FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

ATENÇÃO: Esta fic pode conter linguagem e conteúdo inapropriados para menores de idade então o leitor está concordando com os termos descritos.

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

19. Guerra


Fic: Duas verdades No ar o epilogo 05-07


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

Antes de mais nada, agradecer a paciência de todos vc's.


Esse cap talvez tenha fica aquem do que eu esperava dele. Eu queria ter feito ele maior e mais intenso, mas não consegui.


Cheguei em um momento tão delicado e triste da história, e reconta-la por outros angulos não foi fácil. Vc's vão perceber que não há nada da parte do Harry nas masmorras da mansão Malfoy. Eu quis focar no drama de Hermione e Draco.


Ficou pequeno, mas eu não poderia estende-lo mais do que isso. Mais uma vez apelo para a paciencia de vc's.


E mil desculpas.



Vamos ao capitulo!


 


Boa leitura!


********************************************************************************************



cap anterior:





- Eu.. realmente não sei Bella. Nunca vi o menino Potter pessoalmente. – A loira disse firme. Hermione sentia náuseas. Como Draco parecia ainda mais com a mãe. Tirando os olhos, que eram de Lúcius, ele era muito parecido com Narcisa.




 




- Há alguém que os reconheceria facilmente. – A saliva de Hermione ficou mais grossa.




 


- Vai deixá-los entrar¿ - Narcisa perguntou enojada.




 




- Sim! E faça o favor, chame Draco. Ele saberá se esse é o trio de ouro podre. – E soltou sua risada alta.




 




Naquele momento, Harry, Ron e principalmente Hermione, tinham certeza que morreriam.




--------------------------------------------------------------------------------



Seu corpo tremia por inteiro. Era o medo, o pavor, o frio, mas acima de tudo, a possibilidade de ver o que seus olhos não queriam, sua razão proibia, mas seu coração implorara durante quase um ano.





O jardim daquela mansão era extenso demais, ou seus sentidos a estavam enganando. Harry continha o pavor em seu rosto ainda inchado, mas Ron não. Ele parecia, além de desesperado, raivoso, revoltado. E isso só a deixava ainda mais angustiada.





- Os deixe ai mesmo, perto da escada. Vamos Cissy, vá chamar logo Draco! – Lucius levantou de sua cadeira perto da lareira assim que ouviu passos no hall de entrada. Olhou confuso a comitiva que chegava com sua cunhada e esposa.





- O que está havendo¿





- Parece que enfim vai poder melhorar a sua imagem com o Lord! – E Bella riu. Mas melhorar a imagem do Malfoy mais velho parecia impossível. A austeridade, o orgulho e sua beleza aristocrática pareciam te-lo abandonado, como o calor daquela casa.





- Ele é... Potter¿ - Um brilho doentio tomou conta das iris acinzentadas do loiro ao se aproximar do trio amarrado. Hermione engoliu a vontade de chorar.





- É o que vamos confirmar! – Bella disse andando de um lado para o outro.



 



Ele tinha ouvido uma movimentação, mas não queria mesmo saber o que era. Só estava naquela casa porque não tinha escolha. Preferia mil vezes o castelo, a sonserina, o sorriso acolhedor de Astória. Ele apenas queria ser outra pessoa.





- Draco¿! – O rosto aflito de sua mãe apareceu em seu campo de visão. Parecia que queriam que ele participasse do que quer que fosse que estivesse ocorrendo em sua sala.





- E agora¿ - Ele se sentou em sua cama. Ficou um pouco preocupado, sua mãe parecia particularmente nervosa.





- Você precisa descer querido.





- Por quê¿ - Ele não queria sair de sua cama, sentia que não devia.





- Parece que.. Potter. Parece que é ele. – Ela tremia a voz, e ele sentiu seu coração falhar também. Potter ali¿ Isso significava muito provavelmente que.. não, não poderia ser verdade. Levantou-se de um pulo, o que sobressaltou ainda mais Narcisa.





- Onde¿





- Lá embaixo com Bella. – Suas pernas criaram forças e Draco saiu o mais depressa possível do seu quarto. Os corredores de sua mansão nunca foram tão longos, e a escada tão fria. Arfava quando chegou na sala principal de sua casa.





