FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

31. Um Verdadeiro Grifinório


Fic: Harry Potter e o Amuleto de Merlin


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

Oi, pessoal... vamos continuar a ler os capítulos que contam o derradeiro final de Harry Potter e o Amuleto de Merlin! Nesse capítulo, grandes aventuras e dificuldades, e muita coragem e luta! Um capítulo muito mais cedo do que os demais, espero que gostem do presente! Voldemort traz mais um inimigo para lutar com nossos heróis! Uma horcrux a ser derrotada... e a coragem de um verdadeiro grifinório!




Capítulo trinta e um


Um verdadeiro grifinório


 


            Parecia que uma trégua tinha sido feita pelo inimigo. Harry e os demais viram nisso um sinal de fraqueza, de que estavam debilitados, e isso fez muito bem a todos, deu-lhes mais confiança. A uma ordem de seu líder, os Comensais, gigantes e lobisomens recuaram para perto dos portões da propriedade, que parecia agora ser a escolha de Voldemort para um “quartel”. Mais do que confiança e alegria, a trégua trouxe alívio aos combatentes que defendiam Hogwarts. Muitos bruxos estavam lutando feridos, na última hora apenas os gravemente feridos estavam descendo às masmorras, pois tanto faltava efetivos para cuidar de muitas pessoas como era necessário um bom grupo de guerreiros lutando, pois tinham que compensar sua inferioridade numérica.


Todos os combatentes, inclusive os que defendiam as torres e corredores, e “enfermeiros” se juntaram no Salão Principal, que era a base deles, para reorganizarem as coisas. Tinham que refazer os grupos, ver quem podia lutar ainda, os que precisavam dos cuidados médicos superficiais, fora uma reunião entre os líderes dos grupos que Harry tinha sugerido, para conversar sobre estratégias para o novo ataque que com certeza aconteceria em breve.


Os elfos domésticos, por conta própria, desceram à cozinha e prepararam caminhões de sanduíches e litros de suco de abóbora, que logo foram distribuídos aos combatentes e demais pessoas presentes no castelo. Snape e Slughorn dispensaram algumas pessoas que já tinham sido curadas da enfermaria, liberando, assim, alguns leitos. Logo selecionaram quem precisava de cuidados médicos superficiais, como pequenos cortes, quebraduras superficiais e arranhões de lobisomens, que foram cuidados no Salão Principal mesmo por Madame Pomfrey, e mandaram os feridos mais graves para a enfermaria, onde os professores mesmos e os auxiliares passaram a trabalhar.


Os grupos foram novamente reorganizados, cada um ficou com combatentes a menos, devido às baixas que tinham sofrido. Foi um momento triste a contagem e relação dos mortos. Olívio Wood estava entre os que tiveram a infelicidade de morrer. Angelina Johnson, Katie Bell, Alicia Spinett, Harry e os gêmeos foram quem mais sofreram com sua morte, pois por bons anos ele fora o capitão do time de quadribol da Grifinória, e quem jogara ao seu lado sabia a boa pessoa que ele era, tinham feito uma amizade real e duradoura. As garotas choraram juntas. Puseram lado a lado os mortos dos aliados numa sala de professores, para que, quando a batalha terminasse, fosse qual fosse seu resultado, pudessem receber dignos funerais. Os mortos do lado adversário foram levados para uma sala e trancados, pois usando o feitiço Animus Corpus Voldemort poderia muito bem fazer Inferi. Eles queriam, na verdade, pôr esses corpos do lado de fora do castelo, para que Voldemort e os Comensais pudessem cuidar de seus mortos, mas não podiam, e mesmo que pudesse, não haveria para quê fazer aquilo, pois os bruxos das trevas não tinham os mesmos sentimentos de honra dos defensores de Hogwarts, que sentiriam horror por usar magia das trevas e repugnância por tamanho aviltamento. Não lhes importavam seus mortos; mortos eram dispensáveis e não serviam para nada, a não ser a confecção de Inferi.


Após a reorganização, a maioria das pessoas se recostou aos cantos e tentou descansar pelo tempo que pudesse, para estar firme e forte na hora que a batalha recomeçasse. Moody lançou um feitiço que apagou a Marca Negra do céu. Na Mesa dos Professores, encostada na parede do fundo do Salão Principal, Harry se reuniu com os líderes dos grupos e bruxos de maior liderança e poder, e ele se reuniu a eles. Começaram a conversar sobre estratégias de combate.


— Você conseguiu fazer o que precisava, Harry? — perguntou McGonagall. Tinha um curativo na testa, causado por um Sectumsempra que abrira um corte de um lado a outro. — A missão que vai por um ponto final nessa guerra?


— Quase, Professora, quase, falta pouco. Mas o que precisava fazer aonde fui com o Rony, a Mione e a Ana, consegui, sim. Está cada vez mais perto de terminarmos logo com isso tudo e enfim termos um pouco de paz.


— Harry, preciso contar algo muito sério — disse Tonks. — Depois de deixarmos vocês no Salgueiro, tentamos voltar ao castelo, mas como a Prª McGonagall não conseguiu acompanhar meu ritmo de corrida, acabei sem a proteção da Capa e me transformei em Belatriz. Mas qual não foi a minha surpresa, Harry, quando eu vi a bruxa vindo da direção do castelo! Isso não deveria ter acontecido, Harry, pois ela estava na sala em que vocês estavam com o Ranhoso, digo, com o Snape e o quadro de Dumbledore. Há um traidor em nosso meio, Harry, ou isso ou alguém conseguiu se infiltrar no castelo, passando por todas as nossas defesas.


As sobrancelhas de Harry se franziram.


— Não acredito que nenhum dos nossos tenha nos traído. A não ser... o Draco Malfoy? É o único em que não confio aqui dentro...


