FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

ATENÇÃO: Esta fic pode conter linguagem e conteúdo inapropriados para menores de idade então o leitor está concordando com os termos descritos.

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

15. Acidente


Fic: Fame and Love: Porque há coisas que o tempo não pode apagar...


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

Capítulo 15


Rony virou-se na cama e alinhou-se ao corpo de Hermione.


-Sinto falta das crianças quando estão em Hogwarts, mas é tão bom ter um tempo a mais só para nós. E estamos de folga hoje. Teremos um dia só para nós.


Hermione virou-se de frente para o marido e deslizou a mão por dentro da camisa do pijama dele que estava semi aberta. Rony sorriu. Ele deslizou a mão pela cintura e quadril dela.


-Também sinto falta da Rose e do Hugo, mas eles não são tão crianças assim.


-Para mim sempre serão-disse Rony e depositou um beijo no ombro de Hermione.


-Eles já conseguiram até pares no baile!


-É verdade. E eu descobri quem é o par de Hugo-disse Rony, misterioso.


-Descobriu?


-Sim. Eu já suspeitava, mas no baile tive certeza. Não podia ser uma pessoa melhor-disse Rony, entusiamado.


-Você acha que é quem, Rony?-perguntou Hermione, curiosa e tensa.


-Eu não acho, eu tenho certeza de que é a... Lily.


Hermione suspirou aliviada e sorriu.


-Sabia que você gostaria de saber o par de Hugo-disse Hermione, e sorriu.


-Agora só falta saber o de Rose... Talvez seja o David, eles já estão a mais de um ano juntos-disse Rony, pensativo.


Hermione deu um sorriso tenso, mas não disse nada.


-Ainda há muita coisa para acontecer, amor. Tudo tem a hora certa...


-Esse é um dos motivos que eu amo tanto você. Sempre diz as coisas certas nos momentos certos-disse Rony, abraçando a esposa. –E sabe qual é o momento certo agora?


-Sei-disse Hermione, deslizando a mão para o cós da calça de Rony.


-É, você sabe de tudo.


Rony beijou Hermione até os dois ficarem sem ar...


***


Harry virou-se na cama e... caiu. Esquecera que dormira no quarto de Alvo. Gina não falava com ele desde o encontro com Cho. E ela o trancara do lado de fora do quarto. Ele levantou-se, fez sua higiene pessoal e foi para a cozinha. Gina preparava a mesa. Ela organizou tudo em silêncio e nada foi dito durante o café da manhã. Gina depois arrumou a cozinha enquanto Harry limpava o quintal. Ela seguiu para o escritório onde escrevia sua coluna de quadribol do jornal. Harry apareceu lá pouco tempo depois. Ele se aproximou e colocou as mãos nos ombros de Gina.


-Você usou esse vestido só para me provocar. Você sabe o quanto eu gosto de você vestindo ele-disse Harry, massageando os ombros da esposa.


Gina levantou-se bruscamente.


-Você tem que ir para o Ministério-disse Gina, direta.


-Só a tarde.


Harry viu Gina ir em direção a estante de livros. Ele sabia que Gina colocara aquele vestido para provocá-lo. Quem visse não acharia nada demais no vestido, mas ele gostava pela praticidade. Era tão fácil de tirar. O vestido era preto de corte reto e justo ao corpo. De alças largas e um flash que chegava no inicio do quadril. Gina enrolou os cabelos e colocou para frente enquanto lia as lombadas dos livros. Harry foi até ela e beijou-a no pescoço.


-Estou ocupada-disse Gina, tirando um livro da estante.


-Porcaria, Gina-reclamou Harry. –Eu não tenho culpa de que ela voltou!


-Eu sei que não tem culpa-disse Gina, deixando o livro em cima da mesa.


-Então por que você está irritada? Cho só foi...


-A primeira garota que você beijou-disse Gina, magoada.


-Ah não, Gina. Conversamos várias vezes sobre isso. E chegamos sempre a mesma conclusão de que eu era um babaca idiota, então...


-Sempre que a vejo ou lembro dela, vem a tona tudo que eu sofri por você desde os meus 10 anos de idade. E detesto me sentir fraca.


-Você sabe que eu amo você. Cho só foi a primeira garota que eu me interessei, e nem namoramos... Enquanto você saiu com o Miguel Corner e Dino Thomas.


-Você sabe por que fiz isso. Eu não poderia ficar sempre esperando por você, talvez você nem me notasse-disse Gina, impaciente.


-Ah, claro que eu notaria. Você cresceu e se tornou uma das garotas mais bonitas de Hogwarts, a pesar de usar óculos eu não sou cego-observou Harry. –E se você tivesse tirado a roupa para mim a teria notado antes-disse ele com cara de safado.


Gina revirou os olhos.


-Eu só peço uma coisa. Não se aproxime dela.


Harry não disse nada. Ia tentar não ter contato com Cho Chang, mas ela trabalhando no Ministério seria difícil.


-Tenho que trabalhar, Harry. Tenho que terminar esta coluna e entregar ainda esta noite-disse Gina, voltando para a mesa.


Harry achou Gina diferente. Ele esperou que ela gritasse que tivesse uma enorme crise de ciúmes o que não acontecera. Ela só colocara ele para dormir fora do quarto. Havia algo de estranho ali.


-Gina, o que aconteceu?


Gina olhou para o esposo sem entender a pergunta dele.


-Há algo acontecendo e eu quero saber o que é-exigiu Harry.


Gina lembrou-se da conversa dos homens nos jardins do Ministério. Ela estava por perto quando Rony iniciara a conversa e escutara tudo. Harry seria um empecilho na união de Lily e Hugo, diferente de Rony que parecera ter gostado bastante da idéia. Hermione só teria dor de cabeça quando Rony soubesse que o par de Rose era Scorpius Malfoy. Gina nem queria pensar na confusão que iria ser. Gina nem queria ter escutado a conversa, mas estava se aproximando deles quando Rony tocou no assunto e ela se misturou no meio das outras pessoas e escutara tudo. Ela só não conseguira se controlar quando a chorona da Cho se aproximou de seu esposo, ela teve que intervir, mas mais importante que Cho no momento era sua filha e seu sobrinho. Por isso, que ela trancara a porta do quarto durante a noite. Ela só queria pensar. Queria ter uma idéia de como fazer Harry gostar de ter Hugo como genro, mas seria complicado. A única idéia que tivera era chamar o sobrinho para passar o final de semana quando Lily fosse para casa. Harry precisava se acostumar com a idéia de ver a filha e o sobrinho juntos.


