FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

ATENÇÃO: Esta fic pode conter linguagem e conteúdo inapropriados para menores de idade então o leitor está concordando com os termos descritos.

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

13. O Sétimo Ano- parte 3


Fic: Tudo Certo- 7 ano- Att no fim de semana


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

 


Sufoco




Ron e eu trocávamos olhares preocupados enquanto o Harry fingia ler o jornal que nosso professor deixara.




Longos minutos se passaram até que um estalo nos despertou. Monstro finalmente tinha voltado, trazendo com ele Mundungo Fletcher...


 



Ele tentou lançar um feitiço em nós, mas eu o desarmei enquanto Ron o imobilizava e Harry lhe apontava a varinha.


Quando Harry lhe perguntou das coisas que ele roubara da casa e ele respondeu que era tudo velharia, Monstro lhe acertou com uma panela na cabeça, parecendo irado...


O Ron adorou, mas Harry teve que mandá-lo parar para que ele não deixasse Mundungo inconsciente...     


Mundungo pegara o medalhão pra vender, achava que ganharia uma boa grana, mas ele teve que entregá-lo, sob o risco de ser preso...


Ele foi descrevendo a mulher pra quem tinha entregado o medalhão, baixinha, laço na cabeça... Cara de sapo.....


Fiquei em choque... Era ela... Dolores Umbridge...


 


Ficamos os três sem palavras... A sapa velha estava a serviço do Cara de Cobra no Ministério...


Tínhamos que recuperar o medalhão de qualquer jeito.... Decidimos invadir o Ministério e sala dela pra pegá-lo.


Arriscado, mas era o melhor que tínhamos.... 


Passamos a vigiar a entrada do Ministério todos os dias, cada dia um de nós, escondidos pela Capa da Invisibilidade, tentando achar a sapa velha, seguindo os funcionários, observando seus hábitos...


Um mês havia se passado...


 Tinha visto meu pai algumas vezes quando estava de guarda. Ele parecia bem, o que me deixava mais tranquilo...


Estávamos no dia primeiro de setembro. Era estranho demais não estarmos nos preparando pra embarcar pra Hogwarts...


Harry estava de guarda enquanto eu e a Mione ficamos examinando algumas anotações e mapas que havíamos feito.


Estávamos uma pilha, mas poder abraçá-la era a melhor coisa que existia e que me faz bem demais, me conforta...


Naquele dia, um grande número de Comensais apareceu no Largo Grimmauld, vigiando o que não podiam ver, com certeza esperando que a gente saísse de casa com nossos malões. Idiotas...


Quando o Harry voltou, trazia o Profeta Diário nas mãos, com uma notícia péssima.


Severus Snape era o novo diretor de Hogwarts. Além disso, Comensais da Morte tinham virado professores...


Pensei na Gina, com certeza tramando alguma coisa com o Nev e a Luna para acabar com o Seboso...


Mas também fiquei preocupado com ela, sozinha no meio daqueles bruxos das trevas... Claro que ela sabia se defender, e muito bem, mas é a minha irmãzinha querida....


Não tinha como não ficar preocupado...


Estávamos lendo a notícia quando a Mione saiu correndo da cozinha. Eu e o Harry não entendemos nada, até que ela voltou com um quadro na mão. O quadro de Fineus Nigellus, o tataravô do Sirius, que também tinha um quadro em Hogwarts e poderia nos espiar a pedido do Snape.


Ela guardou o retrato na bolsinha, assim ele só veria o monte de cosas que estavam lá dentro...


Genial.


 


Harry queria entrar no Ministério no dia seguinte. Ron e eu ficamos apreensivos, vi que o Harry também estava, mas não podíamos adiar aquilo por mais tempo...


Tudo que podíamos aprender sobre aquele lugar, sobre seus funcionários, estudamos naquele mês...


O Ron veio com uma história de que só ele e o Harry deveriam ir, que eu era uma bruxa nascida trouxa procurada pelo Ministério por não ter ido depor, que eu estava em perigo.... Aquela conversa toda...


Sabia que ele só queria me proteger, mas fiquei um pouquinho brava.... Porque só eles podiam ir?