— Não, Harry, perguntei ao Slughorn e ele disse não ter tirado os olhos de cima do garoto. Disse que permaneceu o tempo inteiro junto a ele nas masmorras, servindo de enfermeiro auxiliar na enfermaria improvisada. Se ele tivesse saído por tanto tempo, Slughorn saberia, Harry. Se você não acredita em traidores ou agentes duplos, o que também não acredito, creio que só resta a outra opção: há alguém que conseguiu entrar no castelo e está escondido, talvez com essa missão, a de liberar possíveis prisioneiros de guerra e os sonserinos presos.


— Por Merlin, mas o castelo é grande demais, e cheio de passagens secretas, lugares propícios para esconderijos e até lugares desconhecidos... — disse Moody, cuidando de mais um pedaço do corpo que tinha perdido, no caso a ponta de uma orelha.


Kingsley, enfaixando um dos bíceps negros e muito musculosos, maneou a cabeça, concordando com Moody.


— Sim, é impossível saber onde esse possível infiltrado está.


Não, não era impossível. Harry, Sirius e Lupin, esse mesmo em sua forma lupina, se olharam com compreensão crescente nos rostos, expressão essa que, se os gêmeos estivessem ali, na mesa — estavam confortando Katie e Angelina pela morte de Olívio — compartilhariam. Logo os três sorriram.


— Isso é um trabalho para os senhores Almofadinhas, Aluado, Pontas e, eca! Rabicho — disse Harry.


Lupin e Sirius sorriram de forma debochada.


— Sabia que os Marotos encontrariam uma forma de voltar a agir — Sirius falou com um sorriso torto.


— Está com o Mapa aí, Harry? — Lupin perguntou, ansioso, com sua grossa e estranha voz de lobisomem.


— Claro, vocês acham que me desfaria de uma das maiores invenções do mundo bruxo?


— De que invenção vocês estão falando? — perguntou McGonagall, franzindo a testa, o que lhe provocou um estremecimento de dor.


Dos que estavam na mesa, somente Sirius, Lupin, Harry, Rony, Hermione e Ana sabiam sobre a existência do Mapa do Maroto. Harry olhou para Mione, e ela entendeu o que ele queria. De dentro de sua bolsa tirou o Mapa e o entregou a Harry. Harry tocou sua varinha no Mapa, falando:


— Juro solenemente não fazer nada de bom.


Na mesma hora a apresentação dos marotos surgiu, e Harry a mostrou para McGonagall.


— É com toda honra que lhe apresento os senhores Almofadinhas, Aluado, Pontas e, eca! Rabicho.


Quando o mapa de Hogwarts com os nomes de todos os que estavam ali dentro surgiu, a professora ficou abismada.


— Mas... mas isso é impressionante! Quem foi capaz de fazer algo tão brilhante, mapear Hogwarts desse jeito, e ainda fazer com que os ocupantes apareçam?! Deve ser alguém bem genial. Afinal, quem são esses Marotos?


Sirius se curvou numa paródia de gesto cavalheiresco e Lupin deu uma lambida na mão dela, como lobisomem racional que era, no momento.


— Eu sou Almofadinhas.


— E eu, Aluado.


— Represento meu pai, Pontas. Rabicho era um rato nojento, não precisa sequer ser apresentado — disse Harry sorrindo com a surpresa expressão da professora. Logo, entretanto, o sorriso, as brincadeiras, as expressões marotas sumiram, quando Harry e Sirius se debruçaram sobre o Mapa, examinando-o com atenção, aproveitando que as pessoas agora estavam paradas, o que era mais fácil para o exame. Tentavam encontrar o nome de qualquer pessoa que não deveria estar ali dentro. Procuravam um nome estranho, ou de algum Comensal, mas qual não foi sua surpresa quando viram um nome conhecido, mas de alguém que imaginavam não estar no castelo. Percy Weasley! Com expressão estranha, Harry e Sirius olharam para Arthur e Molly.


— O que foi, pessoal? — perguntou Molly.


Eles desviaram o olhar, fingindo não ser nada, mas Molly e Arthur não eram tolos. Arthur inquiriu:


— O que foi, Harry? Não somos crianças, e vocês não sabem disfarçar, é melhor dizer de uma vez.


Harry mordeu o lábio inferior, olhou para Sirius, que suspirou e maneou a cabeça, instigando-o a dizer a verdade.


— Não queria ser o responsável por dizer algo que pode fazê-los sofrer, Sr. e Sra. Weasley, mas o nome que não devia estar no Mapa, e que está, é o do Percy.


Foi evidente o choque que Arthur e Molly sentiram. Ambos ficaram pálidos. Com os olhos cheios de lágrimas, ela abraçou Arthur, encostando o rosto em seu peito. O bruxo a enlaçou, trêmulo.


— Diga, Harry, onde ele está?


— Sr. Weasley, não acha que deve ficar aqui? Vai ser triste demais para o senhor e a Sra. Weasley o verem, sabendo no que ele se transformou e a traição que vem cometendo, como o fato de ter libertado Belatriz hoje. Não acha melhor que eu e, digamos, o Kingsley vamos? Prometemos não machucá-lo, em respeito a vocês, apenas prendê-lo.


O bruxo respirou fundo e se ergueu, soltando Molly.


— Não, sou eu quem tem de fazer isso. Tenho que olhar na cara dele e lhe perguntar o porquê de tudo isso. Só assim, ao ter respostas dadas por ele, poderei entender. Eu vou. Mas acho melhor você ficar, Molly.


Ela arregalou os olhos.


— Não, ele é meu filho também! Também preciso de respostas, e quero saber se ele tem coragem de nos encarar depois de tudo o que fez! Você lembra o que aquele Comensal falou? Ele pediu expressamente para nos matar, Arthur, no dia do ataque ao Largo Grimmauld, e tenho que ouvir essas palavras de sua boca! Eu tinha esperanças que ele estivesse sob o efeito de uma Maldição Imperius, mas depois de tudo, me convenci de que está em plena posse de suas faculdades mentais, o que é ainda mais terrível. Vamos!