- Enfim Draco, sabe que não gosto de esperar. Se aproxime. – Hermione fechou os olhos assim que aquele nome foi pronunciado por Lestrange. Não tinha coragem para aquilo, não queria. Ron se remexeu inquieto ao seu lado ao mesmo tempo que Harry endureceu. Ouviu o sapato se chocar com o mármore gelado. Ele estava tão próximo.





- Então filho¿ - Seu pai o apertou no ombro. Ele não precisava estar tão perto para ter certeza. Conhecia muito bem aquele trio. Desde seus 11 anos se acostumara a vê-los daquele jeito, juntos, colados, e com ela no meio. Ah, ela. Estava tão mais magra, tão cansada, e, apavorada. Apenas desejava tira-la dali. Se ao menos ela abrisse os olhos. Não, suas lágrimas já machucavam bastante. Encarou o rosto deformado de Potter.





- O que ele tem no rosto¿ - Sua voz saiu baixa. Hermione tremeu as pálpebras. Bellatrix voltou  a se aproximar.





- Pode ser muitas coisas, mas aposto que foi um feitiço Ferroante da mocinha aqui. – Ela abriu os olhos. Draco olhava Harry com misto de medo e indecisão. Desejou que ele a olhasse.





- Eu.. não... sei. Não poderia dizer. – Harry não desviava os olhos também. Bella se aproximou ainda mais.





- Não sabe¿ Como assim¿





- Não sei! Está muito estranho. – Sentia suas forças se esvaindo do corpo. Queria correr, e que Hermione fosse junto com ele.





- Olhe pra esses dois aqui. Não são o Weasley nojento e a sangue ruim¿ - Bella o empurrou mais para esquerda o colocando de frente a ela. Os olhos cor de mel só lhe transmitiam medo e dor, muita dor. O ruivo parecia que ia explodir.





- Nunca prestei muita atenção neles.. Er. Quer dizer, pra quê¿- Ela sabia que ele estava mentindo, ele hesitava, mas ela sabia que Draco a reconheceria, ou mesmo Ron e Harry, então por que¿ Por que não entrega-los logo de uma vez¿ Ela ainda o amava, podia sentir, mas ao mesmo, já não o queria mais, não poderia.





- Mas como¿ Draco, você conviveu com eles, não é possível que... espere, o que é isso na sua mão¿ - Algo tinha chamado a atenção de Bellatrix. Então os dois se perderam nos olhos um do outro, na dor, na saudade, na raiva, no adeus.





- Estava com eles. – O seqüestrador exibiu a espada com orgulho. Mas não por muito tempo. Bella logo lançou feitiços atordoantes em todos e os amarrou em cordas.





- Vá Lucius, os leve lá para fora! – Ela estava histérica.





- Como ousa me dar ordens na minha própria casa¿





- Seu idiota, se não resolvermos logo isso, nem casa, nem vida você terá mais! – Narcisa se aproximou.





- Por favor Lucius.





- E você Cissy, leve os rapazinhos lá para baixo e traga o duende. Eu vou conversar com a senhorita aqui primeiro. – Draco e Hermione estavam alheios a toda a conversa. Apenas se olhavam, contato perdido no momento que Narcisa se aproximou e empurrou Harry e Ron para longe dela. O medo de ambos só aumentou. Draco foi rudemente empurrado pela tia.





- Onde vocês conseguiram a espada¿ - O ódio emanava das palavras da Comensal da Morte. Hermione encolheu um pouco, mas não respondeu. – SUA IDIOTA!! – Bella a puxou pelos cabelos e a jogou no chão. Draco recuou e engoliu sua saliva.





- Vocês me roubaram¿ COMO¿ - Bella andava em volta de Hermione como um lobo a sua presa. Já a garota tremia, sentia tanto medo e tudo que conseguia pensar era em Eliz. Olhou de relance para Draco, ele fechou os olhos.





- Não! Nós não... aaaaaaaaaa – Não pode terminar o que estava dizendo. Uma maldição a feriu como ela suspeitava, mas não tinha noção do quanto podia ser doída. Sua pele ardia, seus órgãos pareciam perfurados e tudo que queria era poder morrer logo de uma vez.





