FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

9. Desilusões e Surpresas...


Fic: A Magia do Amor de Rony e Hermione


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

N/A: Apresento a vocês o maior capitulo da fic até agora!!!

Pessoas, tem uma parte NC no capitulo, não é nada ''muito explicito'', mas, vocês deveriam saber antes de continuar a ler!!

Agora Boa Leitura a Todos...


=========================





Cap 9:Desilusões e Surpresas...







O dia da partida de Théo finalmente tinha chegado. O fim do seu dilema? – Talvez. - Enfim, havia tomado uma decisão. A correta? Ela seguiu o coração. Foi muito difícil, perdeu as contas de quanto já tinha chorado. Mas tinha feito uma escolha, outra de tantas que já tinha feito durante a vida.

-Posso entrar?

- Claro! -Ela estava tão perdida nos próprios pensamentos, que não tinha escutado Théo bater e abrir a porta do seu quarto na Toca.

Théo estava visivelmente abalado... – Eu já vou, minha chave de portal está esperando no Ministério.

Sem nem pensar Gina pulou no seu pescoço, em um abraço de despedida. E mais uma vez, o que era comum nos ultimas dias, começou a chorar...

-Me desculpe, mas eu não posso. – dizia a ruiva entre lagrimas... – Não posso. Por favor, diz que me perdoa.Eu simplesmente não posso.

Tentando acalmar Gina que soluçava cada vez mais alto, Théo acariciou seus cabelos, apertou mais o abraço e ela foi se acalmando aos poucos.
Quando percebeu que ela já não soluçava tão alto se afastou um pouco, sentou ela na cama pegou uma cadeira e sentou-se de frente pra ela. Quando ela o encarou , ele disse.

-Eu sei que você não pode Gi. Eu entendo.

-Por Merlim diga que me perdoa, que me desculpa e que não vai me odiar! Diga por favor!?! - Disse ela voltando a chorar

Acariciando os cabelos dela novamente, e colocando atrás da orelha uma mecha que insistia em sair do rabo de cavalo ele continuou... – Eu não tenho o que desculpar, ou perdoar, você só fez o que achou certo pra você. Para nós!

- Nós... nós – ela dizia agora num sussurro... – nós não existe mais!. – terminou com a cabeça baixa.

Levantando o rosto de Gina para obriga - lá a olhar nos olhos dele novamente, ele prosseguiu... – Claro que nós existe. Sempre existirá. – o olhar de desentendimento da ruiva fez ele se explicar... – Gi, não existe mais o nós homem e mulher. O casal!Porém ainda existe e se depender de mim continuara pra sempre, o nós amigos , nós irmãos , nós cúmplices.Terminar o namoro não quer dizer que deixaremos de ser amigos , ou deixaremos de nos falar...

-Claro que não. – disse uma Gina tristonha – Você vai me enviar corujas?

-Todos os dias.

Com um sorriso triste ela o abraçou. O que sentia por Théo , era algo bem maior que um namoro.Era uma amizade verdadeira , que nunca deixaria de existir.Sabia que ir com ele era um erro.Estaria errando com ela e principalmente com ele.Ele foi seu porto seguro no momento que ela mais precisou.

-Então pra onde você vai? – ela perguntou

-Vou ficar com a minha família por 15 dias mais ou menos, e depois América Central. Depois volto a Londres , para decidirmos onde irei depois. E você, vai para onde?

-Europa. Mais volto rápido... não posso ficar muito tempo ausente de Londres , nem do hospital.

Gina não conseguia tirar os olhos dele. Deixa-lo partir não estava sendo fácil, queria que ele ficasse, mas, não podia pedi-lo para fazer isso, assim como ele também não exigiu que ela fosse com ele.

Na opinião da ruiva, Théo era tão inteligente quanto Hermione. Por causa dele, eles desenvolveram os novos tratamentos. Não que ela não tivesse mérito nisso, se esforçava muito.Ficava horas e horas estudando com ele.

’’Sempre tão paciente comigo.’’ – Com esse pensamento, ela esboçou um sorriso.. – perdeu a conta das vezes que ele ficava estudando com ela a madrugada toda, mesmo já sabendo tudo, estava sempre ali pronto para ensina-lá tudo o que ela não tinha compreendido. Hoje ela era a grande Doutora Weasley graças a ele. Sempre ele!

-Novamente, perdida nos próprios pensamentos? Perguntou Théo.

Gina olhou nos olhos dele e sorriu. Ele a conhecia tão bem... – Lembrando das madrugadas nunca dormidas. – terminou sorrindo.

-Há... Sim eu me lembro. – Disse Théo... – Quando uma ruiva muito pentelha, enchia a minha paciência para ajudá-la a estudar até quase amanhecer. -terminou sorrindo também.

-Graças a você, eu sou o que sou hoje!

-Não Gina, graças a você. Sempre a você! – vendo a ruiva negar com a cabeça, ele completou... - Ta bom, ta bom, com uma ajudinha minha.

-Obrigado.

-Você não precisa agradecer, – disse Théo.. – nunca fiz nada por obrigação.

Por causa dos novos tratamentos desenvolvidos, Théo e Gina teriam que viajar pelo mundo bruxo, divulgando e ensinando a outros Medi-bruxos tudo sobre como manipular esses novos tratamentos. Para realmente ajudar o mundo bruxo , eles teriam que tornar os novos tratamentos universal.

Gina não se agüentou e pulou no pescoço dele novamente... - Obrigado , obrigado , obrigado.Mesmo agradecendo eternamente nunca vai ser o suficiente para agradecer tudo o que você fez pra mim.-continuou Gina...- Eu vou sentir tanto a sua falta!!

-Eu também ruiva, mais isso não é um adeus, só um até logo.

-Eu sei. Isso me deixa menos triste.

Théo não queira ver Gina sofrer. Sabia que aquilo era o certo a se fazer. Estava triste.Não sabia dizer por que , mas tinha certeza que estava perdendo Gina.Perdendo pra sempre!O grande amor de sua vida.Mais afinal , nem sempre grandes amores dão certo.

-Está na hora, minha chave de portal sai em meia hora do Ministério. -Você vem comigo.- perguntou Théo.

-Não. Sabes que eu não gosto de despedidas - dizia Gina... – Você sabe que dia é hoje!?!

-A sim, o ‘’Famoso Dia’’ – disse Théo... – Você ama eles tanto assim?

-Mais do que a mim mesma.

-Então acho que essa é a nossa despedida – disse Théo puxando Gina para um beijo. Um beijo de despedida , que foi perdendo sua intensidade aos poucos, até que cessou... – Adeus minha ruiva.

-Até logo.

...


******************



Hermione estava em casa de frente para o pergaminho com seu nome escrito em cima. Não sabia o que fazer, queria muito rever os amigos, falar com eles.Fazia tanto tempo.A saudade que sentia já estava a sufocando. Harry, sentia tantas saudades... – Meu irmão querido – Com esse pensamento ela esboçou um sorriso.

Desde os tempos de guerra que não ficava tanto tempo longe do irmão que á vida tinha lhe dado.Queria tanto falar com ele de novo, e com Gina.Mas reaparecer mesmo que fosse somente para falar significaria ter que falar com Rony novamente.Depois de tudo que tinha acontecido, será que ela conseguiria?Não sabia. A magoa, a ferida no coração ainda estava aberta. Teria que pagar um preço muito alto para poder falar com os amigos de volta.


************************



...



Gina aparatou em frente a uma bela casa um pouco afastada do centro de Londres. Um lindo jardim em frente a casa , o carro sport estacionado na garagem indicava ser mais uma bela casa trouxa.

Harry Potter sabia perfeitamente como manter a aparência de uma casa trouxa. Enfim , os anos que fora obrigado a viver na Rua dos Alfineiros n°4 ,foram de alguma serventia.

Gina caminhou lentamente até a porta. Estava tão desanimada. Triste. Se não fosse o amor que nutria pelos amigos, certamente não estaria ali. Já na porta apertou a campainha.

Não foi surpresa ver Rony. Afinal ele nunca deixaria de ir.

-Entra. disse Rony

A casa era tão bonita por dentro quanto por fora. A sala era uma mistura de coisas trouxas e bruxas.

-Onde esta o Harry? – perguntou Gina

-Ele tinha que entregar um relatório ao Ministro, mais já deve estar chegando. Vamos até a cozinha , eu to preparando um lanche para nós comermos.

