FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

ATENÇÃO: Esta fic pode conter linguagem e conteúdo inapropriados para menores de idade então o leitor está concordando com os termos descritos.

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

19. Oclumência.


Fic: Eu sou seu destino - Tiago&Lílian. - Concluida.


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

Lílian caminhava pelos corredores obscuros do castelo fazendo a sua última ronda daquela noite, enquanto caminhava ela vigiava seus pensamentos para que eles não a levassem até o Potter, porque pensar nele causava uma dor quase física e ela não estava a fim de sofrer naquele momento.


Quando ela chegou ao seu quarto todas as meninas já estavam dormindo, mas ela não estava com sono, então ela pegou sua toalha, seu pijama e desceu até o banheiro dos monitores para tomar um banho de banheira, quem sabe o banho não trouxesse o sono com ele. Lílian perdeu a noção do tempo submersa na espuma perfumada, ela fechou os olhos e finalmente relaxada deixou que os questionamentos e imagens do Potter inundassem a sua mente. Ela o amava e isso era fato, mas ela tinha a estranha certeza de que ele também a amava, sendo assim porque ele iria se casar com outra? – Casar – Lílian imaginou perfeitamente o Tiago de terno todo sorridente e ansioso, esperando a sua noiva aparecer, enquanto isso ela estava toda de negro sentada no ultimo banco chorando a dor de perder o homem da sua vida.


Lílian abriu os olhos marejados – Droga! – ela pensou – Isso não vai me levar a lugar algum. Lílian respirou profundamente e tentou mudar a imagem da sua mente, mas ali o Tiago era predominante, ela sorriu quando a imagem dele sorrindo para ela clareou seus pensamentos. Te amo – ela sussurrou para o nada.


*


Tiago não conseguia dormir de forma alguma, ele se virou tanto na cama que o lençol que forrava o seu colchão estava no chão, ele tinha a difícil escolha entre contar o que ele fez para a Lílian agora que seus pensamentos ainda estavam voltando, ou esperar ela se lembrar de tudo para contar. De qualquer uma das formas ele sabia que ela não reagiria bem e que ele corria um risco real de perdê-la de vez. A simples possibilidade de perder a Lílian para sempre por um erro seu fazia o Tiago quase enlouquecer, sem contar na imensa saudade que estava o consumindo.


Tiago se levantou,  trajava apenas com o short do pijama - ele odiava dormir de camiseta – calçou o chinelo, pegou sua varinha (mania) e desceu para o salão comunal, apesar do frio que ele sabia estar do lado de fora, dentro do castelo estava uma temperatura amena, do jeito que ele gostava. Não havia ninguém no salão comunal, o único barulho que se ouvia era o barulho das chamas na lareira, ele caminhou até a poltrona mais próxima da lareira e se sentou, baixou o encosto para ficar quase deitado e subiu o apoio dos pés, entrelaçou os dedos das mãos e as colocou atrás da cabeça – a imagem do conforto. Ao fechar os olhos às perguntas dominaram seus pensamentos novamente. O que fazer? Quando revelar a verdade? As respostas para essas perguntas ele não tinha, mas ele tinha a certeza absoluta que não aguentaria mais muito tempo longe da Lílian.


*


Lílian se secou e vestiu o pijama, ela torceu para que não esbarrasse com ninguém até chegar ao dormitório, pois tinha esquecido de levar o seu roupão, seu pijama de cetim cor de rosa tinha o short bem curtinho e a blusinha tinha  uma alcinha bem fina, além de ser um pouco transparente.


Lílian chegou ao quadro da mulher gorda contente, não tinha nenhum aluno no caminho do banheiro até ali, agora ela estava tranquila, nunca ninguém ficava no salão comunal naquele horário.


- Trasgos – Lílian disse a senha para entrar no salão da Grifinória.


Tiago se sentou na poltrona, seus devaneios se esvaindo, ou ele estava confundindo a ilusão com a realidade, ou ele acabara de ouvir a voz da Lílian dizendo a senha para o quadro. Tão rápido ele pensou o quadro se abriu e ele a viu entrando no recinto.


Alguém lá em cima está me testando. – Ele pensou assim que seus olhos percorreram o corpo da Lílian.


Ai Merlin, não pode ser. – Lílian pensou ao ver o Tiago.


Lílian ficou parada sem ação enquanto o quadro se fechada nas suas costas, uma vontade arrebatadora de correr e se jogar nos braços nus do Tiago a engolfou, suas pernas bambearam quando seus olhos pararam no peito desnudo dele. Aquilo era covardia.


Tiago estava morrendo de ciúmes da Lílian, como ela tinha coragem de andar daquele jeito a noite pelos corredores de Hogwarts, e onde ela estava? E com quem?