- Sua imunda! Ou você fala logo de uma vez ou isso só vai ficar pior! CRUCIO!!!!! – Draco virou o rosto, mas os gritos de Hermione invadiam seu cérebro do mesmo jeito. Ele tinha que fazer alguma coisa.





- A deixe tentar falar! – Ele disse sem se conter mais. Todos olharam pra ele. Bellatrix riu. Hermione apenas chorava, ela não tinha forças nem para mover seu corpo.





- Fraco, caro sobrinho. Uma afronta ter recebido a marca. Você é tão FRACO! – Ela o rondou e cuspiu. Draco prendeu o maxilar, segurou as lágrimas que vieram ao seus olhos por dois motivos, preocupação e ódio. Mas se isso tiraria a atenção de sua tia de Hermione, então que fosse.





- Honra e desonra são conceitos diferentes para mim e você. Não percebe que está sendo estúpida¿ Interrogatório sem respostas, não é um... – Mas Bella não o deixou terminar, o esbofeteou antes. Narcisa se aproximou.





- Você não passa de um verme que não sabe de nada. Se não tem estomago, suma daqui! – Ela ia avançar mais uma vez, mas sua irmã interveio.





- Não toque no meu filho. Nunca mais! Entendeu¿ - Bella nunca duvidou que Cissy fosse sua irmã, mas naquele momento teve mais certeza do que nunca. O olhar que a loira lhe lançou foi muito parecido com o seu em suas melhores ocasiões. Sorriu. Draco era o ponto de ebulição de Narcisa Malfoy, uma útil informação.





- Não vou perder mais meu tempo. – Foi até Hermione e com o bico de sua bota chutou seu fino rosto. Abraçada ao filho, Narcisa o sentiu tremer. – Então garotinha, te dei tempo de refletir. ONDE CONSEGUIU A ESPADA¿ COMO¿





Mas Hermione não ia mesmo responder. Ela sempre soube dos riscos que aquela empreitada significava e enfim chegara o momento de enfreta-los. Prestou um último pensamento a sua filha e se concentrou em tentar sentir menos dor possível e morrer com dignidade. Seu silêncio serviu como resposta para Bellatrix que a atacou com um novo Crucio. No começo ela não gritou, era como se o corpo se habituasse aquilo, mas segundos depois já não era possível dominar suas emoções. Ela tinha que extravasar de alguma forma e a única era pela garganta. Berrou sua dor.





Draco não entendia a importância daquela maldita espada, e o porquê de Hermione se recusar a falar e sofrer daquela maneira. O que mais ele podia fazer para ajudar sua amada¿





- Bella¿ -  A voz do seu pai vacilante nunca lhe foi tão cara. Sua tia suspendeu a varinha por instantes. – Qual a importância dessa espada afinal¿ - A mulher morena encarou o cunhado.





- Nosso mestre guardou uma espada dessa em meu cofre Lucius! – Ela parecia fora de si. – Ele me confidenciou isso, disse que era importante e que tinha que mante-la em segurança. E agora esse bando de porcarias aparece com ela aqui, assim! Crucio!!! – Draco se sentou tonto, a voz de Hermione já saia rouca.




- Mas pode ser falsa. Bella, como eles entrariam em Gringotes e sairiam ilesos¿ E sem que ficássemos sabendo¿ Essa espada não pode ser a mesma do seu cofre! – Nunca Draco saberia o motivo daquele apelo de sua mãe, mas seria eternamente grato a ela. Aquilo pareceu acalmar sua tia.





- Verdade. Isso é uma possibilidade. Rabicho!!!! Vá buscar aquele duende nojento!  - Draco respirou fundo. Isso daria um alivio para Hermione. Ela apenas estava esticada agora. Os olhos fechados e as lágrimas caindo de encontro aos seus cabelos emaranhados. Seu corpo às vezes tremia involuntariamente. Ele quase jurou que ela estava morta, se não fosse seu choro silencioso. – Isso não quer dizer que acabei com você. – Hermione abriu os olhos assustadas ao ouvir Bellatrix tão perto. A mulher pulou em cima dela e, apesar de sua fraqueza viu um punhal em sua mão.





Draco se levantou de uma vez e ia arrancar sua tia de cima de Hermione sem medir conseqüências, mas Narcisa o segurou antes disso. “Será pior, meu filho!” Ele ouviu antes dos berros retornarem. Bellatrix estava escrevendo com a ponta de seu punhal aquilo que selou o destino de seu amor. No braço esquerdo de Hermione “Sangue ruim” gotejava em carne viva. Enfim Rabicho voltou com o duende.