-Como é, Ronald Weasley cozinhando?

-É maninha. Eu moro sozinho. Lembra-se? Tenho que me virar!

-E quando foi que você começou a envenenar as pessoas?

-Muito engraçada Weasley. Depois de viver a vida quase toda com a sua mãe, eu tinha que saber fazer alguma coisa. – disse Rony, levando a mão ao rosto, dando um ar de pensativo... – Imagina o que ela diria se soubesse que você acha que eu enveneno as pessoas, depois de aprender com ela.

-Você não contaria. – disse Gina ficando vermelha

-Você duvida maninha.

...


Harry aparatou no quintal, que ficava nos fundos da casa, entrou pela porta da cozinha e viu pela expressão no rosto dos amigos que tinha acabado de evitar uma discussão.

-Oi gente. – Harry se apressou a dizer, uma discussão ao modo Weasley era tudo o que menos eles precisavam naquele momento... -Rony a comida ta pronta, por que eu to faminto. –Harry deu um abraço em Gina e sentou-se para comer, não queria presenciar uma discussão, a noite já seria tensa demais, longa demais. Eles não precisavam brigar.
Os três começaram a comer em silencio, cada um com o seu próprio pensamento, Mais todos voltados para a mesma pessoa. Hermione



Faltavam menos de cinco minutos - Ta quase na hora – Harry levantou... – Melhor nós irmos ali pra sala.


Assim como quando Gina foi embora, eles não iriam ao Três Vassouras. Tinham decidido que o dia do quarteto tinha acabado até que os quatro pudessem se encontrar novamente.

Mas para Hermione, - Harry lembrava - O fato de Gina estar longe, em outro pais, era mais um motivo pra eles se encontrarem. Devia a amiga o fato de nunca ter perdido contato com Gina.Eles voltarem a se falar, também era mérito de Hermione.

Lembrava-se como se fosse hoje o dia que Hermione lhes contará como não perderiam o contato enquanto Gina estivesse fora.

...



****** Há uns seis anos atrás, mais ou menos******





Harry Tinha acabado de comprar a casa onde iria morar. Era uma bela casa, em um bairro trouxa de Londres. Com dois andares, um jardim na frente e nos fundos da casa.

Era aconchegante.

Esse foi o motivo de Harry ter optado por ela dentre tantas que já tinha visto.

Dia de mudança. Já tinha comprado todos os moveis. Estava em casa, ia arrumar tudo com a ajuda de Rony e Hermione.

-Harry, estamos aqui o dia todo, vamos parar para comer alguma coisa!Meu estomago já está começando a reclamar. – disse Rony e Harry ouviu um ronco vindo do amigo...

-Comer alguma coisa! –Harry parou de levitar o sofá, para olhar pro amigo... – Se eu me lembro bem, depois do café e do almoço, você comeu uma fruta, uns sapos de chocolate, feijõeszinhos de todos os sabores...

-Metade da torta que a mamãe mandou. - Rony emendou com um sorriso

-Exato – Harry continuou... – ainda bebeu metade da jarra de suco de abóbora. Como você consegue pensar em almoço? Não cabe mais nada ai dentro de você!

-Claro que cabe!Eu preciso repor minhas energias. Você conhece maneira mais eficiente do que comendo?

-Do jeito que você come!Nossa quanta energia pra repor!Assim, parece até que você faz muitas coisas, para te consumir tantas energias.

-E eu faço.

-Faz!?O que, por exemplo!

-Os estudos pra Auror, as aulas praticas especificamente... Quadribol... As palestras que nós temos dado sobre a guerra... SUA mudança... e também tem a Mione, quanta energia ela me consome – Rony sorriu maroto... – Quando a Mione resolve...

-Para Rony, eu não preciso saber dos detalhes – Harry fez uma careta... – ela é minha irmã. Vocês são meus amigos!

Rony só alargou mais o Sorriso.

-Falando nisso, cadê a Mione? – Harry perguntou

-Eu não sei, ela disse que tinha uma coisa importante pra resolver, mas que depois vinha pra cá. – Rony olhou as horas... – Já estou me preocupando, está ficando tarde...

-Não precisa mais se preocupar , eu estou aqui.


Hermione vinha entrando pela porta da frente.
Oi amor – Rony deu um beijo nela... – Onde você estava?

-Resolvendo uns assuntos importantes.

-Que assuntos? Harry perguntou

-Você já vai entender Harry – Ela tirou a varinha do bolso... – Esse sofá não ficou legal aqui. – E com um aceno, ela colocou o sofá do outro lado da sala... – Bem melhor!Agora sentem- se que eu vou explicar.

Os dois se olharam rapidamente e se sentaram.

-Vocês se lembram que dia é amanhã? Ela perguntou

-Lembramos.

- Mione – Rony continuou... – Amanhã acabou até a Gina voltar, isso já esta decidido!

-Não acabou não.

- Acabou sim. – Harry concordou com Rony

- Eu to falando que não acabou!! – Hermione permaneceu irredutível...

-Mione – foi a vez de Harry continuar... – Nós já tínhamos concordado que sem um de nós, não haveria comemoração, e a Gina não estará aqui, então...

Hermione interrompeu... – Então nada. Eu já resolvi tudo, nós continuaremos comemorando o dia de amanhã, eu já conversei com a Gina...

-Você conversou com a Gina? – Harry perguntou espantado
Sim, e ela concordou...

-Ela concordou com o que? – Rony também estava espantado.

-Ok! – Hermione se levantou... – Vocês querem ou não entender o que está acontecendo?

-Queremos!

-Então eu conto, e vocês escutam – Com a voz um pouco mais alta ela continuou... – É uma longa história – Ela se sentou novamente... – Então, por favor, não interrompam. Entendido?

Eles só afirmaram com a cabeça.

-Sim eu conversei com a Gina sobre amanhã... e ela concordou comigo.Eu vou explicar. – Ela emendou quando viu que eles iriam retrucar... então ela começou a explicar por que sumiu de dia inteiro... – Eu não acho certo, nós não comemorarmos o nosso dia, então resolvi que tinha que fazer alguma coisa pra mudar isso.Passei os últimos dias, tentando encontrar uma solução para que nós quatro pudéssemos estar juntos de alguma forma, e acabei tendo uma idéia... eu não sei se vocês vão gostar, mas é nossa única solução...antes de contar, eu quero que vocês concordem comigo, seja qual for a minha idéia.O que vocês me dizem?

-Qualquer coisa se eu puder falar com a Gina de novo. – Harry disse

-Eu confio em você meu amor – Rony sorria... – Eu topo, seja lá o que for.

Hermione sorriu, era só de uma confirmação dos amigos que ela precisava.Se ajoelhou em frente a uma mesa de centro que também decorava a sala, seguida pelos dois... ela tirou da bolsa,três pergaminhos e colocou de frente para cada um deles.

Harry notou que em cima de cada pergaminho tinha o nome de um deles... – Agora explica Mione!

-Eu enfeiticei esses pergaminhos, com um feitiço antigo, com ele nós poderemos nos comunicar,e não é preciso que estejamos perto um do outro para isso.

Rony agora estava bem confuso... – Não to entendendo!

-É simples – Hermione tentou explicar... – Vocês perceberam que o pergaminho de cada um de nós tem o nome do dono escrito em cima, certo? – Ela estava tão empolgada que nem deixou eles responderem... – O feitiço que eu lancei neles foi um feitiço de união, os pergaminhos estão interligados... os nossos e o da Gina.

Deixa eu ver se entendi, Rony falou... - Então esses pergaminhos vão nos permitir falar com a Gina. Mesmo ela estando longe?

-Sim. – disse Hermione

Rony olhou de Harry, que tinha uma expressão de entendimento, para Hermione... – Ta... ta, parece que eu sou o único boiando aqui – Agora a expressão dele era de quem queria muito entender... – Mione, me explica!De onde você tirou essa idéia? E como nós vamos conseguir falar com a Gina?

-Simples, eu peguei uma tecnologia trouxa, e aperfeiçoei, para poder se adequar melhor a nós que somos bruxos.

-E o que faz essa coisa trouxa?

-Ela permite que as pessoas se comuniquem longes ou não, sem precisar estar presente fisicamente. E me baseando nisso eu criei esse pergaminho, ele irá permitir que nós possamos nos comunicar mesmo que um de nós não esteja presente.