-Desculpe, querido. Estou preocupada com esta coluna, não estou muito inspirada para escrevê-la-despistou Gina.


Harry observou a esposa com atenção, embora soubesse que ela estava escondendo algo preferiu não entrar a fundo no assunto. Quando Gina preferia ficar calada, ela não falava nada até sentir que era o momento certo.


-Ok, eu sei que depois você irá me contar. Como sempre.


Gina deu um pequeno sorriso para o esposo e virou-se.


-Eu vou ficar aqui para ver se você olhando para mim, você se inspira-disse Harry sentando no pequeno sofá.


Gina sorriu e sentou. Começou a escrever. Uma hora depois de escreve e apaga, Gina jogou a pena na mesa e olhou para Harry que cochilava no sofá. Ela gostava de vê-lo dormir, ele parecia tão sereno. Ela levantou-se devagar, e foi até ele. Levantou o vestido acima da coxa e sentou no colo de Harry de frente a ele com as pernas dobradas no sofá. Harry abriu os olhos devagar.


-Hummm. É tão bom acordar assim-disse Harry, e sorriu.


Gina beijou delicadamente os lábios de Harry. Ele levou a mão até o flash do vestido, mas Gina segurou o braço dele.


-Harry...


-Sim?


-Eu sei que eu vou tocar em um ponto sensível da sua vida, mas eu preciso fazer uma pergunta-disse Gina, reticente.


-Fale-incentivou Harry.


-Se seus pais fossem vivos quando a gente começou a namorar e se algum deles não concordasse com nosso namoro, o que você faria? Você desistiria de mim?


-Por que essa pergunta, Gina?-perguntou Harry, alisando o rosto dela.


-Não sei, estava pensando.


-Sei lá. Eu não sei. Primeiro, eu procuraria saber os motivos dos meus pais não gostarem de você. Segundo, se eu visse que o motivo era justo, eu me afastaria. Mas se não... Terceiro, eu mostraria aos meus pais que eles estavam enganados. E tentaria aproximá-los-explicou Harry.


-Se você tivesse certeza que eu era uma pessoa correta e que você me amasse, e visse que o que seus pais sentiam eram ciúmes de nosso relacionamento, o que você faria?-perguntou Gina, abrindo a camisa de Harry.


-Mostraria a meus pais que como eles constituíram uma vida juntos, eu também tinha o direito de construir a vida com a pessoa que eu amo-disse Harry com a voz rouca ao sentir a mão de Gina deslizando por seu peito.


Gina sorriu.


-Obrigada, Harry. E espero que seja assim mesmo.


Gina tirou a camisa de Harry. E ele baixou o flash do vestido dela. Deslizando o vestido pelo corpo dela. O sutiã preto contrastava com a pele branca de Gina. Harry deslizou o dedo ao redor do sutiã. Gina grudou seu corpo ao dele e o beijou. Ele deitou-a no sofá e se pôs sobre ela...


***


Astoria espreguiçou-se e se encolheu na cama com a dor que sentiu. Sentira aquela dor a dezoito anos atrás. Estava dolorida. Aquele sofá e o chão só fizeram piorar o incomodo a pesar do prazer que sentira nos braços dele.  Ela foi até o banheiro e tirou o vestido. Nem calcinha usava, pois Draco rasgara. E ele guardara no bolso da calça para depois jogar fora. Ela só lembrava de que depois do que acontecera, ela adormecera. E acordara no quarto. Draco deve tê-la carregado para o quarto. Ela se olhou no espelho que havia no banheiro. Havia algumas marcas vermelhas no corpo e algumas marcas ficando roxa; no seio esquerdo, na barriga e na coxa direita. Ela estremeceu ao lembrar. Ela tomou um banho relaxante na banheira. Depois desceu para cozinha. Não viu Draco, mas viu Willy, o elfo domestico.


-Willy, você viu o meu esposo?


-Sim, senhora. O senhor Draco está no escritório. Ele disse que não queria ser perturbado que iria tomar o café da manhã lá mesmo.


Astoria sentiu um aperto no coração.


-Então, Willy. Sirva meu café da manhã, por favor. Eu só quero chá, suco e torradas. Obrigada.


-Sim, eu irei servir a senhora agora mesmo-disse Willy, organizando a bandeja.


-Obrigada, Willy.


Astoria saiu da cozinha.


***


I've been alone with you inside my mind/ Eu estive tão sozinho com você na minha cabeça
And in my dreams I've kissed your lips a thousand times/ E nos meus sonhos eu beijei os seus lábios mil vezes
I sometimes see you pass outside my door/ Às vezes eu vejo você passar pela minha porta
Hello, is it me you're looking for?/ Olá, sou eu que você procura?


Draco bebia o quarto copo de wisky de fogo. Ele olhava fixamente para aquela peça intima preta. Ele ainda podia sentir a pele de Astoria na sua. O cheiro dela. Ele ainda escutava os gemidos dela nas preliminares. E ele ainda sentia o gosto dos lábios dela depois que atingira o clímax. Ele ficara com uma marca nos lábios depois que ela o mordera para não gritar. Ele pegou a peça, passou pelo cesto de lixo e olhou. Seguiu para a estante que havia ali. Ele abriu a estante e tirou um pedaço de madeira do fundo. Apareceu um cofre. Ele apertou os botões que era a senha e abriu. Ali estavam um álbum de fotografia, uma camisola branca rasgada (a camisola que Astoria usava na primeira vez deles e que ele recuperara no cesto de lixo) e ele colocou a calcinha preta lá. Tirou o álbum de fotos e folheou. Eram fotos de Astoria que ele tirara quando ela não percebera. Havia fotos do dia que eles casaram, quando ela estava grávida, quando ela adormecera na vez que eles ficaram juntos pela primeira vez e outras em outros momentos. Como ele a amava! Mas não tinha coragem de dizer isso a ela e ela lhe dar um fora. Ele guardou o álbum. Fechou o cofre e depois a estante. Sentou na cadeira e ficou vendo a foto em cima da mesa. A foto dele, Astoria e Scorpius, os três juntos sorrindo. Mas era tudo tão diferente...


***


-O que deu em você, Bloom?


Marcelle acabara de encharcar Johel com um copo de suco de abobora que pegara no armário da sala do salão comunal.


-Foi mal-disse Marcelle se afastando em direção aos quartos.


-Foi mal? Você me molha de propósito e diz só: foi mal?-perguntou Johel, irritado.


Ele passou a mão pelo rosto onde escorria o suco. A camisa ficando molhada.


-Não foi de propósito-disse Marcelle, fingindo inocência.


