos excitados de Hermione, com uma habilidade invejável, apertando e atiçando-os. Hermione contorcia-se sob o corpo dele, tentando saciar o desejo que queimava seu íntimo.


As mãos trêmulas dele desceram a calcinha da garota lentamente até retirá-la por completo.


Draco disse algumas palavras carinhosas e desceu a mão pelo seu ventre até encontrar o calor e umidade da sua intimidade. Seus dedos se moveram com habilidade, provocando espasmos de prazer incontroláveis. A acariciou até fazê-la perder completamente o controle. Hermione beijava cada parte do corpo dele que estava ao seu alcançe. Forçou mais o quadril contra a sua mão.


A garota soltou uma exclamação de descontento quando Draco parou as carícias, agarrou as mãos dela e as prendeu contra o colchão da cama, ao mesmo tempo em que se posissionava entre as suas pernas. O sexo rijo roçou na barriga de Hermione. Sentia um desejo tão grande que era quase um sofrimento. Queria tudo ao mesmo tempo. Queria que aquela necessidade fosse atendida logo. Era algo maravilhoso e frustrante ao mesmo tempo.


Um sorriso vibrante se formou nos lábios de Draco ao perceber a ânsia dela e, tomado pela excitação, ele a penetrou fundo, sentindo cada centímetro da quentura e umidade dela e fazendo-a tremer com violência. Ela tentou reprimir, em vão, um grito de prazer ao sentí-lo dentro de si. Um prazer que, em toda a sua vida, jamais pensara que pudesse existir. Suas mãos agarraram as beiradas da cama com força. As mãos dele a seguraram firme pela cintura e a levantou, posicionando-a por cima dele, levantando-a e descendo-a, num ritmo constante. Fora de controle, Hermione deixou que os seus gemidos se tornassem mais altos e frequentes enquanto ela seguia o ritmo que Draco começou, sentindo-o se movimento dentro de si. Nunca tinha imaginado que algum dia se sentiria tão fora de controle, tão entregue ao prazer como naquele momento. De repente, sentiu algo tão forte que levantou a cabeça para olhá-lo, tomada pela surpresa. Em transe, agarrou os ombros de Draco, cravando suas unhas ali. Não sabia quando aquela sensação havia começado, e muito menos quando iria acabar, mas queria que durasse para sempre. Parecia que ia explodir. Gemeu com força, deixando que o gozo a levasse para outra dimensão.


Minutos depois e Hermione achava que tinha ido ao paraíso e ainda não tinha sido capaz de voltar. Draco a deitou na cama e a beijou com extrema doçura e ela descansou nos braços dele, completamente relaxada. Os dois ficaram em silêncio por um tempo, esperando que as batidas dos seus corações voltassem ao normal, assim como suas respirações.


- No que você está pensando? – ela perguntou ao olhar pra ele.


- Estou tentando me lembrar de algum outro momento na minha vida que eu tenha me sentido tão feliz. – ele sorriu pra ela – Mas é impossível.


Ela sorriu, entendendo exatamente o que ele estava falando.


- Então, eu não fiz nada idiota?


Ele riu.


- Como isso é possível? – ele lhe beijou – Você é perfeita. Muito, muito perfeita. Eu sou o cara mais sortudo do mundo.


Hermione se sentiu ser inundada por um sentimento de felicidade tão grande que achou que iria começar a chorar ali mesmo. Draco percebeu que os olhos dela tinham se enchido de lágrimas e se surpreendeu.


- Ei... Por que tá chorando? – pestanejou – Tão horrível assim?


Ela lhe deu um tapa no braço.


- Não, seu idiota! – ela riu.


- Então, agora você pode dizer que eu faço juz a minha reputação?


Ela revirou os olhos.


- Não sei não...


Ele arqueou a sobrancelha.


- Não sabe?


- Não. – respondeu – Quer dizer, eu não posso dizer que me lembro com clareza...


- Oh, - uma expressão de entendimento se espalhou pelo rosto do sonserino – então eu vou ter que refrescar sua memória, é isso?


Ela deu de ombros.


- Fazer o que, não é?


Ele soltou uma gargalhada e a puxou pra mais perto novamente, voltando a beijá-la com paixão.


- Você é mesmo perfeita...