-E que tecnologia trouxa é essa? Rony perguntou

Harry finalmente tinha conseguido entender, então ele mesmo respondeu... - MSN! – Harry sorriu – Mione, você ainda consegue me surpreender. Você é brilhante!E com toda certeza esse pergaminho é bem melhor que o MSN, não?

Hermione tinha certeza que Harry entenderia rápido, afinal ele foi criado entre trouxas, e na casa dos tios dele com toda certeza tinha computador, internet, mundo virtual, MSN... - O pergaminho faz tudo o que o MSN faz Harry, só que é tudo ao modo bruxo... fica mais fácil assim pro Rony e pra Gina.

Rony tentou chamar a atenção pra si... – Pessoal, eu não sou nascido trouxa, e nem convivi com eles, então vocês podem fazer o favor de me explicar detalhadamente o que esse bendito pergaminho faz!! -... E cruzou os braços, esperando que os amigos explicassem.

Harry e Hermione sorriram...

Hermione então tentou explicar de um jeito que Rony entendesse... – Meu amor, a Gi tem um igual a esse, então amanhã no horário de sempre , é só nos tocarmos o pergaminho com as nossas varinhas, assim eles se unem,então nós poderemos ver a Gina...quer dizer uma imagem da Gina, mais será uma imagem atual, nós conversaremos em tempo real, como se estivéssemos todos no mesmo lugar. E diferente do MSN, que é trouxa, nós não precisaremos escrever nada, é só falarmos que os outros irão ouvir


- To entendendo...

Hermione continuou... – Assim, nós continuaremos comemorando, de um jeito ou de outro nós quatro estaremos juntos.

Harry conhecia muito bem o gênio forte de Gina... – Mione, eu ainda não consigo acreditar que a Gina tenha concordado com isso. Como foi que você falou com ela?

-Foi muito difícil convencer a Gina! Hoje pela manhã, eu fui ao Ministério e consegui uma chave de portal de urgência com a Tonks para a Bulgária, eu fiquei lá o dia inteiro, tentando convencer a Gi, no final ela acabou concordando em ficar com o pergaminho, e disse que vai se ‘conectar’ amanhã pra falar conosco.

- Será que ela vem?

- Não sei Harry, eu espero verdadeiramente que sim, acho que consegui convence-la, mas, teremos que esperar até amanhã para saber.

Rony então resolveu por um fim a conversa... – Então não vamos mais nos preocupar com isso, amanhã na hora de sempre, nós esperamos a Gina... conheço minha irmã, e se ela ficou com o pergaminho ela virá.

Harry e Hermione sorriram novamente.

Hermione se levantou e rodou os olhos pela sala... – Harry nesta sala só ta faltando umas lembranças nossas – e com um aceno de varinha fez surgir vários portas-retrato com fotos deles quatro... –Agora ta perfeito! To com fome , vamos comer.

– Há não Mione, outro Rony na minha vida eu não agüento! - Harry disse sarcástico...



****** Voltando a Realidade******




...



Já na sala eles sentaram-se em frente a uma mesinha, onde em cima estava os pergaminhos, cada um escrito com o nomes deles.Gina, Harry e Rony...
Quando o relógio marcou exatamente oito e trinta, foi Harry que começou.

Harry estava feliz por finalmente, depois de quase um ano, ter um contanto com a amiga... – Oi Mione.

A saudação foi repetida por Gina e Rony.


Nada. Nenhuma resposta



************************



A hora finalmente tinha chegado, ainda indecisa, resolveu escutar a conversa dos amigos.
Foi com dor e um imenso alivio que ouviu Harry chamar o seu nome.
Ainda estava indecisa.Ouviu Gina.Sua grande amiga.Sempre seria, mesmo estando longe.
Mas quando ouviu Rony, viu que não conseguiria encara-lo ainda. Resolveu ficar quieta.

*************************






- Hermione , fala alguma coisa! – Harry continuou


Nada


Rony levantou-se começando a se irritar, nem percebeu quando derrubou um porta retrato... – Vocês não estão vendo que tudo isso é inútil, ela não vai falar.

Por um momento, Rony se esqueceu que Hermione podia vê-lo e ouvi-lo... – Depois de quase um ano sem dar noticias, sinal de vida, vocês acham mesmo que ela vai se dar ao trabalho de falar. – Rony estava colocando em palavras tudo o que ele estava sentindo há meses, mais se proibia de falar... – Quase um ano! Ela foi embora, ao que tudo indica por minha causa , e eu nem sei o porquê!!

- Rony assim você não esta ajudando. Disse Gina

-Ah, eu não estou ajudando! Por favor Gina!! – disse com a raiva e a decepção contida em cada palavra – A Srta. Sabe tudo vai embora, foge sem dar explicações, e no dia que realmente importa. O dia que nós colocamos acima de qualquer coisa, ela finge que não ta escutando.

-Ronald , deixa de ser idiota – Gina também se levantou... – Se você , assim como nós, realmente quer que ela apareça, não deveria estar fazendo “elogios” tão legais. Não acha?

-O que foi vai defendê-la agora? – disse Rony aos berros

-Não grite comigo estúpido.

-Eu grito com quem eu quiser!!

-PAREM VOCÊS DOIS! AGORA! – Harry se virou novamente para o pergaminho... – Mione, nós sabemos que você está ai, então fale alguma coisa.Aparece Mione!


O silêncio continuava

Gina resolveu se intrometer...

-Mi, eu sei que você esta ai ouvindo – foi a vez de Gina falar... – É um direito seu não querer aparecer, nem falar, mas, eu me lembro o dia que eu tentei esquecer esse dia, e você me lembrou o quanto ele era importante para nós!Então agora chegou a minha vez de lembra isso a você. Nada pode estragar esse dia. Lembra? - Nada, por que ele é mais importante que nós, que nossos sentimentos.E você lembra por que? - Por que esse é o dia que nós escolhemos para representar a nossa amizade. Deixar tudo de lado por ele, significa que ainda acreditamos que nossa amizade é verdadeira, que sempre estaremos aqui um pelo outro, independente das magoas. – Gina sabia que Mione se sensibilizaria com essas palavras... – Mione esse é o dia que não importa cada um de nós individualmente e sim nós quatro em um só.Eu estou aqui na casa do Harry por nós. Hoje é sempre por nós, e eu tenho certeza que você sabe disso. E então Srta. Hermione Granger o que me diz?


Silêncio


Rony que tinha se sentando enquanto Gina falava esperando que Hermione entendesse se irritou novamente, ela não poderia esta fazendo aquilo. Não a Hermione que ele conhecia. Não a Hermione valente e que se entregava pelos amigos que ele conhecia, alias essa Hermione que tinha fugido, pelos fatos, por causa dele, ele não conhecia. Por que se fosse à verdadeira Hermione, teria ficado e enfrentado ele, como ela sempre fazia, seja por que fosse... – Não adianta , ela não vai aparecer, eu vou embora.- Rony já se encaminhava para a porta.

-Mione, você sabe que sem você.Sem um de nós esse dia não existe. - Harry dizia , a esperança de pelos menos falar com Hermione se esvaindo, ele se importava , ela era sua irmã, ficar sem noticias era doloroso... – Já que você acha que não deve aparecer, eu digo em nome de todos nós que esse dia acaba hoje.


Silêncio.



******************

Não sabia o que fazer.Começou a caminhar de um lado para o outro.Ouviu a briga dos irmãos por sua causa.Ouviu Harry dizer que o dia do quarteto teria seu fim naquele dia.Não agüentou, as lagrimas saiam sem que ela conseguisse deter.

******************





...


Rony abriu a porta, mas antes de ir se virou para os amigos... - Eu pensei que pelo menos ela entendesse o significado desse dia. Que pelo menos ela respeitaria vocês. Que ela entendesse pelo menos o significado daquela frase. O significado da nossa amizade!

...



*******************

Porém ouvir Rony dizer que ela desrespeitava os amigos! Que ela não ligava para aquele dia.... – Ele ta dizendo que eu sou egoísta e que não dou a mínima para meus amigos! - Foi demais.Ela limpou o rosto.Juntou toda a coragem que possuía... – Eu sou uma Grifinória! – Apontou a varinha para o pergaminho... - Você está insinuando que eu esqueci que a nossa amizade sempre estará acima de tudo? Eu nunca esqueci disso, Ronald!!

*******************


...

