FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

13. Entre o Amor e o Ódio


Fic: E Se Fosse Verdade


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

N/A: Antes de tudo, novamente, mto obrigada pelos comentários e eu espero que gostem do capítulo como gostaram do trailer.
Antes de começar o capítulo, quero dizer algumas coisas à vocês.
Esse cápitulo, foi o capítulo mais louco que já escrevi, ele não fazia parte dos meus planos, mas quando me dei conta, ele já estava pronto. O fato é que ele ficou mto forte e ficou difícil para mim aceitá-lo. Encaminhei então a minha querida beta, Sandy, que tem me apoiado e ajudado mto, e ela me flou que oq eu tinha escrito naum era algo que não pudesse acontecer. Eu fiquei mais aliviada. Mas msm assim, pensei mtooo e decidi que mudaria o que estava me incomodando. Quero deixar bem claro, q em momento algum, Harry foi até o fim (vcs vão entender durante a fic).
Não mudei completamente o contexto pq eu gostei do capítulo em si e pq se eu mudasse também, teria problemas, pois já continuei a fic e se eu mudasse completamente, teria que mudar todo o resto. Realmente, espero que gostem e que não me abandonem. Mas podem me xingar um "pouquinho" se quiserem :( ....

BяUทI.ทhá Potter Malfoy, obrigada por passar por aki... espero q goste desse cápitulo....

caroline marques, e vc... sempre deixando sua marquinha aki!!!!! Q bom q gostou do trailer, nuam vai mais ter q ficar curiosa, o cap. 13 está aqui... rs

tanne , nesse cap. o Draco vai ser um fofo!!!!!!!!!!! Como prometi, naum vou demorar!!!!!!!!!

Hermione J. Granger, q bom q está gostando... a sua tbm tah show!!!!!! Q seu ano novo tenha sido fantástico.....


Desejo q tenham passado um final de ano espetacular... e q gostem da minha fic... rs :D
BjauM!!!!!!!!!!!
PS: O próximo trailer se aproxima....




13 - Entre o Amor e o Ódio


- Mione, já sabemos de tudo, a Gina nos contou, eu realmente não acreditei naquele namoro. – disse Harry quando viu Hermione chegou na mesa do café da manhã.

Como essa ruiva consegue ser tão fofoqueira, por Merlim! O que eu vou dizer agora, que inferno!

