FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

ATENÇÃO: Esta fic pode conter linguagem e conteúdo inapropriados para menores de idade então o leitor está concordando com os termos descritos.

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

5. Complicações


Fic: Foi o Destino - HHr - AVISO 2015


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________


Capítulo 5
Complicações


 


- Com licença senhorita, mas deixou cair um pergaminho... Granger? – Ouvir novamente aquela voz ultrapassar meus ouvidos fez com que meu corpo se arrepiasse. Mas não um arrepio qualquer, mas um arrepio de nojo. Virei o encarando.


- Obrigada. – Agradeci a contragosto puxando com violência o pergaminho de sua mão. 


- Espere! – Quase gritou quando voltei a caminhar pelo saguão. Ele apenas me impediu de continuar porque segurou firme meu braço. – É assim que trata as pessoas que reencontra? – Levantou uma sobrancelha; sarcástico. 


- Não lhe devo satisfações. – Soltei meu braço bruscamente de suas mãos. 


- O que faz aqui afinal? – Perguntou casualmente, como se fossemos velhos amigos. 


- Já disse que não lhe devo satisfações Malfoy. – Revirei os olhos querendo acabar logo com tudo aquilo. Voltei a seguir meu caminho o deixando para trás. 


Mais sem antes deixar de ouvir suas últimas palavras: - Nos vemos em breve, Granger. 


Uma semana havia se passado. Uma semana após o reencontro com Harry, e as coisas só pioravam. Minha atenção com as explicações de Luiza estava decaindo e o diretor do Profeta Diário pediu que o visitasse na sexta-feira, o que seria amanhã. Acordava mal, devido à péssima noite que passava; apenas pensando, a noite inteira. 


E para completar, encontro Draco Malfoy no ministério. 


Entrei em minha sala e logo deixei minha bolsa, pasta e casaco no sofá. Tirei do bolso um pequeno envelope escrito Luan Granger. Sentei na cadeira enquanto abria o pergaminho e começava uma leitura silenciosa. 


Ah mãe, você nos fez prometer que mandaríamos cartas contando exatamente tudo e eu não posso esconder isso de você. Nem conseguiria. A questão é; as coisas por aqui não estão nada boas. Melissa está agindo estranho demais. Está fechada, não sorri e briga com todo mundo. Até se afastou de mim e da Fernanda. Enfim, deixando ela de lado. Tenho uma novidade. Tivemos aulas de duelos ontem e como surpresa Minerva trouxe um convidado especial para nos ajudar. É engraçado porque, apesar de tudo, vi Melissa sorrir. Talvez fosse pelo convidado que era nada mais e nada menos que Harry Potter, imagina só... 


Era impossível acreditar nas palavras que estavam escritas. As palavras que lia várias vezes. E para piorar a situação, isso acontece. Olhei para a porta, a encarando como meu inimigo mortal. Levantei da cadeira caminhando até a mesma e, naquele exato momento, não enxerguei mais nada. Uma súbita raiva dominou meu corpo. Levantei da cadeira motivada a fazer o que queria fazer. Caminhei em passos rápidos e bati a porta atrás de mim. Entrei no elevador e o esperei parar no nível dois. 


E quando o mesmo o fez, sai correndo para a sala de Harry. 


Abri a porta bruscamente; sem bater. Parei por um instante apenas puxando todo o ar que podia. Não estava acostumada com saltos, ainda mais correndo com eles. Encarei Harry para que ele notasse minha presença até que ele levantou o rosto. Seu rosto transmitia toda a dúvida por tal comportamento, mas seus olhos transmitiam a alegria por me ver. Eu sabia disso porque eu sentia isso.   


- Não sei como fez isso, mas o quero longe deles. – Pronunciei arfando. Fechei a porta atrás de mim e ele continuou a me olhar. 


- E sobre o que estamos falando? – Pousou a pena no tinteiro e parou de escrever no pergaminho, voltando à atenção a mim. 


- Lembra-se de Melissa e Luan? Ontem? Aula de duelos? – Questionei pausando a cada pergunta. 


- Ah sim, me lembro. Aqueles pequenos são bastante inteligentes... – Disse pensativo. 


- A questão é que não quero você perto dos meus filhos. – Soltei alterando a voz. 


E essas palavras foram um dos meus maiores erros; primeiro por perceber o quanto a situação estava ridícula e segundo por acabar de revelar que sou mãe de duas crianças.   