Harry, Molly e Arthur, acompanhados por Sirius, Tonks e Kingsley, foram na direção da sala em que Percy se escondera. Harry não tirou os olhos do Mapa do Maroto, para que soubesse exatamente onde ele estava caso o bruxo saísse do lugar onde se encontrava.


A porta estava trancada, mas Kingsley a abriu com um potente chute, geralmente dispensava a varinha quando podia usar sua força física, assim se mantinha forte mesmo nos momentos em que não podia fazer seus exercícios físicos trouxas. Um grito foi ouvido, grito de uma voz bastante conhecida...


Percy Weasley se encontrava no oposto da sala, espremido contra a parede, provavelmente assustado com o impacto que tirara a porta das dobradiças. Usava as vestes escuras tradicionais dos Comensais da Morte, seus cabelos ruivos, normalmente muito bem comportados, estavam mais longos que o normal e desfeitos, tinha a barba por fazer e usava óculos que, nesse momento, estavam tortos em seu rosto. Os braços erguidos apoiados na parede deixavam as mangas largas das vestes pretas descidas até os cotovelos, o que evidenciava a Marca Negra em seu antebraço magro e sardento. A prova de sua traição, o maior desgosto das vidas de Arthur e Molly.


Na frente dos demais, Arthur e Molly entraram na sala, um sofrimento cortante em seus rostos, que revelavam dor, tristeza, desgosto, decepção. Encararam Percy fixamente em seus olhos castanhos, um ar de acusação pairando em seus rostos. Depois de um logo silêncio cheio de significados, Arthur simplesmente falou:


— Por quê?


Percy desmoronou, arriando no chão, encostado à parede. Baixou os olhos, mordendo o lábio inferior.


— Eu só queria... queria o que vocês nunca puderam me dar... Status, dinheiro, glamour... Cansei de ser pobre, de contar cada mísero galeão.


— E é melhor dinheiro a dignidade, Percy? Dinheiro a honra? Você já não estava indo muito bem com seus próprios esforços? Não estava se dando bem de acordo com a lei e a justiça? — perguntou Molly, duas lágrimas descendo por seu rosto.


Percy ergueu seu rosto e os encarou com olhos fanáticos.


— Mas vocês não percebem? Agora Voldemort é a lei e a justiça. Tanto que o Ministério agora é dele! A lei e a justiça estão do lado do mais forte, e ele é o mais forte!


— Está enganado, Percy — disse Harry, o olhando com uma mistura de nojo e pena. — Por mais que Voldemort seja forte, jamais ele será a lei e a justiça. O Ministério não é dele, ele o usurpou. E hoje, com a mais absoluta certeza, ele cairá, como até hoje caíram todos os que foram contra a Justiça, como Grindelwald!


Percy olhou para todos com um sorriso que era meio demente. Ergueu a varinha para Harry num movimento muito rápido, gritando:


Avada Kedavra!


Seu sorriso murchou quando, apesar dos gritos e tentativas frustradas de todos para defender Harry, o feitiço não causou efeito algum no bruxo.


— Mas como...


— Seus golpes não podem me matar, Percy. Expelliarmus!


E a varinha dele voou de suas mãos, indo parar longe, perto de Harry. Molly a pegou e a olhou com um rosto transtornado de dor. Era a varinha que comprara junto dele ainda quando ele era criança. Quando fizera a compra jamais imaginara que seria usada a favor das trevas. Quebrou-a em dois pedaços.


Arthur, olhando-o friamente, ainda mais depois da frustrada tentativa de matar Harry, disse, seus olhos brilhando intensamente:


Eu te abomino. Retiro de você o nome de nossa família. Jamais poderá pronunciá-lo e dele fazer seu uso.


Essas palavras, ditas com uma varinha na mão, eram um ato contratual mágico com o qual o chefe de uma família deserdava completamente um filho, natural ou adotivo, não só do seu direito de herança material, mas do próprio nome. Era a pior desgraça que podia ocorrer para um bruxo, pois ficaria marcado pelo resto da vida, sem um sobrenome, pois não podia fazer uso de outro. Transformava o bruxo num párea da sociedade. Era um ato mágico de direito paterno bruxo que só daria certo se as razões para o deserdamento fossem “justas”. Como a magia por si só não teria a capacidade de julgar uma abstração com tantas facetas, com tantos tons de cinza, tantos diferentes sentidos, de acordo com credo, raça, região, esse costume estava sendo banido, pois podia causar injustiças muito grandes. Antes de Voldemort assumir o poder, estivera em pauta na Corte do Tribunal Bruxo Internacional a abolição dessa lei, mas isso fora colocado em segundo plano, e, portanto, a lei ainda era válida. 


Percy arregalou os olhos. Ele estava marcado pelo resto da vida.


— Não pode fazer isso! Eu sou um W... um W...


Por mais que tentasse, não conseguia fazer o nome “Weasley” sair de sua boca.


— Fiz o que devia, e pelo visto estava com a razão. Vamos, Molly, querida. Harry, Sirius, Kingsley, Tonks, o deixo em suas mãos. Façam o que quiser com ele.


E, abraçados e cabisbaixos, o casal Weasley saiu da sala.


Sem varinha, Percy Weasley revelava o covarde que era. Como Rabicho, Percy fora colocado na casa errada, pois ambos nada tinham de grifinórios. Não fez nada, com medo tanto das varinhas dos bruxos quanto dos músculos de Kingsley. Esse o imobilizou com um Encarcereous e ele, Harry, Sirius e Tonks o levaram à Sala Precisa, onde estavam presos os alunos da Sonserina. Não o machucaram nem mataram, não apenas por respeito a Molly e Arthur, que, apesar de sua decepção com o filho e o deserdamento, não queriam que ele fosse ferido, mas também por acharem que uma morte naquela situação, contra alguém indefeso, seria a coisa a coisa mais vil que poderiam fazer. As mortes deviam ser evitadas, a não ser que fosse realmente preciso.