Rony sabia que com suas ultimas palavras ela apareceria, ou pelo menos era o que esperava, sorriu ao ver que estava certo... – “Conheço você muito bem Hermione!” – ele pensou... – Então você resolveu vir!?! ... ele se virou para poder vê- lá ... – Ao que devemos à honra da sua visita?

Rony não queria demonstrar o que estava sentindo, não queria que ela soubesse que ele estava sofrendo com a ausência dela... que ele tentava... estava tentando viver sem ela.

O breve momento de felicidade passou quando olhou nos olhos dela e viu que o olhar que ela lançava a ele transmitia magoa... decepção.

- Não se sinta honrado Ronald! – Já que estava na chuva tinha que se molhar... – Eu não vim por você... vim pelo respeito e amor que tenho pelos meus amigos.

Rony levou a mão ao queixo novamente, como tinha feito minutos antes na cozinha com Gina, dando um ar sarcástico... – Pelo o que eu sei, me corrija se eu estiver enganado, eu também sou seu amigo!!!

-Você está enganado Ronald, o meu amigo morreu no dia em que eu deixei Londres!

- Morreu! Não me diga. - Rony estava se controlando para não gritar... – Você desaparece no meio da noite, sem dar explicações e eu morro!Grandes novidades na sua vida Hermione. – Ele sentou-se ao lado de Harry e Gina... – Há mais alguma coisa que nós devemos saber?- Terminou apontando para eles três.

- Não Ronald, não há nada de novo... mesmo que houvesse eu não contaria a você.

Harry e Gina que estavam esquecidos na sala, olhavam constrangidos. Eram meros espectadores.


Rony respirou fundo tentando se controlar, não podia gritar ou Hermione sumiria dali e ele não saberia o porquê de ela ter ido embora... – Então Hermione, se você não queria me ver, por que apareceu aqui?

-Simples Ronald, meus amigos estão aqui hoje.

-Pensei que você estivesse se esquecido que tinha amigos aqui.

Hermione nunca se esqueceria... se ele soubesse o motivo pelo qual ela não queria estar ali naquele momento... – Eu nunca me esqueceria Ronald, vocês estão acima de tudo pra mim. – E antes que Rony pudesse responder ou contestar ela se virou para Harry e Gina... – Eu estava com tantas saudades de vocês, vocês nem imaginam a falta que me fazem.

-Eu imagino Mione por que é a mesma saudade que sinto de você! – Harry disse

-Harry é tão bom ver você novamente. – Hermione se segurava para não chorar, Harry era o irmão que nunca teve!

Harry sentia o coração bater menos pesado, finalmente teria noticias de Hermione... – Eu queria tanto poder abraçar você Mione.

-Eu também Harry, mas, isso não é possível.

-Por que Mione, é só você me dizer onde mora!?!

-Harry por favor não me peça isso, você não sabe como dói, não poder ver você, não poder falar com vocês... Eu me sinto tão vazia sem vocês por perto.

-Então volta Mione!

-Eu não posso Harry, agora a minha vida é aqui.

-Então me diz em que lugar da Espanha você mora? Assim eu posso ir ai, a Gina também pode, assim você não ficará mais sozinha.

-Harry por favor...

- Ok Mione, está bem eu não vou insistir. – Harry sabia que não poderia continuar insistindo, teria o resto da noite para tentar convencer Hermione a lhe dar seu endereço... – Então me diz como você esta?O que esta fazendo? Seu trabalho? Eu quero saber tudo o que você fez durante esse ano Mione!

- Harry eu não...

-Mione eu sou ou não sou seu amigo?Eu só quero saber como você está... e nada de respostas vagas, eu sou seu irmão e quero saber tudo!!

Vendo o sorriso no rosto de Harry, Hermione não resistiu contaria tudo... ou quase tudo... – Eu estou ótima. – Ela sabia que isso era em partes uma mentira... – Estou trabalhando bastante no Ministério...

- E o que você faz no Ministério?

- Eu dou aulas no curso para aurores... fui promovida, agora sou chefe do departamento do curso, mais continuo dando aulas.

- Parabéns Mione.

- Obrigado Harry.

Rony não conseguiu mais se calar e perguntou... – E o que você esta fazendo agora?

Por um instante Hermione se esqueceu que Rony também estava ali... para evitar brigas resolveu responder... – Agora eu estou de férias!

- Você de férias? Rony perguntou boquiaberto

-Sim, eu estava precisando de um descanso, foi necessário!

Harry também parecia não acreditar... – Você ta doente Mione?

- Não, eu não to! Por quê?

-Você de férias Mione , a essa época do ano... é surpreendente.

-Harry se você me visse agora, de verdade... e não essa imagem que esses pergaminhos projetam... você se surpreenderia com muitas coisas na minha vida... eu mudei Harry. – Com um pequeno sorriso... um sorriso triste, ela continuou... – E como mudei!!

Então me conta Mione, que mudanças são essas??

- Não Harry, você não entenderia.

- Tenta explicar!

- Não posso...

Novamente o silêncio.

Harry não queria, mas tinha que perguntar, tinha que saber, ou pelo menos tentar descobrir... – Mione por que você foi embora? E sem avisar ninguém... sem se despedir?

- Isso não importa mais Harry.

Rony não conseguiria mais se controlar, Harry fez a pergunta que ele queria fazer. Como não importava... – Pra mim importa. Por que você foi embora?


Hermione se virou incrédula, ele sabia por que ela tinha ido embora, e agora estava se fazendo de desentendido... – Você sabe por que eu sai de Londres!

-Não sei não... se soubesse não estaria perguntando.

Então ele estava certo, ela tinha saído de Londres por causa dele, e ele nem sabia o por quê!


- Não finja que não sabe Ronald.


- Mas eu realmente não sei. – quando é que ela entenderia... – Me diga, por que você foi embora?

- Você é mesmo hipócrita Weasley, você sabe muito bem por que eu sai de Londres.

Será que ela nunca entenderia que ele não fazia a mínima idéia... – Eu não sei Mione, por favor, se eu tenho culpa me diz, assim nós...

- Nós, não existe Ronald, e não me chame de Mione.

- Tudo bem, eu só quero entender!

Ele não podia ser tão cínico... – Ah você não entende? - a raiva já estava falando mais alto para ela... – Você realmente não entende? – quando ouviu a confirmação dele ela continuou... – Então Ronald pense, mais pense muito bem, lembre-se do dia em que eu sai de Londres, talvez isso te de algumas respostas , se é que você já não tem todas...

- Hermione por favor acredita em mim!- ele disse isso aos gritos

- RONALD ENTENDA UMA COISA... A MENINA QUE VOCÊ CONHECEU... QUE ACREDITAVA EM VOCÊ, E SEMPRE VOLTAVA ATRAZ EM UMA BRIGA... MORREU NO DIA EM QUE EU SAI DE LONDRES!... VOCÊ ENTENDEU, ELA M-O-R-R-E-U. – ela não podia gritar tinha que controlar a voz... – Nada do que você me diga vai me fazer acreditar em você.

Silêncio

Rony estava triste, tinha esperança que qualquer mal entendido com Hermione ficasse esclarecido... – Então nada ira adiantar , não é Hermione, é melhor mesmo que as coisas fiquem como estão...

- Ótimo, enfim chegamos a um acordo.

- Já que é assim , eu não tenho mais nada o que fazer aqui. – Rony se levantou para ir embora... – Mas escuta uma coisa Hermione... vai chegar o dia em que isso tudo será esclarecido e você verá que eu não tenho culpa e ira me pedir perdão... só que será tarde demais Hermione, eu não irei perdoar...

Hermione podia jurar ter visto uma lagrima brotar nos olhos dele, porém ele virou-se no mesmo instante... – Esqueça Ronald, esse dia nunca chegará!!!

Antes de sair Rony virou- se para ela novamente... se ela não queria acreditar nele dana-se , agora era ele que estava pouco se importando... –Só mais uma coisa, fique sabendo Granger... se o seu amigo morreu no dia em que você deixou Londres, a minha amiga, a mulher com quem eu pretendia viver o resto da minha vida, acabou de morrer agora! Eu não quero mais saber de você, não quero mais noticias suas, não quero saber de mais nada que venha de você... Tudo o que vem de você Hermione, não me interessa mais! – E sabe por que? – Por que pra mim , a partir de hoje Hermione Granger não existe mais... nunca existiu!

- Faço minhas as suas palavras Ronald...

Depois disso Rony saiu batendo a porta.

