FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

12. Quando já não é possível...


Fic: Além do fraternal Novo cap on 05-08-2013 - ATUALIZADA


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

 


 





Cap. 12 -  Quando já não é preciso...


 


 


Harry observou o Sol nascer timidamente entre as montanhas geladas. Sentia-se extremamente cansado, a noite fora muito longa: mais uma vez tivera insônia. Suspirou pesadamente enquanto sentava-se na própria cama. Olhou o relógio luminoso no criado mudo, marcava 10h da manhã e a casa ainda estava silenciosa. Aliás, a casa estava se encontrava naquele estado há dois meses. Ele e seus pais estavam fazendo uma “escala” nada agradável todos os dias: casa-escola-hospital-casa, não exatamente nesta ordem.


Nem com a água quente escorrendo pelo seu corpo ele foi capaz de relaxar. Era sábado e estava disposto a passar o dia todo naquele hospital ao lado de Hermione. Não a abandonaria um instante que fosse enquanto pudesse. Sentindo o coração acelerar ele se lembrou da última conversa que tiveram com o médico que estava cuidando da sua irmã...


... Dr. Jones se sentou à sua mesa e tirou os óculos de grau. Não olhava diretamente  para os pais dele, permaneceu cabisbaixo enquanto anotava algo em um bloquinho branco. Lilian respirava fundo e apertava a mão de Tiago fortemente. Este, por sua vez mantinha os olhos fixos no homem à sua frente, que por fim disse:


_Eu fiz novos exames na jovem, conforme me pediram, e... Lamento dizer que o estado de saúde dela é o mesmo dos últimos exames.


Ele fez uma pausa e finalmente encarou os pais aflitos:


_Quando digo que não houve mudanças, quero dizer que ela não melhorou.


_Mas também não piorou!


A intervenção de Lilian, feita em uma voz falha, fez com que o médico retornasse a olhar fixamente seu bloquinho de notas.


_Sim Lilian, ela não piorou. _ ele soltou um longo suspiro e continuou, desta vez olhando novamente para o casal. _ Mas, infelizmente, não vemos chance alguma de mudança no estado dela e... _ os soluços dela o fizeram falhar, mas logo ele continuou. _ Ela pode ficar assim por tempo indeterminado... _ mais uma vez, os soluços._ Ela está em estado vegetativo e arrisco dizer... _ os soluços aumentaram._ Arrisco dizer que, no momento, quem está sofrendo é apenas a família... Vocês.


Um silêncio pesado tomou conta do ambiente, sendo quebrado algumas vezes pelos soluços de Lilian. Tiago, que até alguns segundos atrás tentava dar força à esposa, agora permanecia sem reação, assim como Harry, que sentia a parede atrás de si o único recurso para se manter de pé naquele momento.


_E-... Eu... Não vou desistir da minha filha. _ Lilian disse em um tom de voz desafiador._ Enquanto ela estiver aqui e Deus não leva-la, não vou desistir dela.


...  Harry já não sabia o que pensar. Devia confessar a si mesmo que por várias vezes nos últimos meses chegou a pensar que o médico estava certo e a única solução era desligar os aparelhos que a mantinham viva. Mas sempre que pensava nessa possibilidade ele tinha sonhos muito realistas, onde Hermione o pedia para que não desistisse dela e, na manhã seguinte, ele acordava com o triplo de esperança.


Mas, assim que ele chegava no hospital, mais especificamente no CTI onde a jovem se encontrava, era como se um balde de água gelada fosse jogado sem piedade. Ao vê-la pálida, sempre desacordada, com cortes espalhados pelo rosto, antes perfeito, as mãos inchadas devido às agulhadas diárias!


Apesar disso, ele ficava impressionado em como sua irmã era amada. Todos os dias, buques de flores chegavam os montes, assim como ursinhos, bombons... Mas, como ela estava em um CTI, todos os presentes iam para a casa dela e, agora, o quarto da jovem estava bastante perfumado e decorado e Lilian estava disposta à mantê-lo daquele jeito até que a filha acordasse.


Lilian, aliás, estava se mostrando uma mulher extremamente forte. Era engraçado quando alguém se dirigia à ela com lágrimas nos olhos, lamentando pelo ocorrido e ela retribuía com um sorriso dizendo que estava confiante e que a filha iria sair daquela situação. Tiago, ao contrário, permanecia sempre calado. Raramente sorria ou expressava algum sentimento. Talvez pensasse que, se chorasse, iria preocupar a esposa, que estava grávida e já não aguentaria tanta pressão.


