FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

ATENÇÃO: Esta fic pode conter linguagem e conteúdo inapropriados para menores de idade então o leitor está concordando com os termos descritos.

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

5. A decisão..!


Fic: A conquista de um grande amor..! (RL/NT) ~~* capítulo 07 postado..! *~~


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

“Tonks,

Sei que é arriscado está escrevendo, mas é extremamente necessário. Eu acho que Harry, Rony e Hermione estão aqui na Escócia. Hoje mais cedo eu me encontrei com Hermione, ela estava um pouco diferente mais não irreconhecível, tentei falar com ela mais ela fugiu, parece que não queria que ninguém soubesse que eles estão por aqui.
Peço que você avise a Molly com um pouco de cuidado, pois ela não pode vir para cá, seria arriscado demais, você é a única pessoa além de mim que sabe disso, peço que comunique apenas a Minerva e aos Weasley.
As coisas por aqui estão correndo bem, já sei o endereço dos Botheller, amanhã pretendo investigar os arredores da casa. Estou tendo um pouco de problemas com a história que inventei sobre minha vida, todos querem saber sobre os detalhes, mas até agora esse é o único problema.
Bom, espero que você esteja bem. Tome muito cuidado, parece que não mas a Inglaterra continua muito perigosa.

Atenciosamente, Remus Lupin.”


Já era domingo à noite, ela mal tinha chegado da loja dos gêmeos quando uma coruja bicou a janela de seu quarto, ela pegou o pergaminho meio em alerta, não esperava uma coruja de ninguém, mas, quando viu de quem era ela abriu apressadamente e começou a ler.

Tonks leu e re-leu a carta diversas vezes, ela não podia acreditar que Lupin havia escolhido ela para dar uma notícia tão importante.

Depois de alguns instantes sentada na cama olhando para o nada, Tonks se deu conta de que tinha que tomar banho e descer para o jantar.

Trinta minutos mais tarde Tonks estava descendo as escadas, ela tropeçava em tudo, pois estava muito nervosa, ,não sabia como falar para a Sra. Weasley que sabia onde o filho dela estava só que ela não poderia ir até lá ainda.

--- Olá minha querida, eu nem vi você chegar. – falou a Sra. Weasley.

--- É que eu subi direto para o meu quarto. – respondeu Tonks.

--- Mas sente-se, já vou servir o jantar.

Tonks estava sem jeito, era difícil isso acontecer, mas ela realmente não sabia como agir pois não podia esconder e não podia falar na lata e depois implorar à Sra. Weasley para que não fosse para a Escócia.

--- O que houve Tonks? – perguntou Jorge.

--- Você está tão estranha. – completou Fred.

--- É impressão de vocês. – dizendo isso Tonks mudou a cor dos cabelos involuntariamente para um mesclado de rosa, verde, azul e preto.

--- É, estamos vendo que é só nossa impressão. – falou Jorge quase rindo.

--- Acho que o fato do seu cabelo está todo colorido não confirma a nossa hipótese. – completou Fred.

Nessa hora a Sra. Weasley que estava na outra extremidade da cozinha se virou para ver se era verdade o que os gêmeos tinham acabado de dizer.

--- Er... Ah... Isso... É... Bem... – Tonks começou a tentar se explicar.

--- Não é preciso se explicar Tonks. – disse Jorge.

--- Sabemos que você está sentindo falta do Lupin. – completou Fred com um sorrisinho maroto.

--- Meninos, que inconveniência, sinceramente... – repreendeu-os a Sra. Weasley que agora estava pondo o jantar à mesa, e continuou: - Vão chamar o pai de vocês por favor.

--- É Fred, parece que as mulheres querem, ficar a sós... Vamos... – falou Jorge.

--- Minha querida, o que houve? Algum problema? – perguntou a Sra. Weasley depois de um tempo que os gêmeos saíram.

--- Na-não... Ne-nenhum não... – respondeu Tonks sem conseguir encará-la.

Nesse exato momentos os gêmeos e o Sr. Weasley entraram na cozinha.

--- Olá Tonks. – cumprimentou o Sr. Weasley meio espantado como cabelo da menina.

