FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

ATENÇÃO: Esta fic pode conter linguagem e conteúdo inapropriados para menores de idade então o leitor está concordando com os termos descritos.

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

2. Escolha ou ameaça?


Fic: Intenção Cruel - Scorpius e Rose - COMPLETA


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

Capítulo Um


 


Firewhisky. Eu agradeço essa bebida por me proporcionar noites clássicas. Todo o efeito é grotesco e genioso demais, tão previsível que nenhuma garota me surpreende quando começa a tirar minhas roupas.


Mas elas não reclamam, ah, não. Elas adoram. Não precisam admitir, é fácil perceber quando estão gozando no final.


– Bem, foi muito bom, Samantha – eu disse, enquanto fechava o cinto da minha calça ao lado da cama.


– Por que você vai embora? – A voz da garota era num tom choroso. Eu odeio o fato de reparar em vozes depois que transo. Quando a voz é detestável eu fico arrependido por ter fornecido tanto prazer.


– Porque hoje é segunda-feira e eu tenho aula de poção agora – falei, tentando não parecer entediado.


– Mas você prometeu que íamos matar aula para...


– Mudanças de planos – eu respondi, suavemente, aparentando ser educado e ríspido ao mesmo tempo. – Tenho trabalho para entregar. Você vai ficar aqui? – dei as costas, abotoando minha camisa. – Então quando sair, por favor, não se esqueça de fechar a porta.


Não esperei ela dizer mais nada, afinal, eu não queria ouvir a voz dela. Enquanto descia as escadas da Sala Comunal da Sonserina, desejei intimamente que essa garota nunca mais voltasse a me procurar. Caso contrário, eu teria que ser realmente sincero. E minhas verdades sempre doíam, inevitavelmente.


Algumas garotas ainda acreditam que eu posso desejá-las, e isso me faz rir, mais por pena do que por outra coisa. Eu não desejo garotas, eu apenas desejo o que elas podem dar.


Algumas sabem disso, outras não.


Alguém se aproximou de mim enquanto eu saía da Sala. Era Clair Hale. Ela era a única garota que tinha tudo para me dar, e oferecia abertamente, mas que eu evitava o máximo para dar a ela essa satisfação. – Isso é um chupão no seu pescoço, Scorpius?


Pisquei os olhos, lentamente, para não ficar estressado apenas com o seu cheiro de frutas silvestres artificial. Eu disse, caminhando pelo corredor sem olhar para ela:


– Em outros lugares também, mas a marca está bem escondida para você.


Ela continuou me seguindo, dando risadinhas.


– Ah, Scorpius, eu estou tão desencanada, superei você há muito tempo.


Eu ouvia seu salto alto crepitando contra o piso do castelo, enquanto descia a escada e andava ao meu lado.


– Estou aqui para lhe pedir um favor, garanhão.


– Não quero saber.


– Grosso. Tudo bem, então vou lá dizer pra diretora McGonagall a verdade sobre aquele pequeno incidente ano passado.


Agarrei o braço dela, bruscamente.


– Não me provoque, garota – eu disse num tom de voz baixo e ameaçador.


Mas na verdade eu que me sentia ameaçado.


– Então escute o favor que quero que você faça – ela disse com firmeza, deixando aquela voz doce de lado, optando por uma hipnotizante.


Ajeitei minha gravata da Sonserina e esforcei-me para não ficar nervoso. Eu precisava manter a calma com essa garota. Ela só pagava de estúpida e bobinha mas eu conhecia a manipuladora que ela conseguia ser, e às vezes até eu precisava ser cauteloso, porque ela tinha nas mãos a arma para me ferrar. Bastava apenas abrir a boca para a diretora, e eu poderia ser expulso.


E meu pai me mataria por isso.


– Quando foi a última vez que você falou com uma garota da Grifinória? – ela perguntou.


Eu ia responder, mas ela abanou as mãos, impaciente, refazendo a pergunta:


– Na verdade, quando foi a última vez que você falou com Rose Weasley?


– Eu nunca falei – respondi. – Diga logo o que você quer.


– Seria tão legal se você começasse a falar com ela...


Eu gargalhei. Naquele momento estávamos chegando à sala de Poções, que teríamos com a Grifinória, e eu vi a Weasley, uma garota ruiva e alta do meu ano, entrando na sala segurando livros, irritante e sorridente, passando por mim sem dar atenção para a minha existência.


– Na verdade – Clair sussurrou aproximando-se do meu ouvido. – Seria muito mais legal se você começasse a sair com ela.


Terminei de rir para perguntar:


– Por que você quer que eu faça isso?


– Porque nós sabemos que você é perfeito para quebrar pobres corações, fazer uma garota ficar horas e horas chorando...


– Oh, claro, eu tinha me esquecido que não existe prazer maior para você, ver alguém sofrendo.


Mas por que exatamente a Weasley?, eu me perguntava.


– Quanto a isso, Scorpius, nós temos algo em comum, não acha? Se você não gostasse de ver garotas sofrendo por você, teria deixado a coitada da Samantha pelada na sua cama sozinha?


– Você quer que eu faça isso com a Weasley também? – adivinhei.


– Quero.


– Por que...?


– Meus motivos não importam, Scorpius, eu só quero que faça.


Olhei mais uma vez para Weasley, sentada ao lado de Albus Potter. Estava rindo de alguma coisa que ele falava. Tirou a franja ruiva dos olhos e apoiou o cotovelo na mesa. Todos achavam ela divertida e incrível. Eu fiquei imaginando o estrago que eu faria se entrasse na vidinha dela, só para fazer um favor. Era uma garota irritante, sim, porque sempre achava que estava certa. Mas não tinha feito nada para ser um alvo da crueldade psicológica de Clair.