Tiago se levantou e Lílian quase teve uma síncope ao perceber que ele vestia apenas um short de tecido bem maleável.


- Posso saber onde você estava? – Perguntou num tom autoritário.


Era para Lílian ficar possessa com o tom dele, afinal eles não tinham nada um com o outro, mas ela achou super fofo ver o Tiago com ciúmes.


- Estava tomando banho de banheira no banheiro dos monitores. – O respondeu de pronto.


- Sozinha? – Tiago perguntou e se arrependeu profundamente logo em seguida.


- Não, eu e mais o time de Quadribol da Sonserina. – Respondeu irritada.


Tiago fechou a cara e cruzou os braços no peito, aumentando consideravelmente a altura dos seus bíceps.


- Você está com ciúmes Potter? – Lílian perguntou se divertindo.


- Só se for dos jogadores da Sonserina. – Respondeu.


Lílian caminhou até onde o Tiago estava e o encarou, a certeza que ele a amava era tão grande que ela não sabia como explicar.


- Quando foi que você deixou de me amar? – Perguntou de repente.


Tiago sentiu o mundo girar, que raio de pergunta era aquela.


- Oi? – Ele se fez de desentendido.


- Você vivia dizendo que gostava de mim, de repente não gosta mais e vai se casar com outra. – Lílian disse segura.


- Eu não vou mais me casar. – Tiago revelou aliviado em conseguir mudar o rumo da conversa.


- E porque não? – Questionou curiosa.


- Digamos que eu não amava a minha noiva. – Ele a respondeu abrindo um sorriso enorme que quase nocauteou a Lílian.


Lílian não estava mais aguentando ficar a centímetros do Tiago e não o beijar, o seu perfume a entorpecia e tudo que ela queria era fechar os olhos e sentir o gosto da boca dele. Mas ela manteve o foco.


- Isso volta a minha primeira pergunta. – ela disse.


Tiago sorriu, não tinha como escapar.


- Qual foi mesmo a sua primeira pergunta?


- Se você me ama.


- Essa não foi sua primeira pergunta! – Tiago a acusou brincando.


- Se você sabia por que perguntou? – Lílian respondeu irritada.


Ele estava a enrolando e se estava enrolando é porque não queria responder, e se não queria responder é porque não a amava e estava com pena de dizer! Lílian se virou pronta para ir para o seu dormitório, mas uma mão forte em seu braço a impediu.


Tiago a puxou para junto do seu corpo, uma mão segurando o seu braço e a outra na sua cintura, Lílian ficou sem reação, os dois braços inertes ao lado do corpo. Tiago tirou a mão que estava segurando o seu braço para acariciar o seu rosto com as pontas dos dedos. Lílian levou seu rosto para frente ansiosa para que seus lábios encontrassem os dele, Tiago não tinha forças para fugir, ele queria muito beijá-la.


- Trasgos – Ambos ouviram a familiar voz da professora Mc.Gonagall.


McGonagall revirou os olhos ao ver o Tiago e a Lílian parados no meio do salão comunal.


- Toda noite é um casal que eu expulso daqui, mas você Evans?! Monitora chefe deveria dar o exemplo.


- Desculpe professora – Lílian disse corando.


- Vamos. Cada um para o seu dormitório... Andem. – McGonagall ordenou.


Nenhum dos dois queria se separar, ambos tinham uma necessidade exorbitante de ficarem juntos, Tiago olhou para a professora e depois olhou para os olhos que ele mais amava na vida.


- Sim! – Ele disse selando a boca dela com um beijo.


- Andem! – McGonagall ordenou.


Tiago foi mais forte a deu as costas para a Lílian, subindo correndo as escadas para o seu dormitório.


Lílian chegou ao seu dormitório nas nuvens, aquele sim só podia dizer uma coisa... Sim ele a amava!


*


Lílian acordou na manhã seguinte se sentindo imensamente feliz e decidida a falar com o Tiago de uma vez por todas, ela se aproveitaria do fato de ser sábado e de que eles teriam a manhã inteira de aula juntos e colocaria o Tiago na parede.


Lílian demorou mais do que o necessário para se arrumar, graças a Merlin no sábado a capa não era obrigatória, ela vestiu uma saia jeans que ela sabia que deixava o Tiago perturbado e uma baby look com a estampa do time da Grifinória que tinha um decote bem generoso. Lílian passou mais perfume do que o habitual e correu para a sala de aulas com um pacote de feijõezinhos de todos os sabores para comer, pois não teria tempo de tomar café, ela levou muito tempo se arrumando.