- Não sei o que a Gina disse, mas o que ela presenciou ontem foi uma discussão entre namorados, nada de mais, tenho certeza que o Ron entende o que eu quero dizer. – ao terminar de falar Hermione, olhou para Ron, que estava com uma cara confusa. Na verdade desde que o ruivo começou a namorar Luna, tinha sempre cara de confuso e passava a sensação de estar nas nuvens, Hermione tinha duas teorias quanto a isso: ou ele estava muito apaixonado ou a distração da garota eram contagiosa.
- É eu sei bem o que é uma briga de casal, vira e mexe tenho uma dessas, mas o melhor é a reconciliação! – Completou o ruivo, já em outro mundo.
Harry lançou um olhar assassino ao amigo, ele era burro ou o que? Não era de qualquer casal que estavam falando, mas de Draco Malfoy e Mione. Antes que Harry protestasse, Mione olhou para o amigo e deu de ombros sorrindo.
- Viu, é natural!
- Mione - disse Harry tentando manter a calma -, a Gina não nos disse apenas que vocês brigaram, ela disse que você estava com o Malfoy para tirar informações dele e que ele havia descoberto.
- Você realmente acha que eu seria capaz de uma sujeira dessas, Harry? – Hermione parecia ofendida, Draco pensar aquilo era normal, afinal não eram amigos, mas Harry.... tudo bem que em um momento ela pensou em fazer isso, mas não realizou.
- Não sei... quero dizer.... foi o que a Gina disse. – Harry estava sem graça, quando terminou de falar percebeu que a castanha tinha ficado ofendida.
- Então, se a Gina disser que eu virei Comensal da Morte você vai acreditar? – perguntou exasperada.
- Não é isso... Mione, eu precisava acreditar nisso, mesmo que fosse mentira. – respondeu Harry, vencido.
- E para isso você me transforma em uma qualquer? Perdi a fome, não se atrasem para a reunião de hoje. – Hermione saiu com passos firmes, Harry pensou em ir atrás dela, porém viu um loiro se aproximar.
- Bom dia, meu amor! – após dizer isso, Draco deu um selinho em Hermione, que ficou atônita. Não esperava aquilo de Malfoy.
- Bom dia. – respondeu, de mau humor e tão baixo que ele quase não pode ouvir.
- Já tomou café da manhã? – perguntou, com o melhor dos sorrisos.
- Estou sem fome. – Hermione estava pasma, em menos de 24 horas Draco e ela, brigaram, se beijaram, brigaram de novo e agora estavam fingindo ser o casal mais feliz do mundo.
- Não quero que você fique sem comer, amor, isso pode te fazer mal! – Draco disse isso acariciando o rosto de Hermione, que ruborizou na mesma hora. – Venha, sente-se comigo.
Hermione tentou protestar, mas Draco apertou sua mão como se estivesse dizendo que ela não tinha opção.
Quando viu, estava sentada na mesa da Sonserina entre Draco e Coyle, que não estava entendendo nada. Pansy estava de frente para a garota.
- Mas que droga Draco, vendo essa sangue-ruim logo pela manhã, além de ter indigestão, vou passar o resto do dia enjoada.
- Não a chame assim, e você já é enjoada mesmo, então não vai mudar nada. – cortou Draco, ríspido.
Hermione sorriu de lado e abaixou a cabeça, enquanto Pansy olhava como se fosse matá-la a qualquer momento.
- Quer geléia na torrada, Mi? Suco de abóbora? – Draco estava atencioso demais, na opinião de Hermione.
- Não quero nada, falo sério.
- Eu também falo e você vai comer alguma coisa.
Draco estava sendo tão real, era realmente um ótimo ator. Qualquer um que olhasse acharia que eles eram namorados apaixonados. Mas ela não se enganaria no fundo sabia porque ele fazia aquilo: para ganhar tempo com Voldemort. Mas precisava ser tão real?
Depois de comer e forçar Hermione a comer também, Draco a convidou para dar uma volta antes da aula, que a garota recusou, recebendo em troca um olhar muito insatisfeito.
- Realmente não posso Draco, tenho que resolver algumas coisas antes da aula, se você não se incomoda.
- Claro que me incomodo, - ele falou sério. - tudo que me faz ficar longe de você me incomoda.
Draco sorriu. Hermione se concentrava para colocar em sua cabeça que era mentira e decidiu se levantar. Draco ficou em pé na frente dela.
- Você pode fazer o que quiser, menos sair de perto de mim sem se despedir.