Voltaram, então, para o Salão Principal, onde os grupos se reuniram e se dirigiram aos seus postos. Tinham, agora, menos guerreiros, mas tinham superioridade de combate e muitas ganas de vencer. Com olhos e ouvidos atentos, esperaram que Voldemort atacasse. Sua estratégia era mais baseada em defesa, pois era o melhor que um grupo pequeno como o deles podia fazer.


De repente, a voz de Voldemort ressoou:


Última chance para que se rendam e entreguem Potter, a garota Gryffindor e o Amuleto. Até o momento, ataquei de maneira suave, mas agora será com redobrado vigor. Serei clemente com os que se renderem. Impiedoso com quem lutar contra mim. Esse é meu último aviso antes do ataque com todas as forças. Não voltarei a pedir. Vocês têm quinze minutos para cumprir minhas ordens.


Todos em Hogwarts que puderam ouvir a voz de Voldemort — excluindo os da Sala Precisa, isso por não poderem ouvir — não pensaram uma única vez em trair Harry e a missão de proteger a escola e o mundo e forma de vida que conheciam e que queriam. As varinhas nas mãos, esperaram os quinze minutos do ultimato transcorrerem, lentamente...


Logo, um burburinho se fez ouvir nas torres. Os que estavam no interior do castelo perceberam, então, que algo acontecia. Harry mandou seu Patrono até Kingsley, que comandava o grupo que defendia a Torre de Astronomia, e perguntou:


O que houve, Kingsley? Por que o zum-zum-zum?


O Patrono dele respondeu:


Uma tropa, Harry, imensa, maior que a que Voldemort já mandou, vem vindo, entrando pelos portões da propriedade. Não parecem Comensais da Morte, não estão vestidos com suas típicas roupas e máscaras, mas é um grupo considerável. Não sei se conseguiremos nos manter firmes em nossas posições, principalmente quem está aí embaixo...


 Ao ouvir as péssimas informações, Harry e os outros, de onde estavam, sejam os corredores, o Salão Principal ou o hall se fixaram na escura noite lá fora, os amplos jardins que já não tinham mais flores e plantas, mas mortos e sangue. Depois de um tempo, conseguiram ver a imensa horda de guerreiros que caminhava inexoravelmente em direção ao castelo.


— Por Merlin... — falou Minerva, pálida. Eram realmente muitos guerreiros, e ela não tinha a mínima ideia de como os derrotariam.


O olho mágico azul-elétrico de Moody girava como nunca, fixando-se nos guerreiros, usando sua capacidade de ver ao longe. Logo ele exclamou, enrijecendo.


— Inferi!


Harry, ao saber o que os guerreiros eram, paralisou. Inferi... Só podiam ser os Inferi da caverna onde Voldemort guardara sua Horcrux! Era um milagre que o bruxo não tivesse descoberto o desaparecimento da Horcrux, e Harry sabia muito bem que ele ainda não descobrira. Por mais Oclumência que Voldemort pudesse utilizar, um ódio como o que sentiria não poderia ser escondido de Harry. Tinha que se concentrar, agora, numa maneira de derrotar os Inferi. Ele não sabia.


— Moody, o que pode derrotar Inferi?


— Um Inferius, Harry, é um cadáver ambulante, um morto-vivo ou zumbi, como se diz. É um corpo que se move através de magia, a magia de um bruxo que o controla, ele faz apenas o que esse bruxo quer. Ele não pode ser morto, pois já está morto. Feitiços são ineficazes. Até uns meses atrás, não se tinha ideia de nada que pudesse derrotar um Inferius, a não ser matar quem o controla, o que no nosso caso, a curto prazo, é impossível, mas foi descoberto que se arrancarmos a cabeça de um Inferius, ele deixa de se tornar um, passa a ser apenas um cadáver comum.


— Então há um feitiço que pode ser usado! O Sectumsempra!


Como Harry pensava que o Medalhão de Proteu de Slughorn retornara a ele, por causa da morte de Aleto, a prisão de Amico e o estuporamento de Belatriz, antes de ela fugir, ele, usando o Medalhão, mandou uma mensagem para todos os membros da Ordem:


Pessoal, para quem não sabe, só se pode matar Inferi se a gente decapitar eles. Quem souber usar o Sectumsempra, use, quem não, conjure ou transfigure uma espada bem afiada. Passe essa informação aos membros que não são da Ordem.


Rapidamente, enquanto os Inferi não chegavam, os bruxos se prepararam. Apenas os membros da Ordem da Fênix sabiam usar o Sectumsempra, portanto a maioria dos combatentes deu um jeito de conseguir espadas.


Com os corações acelerados, esperaram que os Inferi chegassem. Era melhor isso, pois caso saíssem para atacá-los, os Comensais, mais na frente, gigantes e lobisomens podiam se aproveitar da distração que os Inferi seriam e poderiam atacá-los livremente, com facilidade e praticamente sem medo de represália.


