FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

ATENÇÃO: Esta fic pode conter linguagem e conteúdo inapropriados para menores de idade então o leitor está concordando com os termos descritos.

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

20. Colocando o plano em prática 2


Fic: A mesma história,outro desfecho - HG


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

Hermione segurou firme a mão do Rony quando ouviu um som muito conhecido, mas também bem mais alto e forte dos que ela já ouviu, o Crack de um bruxo muito poderoso aparatando fez com que suas pernas amolecessem, ela nem precisou olhar para saber que era Voldemort aparatando nos jardins da Toca. Rony segurou sua varinha com força até os nós dos dedos embranquecerem, ele sabia que teria que sair da segurança dos feitiços que Hermione projetara para tentar salvar sua irmã, seu melhor amigo, seu sobrinho e o seu amor. Ele não iria se despedir da Hermione, mas se permitiu inspirar o perfume inebriante que emanava da sua pele, aquela poderia ser a última vez que o fazia.


Rony correu para o meio do jardim com a varinha em punho – Hermione gritou um NÃO! desesperado, porém ineficaz, Voldemort e Belatrix se viraram assim que ouviram os passos firmes do Rony no gramado.


- Olha que belezinha! – Belatriz disse com sua voz esganiçada – Ele acha que é páreo para nós – Ela gargalhava.


Rony ameaçou lançar uma maldição, mas foi o tempo dele levantar as mãos com a varinha para ser atingido pela maldição cruciatus bem na lateral do peito.


Voldemort deixou Belatrix no jardim e adentrou a Toca em busca do Harry e da Gina.


Harry podia sentir a presença de Voldemort cada vez mais próxima, sua cicatriz queimava tanto que ele tinha vontade de gritar, naquele momento bateu o desespero em Harry, uma vontade de implorar para que a Gina fosse embora naquele instante.


- Gina, ele está se aproximando! – Harry disse com cara de dor – Assim que ele entrar por aquela porta você desaparata está bem?


Gina concordou com a cabeça, mas ela não estava tão certa disso, deixar o Harry sozinho com Voldemort não estava nos seus planos.


Ambos olhavam fixamente para a porta, a tensão quase explodindo dentro dos seus peitos, Gina lembrou-se nitidamente da primeira vez que viu o Harry e de como se apaixonara ali naquele momento, não seria justo perdê-lo agora. Gina fechou os olhos e pediu intimamente para que Lílian a ajudasse, ela não sabia ao certo se isso era possível, mas se fosse não custava nada tentar!


Os passos na escada ficavam cada vez mais audíveis, o ardor na cicatriz aumentava consideravelmente conforme Voldemort se aproximava, foi quando de repente os passos cessaram – o coração do Harry estava na garganta; Gina tremia - Harry sentia a presença maligna de Voldemort a alguns metros, mas foi apenas quando a porta se abriu e Voldemort olhou sorrindo para os dois que Harry sentiu medo.


**


Rony se contorcia de dor, era como se todos os seus músculos estivessem sendo eletrocutados, a dor estava o fazendo perder a lucidez, ele se contorcia e gritava deitado no gramado da Toca. Hermione estava sentindo tanta dor quanto ele, a única diferença era que a dor do Rony era física e a dela não, era como se seu coração estivesse sendo arrancado a sangue frio.


- Estupefaça – Hermione gritou fazendo com que um jorro vermelho saísse da sua varinha e acertasse em cheio a Belatrix que voou alguns metros batendo as costas em uma árvore.


Hermione se ajoelhou ao lado de Rony, ele tremia com os olhos vidrados, o frio percorria todo o seu corpo fazendo-o ter espasmos angustiantes.


Maldita Belatrix – Hermione pensou.


- Ron, fala comigo – Ela implorava olhando fixamente em seus olhos, mas não obteve resposta, a única coisa que saia da boca do Rony era gemidos.


**


Os olhos do Harry estavam fixos na Gina, porque ela não tinha desaparatado? Voldemort se arrastou ofidicamente para dentro do quarto com um sorriso demoníaco nos lábios.


- Essa cena me é familiar – ele disse – Você ficou muito parecido com o seu pai e essa ruivinha se parece com a sua mãe...


- Não fale dos meus pais– Harry disse entre os dentes.