-Não foi de proposito? Eu estava aqui sentado na minha. Você aparece com um copo de suco que cai bem certinho na minha cabeça-disse Johel, indo em direção a Marcelle.


- Eu trouxe o copo de suco só para isso, eu ia guardar até vê-lo e jogar na sua cabeça. Para de paranóia, Mcfadden.


-Você gosta de me irritar, isso sim.


-Pois é, tenho o maior prazer nisso! Eu vi você ai todo concentrado em seus pensamentos, olhar perdido que eu resolvi acordá-lo para a realidade de um modo diferente-disse Marcelle, audaciosa.


-Você tem me perseguido desde que dançamos naquela porcaria de baile a mais de um ano-disse Johel, irritado.


-Não é isso. Você que pensa que me conhece só porque dançou comigo uma noite. E eu nem queria dançar com você naquela noite-disse Marcelle ainda mais irritada.


-E você pensa que eu quero chegar perto de você? Eu só quero distância de você-disse Johel, apontando o dedo para Marcelle. –Fique com o seu amado, Potter.


Marcelle riu.


-E seu caminho ficará livre para a Brewster, não é?


-E o que você tem a ver com isso? Se eu ficaria com a Anne ou não?


-Eu? Simplesmente nada. Mas eu fico pensando como um homem pode se rebaixar tanto em correr atrás de uma garota que é apaixonada por outro...


-Da mesma forma que você corre atrás do Potter-cortou Johel.


-Mas Alvo não é apaixonado por ninguém...


-Você é cega ou o que? O Potter é apaixonado pela Anne, ele só não quer assumir o que sente-explicou Johel.


-Ele não suporta a Brewster-disse Marcelle com olhos faiscantes.


-E você me odeia-disse Johel, irônico.


-Está vendo até você assume que não tem chance de Alvo...


-Pare de se fingir de sonsa. Que não ver o que passa ao seu redor! Você percebeu a ironia do que eu falei...


-Eu odeio você. Eu não te suporto. Se você sumisse da minha vida, eu agradeceria aos céus por isso-gritou Marcelle. –Detesto como você pensa que me conhece!


Marcelle se virou e foi para o quarto dela.


-E você pensa que eu gosto de saber que eu te conheço melhor que você mesma?-perguntou Johel, entrando no quarto dela.


-Saia do meu quarto agora-gritou Marcelle.


Johel olhou para a cama e depois para Marcelle. Sacudiu a cabeça.


-Pense bem no que você faz da sua vida. E vá tomar seu café da manhã!-disse Johel e logo depois saiu do quarto, fechando a porta.


***


Hermione chegou a mais um dia de trabalho no Ministério. Ela tinha a impressão que quanto mais trabalhava, mais trabalho aparecia. Ela escutou alguém bater na porta.


-Entre-disse Hermione em voz alta.


Francis abriu a porta e entrou.


-Bom dia, Francis-cumprimentou Hermione com um sorriso.


-Bom dia, Sra. Weasley-disse Francis. –Trouxe esse papeis que a estagiaria da seção dos aurores mandou para a senhora dar uma olhada-disse ela, entregando uma pasta para Hermione.


Hermione suspirou. Seria mais um dia daqueles dias. Francis virou-se para sair.


-Francis-chamou Hermione.


-Sim?-disse Francis, olhando para a chefe.


-Hoje você ficará na sala comigo me ajudando com esses papeis, ok?


-Sim, ok-disse Francis, entusiasmada.


Hermione pegou a pasta que Francis lhe entregara e mais outra e foi para o sofá onde sentou.


-Você procura nesta pasta o nome de Abercio Silverstone ou referência ao “batedor de carne”, e eu vou procurar nesta-disse Hermione, entregando uma pasta a Francis e depois abriu a outra.


-Posso sentar no chão? Sinto-me mais a vontade-pediu Francis.


-Faça o que achar melhor.


Francis sentou no chão, mas se sentiu incomodada com algo. Ela tateou debaixo da bunda onde encontrou algo e pegou.


-Isso deve ser da senhora-disse Francis, esticando o braço com algo.


Hermione pegou e achou estranho. Uma argola? Ela não tinha perdido nenhuma argola. E não era de usar argolas no Ministério, e as mulheres que entravam naquela sala geralmente usavam brincos pequenos. Mas de onde surgira aquela argola?


-Obrigada-disse Hermione, automaticamente.


Ela lembrou-se da festa... Draco saindo com Astoria... Ela usava argolas... Ela não acreditava que Draco levara Astoria para a sala dela. Ali era local de trabalho e não lugar de amasso e outras coisas. Ela focou a atenção no interesse maior: que eles tenham se reconciliado. Ela esperava que sim, isso era o que mais interessava. Hermione sorriu.


-Que foi, Sra. Weasley? Algo interessante?-perguntou Francis, observando Hermione.


Hermione olhou para o papel a frente e viu “o batedor de carnes”.


-Já achei um então nosso trabalho não será de todo perdido.


Francis confirmou com a cabeça e voltou a olhar os papéis...


***


-Olha, olha bom trabalho!-disse Maggie, olhando as fotos espalhadas no chão.


Estavam reunidos Michelle, Rick e Maggie na Sala Precisa onde ninguém poderia atrapalhá-los.


-Espero que ninguém tenha visto vocês tirando essas fotos-disse Maggie com olhos estreitos.


-Claro que ninguém viu. Havia muitos fotógrafos e nos misturávamos a eles, além de que estávamos disfarçados-explicou Rick.


-Ótimo. Queria ter ido, mas não poderia encontrar o bobo do meu namorado por lá. Acho que esse namoro já está me cansando. Estou perdendo as maiores festas por causa dele porque não consigo ficar só com um durante uma festa inteira-disse Maggie dando um sorriso sedutor para Rick.


Michelle viu, mas não falou nada. Ela já tinha percebido que havia algo entre os dois, mas aquilo não interessava a ela.


-E acho que ele também está cansando de mim-disse Maggie pegando uma foto.


Na foto estava Kathleen ao fundo com expressão assustada e podia ver Fred fechando uma porta.


-Ele ficou um pouco “alto” na festa. Acho que ele não chegaria perto dela se estivesse sóbrio-disse Michelle.


-Não me importa. Acho que meu querido namorado receberá uma cópia dessa foto. Ele irá ficar tão estressado se souber que algo desse tipo possa cair na mão da ingênua namorada-disse Maggie, separando a foto.


Maggie pegou outra foto.