Também queria defendê-lo, ajudar o Harry a pegar e destruir aquele maldito medalhão...


Além do mais, o Ron, supostamente, estava em casa, quase morrendo por causa da sarapintose.


Quando disse que quem tinha que ficar era o Harry, que ele era o mais procurado de nós três, e ele pediu pra o avisarmos quando derrotássemos Voldemort, o clima deu uma amenizada. Enquanto ríamos, o Harry disse que ia ao banheiro. Ele tava com uma cara estranha, parecia com dor... Tinha certeza que era a cicatriz...


Ron me impediu de ir atrás dele. Me abraçou, sussurrando que estava preocupado comigo, que só queria me ver longe do perigo... Suas mãos acariciando minhas costas....


 


Ela fez um carinho no meu rosto, apertou mais ainda nosso abraço e sussurrou que também tava preocupada comigo...


Ficamos vários minutos daquele jeito delicioso... Ela se soltou um pouquinho de mim, ficando na ponta dos pés, aproximando nossos rostos, as respirações se misturando...


Senti sua boca encostando na minha de leve, minha mão tocando a nuca dela, prontinha pra empurrá-la pra mais perto de mim, pra deixar aquele leve toque mais profundo...


Um grito estragou nosso momento. Era o Harry.


Nos separamos preocupados e fomos correndo até o banheiro. A porta tava trancada, e quando e ele a abriu, parecia péssimo, mais branco que um fantasma.


De novo ele entrara na mente de Voldemort.


Ele continuava atrás do tal Gregorovitch, um fabricante de varinhas, tinha fabricado a do búlgaro idiota e ele o considerava genial.


Não sabíamos o por que do Cara de Cobra estar atrás dele se já tinha seqüestrado o Olivaras também. O fato é que ele estava fugindo e o Cobrão acabara de assassinar uma mulher que não sabia onde ele estava.


Apesar de ter discutido um tempão com a Mione sobre o fato de não ter aprendido Oclumência (ou não querer, como ela dizia), Harry estava determinado a deixá-la aberta para saber dos passos de Voldemort, o que tanto ele queria com aquele homem.


Para acabar com a discussão, que sabia que não ia ter fim tão cedo, sugeri que repassássemos nosso plano pra invadir o Ministério. Fomos dormir tarde, revisando tudo que tínhamos que fazer.


Ela me deu um beijo demorado na bochecha antes de ir pro seu quarto, e nem hesitei em retribuir o carinho. Segurei sua mão antes que ela entrasse e lhe beijei a bochecha, bem próxima a boca, demoradamente também, sentindo seu perfume delicioso...


Pela manhã, eu e o Harry encontramos a Mione na cozinha, tomando o café, aquela carinha adorável de extrema concentração no rosto, que sempre aparecia quando tínhamos uma prova.


Monstro nos serviu o café também, enquanto eu a observava revirando sua bolsinha, conferindo se tinha pegado tudo que precisávamos pra nossa empreitada...     


Comemos rápido, tínhamos que chegar antes das oito ao Ministério.


Assim que abrimos a porta, vimos dois Comensais do outro lado do Largo, de vigília, esperando pela gente.


Com cuidado, eu e a Mione aparatamos primeiro, e logo depois ela voltou pra buscar o Harry.


Escondidos numa ruazinha, escondidos embaixo da Capa, ficamos esperando.


Um pouco depois, uma mulher aparatava ali, a uma pequena distância de nós.


A Mione, imediatamente a estuporou, acertando-a em cheio no peito. Perfeita como sempre...


Eu e o Harry a escondemos atrás de uma portinha de um antigo teatro desativado, que havíamos aberto.


 


Tirei alguns fios do cabelo da mulher e os coloquei na Poção Polissuco que havíamos levado.


Enquanto eu me transformava, o Ron tirava da bolsa dela o seu crachá do Ministério. Ela era Mafalda Hopkirk, da Seção de Controle do Uso Indevido da Magia. Depois de trocar minhas roupas, e verificarmos se ela estava bem escondida, e o Ron me entregar algumas fichas que ela carregava, voltei a beco enquanto os meninos ficavam escondidos sob a capa.