Harry não queria esperar, queria extinguir Voldemort da face da terra, mas antes que pudesse cogitar a ideia de lançar alguma maldição em Voldemort o mesmo virou-se para a Gina, levantando a sua varinha.


- Não permitirei que nenhum outro menino sobreviva – Avada Kedavra – ele gritou.


Harry viu tudo acontecendo em câmera lenta, ele sabia que um contra feitiço não ia adiantar nessa situação, então ele agiu por instinto, se jogou na frente da maldição aceitando-a no peito de bom grado, tudo para salvar o seu amor. Harry esperava uma dor avassaladora, mas o que ele sentiu foi uma paz desmedida.


- NÃÃÃOOO! – Gina gritou desesperada.


Gina sentiu como se alguém tivesse enfiado a mão no seu peito e tivesse arrancado o seu coração fora, ela se ajoelhou ao lado do corpo inerte do Harry, as mãos tremendo, o ar lhe faltando, ela nem sabia que tamanha dor existisse, ela desconhecia uma dor interna que extrapolasse a uma dor física, ela preferiria mil vezes ter um membro arrancado a sangue frio a ter que ver o Harry caído, sem pulsação, sem respiração.


A gargalhada de Voldemort ecoou pelo quarto, Gina sentiu como se ele tivesse esmagando o seu coração com as mãos.


Ela teve a chance de lhe atingir por um momento, enquanto ele encarava admirado o corpo do Harry no chão, apesar dela querer vê-lo morto a dor a cegou, numa atitude extremamente individualista ela só queria morrer junto com o Harry e era Voldemort quem iria fazer com que a dor no seu peito se aplacasse, era irônico até; o monstro que lhe causou a maior dor de sua vida iria fazê-la sumir.


Voldemort foi ainda mais covarde, lançou a maldição da morte na Gina pelas costas, ela que estava ajoelhada ao lado do Harry caiu em cima do seu corpo, com a cabeça em seu peito, a dor finalmente deixando de existir.


.


.


.


.


.


O que Voldemort desconhecia era que o amor do Harry pela Gina era tão grande quanto o da sua mãe por ele, quando ele se sacrificou pela vida da Gina o feitiço do amor foi lançado nela como um dia ele o recebeu, por isso, assim que o feitiço atingiu a Gina ele ricocheteou em Voldemort, que não tinha mais Horcruxes, sua alma era apenas um farrapo não tendo condições de se dividir em nenhuma parte. O feixe verde lhe atingiu o peito com um som oco, lançando-o até a parede, inerte.


.


.


.


.


Harry acordou em um jardim enorme e muito florido deitado no colo de alguém, ao abrir seus olhos levantou sua cabeça e não acreditou no que seus olhos estavam vendo, ele estava deitado com a cabeça na perna de uma mulher com olhos tão verdes quanto os seus, os cabelos vermelhos esvoaçantes e o semblante sereno.


- Mãe... – Ele disse atordoado.


Lílian sorriu para o filho, fazendo-lhe um carinho nos cabelos bagunçados.


- Eu morri! – ele concluiu desolado.


- Não meu amor, você não morreu.


- Mas Voldemort me atingiu.


- Quando ele te atingiu pela primeira vez e o meu feitiço o bloqueou e uma parte dele ficou em você como uma Horcruxes – Harry abriu a boca em um “O” – O que ele matou não foi você, foi à última parte dele mesmo.


- Eu tinha um pedaço do Voldemort dentro de mim? – Harry disse enojado.


- Teoricamente sim! Mas não se preocupe com isso agora meu filho, eu estou tão orgulhosa de você.


Harry abraçou a mãe, o seu perfume doce o invadiu fazendo com que seus olhos se enchessem de lágrimas.


- Eu te amo – ela disse dando-lhe um beijo no rosto, mas agora você deve voltar.


Harry encarou a mãe, a vida era tão injusta, porque ele não podia ter as duas mulheres que ele mais amava na vida?


- Também te amo mãe – ele disse deixando que as lágrimas escapassem dos seus olhos.


- Seu pai ficou muito feliz com o nome do seu filho – ela completou.


Harry sentiu o seu peito gelar ao lembrar-se do seu filho e da Gina.