Quando os Inferi chegaram, a luta se tornou renhida. Além de serem muitos, eles não tinham o mínimo cuidado com os feitiços neles lançados, já que não podiam raciocinar, afinal, estavam mortos, e isso os tornava audaciosos, apenas o que tinham em mente era matar e raptar: raptar Harry e Ana e matar todos os demais que se interpusessem em seu caminho. Logo o hall do castelo e o Salão Principal estavam banhados de sangue, na maioria sangue escuro e grosso, quase coagulado, proveniente dos Inferi que tinham suas cabeças decepadas. Tanto através de Sectumsempras bem lançados quanto de espadas, os guerreiros lutavam, arrancando as cabeças de cada Inferius que se punha em seus caminhos. Quando Olivaras fora raptado, fora obrigado a fazer milhares de varinhas por ordem de Voldemort, e a maioria delas agora tinha sido distribuída aos Inferi, que podiam lançar feitiços, se ordenados a isso. Maldições da Morte eram os feitiços mais lançados por eles, que lutavam para matar. Como “olhavam” bem para cada um dos oponentes, para não correrem o risco de matar Harry e Ana, a quem deviam levar para o Lord que lhes dava “vida” e os controlava, davam tempo para os oponentes se precaverem, tanto se desviando quanto conjurando Feitiços-escudos, o que era providencial. Harry corria de um lado para o outro, mais ajudando os amigos que destruindo Inferi, pois achava que, nesse momento, por ter a possibilidade de ajudar seus amigos a manter suas vidas, era o que devia fazer. Sempre que via um maior grupo de Inferi atacando corria até eles e usava o poder do Amuleto de Merlin, neutralizando seus Avada Kedavra enquanto seus amigos tinham a possibilidade de decapitar o máximo possível de Inferi.


Apesar de tudo isso, entretanto, os Inferi estavam conseguindo, aos poucos, avançar para dentro do castelo, pois apesar de tudo a quantidade também interferia numa batalha. Matando alguns, principalmente os pouco treinados, ou ferindo, eles avançavam pelos corredores que saiam do Salão Principal, e alguns conseguiram até chegar ao alto das Torres, onde foram prontamente enfrentados pelos grupos delas defensores, e que, até o momento, foram os que combateram menos, pois os combates ocorriam mais no chão. E os Inferi não paravam de chegar, cada vez mais, zumbis ativos que vinham desde longe. Voldemort e seus Comensais tinham matado demais, e boa parte dos que assassinavam era transformado em Inferi, uma forte e numerosa tropa reserva.


Tudo parecia estar indo de mal a pior. Eles não tinham mais como conseguir reforços, a não ser Hagrid e Carlinhos, que tinham desaparecido atrás de ajuda, mas não tinham ainda aparecido no castelo. As esperanças já estavam sendo derrubadas novamente quando Ana, que apesar de ser uma bruxa que mal conhecia a magia, mas estava lutando bem, teve uma ideia. Não propriamente uma ideia, ela se lembrou da parte do Amuleto de Merlin do Dragão. Ela podia ajudá-los, agora que estavam enfrentando tantos inimigos ao mesmo tempo. Correu até Harry, se cobrindo com vários Feitiços-escudos.


— Harry!


Ele a olhou. Estava suado e sujo de sangue, como a maioria dos combatentes.


— Que foi, Ana?


— O Amuleto, Harry, você pode usá-lo para mudar o resultado da batalha! Sectumsempra!


Ana, apesar de sua pouca prática em magia, sabia usar feitiços de ataque como Bombarda, Alarte Ascendare e Sectumsempra. Seus Feitiços-escudos eram muito poderosos, e isso fazia com que pudesse se defender e desestabilizar o inimigo. E o Sectumsempra, na verdade, era o único feitiço que podia ser lançado agora.


— Lembra do poder do Amuleto de Merlin, a parte do Dragão? Traz espectros, sombras de guerreiros que morreram em batalhas valorosas, para ajudar nos combates!


— É mesmo! Mione! Onde ela está? Preciso dela, é a única que aprendeu todos os feitiços para serem usados com o Amuleto!


— Ela está lá, perto da mesa dos professores, combatendo uns quatro Inferi!


Ana e Harry, esse usando sobre a amiga o poder neutralizador de Avada Kedavra, correram até onde Hermione se esforçava bastante. A garota estava coberta de sangue e com vários ferimentos pelo corpo, os cabelos lanzudos rebeldes, mas mesmo assim continuava lutando, agora era uma valorosa guerreira, e não mais uma esforçada intelectual. O poder do Amuleto caiu sobre ela assim que Harry se aproximou uns metros.


— Mione!


— O que foi, Harry?! Sectumsempra!


— Preciso de ajuda! Qual o feitiço usado com a parte do Amuleto de Merlin do Dragão?!


Na mesma hora os olhos dela apresentaram o característico brilho de compreensão.


— Mas é claro! Os espectros dos guerreiros! Você é brilhante, Harry!


Ele corou.


— Quem merece o elogio é a Ana. Bem, qual o feitiço? A gente precisa de ajuda urgente!


— Sim, claro! É o considĭte et pugnate, Anĭmi.


— Como?! — perguntou Harry assustado com um feitiço tão difícil de se pronunciar.


Considĭte et pugnate, Anĭmi! — ela pronunciou mais claramente, para logo em seguida lançar um novo Sectumsempra num Inferius, que teve sua cabeça lançada longe do corpo. — Quer dizer, em latim, “reúnam-se e combatam, espíritos!”, é como uma ordem para que os espectros venham lutar, repita, Harry, até pronunciar direitinho.


Enquanto Hermione e Ana combatiam mais Inferi e Harry as protegia com o Amuleto de Merlin, ele pronunciava o difícil feitiço várias vezes, e a cada vez olhava para Mione, que lhe dizia se estava ruim ou melhorando. Até — do que pareceu a Harry — chegar à décima tentativa, ele não conseguiu, quando Hermione subitamente disse, excitada:


— Isso, Harry, assim mesmo, agora você pegou o jeito, está falando o latim perfeito, tão perfeito quanto os romanos provavelmente falavam! Tente agora, que a gente está caindo em desvantagem!