Abaixei a cabeça e tapei meu rosto com as mãos. 


- Melissa e Luan são seus filhos? – Senti em sua voz um tom de surpresa. 


- Ora fracamente! Vai me dizer que não percebeu nossos sobrenomes? Você sempre foi mais inteligente que isso Harry. – Levantei o rosto esperando alguma resposta, mas ela não veio. – Não sei o que fez para Minerva deixar você ir até Hogwarts e... – Gesticulava com as mãos, mas fui interrompida. 


- Espera! – Ele levantou a mão direita para que eu parasse. – Você acha que pedi para Minerva que me deixasse fazer isso? O que você andou fazendo ultimamente Hermione? – Levantou as sobrancelhas. 


- Eu é que pergunto. – Disse firme. 


- Minerva me pediu para que fosse. Não poderia negar. – Explicou. – Nós éramos amigos, porque não posso conhecer ou ficar perto de seus filhos? – Sua boca mexia, mas não escutava nenhuma palavra sequer. 


A única coisa que conseguia pensar era que para Harry nós éramos amigos. 


Então, isso foi tudo o que fui para ele. Apenas amigos. Só amigos. É engraçado como simples palavras podem machucar tanto alguém. Alguém que realmente o amou e por mais que ainda doesse; o ama. Engoli em seco e o olhei nos olhos. 


Segurei as lágrimas que se formaram em meus olhos embaçando minha visão. 


- Eu quero você longe dos meus filhos. – Falei pausadamente. – Entendeu? – Mas antes que ele respondesse, andei até a porta e o olhei. – Ótimo! – Fechei a porta sem dizer mais nada. 


O dia passou lentamente. Todos os meus pensamentos eram de Harry e todas as minhas ações faziam lembrá-lo. Quanto mais o queria longe de minha vida, mas ele entrava nela. Depois de algumas horas recebi um memorando de Luiza cancelando nosso encontro de hoje devido um problema particular, o que a fez deixar o ministério cedo. 


E assim que meu turno acabou, aparatei direto para casa. 


No dia seguinte, sexta-feira; acordei cedo e me preparei para ir ao Profeta Diário. Sai de casa e caminhei até um beco próximo dali. Aparatei para uma rua sem saída, cheia de paralelepípedos. Caminhei até uma casa, aparentemente, abandonada. 


Na fachada havia apenas borrões escuros e algumas pichações por cima da cor – que deveria ser a original – amarela; já gasta com o tempo. As duas janelas, ao lado da porta, estavam com a madeira apodrecendo e os vidros quebrados. As persianas, que podiam ser vistas, ao lado de dentro estavam velhas e sujas. 


Certifiquei-me que ninguém me observava e voltei à atenção para a casa. A maçaneta redonda estava enferrujada e a porta de madeira caía aos pedaços. Um cheiro horrível de mofo – e de alguma coisa podre – saía pelas janelas. 


Aproximei-me da porta até ficar bem próxima do olho mágico sujo que continha ali. 


- Hermione Granger, Profeta Diário. - E com essas palavras de repente o que era uma casa abandonada se transformou uma bela construção. 


As paredes velhas e pichadas foram substituídas por um amarelo vivo; limpo. As janelas foram emolduradas magicamente com cores douradas e pequenos detalhes que se mexiam. As persianas foram substituídas por lindas cortinas vermelhas e os vidros por vidraças tão limpas que era possível ver meu próprio reflexo por elas. A porta de madeira velha agora era uma belíssima porta de carvalho. 


Segurei a maçaneta, não mais enferrujada, dourada e antes de abri-la olhei para cima da porta onde havia uma placa de madeira em formato de um pergaminho desenrolado com os dizeres: Profeta Diário; escrito por uma linda fada arroxeada que soltava pozinhos a cada letra escrita. Até as palavras sumirem e ela as refazer. 


- Hermione que falta você faz aqui. – Disse Susana no instante em que entrei. 


- Está um caos desde que começou a trabalhar no ministério. – Comentou Vivian. 


- Não sejam bobas, continua a mesma coisa. – Falei sorridente enquanto vinham me abraçar. 


- Mas você chegou bem na hora, o senhor Mickon está a esperando na sala dele. – Sussurrou Susana. 


Assenti sem dizer mais nada e caminhei em direção a sala do diretor. 


A filial do Profeta Diário não era grande. O espaço era amplo e havia várias divisórias para que cada um pudesse trabalhar em seu artigo ou até mesmo para uma matéria na primeira página. Cumprimentei alguns com simples acenos, outros com sorrisos até chegar à única porta que havia no local. 


