FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

ATENÇÃO: Esta fic pode conter linguagem e conteúdo inapropriados para menores de idade então o leitor está concordando com os termos descritos.

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

1. Mudanças radicais!!!


Fic: Breath Evil


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

Nota do autor: Então essa é a primeira fanfic que posto nesse site, espero que gostem e tudo mais, ainda não sei como mexer aqui e tal, por isso apanho as vezes hehehe
to muito acostumado a escrever fanfics de animes e de outros livros, essa é minha primeira fanfic HP, espero que gostem!


**************************************************************************************

 


Estava deitado na minha cama pensando sobre minha vida nesses 19 anos, minhas malas, claro não estavam nem perto de estar arrumadas, como sempre esperaria minha mãe arrumar elas pra mim, depois colocaria uma ou duas coisinhas que ela com certeza esqueceria, eu iria estudar fora do Brasil, mas precisamente em Miami, na realidade queria ficar longe de tudo e de todos pois isso escolhi estudar nos EUA.


Lá estava eu que nem um idiota de novo pensando em todas as coisas que eu empolgado planejava e que logo desistia por ser um covarde que sempre desisti dos sonhos quando me deparava com um problema, um desses sonhos foi quando tentei virar um profissional patinador radical, deixei minha mãe louca pra comprar uns patins profissionais para mim, quando finalmente coloquei os patins nos pés esperei que o meu talento andasse por mim, incrível depois de 10 minutos vi que faltava algo pra eu ser patinador, era o talento.


Revirava-me na cama olhando minha guitarra criando pó, guardada em cima da cadeira da escrivaninha, consegui rir, esse sonho ate que durou um pouco, fiz ate uma aula de guitarra, o que esperavam de um garoto de 15 anos que tinha acabado de assistir um anime sobre uma banda de rock? Eu quis me tornar um Rock Star, sinceramente sinto pena de mim mesmo, o garoto que sempre foi o mais popular do colégio, digo de passagem que não por minha beleza pois eu não sou belo,eu sou um pouco a cima do peso, na verdade estava uns 5 quilos acima do peso mais não deixava ninguém saber disso, tinha cabelos negros e olhos negros, meu rosto era normal, minha mãe dizia que meu nariz era perfeito. - Legal o que eu mais tinha de bonito era meu nariz e minha mãe que tinha falado isso, me sinto um deus grego agora- Pensava amargamente, eu era popular porque sempre tive muitos amigos, minhas professoras gostavam de dizer “Jack, Deus te deu o dom, o dom da liderança e você esta usando errado”. Elas sempre reclamavam, pois minha “turminha” fazia muita bagunça, o que posso fazer sempre fui assim meio maluco, queria ser Rock Star para ter fama dinheiro e mulheres, minha cede por mulheres nem era por causa de meus hormônios e sim por um lindo fora que levei, lembra que disse que não era bonito, pois então as mulheres também não me achavam bonito, então pensei sendo um Rock Star passaria na cara dela que outras mulheres queriam o que ele não quis! Nossa realmente um pensamento bem maduro, voltando a historia da guitarra, foi preciso uma aula para o gênio aqui saber que não seria o Rock Star, desde então nunca mais peguei na minha linda guitarra amarela, da mesma cor da guitarra do protagonista do anime.


Essa foi minha vida até hoje, hoje tinha uma tremenda festa pra eu ir, até comprei roupa nova e arrumei meu cabelo para parecer legal, peguei o carro do meu pai emprestado e fui para a festa, o carro não era grande coisa, mas hoje dia fazia uma grande diferença você chegar dirigindo um carro ou chegar à festa de corona com papai, cheguei à festa e me divertia um pouco, era divertido estar rodeados por pessoas da mesma idade, os mesmos pensamentos infantis de sempre, tipo sou um pouco diferente, não acredito que o mundo estar no caminho certo, eu mudaria tudo, mas eu ainda não sabia como, pensei em ser político, mas era tão difícil chegar ao poder assim, seria um velho quando conseguisse.


Estava me divertindo de verdade, fazia tempo que não divertia tanto assim, dançava na pista de dança com um grupo de amigos, a festa acontecia em uma verdadeira mansão, tinha piscina e tudo. Minha diversão quando ela chegou com o namorado, “ela” na verdade é a Bianca, o grande amor não correspondido da minha vida, lembra a garota que me deu um fora e eu queria me tornar rock star para ficar com outros? Sim é essa mesmo, a amo desde meus doze anos de idade, a gente ficou algumas vezes só que nunca passou disso, ela nunca deixou passar disso, e pior, ela era uma vagabundinha safada, mesmo namorando esse corno ela ficava comigo, e creio que não era só comigo, fechei a cara e tentar ir para o lado oposto dela, sair da casa e fui me sentar perto da piscina e fiquei observando os babuínos sem cérebros jogarem uns aos outros na piscina com roupa e tudo, todos aqui eram maiores de idade já tinham completado o segundo grau e mesmo assim agiam como crianças. Não sei quanto tempo fiquei apenas observando esse show de horrores só sei que já estava pensando em ir embora quando senti um par de mãos geladas tamparem meus olhos.


 


“Adivinha quem é?” falou Bianca.


“Não devia fazer isso” falei secamente.


“Não seja sem graça” ela dizia sorrindo em seguida aproximava seus lábios da minha orelha sussurrando “Não sente saudades”


“Nem um pouco” Mentia.


“Sei que é mentira” ela dizia tirando as mãos dos meus olhos já se sentando no meu colo.


“Maluca o que você pensa que ta fazendo?” perguntei irritado.


“Isso” ela respondia já segurando em minha nuca com força, em seguida grudava nossos lábios encaixando nossas bocas, senti a língua dela invadir minha boca com urgência e me deliciei deixando nossas línguas se entrelaçarem deslizando uma na outra intensamente, segurei em seu quadril e puxei-a ainda mais pra junto de mim.