- Lixo, isso é uma espada autentica¿  - Bella se aproximou de Grampo. Ele a olhou com o mesmo nojo dela. Depois encarou a espada.





- Não. É uma boa falsificação, apenas. – Aquilo pareceu aliviar profundamente Bellatrix. Ela voltou a sorrir.





- Ótimo. Então é tempo de voltar aos trabalhos! E como sangue ruim está no topo da minha lista, você morre primeiro. – Bellatrix deu meia volta em si mesma e levantara mais uma vez sua varinha para Hermione, que apenas movia os olhos entregue ao seu destino.





O que houve a seguir foi rápido demais. No segundo que Draco resolvera por fim a sua tia, um ruivo apareceu gritando e desarmando Bella. O rapaz inchado fez o mesmo com ele e com seu pai. Sua mãe o puxou para um canto da sala. Em meio ao barulho de gritos e feitiços a voz suave e melodramática de Bellatrix Lestrange voltou a encher o ar de silêncio e medo.





- Parem, ou ela morre, mais dolorosamente. – Draco parou. Ron parou. Harry parou. A morena segurava Hermione pelo cabelo, enquanto com a outra mão pressionava seu punhal na garganta da castanha. Ela colocava tanta força no ato que o pescoço da grifinória já sangrava. –  Draco pegue as varinhas de volta, AGORA! – Nesse meio tempo, para piorar a situação, Harry não estava mais inchado. - Ora, ora, então temos mesmo o Potter bem dentro da Mansão Malfoy. LUCIUS! – O loiro surgiu cambaleante e logo entendeu o recado. Estendeu a manga esquerda e já estava pronto para tocar em sua marca e chamar pelo seu Lord. Mas um barulho vindo de cima da sua cabeça o desviou do intento, e junto com todos os outros olhou para o teto.





- Dobby¿ - Sua voz saiu baixa. O elfo nada respondeu e continuou a desparafusar o pesado lustre de cristal da sala de estar da Mansão Malfoy. Segundos depois ele pendeu do teto em direção a Hermione e Bella. A última a empurrou e fugiu dos vidros. Ron se jogou em cima da castanha e rolou com ela para perto de uma das janelas. Ao mesmo tempo, Harry correu até Draco e lhe tomou as varinhas sem ter que fazer esforço, já que o loiro só conseguia olhar para Hermione e se ela estava ainda mais ferida.





- Como ousa, seu ser inferior¿ Atacar seus mestres¿ - Bellatrix arfava, ao ver o trio colado, junto do duende e do elfo. – Cissa, faça algo! – Mas Dobby desarmou sua antiga dona.





- Dobby não tem mestres. Dobby é um elfo livre. – E dizendo isso estalou os dedos no mesmo momento que Bella soltava um berro junto com seu punhal em direção ao grupo de fugitivos.







 



Tudo que ela era capaz de sentir era uma brisa, cheiro de mar e os braços de Ron. Não tinha forças nem de abrir os olhos, mas segundos depois de saber estar fora da Mansão ela ouviu um grito e era de Harry.





- Não! Dobby! Fala comigo! – Ela abriu lentamente os olhos e viu o amigo segurar o pequeno elfo nos braços. Ainda era noite, mas logo amanheceria. – Hermione, você tem alguma coisa na sua bolsinha¿ Hermione¿ - Seu amigo estava fora de si e ela estava sofrendo por aquilo também, mas não poderia fazer mais nada.





- Sinto muito. – Disse o resto de sua voz e virou seu rosto de encontro ao peito de Ron, que ela percebeu, também chorava. Então ela desmaiou.





 



- Você foi imprudente Draco! O que estava pensando¿ - Ainda se ouvia os lamentos longes de Bella. Seu mestre voltara e ficara a par de tudo. Raivoso ele a estava estapeando. Não a torturava como fazia com Lucius, mas não deixava barato também seu vacilo de ter Harry Potter nas mãos e deixa-lo escapar.