- Onde ele está? – Harry quis saber.


- Só eu pude vir lhe dar algumas explicações, mas ele está olhando você, sempre...


Dito isso a imagem da sua mãe foi ficando turva, distante, Harry se levantou para abraçá-la, mas em segundos ela sumiu. Harry sentiu-se sonolento e desmaiou acordando no quarto, deitado no chão duro, a varinha na mão e a Gina inerte em cima dele.


Harry se levantou, segurando a Gina nos braços, ao olhar para frente viu o corpo imóvel do Voldemort caído no chão ao lado da porta.


Ele não podia acreditar no que estava acontecendo, a Gina estava imóvel em seus braços, mole, sem vida, ele a abraçou forte e chorou copiosamente, ele não ia aguentar aquela dor, ele preferiria ser torturado por horas seguidas milhares de vezes a sentir o que ele estava sentindo naquele momento. Harry colocou as mãos tremulas na barriga dela e se assustou quando sentiu o bebê mexer– Será que ainda teria alguma chance de salva-lo?


**


Rony não conseguia retomar a consciência, a agonia foi tanta que seu cérebro “desligou” para ver se conseguia amenizar a dor. Hermione estava desesperada, o Rony não podia ter enlouquecido... Ela olhou para o lado em que Belatrix havia caído e a viu se recuperando - levantando um pouco grogue - Hermione olhou novamente para Rony - os olhos vidrados, o corpo tremendo - e um ódio descabido tomou conta do seu ser, se algum dia alguém lhe perguntasse se ela seria capaz de matar algum bruxo ela certamente diria que não e fundamentaria a sua decisão em metros de pergaminhos, mas ali naquela situação a razão a abandonou, ela era pura ira. Assim que a Belatrix ficou em pé ela encarou Hermione, mas antes que ela pudesse pensar em lançar um feitiço um jorro de luz verde acompanhado de um barulho típico a atingiu bem no meio do peito, o Avada Kedrava de Hermione ainda ecoava pelo jardim da Toca quando Belatrix atingiu o chão sem vida.


Hermione nem se deu ao trabalho de ir verificar se ela tinha mesmo morrido, tudo que ela queria era ajudar o Rony, de repente ela se lembrou do Harry e da Gina, estava tudo tão silencioso, o que será que aconteceu – ou estava acontecendo – dentro da Toca? Quando Hermione se levantou disposta a entrar ela viu o Harry saindo pela porta da cozinha, o rosto lavado por lágrimas e a Gina inerte em seu colo.


Hermione começou a chorar na mesma hora, não podia ser!  Gina não podia ter morrido, diante daquela cena ela não sabia dizer o que doía mais, o fato da Gina estar morta ou a dor que o Harry tinha estampada no rosto. Ela correu até o amigo, as pernas bambas e o estômago revirado.


- O que houve? – ela perguntou na esperança de que Harry lhe dissesse que foi apenas um estuporamento.


- Preciso ir para o St. Mungus – ele disse aflito – O bebê ainda está mexendo.


Hermione sentiu piedade na mesma hora, ela sabia que mesmo se fosse possível tirar o bebê ele não sobreviveria devido às poucas semanas de gestação.


- Ela está... – Hermione perguntou sugestivamente com a voz embargada.


Harry fez um doloroso sinal positivo com a cabeça. Hermione sentiu como se milhares de facas estivessem sendo enfiadas pelo seu corpo.


- Então vamos depressa – ela conseguiu dizer – O Rony também precisa ir – ela disse com agonia.


- O Rony? – Harry questionou franzindo a sobrancelha.


- Sim, ele... Enlouqueceu devido à cruciatos.


Harry sentiu uma bola se formar no seu estomago, o desespero tomando conta de todo o seu ser. Hermione conseguiu fazer com que o Rony se levantasse do chão, ainda tremendo e gemendo, segurou na sua mão e pegou no braço do Harry e desaparatou com os três para o St. Mungus.


**


Hermione e Harry choravam abraçados na sala e espera do Hospital, a falta de noticias era desesperadora.


- Minha vida acabou Mione – ele disse no seu ombro – Voldemort morreu, mas levou minha alma com ele.


- Eu sinto tanto Harry – ela disse entre os soluços do seu pranto – E se o Rony ficar louco para sempre? Coitada da Sra. Molly perdeu dois filhos em uma única noite.