Depois da saída de Rony, Hermione não agüentou... deixou as lagrimas caírem.

Harry não conseguia ver a amiga assim... – Mione...

-Não foi nada Harry – Ela não conseguia parar, os soluços estavam cada vez mais altos.

- Mione por favor me explica por que... – Harry foi interrompido por um barulho na casa de Hermione... – Tem alguém ai com você Mione?

Hermione se assustou não esperava nenhum barulho àquela hora... teria que ir embora ou... – Não é nada Harry, é só o... Vitor... é.. e...ele esta aqui comigo, mandou um beijo pra vocês... Eu tenho que ir!

- Não Mione fica mais um pouco.

-Não Harry, eu realmente preciso. – ela não queria ir, mas, não podia mais ficar... – Harry, por favor, não tente mais me achar... é inútil. – Eu amo vocês... nunca se esqueça disso. – Com um pequeno sorriso ela sumiu.


...





Depois que Rony bateu a porta, deixou finalmente a lagrima cair, não podia fazer mais nada, não sabia o que fazer... então deixaria o destino resolver, enquanto isso seguiria com a própria vida... mesmo sem ela.
Pegou o telefone celular no bolso, que tinha comprado depois de muita insistência de Harry e Gina, e discou o numero... – Alô... Oi Lilá, então quer sair comigo essa noite?




...



Harry queria Hermione novamente em sua vida, mais sabia que enquanto os dois amigos não se entendessem isso não seria possível... Com o tempo chegou a conclusão de que Hermione tinha ido embora por causa de Rony, mais ainda não sabia o por que... ou talvez estivesse enganado.

- Vocês são dois cabeçudos, mais eu tenho certeza que de uma forma ou de outra um dia a Mione ainda volta...

Harry se levantou, ia atrás de Rony... – Do jeito que aquele cabeçudo é, vai acabar fazendo alguma besteira. – foi quando percebeu Gina sentada encolhida ao lado do sofá, chorando. Tinha esquecido dela... que ela estava ali. Harry se ajoelhou ao lado dela... – Gi você ainda esta aqui, por que esta chorando?

- Harry dói tanto vê-los assim, eu não queria, não depois de tudo... depois da guerra!
Harry sentou ao lado dela e a abraçou... – Eu também não Gina, mas nós não podemos fazer nada.

- Harry eu queria tanto poder ajudar meu irmão e a Mione.

- Shiiiiiiiiii – Harry tentava acalma- lá.... – Não chora Gi, eu sei que se você pudesse iria ajuda–los.

Gina chorava cada vez mais... – Harry eu me sinto tão mal com essa situação, não consigo mais ver o Rony sofrer escondido e a Mione...

- O que tem a Mione?

- Não é nada Harry...

- Gina confia em mim!

- Eu confio Harry... mas não é nada, é só que... você viu hoje, a Mione também ta sofrendo, eu queria poder ajuda-los, mais eu não posso. – ela continuava soluçando... – espero que o Rony um dia possa me perdoar!!!

- Gina, eu sei que você realmente espera esta fazendo o certo, que você nunca faria nada que prejudicasse o Rony e a Mione... eu confio em você!

Gina levantou o rosto para olhá-lo... – Obrigado Harry, é bom saber que tem alguém que confia em você.
- Gi, eu não sei o que você anda fazendo , mais eu sei que você espera esta ajudando o Rony e a Mione... eu só quero que você saiba que eu estou aqui, que você pode contar comigo.

- Obrigada Harry. – Gina tentou escolher as palavras, não queria que Harry entendesse errado... – Será que... eu po..posso ficar por aqui mais um pouco, não quero voltar assim pra Toca, mamãe ficaria preocupada.

- Claro Gi... e já que você vai ficar mais um pouco, vou pegar alguma coisa para nós bebermos, assim nós podemos por a conversa em dia.

Harry saiu da sala, passou pelo corredor, foi até a cozinha e voltou com duas taças e uma garrafa de vinho.

- Gi só tenho bebidas trouxas. Algum problema?

- Não Harry, eu convivi tanto tempo com o Théo , que me acostumei com as coisas trouxas.

Eles passaram o tempo ali conversando, como antigamente.


- E o Théo, ele já foi?

- Sim ele foi hoje. – novamente ela não conseguiu conter as lagrimas.

- Gina não fique assim, pelo que você me contou, era necessário ele ir embora.

- Realmente foi necessário, mais isso não faz com que seja menos doloroso.

- Eu sei Gina... eu sei como é ver a pessoa que você gosta ir embora, e não poder fazer nada!

Os repentinos momentos de silêncio, parecia mesmo querer fazer parte daquela noite.

Foi Gina quem quebrou o silêncio... – E a Lin?

- O que tem ela?

Gina não sabia se poderia perguntar, a verdade era que desde o dia na boate estava curiosa... – Por que vocês terminaram?

- Eu não sei.

- Como não sabe. – Gina sorriu... – É melhor nós pararmos de beber, já estamos na metade da segunda garrafa, e você não esta mais dizendo coisa com coisa.

Harry nem percebera que eles já conversavam a um tempo, e que realmente já era a segunda garrafa de vinho... – Eu realmente não sei Gi. – eles já estavam ficando meio aéreos... – É serio, um dia a Lin chegou e simplesmente terminou comigo.

- E o que você fez?

- Quando eu pedi uma explicação, ela disse que um dia eu entenderia. – Harry pensou um pouco e continuou... - a Lin é valente, guerreira pra que ver por fora, e ela realmente é, mas, se você tem a oportunidade de conviver com ela descobre o quanto ela e sensível, verdadeira, amiga e linda. – Harry sorriu abobalhado... – As vezes eu tenho a impressão de que a Lin sente coisas que nós não sentimos, eu não sei por que terminamos, mas a Lin continua na minha vida e isso é o que importa, eu aprendi a confiar nas coisas que ela fala sem questionar.

Gina viu o sorriso abobalhado de Harry ao falar de Lin e sentiu um pouco de ciúmes... ciúmes que não deveria existir, afinal eles eram apenas amigos... – Ela é muito importante para você, não é Harry?

- Você não tem idéia de quanto. A Lin foi a minha luz, o meu caminho quando eu pensei estar só... foi ela que me iluminou, que me fez ter vontade de viver novamente.

Gina não entendeu... – Mas eu pensei que depois da guerra, você ficaria bem e que...

Harry não deixou ela terminar... – Eu também Gi, mas com o fim da guerra, eu... eu perdi você novamente.

- Harry vamos esquecer isso. – Gina olhava para o chão.

Harry foi até ela e levantou-lhe o rosto para que pudessem se olhar... – Não dá para esquecer Gina, não dá... por que o que eu sinto por você continua aqui. – ele apontou para o próprio coração... – Talvez hoje até mais forte que antes.

- Harry não vamos falar sobre isso.

Harry foi chegando mais perto de Gina, não sabia o que o estava encorajando, talvez fosse o vinho, quando ele estava a centímetros da boca dela... ela o deteu...

- Não Harry, nós vamos acabar nos magoando novamente. – Ela sabia que se ele continuasse não resistiria...

- Só um beijo Gi, eu só quero matar a saudade. – E antes que ela pudesse contestar ele a beijou.

Um beijo calmo no inicio... inocente que transmitia o amor que eles sentiam, mas que se negavam a viver. Depois de alguns segundos, Harry não agüentou ele precisava de mais... aprofundou o beijo.

- Harry não... nós não podemos. – Gina estava perdendo os sentidos com aquele beijo... – Harry, por favor...


Harry não queria parar e de alguma forma sabia que Gina também não. Com um movimento rápido deitou Gina no chão da sala, onde há poucos minutos atrás estavam conversando.

O beijo foi ficando cada vez mais intenso mais cheio de paixão... ele se viu obrigado a parar... precisava respirar.

Gina também estava ofegante, mais a parte lúcida de sua consciência dizia que ela tinha que parar, mesmo que não quisesse... Théo tinha ido embora um pouco mais cedo, ainda tinha a briga de Rony e Hermione... seus pensamentos foram varridos por mais um beijo de Harry, um beijo mais intenso que o anterior, com mais vontade, um beijo que pedia mais... – Harry nós... nós não podemos.

Harry parou o beijo e a olhou nos olhos... – Gi, eu só quero te sentir minha, pelo menos uma vez. - Harry não a forçaria a nada, a queria muito, mais, deixaria ela decidir, ficou ali a observando, se perdendo no mel dos olhos dela.