- Mãe... eu não fiz nada! – Draco estava nervoso, andando de um lado para o outro no quarto dos pais, que era o mais distante de toda aquela cena bizarra que ainda se passava na sala de estar de sua mansão.





- Como não¿ Você estava desafiando sua tia, descaradamente, fora que mentiu Draco. Você reconheceria o menino Potter a léguas de distância. O que está havendo¿ - Narcisa tentava soar calma para assim apaziguar o filho. O loiro se sentou em um sofá derrotado.





- Eu...mãe, desde que recebi essa marca estou confuso. Tanta coisa mudou de lá pra cá que eu não poderia entregar o Cicatriz assim. Eu não sei no que mais acreditar. Me desculpe. – A loira se sentou ao seu lado.





- Filho, ter dúvidas é normal, ainda mais na sua idade. Tudo foi tão rápido e o peso que foi colocado em seus ombros. Eu também tenho algumas dúvidas Draco. E se quer saber, temos que acreditar naquilo que escolhemos acreditar e não no que nos foi imposto a crer.





- Mãe, eu não tive escolha, nunca. – Narcisa afagou seus cabelos.





- Eu sei. Mas você fez a sua, mesmo sem perceber. Você fez querido. – E, emocionada, ela o abraçou. Draco acariciou a mãe. Os dois ficaram ali por um tempo. Narcisa ouvindo ainda os gritos do marido e da irmã e ele escutando os lamentos de Hermione.





 



- Onde está Harry¿ - Ela dormiu o dia todo, depois que foi medicada por Fleur. Estava em seu quarto, tentando tomar uma sopa. Ron estava sentado em uma cadeira próxima.





- Ele comeu depois de enterrar Dobby. Dormiu um pouco a tarde e agora está lá fora de novo.





- O resto¿ Estão todos bem¿ Como está minha filha¿ - Ao menos isso seria ótimo.





- Eliz está dormindo e está muito bem. Senhor Olivaras está mais debilitado, mas se recuperará. Luna está como sempre o Grampo parace bem. – Hermione suspirou.- E você¿





- Vou ficar bem. Ainda estou dolorida. Não foi fácil Ron. – E sem que pudesse evitar, ela começou a chorar fora de controle. O ruivo se aproximou e a abraçou forte, e junto com ela, também chorou.





- É guerra, não é¿ É a guerra mostrando sua cara feia. – Ela apenas concordou com a cabeça. – Vou trazer Eliz para você.





- Obrigada. – Naquele momento sozinha, ela deixou seu pensamento ir de volta para a Mansão Malfoy. Além da dor que seu corpo ainda sentia, ela se lembrou de Draco. Do momento que o viu, aparentemente assustado. Da mentira obvia de não reconhece-los. Mas ele apenas olhou a barbaridade feita com ela. Não fez nada para evitar. Lembrava de um momento que Bellatrix parara com os Crucius por uns instantes, mas não soube por quê. Ouvia vozes, a dele também, mas não fazia idéia do que falavam. Deixou uma última lágrima cair por ele. Draco estava definitivamente fora de sua vida.





- Ela dorme, tome cuidado. – Ron voltara. Sua pequena tinha crescido bastante naqueles 2 meses. O rosto fino, o nariz empinado, os cabelos lisos castanhos. Sorte, ela se parecia muito com ela, mas sabia que debaixo daquelas pálpebras fechadinhas, haviam olhos azuis, quase cinza, como os do pai. Então ela teve um estalo, Draco jamais estaria fora de sua vida definitivamente de sua vida, os olhos dele a perseguiriam para sempre. Apertou sua pequena um pouco mais e segurou o choro, essa promessa ela ia cumprir.


 

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 2

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por M R C em 07/01/2012

aah ficou ótimo brenda =]
bem tenso, como a parte da história dos livros que corresponde, mas vc encaixou mto bem o romance dos dois, sem alterar muito a história original!
adoro sua fic por causa disso, vc segue direitinho a linha do tempo e a história de j.k.rolling junto com o romance!
ai ai ai...se a tia jo tivesse tido as suas idéias para o draco e hermione ...hahahahaa

ansiosa pelo próximo capítulo !!

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Lily Prince Malfoy em 07/01/2012

Aaaahh, nada melhor pra começar o ano do que cap novoo!!

 

 

(e jah esperando ansiosa pelo próximoo)

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.