FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

1. if i ever feel better.


Fic: what the hell. - capítulo 13 on!


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

Eu amo o primeiro dia de aula. Na verdade, depois do meu aniversário, do Natal e do dia da Mega-Liquidação do shopping, esse é meu dia preferido do ano. Eu gosto do cheiro de café pela manhã que eu não sentia a muito tempo, já que não me dava o trabalho de acordar antes das 15 horas, eu gosto de como, apesar de estar com muito sono e com olheiras muito grandes eu ainda tenho um sorriso na cara, além de amar comprar cadernos e canetas e todas as coisas que a gente compra quando o ano vai começar.


Eu mal havia dormido, mas eu já estava acostumada com isso. Insônia era crônica na minha família. O despertador começou a tocar uma coletânea de músicas preparadas na noite anterior. Foi quando Rivers Cuomo e B.o.B. começaram a cantar “Magic” que eu me levantei da cama e fui até o banheiro dançando e cantando. Tomei um banho, e coloquei meu roupão. Saí do banheiro dançando “Party up in here” de uma forma ridícula. A música estava quase no final quando percebi que havia um garoto na janela da casa ao lado me olhava e ria de mim.


- Merda. – Eu disse me agachando envergonhada.


Fechei a persiana, senti vergonha por alguns instantes.


 - Querida! – Ouvi minha mãe gritar. – Café da manhã na mesa.


Na verdade ela queria dizer “O café está pronto”, já que era a única coisa que ela sabia fazer na cozinha. Desci as escadas e avistei minha mãe, colocando café em sua caneca de “Melhor mãe do ano”, que eu havia dado para ela no dia das mães de 1995, quando eu tinha 5 anos.


- Esse cheiro... – Eu disse sorrindo me sentando na bancada.


- Sua caneca está ali. – Mamãe me mostrou. – Não quero me atrasar ok?


Eu peguei minha caneca do Star Wars e coloquei café nela. Ah, como eu adoro café.


- Eu não vou. – Disse subindo as escadas.


Bebi toda a minha caneca enquanto secava meu cabelo. Sim, esse era o meu café da manhã desde que eu parei de tomar mamadeira, aos cinco anos de idade. Sim, eu tomei mamadeira até os cinco anos, e daí?!


Calça jeans, regata branca e um cardigã listrado de preto e branco. Calcei minha sapatilha, coloquei minha lente de contato e peguei minha bolsa, Ipod e cadernos. Cabelos penteados, dentes escovados, protetor solar, rímel, blush e um lipbalm só para dar uma corzinha.


Para a alegria da minha mãe, eu finalmente estava pronta. E por um milagre, antes dela. Fiquei esperando ela fora de casa, sentada no balanço do jardim ouvindo Foo Fighters no meu Ipod.


- Vamos filha. – Minha mãe disse enquanto trancava a casa.


Entramos no carro e ela começou a baboseira de que eu devia tirar minha licença para dirigir logo.


- Mãe, eu prefiro dedicar o tempo que eu gastaria com as aulas de direção estudando para entrar em Yale. – Falei.


- Eu te conheço querida, você consegue fazer tudo isso e ainda ser aceita em Yale. – Ela me disse.


Não demorou muito para mamãe parar o carro e eu ser obrigada a descer do carro.


- Aprenda alguma coisa! – Ela gritou enquanto eu caminhava para dentro da escola, me matando de vergonha.


Fui para a diretoria pegar meus horários e talvez convencer o diretor de que eu era a melhor opção para dirigir o jornal da escola.


- Bom dia Srta. Taylor. – Eu disse para a secretária da escola. – Vim buscar meus horários.


- Só isso Marlene? – Ela me perguntou irônica.


- Claro que não... – Eu disse. – Conta pra mim, por favor, diz que eu sou a nova diretora do jornal da escola. – Fiz bico e a Srta. Taylor riu de mim.


- Bem, teoricamente você é. – Ela me contou enquanto me entregava meus horários.


Eu fiquei tão feliz ao ouvir “você é” que ignorei o “teoricamente”. Minha felicidade foi embora ao ver que o meu primeiro horário era o de química.


- Química logo cedo? Argh. – Eu disse antes de sair da secretaria. – Até mais Srta. Taylor.


- Boa sorte Marlene. – Ela me respondeu.


Eu estava caminhando até meu armário quando Lily Evans trombou comigo, derrubando os cadernos que ela levava.


- Desculpa! – eu disse me ajoelhando para ajuda-la a pegar os cadernos do chão.


- Eu que estava distraída. – Ela disse. – Eu que te devo desculpas.


- Tudo bem. – Eu disse sorrindo. – Seu primeiro horário também é química?