Seus corpos estavam juntos agora. Podia sentir a maciez e o calor dos seios em seu peito e suas pernas se enroscarem. Se pudesse beijá-la, ao menos, seria o homem mais feliz da terra.
Percorreu o corpo feminino com as mãos, moldando os quadris, a cintura, os seios. Eles pareciam estar desabrochando como flores.
Queria saborear aquele momento de perfeição e não pensar no amanhã. Seu desejo foi realizado. Lábios quentes e doces se fecharam sobre os dele.

Ele se virou para ela e suspirou de alívio. Gina estava dominada pelo desejo. Queria os beijos, as carícias dele. Queria sentir seu corpo nu pressionado ao dela, dentro do dela.

Harry não hesitou e tirou a blusa de Gina, só quando sentiu as unhas dela arranhando suas costas que percebeu que ele também estava sem camisa.
As caricias, as mãos de ambos percorrendo o corpo do outro, tentando reconhecer cada centímetro.

Não demorou os sapatos, a saia de Gina e a calça de Harry estavam jogadas pelo chão da sala.

Harry parou de beijar-lhe a boca e começou a lhe cobrir a face com beijos tentadores que sabia a excitariam.
A Gina que conhecia, a menina, não existia mais, no lugar estava uma linda mulher sensual e vibrante...

Gina não conseguiria mais parar, ela não queria parar... estava entregue aos desejos as caricias... – Harry lá em cima, eu quero lá em cima. – ela sussurrou.

Com mais um movimento rápido Harry a pegou no colo e aparatou no quarto, aparatar não era a melhor opção, ele podia subir as escadas, mais não queria perder nem um minuto.

Sem parar de beijá-la Harry a deitou na cama, só se afastou um pouco para poder olha-lá.

Gina percebeu o olhar dele sobre o corpo dela... era um olhar cheio de paixão de desejo... – Harry não me olha assim. – Ela estava vermelha.

Harry sorriu... – Você é linda Gina! – e antes dela falar alguma coisa ele voltou a beija- lá.E alguns segundos depois eles estavam nus.Harry voltou a beijar- lhe a boca, o pescoço, os seios...


Gina sussurrou seu nome. Suas mãos mágicas contaram o que ele queria saber; levaram-no a um mundo que pensara nunca mais encontrar, num ritual silencioso que não necessitava de palavras.
Posicionou-a sobre seu corpo e abraçou-a mais uma vez. Finalmente seus corpos haviam se encaixado em um só.
Dizer que formavam um par perfeito seria pouco. Seus corpos eram feitos um para o outro. Em poucos instantes, movidos por um ritmo primitivo, explodiram em êxtase.

A paixão estampada nos olhos dos dois.



...


*************************

Depois de toda aquela conversa Hermione se sentia péssima... As lagrima voltaram depois que ela disse adeus, mas não poderia mais ficar, não conseguiria... alguns segundos passados, ou talvez longos minutos ela se recuperou, limpou as lagrimas e subiu as escadas de onde o barulho ficava cada vez mais alto. Agora Hermione tinha uma vida e seguiria em frente mesmo longe de todos... mesmo longe de Ron...

*************************



...




A cama estava repleta de lençóis amarrotados, entre os quais Harry podia ver a suave curva dos quadris e uma parte da longa perna branca com sardas. O restante do corpo feminino estava coberto pelos finos lençóis de linho brancos e perfumados. Sobre o travesseiro, viam-se os cabelos ruivos que tentavam em vão ocultar um rosto de traços perfeitos.
Aquela era Gina. Finalmente sua Gina.

Recostado na grade da sacada de uma pequena varanda dentro do quarto, Harry permitiu-se um sorriso. Era muito cedo ainda, mas o sol já estava quente contra as suas costas nuas. Ele havia saído para o terraço logo após o banho, e vestia apenas a calça do pijama. Ali, àquela hora da manhã, os únicos olhos curiosos, capazes de vê-lo, pertenciam às gaivotas que voavam levadas pelas correntes de ar da manhã.

Harry demorou um tempo até ouvir que alguém o chamava no andar debaixo.

-Potter eu não vou subir, então não me deixe ficar aqui berrando e desça logo. Eu trouxe o café.

-Lin! - Harry se assustou, tinha esquecido completamente que tinha marcado com ela, pela manhã...

– Logo essa manhã. – saiu do quarto e desceu a escada a passos largos.

-Então cara pálida, me conta. - Começou Lin eufórica... - Mione apareceu?Como ela esta?Você descobriu onde ela esta?Ela vai voltar pra Londres?E o Rony, como reagiu?E a Gina?O que houve Harry, por que você ta pálido desse jeito, e com essa cara?

Harry a puxou pelo braço indo pra cozinha.

- O que houve Harry, por que o espanto?O que esta acontecendo?

-Lin... – Harry não sabia por onde começar – É que... eu quero dizer... na verdade.

-Potter é melhor você contar logo, ou eu vou descobrir sozinha. – Lin já ia saindo da cozinha em busca de uma pista que explicasse o nervosismo de Harry...

- É a Gina. Ela ta aqui Lin. – Harry não sabia como dizer isso a Lin, resolveu falar tudo de uma vez.. – Ela passou a noite aqui.

Lin parou onde estava e virou-se para olhar Harry. Só então percebeu os trajes que ele vestia... - Se ela dormiu aqui! E você está vestido assim! Quer dizer então que vocês, finalmente?

Harry estava com vergonha, a reação de Lin talvez não fosse nada boa.

– Eu não posso estar imaginando coisas Potter. – Lin virou-se para Harry e abriu o melhor dos seus sorrisos.

Agora Harry que estava confuso.

-Não acredito. – Lin correu para abraçá-lo... – Vocês se acertaram finalmente?

Harry não se deteve e também sorriu. Lin sempre fora uma grande amiga. Sempre!



...


A manhã chegou com sua luminosidade cristalina. O sol que entrava pela janela aberta indo em direção a seu rosto a despertou.Por um momento , um breve momento, se esqueceu onde estava.Sentou-se na cama e se espreguiçou.Era o que ela sempre fazia pela manhã.
Só então abriu os olhos e viu onde estava. Só então se lembrou de tudo o que tinha acontecido na noite passada. Nada poderia desculpar a sua fraqueza na noite anterior. Deu um pulo da cama, e começou a procurar as roupas. Só encontrou a lingerie, o restante deveria estar no mesmo lugar que foram largadas na noite anterior. Vestiu-se e jogou uma camisa de Harry por cima. Começou a descer as escadas em busca das outras roupas. Nunca iria se perdoar, pela noite passada. Não se perdoaria pela própria fraqueza. Não iria deixar que Harry a machucasse novamente.
Foi até a sala, onde provavelmente ainda estariam suas roupas.


...


Harry escutou alguém descendo as escadas , só poderia ser Gina.

-Lin... – Harry começou , quando a garota interrompeu o abraço... – Deve ser ela... eu tenho que ir.

- Sem problemas Harry!Eu vou sair aqui mesmo pela cozinha. – Já na porta ela se virou pro ex-namorado, agora seu grande amigo parecendo confusa... - Como eu não percebi nada quando cheguei? Deve ter roupas espalhadas pela casa toda.

- Lin, você não percebeu por que é você. – Harry sorriu.

- Ta me chamando de Lerda Potter?

-Não, minha querida, só um pouco desligada.

Ela jogou a primeira coisa que encontrou em cima dele. Harry desviou e sorriu.

Lin também sorriu se virou e foi embora.

Harry foi em direção ao barulho com o coração na mão.Será que depois de viverem tão intensamente aquela noite de amor, eles enfim se entenderiam?

Gina percebeu a presença do moreno. Incapaz de encarar Harry, Gina começou a vestir a roupa. Ele continuou observando.
Não conseguindo mais suportar o silêncio ela falou...


- Olhe, sobre ontem à noite, eu não pretendia...

- Eu sei. Nem eu. Mas aconteceu.

- Mas não deveria ter acontecido.

Harry perdeu todas as esperanças. Pensou que finalmente estava tudo resolvido entre eles.

- Por que não? – Harry perguntou incrédulo.

- Por que é errado. Esta tudo errado! Nós já tentamos uma vez e não deu certo. Nunca dará certo. Nós só vamos nos magoar novamente.