E ao dizer isso a beijou, no meio do Salão Principal, na frente dos alunos e professores que ali estavam. E o pior é que após sentir as mãos de Draco em sua cintura, Hermione cedeu completamente. Esse não fora um beijo como os outros, apaixonado, mas sim um beijo necessário, como se realmente namorassem e fosse um absurdo um deixar o outro sem se beijar. Hermione se soltou de Draco e sussurrou em seu ouvido. Draco sentiu seu corpo inteiro arrepiar.
- Mais tarde quero falar com você! – e foi embora. Draco tinha uma expressão de vitória no rosto, principalmente depois de olhar para a mesa da Grifinória e ver o Cicatriz olhando para a cena com uma cara muito enfurecida.
Hermione já estava na Sala Precisa quando Tonks perguntou:
- Está tudo bem, Mione? Sabe, hoje, no Salão Principal, aquela não era você.
- Está sim Tonks, mentiu a garota, sabe como é? Namorados!
Tonks colocou um sorriso falso no rosto e não perguntou mais nada, aos poucos a sala foi se enchendo. McGonagall, Lupin, Gui, Carlinhos, Neville, Padma, Lilá, Simas, Dino, Parvati. Os últimos a chegar foram Gina, Luna, Rony e Harry, e esse estava com uma cara muito enfurecida.
- Bem, acho que todos já estão aqui, então a reunião pode começar. – iniciou McGonagall. – Vou passar a palavra à senhorita Granger.
- É... – Não posso parecer insegura! – Como todos já devem saber, eu estou namorando Draco Malfoy. – muitos começaram a falar, mas Hermione não deu espaço. – Mas como estamos em uma organização contra a Guerra e não uma reunião de fofocas, isso não importa. O que realmente importa é que como Harry nos contou no passado, Draco não matou o professor Dumbledore.
- Mas se não fosse por ele, Dumbledore estaria vivo. – lembrou Simas, irritado.
- Ele não teve opção, Voldemort, - muitos fizeram caretas na sala, poucos diziam esse nome. – como dizia, Voldemort estava ameaçando a mãe dele, e o fato é que ele continua ameaçando, e essa reunião é para que possamos ajudá-los.
- Francamente, Hermione, só porque você decidiu não se importar com os feitos de Malfoy, não quer dizer que nós teremos que fazer o mesmo! – Harry estava de pé, olhando para ela, muito bravo.
- Harry, gostaria que não levasse em conta nada de pessoal.
- E COMO? ESSA GUERRA É PESSOAL. CASO VOCÊ NÃO SAIBA, TEM UM LOUCO QUERENDO ME MATAR POR UM MOTIVO PESSOAL!
- Eu não tenho culpa, Harry. – retrucou Hermione, segura.
- Mas tem culpa de me obrigar a olhar para aquela doninha e não poder matá-lo!
- Ok, ok, garotos, acalmem-se. – era Tonks, tentando acabar com a briga. – Estão indo longe de mais, isso é para vocês discutirem sozinhos, nós não somos obrigados a participar de problemas amorosos, ok!? – Harry se sentou contrariado, enquanto Hermione olhava para os pés.
- Ok Mione, eu entendi alguma coisa, mas o que eu não entendi é o por que exatamente temos que ajudar os Malfoys?
- Draco está sendo ameaçado, Voldemort disse que caso ele não fique do seu lado matará Narcisa.
- E por que não permitimos que o desgraçado faça algo de bom na vida? – perguntou Carlinhos, naturalmente.
- Porque Dumbledore não gostaria disso! – respondeu McGonagall, deixando Carlinhos frustrado.
- E qual é o plano? – perguntou Lupin.
- Ainda não há plano, preciso da ajuda de vocês, mas Draco não pode saber.
- Como assim? Vamos salvar a raça dele e ele não vai ajudar. – Ron falou pela primeira vez.
- Ele não quer que eu me envolva, falou que é perigoso de mais. – foi a primeira bobagem que veio a cabeça dela.
- Pelo menos ele é sensato. – falou Harry a contragosto.
- Eu também acho querida. – agora quem falava era McGonagall, para o espanto de Hermione. – Essa guerra é perigosa, e talvez você não esteja preparada!
- Ninguém está professora, mas temos que encarar! – Hermione ficou surpresa com a atitude da professora, mas o resto da reunião seguiu com todos tentando bolar um plano para salvar Narcisa.
Tinham decidido que Lupin, Carlinhos, Tonks e Rony iriam ao resgate. Hermione estava decidida a ir, mas não achou prudente discutir aquilo ali, então deixou para depois. Quando todos saíram, Harry puxou Hermione.
- Precisamos conversar, agora!
- Mas Harry, nós temos aula. – protestou.
- Danem-se as aulas! – Hermione viu que não teria como fugir e simplesmente se deixou ser levada por Harry, sem saber para onde.