- Infelizmente. – Ela me disse.


- Bem, te vejo na sala. – Eu lhe entreguei os cadernos, sorri e caminhei até o meu armário.


Lily Evans era uma das poucas pessoas da escola, se não a única, que não era hostil comigo. Eu honestamente não culpava quem me olhava de cara feia e cochichava quando eu passava. A verdade é que, eu, no lugar deles também faria isso.


O que aconteceu foi o seguinte. Até o ano passado eu, minha irmã Maggie e Emeline Vance éramos melhores amigas. E por melhores amigas eu digo inseparáveis, confidentes e tudo mais. A questão é que, apesar de a desbocada ser eu, Maggie e Emeline eram quem enganavam minha mãe e saíam toda quinta-feira a noite com suas identidades falsificadas.


E bem, o que aconteceu é que, elas apenas fingiam que tinham maturidade. Emeline e Maggie, apesar de todo o amor que eu sentia por elas, não passavam de duas garotas bobas que jamais conseguiriam lidar com os fatos da vida. Não que eu, no auge dos meus 15 anos fosse a maturidade em pessoa. Eu, que apesar de todos os A+ no boletim ainda chorava quando a mãe do Bambi morria. Mas apesar disso eu sempre conseguia perceber quando alguém estava tentando me enganar. Bem, quase sempre. Mas fazer Maggie de boba, ah, isso era incrivelmente fácil. E Emeline, assim que pode se aproveitou disso. Certo, não digo assim que pode, mas talvez assim que Maggie atrapalhou seus planos de conquista. E eu, é claro tomei partido da minha irmã.


Fato foi que Emeline espalhou histórias terríveis sobre Maggie e, quando eu fui tirar satisfação com ela, ela me acusou aos berros de também ser uma “vadia”, entre outros nomes. Maggie teria chorado, mas eu apenas respirei fundo, sorri, virei as costas e caminhei para minha próxima aula. Agi como se nada tivesse acontecido durante o restante das aulas.


Claro que, assim que cheguei em casa, chorei litros. Conhecia Eme desde o jardim de infância e tudo aquilo era muito estranho e assustador pra mim. Maggie, sempre que eu perguntava o que havia acontecido, apenas chorava. Ela ficou uma semana sem ir às aulas até que finalmente resolveu estudar em casa.


O ano acabou e mamãe nos deu a opção de estudar em uma escola interna. Maggie aceitou, eu não. E cá estou eu fingindo que nada aconteceu e me dedicando aos meus estudos e a atividades extracurriculares que possam me colocar no começo da lista de admissões de Yale.


E para isso tudo acontecer eu precisava estudar química, então eu respirei fundo e fui para a sala de aula. Sentei-me na terceira carteira e já estava preparada para ninguém sentar ao meu lado.


Estava ouvindo “The best of you” e fingindo que tocava bateria com duas canetas na carteira quando fui surpreendida por uma garota loira me olhando, aparentemente esperando uma resposta minha. Tirei os fones e olhei para ela.


- Desculpe, você perguntou algo? – Disse.


- Tem alguém sentado aqui? – Ela me perguntou sorrindo.


- Não. – Respondi.


Eu ofereceria para ela se sentar, mas, se ela não fosse simpatizante da minha causa como a maioria das pessoas na escola, ela faria um comentário maldoso e eu ficaria nervosa.


- Posso me sentar aqui? – Ela perguntou.


- Se você quiser. – Respondi.


Ela sorriu em resposta e se sentou ao meu lado.


- Meu nome é Dorcas. – Ela falou. – Eu sou nova na escola.


- Marlene. – Respondi. – E eu percebi que você era nova assim que perguntou se tinha alguém do meu lado.


- Tão óbvio assim que eu estou nervosa? – Ela me perguntou.


- Na verdade é que só alguém que não estava aqui ano passado ia querer sentar ao meu lado. – Eu disse.


- Você é polêmica? – Ela me perguntou.


- Dizem, mas a coisa mais polêmica que eu fiz nas férias foi beber café de noite. – Falei.


Ela riu, o professor entrou na sala e todos tiveram que ficar quietos. Bem, não todos, mas eu e Dorcas ficamos.


Assim que a aula (finalmente) terminou, Dorcas pediu que nos 15 minutos de intervalo eu fizesse um breve tour com ela pela escola.  Por coincidência passamos em frente a sala do jornal, e lá dentro eu vi um garoto sentado na minha mesa.


Entrei na sala instantaneamente.


- Com licença, mas essa é a minha mesa. – Eu disse nervosa. – Ênfase no minha.