Com um movimento abrupto, Harry começou a andar de um lado para outro... -Isso é ridículo. Por que não conseguimos mais nos comunicar. Estamos conversando, mas não existe sintonia.

Gina suspirou. Na noite anterior, a comunicação entre eles havia sido maravilhosa. À luz do dia, entretanto, reconhecia que haviam cometido um terrível erro. Para remediá-lo, a única saída era tentar esquecer tudo e continuarem seguindo suas vidas.

Fez um sinal afirmativo com a cabeça em resposta ao protesto de Harry. A verdade era que não conseguira se controlar. A partir do momento em que Harry deitara a cabeça em seu peito e murmurara seu nome numa voz sensual, o mundo deixara de existir.

Poderia tê-lo detido. Bastaria uma palavra, um gesto. Harry não era o tipo de homem que coagia uma mulher. Mas enxergara além de sua beleza e de sua masculinidade. Vira o homem ferido, o homem que sempre amou desde criança. Fora um erro fatal. Não resistira. Entregara-se à mercê do desejo, quente e doce como mel. Agora teria de conviver com o peso de sua culpa.

- Sempre acreditei que a culpa era um desperdício de energia, mas isso não significa que eu não seja capaz de sentir remorso por atos que não pude evitar e por outros que incentivei. - Gina declarou como se tivesse colocando os pensamentos em palavras.

- Não quero seu remorso - ele murmurou... - O problema é que o tempo, não é negociável. - Harry continuou... - Nenhum de nós pode voltar atrás. Nossa única escolha é a direção que pretendemos seguir.

- Eu já fiz minha escolha. - Gina concluiu.

- Devo deduzir que pretende continuar com a sua vida , como se nada tivesse acontecido, como se a noite de ontem não tivesse existido?

- Sim é o que eu pretendo!Afinal, o que houve ontem à noite...

- Quando fizemos amor? - Harry provocou.

- Amor?

- Está bem, sexo. Soa mais real?

- Não - Gina respondeu com um fio de voz... - Ainda não consigo acreditar que tenha acontecido.

- Oh, mas aconteceu. Entretanto, se você prefere fingir que não, vou lhe dar uma notícia que a deixará mais tranqüila. Também vou fingir que nada aconteceu. Quando nós encontramos novamente , não vou lembrar dessa noite.Vou trata-la como deveria ter tratado sempre.Como a irmã caçula do meu melhor amigo.

A dor que Gina sentiu deveria ter ficado estampada em seu rosto, ou então Harry tivera o poder de enxergar em seu coração outra vez.

- Não gosto de magoar as pessoas, mas parece que vivo fazendo isso com você. Disse Harry

-É verdade Harry. – Gina pretendia não sair ferida, mas se enganou... -Parece que eu ainda não aprendi como dete-lô. Mas com certeza essa foi a ultima vez.

Gina já vestida pegou a varinha em cima da mesa e aparatou sem mais nenhuma palavra.

Harry subiu pra se vestir.Depois de tudo , resolveu chegar mais cedo no trabalho.


...


Um mês depois da conversa com Hermione. Um mês depois da noite de Harry e Gina, e nada mais foi dito. Ela e Harry realmente fingiam que nada tinha acontecido.

Rony, esse estava cada vez trabalhando mais, e mesmo depois de Gina e Harry, separadamente, terem questionado muito a decisão dele, ele tinha começado a namorar a Lavander.

Gina estava na sua sala no Sts.Mungus com uma carta de Théo, eles não deixaram de se corresponder.
Na carta Théo contava sobre a família e o pais que estava agora... estava tão desligada que nem escutou a batida na porta.

Natália sua secretaria depois de muito insistir acabou entrando.

- Sim Nath, pode falar.

- Doutora Weasley são seus exames, eles acabaram de chegar. – Nath depositou um envelope sobre a mesa de Gina.

- Ah, sim Nath, obrigada. – disse ela voltando sua atenção à carta.

Eram exames de rotina, no hospital todos os médicos tinham que fazer um check-up de seis em seis meses.

Já na porta Nath se virou para Gina novamente... – Doutora Weasley, será que posso ir almoçar agora, se a senhora não estiver precisando de mim.

- Pode sim Nath, e nada de Doutora Weasley, só Gina por favor. – Gina sorriu para a jovem secretaria... – Afinal nós temos quase a mesma idade.

Nath afirmou com um gesto e saiu da sala.

Gina novamente voltou sua atenção a carta, pegou papel e pergaminho para poder responder a Théo, depois ainda teria que rever uns relatórios.


...


Harry estava em um bar trouxa esperando Lin, ela estava meia hora atrasada... – Como sempre. Mulheres!!!

- Oi cara pálida!

- Lin, se eu não me engano, nós marcamos a meia hora atrás. – Harry não gostava de esperar, e Lin sabia disso.

- Ah, qual é Harry, eu tentei chegar no horário mais não deu ok !!

- Como sempre não é garota.

- Ta de mau humor é Potter. – Lin viu que Harry estava com cara de poucos amigos... – Se tiver me avisa, por que eu vou embora agora mesmo.

- Desculpa... – Harry não podia pegar pesado com ela, afinal ela não tinha culpa...– Me desculpa!

- Ta desculpado. – Lin sorriu... – Você sabe que eu te amo! Agora me diz, por que o mau-humor?

- Não é nada. Vamos comer. – Harry chamou o garçom e pediu dois sanduíches com sucos... – Você vai querer suco de que Lin?

- Adivinha.

Harry sabia o que ela gostava, a conhecia muito bem, assim como ela o conhecia, e Lin sabia que aquela cara de poucos amigos, que o acompanhava desde a noite com Gina, significava que alguma coisa tinha saído errada e ela descobriria o que era.

- Um de abacaxi para ela , e um de laranja para mim por favor.

- Agora conta, Potter!

- Contar o que?

- O que esta te deixando com essa cara.

- É a única que eu tenho.

- Foi com a Gina não é?

- O que tem a Gina?

Desde o dia que Lin tinha flagrado Harry e Gina, ele nunca mais tinha tocado no assunto, ela tinha sido paciente até aquele momento...

– To esperando você me dizer, o que tem ela?

- Por que você não pergunta a ela Lin?

Harry sabia que precisava desabafar com alguém, tentar desfazer o nó na garganta, o embrulho no estomago, que estava sentindo desde a noite com Gina. Conversar com Lin o ajudaria, mais duvidava que conseguisse falar.

- Olha aqui Harry, nós dois sabemos que você vai acabar me contando o que houve entre vocês, então para de bancar a donzela e desembucha logo.

- Ta ok... eu conto. – Harry sabia que acabaria contando pra Lin, nem Rony sabia o que tinha acontecido aquela noite, mas Lin o conhecia muito bem... – Bom você já sabe que Gina ficou lá em casa aquele dia, que nós passamos a noite juntos...

- Pula essa parte Harry, que isso eu já sei. O que aconteceu depois?

- Nada.

- Como assim?

- Isso mesmo Lin, não aconteceu nada. – ele precisava desabafar... – Gina simplesmente disse que era para nós fingirmos que nada aconteceu...

- Ela fez isso?

-Fez. - Harry ainda não conseguia, ou não queria acreditar... - Ela disse que aquela noite foi um erro.

- E depois?

- Depois nós brigamos, e ela foi embora... desde aquele dia que nós não conversamos.

- Mas e os domingos na Toca?

- Ela só é educada comigo, e eu com ela... para ninguém perguntar nada.

-Sei. – Agora Lin estava entendendo o porquê da cara de Harry... - Como você esta?

- Péssimo!

- Eu imagino. – Lin tinha que entender o que estava acontecendo para tentar ajudar Harry, e para entender só perguntando... - Harry como foi que aconteceu?

- Como aconteceu o que Lin?

- Como que você e a Gina acabaram dormindo juntos?

- Nós estávamos lá, ela estava triste pelo Théo, o Rony e a Mione. – Harry começou a contar, relembrando cada minuto, cada momento, como se tivesse vivido aquilo tudo há minutos atrás...

- Ela estava chorando, e não queria voltar pra Toca, eu peguei um vinho nós começamos a beber e a conversar...

- E depois?

- Depois eu acabei beijando ela, ela correspondeu... acabou acontecendo!

- Sobre o que vocês conversaram?

- Sobre nossas vidas nos últimos anos... ela falou um pouco do Théo, perguntou de você...

- Ela perguntou sobre mim? O que você falou?

