FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

ATENÇÃO: Esta fic pode conter linguagem e conteúdo inapropriados para menores de idade então o leitor está concordando com os termos descritos.

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

3. Desejo


Fic: Destinos Opostos - AVISO POSTADO..


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

 


Hermione arfava...


Aquele homem conhecia seu corpo como nenhum outro jamais iria conhecer... 


Hermione estava em frente a uma mesa observando as fotos de uma menina que sorria e acenava para quem a fotografava. "Parece-me feliz", pensou Hermione esboçando um sorriso triste.


A Castanha ainda sorria tristemente quando sentiu duas mãos fortes lhe pressionando a cintura e uma barba por fazer lhe roçando a nuca. Não conseguiu controlar o arrepio que lhe passou por todo o seu corpo. Sensação essa que não passou despercebida pelo homem.


-Ainda lhe provoco todas essas sensações, Granger?- perguntou o homem com a voz arrastada.


-Me solte - disse Hermione com a voz fraca, enquanto mordia os lábios.- Eu não vim aqui para isso e você sabe muito bem.


-É o que vamos ver, Granger.



 O meu amor tem um jeito manso que é só seu


E que me deixa louca quando me beija a boca


A minha pele toda fica arrepiada


E me beija com calma e fundo


Até minh'alma se sentir beijada 


 


A barba ainda por fazer continuou a percorrer toda a extensão do pescoço da castanha passando pela nuca, lhe causando diversos arrepios por todo seu corpo. As mãos que antes estavam paradas na cintura começaram a percorrer todo o corpo de Hermione, que era coberto por um delicado vestido de alças que ia até dois palmos após os joelhos e um casaquinho. 


 


O meu amor tem um jeito manso que é só seu


Que rouba os meus sentidos, viola os meus ouvidos


Com tantos segredos lindos e indecentes


Depois brinca comigo, ri do meu umbigo


E me crava os dentes  


 


Sem delicadeza alguma o homem a virou e começou a beijar sua boca. Sua língua invadia e brincava com a boca de Hermione, deixando-a sem ar e sem controle de si. A castanha ainda tentava protestar, mas seu corpo já havia cedido às carícias. Sem mais resistências, retribuiu o beijo que lhe era dado. Um beijo de paixão. De uma paixão mal resolvida, interrompida sem dó nem piedade. Um beijo de um amor que nunca poderia ter acontecido. 


 


Eu sou sua menina, viu?


E ele é o meu rapaz


Meu corpo é testemunha do bem que ele me faz 


 


A barba por fazer continuou a roçar pelo seu pescoço descendo pelo colo. Seu casaquinho não estava mais em seu corpo e seu vestido caía-lhe pela barriga. Hermione agarrava o cabelo do homem guiando-lhe pelo seu corpo, ao mesmo tempo em que o impedia de sair dali. Como se isso fosse preciso. 


 


O meu amor tem um jeito manso que é só seu


Que me deixa maluca, quando me roça a nuca


E quase me machuca com a barba mal feita  


 


As mãos dele subiam pela coxa, apertando-a ao mesmo tempo em que levantava seu vestido. Sua boca sugava-lhe os seus seios. Agora, ele lambia com vontade os seios dela, ora sugando-os, ora mordendo os mamilos. As mãos apertavam-lhe a bunda com vontade. Essa sincronia entre as mãos e boca dele a enlouquecia, fazendo a castanha perder o juízo ... 


 


E de pousar as coxas entre as minhas coxas


 Quando ele se deita 


 


Hermione, que já não conseguia disfarçar sua excitação, gemia loucamente. Ele começou a acariciar a sua vagina e a calcinha, que atrapalhava, como num passe de mágica foi jogada longe. Brincava com os dedos na entrada da vagina da castanha... Já a sentia completamente molhada. Em um movimento rápido, ele a colocou sentada na mesa onde estavam encostados. Ele ajoelhou e começou a lamber a vagina da castanha, arrancando cada vez mais suspiros e gemidos... Hermione se agarrou à mesa e curvou o corpo para dar mais passagem à língua daquele homem que a enlouquecia. 


 


O meu amor tem um jeito manso que é só seu


De me fazer rodeios, de me beijar os seios


Me beijar o ventre e me deixar em brasa 


 


Entendendo o que a castanha queria, ele começou a mordiscar sua vagina, intercalando com pequenas sugadas e lambidas, enquanto suas mãos acariciavam seus seios. A língua que antes apenas brincava na entrada de sua vagina, começou a penetrá-la lentamente. 