Bem na hora de encontrar nossa “próxima vítima”. Um homem que trabalhava na Seção de Manutenção Mágica.  


Ele me parecia bem mal, mas nem quis saber, tinha que continuar nosso plano. Dei-lhe uma bala, na verdade uma Vomitilha das Gemialidades Weasley.


Assim que ele a colocou na boca, começou a vomitar. Tanto, mas tanto que deu até dó...


Ele nem percebeu quando eu lhe arranquei uns fios de cabelo e Ron tirou a pasta que carregava da sua mão.


Ron tomou a poção logo depois. Ele se transformara em Reg Cattermole.


Estranhamos o fato dele não estar de uniforme aquele dia...


Deixamos o Harry no beco e fomos atrás de mais um funcionário.


Era um homem muito alto e forte, que ficou quase imprestável depois de engolir um Nugá Sangra-Nariz...


Voltamos rápido e demos a poção pro Harry. Seguimos para as entradas dos funcionários, em uns banheiros públicos do metrô, separados pra homens e mulheres.


Ainda bem que o banheiro estava vazio... Estava tão nervosa que era capaz de falar alguma besteira....


 


O átrio do Ministério estava bem diferente do que já tinha visto... Sombrio, o ar carregado, uma escultura de pedra negra, horrível, bem no meio. Bruxos em tronos, sentados em cima de homens, mulheres e crianças trouxas, e na base da estátua, em grandes letras, estava gravado: Magia é Poder.


Senti a Mione ficar arrepiada ao meu lado...


Esquadrinhamos o lugar e nada da sapa velha. Fomos pros elevadores, precisávamos encontrá-la rápido.


Enquanto esperávamos, ouvimos alguém chamar pelo homem que eu me transformara.


Era um dos Comensais da Morte, Yaxley, que era um dos chefes do Departamento de Execução das Leis da Magia. Disse que estava chovendo na sala dele e mandou que alguém da Manutenção Mágica fosse verificar.


Ele estava indo interrogar a mulher do Cattermole, uma bruxa nascida trouxa, e ficou o tempo todo insultando não só ela, mas todos os nascidos trouxas e ameaçando caçar o Registro Sanguíneo da mulher.


Quase não me controlei e bati nele...


 


Enquanto entrávamos no elevador, depois daquele idiota ter ofendido meio mundo bruxo, ameaçado o pobre Cattermole, senti o Ron apavorado... Ele teria que ir até a sala do imbecil verificar o que tinha acontecido.


Sorte que ninguém entrou no elevador conosco. Pudemos conversar melhor....


O Ron anotava tudo que eu lhe falava sobre como reverter o feitiço, enquanto o Harry falava que devíamos ir na sala do Yaxley e depois atrás da Umbridge.


Estava tudo dando errado....


Ron parou de escrever e disse que não tínhamos tempo, que deveríamos nos separar, que ele ia até a sala e eu e o Harry íamos atrás da sapa velha.


Quando paramos no andar do Departamento de Execução das Leis da Magia, empurrei o Ron levemente e ele saiu. Senti um leve toque da mão dele na minha...


Eu devia ir atrás dele.... E se ele não conseguisse?


Mais uma vez o elevador parou, e quando a porta se abriu, meu corpo inteiro tremeu.


Era a sapa velha entrando, acompanhada de um homem, parecendo mais apavorante que nunca.


 


Toquei a mão dela antes de sair, pegando um pouquinho do calor dela antes de nos separamos.


Achei a sala dele logo, uma placa imensa com o nome do imbecil na porta.


Tava nervoso, sentia que não conseguiria fazer aquilo sozinho....


Chuva era pouco pra aquilo. Era uma verdadeira tempestade que estava acontecendo na sala. Em poucos minutos eu estava encharcado...


Tentei usar os feitiços que a Mione havia me falado, Finite Incantatem, Impervius.... Mas nada adiantava.....


Tava perdendo um tempão ali.... Precisava achar o Harry e a Mione....


Um homem que passava pelo corredor e viu o que estava acontecendo, me falou para chamar um tal de Bernie Pillsworth, que ele poderia para aquele aguaceiro...