-Marc Kemp e Lucy Weasley. Desde quando o Marc Kemp está interessado na Weasley? Ele não fica com nenhuma garota abaixo do sétimo ano, todos sabem.


-Talvez ele queira mudar-disse Michelle.


-Acho mais provável ter acabado a cota das garotas que ele pegou do sétimo ano...-disse Rick.


-Então era melhor ele procurar no sexto ou quinto ano, não? Faz um bom tempo que eu quero dar uns bons amassos no Kemp, mas ele sequer me olha-disse Maggie sem cerimônia. –Mas ele vai atrás de uma Weasley que ainda está no quarto ano. Vou deixar essa foto separada, talvez eu precise dela.


-Uau! Que beijo foi esse?-perguntou Maggie que pegou uma foto que Roxanne e Kevin se beijavam. –Será que meu namorado sabe que a irmãzinha está pegando o irmão da melhor amiga ou que a melhor amiga dela, sabe? Minha cunhadinha se fingindo de casta, e é uma assanhadinha.


-Pode ser que a melhor amiga dela ou irmão dela não saibam, mas a mãe dela sabe, pois pegou os dois no flagra-disse Michelle.


-Humm. Mesmo assim vou separar esta foto.


Maggie pegou outra foto onde Anne discutia com Alvo.


-O que a Anne Brewster e Alvo Potter fazem juntos? Temos que prestar mais atenção nesse casalzinho, principalmente depois que a Brewster saiu da enfermaria, e parece que o Potter se sente culpado... Aff. É bom separar esta foto também.


Maggie pegou outra foto que Dominique e Taylor se beijavam.


-Eu não acredito! Não acredito! Não acredito! O primeiro beijo que vejo da Dominique Weasley. Isso é histórico-disse Maggie, entusiasmada.


-Esse beijo foi um pouco difícil de conseguir, eles meio que se esconderam-disse Rick.


-O mesmo que fizeram o Potter e a Brewster...-disse Michelle.


-A pesar de que a Dominique Weasley estava bêbada e acho que ela não se lembra do que fazia naquela festa-observou Rick.


-Essa foto vai ficar na ala especial. Provavelmente o primeiro beijo de Dominique Weasley a pesar de que ainda descubro o segredo dela porque ela deve ter um... tão misteriosa...


Maggie olhou as fotos espalhadas pelo chão.


-Nenhuma aproximação de Rose Weasley e Scorpius Malfoy? Gosto de ver ele a provocando, e ela irritada...


-Não, nenhuma aproximação-disse Rick.


-Como se pode ver pelas fotos Scorpius Malfoy passou maior tempo na festa com a namorada Molly Weasley. E Rose ficou também com o namorado...


-Que porcaria! Nada de interessante entre os dois... afff-cortou Maggie, aborrecida.


Maggie deu outra olhada nas fotos e pegou outra.


-Quando esses dois vão dar um bom amasso? Eles não sabem que de repente... Bummmm.


Rick e Michelle trocaram um olhar, e depois olharam para Maggie.


-O que é que você quer façamos?-perguntou Rick, cauteloso.


Maggie deu um sorriso.


-Vocês poderiam fazê-los... sei lá... brigar?! Você, Rick já ficou com a Lily Weasley pode esbarrar com ela no meio de algum corredor, não?


Rick confirmou com a cabeça.


-E você Michelle tem assuntos pendentes com o Hugo Weasley, não? O namoro de vocês acabou de uma maneira muito abrupta...


Maggie fez uma pequena careta para o chão e depois olhou para Michelle com um pequeno sorriso.


-Ok, então. Vamos tomar café da manhã. E vocês sabem o que tem que fazer por enquanto. Depois nos reunimos para ver o restante das fotos.


-Ok-disse Rick.


Maggie recolheu as fotos. Eles se levantaram, e logo depois deixaram a sala precisa.


***


Alvo mexia o chá dele sem prestar atenção a nada ao redor. Rose sentou-se ao lado do primo.


-Bom dia-cumprimentou Rose.


-Bom dia-disse Alvo quase sem voz.


-O que há com você?-perguntou Rose, preocupada.


-Hoje terei que agüentar o Malfoy no nosso castigo-despistou Alvo.


Ele estava impaciente em ter que agüentar Scorpius, mas esse problema era bem menor se comparado ao que tinha com a melhor amiga de Scorpius. A conversa que tivera com Anne na festa do Ministério não saia da cabeça dele e ela o culpava pelo que acontecera...


-Eu já vou-disse Alvo, levantando.


-Mas você não comeu nada!


-Estou sem fome-disse Alvo já se distanciando.


Rose ficou preocupada e pensativa em relação ao primo. Acontecera algo e ele não queria contar. Alvo saia do salão principal quando Anne entrou com Scorpius e Marc.


I can see it in your eyes/ Eu posso ver nos seus olhos
I can see it in your smile/ Eu posso ver no seu sorriso
You're all I've ever wanted, (and) my arms are open wide/ Você é tudo que eu sempre quis, (e) meus braços estão abertos
'Cause you know just what to say/ Porque você sabe exatamente o que dizer
And you know just what to do/ E você sabe exatamente o que fazer
And I want to tell you so much, I love you/ E eu quero tanto te dizer, eu te amo


Os olhares se cruzaram, mas Anne desviou e seguiu em frente com os amigos enquanto Alvo sentia seu coração cada vez mais apertado.


***


As corujas começaram a voar no salão principal entregando as cartas. Uma coruja posou de frente a Lily. Ela pegou a carta e deu um pedaço de torrada para a coruja que depois voou. Lily leu o remetente e viu que era de Gina, sua mãe. Ela abriu a carta e leu.


-Mamãe mandou chamá-lo para passar o final de semana em casa quando eu for para lá-disse Lily quando acabou de ler a carta da mãe.


-Por que?-perguntou Hugo, depois de tomar um gole de leite.


-Meio estranho, não é? Porque quando estamos em casa. Ou eu estou na sua casa, ou você na minha, mas... Ela disse que quer ver você e que está sentindo a casa muito parada que sente falta da gente correndo pela casa.


-Quando você vai para sua casa?


-Neste final de semana não. No próximo-respondeu Lily.


-Você não vai para Hogsmeade?


-Não posso ir neste final de semana para casa porque tenho umas fotos para fazer. E se eu demorar em ir para casa, mamãe me mandará um berrador-explicou Lily.


-Quando você escrever a carta para tia Gina com a resposta diga que irei com você. Só que terei passar em casa depois para ver mamãe e papai-disse Hugo.


-Ok, eu escreverei a carta hoje mesmo com a resposta-disse Lily, levantando. –Vou ao banheiro e depois nos vemos na aula.