 


Desfruta do meu corpo como se o meu corpo


Fosse a sua casa 


 


Ondas de pequenos choques começaram percorrer o corpo da castanha. Parecia que seu corpo ia explodir de tanto prazer. Ele, ao perceber o quão excitada ela estava, levantou-se rapidamente. A fivela do seu cinto foi aberta e sua calça caiu pelas suas pernas, juntamente com sua cueca. Penetrou-a rapidamente e começou a rebolar lentamente dentro dela, causando-lhe mais arrepios de prazer. Rebolava lentamente de um lado para o outro. De um lado para o outro. Quando percebeu que ela já não aguentava mais de tanto prazer aumentou o ritmo e começou a penetrar mais fundo e com mais força. Alternava reboladas lentas e estocadas fortes. Hermione, por sua vez, lhe mordia, lhe arranhava, lhe chamava pelo primeiro nome. Com esse ritmo enlouquecedor, não demorou muito para que os dois chegassem juntos ao ápice do prazer. 


 


Eu sou sua menina, viu?


E ele é o meu rapaz


Meu corpo é testemunha do bem que ele me faz 


 


Sem dúvida alguma, aquele homem sabia levá-la ao êxtase como nenhum outro. 


 


Hermione levantou da mesa e colocou sua calcinha que estava jogada perto da estante e consertou a alça de seu vestido. O homem que estava com ela também se recompôs: levantou sua calça, ajeitou o cinto e colocou a camisa que lhe fora arrancada no auge do prazer. Olhava curioso para a mulher que estava à sua frente e de costas para ele. Conhecia-a como a palma de sua mão. Por isso, sabia que há essa hora a culpa lhe consumia. Sabia que ela apertava suas próprias mãos com muita força.


-Isso não deveria ter acontecido, Malfoy - a castanha falou em um sussurro.


-Você sempre diz isso, Granger. Mas sempre vem me procurar- Disse Draco com uma voz cansada.


-Eu não vim te procurar, seu desgraçado - A castanha continuava com a voz falhando - Eu vim ver a Lizza. Você sabe muito bem disso. Aliás, eu vim hoje porque você havia me dito que não estaria aqui.


-Mas a casa é minha, Granger. E permaneço nela quando me der vontade. Eu não tenho satisfações nenhumas a lhe dar.


Hermione suspirou triste e derrotada. Sentia-se humilhada, usada, ultrajada. Draco percebeu que havia sido rude demais com a Castanha, então sem conseguir se controlar foi até ela e pôs a mão carinhosamente em seu ombro. Hermione desvencilhou-se com raiva e disse com um tom de voz ameaçador:


-Tire essas suas mãos de mim. Vá buscar a Lizza. Por favor.


Draco suspirou derrotado. “Por que fui perceber que eu não sentia apenas ódio por essa mulher? Maldito seja esse dia!”. 


 


Hogwarts – 09 anos atrás


 


Baile do Torneio TriBruxo 


 


Draco estava sentado à mesa junto à Crabbe, Goyle, Zabini e Parkinson. Estava achando tudo aquilo um saco. Estava ali por insistência de Parkinson, seu par no baile de Inverno. Mas não estava achando graça alguma em ver a badalação da escola em relação ao, como costumava chamar, santo Potter. Não entendia o quanto as pessoas podiam ser patéticas. Até a primeira tarefa quase toda Hogwarts achava Potter uma farsa. A campanha “Potter fede” tinha sido uma maravilha. Mas foi o rapaz enfrentar um idiota de um dragão qualquer para voltar a ser o queridinho de Hogwarts. Tinha nojo desses idiotas.


Bebia uma cerveja amanteigada enquanto ouvia Crabbe e Goyle falarem gracinhas dos colegas do salão. Ouviu o som da trombeta que anunciava a entrada dos campeões e olhou em direção à grande porta. Viu quando Diggory entrou com Chang, Delacour com Davies, Potter (nessa hora Draco fez cara de nojo) com a gêmea Patil (“que mau gosto, Potter”) e Krum com uma menina que nunca havia visto antes na escola. Provavelmente era uma aluna da Academia de Magia de Beauxbatons.


Deu uma gargalhada alta quando viu o pobretão do Rony chegar vestido que nem um palhaço. “Deveriam proibir além dos sangues ruins, os pobretões, de frequentarem essa escola”, pensou. Mas uma coisa o incomodava. “Onde será que anda a Sangue Ruim? Deve estar no Salão Comunal, nenhum cara seria doido o suficiente de chamá-la para vir ao Baile de Inverno”, pensou em um sorriso. “Mas é uma pena, seria uma ótima oportunidade para eu me divertir”.


 -Aquela ali é a Sangue Ruim?