 


Estava curtindo muito o beijo quando senti uma mão em minhas costas e depois me puxou fez eu cair da cadeira, levantei assustado e vi o idiota do namorado dela me encarando, ele ficava entre nós dois.


 


Me explica que merda é essa?” ele gritava igual um imbecil.


“Você pode beijar outra e eu não posso fazer o mesmo” a vagabundo respondia.


 


Senti meu corpo inteiro se enfurecer. - Então era isso ela simplesmente tinha me usado para provocar ciúmes naquele idiota- Pensava sentindo o ódio invadir meu corpo tentei respirar devagar para me acalmar mais estava tão difícil, meu desejo era urrar de raiva, mas simplesmente não podia fazer isso, apenas coloquei meu sorriso mais falso nos lábios e olhei para os dois.


 


“Então se resolvam, não tenho nada haver com a briga de vocês” falei.


“Vou te matar filho da puta” o babaca dizia tentando avançar em mim, felizmente ele foi seguro pelo os meus amigos.


“To indo embora” falei sorrindo “E Bianca, nunca mais se aproxime de mim, você não presta”


 


Não imagina como foi difícil falar isso para ela e foi ainda mais difícil ver a tristeza no rosto dela, apesar de tudo éramos amigos de infância e eu tinha acabado de acabar com tudo até com nossa amizade. Sai chateado e entrei no carro do meu pai, sai cantando pneu, logo na esquina diminui a velocidade, pois a ultima coisa que iria querer era um arranhão no carro do velho, ele amava mais o carro do que eu. Podia ser de madrugada e não ter uma viva alma nas ruas, mas dirigia nas pontas dos dedos.


Estava começando a me acalmar quando vi um farol forte no retrovisor, o carro atrás de mim começou a mandar sinal de luz e a buzinar, coloquei o braço para fora e mandei ele passar, ele passou correndo e eu o xinguei mentalmente, ai o doido simplesmente me fechou, freei o carro com tudo e consegui parar antes de bater, estava mega assustado, abri a porta do carro e sai, nesse momento o cara também saiu, era o namorado louco da Bianca, ele estava armado com uma barra de ferro.


 


“Cara não seja louco” falei erguendo meus braços dando uns passos pra trás.


“Louco?” ele dizia “Bianca terminou comigo e saiu correndo dizendo que viria pra sua casa pedi desculpas, ela tem me enganado esse tempo todo, só que não vou deixar o amante sair ileso disso”


 


Amante? Meu Deus ele realmente estava louco, não tinha que conversar mais nada, avancei nele só que não tive muita sorte, senti a dor do golpe, ele golpeou minha cabeça me deixando sonso, cai no chão com o mundo girando, ele soltou a barra de ferro e começou a me atacar com socos e chutes, esse cara ia me matar isso é uma certeza. – Desgraçado, você podia queimar, arder em chamas, queime maldito, queime- Gritava mentalmente, pois não tinha forças para falar, desejava com toda minha força, senti meu corpo se arrepiar, senti uma coisa estranha, era como se meu corpo estivesse todo lacrado, uma barreira invisível para prender algo dentro de mim, senti essa barreira se romper, um segundo depois fogo começou a surgir do nada, o cara estava começando a ser tomado pela as chamas, ele saiu correndo mais não deu nem dez passos e caiu, ele gritava, me esforcei para me levantar, vomitei um pouco de sangue e me forcei pra levantar, andei cambaleando até o idiota que continua queimando, ele gritava, urrava de dor.


 


Pelo amor de Deus....Misericórdia me ajude” ele gritava.


“Por quê?” falei me abaixando para observar mais de perto “Você ia me matar, você merece”


 


Não entendi o que realmente tinha acontecido, entrei no meu carro e sai o mais rápido possível de lá, estava em choque e meu corpo inteiro doía, dirigia com dificuldade queria chegar em casa, tomar banho e dormir e quem sabe amanhã descobrir que tudo isso não passou de um sonho, olhei no retrovisor e ainda podia ver uma fumaça negra subindo “Não pare de queimar até virar cinzas” falei com toda amargura e ódio que estava sentindo nesse momento.


Estacionei o carro na garagem de casa, morava em um bairro de classe media na cidade de Curitiba, entrei em casa nas pontas dos pés, minha cabeça ainda sangrava e meu corpo ainda doía demais, fui direto para meu quarto, por sorte meus pais já estavam dormindo, tranquei a porta do meu quarto e entrei no banheiro, tirei minhas roupas e entrei debaixo da ducha, sentir uma dor aguda quando a água molhou as feridas abertas, olhei para o chão e vi água misturada com sangue escorrendo para o ralo, fiquei cerca de vinte minutos no banho e depois sai me enxuguei e vesti meu short surrado que usava como pijama. Abri a porta do banheiro e entrei no quarto, levei o maior susto da minha vida quando me vi de frente com dois homens, eles vestiam roupas diferentes e apontava uma espécie de graveto na minha direção, os dois pareciam ter uns quarenta e cinco anos um usava óculos o outro tinha cabelos ruivos.


 


“Do not move!” Dizia o cara de cabelos ruivos.


“I do not speak English” falei achando muito estranho dois desconhecidos em meu quarto falando inglês.


Foi ainda mais estranho quando o de óculos falou umas palavras estranhas e apontou o graveto para mim, uma luz azul saiu do graveto estranho e me acertou. “Não se mova” ele dizia mais agora eu entendia inglês, fiquei assombrado com isso.


“Por quê?” perguntei irritado “Vocês estão invadindo eu vou chamar a policia”


“Tudo será explicado no momento certo, agora você vira com a gente” o ruivo falou em um tom irritado.