-Certo.


I long to see the sunlight in your hair/ Eu desejo ver a luz do sol no seu cabelo
And tell you time and time again how much I care/ E te dizer várias vezes o quanto eu me importo
Sometimes I feel my heart will overflow/ Às vezes acho que meu coração vai transbordar
Hello, I've just got to let you know/ Olá, eu só quero que você saiba


Hugo acompanhou Lily sair do salão principal com o olhar e depois terminou de comer.


***


Fred ia para o salão principal quando no meio caminho encontrou com Maggie. Ele ficou desconcertado ao ver a namorada depois de que beijara Kathleen na festa do Ministério. Ele poderia dizer que a culpa era da bebida, mas ele sabia que desde que vira Kathleen novamente tivera vontade de beijá-la. E o beijo que acontecera entre eles na festa foi totalmente diferente dos beijos inocentes que eles trocavam quando namoraram. O beijo na festa foi quente e avassalador. Por mais que beijasse Maggie, ele nunca sentira o que sentia com Kathleen.


-Oi, querido. Como foi a festa do Ministério?


-Legal. Pena que você não estava lá. Senti sua falta.


-Sentiu mesmo?


-Por que não acredita em mim?-perguntou Fred, desconfiado.


-Estava brincando, amor. Eu acredito em você. Indo para o salão principal?


-Sim.


-Vamos juntos-disse Maggie, enlaçando o braço no do namorado.


Eles estavam chegando perto do salão principal quando Maggie olhou para trás e viu Kathleen junto com o irmão, Kevin. Quando ela e Fred dobraram o corredor, ela empurrou Fred de encontro a parede e o beijou. Fred pego de surpresa correspondeu ao beijo da namorada. Um beijo bem animado por assim dizer. Kathleen e Kevin dobraram o corredor e viram a cena. Kathleen ficou branca como papel e Kevin a tirou rapidamente dali. Maggie que abrira os olhos e vira Kathleen se afastando com o irmão, separou-se de Fred dando tempo de ele ver Kathleen olhando para trás. Os olhares se encontraram, mas o contato acabou quando Raffs se aproximou e segurou a mão de Kathleen. Ela sorriu e entrou no salão principal com o amigo e o irmão.


-Acho que temos que ir rápido senão chegaremos atrasados na aula-disse Fred, segurando a mão da namorada e a levando para o salão principal.


***


Depois de um dia cansativo de aula, Alvo e Scorpius se encontravam na floresta alimentando um hipogrifo.


-Tenha cuidado, Malfoy. Seu pai no tempo de Hogwarts foi machucado por um destes-disse Hagrid, cuidadoso.


Alvo riu um pouco. Scorpius olhou de esguelha para ele, irritado.


-Continuem a alimentar o hipogrifo e nada de movimento bruscos perto dele. Eu vou à minha casa pegar água.


Hagrid foi andando e Alvo alisou gentilmente a cabeça do hipogrifo.


-Papai montou um desses enquanto estudava aqui-disse Alvo para si, lembrando algumas coisas que seu pai contara quando estudara em Hogwarts.


-Carente, Potter?-provocou Scorpius.


-Não. Por que?


-Você aí alisando o animal, pensei que...


-Quem sabe depois daqui eu não vá alisar a sua amiga Brewster?-provocou Alvo.


-Não chegue perto da Anne nunca mais, ouviu bem?-disse Scorpius, tentando controlar o tom de voz.


-Mas foi ela que foi atrás de mim-disse Alvo, alisando o hipogrifo que parecia sentir a tensão entre os dois garotos.


-Aproxime-se da Anne e quem sofrerá as conseqüências será a sua amiga-disse Scorpius, oferecendo uma maçã para o hipogrifo.


-Você não fará nada com a Rose!-disse Alvo, enfático.


-Será tão bom quando ela enlaçar as pernas dela na minha cintura e pedir por mais beijos, e depois disso acontecer... eu a jogar de lado como se fosse uma garota qualquer...


-Você não faria isso! Ela é...


-Ela é?


“Apaixonada por você”, pensou Alvo.


-Ela tem namorado-disse Alvo.


-Aquele namorado dela é um pateta!


-E você namora com a minha prima Molly-disse Alvo, indignado.


-Pois é, acabo meu namoro com a Molly. Acabo o namoro da Weasley, eu teria um grande prazer nisso. Um enorme prazer na verdade, e depois voltaria para a Molly dizendo que estava arrependido.


-Não sei que prazer você teria em acabar o namoro da Rose.


De repente, Alvo sorriu do nada enquanto encarava Scorpius.


-Que foi, Potter? Você não faz meu tipo-disse Scorpius, desviando o olhar.


-Como é que eu não me dei conta antes? Você gosta da minha prima Rose-disse Alvo como se fizesse uma grande descoberta.


-Você pirou-disse Scorpius, desconcertado.


-Estava lá o tempo todo: sua implicância com ela, sempre tentando chamar a atenção dela. E agora namora a Molly para fazer ciúmes a ela! Como eu não percebi isso antes?


-Você ver coisas demais, Potter. Eu namoro a Molly porque realmente curto estar com ela...


-Pode até ser, mas você gosta mesmo da Rose-disse Alvo, convicto. –Só não se aproxima dela porque você sabe que os pais de vocês nunca aceitariam o namoro de vocês!


-Pare de imaginar coisas, Potter. Não sei como você tem coragem de falar uma coisa dessas! Já que é você que tem todo amor dela para você!


Alvo riu.


-Rose apaixonada por mim? Isso chega a ser engraçado! Rose é minha melhor amiga e prima, só isso. Não há nada entre mim e ela, Malfoy. Diferente de você e a Brewster-disse Alvo, alisando com mais força o hipogrifo que começava a ficar cada vez mais estressado.


Scorpius pegou uma carne crua e jogou para o hipogrifo que comeu, e voltou a relaxar.


-Se você não tem nada com a Weasley então porque não acredita que não existe nada entre mim e a Anne?


Alvo bufou e não disse nada.


-E a chance de eu ser apaixonado pela Rose Weasley é a mesma que você apaixonado pela minha amiga Anne.


-Obrigado por assumir os sentimentos por minha prima-disse Alvo, sarcástico.


-O que quer dizer com isso?


-Você entendeu.


Scorpius ia falar algo, mas Hagrid apareceu com dois grandes baldes de água.


-Acho que o meu amigo está com sede, não?-disse Hagrid, alisando o hipogrifo.


Alvo começou a limpar os vestígios de sujeira do hipogrifo enquanto Scorpius dava água para o animal, lançando olhares pensativos para Alvo.