- Sim ela perguntou, quis saber por que nós tínhamos terminado, eu contei, mais disse a ela que eu compreendia você e que o mais importante era que você ainda esta na minha vida.

- Harry basicamente você disse a ela, que nós terminamos mais que você ainda me quer na sua vida. - Lin estava começando a entender Gina... – Que sou importante pra você. Foi isso que você disse?

- Sim, mais ou menos isso... – Vendo Lin soltar uma sonora gargalhada e se jogar para trás na cadeira ele continuou... – Eu disse a verdade. Você é muito importante para mim!Por que você ta rindo Lindsay? Eu não to vendo graça!

- Por que eu to rindo. – Ela sentou novamente ereta na cadeira e o olhou séria... - Me poupe Harry Potter, eu to rindo por que vocês homens são uns idiotas.

- Como...

- É verdade, eu entendo a Gina.

- E você pode me explicar por que, Lindsay?

- Claro, e não me chame de Lindsay! – Harry só a chamava assim, quando estava furioso com ela... –Você é um idiota e vou explicar por que... - A Gina estava frágil aquele dia, o namorado dela Tinha ido embora, ela viu que duas das pessoas que ela mais gosta estão sofrendo, e pelo o que eu sei, vocês não podem fazer nada. Ainda tem a briga de vocês, o motivo pelo fim do namoro... quando ela acordou na manhã seguinte, ela viu o que tinha feito, deve ter se arrependido...

- Mas...

- Mais nada Harry, escuta. – Lin continuou... – Ela se arrependeu sim, mas não por você, no mínimo ela deve estar com ódio dela mesmo por não ter resistido. Ela não quer um relacionamento agora, muito menos com você, as coisas para ela já estavam resolvidas, vocês eram amigos, só amigos! Contudo depois disso, ela não deve saber o que fazer.

Harry estava mais confuso que antes.

-Harry entenda a Gina esta confusa.

- Mas Lin eu pensei que ela ainda gostasse de mim!

- E ela provavelmente gosta Harry, por isso a confusão, ela já tinha uma escolha feita, uma decisão tomada, vocês eram amigos, agora ela não deve saber lidar com o que aconteceu. – Lin viu que Harry estava bastante confuso... – Harry Gina é uma mulher, somos mulheres. Mesmo a Gina decidida e durona que você, Rony e Mione me descreveram, mesmo ela Harry tem seus momentos de fraqueza de confusão, pelo simples fato de ser uma mulher!! – Lin terminou com sabedoria.

- E o que eu devo fazer?

- Nada. Deixe que ela pense. Ela também deve estar se perguntando qual a minha importância na sua vida!

- Como assim?

- Harry, você me disse que ela perguntou por mim, e pelo o que você disse a ela, ela ainda deve estar se perguntando se somos mesmo só amigos!!!

- Quanto a isso, eu não posso fazer nada, você é importante para mim, ela vai acabar se acostumando e...

Harry se calou abruptamente e lentamente sobre o olhar indagador de Lin foi fechando os olhos...




...


Gina terminava de ler o relatório, já tinha respondido a carta de Théo, e Nath a secretária já estava de volta do almoço.

Agora ela só tinha que ver seus exames, exames de rotina que ela gostava de fazer, assim tinha certeza sobre sua saúde, e esses exames ainda tranqüilizavam uma Sra. Weasley que teimava em dizer que ela estava muito magra.

Gina levantou–se para chamar Nath...

– Nath você pode, me trazer um suco de abóbora?

- Posso Gina.

-Obrigado! – Assim ela voltou para a sala, e pegou os exames para poder enfim vê-los.

Os exames lhe davam a certeza de que estava tudo bem com a sua saúde... – Mas espera ai! – Gina não conseguia acreditar... – Não, isso só pode ser uma brincadeira.

- Aqui esta seu suco Doutora Weasley.

- Obrigado Nath, pode sair. – Gina estava tão concentrada nos exames que não reparou na secretária a chamando de Doutora Weasley.

Gina precisava fazer alguma coisa agora, e a primeira decisão seria... – Eu não acredito nisso!!!

Ela sentou na cadeira novamente, se recostou e tentou ficar o mais relaxada possível, depois de uns minutos tentando se concentrar ela falou... – Oi Harry!

- Gina o que você esta fazendo aqui, você não faz isso desde a guerra!

- Me desculpe Harry, eu não deveria mas...

- Aconteceu alguma coisa Gina? – A voz de Harry transmitia preocupação... – Para você restabelecer a sua conexão com a minha mente deve ter acontecido!?

- Não é nada grave Harry, eu preciso falar com você, esse foi o jeito mais fácil que encontrei...

- E as pulseiras?

- Com as pulseiras Rony e Hermione também saberiam, e meu assunto é particular, espero que não se importe.

- Gina eu não sei como você ainda consegue invadir minha mente.

- Eu não invadi Harry, você abre para mim, mais deixa isso, você pode vir aqui no Hospital agora, preciso falar com você? – A voz dela transmitia preocupação.

- Posso. – Harry sabia que deveria ser algo grave... - Em cinco minutos to ai, só tenho que me despedir da Lin.

- Lin?

- Isso, já to chegando Gina!

Com um movimento, ele fechou a mente e Gina voltou a abrir os olhos, em sua sala no hospital.



...


No bar, Lin continuava tentando chamar a atenção de Harry... – Harry, fala alguma coisa, já estou me preocupando!!

- Não foi nada Lin. – Harry disse a amiga, após reabrir os olhos... - É só a Gina, ela falou comigo, pela mente, mas depois te explico Lin, agora tenho que ir. Pra ela fazer isso deve ser sério.

- Ta, mas depois quero saber o que é isso de papo pela mente. – Lin sorriu, mais viu preocupação no rosto de Harry, deveria ser muito seio mesmo... – Pode ir.

Harry levantou–se da mesa e beijou a bochecha de Lin. – Te amo! – disse sorrindo também.

- Eu também te amo cara pálida.

- Lin ainda vou descobrir de onde você tirou esse apelido. – Harry saiu rindo, mas a preocupação apertando o peito. Procurou uma rua deserta de onde ele aparatou no hospital.


...


Harry passou pela secretária de Gina que permitiu sua entrada na sala da Doutora.

Gina estava sentada na mesa de olhos fechados.

- O que aconteceu Gina?

Gina levou um susto e levantou de supetão... – Harry!


Harry começava a ficar nervoso... – Diz logo Gina, foi alguma coisa com o Rony?

- Não , é que...

- Então foi a Mione?

- Também não Harry, foi só...

Harry se preocupava mais, Gina não falava nunca... – Então foi o Sirius. Aconteceu alguma coisa com ele?

- O Sirius está bem Harry. Não é nada...

- Então seus pais, algum Weasley ou eu, o que Houve...

- HARRY POTTER SENTE-SE AI AGORA E ESCUTE O QUE EU TENHO PARA TE FALAR - Gina estava sem paciência alguma... - Não tente fazer suposições. Só estamos perdendo tempo e você nunca adivinharia o que eu tenho para lhe contar.

- Ta bom Gina pode falar. – Harry voltou sua atenção a ela.

- Obrigada. – Agora com toda a atenção voltada para si Gina não sabia o que dizer... – Harry é que...

- Seja o que for diga logo Gina!

- É que eu não sei como dizer!!

- Gi... – Harry levantou para poder olhar melhor Gina... – Seja lá o que for é só dizer Ok!!

Gina simplesmente afirmou com um gesto de cabeça...

- Ok! Harry eu... – Ela respirou profundamente e olhando para ele disse de uma vez... - Eu estou grávida!

Harry fitava Gina sem expressão alguma em seu rosto, mas internamente estava desesperado. Não sabia se estava ouvindo direito. Talvez não estivesse. Quem sabe estivesse ouvindo coisas?
Não sabia se o que ouvia lhe agradava ou não, apenas se sentiu um estranho.

Harry sentia que seus pensamentos haviam se tornado num ciclone, tal a força com que rodeavam sua cabeça. Estava a ponto de enlouquecer quando viu o mundo se fechar a sua frente.

Havia desmaiado.

- Homens! – Gina se levantou para acudir Harry... – Todos iguais.



=========================





N/A:Finalmente o cap. postado... Obrigado pela paciência de vcs!
E podem esperar, que ainda essa semana tem os caps. 10, 11 e 12.

Beijos Té mais...

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 0

Nenhum comentário para este capítulo!

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.