 Draco ouviu Zabini perguntar e rapidamente virou o corpo na direção em que o rapaz apontava. Não entendeu porque sentiu como se um bicho pulasse dentro de sua barriga quando viu Krum abraçado a sangue ruim que sempre odiou. Seus olhos passaram do rosto de Hermione, que parecia muito feliz, às mãos de Krum que apertavam a cintura da Castanha de forma possessiva. De repente um ódio tomou conta de si, e o loiro resolveu sair do salão antes que perdesse o controle por algo que desconhecia totalmente. Ainda viu, antes de sair completamente do salão, Krum falar algo no ouvido da Castanha e ela gargalhar gostosamente jogando a cabeça para trás.


Draco foi em direção aos jardins. Escolheu ficar em um local escuro longe de todos. Principalmente da Pansy. “Merlin, ela me sufoca”. Convocou por meio de um accio uma garrafa de Uísque de Fogo que estava em seu quarto e começou a tomá-lo sentado perto da fonte.


No escuro.


Sozinho.


Como sempre fora.


Já estava na segunda garrafa quando ouviu uma pequena discussão e se aproximou discretamente para saber quem era. Em um canto da fonte, Rony e Hermione discutiam seriamente.


- Que é que há com você? Está louco? Arrastou-me daquele jeito de perto do Vítor! –Hermione esbravejava.


- Vítor?- disse ele. – Não deveria ser Krum? Ahh, claro que não!!!! Você estava agarrada a ele, esqueci que são íntimos. – Rony praticamente cuspia as palavras.


Hermione olhou para o garoto surpresa.


-Eu não estou lhe entendendo, Ron. Qual é o seu problema? - Perguntou Hermione.


- Se você não sabe - disse ele sarcasticamente - não sou eu que vou lhe dizer.


- Rony, que é...


- Ele é da Durmstrang! - vociferou Rony. - E está competindo contra o Harry! Contra Hogwarts! Você... Você estava agarrada aos beijos com o inimigo, você não percebe?


 Hermione ficou boquiaberta.


- Como você pode ser tão idiota, Ron? - respondeu ela após um momento. - Quem queria pedir um autógrafo a ele? Quem é que tem um modelinho dele no dormitório? Que inimigo?


Rony preferiu ignorar as perguntas da castanha.


- Por que você não me disse que ele tinha a convidado?


-Porque eu não lhe devo satisfação da minha vida!


- Por que você aceitou? -Ron estava da cor dos seus cabelos. -Hein? Você não percebe que ele só quer te usar?


- O que é que você quer dizer com isso?- Hermione já estava com lágrimas nos olhos.


Sem saber o porquê, de repente o ódio de Draco em relação àquele ruivo começou a aumentar. Seria capaz de ir até lá e quebrar a cara daquele pobretão. Continuou ouvindo a discussão.


- Não é óbvio? Para que ele te chamaria se não fosse para saber informações sobre o Harry e o torneio?


- Mas ele nem me perguntou sobre o Harry...- Hermione já chorava abertamente.- Você acha que ele não poderia me chamar porque se interessa por mim?


Ron deu uma gargalhada.


-Você acredita nisso, Hermione?- Ron perguntou com raiva.


-Se você queria que eu viesse com você ao baile, Ron, não precisava fazer tudo isso comigo.


-Se eu quisesse vir com você ao Baile, Hermione, eu teria lhe chamado.


Ron virou as costas e saiu pisando duro. Tinha noção que havia pegado pesado com a amiga. Mas a imagem dela beijando Krum havia lhe deixado completamente fora de órbita.


Hermione, que agora não conseguia conter as lágrimas caminhou até um local pouco iluminado do jardim e se sentou, na tentativa de não ser notada e poder desabafar sua tristeza sem ser incomodada por ninguém. Não conseguia entender porque seu amigo lhe havia machucado tanto. Gostava muito de Rony, mas o amigo, além de nem notá-la, ainda fazia pouco caso dela. Estava tão feliz por Krum lhe notar e Ron estragou sua noite de princesa.


 Draco viu a castanha chorando e uma enorme vontade de estar perto dela começou a lhe consumir.


 Sentia raiva. Do pobretão idiota e da sangue ruim. “Como ela deixa esse idiota falar assim com ela?”. Hermione, que chorava com a cabeça baixa, não percebeu a aproximação do loiro. Levou um susto quando sentiu uma mão em seu rosto e, ao levantá-lo, perceber dois olhos frios a observando.


- Sai daqui, Malfoy. O que foi? Veio me humilhar também? Sai daqui! - Hermione gritou com o fio de voz que lhe restara. Não queria ser mais humilhada e percebeu que Draco havia bebido algo além de cerveja amanteigada... Olhou-o intrigada quando percebeu a seriedade daqueles olhos tão frios de tão azuis acinzentados a olhando. -Sai daqui, Malfoy. Por favor! -Hermione lhe suplicou.