***  


-Oi, Hugo-disse Michelle se aproximando timidamente.


-Oi, Michelle. Como você está?


-Quer saber a verdade? Estou para baixo desde que nosso namoro acabou. Sinto sua falta, Hugo.


Hugo ficou desconcertado com o que Michelle dissera. Diferente dela, ele estava aliviado por ter terminado o namoro.


-Você acabou nosso namoro tão de repente que nem tive tempo de assimilar-disse Michelle, cabisbaixa.


-Michelle é que... acho que... Acho que não daria certo. Você é legal, mas...


-Você não gosta de mim, não é?-perguntou Michelle, direta.


Hugo engoliu em seco.


-Eu sabia que você gosta de sua prima, Lilian...


-É o que?! Gostar da Lily? Ela é minha prima e, além disso, melhor amiga. Não tem chance nenhuma de um dia a gente ficar juntos. Prezamos nossa amizade acima de tudo.


-Quantos bruxos não se casam com primas? É o que mais acontece! E existe muito romance entre melhores amigos...


-Mas isso não acontece entre mim e a Lily...


-Se não acontece... Volte para mim-pediu Michelle.


-Mas... Podemos ficar juntos de novo e ver o que acontece, ok? Mas não quero namorar ninguém. Não, por enquanto. Nada de compromisso sério, ok?


Michelle confirmou com a cabeça e se aproximou mais de Hugo. Ela colocou as mãos nos cabelos dele, massageando com as pontas dos dedos e o beijou.


***


Lily seguia para o salão comunal da Grifinória depois de mandar uma coruja para a mãe dizendo que no outro final de semana Hugo e ela iriam para casa. Até que ao dobrar o corredor, ela viu. Hugo estava ali beijando a ex-namorada ou namorada, ela não sabia mais o que era. Ela sentiu as pernas amolecerem e uma enorme dor no peito, ela virou e seguiu para o outro lado.


-Lily?


Lily virou-se devagar esperando não ver Hugo. Se visse o primo naquele momento era capaz de matá-lo. Mas ela viu Rick sorrindo para ela. Ela estava tão tensa que até confundindo voz ela estava.


-Oi, Rick.


-Você parece nervosa-disse Rick se aproximando e olhando para as mãos que Lily apertava.


-Ah! Não é nada, Rick. O que faz por aqui?


-Vou à biblioteca fazer uma pesquisa. Mas te vi e lembrei quando ficamos juntos naquela festa, lembra?


-Oh, sim. Como eu ia esquecer? A pesar de que eu estava um pouco “alta” naquele dia, mas gostei daquele dia-disse Lily, sincera. Embora pensasse no que acontecera entre ela e Hugo depois da festa.


Rick riu.


-Quer dar um repeteco?-perguntou Rick, sedutor.


-Hoje? Agora?


-Você que sabe-disse Rick, se aproximando.


Lily lembrou o beijo de Hugo e Michelle no outro corredor. Se Hugo estava aos beijos com Michelle, ela poderia aproveitar um pouco com Rick também. Rick apertou a cintura de Lily e a encostou na parede, beijando-a. O beijo começou com um leve roçar de lábios e terminou com um beijo quente que ambos ficaram sem fôlego.


-Hummm-disse Lily, limpando o canto da boca. –Podemos nos ver depois, ok?


-Será ótimo.


Lily deu um sorriso tímido e foi embora pegando um atalho para o salão comunal da Grifinória. Quando dobrou para um corredor deserto deu de cara com Hugo.


-Sabia que você viria por aqui-disse Hugo, encostado a parede.


Para Hugo estar ali era porque ele a vira com Rick no corredor.


-Hugo vai catar coquinho que é o melhor que você faz!-disse Lily, irritada.


-Eu só estou preocupado com você. O Rick não presta-Ele ficou vermelho e continuou falando. -Custa você me ouvir um pouco?


-Custa. O meu tempo é precioso!


-Ih garota, quer saber faz o que você achar melhor. - Ele disse estressado. - Depois não me venha chorando, ok?


Ela revirou os olhos.


-Você não me verá chorando por garoto nenhum, Hugo Weasley! - gritou Lily.


-Bem, espero que você esteja certa... - Ele disse descruzando os braços e falando baixo. - Eu não quero ver você derramando uma lágrima sequer por alguém que não te merece...


-É claro que não, meu bem-disse ela, se aproximando - Minhas lágrimas custam caro. Tão caro que nenhum homem pode pagar.


Ele suspirou e segurou o pescoço dela o puxando e colando as testas.


-Com quem você anda aprendendo a ser tão arrogante? - Ele disse dando uma pequena risada. –Sério, pode contar comigo para qualquer coisa, mesmo que seja para bater nesses meninos metidos.


-Não me trate como uma criança, Hugo. Temos a mesma idade - disse Lily, séria.


-Eu sei, mas você não conhece cabeça de homem. - Ele rolou os olhos - Nós somos muito mais espertos que você e ele só vai querer te usar, isso está na cara. Ouve-me, ok?


-Por favor, para de me tratar como um bebê, ok?-disse Lily, afastando-se dele - Eu sei o que faço da minha vida - disse ela, irritada-Cuide da vida da sua namorada. É com ela que você deve se preocupar e não com sua priminha, sem graça, aqui - disse ela, irônica.


-Pode deixar que eu vou cuidar e muito bem. - Ele se alterou um pouco e falou um tanto malicioso. - Mas quem anda dizendo que você é sem graça?


-Ninguém me diz isso, pelo contrário, eu atraio a atenção dos garotos por onde eu passo - disse ela, sorridente - Estou falando que você me acha sem graça, mas não me importo. Por que me importaria?


-Hum. Não sei quem te disse isso, mas eu acho você uma garota linda, e muito sexy. - Ele piscou. - Se você não fosse tudo o que eu te falei não seria modelo de revistas tão badaladas.-Ele seguiu para abraçar ela e suspirou no pescoço dela - Eu simplesmente te adoro, você sabe que é minha prima favorita - E deu um pequeno beijo no pescoço dela.


Lily arrepiou.


Ela afastou-se bruscamente.


-O que foi? Eu sempre te beijei assim... - Ele disse coçando a cabeça.


-Antes era diferente. Agora você novamente tem uma namorada. Imagine se ela pegar você beijando meu pescoço?


-Você é só minha prima quase uma irmã. - Ele sorriu, mas estava se corroendo por dentro. - Se ela não aceitar bem, há muitas outras garotas nesse colégio. E não estou namorando com a Michelle, nós só ficamos.