“Não vou, quem são vocês? não podem invadir assim” falei irritado.


“Desculpe por isso” ele dizia apontando o graveto para mim “Estupefassa” ele dizia, vi um raio de luz sair do graveto e me aceitar sentir meu corpo ser jogado pra trás e depois não vi mais nada.


 


Quando acordei estava em um lugar completamente desconhecido para mim, era uma sela de prisão, tinha um beliche no canto e um micro banheiro, era um lugar apertado e escuro, me sentei na cama e notei que não senti mais nenhuma dor em meu corpo, passei os dedos no corte de minha cabeça e ele não estava mais lá.


 


“Olá” escutei o som da voz de uma mulher, ela estava do outro lado da grade, mesmo sendo uma mulher de meia idade ela ainda era bem bonita.


“Oi” falei me levantando indo até a grade “A onde eu estou?”


“Em Londres, mas precisamente no ministério da magia” ela dizia com a voz calma, eu sabia que ela estava falando a verdade, pois o que aconteceu com aquele idiota definitivamente foi magia.


“Por que me prenderam?” Perguntei.


“È complicado de explicar” ela dizia “Mas você usou magia e acabou ferindo alguém”


“Eu usei magia? Eu nem sabia que isso existia” falei irritado.


“Nós sabemos, exatamente por isso você estar sendo julgado” ela falou “Mas fique calmo, Harry nunca permitiria que você fosse mandado para Azkaban”


“Azkaban?” perguntei.


“È a prisão dos bruxos” ela dizia seriamente.


“Como podem ter certeza que eu usei magia?” perguntei, estava cada vez mais intrigado com isso.


“Isso é segredo” ela respondia “Mas mudando de assunto, qual é seu nome?”


“Por que pergunta? Você deve saber” respondi secamente.


“Eu sei! Mas é educado se apresentar direito, eu começo” ela dizia colocando a mão pra dentro da grade “Sou Hermione Weasley”


Segurei a mão dela apertando em comprimento “Sou Jack Hale Alves”


“Então esse tal de Harry é meu advogado?” perguntei


“Mais o menos isso” ela respondeu sorrindo “Ele é alguém que você pode contar”


 


Ficamos conversando por algumas horas, eu tinha muitas coisas a perguntar e ela estava disposta a responder, e a cada minuto que passava esse novo mundo cheio de possibilidades começou a se abrir pra mim, eu estava completamente fascinado por ele, um mundo a onde magia existe, uma sociedade inteira por baixo dos panos e os governos não imaginam que isso é possível, e descobrir que eu fazia parte desse mundo agora era algo que me deixava empolgado, mesmo tendo a possibilidade de ser preso e passar o resto da vida em uma prisão isolada em uma pequena ilha.


Logo depois os dois homens que me prenderam chegaram, fiquei surpreso ao ver a bela mulher beijar o ruivo esquisito.


 


“Hermione você merece coisa melhor” falei em tom de brincadeira.


“O que falou moleque?” o ruivo parecia irritadinho.


“Ron ele estar brincando” ela dizia em um tom nervoso, já tinha sacado que vestia calças naquela casa.


“Então cadê meu advogado?” perguntei.


“Aqui” Hermione apontou para o cara de óculos.


“Que legal meu advogado é o mesmo homem que me prendeu, vou direto para Azkaban” falei em tom debochado.


“Moleque ingrato você não imagina o trabalho que o Harry teve” o ruivo chato dizia em um tom irritado.


“Cara você é chato” falei seriamente.


“Ok...ok parem de brigar por favor” o tal do Harry dizia.


“To livre?” perguntei.


“Mais o menos, você terá que estudar em Hogwarts, às aulas começa em um mês, então você é minha responsabilidade até chegar a Hogwarts, depois um auror ira acompanhar seu ano letivo”


“Hogwarts? Auror?”


“Explico tudo quando chegarmos em casa” ele dizia em um tom gentil, depois pegava o graveto mágico e encostava na grade um segundo depois a porta abria sozinha.


“Legal” falei já saindo “Então não to acostumado com o frio e to sem camisa pode me arrumar um casaco”


 


Hermione fez um gesto com o graveto mágico dela e um segundo depois estava vestido com um grosso casaco de lã.


 


“Legal quero um graveto desses pra mim” falei sorrindo. “Mas uma calça também seria legal e um tênis”


“Me mulher tem cara de loja?” o ruivo chato dizia.


“Ron não seja chato com o rapaz” ela dizia em um tom irritado, em seguida fez outro gesto e eu já estava inteiramente vestido. “Não é graveto é varinha” ela dizia com um sorriso simpático no rosto.


 


Entramos em um elevador esquisito, uma voz anuncio que estávamos no segundo nível, depois chegamos a um grande hall com um piso muito bem polido de madeira escura, o teto é azul-esverdeado com vários símbolos dourados e brilhantes que se movem mudando de posição, como um enorme quadro de avisos no céu, as paredes de cada lado tem painéis de madeira enegrecida brilhante e várias chaminés com bordas douradas. Fiquei de boca aberta com tudo aquilo, era incrível algo surreal demais.


Segui o Harry até uma das chaminés, não sabia exatamente o que estávamos fazendo ali, ele pegou um saquinho que estava ao lado da chaminé e abriu e mostrou o que tinha dentro, era um pó prateado esquisito.


 


“Isso é Pó de Flu, você vai atirar um pouco dele na lareira acesa, quando as chamas ficarem verdes brilhantes você ira entrar dentro delas, não se preocupe que não vai se queimar” ele falava devagar pra me entender o que tinha que fazer “Dentro das chamas você vai falar bem claramente, Londres, área rural numero 07, residência dos Potter, etendeu?”


“Mais o menos” falei com sinceridade.