Desde o ocorrido, Lilian passou mal apenas uma vez e fora logo naquela noite, quando receberam a notícia...


... _Harry... Eu preciso contar uma coisa muito importante para você. _ ela disse, ficando muito séria.


_Mãe, agora não! A Hermione precisa de mim!


Ele começou a acompanhar o médico, quando ela gritou:


_Harry! Você não pode...


_Senhora Potter, por favor! _ disse o médico, impaciente. _ Precisamos urgente dessa doação!


_Mas... _ ela insistiu, sendo interrompida em seguida.


_Agradeça à Deus por ela ter um tipo sanguíneo que é receptor universal. Precisamos de toda a ajuda possível nesse momento!


Lilian ficou estática, observando os dois se afastarem.


Quando ele retornou para a recepção, recebeu a notícia de que sua mãe estava em observação na enfermaria pois sentiu um mal estar.


Desde então, ela passa a maior parte do tempo tentando se controlar, frequentando cultos aos domingos, criando novas amizades no hospital, participando de um programa de mães que acompanham os filhos internados. Harry não sabia exatamente o que estava deixando-a tão calma, mas estava funcionando.


No caminho para o hospital, ele não pôde deixar de pensar em Draco Malfoy. O rapaz era outro que se revezava entre a escola, a casa e o hospital. Não conversavam muito, raramente se cumprimentavam, mas ele surpreendeu à todos com aquela atitude.


Chegou ao hospital relativamente cedo naquele sábado, mas quanto mais cedo, mais tempo ele teria com a irmã. Atravessou os corredores do CTI se preparando, orando, sentindo a respiração travar algumas vezes quando via uma família chorando pela perda de um ente querido. A morte passou a ser companhia diária naquele lugar.


Finalmente, chegou ao quarto de Hermione. Deu um último suspiro longo e entrou.


Harry estava se preparando para tudo, mas, naquele momento, estava se repreendendo por não ter se preparado para o momento aparentemente mais improvável dentre os outros: encontrou uma Hermione sentada na própria cama, sorridente e serena. Seu cabelo um tanto bagunçado emoldurava seu rosto pálido mas, por incrível que pareça, radiante. Nesse momento ela ouvia atenta alguma coisa que Lilian contava, esta, por sua vez, parecia estar vendo uma aparição e admirava a própria filha como se fosse a primeira vez que a estivesse vendo. Falava em um tom muito baixo, mas bem compreensível para qualquer um, exceto para Harry, que permanecia estático à porta, alheio à tudo ao seu redor mas bem atento à irmã, que, nesse momento, voltou seu olhar para a direção dele e sorriu.


_Oi... _ ela sussurrou ou falou com a voz falha, Harry não pode decifrar, só sabia que precisava tomar uma atitude.


Lilian seguiu o olhar da filha e também ao ver o rapaz.


_Oi meu amor! Por que não se aproxima? _ ela perguntou.


Finalmente Harry pareceu retornar à vida e caminhou, a passos largos, até chegar bem perto de Hermione.


_Como...?_ ele não sabia bem o que dizer ou perguntar, queria apenas abraça-la bem forte, mas o estado frágil dela o impediu. Por isso, ele se contentou em segurar a mão dela e distribuir vários beijos naquele local.


Lilian se afastou um pouco, mas foi Tiago quem começou a dar explicações:


_Ela despertou de madrugada. Queríamos te ligar mas...


_Eu pedi para que eles não contassem. _ a voz dela, ainda que bem baixa, foi o suficiente para que o rapaz parasse com os beijos e a olhasse fixamente nos olhos. _ Queria fazer uma surpresa... Gostou?


Harry deu uma risada rouca, emocionado e, com certa dificuldade, respondeu:


_Foi a melhor surpresa que eu já recebi em toda a minha vida!


Hermione deu um sorriso tímido enquanto Lilian dizia:


_Vou deixa-los à sós, acho que têm muitas coisas para colocarem em dia. Eu e o Tiago vamos para casa e descansar um pouco. _ ela olhou para o marido como se esperasse que ele dissesse algo contra àquela decisão, mas ele respondeu:


_Para mim está ótimo. Voltamos logo.


Despediram da filha e partiram, deixando um Harry ainda emocionado e uma Hermione tranquila... Tranquila até de mais.


_Então... _ Harry resolveu quebrar o silêncio. _ Como está se sentindo?


_Um pouco tonta, mas acho que não tenho nada mais grave. _ ela respondeu calmamente. _ E como você está?