Lily respirou fundo.


-Você sabe que muitas dariam tudo para está no lugar dela-disse Hugo, passando a mão pelos cabelos. -Um dia vai uma, outro dia vem outra... - Ele suspirou com presunção. - E fazer o que a vida é assim, se bem que essa....


-Ao menos, eu não sou nenhuma delas - disse Lily, bufando. -O que essa tem que as outras, não tem?


-Bem, não sei se posso te explicar isso. - Ele deu um sorriso bem malicioso. - São coisas para maiores priminha.


Lily fez uma cara de espanto.


-Você por acaso está falando que...?


-Que nós damos uns amassos... - Ele disse rolando os olhos. - Mas não é para você repetir o que nós fazemos não... Você está muito novinha para isso, hein...


Lily gargalhou. Ela vendo a cara chocada do primo. Foi parando aos poucos.


-Ahm. Você pensa que eu nunca dei um amasso na vida? Eu não sou freira e tenho 15 anos. E você viu-me na festa quando fiquei com o Rick e hoje no corredor...


-Ah, mas se eu pego aquele sujeitinho #$#@* - Ele ficou todo vermelho. - Mas eu vou atrás daquele pirralho e vou acabar com a raça dele. - Ele se virou para ela de novo. - Se eu souber que você sequer pensou em fazer isso de novo pode apostar que terá conseqüências graves para você, Lilian Potter.


Ela deu um risinho irônico. Olhando-o, incrédula.


-Você não fará nada com o Rick. Porque você não tem direito nenhum. E o que você fará contará para meus pais?


-Não, isso é pessoal comigo e com o idiota do Rick. Mas deixa estar, com ele eu me ajeito depois. - Ele a encarou e a pegou pelo braço. - E quanto a você acho melhor você acreditar nas minhas ameaças. Pois eu não estou brincando, entendeu? - Ele sacudiu ela. - Entendeu? Contar a seus pais vai ser muito pouco que poderá acontecer...


'Cause I wonder where you are/ Porque eu me pergunto onde você está
And I wonder what you do/ E me pergunto o que você faz
Are you somewhere feeling lonely, or is someone loving you?/ Você está em algum lugar se sentindo só, ou há alguém te amando?
Tell me how to win your heart/ Me conte como conquistar seu coração
For I haven't got a clue/ Porque eu não tenho idéia
But let me start by saying, I love you/ Mas me deixe começar com, eu te amo


-Ai, você está me machucando! Solte-me - gritou Lily. Ela o olhou fixamente - Você não fará nada com o Rick porque se você fizer algo contra ele pode esquecer nossa amizade. E se você passar das ameaças, você verá do que sua priminha aqui é capaz!


-Lily, você não sabe do que eu sou capaz. - Ele estava muito vermelho e nervoso. - Agora que fique bem claro se eu ficar sabendo que você foi pega pelos corredores ou se alguém viu vocês, não importa quem, e se vocês derem a "sorte" de ser eu a encontrar, nem nossa amizade vai importar nesse momento. Esteja avisada. - Ele disse a soltando bruscamente e seguindo para o salão comunal.


-Ele não perde por esperar-disse Lily para si mesma.


***


A semana passou rapidamente e logo chegou o final da tarde de sexta-feira. Alvo passara a semana totalmente cabisbaixo. E agora ainda tinha que ter cuidado com qualquer aproximação de Scorpius para com Rose. Já bastava o problema com Anne e agora tinha que defender a prima, mas tinha que cuidar da melhor amiga. Rose e ele saíram do salão principal e foram para o salão comunal deles.


-Vai para sua casa?-perguntou Rose.


-Não. Este final de semana ficarei em Hogwarts fazendo as tarefas que se acumularam durante a semana.


-Tem certeza? Você pode ir lá para casa e eu te ajudo com os trabalhos.


-Não, eu vou ficar. Preciso pensar um pouco nas coisas. E eu sei que irá à casa do David...


-É, vou passar o sábado em casa. E no domingo, irei para a casa do David. Depois voltaremos para Hogwarts.


-Aproveite!


-Alvo, não tem nada que você queira me dizer? Estou tão preocupada com você.


-Não se preocupe comigo, Rose. Não há motivo. Estou bem-disse Alvo com um pequeno sorriso.


-Não está mesmo, mas não irei discutir com você. Tenho medo de deixar você aqui sozinho-disse Rose, preocupada.


-Eu não irei me suicidar-disse Alvo, rindo.


-Não tem graça, Alvo.


-Minha semana foi cansativa, só isso. E ainda terei que agüentar mais três semanas com o Scorpius Malfoy-disse Alvo, cabisbaixo.


-Você não me contou como foi essa semana trabalhando com ele.


-Como seria? Um saco!-disse Alvo, irritado. –E acho bom você ficar longe dele-aconselhou ele.


-Por que diz isso?


Alvo pensou em dizer a conversa que tivera com Scorpius, mas achou melhor não.


-Porque ele não serve para você. David é bem melhor para você. Só tenho pena da Molly, mas depois ela verá que o Malfoy não é para ela. Ele é perfeito para a Brewster-disse Alvo, irritado. –Vou dormir, falo amanhã com você antes de ir embora.


Alvo deu um beijo na testa da prima e foi para o quarto. Rose sentou-se no sofá pensando no que acontecera entre Alvo e Scorpius no castigo, e o que deixava o primo daquele jeito.


***


Alvo acabara de se despedir dos primos e primas, incluindo Rose. Da família só ficaria Lily, pois faria uma sessão de fotos; Hugo e Fred para colocar os trabalhos em dia. Alvo voltava para dentro do castelo com as mãos no bolso, pensativo. Ele não viu quando Anne passou por ele. Anne estava preocupada com Alvo por causa do modo estranho que ele ficara durante a semana, ele parecia perdido. E sentia-se culpada pelo que falara na festa para ele. Anne virou-se e foi atrás de Alvo.


-Alvo-chamou Anne, esticando a mão para tocá-lo.


Scorpius se pôs no meio, e saiu puxando Anne para fora do castelo. Alvo virou-se, mas não viu ninguém.


-O que deu em você, Anne?


-Isso é eu que pergunto. O que deu em você Scorpius Malfoy? Sair me puxando assim... Eu não sou a Rose Weasley-disse Anne, irritada.


-Desculpe. E eu sei que você não é a Weasley-disse Scorpius, soltando Anne. –Mas o que você ia falar com o Potter? Você parou na enfermaria por causa dele!


-O Alvo não tem culpa de eu ter ido parar na enfermaria, Scorpius!