Quando o Tiago viu a Lílian entrando na sala de aula seu coração deu um baque violento dentro do peito, Ela estava perfeita! Ele passou boa parte da noite pensando nos dois e chegou à conclusão que deveria contar tudo para ela e arcar com as consequências, talvez se ele contasse com jeitinho, expondo o seu lado e pedindo perdão em seguida ela o desculpasse, covardia não fazia parte da sua personalidade, afinal de contas ele era um grifinório legítimo.


Lílian deu um sorriso tímido na direção do Tiago que o retribuiu com carinho, ela sentiu o sangue ferver nas veias só de lembrar-se que ficaria a manhã inteira tão próxima dele, ela então se lembrou do selinho que ele dera em seus lábios na noite anterior e corou violentamente, Tiago sorriu ao perceber a face da Lílian enrubescer, era uma das coisas mais fascinantes nela, ela nunca conseguia esconder quando estava tendo pensamentos impuros.


Lílian quase foi sentar no fundo da sala junto com o Tiago, mas a vergonha fez com que ela permanecesse no seu lugar habitual, a carteira da frente. A professora Galatea escreveu no quadro negro em letras garrafais. Oclumência. Lílian até esqueceu-se um pouco do Tiago, ela adorava aquela matéria e eles estudaram-na bem pouco no ano passado devido ao fato de ela ser considerada uma arte das trevas.


- Bom dia alunos e alunas, como podem ver a matéria que estudaremos hoje é a oclumência. Ou seja, o poder de bloquear a própria mente. Anotem por favor – a professora pediu.


Tiago anotava o ditado da professora sem conseguir prestar realmente atenção no que ela estava dizendo, seus olhos estavam fixos nos cabelos compridos e perfeitos da Lílian caídos nas costas.


- Alguma dúvida? – A professora questionou após terminar de ditar o texto. O silêncio predominou na sala – Ótimo – ela disse – Vamos à prática.


Prática? – O Tiago pensou desolado, deveria ter prestado mais atenção!


- Vou dividi-los em pares, primeiramente um vai fechar a sua mente, enquanto o outro vai tentar buscar a memória mais íntima que o outro tiver, depois inverteremos. – Disse a professora Galatea.


Ela colocou um saco preto em cima da sua mesa e com a varinha conjurou os nomes que formariam as duplas.


O primeiro nome que saiu foi Tiago Potter.


- Tiago senta-se ali na primeira cadeira e concentre-se.– A professora pediu.


Tiago olhou para trás e viu que encostado na parede do fundo da sala estava uma fileira de cadeiras, uma de frente para a outra, ele seguiu até a primeira cadeira e se sentou conforme Galatea pediu.


O segundo nome foi Lílian Evans.


- Lílian, coloque-se diante do Tiago e concentre-se no Legilimens, mas espere eu formar as outras duplas até poderem praticar a oclumência.


Lílian sentiu seu coração disparar dentro do peito, ela jamais pensou que faria dupla com o Tiago, às combinações de nomes que poderiam sair eram infinitas. Lílian caminhou até ele e sentou na cadeira que estava na sua frente. Tiago estava amando ser par da Lílian, até que ela disse brincando:


- Agora saberei qual o seu segredo mais íntimo.


O sangue do Tiago congelou nas veias, ele teria que fechar a sua mente de qualquer maneira, ele não podia pedir para a professora mudar a sua dupla, a Lílian iria desconfiar.


- Tudo bem Tiago? – Lílian perguntou percebendo a inquietação dele.


- Sim, estou tentando me concentrar – Respondeu sorrindo nervosamente – E justo agora que ela voltou a me chamar de Tiago – ele pensou.


Longos minutos se passaram até que as duplas estivessem todas formadas.


- Os bruxos que eu mencionei que fariam a Legilimência devem se concentrar em descobrir a melhor lembrança que o outro tem na vida, a sua lembrança mais forte. Essas são mais fáceis de serem visualizadas.


Agora ferrou! – Tiago pensou sabendo perfeitamente qual era a sua lembrança mais forte.


- Para que os que vão bloquear a mente lembrem-se de que a concentração é fator fundamental para se obter o êxito. – lembrou Galatea. – Podem começar!


Tiago respirou fundo e fechou seus olhos tentando se concentrar ao máximo em bloquear a Lílian.


- Tiago – ela chamou. – Você precisa abrir os olhos.


- Por quê? – ele questionou.


- Você não prestou atenção no que a professora disse? – Perguntou irritada. – O contato visual é essencial para que a legilimência seja realizada corretamente.


Tiago abriu seus olhos e Lílian sorriu. Ela arrastou a sua cadeira para mais perto do Tiago e deixou o seu rosto a centímetros do dele, Lílian fixou seu olhar nos olhos do Tiago e se concentrou em suas lembranças.