_ Agora estou bem melhor, pode acreditar. _ ela deu uma risadinha tímida. _ Você não imagina como fiquei preocupado!


_Sinto muito... _ ela sussurrou. _ Harry... E o Draco?


Harry ficou imóvel por um momento. O nome do rival sendo dito na voz dela parecia uma punhalada. Ele não respondeu de imediato e foi necessário que ela repetisse a pergunta:


_Harry, o Draco esteve aqui?


_Sim. _ ele respondeu em um tom seco. _ Veio visita-la praticamente todo esse tempo em que você esteve...


Ele não conseguiu pronunciar as palavras “em coma”. Hermione desviou seu olhar para as próprias mãos e parecia estar falando consigo mesmo:


_Eu não esperava menos que isso. Draco é realmente o namorado perfeito.


Harry, que antes estava sentado ao lado da cama dela, colocou-se de pé imediatamente.


_Namorado...? _ ele repetiu, incrédulo.


_Sim Harry... Namorado... _ ela repetiu um pouco confusa.


_Mas... _ Harry parecia procurar as palavras certas. _ Ele não é seu namorado Hermione. E acho que nunca foi, pelo menos não oficialmente.


Hermione o observava incrédula e parecia buscar na própria memória um contra argumento para o que o irmão dizia.


_Harry por que você está falando isso? Quero dizer, Draco é meu namorado desde que nos mudamos para cá! _ ela levou a mão à cabeça, demonstrando sua confusão.


O rapaz permaneceu estático. Mas de onde surgira aquela idéia de que Draco era o namorado dela desde que chegaram à cidade? Ou será que era e ela mentiu o tempo todo? Tentando manter a calma, ele se sentou novamente ao lado dela e insistiu:


_Mione... Ok. Draco é seu namorado. Mas quero que me responda uma coisa: você se lembra de mais alguém? _ ela o observou confusa. _ Quero dizer, você se lembra de ter tido outro namorado?


_Mas é claro que não! _ o nervosismo fez a jovem se alterar visivelmente. _ Eu nunca trairia o Draco!


A tensão parecia tangível entre os dois naquele momento. Hermione tentava passar segurança no que dizia, mas o constante movimento das mãos no cabelo a denunciavam.  Harry não queria aceitar que ela tinha esquecido tudo o que passaram juntos, todos os sentimentos e confidencias. Por isso tentou uma última vez argumentar:


_Hermione. Respire fundo e,  por favor, me diga: você se lembra... _ ele fez uma pausa, buscando forças. _ de mim?


A jovem o olhou fixamente por um longo tempo, até dizer finalmente:


_Claro que me lembro! Você é o Harry, me irmão lindo que vive arrasando o coração das minhas amigas, mas no fundo é uma pessoa maravilhosa! Aliás, como está o seu namoro com a Gina? Me lembro que vocês formavam um belo casal!


Ele finalmente reconheceu a derrota. Sentindo o coração doendo fortemente e um nó incômodo na garganta, ele respondeu:


_Não... Estamos mais namorando.


O restante daquele dia foi um verdadeiro pesadelo para Harry. Um pouco depois da conversa que tivera com a irmã, Draco Malfoy chegou e demonstrou a mesma reação de Harry quando viu Hermione acordada. Esta, por sua vez, realmente agiu como se o rapaz fosse seu namorado, beijando-o calorosamente e isso foi de mais para Harry que preferiu ir para casa.


Não entendia o que tinha acontecido com Hermione e não sabia se ela estava mentindo ou se realmente havia se esquecido de tudo. Mas era mais estranho ainda o fato de que ela tinha se esquecido apenas dele e o substituído nas poucas lembranças que tinha por Malfoy. Sentou-se em sua cama sentindo-se desolado, no entanto estava disposto à esquece-la. Por isso, tomou uma atitude desesperada e um tanto drástica e esperava, sinceramente, que fosse o suficiente para ajuda-lo.


 


__________________________________________________________________________________________________


Estou até um pouco sem graça ao escrever essa notinha e esse capítulo... Faz um bom tempo que eu não atualizo a fic mas ultimamente eu realmente fiquei atarefada... Bastante altarefada rsrs


Mas finalmente iriei finalizar essa história! Obrigada àqueles que não desistiram. Eu prometo que terão o fim tão esperado!



bjs e até a próxima que não vai demorar!

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 1

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por rosana franco em 13/10/2011

Sera q foi o jeito q ela achou para tentar esquecer!!!Tadinho dele to com peninha.

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.