Harry afastou-se da Hermione e a fitou.


- Onde será que está o Sr. e a Sra. Weasley Mione?


- Por Merlin! – ela exclamou – Eu me esqueci completamente do sumiço dos dois.


A agonia do sumiço dos sois não durou nem um minuto, porque no mesmo instante que Harry e Mione conversavam os dois aparataram junto deles.


- Mione, Harry! – Molly exclamou aliviada, abraçando os dois com força.


- Onde vocês estavam? – Mione perguntou enquanto Arthur o abraçava aliviado.


- Alguns comensais da morte nos sequestraram e nos levaram até Voldemort, que lançou em nós o feitiço - Petrificus Totalus – Ficamos sozinhos em um quarto escuro, até que há poucos minutos o feitiço se exauriu, então nós fugimos. Ao chegar à Toca a encontramos toda revirada, o jardim destruído, dois corpos e nada de vocês. Fiquei desesperada e aqui foi o primeiro lugar que eu pensei – ela disse rápido feito uma metralhadora.


- Onde estão nossos filhos? – Sr. Weasley perguntou.


Harry tremeu, Hermione respirou fundo. Molly não gostou da titubeada que a Hermione deu antes de começar a falar. Nesse momento entra na sala um médico, com uma prancheta nas mãos.


- Quem são os responsáveis por Ginevra e Rony Weasley? – ele perguntou.


Todos se abraçaram, olhando aflitos para o médico.


 - O Rony foi induzido a uma espécie de coma para que seus músculos relaxem por completo, ele não enlouqueceu, ele estava traumatizado pela dor, deve acordar amanhã.


Hermione abriu um sorriso largo, seu coração fez festa dentro do peito, em um dia Rony ficaria bom, mas rapidamente ela se sentiu culpada de estar aliviada, agora viria a pior notícia para todos eles.


- A Ginevra, bem, ela está num quadro um pouco mais grave. Ela levou um impacto muito forte nas costas, descolando o pulmão, ela respira com a ajuda de aparelhos, mas o bebê está ótimo, ela não corre risco de morte. – O médico olhou para os quatro – Ela é uma menina muito forte!


- Visita apenas amanhã cedo ok!. – Dito isso o médico se virou e saiu.


- Ele disse ela respira? – Harry perguntou atordoado.


- SIM! – Mione gritou abraçando o amigo que agora chorava de felicidade.


Harry sentiu como se uma tonelada tivesse sido arrancada do seu ombro. Seu amor, sua Gina estava viva! Seu filho estava bem! E Voldemort estava morto.


Os Weasley não entendiam o sentimento de alívio que tomou conta do Harry, não compreendiam porque ele ria alto abraçado à Hermione, ambos pulando feito duas crianças.


Harry sentiu o quão máximo uma tristeza pode chegar, e agora experimentava o ápice da felicidade.


- Que feitiço será que atingiu a Gina? – Molly perguntou pensativa.


Harry se virou para ela e respondeu:


- Eu não vi, eu estava desacordado.


Dito isso Harry se sentou de frente para ela, seguido de Hermione e ambos contaram tudo o que havia acontecido, do lado de fora e do lado de dentro da Toca. Molly chorou muito ao saber que seu filho foi torturado e aplaudiu quando Hermione disse que acabara com Belatrix, e a história de que Harry era uma Horcruxes deixou todos chocados, mas ficou uma lacuna na história que somente a Gina poderia contar...


 **********


 Comenten hein rs, desculpe-me alguns erros ...


 

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 3

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Rêe em 09/08/2011

aaaaaaaain, eu to emocionada aqui *-* Tão lindo, tão fofo o amor do Harry e da Gina hein *-* Enfim, tu escreve muuuuuuuuuito bem viu, sério. Fazia tempos que não lia alguma fanfic que me prendesse assim, (: Parabéns, e atuualiza poax, quero ver quando a Gina acordar, awn! rs

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Ana Slytherin em 16/04/2011

Nossa !! Muito bom 
Capitulo cheio de ação 
Esperando por outro

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Myli_Carvalho em 12/04/2011

Não tem nem o que comentar

Está perfeito

Posta

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.