- Eu te odeio, Granger!- Draco falou a olhando profundamente. Hermione se assustou. Não conseguia entender. Havia um tom de tristeza na voz do loiro. E ele estava sério. Não debochado como sempre o fazia. Sério como prestes a fazer uma confissão.


-Mas o que...- Hermione tentou falar, mas foi impedida por ele.


-Eu te odeio por não ser uma sangue puro, eu te odeio por não ser de uma família nobre, te odeio por ser amiga do Potter. Por que você precisava dificultar as coisas pra mim?


Hermione apenas o encarava.  O rapaz prosseguiu.


-Te odeio por não poder te ter e te odeio principalmente por te desejar.


-Malfoy ... 


 


-Malfoy. - Draco despertou de seu devaneio. Hermione continha ódio em sua voz. -Eu não tenho o dia inteiro. Vá buscar a minha filha- completou derrotada- por favor. 


 


N.A: Música: “O meu Amor” – Chico Buarque


http://letras.mus.br/chico-buarque/45155/


Como prometido, eis o primeiro capítulo reescrito. Eu espero, sinceramente, que voltem a curtir Destinos Opostos. Obrigada pelo carinho: Brenda Chaia, Hilary J.S. Lestrange e Landa MS. Bjos, Maris
 


N.B.: eu ia lendo e relembrando de algumas partes lidas tantos e tantos anos antes! Será mais do que um prazer betar e acompanhar essa fic novamente! Beijos, Ártemis

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 11

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por TAIANA TAVEIRA SILVA em 22/08/2012

Só esqueci de dá a nota rs. pronto agora foi =D

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por TAIANA TAVEIRA SILVA em 22/08/2012

Hoje de manhã determinei que iria começar a ler este capítulo, Ai que saudade desse casal apaixonante, Li e reli este capitulo porque toda vez viajava na música que não saiu da minha cabeça ontem e hoje acompanhou minha leitura rsrs, perfeito.
Confesso que fico apaixonada com esses dois, na verdade são misturas de sentimentos e como hoje tudo se encaixava com a música de fundo parecia que estava em outra dimensão, já tinha esquecido o quanto era bom essas fics. O que me deixa mais interessada e nem sei se estou correta, mas é algo que sempre ronda meus pensamentos quando estou lendo é que o  Draco é o mais certo de tudo aqui rs. 
Meu dia de leitura está perfeito, escolha certa para o dia. 

Nota: 1

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por The Daily Doll em 23/07/2012

Não aguentei esperar rsrs. O cap ficou ótimo, da última vez não tinha visto até o fim a briga de Rony e Hermione, mas tem algumas sutis mudanças, mas ficaram ótimas, a cara do Rony mesmo rsrs. E o novo codinome do Draco agora é Barba por fazer neh rsrs. E o Draco tava tão fofo se declarando pra ela, acho que a bebida que fez a língua dele ficar solta porque ele não adimitiria estando sóbrio. Enfim, adorei, indo para o próximo ansiosérrima rsrs.

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Déia Santos em 12/07/2012

Adoro esse "odio" carregando um amor *---*
capítulo de tirar o fôlego 

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Caderninho azul em 12/07/2012
Ahh que lindo!Adorei a parte que você fez ele "acordar" do devaneio!Deu para imaginar perfeitamente, eu mesma me assustei porque tava prestando atenção na memória dele e quando vi, você voltou o tempo atual!Adoro quando usam esse recurso e você soube utilizá-lo muito bem! Também gostei das modificações na briga de Ron e Mione,achei que ficou mais realístico.Bom, o próximo!Beijo!
Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por jessica salicio da silva em 12/07/2012

Porque eu acho que a Hermione vai sofrer bastante nessa fic. Eu tinha lido ela da outra vez e caramba é encantadora. Quero devora-la também. *-*

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Ariane em 10/07/2012

Essa fic é ótima! E vai ainda melhor! Que bom que vc retomou! Parabéns!

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Brenda Chaia em 08/07/2012

Essa fic é mt boa, q bom q vc voltou!

\o/ 

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Rê Malfoy em 08/07/2012

Filha, hein???? O.O Menina, que declaração foi essa???? A-DO-REI!!! Mais nova leitora hahahaa

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Scarlett em 06/07/2012

Ahhhhhhhhhhhhhh,
ela voltou... Amuh essa fic!!!
Ainda lembro d algumas partes,
q boom q vc retomou o projeto!!!
bj

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Artemis Granger em 06/07/2012

hummmmm

esperando pelo cap 4 que a sra ainda nao me mandou!

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.