Tiago estava conseguindo manter a sua concentração até que os olhos da Lílian encontraram os seus, agora ele tentava se controlar para não impulsionar o corpo alguns centímetros para frente e beijá-la.


Num momento Lílian estava vendo uma imensidão castanha esverdeada no outro ela se viu entrando em um quarto muito bonito, com uma cama grande cor de mogno, cortina bege e uma foto sua ao lado da cama, rapidamente a imagem mudou e ela estava conjurando os dizeres: “para sempre sua Lílian” em uma aliança e colocando-a no dedo anelar da mão do Tiago. A sequencia de imagens que veio depois disso foi alucinante, beijos, mãos,corpos, gemidos, arquejos. Os dois nus com os corpos colados um no outro, cabelos molhados de suor, ela beijando o seu pescoço enquanto ele dizia: - Merlin Lílian, assim vou errar todos os feitiços! – Ela se viu sendo jogada na cama novamente e depois a sua fisionomia de satisfação enquanto o Tiago introduzia seu dedo nela. De repente ela se viu sorrindo alto, de uma forma muito gostosa – eu não vou pedir – ela dizia. Depois a imagem se formou como em câmera lenta, ela chamando o Tiago com o indicador e sussurrando em seu ouvido: - Faz amor comigo. Dito isso novamente as imagens passaram diante dos seus olhos de forma alucinante, o Tiago segurando a cabeceira da cama, ela dizendo o seu nome diversas vezes...


Lílian não aguentou mais e fechou os olhos, o coração a milhão dentro do peito, ela se encostou-se na cadeira com as mãos tremendo. O Tiago estava morto de curiosidade, o que tanto a Lílian tinha visto para ficar daquela maneira, das duas uma, ou foi a primeira vez deles, ou foi o Lupin virando lobisomem – Por Merlin, que seja o Lupin!


Lílian abriu os olhos e encarou o Tiago, suas pernas ainda estavam bambas e a velocidade do sangue correndo em suas veias era enorme, então ela levantou a mão.


- Sim querida. – A professora veio até ela.


- Como distinguirmos os sonhos da realidade? – Lílian quis saber.


- Ótima pergunta Evans. – disse Galatea – Na Legilimência, nunca, em hipótese alguma vemos sonhos. Os sonhos são formados em uma parte obscura e inconsciente do cérebro, os sonhos necessitam da parte consciente (que são suas experiências de vida) para se formar. A Legilimência atinge direto o hipocampo e o córtex buscando apenas as experiências vividas e armazenadas. No caso prático da sala é ainda mais fácil, porque as suas memórias mais fortes são guardadas diretamente no hipocampo.


Lílian se esqueceu de como se respirava, o chão sumiu de baixo dos seus pés, se aquilo não foi sonho então... Não, não era possível, tinha que haver uma explicação. Lílian se levantou zonza sem conseguir enxergar ninguém e caminhou para a porta da sala. Tiago levou alguns segundos para assimilar que a Lílian estava saindo e saiu atrás dela deixando a professora Galatea sem entender nada.


- LÍLIAN ESPERA – Tiago gritou no meio do corredor.


Lílian parou, mas não olhou para trás. Tiago a alcançou e segurou na sua cintura com as duas mãos.


- Está tudo bem princesa? – ele perguntou ofegante.


Lílian viu Hogwarts girar no próprio eixo e a voz do Tiago invadiu o seu cérebro de todas as formas possíveis.


Eu nunca vou te forçar a me beijar princesa... Fica comigo princesa... Mas já princesa, eu acabei de chegar... Indo embora sem falar comigo princesa... Algum problema princesa?.. Está na hora da princesa almoçar... Não posso princesa... Eu amo você princesa!


As palavras começaram a se misturar com uma infinidade de imagens que num rompante penetraram seu cérebro com violência, Lílian gritou levando as mãos à cabeça e fechou os olhos com força, às partes do seu cérebro que estavam bloqueadas com as lembranças dela junto do Tiago explodiram trazendo tudo a tona, Lílian tonteou e suas pernas não aguentaram mais o peso do seu corpo. Tiago a amparou para que ela não caísse no chão. Lílian tinha desmaiado deixando o Tiago desesperado com ela desacordada em seu colo. 

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 1

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por vitorialarissa em 01/05/2011

Noossa, cap mt massa, mas Tiago é meio lerdinho não? Só deu um selinho nela. Pensei q eles iam se agarrar no meio do salão comunal e as mão dela iriam parar em um lugar bem suspeito, mas não...

Bom, morrer e deixar de ler o resti da sua fic, NUNCA eu levaia até o meu pc pro além.

Nota: 1

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.