“Tente” ele falou me mostrando o saquinho.


 


Enchi minha mão com o tal pó e joguei na lareira esperei alguns segundos até as chamas ficarem verdes brilhantes, engoli em seco bem nervoso antes de colocar meu pé nas chamas, como vi que não tava queimando entrei por inteiro.


 


“Ate agora fez tudo certinho, lembre-se de dizer claramente, Londres, área rural numero 07, residência dos Potter, e manter-se imóvel e seus cotovelos próximos ao corpo evitando esbarrões e batidas enquanto gira”


“Ok” falei um pouco nervoso fazendo o que ele mandou “Londres, área rural numero 07, residência dos Potter” falei bem devagar para não ter erro.


 


Senti que me locomovia na velocidade da luz, girava rapidamente e me via passando por diversas lareiras, tudo demorou cerca de três segundos, saia escorrendo por uma imensa lareira batendo as costas com toda a força na parede, fiquei até meio tonto.


 


“Nunca vi uma chegada tão ruim” falou um rapaz mais o menos da minha idade “Cara acho que você entrou na chaminé errada”


“Não Alvo ele é visita” Harry chegava logo depois de mim, a diferença é que ele não saiu voando como eu.


“Visita amor?” uma bonita mulher com cabelo ruivo e olhos castanhos claros dizia já abraçando o Harry.


“Cara você tem sorte” falei sorrindo me levantando.


“Obrigado eu sei disso” ele dizia dando um selinho na mulher que devia ser esposa dele.


“Então qual é seu nome rapaz” ela perguntava se aproximando de mim.


“Jack Hale Alves ao seu dispor” falei me curvando teatralmente.


“Você é divertido” ela dizia sorrindo “Seja bem vindo a nossa casa, sou Gina Potter esposa do Harry”


“Grato” dizia.


“Ele pode ficar no quarto do Alvo” Harry falou “Amanhã te levarei ao Beco Diagonal para comprar seu material para Hogwarts”


“Como assim?” o rapaz chamado Alvo perguntou.


“O caso dele é especial, ele começara Hogwarts agora” Harry falou me fazendo ter um mau pressentimento.


“Diga-me com quantos anos se vai para Hogwarts?” Perguntei.


“Seu caso é especial” Harry dizia tentando esconder.


“Onze anos cara, se forma com dezessete” Alvo dizia na cara.


“Que legal todos vão achar que sou retardado” falei me sentindo péssimo “Mas acho que sou retardado mesmo, mesmo assim não é legal outras pessoas acharem isso”


 


Os três caíram na gargalhada, não entendia o que era tão engraçado, mas acabei rindo também, estávamos rindo que nem quatro idiotas quando outro rapaz e uma bela moça entraram na sala, quando eu digo bela é bela mesmo, acredito que vi poucas mulheres como uma bela tão rara e uma graciosidade tão natural, cabelo ruivos, olhos castanhos rosto bem formado e corpo perfeito, parecia ser uns três anos mais nova que eu. Já o garoto era feio, parecia aquele ruivo esquisito marido da bonita Hermione e parecia ser mais velho que eu. Eles deviam já estar dormindo, pois a garota estava usando um pijama fofo que a deixava bem sexy e o cara usava pijama de criança.


 


“O que é tão engraçado” falou o cara que tinha acabado de chegar.


“Nada não filhos, desculpe por acordar vocês” Harry falou contendo o sorriso “Estávamos apenas conversando com nosso hospede”


“Hospede?” falou a garota, a voz dela era linda como ela.


“Sim...sim” Gina falou colocando as mãos em meus ombros “Esse é Jack Hale Alves”


“Prazer cara” o garoto falou se aproximando de mim para me cumprimentar com um aperto de mão “Sou Tiago Sirius Potter o gênio dessa família”


Apertei a mão dela sorrindo “O prazer é meu senhor gênio”


“Lílian vem cumprimentar nosso hospede” Harry falou gentilmente.


“Oi” Lílian dizia de longe “Sou Lílian Luna Potter, seja bem vindo” já ouviu falar em amor a primeira vista? Sim eu me apaixonei de cara por ela.


“Prazer moça bonita” falei sorrindo, notei que o rosto dela ficou meio corado.


“Já vou dormir” ela falou e saiu quase imediatamente.


“Ela é tímida” Gina falou sorrindo “Você não é inglês né?”


“Não, sou brasileiro” respondi.


“Cara que legal, eu amo futebol, mesmo sendo um esporte trouxa” Alvo dizia sorrindo “Sua seleção é ótima”


“Eu jogo” falei animado “Sou um ótimo goleiro”


“Podemos jogar amanhã, estou treinando uns chutes” ele parecia animado.


“Então brasileiros são diferentes de britânicos, vocês são naturalmente mais calorosos, nos somos mais distantes” Gina dizia sorrindo “Nem todos mais a maioria é, principalmente Lílian, então não ache que ela não gosta de você se ela for um pouquinho fria”


“Ok olha de dormir” Harry dizia.


 


Nossa a casa não era imensa, tinha dois andares e era muito aconchegante, tinha aquele ar de família feliz, o quarto do Alvo ficava no segundo andar e era pequeno, tinha uma cama de solteiro e uma escrivaninha, tinha vários postes de futebol na parede e outros que se mexiam de um esporte esquisito. Gina arrumou minha cama usando magia, estava começando a adorar magia, tudo parecia tão simples. Gina se despediu de Alvo com um beijo na testa dele e me deu um abraço.