- Hey, Weasley, você viu a Hermione? – Ron olhou para Draco e pensou um pouco para responder.
- Se eu soubesse, o que te faz pensar que eu te contaria? – perguntou irônico.
- Porque ela já tinha que ter aparecido, eu a procurei por toda parte e Hermione não perde nenhuma aula!
- Se quer saber, vá atrás dela, agora me dê licença que vou levar minha namorada para a aula dela.
- Amor, não precisa, você vai se atrasar, eu vou correndo para não perder aula. – Luna deu um selinho em Ron. – Agora vá, quero ver se entra direitinho na sala! – Luna piscou para Ron, que sorriu e foi para a sala.
Ao ver que Rony já não a olhava mais, Luna olhou para Draco séria e falou:
- Malfoy, a Mione está com o Harry.
- E por que você está me contando?
- Você perguntou, não!? Além do mais, o Harry está fora de controle, talvez seja bom você aparecer.
- Aquele idiota, se tocar nela eu o mato. Sabe onde, Lovegood?
- Não, mas é em algum lugar reservado.
Draco não pensou duas vezes e foi direto para a sala da monitoria.




Harry a levou para a sala da monitoria, pelo menos ela estava no seu terreno. Harry puxou Hermione pelo braço o caminho todo. Quando chegou, abriu a porta e literalmente a jogou na sala, fechando a porta atrás de si.
- Eu vou tentar manter a calma, ok! Por que você está fazendo isso?
- Porque, como já te falei, Draco mudou.
- E daí?!
- E daí que eu gosto desse Draco.
- Você está brincando comigo, não é, Hermione. – Harry ria nervoso, segurava Hermione pelos braços e a chacoalhava. – Onde você quer chegar com isso, hein!? Se agarrando com aquele idiota durante o café da manhã, VOCÊ SAIU DA MESA PARA TOMAR CAFÉ COM ELE HOJE!!!! Você realmente quer me deixar LOUCO, não é?
- Harry, você está me machucando. – Hermione estava com os olhos marejados e essa frase saiu quase como um sopro.
- EU ESTOU TE MACHUCANDO, E VOCÊ, NÃO ESTÁ FAZENDO NADA COMIGO? ME FALA, NO QUE ELE É MELHOR DO QUE EU? EM QUE?
- Me solta, por favor! – Hermione estava com os olhos cheios de lágrimas. – Isso não é uma competição entre vocês.
- ISSO É O QUE VOCÊ PENSA! – Hermione tentava sair dos braços de Harry. – DESISTE, TÁ! EU NÃO VOU TE SOLTAR! AGORA ME RESPONDE, POR QUE DRACO? ELE BEIJA MELHOR QUE EU, TE AGARRA MELHOR DO QUE EU, O QUE É?
- Harry, o que você está falando? O que pensa que eu sou?
- Eu acho que te respeitei de mais e não é disso que você gosta, não é Hermione? – perguntou ameaçadoramente.
- Pára com isso, por Merlim! Estou com medo de você. – Hermione, a essa altura, chorava compulsivamente.
Harry, então, começou a beijá-la. Ele a segurava com força, com raiva, e a prendeu na parede, começando a beijar o pescoço dela.
- Harry, me solta! Por favor! – Hermione tentava se soltar em vão, Harry era muito mais forte do que ela e nesse momento estava com mais força do que o normal.
- É DISSO QUE VOCÊ GOSTA, NÃO É?
- ME SOLTA!
- LARGA ELA, SEU IDIOTA! – Draco puxou Harry e socou a cara dele.
- Seu babaca! – Harry revidou o soco.
- O QUE VOCÊ PENSA QUE ESTAVA FAZENDO, SEU IMBECIL?!? – Draco estava possesso.
Ron entrou na sala para separar os dois, ele era mais alto e mais forte do que ambos.
- JÁ CHEGA!- gritou Ron e olhou para Hermione, que estava encostada na parede, com a cabeça enfiada no joelho.
- Mione, o que aconteceu aqui?
Hermione chorava e não levantou a cabeça para responder, mas Ron pode ver que os braços da garota estavam vermelhos e a roupa dela desalinhada. Ele se deu conta de que aquilo não tinha sido obra do Malfoy, afinal o loiro tinha chegado praticamente junto com ele. Só poderia ter sido Harry.
- O que você fez, Harry? – perguntou o ruivo, tentando se manter calmo.
- E... eu... não sei! Estava fora de mim!
- ELE TENTOU AGARRAR HERMIONE À FORÇA! – Draco estava prestes a ir para cima de Harry de novo, mas antes que ele fizesse algo, Ron se colocou na frente dele e socou Harry.
- Seu idiota, você se esqueceu quem ela é? É a Hermione Granger, aquela que sempre esteve ao seu lado e nunca te julgou, aquela que passou por cima dos próprios limites para estar com você, a mulher que desde menina ARRISCOU A PRÓPRIA VIDA POR VOCÊ! Então Ron bateu novamente em Harry. – Saia daqui, AGORA, Harry, antes que eu acabe com você.