Ele, segurando o Amuleto, fechou os olhos e se concentrou, pois tinha aprendido que com o Amuleto de Merlin os feitiços só ajudavam após calma e concentração. Então gritou em alto e bom som:


Considĭte et pugnate, Anĭmi


Na mesma hora Harry sentiu como se uma onda de energia perpassasse todo o ambiente do Salão Principal. E não foi ele o único a sentir. Todos, exceto os Inferi, que não podiam sentir mais nada, perceberam a mudança na tensão do ambiente, era como se ele inteiro pulsasse. Logo o Amuleto de Merlin brilhou muito e o garoto foi elevado no ar, envolto por uma luz muito clara. Do Amuleto, formas que claramente não eram corpóreas, mas também eram mais “sólidas” e visíveis que os fantasmas, surgiram. Tinham variadas feições e roupas, e podia-se perceber que pertenciam há muitas épocas distintas, havia guerreiros bruxos medievais, do século XVIII, da época do Império Romano, da Segunda Guerra Mundial, bruxos ao estilo Gengis Khan e ao estilo dos druidas. Todos tinham expressões corajosas e implacáveis, e se reuniram em fileiras de tropas em frente a Harry, pois, por ser o portador do Amuleto de Merlin, era o seu líder. Claramente esperavam suas ordens.


— Destruam os Inferi! Cortem fora suas cabeças!


Na mesma hora as centenas de espectros se misturaram aos Inferi e aos bruxos combatentes, lutando lado a lado com esses contra aqueles, indo em todas as direções do castelo onde houvesse Inferi, as torres, as ameias, os corredores, os jardins. Os bruxos aliados de Harry, que a princípio tinham ficado meio paralisados e impressionados com aquele fato incrível, perceberam que aquela era sua chance de salvação e combateram junto aos espectros como se esses fossem guerreiros aliados de carne e osso.


Harry desceu ao chão e continuou na batalha, que agora era muito mais ferrenha. O Salão Principal parecia explodir de gente, na verdade uma boa parte eram espectros, não-corpóreos, mas eles pareciam encher os espaços. E suas lanças, varinhas e espadas, embora não fossem reais como às dos bruxos, eram fatais, ao menos para os Inferi.


Os espectros logo estavam fazendo pender para o seu lado a balança da guerra. Em algum tempo, já quase não havia mais Inferi dentro do castelo, e os últimos vinham em fileiras duplas desde o portão da propriedade, onde estava Voldemort e o restante de suas tropas de Comensais, lobisomens e gigantes. Esses três últimos grupos já se preparavam para ir até o castelo e acabar com os adversários “indefesos”, que estariam muito ocupados com os Inferi para poder se defenderem deles. Quando os espectros começaram a perseguir esses Inferi, que estavam ainda perto de Voldemort, todos se espantaram com aqueles estranhos seres brilhantes e poderosos. Na mesma hora Voldemort, que lera o livro de Merlin, percebeu quem eles eram e gritou, amaldiçoando a torto e a direito. Começou a usar os próprios corpos dos Comensais e lobisomens que tinham lutado e morrido nessa noite, para criar mais Inferi, mas não adiantou, pois os espectros perseguiam cada novo Inferius que ele criava. Enfim, já não restava um só Inferius das centenas que lutaram. Os espectros, ao verem sua missão cumprida, desapareceram.


Todos no castelo, ao verem isso, logo perceberam que tinham levado a melhor contra os Inferi, e os gritos e palmas de vitória e alegria foram tão intensos que foi ouvido até mesmo em Hogsmead. Isso encheu Voldemort ainda mais de ódio, uma cólera tão profunda que de repente, pela primeira vez, ele decidiu participar diretamente da batalha. Com um andar altivo, que na verdade mais parecia flutuante, ele começou a percorrer o caminho que o separava do castelo de Hogwarts, rodeado em todas as direções por seu grande número de asseclas. A alegria no castelo, ao verem o que acontecia, logo foi substituída pela apreensão. Voldemort, agora que Dumbledore morrera, era o bruxo mais poderoso de todos, e um combate corpo a corpo — ou varinha a varinha — com ele seria o mesmo que morte certa. O bruxo sabia feitiços, principalmente de magia negra, nem sequer conhecidos por Harry e seus aliados.


Snape, de repente, estava perto de Harry. Seu semblante estava tenso e rígido, seu rosto mais pálido do que nunca.


— A hora está se aproximando.


Harry ficou rígido. Sabia a que hora ele estava se referindo, a hora do confronto final entre ele e Voldemort. Apenas com a aproximação do bruxo e sua inseparável e fiel cobra Harry teria a chance de matar a penúltima Horcrux de Voldemort. A única maneira de ele vencer o bruxo.


Todos sentiram que a hora do confronto final estava chegando, e se prepararam, mas estavam muito ansiosos. Voldemort tinha muito poder, e finalmente entrava de verdade na batalha. Alguns fizeram orações, pedindo proteção, pedindo que a Verdade e o Bem vencessem.


Finalmente, há poucos metros do castelo, Voldemort e suas tropas pararam. Ele olhava para dentro, pela abertura imensa que tinha sido feita pelos gigantes, que tinham derrubado a porta principal e quebrado parte da parede do andar térreo. Encarava apenas Harry, em seus olhos vermelhos e viperinos um brilho de especulação, ódio e malícia.


— Potter... — ele disse com sua aguda e fria voz. — Pelo que vejo, você não é fácil de matar... E sabe comandar muito bem os seus exércitos... Bem, mesmo havendo uma Profecia, acho que podemos relevá-la... Por que não se junta a mim e meus exércitos? Por que todos vocês não se rendem e começamos uma nova era de poder e pureza sanguínea?


Harry rosnou de raiva perante as palavras de Voldemort.


— Jamais! Engraçado... Você vive falando em pureza sanguínea, em discriminação a “Sangues-ruins” e mestiços... Você é uma fraude! É o maior de todos os mestiços!


Aquilo irritou bastante Voldemort e seus seguidores. Um Sectumsempra veio de longe, tentando acertar Harry, mas o poder do Amuleto apenas fez com que o feitiço perdesse seu efeito, causando apenas um suave ardor na pele de Harry, que sorriu.


— Você também é um mestiço, Potter... — Voldemort falou.


Harry sorriu novamente.