Deitei-me no colchão e fiquei olhando o teto, nunca imaginaria a vida de uma pessoa poderia mudar tanta em tão pouco tempo, ontem há essa hora eu estava em casa provavelmente já dormindo depois de passar horas tentando falar com Bianca, estava com as malas mais o menos prontos, pois no sábado iria pegar um voou para Miami e começar uma nova vida, eu tipo que comecei uma nova vida, só que não é totalmente diferente do que imaginei, eu sou um bruxo, existe todo um mundo escondido das pessoas normais, eu irei estudar magia em uma escola, tipo nem o mais retardado das pessoas imaginariam que sua vida tomaria esse rumo.


Não sei exatamente quando dormi, só sei que comecei a ter um sonho completamente esquisito, eu estava correndo por um cemitério imenso, era noite, e com certeza a noite mais escura que eu já vi na minha vida, fazia frio e eu não estava acostumado com tanto frio, não sabia exatamente o que eu estava procurando, só sabia que tinha que correr, corri, corri e corri e não encontra e inencontrável, nesse momento eu vi uma forte luz, corri até ela e vi uma tumba, limpei o gelo que cobria a escritura.


 


Gellert Grindelwald


 


Olhava aquele nome e sentia algo estranho, me ajoelhei na frente do tumulo e fiquei em silencio, a noite estava tão silencioso que o som da minha respiração parecia com trovões, senti um calafrio passar por todo meu corpo me arrepiei entre, um segundo depois um homem estava parado atrás de mim, ele colocou sua mão em meu ombro, ele era alto e tinha cabelos negros cumpridos pra baixo dos ombros, seus olhos eram azuis e sua pela pálida, seu rosto era muito belo mesmo sendo um homem já de idade.


 


“Então Jack, você estar pronto para abraçar seu destino?” ele perguntava, sua voz era forte e gentil.


“Que destino?” perguntei.


“Você carregara esse nome” ele falou me mostrando o sobrenome Grindelwald “Você se erguerá como o maior bruxo da historia e mudara o mundo”


“Isso é possível?” perguntei.


“Depende” ele dizia.


“Depende de que?”


“De quantas vidas você estará disposto a passar por cima” ele respondia.


 


Acordei assustado, ainda podia ouvir a voz do homem em minha mente, eu nunca tinha tido um sonho tão real em toda minha vida, notei que Alvo ainda dormia, o dia tinha nascido a poucas horas. Meu coração ainda estava inquieto, sai do quarto e desci as escadas, fazia um dia muito frio, abri a porta de entrada e sair da casa, do lado direito da bonita casa havia uma grande piscina, do lado esquerdo um campo parecido de futebol, só que tinha três balizas estranhas bem altas, andei até o campo e me senti no gramado molhado por causa do sereno, abracei meu próprio compor com meus braços e fiquei olhando as primeiras luzes do dia, era realmente lindo, suspirei sentindo aquele calafrio novamente, simplesmente não podia entender aquele sonho.


 


“Perdeu o sono” ouvi a voz de uma garota, me virei e vi Lílian, ela estava ainda mas linda hoje, seus cumpridos cabelos estavam amarrados em um rabo de cavalo, ela usava calças jeans e uma camisa pólo vermelha, a única coisa esquisita da aparência dela era a vassoura toda torta que ela segurava.


“Pesadelo” fui sincero “E você?”


“Acordo cedo para treinar Quadribol” ela dizia se sentando ao meu lado “Sou filha do maior apanhador de Hogwarts e de uma ex-jogadora profissional, então a pressão no colégio é imensa”


“Realmente gostaria de saber o que é Quadribol” eu dizia arrancando um sorriso tímido dela.


 


Ela passou a ultima hora tentando me explica o que era Quadribol, suas regras e como jogava, tirando a magia era bem parecido com futebol até tinha um goleiro, se um dia eu aprender como ficar em cima de uma vassoura com certeza eu tentaria ser goleiro de Quadribol.


Nossa conversa não ficou só relacionada à quadribol, ela me falou um pouco dessa tal escola, falou sobre como ela é dividida, no meio da conversa me peguei desejando estar na mesma casa que ela, realmente estava admirando essa garota, mesmo tímida ela é firme em suas palavras e parece ter um caráter incrível, além de lida de morrer.


 


Mana você não me esperou” gritava um pequeno garoto segurando uma velha vassoura nas mãos, ele devia ter onze anos e tinha cabelos negros e olhos verdes vivos, era uma miniatura do Harry.


“Quem mandou dormir demais” ela dizia abrindo um largo sorriso para o menino “Vem cá conhecer um amigo da sua irmã” me peguei feliz por ela me chamar de amigo.


O menino se aproximou da gente esticando a mão para me cumprimentar “Sou Fred Remo Potter” ele dizia.


Apertei a mão do garoto “Sou Jack Hale Alves” falei sorrindo para ele.


“Se tudo der certo e vocês dois forem para Grifinória serão companheiros de casa e classe” ela dizia sorrindo.


“Oqueee?? Você ainda não formou?” o garoto perguntava assombrado.


“Não! Sou meio retardado” falei sorrindo, fiquei feliz ao ver Lílian sorrindo, era tão belo aquele sorriso.


 


Lodo depois nos três entramos para tomar café da manhã, um delicioso café da manhã, depois do café eu joguei futebol com Alvo, admito que os chutes dele eram bem fortes, mais Lílian estava assistindo e eu tinha que mostrar serviço, pulei em todas as bolas fazendo lindas defesas, Alvo se tornou meu fã, Lílian não demonstrou nada. Depois almoçamos, estava ainda mais gostoso que o café, além de linda Gina sabia cozinhar, Harry realmente era um cara de sorte. Ficamos de bobeira durante algum tempo depois do almoço, iria ao tal beco comprar os matérias da escola hoje, estávamos todos sentados na sala, todo mundo conversando menos eu e Lílian, ela estava lendo um livro e eu estava olhando pra ela.


 


“Harry” falei ao me lembrar de algo importante “Tem banco internacional nesse beco?”