Assim que o garoto se virou para mim eu o reconheci. Era o maldito garoto que havia me visto dançando ridiculamente hoje de manhã. Eu comecei a entoar um mantra na minha cabeça: Por favor, não fale nada sobre hoje de manhã, por favor, não me reconheça.


- Olá dançarina! – Ele disse rindo de mim.


- Você dança? Que legal! – Dorcas, que estava atrás de mim disse.


Eu não sabia para quem eu fazia meu olhar de “Shut up”.


- Ela dança. Muito bem por sinal. – Ele disse se levantando da cadeira. – Acabei de me dar conta que, apesar de saber várias coisas sobre você, eu não sei seu nome.


- Marlene. Mckinnon. – Eu disse de braços cruzados.


O atrevido puxou meu braço e beijou minha mão. Abusado.


- Prazer Marlene, sou Sirius Black. – Ele disse. Ele largou minha mão e se virou para Dorcas. – E você é?


- Dorcas Meadowes. – Ela disse.


- Prazer. – Ele disse sorrindo.


Pela janela não deu para perceber que ele era bonito... Merda! Porque é que eu tenho esse tipo de pensamento bem quando eu preciso brigar com alguém?


- O que é que você está fazendo na minha mesa? – Eu perguntei.


- Essa é sua mesa? Achei que essa era a mesa do Co-editor do jornal. – Ele respondeu.


- Não. Essa é a mesa da editora do jornal. Eu. – Eu falei apontando para mim.


- Não senhora. – Ele me disse.


Eu ia continuar a discussão, mas o sinal bateu, ele disse “Até logo” e eu fiquei lá parada com uma cara de tonta.


- A gente devia ir pra aula de biologia, não? – Dorcas me cutucou.


Eu até havia me esquecido da Dorcas durante toda essa discussão.


- Vamos... Vou te deixar lá. Eu tenho Literatura Francesa agora. – Eu disse.


Deixei Dorcas na sala de biologia e caminhei para minha sala. A professora DuBouis já estava dentro da sala, mas pelo fato de apenas 5 pessoas cursarem aquela matéria e eu ser a aluna preferida dela, ela me recebeu na sala com um grande sorriso.


- Sente-se ao lado de novo aluno. – ela cochichou para mim. – Ele pode ter alguma dificuldade e ninguém melhor que você para ajuda-lo.


E o novo aluno era quem? Argh. Ele só podia estar me perseguindo.


Sentei-me ao lado de Sirius Black como se nada tivesse acontecido.


- Quem diria. – Ele disse, talvez na esperança que eu perguntasse “oque?”.


- Eu vou te ignorar. – Respondi.


Na primeira aula, a senhorita DuBouis passou a bibliografia e apresentou o cronograma do semestre. Essa era a aula que eu mais gostava. Ou pelo menos uma das, já que eu cursava “Literatura Inglesa” e “Literatura Norte-Americana” também, e amava as duas. A Senhorita DuBouis nos dispensou antes do sinal tocar e eu, em uma tentativa frustrada de não ser obrigada a trocar nenhuma palavra com Sirius Black, saí quase que correndo da sala.


O sinal do almoço finalmente tocou e eu fui encontrar Dorcas. Ela havia conhecido Lily Evans na aula de biologia e então decidimos as três almoçar.


- Porque você se mudou para cá, Dorcas? – Lily perguntou.


- Meus pais se separaram e minha mãe achou que seria melhor mudar para cá. Ela viveu aqui praticamente a vida toda. – Dorcas respondeu com um sorriso. – E eu odiava viver na capital então...


- Eu não vejo o dia de sair daqui. – Falei. – Viver em uma cidade grande seria ideal para mim.


- Você diz isso por tudo que aconteceu com você aqui. – Dorcas disse. – Viver em uma cidade grande não é glamuroso como muitas vezes parece ser.


- Como você sabe o que aconteceu comigo? – Perguntei.


- Bem, pela forma como você falou comigo hoje eu deduzi. – Dorcas me disse.


- Aquela vadia! – Lily disse interrompendo Dorcas.


Dorcas e eu nos viramos para ver quem Lily estava chamando de vadia. Era Emeline Vance.


- Concordo com você. – Eu disse me virando e voltado a comer meu almoço, sem nenhum interessem em porque Lily a achava uma vadia.


- Quem é ela? – Dorcas perguntou. – O que ela fez?


- Ela é Emeline Vance. – Eu disse.


- E ela fez muitas coisas. – Lily completou.


- Especificamente? – Perguntei à Lily.


- Eu acho que ela está transando com o Potter. – Lily me respondeu fazendo biquinho.