— Engana-se, meu caro. Não sou mestiço, pois o sangue que corre em minhas veias é tão puro quanto os dos Weasleys ou dos Malfoys. Todos acreditavam que minha mãe era Nascida-Trouxa, mas ela era filha de abortos, que embora não possam praticar magia, tem sangue mágico nas veias. Sou herdeiro de Godric Gryffindor, sou o Conde de Gryffindorbrough, um Lord verdadeiro, não um fajuto como você! Mas você acha que isso me importa? Não é a pureza do sangue que conta, na hora de se verificar a coragem, poder e nível mágico de um bruxo.


— Bem, então se prepare, Herdeiro de Godric Gryffindor. O Herdeiro de Salazar Slytherin finalmente irá se vingar daquele que foi sua ruína!


Voldemort ergueu o braço e, quando o baixou, seus guerreiros puseram-se a lutar. Agora, todos tão perto, era que começava a guerra de verdade. Voldemort, ao que parecia, ainda não pretendia lutar com Harry no mano a mano. Preferia brincar com seu oponente. Protegeu Nagine com alguma espécie de feitiço-escudo que a deixava imune a golpes de espada comum, bem como a feitiços, e falou, em língua de cobra, um sibilo que apenas Harry entendeu:


Brinque com ele, minha querida... Despedace-o, mas o deixe vivo para mim... Sua vida é minha!


A cobra, que era enorme e grossa, com corpo ao estilo de uma anaconda, mas aparência de uma Naja, como se Voldemort a tivesse enfeitiçado com um Engorgio, partiu para cima de Harry. Tinha aparência cruel, como era um animal irracional não tivera a capacidade que Harry tivera de não deixar o mal presente na alma de Voldemort, incrustada em seu corpo, dominá-la. Era tremendamente venenosa, e Harry sabia disso, pois o Sr. Weasley quase morrera quando fora atacado por ela. Harry teve que se jogar com força para um lado, caindo no chão, pois o bote de Nagine era extremamente forte e rápido. E se recuperava tão fácil que Harry mal teve tempo de se levantar e se desviar novamente. Por pouco não conseguiu se salvar. A cobra passou a atacar com ainda mais vontade, e não ligava para o que ou quem estava em seu caminho. Derrubava as pessoas, mordia outras que o atrapalhavam, às vezes até mesmo Comensais. Tonks foi mordida, e o veneno passou a fazer efeito logo, mas como já tinham o antídoto para seu veneno, por causa do ataque a Arthur, logo a levaram correndo à enfermaria. Ao ver o perigo que era aquela cobra bem no hall do castelo, cheio de gente, podendo entrar a qualquer momento no Salão Principal, ainda mais cheio, Harry correu para fora, onde praticamente só estavam Voldemort, alguns lobisomens, uns poucos Comensais e os gigantes. Ninguém mais o atacou, pois sabiam que Voldemort o queria vivo, e que se Nagine o atacara, fora por ordem do Lord.


Harry teve que correr com quantas pernas tinha, usando até feitiços de velocidade, mas mesmo assim Nagine era mais veloz que ele, pois também fora modificada pela magia negra de Voldemort. A cobra só não o tinha atingido, ainda, por causa dos desvios frequentes e pulos ao estilo goleiro que Harry dava. Ele sabia que não morreria, pois o Amuleto o manteria vivo de qualquer maneira, mas pela dor que sentia no corpo quando se jogava longe dos botes, poderia se machucar, mesmo se não morresse, e a mordida de Nagine deveria ser extremamente dolorosa, bem como o escoar de seu veneno pelo sangue.


Ao verem seu amigo sendo atacado por Nagine e correndo para fora para salvar o pessoal de dentro do castelo, Rony, Hermione e Ana correram para os jardins também. Foram logo atacados por alguns Comensais, mas lutaram bravamente, tentando se aproximar, pouco a pouco, de Harry. Enfim chegaram até ele, que exclamou, enquanto pulava:


— Seus malucos, saiam daqui! Tenho a proteção do Amuleto, vocês não, droga!


— A gente não vai te abandonar, Harry! — gritou Ana. Logo os quatro tinham que se desviar dos botes de Nagine.


Hermione conjurou uma espada e tentou atingir a cobra com ela.


— Não, Mione, a pele dela está enfeitiçada! — Harry gritou, mas não a tempo. A espada ricocheteou no grosso couro, não penetrando um centímetro. Aquilo deixou Nagine ainda mais colérica e agitada, atacando com ainda mais vigor. Sua calda musculosa deu um estalo no ar, batendo em Hermione com tanta força que a fez voar alto e cair no chão com um impacto tão poderoso que fez com que todo o ar escapasse de seus pulmões. Via estrelas de dor com o impacto de suas costas com o chão. Harry se pôs diante sua amiga indefesa, apenas uma varinha inútil como arma.


Nesse momento, Snape apareceu correndo, suas longas vestes pretas esvoaçando no ar.


— Potter! — ele gritou.


Rapidamente Harry olhou para ele.


— Não venha aqui, Snape!


— Invoque a espada de Gryffindor! Nagine não é imune a ela, ela está imune apenas a armas normais, não armas mágicas, fabricadas pelos elfos! Você é um grifinório, a espada virá até você!


Harry tentou invocar a espada com o auxílio da varinha, mas não conseguia se concentrar para fazer feitiços e ao mesmo tempo defender Hermione e desviar-se de Nagine. Rony e Ana chegaram até eles, preocupados com Hermione. Então Harry olhou para o amigo e teve um “estalo”.


— Rony, invoque a espada de Gryffindor! Você é um verdadeiro grifinório e ela te ouvirá! Vamos! É você que deve destruir Nagine, eu já destruí Horcruxes, Hermione também! É sua vez!