“Banco internacional?” ele perguntou sem entender “Pra que?”


“Quando você me prendeu eu estava indo dormir então to sem minha carteira, acho que vai ser ate difícil consegui tirar dinheiro sem minha identidade, mas tenho que tentar né” falei.


“Não precisa de dinheiro trouxa” ele dizia sorrindo “Eu te empresto o dinheiro do material, quando estiver formado e trabalhando você me paga”


“Você é legal” falei sorrindo “Juro te pagar antes”


“Ok” ele falou se levantando “Vamos fazer compras agora”


“Obaaaa” Fred falou já se levantando também.


“Não vou” Tiago falou “Namorada ta vindo pra cá”


“Eu também” Alvo falou “È bom dois irmãos namorar duas irmãs, o ruim é quando as duas se junta pra falar mal da gente”


“Deve ser legal mesmo” falei sorrindo.


“Você tem namorada?” Tiago perguntou, notei que Lílian parou a leitura e olhou para mim.


“Não” respondi sorrindo “Tinha um rolo com uma trouxa só que ela só me trouxe problemas”


“Pronto vamos pedir para as meninas chamarem a prima delas ai apresentamos pra você” Alvo dizia sorrindo.


“Não acha que ele pode arrumar uma namorada sozinho?” Lílian dizia irritada, todos olharam para ela, ela ficou com as bochechas vermelhas e escondeu o rosto com o livro.


“Hum” Tiago dizia olhando a irmã “Isso mesmo Alvo chame a prima delas”


Lílian fechou o livro com força e levantou pisando fundo “Vou me arrumar” dizia em um tom nada amigável.


 


Esperamos dez minutos ate Lílian se arrumar, quando ela voltou para a sala estava linda demais, usava um vestido azul com detalhes em branco seu cabelo estava solto, depois eu viajei por pó Flu pela a segunda vez na vida, admito que não foi menos emocionante que a primeira mas a chegada foi bem melhor, não sair voando, quando dei por mim estava em pé em chaminé envelhecida, fui o ultimo a entrar, então os outros já estavam esperando por mim. Estávamos em uma espécie de estação de chaminés, quando saímos eu vi a rua a pequena rua tomada por pessoas vestidas com roupas estranhas e com lojas dos dois lados.


 


“Lílian leve Jack para comprar os livros e aproveite e compre os seus” Harry falou entregando uma bolsinha de couro para ela.


“A onde vocês vão?” ela perguntou.


“Comprar o uniforme do Fred” Gina respondeu sorrindo.


 


Fiquei um pouco animado ao ver os três Potters se afastarem, agora eu estava sozinho com Lílian, só que para minha tristeza ela não parecia muito animada com isso, ela ficou calada e saiu andando com a cabeça baixa, ou ela não gostava de ser vista sozinha comigo ou era realmente tímida demais, apressei o passo para andar ao lado dela.


 


“Você devia ter dito para os meninos não chamarem ninguém” ela falou bem baixinho com as bochechas vermelhinhas “Agora eles com certeza vão convida uma garota”


“Será, eu acho que não, eles deviam estar só me zoando” falei sorrindo.


“Não estavam, vai ser questão de honra pro Tiago” ela dizia parando de andar ficando de frente para mim “Ele vai querer me irritar e vai chamar a garota mais atirada do mundo e vai te apresentar”


“Por que isso iria te irritar?” perguntei fazendo ela ficar com o rosto todo vermelho.


“È por que...” ela começou a falar gaguejando, fechou os olhos com força, parecia que estava forçando para não chorar, realmente não sabia o que dizer, ela estava tão bonitinha que tinha que me segurar para não abraçar ela.


“Sabe pode chamar a garota mais linda do mundo que eu não vou dar moral” falei fazendo ela abrir os olhos na hora “Já estou interessado por outra garota e eu acho ela linda, principalmente vestia com esse vestido azul”


Ela abriu um sorriso de canta a canta, um sorriso lindo que fez meu coração disparar na hora, seu rosto ficou ainda mais bonito por que ela ainda estava meio corada “Obrigada” ela quase sussurrava “Quis ficar mais feminina, pois você só me viu de pijama e de calça treinando quadribol”


“Você estar linda” falei colocando minha mão na face dela acariciando “Você é linda”


Ela voltou a sorrir para mim e segurou minha mão a tirando do rosto dela, mas não a soltou, em seguida me puxou voltando a andar, só que agora de mãos dadas “Vamos temos que comprar nossos livros” ela falou, a voz dela denunciava que ela ainda estava morrendo de vergonha.


 


Alisava a costa da mão dela com meu dedo e ela apertava minha mão com força, a expressão do rosto dela era leve e alegre, ficava ainda mais linda assim. Andamos até chegar a uma loja bem bonitinha, ela tinha dois andares e estavam lotadas de livros.


 


Também tinha um monte de gente dentro dela; muitas crianças que iria fazer seu primeiro ano em Hogwarts e alguns adultos vestidos com roupas estranhas, Lílian soltou minha mão e foi procurar seus próprios livros enquanto eu me enfiei na fila de crianças para comprar os livros do primeiro ano, admito que estava me sentindo um idiota. Nesse momento entrou um grupo de quatros homens na loja, eles vestiam casacos marrons e uma espécie de boina na cabeça, pareciam estranhos, parei de olhar para eles e me concentrei na Lílian, que abria um livro e começava a ler, nesse momento senti algo encostar-se à minha nuca, me virei e vi que os homens me rodeavam apontando suas varinhas para mim.


 


“Ok fique quietinho e vem com a gente” dizia o homem com um forte sotaque.


“Estão me confundindo” falei erguendo os braços, Lílian tinha notado os homens e já estava vindo na minha direção segurando sua própria varinha.