Harry saiu de cabeça baixa. Ron foi até Hermione e abaixou-se para ficar na altura em que ela estava.
- Mi, você precisa de algo?
Ela levantou a cabeça pela primeira vez, seus olhos estavam inchados de chorar, e fez que não com a cabeça. Ron fez um carinho em seu rosto e disse:
- Estarei aqui para o que precisar, você sabe, né? – ela acenou com a cabeça que sim.
Ron olhou para Malfoy e perguntou:
- Você vai cuidar dela?
- Pode deixar.
- Ótimo, vou atrás daquele idiota, ver o que aconteceu. – Ron saiu da sala, deixando Draco e Hermione sozinhos. Draco se ajoelhou na frente da garota e a fitou por um momento.
- Hermione. – ele a chamou, mas demorou um pouco para que a garota levantasse a cabeça, e, quando levantou, chorava desesperadamente.
- Por Merlim, vem aqui! – Draco puxou Hermione para si, delicadamente, e a abraçou, Hermione tremia. Draco percebeu que ela estava com a roupa desalinhada e brincou:
- Você precisa passar suas roupas. – falou, tentando um sorriso. Hermione olhou para ele, séria e um pouco mais calma.
- Obrigada, sou muito grata a você.
- Não por isso.
Hermione o abraçou sinceramente, foi à primeira vez que não sentiu apenas desejo ao sentir Draco por perto, ela sentiu segurança, queria ficar ali para sempre, nos braços dele.
- É melhor você ir para aula, podem falar bobagens por nós dois não aparecermos.
- Falem o que quiser, eu não vou deixar você sozinha.
Draco fazia carinho nos cabelos da garota, que exalavam um perfume de rosas, um cheiro doce. Era incrível como o encaixe do corpo dos dois era perfeito. Draco já não sentia nenhuma raiva da castanha, sentia pena. Como o Potter pode ter feito aquilo? Ele teria ido adiante se Draco não tivesse chegado? Hermione devia estar se sentindo traída, afinal, a pessoa em quem ela mais confiava a desrespeitou sem a menor consideração. Eles ficaram abraçados por um longo tempo, e então Hermione perguntou:
- Como você sabia que estávamos aqui?
- Lovegood. Eu fui perguntar ao Weasley onde você estava, e ele não me respondeu, mas a Lovegood falou que o Potter estava descontrolado e me contou que você estava com ele, a daí adivinhar onde estavam não foi tão difícil assim.
- Ainda bem que você apareceu.
- Esqueça, o que importa é que não aconteceu nada, quero dizer...
- Eu sei Draco, obrigada. – Draco sorriu e a abraçou mais forte, quando Hermione se levantou e virou de costas para Draco.
- Só um momento.
Hermione lançou um feitiço de reparo em sua roupa.
- Tá menos amassada agora?
Draco a fitou:
- Muito melhor.
Draco puxou a mão da grifinória e acariciou sorrindo.
- Mas eu não estou preocupado com isso. – disse sorrindo.
Hermione sorriu tristemente. – Eu estou te devendo essa! Aliás, seu nariz está sangrando.
- Não tem problema.
- Claro que tem! Te devo uma, não!?
- Não gostaria que cuidasse de mim por dívida! – respondeu com calma, segurando agora as mãos de Hermione.
- E gostaria que eu cuidasse de você por que então? – Hermione queria ouvir Draco dizer que gostava dela, que gostava que ela estivesse ao seu lado.
- Porque eu gosto de te infernizar, e se você cuidar de mim eu teria tempo o bastante para fazer isso. – Draco sorriu novamente, arrancando um meio sorriso de Hermione.
- Cuidarei de você com o maior prazer. – respondeu Hermione sinceramente.
- Às vezes eu me pergunto porque tem que ser assim? Sempre achei que depois de Hogwarts essa briga boba acabaria. – Draco sorriu tristemente e colocou as mãos no rosto de Hermione, acariciando-a.
- Eu também, respondeu, olhando para baixo. Mas ainda estamos em Hogwarts, tudo pode mudar ainda. – concluiu, olhando para o loiro sorrindo.
- Tomara, aliás, o que você queria falar comigo mais cedo?
Hermione se recompôs, Draco estava tão meigo, mas o que ela tinha a dizer não era para aquele Draco, mas sim para o Draco que encontrara de manhã.
- Eu... bem... eu ia te pedir para não ficar me beijando daquela maneira na frente de todos. – Hermione olhava para os pés.
- E quando estivermos a sós, eu posso te beijar?