--- Er... Oi. – Tonks tinha acabado de perceber que seu cabelo ainda estava todo colorido, rapidamente ela se concentrou, fechou os olhos e quando abriu eles já estavam no tom de rosa que ela quase sempre usava.

--- Bom, vamos comer? Estou com muita fome! – falou Jorge se sentando rapidamente.

O jantar foi bem tranqüilo. Tonks não falou quase nada, mas os gêmeos falaram por ela, contaram como tinha sido o dia na loja e contaram que depois que fecharam a loja eles foram dar um passeio com Tonks.

Para ela o dia tinha sido muito bom, foi bastante divertido passar o dia todo na loja dos gêmeos, foi bem engraçado. E depois eles foram para um pequeno barzinho bruxo que ficava lá perto e ficaram conversando o resto do dia.

Todos já tinham terminado de comer, era a oportunidade ideal para Tonks falar sobre o que sabia.

--- Er... Molly, Arthur... – começou ela num tom de voz bastante nervoso.

--- O que foi minha querida? – perguntou uma Sra. Weasley preocupada.

--- Eu não sei como dizer, mas peço que vocês mantenham a calma e não façam nenhuma besteira.

--- O que você sabe Tonks? – perguntou um Sr. Weasley visivelmente muito nervoso.

--- O Rony... – Tonks começou a explicar.

--- O que aconteceu com ele? Ele está bem não está? – perguntou a Sra. Weasley atropelando as palavras. Os gêmeos olhavam para Tonks com um ar de preocupação.

--- Está, está sim...

--- Então o que que houve? – perguntou Fred.

--- Er... Ainda a pouco eu recebi uma coruja do Lupin e ele viu a Hermione lá na Escócia, então ele está achando que o Rony e o Harry também estejam lá. – falou Tonks de uma vez só.

--- Ah meu Merlin! Arthur nós temos que ir para a Escócia. – falou a Sra. Weasley desesperada.

--- Não, vocês não podem! Seria muito arriscado! – falou uma Tonks muito nervosa.

--- Molly, acalme-se. – falou o Sr. Weasley abraçando-a. A bruxa já estava de pé, os gêmeos estavam estáticos e o Sr. Weasley estava muito nervoso.

--- Arthur... E-ele é só um me-menino, é um-muito perigoso... Te-temos que ir buscá-lo... – falou a Sra. Weasley começando a chorar.

--- Não mamãe, seria mais perigoso ainda... Imagina, teria muitos membros da Ordem por lá. – falou Jorge tentando acalmar a mãe.

--- Molly por favor, acalme-se, o Ron está bem, não é preciso ficar assim, ele está bem! – falou Tonks.

--- Eu quero o meu filho, eu quero o meu filho! – a Sra. Weasley já estava quase gritando.

--- Mamãe acalmasse... Por favor! – disse Fred.

--- O Ron está bem Molly, ele está bem... Não é preciso se preocupar, e além disso o Remus e o Moody estão lá também... – disse o Sr. Weasley com a voz falha.

--- É muito perigoso, eles são apenas garotos! Nós temos que buscá-los Arthur, eu não me perdoaria se acontecesse alguma coisa com um dos três! – falou a Sra. Weasley aparentemente mais calma e sentando-se novamente na cadeira.

--- Molly, nós já conversamos sobre isso... Você já concordou que os três já tem idade o suficiente para fazerem escolhas sérias. – disse o Sr. Weasley.

--- Artur, uma coisa é eu não fazer nada porque eu não sei onde eles estão, outra totalmente diferente é saber onde eles estão e ficar parada!

--- Molly, se eles chegaram até a Escócia é porque eles sabem o que estão fazendo! Eles não foram para lá a toa. Talvez eles saibam mais do que a Ordem. Molly, por Merlin, eles não são mais crianças!

--- Artur,você precisa me entender, eu sou mãe...

--- E eu sou pai... Eu estou preocupado com o meu filho e com os outros, mas nós temos que fazer o melhor para todos, e o melhor para eles definitivamente não é que agente chegue lá e os obriguem a voltar para casa!