Sai correndo em direção ao elevador, tinha que acabar com aquilo rápido...


Assim que ele parou, dei de cara com o Harry lá dentro, sozinho....


Onde estava a Mione?


Meu coração disparou quando ele me disse que ela tava no tribunal, acompanhando a sapa velha nos julgamentos dos nascidos trouxas...


Logo depois, meu pai entrou, deu uma olhada feia pro Harry e se dirigiu a mim. Queria saber o por que de eu estar molhado daquele jeito e eu expliquei.


Ele me disse para usar um outro feitiço, o Meteolojinx recanto, que já tinha funcionado outras vezes.


Desci correndo e voltei pra sala do Yaxley.


O feitiço funcionou. Nem quis saber de arrumar nada lá. Desci correndo atrás do Harry e da Mione. Precisava achá-los rápido, ainda mais depois de ouvir pelos corredores que sabiam que tinham invadido o Ministério....


 


Fui obrigada a acompanhar a sapa velha até o tribunal, afinal ela esperava Mafalda Hopkirk pra auxiliá-la.


Era um lugar horrível. Escuro, opressor.... O corredor cheio de dementadores.... Uma cadeira com correntes no centro da sala, que servia para prender e interrogar os nascidos trouxas...


Me sentei ao lado da sapa velha e do idiota do Yaxley. Um gato patrono, da Umbidge, rondava o lugar que estávamos, nos protegendo dos dementadores que também estavam na sala...


Me sentia mal, aquilo era terrível...


Quem era interrogado nem tinha chance de se defender... Muito cruel....


Eu estava ali pra anotar tudo que se falava no julgamento... Não teria coragem de “ajudar” no interrogatório...


O primeiro que assisti foi assustador... Eles não deixavam o pobre homem falar...


Ele foi levado direto pra Azkaban...  Se juntaria a muitos outros bruxos que com certeza estavam na prisão....


Logo depois, chamaram Mary Cattermole, a esposa do homem que o Ron roubara a identidade...


Por isso ele estava tão nervoso quando o encontramos, por causa do julgamento dela....


Meu coração ficou apertado.... Ela ali, enfrentando aquela merda sozinha, desesperada porque o marido não estava com ela...


Ao vê-la desamparada e desesperada, a sapa velha e o imbecil do Yaxley a encheram de perguntas sobre sua vida, de quem ela havia roubado a varinha que usava....


Tudo horrível demais...


De repente ouvi uma voz sussurrada perto de mim. Levei um susto tão grande que derrubei o tinteiro que estava na minha mesa.


Eram eles, o Harry e o Ron... Fiquei aliviada...


A Umbridge se virou pra mim, se inclinando em direção a mesa, me pedindo um pergaminho.


Foi então que o vi. Pendurado no pescoço dela, o medalhão, a horcrux...


Quando ela me disse que era uma herança de família, Harry deixou seu disfarce de lado, saiu debaixo da Capa (onde tava o Ron?) e estuporou a sapa velha e o Yaxley.


Os dementadores então começaram a avançar até a Sra. Cattermole, descontrolados, na certa para lhe darem o beijo...


Gritei desesperada pelo Harry. Ele conjurou seu Patrono, que avançou sobre os dementadores, os afastando.  


Dupliquei o medalhão antes de arrancá-lo do pescoço da Umbridge, enquanto o Harry guardava a Capa e tentava libertar a Sra Cattermole.


 Como ele não tinha conseguido, lancei um feitiço que abriu as correntes.


A Sra Cattermole estranhou o Harry libertá-la, afinal aquele homem, Albert Runcorn, havia pedido seu interrogatório...


Harry pediu que assim que eles saíssem dali, ela fugisse com o marido e os filhos pra fora da Inglaterra...


Precisávamos sair do tribunal, mas o corredor estava infestado de dementadores... Conjurei meu Patrono e junto com o do Harry, fomos pro corredor.


As pessoas que estava ali se assustaram, os dementadores recuaram e pedimos que todos nos acompanhassem. Que os tiraríamos dali e para que fugissem. Eram umas vinte pessoas.


Enquanto esperávamos o elevador, minha cabeça tava uma confusão....


Como levaríamos todas aquelas pessoas embora?