***


N/A²: Wow! Acho que esse capítulo é o maior da fic até agora! A NC ficou enoooorme! Bom, espero que vocês tenham gostado. Espero que tenha ficado boa, sabe comé né! Rs...


Então, quero me desculpar pela demora. Eu pretendia postar dias antes, juro. Mas o que aconteceu foi o seguinte: eu estou com sérios problemas pra escrever. Sem brincadeira, acho que não escrevo nada há mais de duas semanas. Já estou ficando louca. Eu continuo postando porque eu já tenho vários capítulos prontos, só precisando ser revisados. O negócio é que quando eu fui revisar esse aqui, não gostei muito, então decidi mudar algumas coisas. Só que como eu estou com esses problemas pra escrever, tentar mudar também é um pouco complicado. Então o capítulo ficou empacado aqui no pc, com várias partes a serem mudadas, comigo empacada também. Muito tenso isso... Mas acho que essa fase já está passando...


Não vou responder os comentz de vocês dessa vez porque senão eu ia demorar mais ainda para postar e acho que ninguém quer isso né... Mas eu estou lendo cada comentário, e levando em consideração todas as dicas, sugestões... tudinho mesmo! A opinião de vcx é super importante, então não deixem de comentar...


Pro próximo capítulo... Hum, vcx vão conhecer o treinador da Hermione... ;-) Algum chute sobre ele...? Vou dar uma dica: Super hot, meninas! :-P hahaha!


Beijooos

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 24

Páginas:[1][2]
:: Página [1] ::

Enviado por Flor do Inferno em 18/12/2013

UIIIIIIIIII Muy Kaliente este capitulo, esqueceram da camisinha WTF -q então, adorei o capitulo, está muito bem elaborado, você escreve muitissimo bem, espero que sempre exponha suas fics maravilhosas, farei questão de ler e comentar a respeito sempre que puder, meus parabens, nota 1000000 se fosse possivel, por enquanto ficará na Nota 5 

Nota: 5

Páginas:[1][2]
:: Página [1] ::

Enviado por Angel_Slytherin em 06/11/2012

Que lindos!! =D

Finalmente eu consegui voltar onde eu tinha parado...

Beijos.

Nota: 5

Páginas:[1][2]
:: Página [1] ::

Enviado por Rosie Bolger em 20/10/2012

muito bom, mais é tão chato ver a hermione ainda sem falar direito com o harry e o rone

Nota: 4

Páginas:[1][2]
:: Página [1] ::

Enviado por Diênifer Santos Granger em 01/09/2012

Picanteeeeeeeeee!
Adoreeeeeeeeeeeeeeeeeeei *---*  

Nota: 5

Páginas:[1][2]
:: Página [1] ::

Enviado por Iasmim Costa em 09/02/2012

E essa visão da Luna agora?! Só pra atrapalhar logo agora que tudo tava ficando perfeito?!

Nota: 5

Páginas:[1][2]
:: Página [1] ::

Enviado por Mi Granger em 26/10/2011

Finalmente... rs


Muito bom, ótimo capítulo

Nota: 5

Páginas:[1][2]
:: Página [1] ::

Enviado por amo hp sim sim em 10/09/2011

voce quer me matar posta logo o outro capitulooooooooooooooooo

pelo amor de merlinnnn

sua fic é demais PARABENS

Nota: 5

Páginas:[1][2]
:: Página [1] ::

Enviado por Nahgreen em 31/08/2011

FINALMENTE A NOITE DELES, DELS *-* quem esperaria isso do Malfoy? u.u Muito perfeito, esperando o próximo >,<

Nota: 5

Páginas:[1][2]
:: Página [1] ::

Enviado por Any Malfoy-perfil um em 27/08/2011

perfeitooooo! super hot esse capitulo, adorei,

mas não deixa agente esperando de novo nõ tá?

ai mais esse cap tá muito maravilhoso,

se melhorar estraga,

valew por postar, bjss

Nota: 5

Páginas:[1][2]
:: Página [1] ::