Não deu tempo de ela chegar, pois logo um alto homem vestido com uma túnica toda negra com cabelos negros cumpridos pra baixo dos ombros, olhos azuis e pele pálida se interveio entre eu e os caras, era incrível mais eu conhecida esse homem de algum lugar “Vocês não podem encostar nesse rapaz” ele falou erguendo sua varinha apontando para o nariz de um dos homens.


“Isso não é da conta de vocês, é assunto Russo” o cara dizia.


“O senhor Hale estar sobre proteção do Ministério da magia inglês então se afastem” ele dizia com firmeza, não entedia nada do que ele estava falando.


“Realmente” Harry dizia apontando sua varinha para os quatro homens “Aconselho que vocês saiam daqui, ou irei informar seu ministro sobre essa afronta a soberania do meu país”


È ele, Harry Potter” escutei as pessoas sussurrarem entre si.


“Vocês são loucos” um dos homens falou “Loucos, completamente loucos”


 


Em seguida os quatro homens guardaram suas varinhas e saíram da loja, todos olhavam para nós, não estava entendo nada, Lílian veio em minha direção e me abraçou apertado, logo todos as perguntas que estava em minha mente desapareceram, eu só sentia o perfume dela só sentia o calor do corpo dela, queria ficar abraçado assim durantes horas, mas ela percebeu o que tinha acabado de fazer e me soltou rapidinho ficando com a face toda vermelha de novo.


 


“Obrigado” falei para Harry e o homem que eu tinha impressão de conhecer de algum lugar “Eles me confundiram com alguém”


“Jack esse é Damon Wanzs, seu professor de defesas contra artes das trevas” Harry falou me apresentando o homem.


“Oi Jack” ela falou esticando a mão para me cumprimentar.


Apertei a mão dele “Oi” falei “Espero por seus ensinamentos sensei (professor em japonês)”


“Jack eu e seu professor precisamos conversar” Harry dizia sorrindo “Vai com Lílian comprar sua varinha, eu compro seus livros”


“Acha seguro?” O professor perguntou.


“Tem aurores fora da loja” Harry falou seriamente, eu ainda não sabia o que era isso.


“Vamos” Lílian dizia segurando minha mão já me puxando para fora da loja.


 


Ela andava com passos apressados e olhando para todos os lados, parecia assustada com alguma coisa, pensei em perguntar o que era mais desisti quando vi aquela expressão seria e pensativa no rosto dela. Entramos em outra loja, não tive nem tempo de olhar o lugar pois Lílian já me puxou de lado e olhou nos fundos dos meus olhos.


 


“Tem idéia do que estar acontecendo?” ela perguntou.


“Nenhuma” respondi


“Jura não estar mentindo” ela dizia me trazendo para mais perto dela.


“Juro” respondi olhando no fundo dos olhos dela.


“Obrigarei meu pai e me contar o que foi aquilo lá” ela dizia seriamente, creio que só ai ele notou que estávamos com nossas faces praticamente coladas, ela ficou vermelhinha e se afastou.


 


Chegamos ao balcão a onde um jovem homem arrumava umas caixas, ele deixou o que estava fazendo e veio nós atender. Lílian explicou que essa seria minha primeira varinha, então o homem perguntou se eu era destro ou canhoto, respondi que era destro, em seguida pegou uma pequena fita métrica e mediu o tamanho da minha mão e do meu braço, em seguida foi até tirou três caixinhas do seu imenso armário, abriu a primeira caixinha me entregando uma varinha marrom devia ter uns 28 cm, eu segurei com firmeza e ela brilhou.


 


“Interessante, Carvalho, 29 cm Pêlo de Cauda de Unicórnio Macho e Flexível, uma boa varinha” falou o homem.


“Posso ver as outras?” perguntei.


“Pode, mas a varinha escolhe o bruxo e essa já te escolheu” ele falou pegando a varinha marrom a guardando de volta na caixinha.


Em seguida me entregou outra, ela era cinza meio curvada, não achei nadinha bonita, a segurei e ela brilhou também.


 


“Isso é impossível” o cara falou já tirando a varinha de minha mão me entregando outra.


 


Ele me fezeu testar umas trinta varinhas, todas brilharam ao meu toque, eu estava começando a achar divertido ver a expressão de descrença que ele fazia, Lílian me olhava como se eu fosse de outro planeta, logo uma pequena platéia estava me assistindo a testar todas as varinhas da loja.


 


“Todas as varinhas te escolheu” ele falou assombrado.


“Deixa eu ver aquela ali” falei apontando uma caixa roxa, era a única caixinha que não era branca.


“Aquela?” ele perguntou meio temeroso.


“Sim, posso?” perguntei.


“Meu pai foi obrigado a fazer aquela varinha quando estava em cativeiro, ela é muitas das varinhas que você sabe quem obrigou ele a fazer” ele dizia com aquele tom medroso.


“Você sabe quem?” falei sorrindo “Não sei quem é esse quem então deixa eu ver aquela varinha?”


Ele pegou a caixinha roxa abrindo-a, observei a linda varinha de madeira negra dentro da caixinha, ele a tirou com cuidado como se ela fosse uma bomba preste a explodir depois me entregou a varinha. “Cuidado” ele falou.


 


Segurei a varinha, ele encaixava perfeitamente em minha mão, esperei algum sinal mas infelizmente não aconteceu nenhum durante alguns segundos, do nada surgiu uma explosão de luz que fez todos que estava na loja fecharem os olhos.


 


“Legal” falei sorrindo “Quero essa”


O cara estava em estado de choque “Teixo, 35 cm Corda de Coração de Dragão” ele dizia assombrado.


“Obrigado” falei sorrindo.


“Quanto é?” Lílian perguntou.