A Sra. Weasley, não falou nada, Artur tinha razão, ela não podia chegar e dizer: “Vamos para casa meninos! Fiz biscoitinhos em forma de vassoura para vocês!”. Seria muito arriscado e perigoso, além de muito arrogante da parte dela.

Tonks estava parada e calada, não queria se meter nos assuntos da família, os gêmeos estavam aparentemente nervosos e o Sr. Weasley olhava para Molly com um certo desespero.

Depois de uma certo tempo, foi Tonks que cortou o silêncio:

--- Er... Pessoal, eu vou dormir, já está tarde... Boa noite.

--- Nós também vamos. – disse Jorge.

Fred, Jorge e Tonks saíram da cozinha, todos eles queriam deixar o Sr. E a Sra. Weasley conversarem.

Tonks foi deitar-se mais estava totalmente sem sono, então ela pegou a carta de Lupin e re-leu:

“Poxa... Ele ao menos deu digamos que, uma satisfação, sobre a viagem. Que fofo, ele até demonstrou preocupação comigo! Estou com tantas saudades Remus... Muita saudade mesmo! Por que eu não pude ir? Não estou fazendo nada de interessante no Ministério! Eu adoraria conhecer a Escócia, ainda mais com o Remus ao meu lado! Tudo bem que agente teria que combater o Voldemort, mas depois disso agente poderia continuar com o ‘passeio’ ia ser bastante interessante!”

Tonks ficou bastante tempo ali olhando para aquela carta, e acabou adormecendo com ela em suas mãos.

*****

Tonks acordou sobressaltada, já estava atrasada para ir trabalhar. Ela se levantou com pressa, foi até o banheiro, lavou o rosto, escovou os dentes, vestiu suas vestes e desceu as escadas com muita pressa.

Chegando na sala dos Black ela se deparou com o Sr Weasley sentado em uma das inúmeras poltronas, ele aparentava preocupação e parecia não ter dormido aquela noite.

--- Bom dia Tonks, estava te esperando, vamos?

--- Er... Desculpa pela demora.

--- Está tudo bem.

Eles então saíram rapidamente da casa e só pararam quando chegaram em um beco deserto, onde aparataram.

Segundos depois eles estavam em outro beco deserto, perto do Ministério da Magia, e em poucos minutos os dois estavam em suas respectivas salas.

“ Que bom que hoje é o dia da ronda, não agüento mais ficar aqui dentro escrevendo um monte de coisa chata! “

Tonks não demorou na sala, logo saiu para se encontrar com Kingsley, eles iriam fazer a ronda juntos, Tonks sabia que não encontraria nenhum comensal, mas não podia bater de frente com o chefe do Departamento dos Aurores e dizer que tudo isso é uma grande besteira.

--- Olá Tonks!

--- Oi Kingsley.

--- Onde nós vamos primeiro?

--- Bom, eu estou querendo comprar umas blusas novas...

--- Tonks, não brinca...

--- Mas eu estou falando sério, nós sabemos que todos os Comensais estão na Escócia!

--- Tonks, fale isso baixo e não é só por causa disso que nós vamos baixar a guarda, afinal não temos provas de que todos os Comensais estão lá.

Tonks não falou nada, apenas cruzou os braços e ficou com o rosto emburrado, ela não estava afim de trabalhar.

Eles agora estavam no beco diagonal, e esse por sua vez parecia totalmente normal. Não havia um detalhe que indicasse que Comensais passaram por ali, e muito menos, que estavam ali.

--- Não agüento mais isso Kingsley, de que adianta nós estarmos aqui se sabemos que todos os comensais estão na Escócia? Isso é burrice da nossa parte!

--- Tonks, eu também não estou gostando de ficar aqui fingindo procurar por comensais, isso definitivamente não faz parte o meu plano de trabalho, mas o que nós poderíamos fazer? Não podemos chegar ao chefe e falar que queremos ir para a Escócia para procurar por comensais que supostamente estão por lá!

Tonks ficou estática ao ouvir isso. Era tão obvio! Por que ela não tinha pensado nisso antes?

--- Kinsley... Kingsley. Kingsley!

--- Tonks? Você está se sentindo bem? – perguntou o amigo ao ver Tonks agindo daquela forma.