Por Merlim, eu estou pedindo um beijo a Granger.

- Dra... Draco, não sei, nós estamos em uma farsa, não faz sentido, quero dizer a gente está brigado, você se lembra?
- Você realmente acha que é apenas uma farsa? – Draco estava pronto para dizer bobagens, e disse. – Hermione, eu tento sentir raiva de você e eu até consigo quando estamos longe um do outro. Mas então eu te vejo e a raiva passa, daí vem o desejo. – Draco engoliu em seco, Hermione olhava atônita para ele. – E não é só desejo de te beijar, te sentir, é desejo de ter você por perto, não posso mais negar, fico louco quando te vejo e hoje quando vi o Potter aqui... bem, eu tive vontade de matá-lo, eu o teria matado se o Weasley não tivesse chegado, não suporto a idéia de te ver sofrer. – terminou Draco, esperando uma resposta dela.
- No entanto não hesita em me fazer sofrer quando estamos juntos. – Hermione respondeu, triste.
- Eu sei, é que eu sinto raiva de mim por não sentir raiva de você, então preciso descontar em alguém!
- E por que você quer tanto me odiar?
- Porque eu nunca me senti tão traído em toda a minha vida como me senti por você, nunca me senti tão magoado. – Draco abaixou a cabeça.
- Draco, eu não queria, mas a Gina me falou coisas que fizeram com que eu duvidasse de você, me perdoe, eu estava confusa. Afinal, sempre fomos inimigos e de repente éramos amigos.
- Eu fui um tolo, afinal, depois de tudo que eu fiz, esperar que você acreditasse em mim de primeira... A culpa foi minha. E eu fiz pior, na sua primeira dúvida, te julguei e não te deixei explicar, quem te deve desculpas sou eu. – Draco abaixou a cabeça de novo.
- Hey – agora foi a vez de Hermione levantar o rosto do garoto para que eles se olhassem – , Draco, estamos desculpados, então? – Hermione sorria.
Draco abraçou forte Hermione e acariciou novamente o cabelo dela.
- Obrigado, muito obrigado!
Hermione se afastou de Draco, ainda com o rosto inchado, Draco a encarou. – É incrível, até com a cara inchada você fica linda. – Ao dizer isso, ele deu um beijo doce na face da castanha.
- Vou indo Draco.
- Não quer que eu fique com você?
- Obrigada, mas não, preciso ficar um pouco sozinha. – Hermione deu um beijo no rosto de Draco, que ficou com os dedos no local, como se quisesse sentir por mais tempo aquele beijo.


Comentem, please!!!!!!!

BjauM a todos!!





Era necessário abrir os olhos... mesmo que fosse duro demais!

- Ron, eu amo a Mione.
- Isso não é amor, Harry, amor só nos faz bem, e isso que você sente não faz bem nem a você nem a ela. Isso é obsessão ou simplesmente você está competindo ela com o Malfoy.


É sempre bom poder contar com velhos amigos.

- Como você está? – antes que Rony terminasse, Hermione pulou
no pescoço do amigo, o abraçando e chorando.


Principalmente quando se quer ficar só.

- A coisa foi séria então? – perguntou Gina, virando-se. – Ela pode estar precisando de ajuda.
- Ela quer ficar sozinha! A melhor coisa que você tem a fazer é jantar e deixar a Hermione em paz, entendeu?


Mas algumas visitas inesperadas são sempre boas, principalmente de certas pessoas...

Toc, toc.
- Hermione, sou eu!
- Draco?
- Sim.


Com o recomeço... coisas novas acontecerão...

- Fazemos assim, então, amanhã após a monitoria, nos encontramos na minha sala, ok!?
- Tenho uma idéia melhor, vamos para a torre de astronomia, o que acha? – Draco sorria.

Depois de um erro muito grave sempre vêm O Arrependimento e com ele as conseqüências....
Não percam o novo cápitulo...


Naum axei q o trailer ficou mto bom, mas... foi o melhor q consegui... :roll:
BjauM a todas!!!!!

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 1

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Angel_Slytherin em 29/04/2011

O capitulo está simplesmente LINDO! Estou suspirando aqui, imaginando o Draco Bonitão chegando e salvando o dia! *--* aiaiaia... e bem, eu estou odiando o Harry! Era de se esperar... acho eu. hehee. 

Beijos
Angel_S

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.