Enviado por Morgana Granger Malfoy em 25/08/2011

oooooooi :) tudo bem flõr ? Eu quase infartei esperando TANTO tempo :G Mas, em compensação o capítulo ficou incrivel :] Você né ? Perfeita como sempre *-* Olha, um conselho: Não se preocupe se "está bom ou não" você escreve super bem siga seu coração (melodramático?), nós leitores sempre vamos te apoiar pra qualquer rumo que a história for tomar.. :) Entendeu ? *cara de brava* E se você demorar tanto assim, eu mesma te lasco uma maldição imperdoável: AVADA KEDAVRA :@ //parei parei :x semdrama'-' O importante é, você é uma ótima escritora & eu sou viciada na sua Fic, eu já disse que é a melhor que já li ? Então, ela é, eu realmente adoro essa hitória *-* Adoro a Pansy & a Hermione "Vadia & Sangue Ruim" Acho muito louco. haha' Mas, enfim, meus parabéns & POR FAVOR NÃO DEMORE ! UHSAUSHUAH' beeijos s2'   PS:  Não faço a mínima idéia de quem será esse treinador, mais estou suuper curiosa (6' 

Nota: 5

Páginas:[1][2]
:: Página [1] ::

Enviado por Michele Malfoy em 25/08/2011

Nossa, que capitulo perfeiito.

Mas que sonho/visão foi aquele da Luna? Ai, ai, ai... Sinto cheiro de confusão no ar.

Owwnt, que fofo a primeira vez da Mione. E esse loiro seduction ainda me mata! Ah, a NC ficou ótima =)

Estou muuuito curiosa. Não demore pra postar, tah?!

 

beeeeijo ;*

Nota: 5

Páginas:[1][2]
:: Página [1] ::

Enviado por Cho Chang Rosa em 24/08/2011

parabens pelo novo capítulo!!! adorei! espero q sua inspiração continue e que essa fase ruim tenha passado! Quer uma dica que funciona comigo? escute bastante música enquanto estiver escrevendo, isso me ajuda mto na inspiração!! espero que o cap. 18 saia logo.
bjus

Nota: 5

Páginas:[1][2]
:: Página [1] ::

Enviado por Carla Jean Malfoy em 23/08/2011

amei o capitulo e estou amando a fic espero que poste logo o novo capitulo,terminei de ler esse hoje e ja estou morrendo de ansiedade pra ler o proximo

Nota: 1

Páginas:[1][2]
:: Página [1] ::

Enviado por Carla Jean Malfoy em 22/08/2011

amei o capitulo e estou amando a fic,continue assim que ela está otima e só tende a melhorar e eu acho meu draco está perfeito nessa fic *-*

Nota: 1

Páginas:[1][2]
:: Página [1] ::

Enviado por CaroolCalixto em 22/08/2011

Amei o capitulo *--*

Nota: 5

Páginas:[1][2]
:: Página [1] ::

Enviado por Ágatha Carolline em 22/08/2011

Nossa, capítulo perfeito. E sei bem como é isso de não conseguir escrever :s e não consigo pensar em alguém para ser o treinador dela, mas como você disse que ele é hot, não sei porque, acho que ele é o cara do sonho da luna. enfim, posta looogo, não precisa revisar muitas coisas dos próximos capítulos, tenho certeza que vai estar bom :)

Nota: 1

Páginas:[1][2]
:: Página [1] ::

Enviado por Isabella C. em 22/08/2011

Uma palavra sobre esse cap: P-E-R-F-E-I-T-O

Nota: 1

Páginas:[1][2]
:: Página [1] ::

Enviado por Elisa Carvalho em 22/08/2011

Capítulo maravilhoso!! Sua fic tá cada vez melhor! =D

Espero que esse momento já tenha passado e vc esteja cheia de ideias e pronta para passá-las para nós! ;D

Bjs  e  muita inspiração!

Nota: 5

Páginas:[1][2]
:: Página [1] ::

Enviado por Iza Greenleaf em 22/08/2011
Ual, muito bom adoreIiiiI demorô, mas Postou, é o q importa heuheuheuhe aaaa tenso a visão da Luna =S Estou anciosa para o próximoO...
Nota: 1

Páginas:[1][2]
:: Página [1] ::

Enviado por Miss Perfection em 22/08/2011

adorei esse cap. Simplesmente perfeito *-*, e só pra constar odeio a Taylor kkkkkkkkkkkkkkkkk mata ela *-* kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk

Mals

bjs amei mesmo o cap e estou anciosa para o proximo

Nota: 5

Páginas:[1][2]
:: Página [1] ::

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2023
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.