FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

2. capítulo 2


Fic: Dama de Honra - capítulo dois ONLINE


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

 



Capítulo Dois


ou


Aquele dos dotes de dança do casal Longbottom.




No capítulo anterior...


– Remus Lupin. – então ele fez uma reverencia e beijou minha mão.


- Emmeline Vance. – eu sabia que ele sabia meu nome, mas achei mais adequado me reapresentar.


- Estamos um pouco atrasados, não acha? – ele perguntou sorrindo. – Geralmente as apresentações vêem antes da dança.


- Teoricamente, nós nos conhecemos ontem. – sorri.


- Você se lembra. – ele disse.


- Não é algo que se possa esquecer, não acha? – disse desviando eu olhos dele.


- O motorista não falou em outra coisa. – ele riu novamente.


Remus então tirou o palitó e colocou sobre meus ombros. Me conduziu até o carro. Porém antes de abrir a porta ele me encostou no carro e pressionou seu corpo contra o meu, dando um pequeno sorriso antes de me beijar.




 Evitando, isso mesmo, parece muito menos patético dizer evitar, eu sôo como uma adulta. Bom, não que eu espere que ele vá me cumprimentar, talvez ele nem se lembre de mim. De qualquer forma é absurdamente difícil evitar alguém quando essa pessoa está parada bem na sua frente e não pára de te encarar, mesmo que você desvie o olhar ou aponte para o padre que nesse momento dizia suas palavras finais.


 Ok, isso não vai me afetar. Eu não ligo para esse tal de Remus Lupin, pode até ser que eu não tenha parado de pensar nele durante sessenta e sete dias, - não que eu esteja contando – desde ultima vez em que eu o vi. Vou só me concentrar no casamento da Alice e do Frank. Isso mesmo.


 Claro que seria bem mais fácil se o Remus não fosse um dos padrinhos. E eu não fosse obrigada a ficar lá ao lado da Alice e sorrir como se nada estivesse acontecendo.


- Pode beijar a noiva. – o padre disse, Alice e Frank se beijaram. Dei meus parabéns aos dois e fugi fui até a mesa de aperitivos.


 Passei os olhos pelo salão à procura do Remus, nem um sinal dele. Isso é bom. Ou mal. Droga. Cadê ele? Ok, está tudo bem Emmeline, aja normalmente, isso quer dizer que você deve parar de tentar se esconder atrás o pranto.


 - Espero que não esteja me evitando. – ele apareceu ao meu lado dando um sorriso. Senti minhas bochechas queimarem.


 - Claro que não! Porque eu faria isso? – perguntei me concentrando em não gaguejar, o que no momento era bem difícil. – Eu não faria! Você está dizendo que eu faria? Como ousa?


 - Era uma brincadeira. – ele disse rindo enquanto passava a mão pelo cabelo.


 - Claro que era. – disse encarando o pain du viande na minha frente. Comer, tudo que eu preciso agora, manter minha boca fechada, claro que abrindo eventualmente para por comida lá dentro.


 - Então, faz tempo que não nos vemos. – ele disse pegando um pain du viande também. – Você nunca me ligou como disse que ia. – o encarei, era obvio que ele estava brincando.


 - Você não me deu seu telefone... – eu disse sorrindo também.


 - É por isso que o homem inventou essa coisa chamada lista telefônica. – brincou.


 - Hey! Você também não me ligou. - fiz uma cara séria.


 - Desculpe, a linha foi cortada. – ele riu.


 - Por sessenta e sete dias? – ri, mas dessa vez não fui acompanhada. E... DROGA. Ele percebeu que eu contei os dias. Remus fez uma cara bem estranha e então pegou o celular no bolso do paletó, mexeu em algo e devolveu.


 - Na verdade foram sessenta e oito, eles até me mandaram uma carta. – ele disse sorrindo de novo, (ignorando totalmente o que eu havia acabado de fazer), ele também havia contado.