- Vocês dois não são tipo, melhores amigos? – Perguntei, mesmo achando que os interesses de Lily com o Potter iam além e amizade.


- Somos, e por isso mesmo eu acho ela uma vadia. – Ela me respondeu. – Ele me contava tudo. Aí um dia ele sai, encontra-a em uma festa e boom: Jay está cheio de segredinhos.


- Pelo menos eles não estão namorando. – Falei. – Isso sim seria horrível.


O horário de almoço havia acabado, mais dois horários e eu estaria no conforto da minha casa. Bem, pelo menos foi isso que eu pensei.


Eu estava caminhando para fora da escola quando Dorcas me gritou. Ela correu até mim e me perguntou se eu havia visto a Lily.


- Não, por quê?


- Ela passou por mim chorando. Eu procurei por ela, mas não consegui encontra-la. – Dorcas me respondeu.


- Banheiro. – Eu disse.


Dorcas me seguiu até o banheiro feminino.


Bem, se existe uma coisa que eu jamais vou entender sobre mulheres é o porquê de irmos instantaneamente para banheiros caso precisamos chorar. Primeiro, é muito previsível. Segundo, estudando onde a gente estudava, chorar no banheiro era a mesma coisa que pegar um megafone e chorar para a escola inteira ver.


Assim que entramos no banheiro feminino, ouvimos o choro contido de Lily.


- Lily? – Eu perguntei, apenas para ter certeza.


- Marlene? – Ela respondeu. – Como você sabia que era eu?


- Dorcas me disse que te viu chorando, uma coisa leva a outra e cá estou eu. – Falei. – Vamos, saia daí, lave esse rosto e vamos lá para casa. Lá a gente conversa, ou não.


Lily abriu a porta do banheiro e seguiu minhas instruções.


Quando saímos do banheiro, James Potter, que aparentemente já estava ciente do choro de Lily veio falar com ela.


- Lils, o que aconteceu? – Ele perguntou abraçando ela.


Lily ficou muda. Eu e Dorcas então resolvemos nos pronunciar.


- A culpa é minha. Eu estava contando pra ela uma história muito triste. – Dorcas disse.


- E ela está na TPM. – Completei. – Hormônios e tudo mais, você não imagina o que isso faz com as mulheres...


- Mas agora está tudo bem? – James olhou nos olhos de Lily, que apenas balançou a cabeça dizendo “Sim”.


- Nós temos que ir. – Eu disse puxando Lily e Dorcas. – Até mais Potter.


Por sorte Dorcas tinha um carro, que nos levou para a minha casa. Preparei um lanche para nós três, Lily ainda estava quieta.


- Quer falar sobre isso, Lily? – Perguntei.


- Ele disse que está apaixonado. – Lily disse. – Por aquela vadia.


- Então não era sexo, era amor? - E então ela começou a chorar de novo. Eu não tinha muito tato com isso, afinal, nós duas nem éramos amigas. Para minha sorte, Dorcas tinha.


- Não fica assim Lily... Afinal, isso é algo que está fora do seu controle. – Dorcas disse me olhando com olhar de desaprovação pela minha frase.


- Você a conhece, certo Marlene? Ela vai o fazer sofrer? – Lily perguntou. – Você deve saber isso, vocês duas eram tipo “bff’s” antes de todo aquele lance de gravidez, né?


- Pera, lance de gravidez? – Perguntei assustada. – Como assim gravidez?


- Você... Nunca ficou sabendo disso? – Lily parou de chorar, talvez por ter se assustado com a minha reação.


- Não. Gravidez de quem? – Perguntei.


- A Vance espalhou que sua irmã estava grávida e que você tinha alguma DST. – Lily me explicou.


- Ela espalhou o que?! – Eu deixei meu copo cair em cima do meu pé. E eu estava descalça. Not cool.
________________________________________________________________
Queridos leitores:
Bem, espero que esse seja um primeiro capítulo legal e cheio de bafões! haha Sério, espero que vocês gostem da fic! E, espero que eu consiga atualizar essa e mais duas outras fics :x
xxxx e até mais!  

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 2

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por not eugênio em 08/03/2011

oi (:

então, eu adorei o capítulo. eu também detesto quimica, hahaha. to ctg marlene. e ela dizendo que ia ignorar o sirius, hahahaha. essa tem atitude. quero ver ela quebrar a emmy, mwhahaha. :*

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por not eugênio em 08/03/2011

oi (:

então, eu adorei o capítulo. eu também detesto quimica, hahaha. to ctg marlene. e ela dizendo que ia ignorar o sirius, hahahaha. essa tem atitude. quero ver ela quebrar a emmy, mwhahaha. :*

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2023
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.