Antes mesmo de bater na porta, ela se abriu. 


- Senhorita Granger que prazer em revê-la. – Cumprimentou com falsa alegria. 


Juan não é o tipo de pessoa que se alegra por qualquer coisa que não seja dinheiro. Ele acenou para que sentasse na cadeira em frente a sua mesa, e assim o fiz. O observei por alguns minutos e percebi que havia mais cabelos pretos em sua cabeça do que da última vez que o vi. A pele estava bronzeada e os olhos negros eram os mesmo. 


- Senhor Mickon. – Limitei-me a dizer. 


A verdade era que Juan nunca gostou de mim e tive a ligeira impressão que ficou alegre quando soube que trabalharia no ministério. Eu sempre ajudei para que o Profeta vendesse mais do que vendia; e muitas delas não foram aceitas. Tentava ao máximo dar minha opinião e isso o deixava bastante irritado. 


A questão é; eu sempre trabalhei mais do que todos. 


- Preciso que me faça um favor. – Começou a dizer tamborilando os dedos na mesa. Apenas assenti para que ele continuasse. – Meus informantes ficaram sabendo que o ministério da magia de Londres realizará um evento. A senhorita sabia disso? 


- Na verdade não. – Respondi sinceramente. 


- Bem, bem. Esse evento será realizado em breve, mas tem um porem... 


Ele olhou para mim esperando alguma reação, mas nada obteve. 


- E é ai que você entra. – Completou. 


- Aonde você quer chegar? – Já estava impaciente com toda aquela encenação. 


- Será um evento fechado, o que significa que nenhuma revista ou jornal poderá entrar; apenas os funcionários do ministério. E você... – Ele apontou para mim. – Será a única da nossa equipe que terá acesso. E o seu trabalho será fazer uma matéria para o Profeta Diário sobre esse evento. Que sairá, é claro, na primeira página do jornal. – Aos poucos um sorriso malicioso se formou em seus lábios. 


O olhei incrédula. 


- Eu não posso fazer isso. – Levantei-me da cadeira prestes a sair dali e acabar com tudo isso. 


- Não só pode como vai. – Sua voz de repente mudou; parecia mais a de um pai repreendendo o filho. O que não era essa a questão. 


- O senhor não pode me obrigar. – Pronunciei ríspida. 


- É verdade, eu não posso... – Sua voz saiu em um tom suspeito. – Mas... – Levantou o dedo indicador demonstrando que a conversa ainda não tinha terminado. – Se não fizer o trabalho não se dê ao luxo de aparecer mais aqui. 


E, de repente, eu não sabia o que dizer. 


Ele estava me manipulando. Estava me obrigando a fazer algo que não queria. Mas eu não poderia entregar algo que ajudei a construir, porque parte do que o Profeta Diário é hoje fui eu quem ajudou a construir. O único problema é que ele era meu chefe. 


- Você tem até amanhã cedo para decidir. – Concluiu; sério. 


- Não é preciso. – Chamei sua atenção quando o mesmo voltava a escrever em um pergaminho. – Farei o trabalho. – Minha voz soou tão séria que não pude me reconhecer. 


- Ótimo! – Outro sorriso malicioso se formou em seu rosto. – Quando receber o convite do ministério da magia eu quero que me avise. Imediatamente. – Ouvi com atenção, mas não desfiz minha postura séria. – No momento tenho a informação que o evento ocorrerá em um sábado. Se for verdade, você terá apenas até domingo à noite para que tenha a matéria em mão, que será publicada na segunda feira... 


- Estamos entendidos. – Disse colocando um fim naquela conversa. 


Sem dizer mais nada, e sem esperar que dissesse mais alguma coisa, sai batendo a porta atrás de mim. O Profeta Diário é parte de mim, ele sabe muito bem disso; e foi esperto o suficiente para conseguir que aceitasse isso. Mais eu não deveria ter aceitado. 


E agora eu precisava resolver esse problema que eu mesma causei. 


Aparatei direto para o ministério da magia. Estava tão aturdida com o que acabara de acontecer que não percebi quando peguei o elevador e o mesmo parou no nível três. Só percebi o que estava acontecendo quando deparei com Harry em frente a minha porta, batendo na mesma e pronunciando “Hermione você está ai?”. 


- Harry? – Chamei sua atenção quando caminhei mais para perto dele. 