 Eu provavelmente estava vermelha, enquanto bolava um plano para fugir dali começou a tocar um mashup de Madonna e Lady Gaga, eu amo as duas, isso pode ser totalmente gay, mas é verdade.  Remus percebeu porque logo me chamou para dançar. Eu tive que aceitar entende?


 Dançamos loucamente, ele fazia caretas e piruetas, enquanto eu dançava em volta. As pessoas nos olhavam eventualmente e davam risadas, mas logo começavam a nos imitar e dançar como loucos. Logo a musica foi acabando, e ao que parece o DJ não gosta de manter as músicas num mesmo estilo, porque logo uma musica lenta começou a tocar. 


 - Remus, acho que já cansei. – disse parando de dançar e o encarando.


 - Ah, vamos. Só uma música. – ele disse fazendo reverencia e estendendo a mão. – Você não vai me deixar aqui com cara de cachorro sem dono, vai?


 - Ok, uma musica. A não ser que volte a tocar Lady Gaga. – disse sorrindo. 


 - Fechado. – ele disse enquanto eu segurava sua mão. 


Diferente da outra musica, essa nós teríamos que dançar colados, certas pessoas têm dificuldade em fazer duas coisas ao mesmo tempo, como por exemplo dançar e conversar, eu sou uma dessas. Mas aparentemente Remus não, já que ele conseguia manter uma conversa agradável enquanto dançava, ou me guiava, no caso.


  - Você dança bem, - eu disse. Ele realmente dançava.  – Eu não tenho esse dom, na verdade eu tenho dificuldade me manter em pé sobre minhas duas pernas, então imagine dançar. 


 - Hey! Não é justo, eu não tenho as habilidades de dança do Frank. – olhei para onde Alice e Frank dançavam, ele parecia imitar um pato enquanto ela agitava as mãos atrás da cabeça. – Eles combinam, não acha? – assenti. 


 - Ils semblent vraiment passionné. – ele me encarou, que tipo de pessoa anormal começa a falar francês no meio de uma conversa? 


 - Eu sempre quis falar francês. Talvez devesse ir pra França. – ele disse pensativo. 


 - Eu tenho uma amiga que diz que a França faz milagres, os caras voltam de lá super gostosos. – alguém me mata. Sério, só um tiro. 


 Ele só riu. Eu provavelmente estou com uma casca de feijão nos meus dentes porque ele não para de olhar pra minha boca. Ele se aproximou, então foi ai que eu fiz, uma coisa impensável. Eu o beijei, assim, do nada, e ele correspondeu. Não sei quanto tempo nós dois ficamos ali totalmente aéreos do mundo ao nosso redor.  A musica terminou, marchei automaticamente para fora da pista, sem olhar para trás, mas tendo certeza que o Remus encarava minhas costas. 


O que eu acabei de fazer? Prazer, sou Emmeline Vance uma tarada. 


Cheguei à mesa onde estavam Lily e James. Murmurei um “banheiro’’, Lily assentiu dando um beijo em James e me seguindo.


  - Qual é o meu problema? – resmunguei assim que entramos no banheiro. – Talvez eu deva mesmo virar lésbica. – disse sentando em um dos sofás do banheiro. Uma senhora lá dentro me lançou um olhar reprovador. 


 - Do que você está falando? Eu vi você com o Remus, vocês ficam tão fofos juntos. – ela disse se sentando ao meu lado. 


 - Eu já namorei antes. Está certo que todos os meus relacionamentos acabaram mal... – shit. Esse é o meu problema. – Eu sou o problema. 


 - Emmeline, você está exagerando. – ela disse me encarando. 


 - Não, não estou. – senti meus olhos lacrimejarem, eu sou uma chorona. – Todas vocês estão noivas ou já se casaram, até a Marlene! Fala sério, o Sirius? 


Eu amo meus amigos, mas se até os dois já se encaminharam, o que há de errado comigo? 


 - Não há nada de errado com você. Você só não achou o homem certo. – ela me consolou oferecendo um lencinho. 