Como destruiríamos aquela horcrux?


E a principal... Onde estava o Ron?


Tava tão preocupada com ele...


O elevador parou e a Sra Cattermole gritou. Era o marido dela, ou melhor, o Ron...


Apesar de encharcado, ele parecia bem...


 


Estávamos encrencados. Sabiam que tinham invadido o Ministério, não tínhamos muito tempo....


E havia uma história sobre um buraco na porta da sala da Umbridge...


Conjurei meu Patrono enquanto o Harry orientava aqueles que tinham varinha a conjurá-los também.


Nos esprememos nos dois elevadores e subimos pro átrio.


As lareiras de acesso ao Ministério estavam sendo lacradas, estávamos ferrados.


Mas o Harry já tinha percebido que o tal Runcorn era muito temido, então mandou que deixassem as lareiras abertas pra que todos pudessem sair, que todos ali tinham sangue puro.


Foi com alívio que vimos todos os nascidos trouxas sumirem pelas lareiras.


Até que ouvimos um grito.


Era o verdadeiro Reg Cattermole, correndo até a mulher.


Claro que ninguém entendeu nada, e vimos nosso plano ir por água abaixo...


Tínhamos sido descobertos...


Atrás dele, Yaxley, mandando que lacrassem as lareiras para que não escapássemos.


Harry bateu num bruxo que estava perto de nós pronto para nos azarar, e eu peguei a Sra Cattermole e entrei com ela na lareira.


Um segundo depois, o Harry, a Mione e o Sr. Cattermole apareceram no banheiro, o pobre homem sem entender nada. 


Pedimos que eles saíssem dali, que fugissem logo.


E Yaxley apareceu atrás de nós, prontinho pra nos lançar um Avada.


Acho que os Cattermole aparataram no mesmo segundo em que o Harry agarrou a Mione e eu e fez o mesmo...


 


Senti o Yaxley agarrando minha roupa, aparatando com a gente até o Largo Grimmauld.


Como éramos fiéis do segredo da sede da Ordem, ele penetrara a proteção do Feitiço Fidelius, a partir daquele instante ele também sabia onde era a Mansão Black...


Não podíamos mais ficar lá...


Assim que aterrissamos em frente a casa, Yaxley me soltou e voltei a aparatar com os meninos.


Fomos parar na floresta onde foi realizada a Copa Mundial de Quadribol. 


 Mas senti que mais alguma coisa tinha dado errado...


Vi o Ron no chão, pálido, quase desmaiado, a camisa encharcada de sangue...


Percebi que ele tinha estrunchado enquanto aparatávamos... Um pedaço enorme do seu braço arrancado...


Precisava ajudá-lo... Não poderia tentar um feitiço, era muito arriscado, ele poderia piorar....


Me ajoelhei ao seu lado, rasgando sua camisa, expondo seu braço machucado...


Estava tão nervosa, tremia tanto...


Pedi pro Harry pegar a Essência de Ditamno na minha bolsa.


Ainda bem que eu tinha levado....


Apliquei três gotinhas no braço do Ron, fazendo o sangue parar e a pele crescer novamente...


Enquanto fazia um curativo ali, explicava pro Harry o que tinha acontecido.


Me sentia tão culpada, meus olhos prestes a derramar milhares de lágrimas...


Ele me pediu pra que eu não me sentisse assim, que a culpa era dele pelo plano... E tirou um objeto do bolso, que depois percebi ser o olho mágico do Olho Tonto, que estava na porta da sala da sapa velha, para que ela pudesse espionar os funcionários....


Medonho...


Foi com um alívio imenso que eu vi o Ron abrir os olhos, quase como o meu Ron de novo, mas parecendo tão pálido quanto antes...


Podia ver as sardas aparecendo no seu rosto de novo, os lindos cabelos ruivos voltando ao normal, um pouquinho dos seus lindos olhos aparecendo....


 


**********************


Comu da fic no orkut:


 


http://www.orkut.com.br/Main#Community?cmm=93724835


 


E meu twitter se alguém quiser add e comentar: _nandablack


 


Bjos


 

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 0

Nenhum comentário para este capítulo!

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.