- Pensei que não quisesse abrir. – O tom de sua voz saiu constrangido; mas logo ele levantou a mão me entregando um envelope. – É de Hogwarts, urgente. – Avisou enquanto puxava o envelope e o abria ali mesmo. 


- Eu... Preciso ir. – Disse rápido após correr os olhos rapidamente pela escrita perfeita de Minerva. – Luiza não ficará brava se sair sem avisar, não é? – Perguntei insegura começando a andar e perceber que estava sendo seguida por Harry. 


- Não se eu for junto. – Comentou já ao meu lado. 


- Harry. – Parei de repente o olhando. – Eu preciso fazer isso sozinha. – Expliquei engolindo em seco. – Não quero que vá. – Completei voltando a andar. 


- Hermione, por que insiste em não deixar que eu faça parte de sua vida novamente? – Suas palavras me atingiram tão profundamente que não ouvia mais nada além de suas palavras se repetirem em minha mente. 


- Por favor... – Eu não conseguia mais lutar. Não contra ele. 


- Eu que peço Hermione, por favor. – Ele segurou firme minha mão. Seus olhos me analisavam tão intensamente que não consegui protestar. Assenti formando um sorriso gentil para ele. Harry nada mais disse, apenas depositou sua mão direita em minhas costas e caminhou ao meu lado até o átrio principal. 


Aparatamos direto para Hogsmeade onde Minerva já estava a nossa espera.












N/A: Então, como eu estou com depressão-volta-às-aulas, postei como prometido 'akopakaopka. Não é dos melhores - a parte que mais gosto é da descrição d'O Profeta Diário -, mas pelo menos dá para entender um pouco de como será a relação reencontro-Hermione-Harry. Nina, sobre ele saber dos filhos, falta um pouco, eu ainda nem tenho essa parte pronta. Ainda bem que está gostando, own, obrigada *-* EnigmaticPerfection, vou tentar colocar alguma coisa do passado para mostrar mais o que aconteceu, só não é certeza, certeza. Carol, implico com todos, você sabe 'akopakopa Isis, AAH QUE EMOÇÃO! Nem acredito que você se lembra dessas partes. Mas não se preocupe, porque Luan e Melissa ainda vão aparecer antes do Natal. Laauras, sim a Hermione será um pouco sentimental demais kaopkaopako' E sobre a Melissa, eu fico com dó por ela ficar desesperada querendo saber quem é o pai, tadinha .-. 

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 4

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Laauras em 10/08/2012

Eu tenho certeza q a Melissa é filha da Mione, tão inteligente quanto a mãe! Ela bem deve saber q o Harry é o pai deles; só que até o próprio Harry é meio lento, ae fica dificil! Foi mt fofa a parte em que o harry diz q quer fazer parte da vida da Mione de novo!
O q será q tava escrito na carta? Esperando ansiosamente o proximo capitulo! 

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Carolzinha Gregol em 05/08/2012

Tadinha da Hermione, ela não sabe pra que lado vai, se para direita ou para esquerda, fiquei até com dó :( kkkkkkkkkkkk quero ver a cara da Melissa quando entrar o Harry e a Hermione juntos kkkk pior foi a crise da Hermione para o Harry não ver eles :O ela tem recaidas, estou com dó dela tem que fazer a cobertura da festa, como assim?

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Nina Granger Potter em 04/08/2012

Adorei o capítulo!
Super curiosa pra saber o que aconteceu em Hogwarts. Sinto que o Harry vai se aproximar das crianças, mesmo sem saber que é pai delas...

E, foi super fofa a parte do harry pedindo pra voltar pra vida da Hermione.

Atualiza logo, por favor!

beijos 

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Isis Brito em 04/08/2012

Capítulo muito bom! xD
Adorei a parte da carta do Luan, e ele contando que a Melissa voltou a sorrir ao ver o Harry... Ela sabe, não é? Ela já percebeu as incríveis semelhanças entre o Harry e o Luan, não é? ;D
E a Hermione brigando com o Harry para que ele não visse os filhos "dela"... Tenso, hein? Honestamente, é de impressionar que o Harry não tenha descoberto logo de cara que Luan e Melissa são filhos dele também... Vamos aprender a fazer conta, né, Harry??! =P
E Harry implorando pra voltar pra vida da Mione... *-------------*

Louca pra saber por que a Minerva chamou a Hermione às pressas!! Continua logo!! xD 

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.