Voltei a olhar para Clair, que, de alguma forma, olhava para Weasley com muito, muito desprezo. Sei lá qual era o problema dela com uma das garotas mais popular do colégio, mas eu apenas disse, displicente:


– Você não manda em mim.


E me acomodei numa cadeira, olhando para o professor lá na frente.


Clair suspirou e deu de ombros. Passou as mãos em meu peito até me abraçar por trás e dizer outra vez no meu ouvido:


– Então espero que McGonagall seja piedosa com você, Malfoy, quando eu contar o que você fez. Mas realmente acho que ela não pensaria duas vezes antes de expulsar você.


Ignorei. Não queria me preocupar a toa. Clair só estava me ameaçando para conseguir o que queria. Típico. Eu tinha certeza de que ela não abriria a boca. Mesmo assim, não consegui prestar atenção na aula. Em alguns momentos eu me pegava olhando para a Weasley, tentando entender porque Clair queria vê-la sofrendo tanto. E porque ela achava que eu conseguiria transmitir esse sofrimento.


Não pude deixar de rir friamente. Pelo que eu ouvia falar, Weasley era uma garota difícil. Nunca a vi chorando pelos cantos. Duvido muito que derramaria uma lágrima por mim.


Achei que ia me livrar de Clair o resto do dia, mas eu a vi conversando com diretora McGonagall perto do salão principal antes do almoço. Meu sangue subiu a cabeça e eu pensei: “Pronto, Scorpius, diga adeus ao seu futuro.”


Assim que elas pararam de conversar eu me aproximei de Clair, que estava sorrindo.


– Oi, Scorpius, vai treinar Quadribol hoje?


Aquilo me fez quase arrancar a cabeça dela. Eu pisquei os olhos, lentamente.


– Você contou a ela.


Ela fez uma cara pensativa.


– Estou quase fazendo isso. Não achei que essa fosse a oportunidade certa. Você ainda tem a final de Quadribol contra a Grifinória para vencer, não tem?


Clair deu as costas para mim, ainda rindo baixinho.


– Você não teria coragem de fazer isso – eu quis convencê-la.


– Eu estou te dando uma escolha – Clair se virou bruscamente, quando paramos de andar num corredor vazio. – Fala sério, Scorpius, você realmente nunca pensou em levar a Weasley para a cama? Metade dos garotos dessa escola já tentou. Nenhum conseguiu. Você pode ser o primeiro, e isso pode ser uma conquista.


– Ela não me interessa.


– Não importa se ela é interessante ou não pra você, Malfoy – Clair respondeu calmamente. – É só mais uma. Não vai fazer diferença, vai? Só estou pedindo que você faça o que você sempre faz com as outras. Conquista e acaba com o coração. Você é ótimo nisso. Posso até pagar você, mil galeões. O que acha?


– Já tenho o suficiente e não preciso de galeões.


– Então vou ter que contar o que aconteceu... não consigo mais me segurar, Scorpius! – ela disse num tom de falso desespero. – Ou talvez eu consiga... se você machucar a Weasley. Está com medo de magoá-la?


– Não – eu respondi.


– Então porque está demorando tanto para conseguir a Weasley? Pois, você sabe, para alguém como ela realmente se magoar, é preciso que você tenha algum significado na vida dela. Não tem nada pior do que uma decepção amorosa. E eu quero que você seja a dela.


Pensei. Eu não queria ser expulso de Hogwarts. Eu não queria me ferrar nas mãos de Clair. Eu a odiava com todo o meu sangue, por ter a chance de me controlar com aquela arma: a verdade.


Mas tanto faz. Clair não estava me pedindo algo impossível, nem nojento. Mas...


– Não vai ser fácil. Weasley não é boba.


Ela sorriu cruelmente.


– Faça-a de boba, Scorpius. Você tem anos de práticas com as outras garotas. Pode não parecer, mas ela não é diferente das outras. Você não vai ser prejudicado se obter êxito, pense nisso.


– Com uma condição.


– Condições! Desembuche.


– Depois que eu dormir com a Weasley, eu quero apagar sua memória sobre o... que aconteceu.


Senti um leve tremor no sorriso de Clair.


– Como é?


– Tenho que me certificar de que você não vai contar a ninguém sobre o que aconteceu.


Clair bateu palmas.


– Realmente estou negociando com um Sonserino nato. Tudo bem, eu deixarei. Mas, saiba de uma coisa, eu quero estar olhando para os lados e encontrar você com a Weasley de agora em diante.


Garota doente, pensei.


Mas eu acabei aceitando. Eu faria aquilo. Eu magoaria mais uma garota. Afinal, Weasley também não significava nada para mim. Só bastava eu apenas seduzi-la e ela cair em minhas mãos. Depois, era só dispensá-la. Fazer o que eu fiz com Samantha naquele dia.


Senti-me melhor sabendo que meu segredo ainda poderia estar a salvo.


Bastava eu fazer Rose Weasley chorar. E quer saber? Ela não ficava nada mal vestindo a saia da escola. Talvez nem seja tão ruim sem roupa.


 
---

n/a: antes de vocês ficarem com raiva do Scorpius - pois eu já tenho raiva da Clair - vamos com calma! Ainda tem muito o que acontecer. Se vocês quiserem que tenha mais coisas para acontecer. Um dia a gente descobre qual foi o pequeno Incidente do Scorpius.
Comentem? \o 

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 2

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Luciana Liboni em 25/10/2011

Olha esta ficando cada vez mais interressante *-* Estou ate Nervosa pra descobrir oq ocorre depois !!

Nota: 1

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Marcela Prince Snape em 14/07/2011

Caraca!

Scorpius destruidor de corações!

Adorei!!!

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.