--- Acabo de ter uma idéia!

--- Tonks... Olha lá, preste atenção! O que você pretende fazer?

--- Olha, geralmente quando Voldemort ainda não tinha voltado e o aparecimento de comensais era bem baixo ou quase nulo, o chefe não reduzia o nosso expediente? – Tonks não esperou a resposta do amigo e continuou: - Então, nós sabemos que isso vai acontecer, não é? – Tonks novamente não esperou a resposta do amigo – Então, concluímos que daqui a alguns dias nós vamos ficar só com meio expediente e eu vou poder ir para a Escócia!

--- Hã? Como assim? Você vai para a Escócia? Tonks isso é muito arriscado! Por Merlim! Como você faz as coisas parecerem tão simples! E como você vai consegui cumprir seu expediente e estar na Escócia ao mesmo tempo?

--- É aí que entra você, meu caro amigo. Você não negaria um favor a mim, não é?

--- Calma aí, você quer que eu trabalhe por você aqui na Inglaterra enquanto você está lá na Escócia se divertindo?

--- Kingsley? – Tonks não acreditou no que ouviu, não parecia ser o amigo, ele nunca pensaria dessa forma.

--- Calma, foi só uma brincadeira, eu sei o verdadeiro motivo dessa sua vontade incessante de ir para lá.

Tonks ficou muito vermelha, ela nunca tinha falado do seu amor por Lupin com o amigo, e nem sabia se ele estava se referindo a isso, então ela se deteve a dar um sorrisinho sem graça.

--- Ah,Tonks, para... Não precisa ficar sem graça só porque eu me referi ao Remus, afinal, nossa amizade não se resume a quadriboll, ao Ministério e à Ordem.

--- Er... É, tem razão nossa amizade não se resume a isso. – dizendo isso Tonks abraçou o amigo, ele era um dos poucos em que ela ainda confiava.

--- É claro que eu faço qualquer coisa para te ver feliz Tonks... – Kingsley falou isso ainda abraçado com Tonks.

--- Brigado Kingsley! – finalmente os dois se separaram.

--- Mas me diga, como você vai aparecer na Escócia assim, do nada? Aliás, como você vai sair daqui do nada?

--- Ah... Isso eu ainda não sei, só sei que eu vou! Desde quando eu nasci, praticamente, eu consigo o que quero, pode demorar e pode ser bem difícil de conseguir, mas eu nunca desisto! Não vão ser alguns comensais ou uma Molly nervosa que vão me impedir de ficar ao lado do Lupin!

Os dois estavam sentados em um pequeno banco, em frente a uma sorveteria, Tonks ficou um pouco envergonhada pelo fato de outra vez ter tocado no nome de Lupin, mas como ela disse a minutos antes, a amizade deles não se resumia a assuntos impessoais.

--- Você gosta mesmo dele não é Tonks? – perguntou Kingsley ao ver nos olhos de Tonks o desespero e a ânsia de querer ficar perto de Lupin.

--- Você nem imagina o quanto! – a metamorfomaga respondeu quase que em um suspiro, ela olhava para o chão e sentiu seus olhos ficarem úmidos, Tonks sentia uma coisa que ela mesma não conseguia explicar, era um misto de dor, desespero e angústia, com uma ponta de saudade e uma forte dor no coração.

--- Tonks, eu não posso intervir nas suas decisões, não posso te obrigar a ficar, a única coisa que posso fazer é te dar todo o meu apoio, vou fazer de tudo para que você consiga ir para a Escócia!

--- Oh Kingsley, eu já estou toda sensível e você me diz uma coisa dessas, não dá para não chorar! – falou uma Tonks já com uma lágrima caindo de seus olhos.

~~~x~~~

N/A.: tipow, foi malz a demora..! *envergonhada* mas tipow,meu colégio eh mt loko..! se eu naum estudar eu fico p/ traz msm..! prometo q o cap. 6 vai está melhor q esse..! bjô..! ah, e comentem, pode criticar ou elogiar, vlw?? Xau..!

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 0

Nenhum comentário para este capítulo!

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2023
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.