 - Lily, eu espanto os caras, sério. Só pode ser isso, quem mais seria traída por um homem? – funguei, pegando lenço, indo até o espelho. Ótimo, agora minha maquiagem está toda borrada. – Eu sei que ele tem coisas que eu não tenho, mas francamente... 


 - Não, não. Isso não foi sua culpa. Ele já era totalmente gay quando vocês namoravam. – ela disse abrindo sua bolsinha e me entregando batom. 


 - Isso é excelente, quer dizer que eu tenho um péssimo gosto. – eu sou uma chorona chata, feia melhor se eu estivesse bêbada. 


 - Chega desse pensamento negativo, você vai sair daqui, voltar pro Remus, vocês vão trocar telefones, marcar um encontro, namorar e casar. – Lily, vive em um mundo de fantasia. Coitada, hey! Coitada nada, ela é casada, sou eu que estou aqui sem conto de fadas e sem príncipe. 


Dei mais uma olhada no espelho, bem, pior que está não vai ficar. 


 - OK. – sorri – Obrigada. – tenho que me lembrar de comprar um presente maravilhoso de Natal para Lily. 


 - Se não der certo depois de tudo e você resolver mudar de lado, soube que a Bellatriz virou lésbica. – ela disse dando ombros. 


Voltamos para a mesa, Remus estava lá sentado ao lado de James, Sirius também estava lá, quando me viu ele deu um sorriso, então James se levantou e foi até Lily. 


 - Querida, você sabe onde estão Alice e Frank? Temos que nos despedir. – ele disse a puxando pra longe da mesa. 


 - Bom, eles eram minha carona. Sirius, será que você e Marlene podem me levar? – não, eu não tenho carro, acho que já está na hora de comprar um. 


 - Na verdade, ela vai lá pra casa hoje... – ele disse se levantando da mesa. 


 - Isso é perfeito, você mora a duas quadras da minha casa. – tenho a leve sensação que ele não quer me dar uma carona. 


 - Desculpa, Emmy. Mas realmente não dá. Mas meu amigo aqui pode - ele disse ando um tapa no ombro do Remus. – Você pode levar a Emmy, não pode? Ok, então tudo resolvido. Comportem crianças, não façam nada que o titio não faria. 


 - Me desculpe por isso, eu achei que eles fossem mais naturais. – ele se disse quando Sirius foi embora. 


 - Você pediu para eles fazerem isso? – disse levantando as sobrancelhas.  Ele assentiu.  – Tem certeza de que não há problema em me levar? 


 - Absoluta. – ele sorriu. 


 Nós nos despedimos de Alice e Frank que continuavam a dançar, estávamos quase na porta quando o celular de Remus tocou, ele murmurou um “com licença” e se afastou um pouco.  


 - Meg. Está tudo bem? – ele perguntou preocupado. Demorou um tempo e assentiu. – Já estou indo para ai. – desligou vindo em minha direção. – Desculpe, eu tenho realmente que ir. Você pode arranjar outra carona? 


 Afirmei com a cabeça, eu não sou uma idiota, posso estender a mão e chamar um taxi, embora sejam quase quatro da manhã. 


Ele se desculpou mais uma vez e saiu tão rápido pela porta e nem ao menos olhou para trás. Eu fiquei ali olhando para a porta por onde ele havia saído. Droga Merda – tenho que parar de falar isso. Será que o Sirius me passa o telefone da Bellatriz?  




n/Talita: Emmeline Vance, deixe de ser burra e pare de fugir do Remus. Gentem, que beijo foi esse? Amei, Michelle, quero mais...Who’s Meg?


Comentem, sim.


Beijos, Talita (betando daqui da faculdade)

 n/Michelle: Mega preguiça de escrever uma n/a., mas enfim, hoje faltam oficialmente um mês pro fiz das aulas pra mim, eba! Quer dizer que vou escrever mais. Então, espero que gostem e comentem.

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 0

Nenhum comentário para este capítulo!

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2023
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.