-Não?


-Não!


-Eu não sei o que você está me escondendo, Anne. Espero que só seja sua paixão nada implícita pelo Potter-disse Scorpius, encarando a amiga.


-Ok, Scorpius. Humilhe-me também! Já basta todos saberem que eu tenho uma queda pelo Potter para vir você e jogar isso na minha cara. Eu não queria ser apaixonada por ele, mas eu não tenho culpa do que eu sinto-disse Anne com lágrimas nos olhos.


-Por favor, não chora, Anne. Eu sou um idiota mesmo.


-Um idiota completo. Eu não fico jogando na sua cara sua paixão pela Rose Weasley!


-Ok, vamos mudar de assunto. Não gosto de ver você dessa maneira-disse Scorpius, abraçando a amiga. –Vamos para sua casa, seus pais nos espera. E mal vejo a hora de comer o bolo com pudim que sua mãe faz.


Anne sorriu. Scorpius e ela foram embora, abraçados.


***


Alvo terminou de arrumar a mochila que precisava. Havia roupas, dinheiro, um mapa, varinha, comida. E mais outras pequenas coisas. Tudo que precisava para viajar e pensar sem dar satisfação para ninguém. Ele amarrou o colchonete na mochila e saiu do quarto. Só não podia se encontrar com a irmã, nem com Hugo e Fred no meio do caminho. Tivera sorte, as poucas que encontrou até a saída de Hogwarts só o cumprimentaram rapidamente. Ele saiu a caminhar pelas ruas. Para onde iria? Acampar em uma praia seria uma boa. Ele pegou o mapa e viu qual era a praia que ficava mais perto dali e foi até a estação de trem. Deixou dar a hora que o pessoal de Hogwarts pegaria o trem e só depois entrou na estação, comprando um bilhete para a praia. A viagem um pouco demorada, mas com belas vistas. E ele aproveitou para comprar mais comida no trem. Ele desceu na estação e viu pelo mapa de lá que estava perto da praia e seguiu até lá. O mar estava calmo e ventava um pouco. Alvo sentou na areia e ficou olhando para o mar... A noite chegou rapidamente, Alvo arranjou um lugar no meio de umas pedras grandes para dormir. No outro dia, ele resolveu dar uma caminhada e conhecer as outras rochas que ficavam perto dali. Ele comeu e depois foi até as rochas. Ele começou a subir, sem perceber que o vento ficava cada vez mais forte e ele estava cada vez mais alto. Ele deu um pulo de uma rocha para outra, segurando uma pedra resistente. Ele estava suando cada vez mais pelo peso da mochila e pela escalada cansativa. Ele percebeu que faltava pouco para terminar a subida, respirou fundo e terminou de subir. A vista lá de cima era linda, por isso que amava a praia, o mar. Era perfeito! Sentou um pouco e ficou contemplando a vista. Anne surgiu no seu pensamento, ele balançou a cabeça tentando apagá-la da mente. Ele decidiu descer, voltar para Hogwarts e quando Anne chegasse tentaria conversar com ela, explicar as coisas. Ele se sentia tão mal por ela pensar que ele era o culpado dela ir parar na enfermaria. Alvo começou a descer as rochas, segurando nas pedras fortes e apoiando os pés nas rochas. Um vento forte fez os cabelos de Alvo voarem atrapalhando um pouco a visão, mas ele conseguiu se apoiar em uma rocha. Ele olhou para pedra que precisava segurar para descer mais. Ele precisava de um impulso maior. Ele deu um pulo e segurou na pedra que estava solta. Alvo só sentiu a pedra caindo sobre seu peito, o empurrando para baixo. E ele escorregou. Alvo só sentia algo puxando com força para baixo. E ele caia, caia apesar de ser uma distância de quinze a vinte metros do chão, ele sentia que a distância era maior, pois parecia não ter fim. As pessoas diziam que a vida inteira passava com um flash quando estavam perto de morrer, mas a única coisa que ele conseguia pensar era em uma pessoa: Anne.


Hello, is it me you're looking for?/ Olá, sou eu que você procura?
'Cause I wonder where you are/ Porque eu me pergunto onde você está
And I wonder what you do/ E me pergunto o que você faz
Are you somewhere feeling lonely or is someone  loving  you?/ Você está em algum lugar se sentindo só, ou há alguém te amando?
Tell me how to win your heart/ Me conte como conquistar seu coração
For I haven't got a clue/ Porque eu não tenho idéia
But let me start by saying... I love you/ Mas me deixe começar com, eu te amo


A mochila conteve o impacto na coluna dele. As pernas caíram na areia fofa. A cabeça bateu em uma pequena pedra que o fez rolar com a cabeça para o lado batendo o lado direito da face com força em outra pedra, e um braço também machucou. E a imagem de Anne sumiu totalmente quando ele perdeu a consciência...


 


Música: Hello/Lionel Richie, também cantada em Glee.


N/A: Hoje cheguei de 5h45min da manhã. Depois do Chevrolet Hall Rock: Biquini Cavadão, Capital Inicial e CPM 22. Muito bom! Cantei demais. Eu não queria deixar muito revelador: Johel e Marcelle, mas achei melhor deixar assim... Acho que Alvo e Anne sofrem demais, mas depois eu vou deixar as coisas mais light para o lado deles. Vou fazer o melhor que puder... O lado mal da força voltou... Eles estavam meio quietos...


Mirian Black: Uma nova leitora! Sempre é bom ter leitores (as) novos (as). Que bom que você gostou do capítulo. Espero ler outros comentários seus por aqui. Obrigada.


Olivia Mirisola: Não foi dessa vez que o Draco e a Astoria ficaram juntos de vez, ainda há coisas por vir. Coisas que minha prima deu a idéia de eu colocar na fic. Sobre o David e a Rose... Eu pensei que já estava na hora deles irem para um estágio diferente no namoro. Afinal, são quase dois anos de namoro. E eles querem fazer o namoro dar certo, não é? Mas não aconteceu nada... Obrigada pelo comentário.


Jacgil: Prima, foi muito bom o show, não foi? Quando eles vierem de novo, se Deus quiser, estaremos lá. Nem sei o que falar... só que há muitas coisas ainda por vir. E você colocando idéias mirabolantes na minha casa só ajuda a aumentar mais a quantidade de capítulos. Vocês não gostam mesmo da Rose e David juntos... Obrigada.


No próximo capítulo será mais focado no sexteto... Muita coisa ainda, muita coisa. Bjs.

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 0

Nenhum comentário para este capítulo!

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2023
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.