Rony estava trêmulo, nervoso. Tinha medo de não merecer, de não ser capaz de chamar a espada. Na verdade, sempre tivera muita insegurança, sempre questionara secretamente o fato de estar na Casa da Grifinória, pois não achava que tinha coragem suficiente. Mas tinha que tentar. Ele ergueu a varinha e gritou:


Accio Espada de Gryffindor!


Temeroso de que a espada não atendesse sua invocação, Rony esperou, mantendo Hermione, ele e Ana sob um Feitiço-escudo enquanto Harry continuava a se desviar de Nagine e Snape lutava contra Comensais e lobisomens que o atacavam. Minutos se passaram, e suor gelado escorria da testa de Rony, que estava começando a achar que não era merecedor da espada de Gryffindor. De repente, com um alto zunido, como se o ar estivesse sendo “cortado”, um objeto veio voando na direção deles. Num reflexo, Rony ergueu a mão esquerda e fechou o punho, agarrando-o. Era o cabo adornado com um rubi da espada de Gryffindor! Ele abriu um grande sorriso, pensando que era merecedor, era um verdadeiro grifinório. Enquanto Ana ficava protegendo Hermione, ele correu até onde Harry e Nagine faziam o jogo de gato e rato. Seu amigo já estava encurralado, encostado a uma árvore, a cobra se preparando para um último e fatal bote. Rony correu até eles e se pôs na frente de Harry, segurando a espada com as duas mãos e esperando. Nagine olhou nos olhos de Rony, sua língua estreita e bifurcada se movendo, suas imensas e afiadas presas destilando veneno.


— Venha, desgraçada! — falou Rony, com voz rouca, a respiração ofegante. — Venha que quero acabar com você e, de certa forma, com seu amo!


Nagine pareceu entender o pedido de Rony. Ergueu-se quase em toda sua imensa altura, quilos de músculos rijos e elásticos prontos para desabar em cima de Rony e Harry. A ponta de sua calda vibrava, ameaçadora, sua imensa cabeça ao estilo naja inchava-se mais. Quando caiu, pronta para esmagá-los com seu peso e envenená-los com suas presas, Rony lançou a espada, segurando-a com as duas mãos, num movimento limpo, rápido e oblíquo. A lâmina extremamente afiada tocou a pele do pescoço de Nagine com força, penetrando na carne, decepando a cabeça com grande violência, esguichando sangue para tudo quanto é lado. O corpo grande e pesado pareceu ficar em pé por uma fração de segundo antes de desabar. Um agudo grito de uma voz fria se ouviu. Era Voldemort, colérico com a morte de sua fiel cobra, além de uma de suas salvaguardas.


Uma nuvem negra pairou no céu, expelindo raios e trovões, reflexos da ira de Voldemort.  Harry teve que fazer uso de toda Oclumência possível para conseguir conter os sentimentos do bruxo, que queriam perpassar por sua mente.


— Pronto, Harry, a Horcrux que faltava! Agora você pode matar o desgraçado! — sussurrou Rony para o amigo. Nesse momento Hermione já estava se levantando, já refeita da brusca queda.


Harry estava prestes a ir para cima de Voldemort, louco para acabar com aquela guerra de uma vez, mas de repente ouviu um grito de dor. Olhou para trás. Próximo ao castelo, alguns Comensais se compraziam em torturar Snape. Ele era bastante capaz contra três, até quatro bruxos ao mesmo tempo, mas não mais do que isso, e mais ou menos uns seis Comensais o atingiam com diferentes feitiços dolorosos, os mais aplicados eram a Cruciatus e o Sectumsempra.


— Traidor! — alguns gritavam, e sorriam perante as débeis tentativas de Snape de evitar gritar de dor enquanto se contorcia no chão.


Harry se sentiu num dilema. Podia agora partir para cima de Voldemort, mas isso significaria deixar Hermione, Ana e Rony a mercê de Comensais e lobisomens, e gigantes, também, que só esperavam as ordens de Voldemort para poderem atacar. E significava deixar Snape ser ainda mais torturado e morto, um homem que ele agora via o quanto era valoroso, que o ajudara bastante. Deixou a chance de derrotar Voldemort passar; em primeiro lugar estavam os amigos. Protegendo Hermione e Rony, que corriam com ele, com o poder do Amuleto, Harry partiu para cima dos Comensais que atacavam Snape. Os três passaram a atacar os Comensais. Snape ficou sobre a proteção do poder do Amuleto, também, e enquanto ele se recuperava um pouco da tortura violenta, Harry, Hermione, Rony e Ana combatiam os Comensais, Rony usando a espada e a varinha ao mesmo tempo. Lúcio Malfoy, Vincent Crabbe e Yaxley eram três dos bruxos que combatiam. Hermione inutilizou Yaxley, Rony matou Crabbe e Harry deixou Malfoy inconsciente. Nesse momento Snape se levantou e Harry gritou:


— Vamos, pessoal! Para dentro do castelo!


E os quatro, lançando feitiços a torto e a direito, correram para dentro do castelo, onde seus amigos e aliados estavam conseguindo levar a melhor sobre os Comensais e lobisomens de Voldemort. Harry não notou que algo muito importante se soltou de seu pescoço.


 


Oo00oo



Ayla Teresa: Muito obrigada por seu review, Ayla. Como sem pre, é a única que não me deixa na mão, né? Olha, pode rir mesmo, o tio Voldie vai ser muito humilhado. Pode esperar só coisas boas para o lado bom (algumas mortes podem aparecer, mas é normal numa guerra, né? Mas  nada como a carnificina que a JK fez, só matando gente legal, como Lupin e Sirius). Claro, fui muitíssimo bom o rabicho, aquele rato covarde, ter sido morto por nossos herois. E, olha, me deixou aqui orgulhosa e abismada quando disse que minha história está melhor que a JK Mestra Rowling! Bjs


 


Espero que tenham apreciado! Comentem, please! Bjs da Ana

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 0

Nenhum comentário para este capítulo!

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.