“Sou capaz pagar para você levar essa varinha daqui” o cara falou limpando o suor do rosto com um lenço.


“Obrigado” falei guardando a varinha no bolso.


“Vamos?” Lílian dizia voltando a pegar na minha mão.


 


Andamos por varias lojas, compramos um monte de coisa, até uma coruja com penugem azul e olhos dourados, era simplesmente linda, depois disso fomos para  até a Madame Malkin - Roupas para todas as ocasiões, a onde Lílian fez eu experimentar dezenas de roupas comprando outra dezena. Encontramos Harry e Gina em frente a estação de chaminés, Harry segurava uma pacote cumprido, parecia uma vassoura.


 


“Nosso presente para você” ele falou entregando a vassoura para mim.


“Que legal vou voar” falei animado “Me ensina Lílian?”


Harry e Gina olharam para a filha ela ficou vermelhinha “Ensino” respondeu com a voz rouca, os dois soltaram sorrisinhos.


“È uma Firebolt 2” Fred dizia animado “A vassoura mais rápida do mundo”


“Tenho uma dessa” Lílian dizia sorrindo “Confiável e veloz”


“Obrigado deve ter sido muito caro” falei sem graça “Não sei como agradecer”


“Fique tranqüilo” Harry dizia sorrindo colocando a mão em meu ombro.


 


Viajei pela a terceira vez em pó de Flu e já estava começando a me divertir com isso. Chegando em casa foi direto para o quarto guardar minhas coisas, Alvo e Tiago estavam com as namoradas na piscina, Lílian disse para mim nem pensar em ir lá e eu obedeci, tipo não sei exatamente o que estava rolando entre nós, só sei que era algo parecido como inicio de namoro, não tínhamos nem dado um selinho ainda, mas já estamos de mãos dadas e ficamos juntinhos e ele demonstrar sentir ciúmes de mim, ainda procurava entender o que ela viu em mim, eu ter me apaixonado a primeira vista por ela era uma coisa, pois ela era extremamente linda, agora ele ter se apaixonado a primeira vista por mim era algo que eu achava quase impossível.


Estava no quarto do Alvo lendo um livro sobre feitiços tentando decorar os nomes, estava sentado no chão mesmo, minha varinha estava do meu lado e minha coruja que eu batizei de azulinho estava sem fazer nada em sua gaiola. Escutei umas batidas na porta em seguida ela se abriu, era o Alvo acompanhado por duas garotas, as duas bem bonitinhas, uma era morena com os olhos verdes e a outro loira de olhos azuis, as duas estavam de biquínis, não entendia como eles conseguiam tomar banho de piscina nesse frio, Alvo segurava na mão da morena que devia ser namorada dele, a loira devia ser a tal prima que ele disse que ia pedir para elas trazerem.


 


“Ois” falei.


“Oi cara, como foi às compras?” Alvo perguntou indo até a gaiola para olhar a coruja “Que linda”


“Foi estranho” falei “Quase deixei o cara das varinhas louco, pois todas brilhavam comigo”


“Serio?” ele dizia surpreso “Nunca tinha ouvido falar disso”


“Parece que nem ele” falei sorrindo.


“Cara essa é minha namorada” ele falou indicando a morena “Mariane, e essa é a prima dela, Priscilla”


“Prazer Mariane, prazer Prscilla” falei sorrindo gentilmente para elas “Sou Jack”


“Nome bonito” a loira falou sorrindo de uma maneira diferente, realmente era atirada.


 


Nesse momento Lílian apareceu na porta ela estava com a cara fechada, passou direto pela as meninas e se sentou no meu colo ficando de frente para mim, deitando a cabeça no meu peitoral, Alvo ficou paralisado, não sabia se ele estava com raiva ou apenas surpreso demais, a loira encarou a Lílian como se o desafio foi ainda mais estimulante para ela, e eu segurei um riso.


 


“Oi Lílian” Mariane falou.


“Oi” Lílian respondeu “Vejo que você acabou de conhecer meu namorado”


Ok não esperava por isso, fiquei mega surpreso e todos pareciam estar iguais a mim, Mariane deu um beliscão no Alvo e falou “Não ele não me falou nada sobre vocês serem namorados”


“Eu não sabia” ele dizia “Eu juro”


“Então vamos deixar os dois pombinhos a sós” Mariane falou puxando Alvo para fora do quarto.


 


Lílian ficou em silencio, ele enterrou a cabeça em meu peitoral e ficou assim durante algum tempo, eu estava adorando ter ela em meu colo, a abracei bem apertado sentindo ainda mais o perfume gostoso dela, ela ergueu a cabeça ficando com o rosto bem próximo do meu.


 


“Desculpa” ela dizia “Fiquei tão nervosa que não vi o que fiz”


“Desculpar pelo o que?” perguntei “Eu to adorando ser seu namorado”


Ela ficou com a face vermelhinha de novo, era incrível como era fácil deixar ela corada “Gosto de você” ela dizia “Sei que pareci difícil afinal te conheci ontem, mas foi ao primeiro olhar, gostei de cara, olha que eu não acreditava em amor a primeira vista”


“Sei como é” dizia alisando a face dela, ela fechou os olhos ao senti o toque da minha mão “Foi amor a primeira vista pra mim também”


 


Ela sorrio tão lindamente para mim, aproximei meu rosto do dela já podendo senti o hálito gostoso dela, passei meu nariz no nariz dela dando um beijinho esquimó, curvei minha cabeça e fui aproximando meus lábios bem devagar, a boca dela entreabriu apenas esperando pela a minha boca, dei um selinho, dois, três selinho, mordi o lábio inferior dela e puxei em um chupão, ela apertou minha nuca e esticou a cabeça para encaixar nossas bocas, uma explosão de sabor e sentimentos surgiu quando nossas línguas se encontraram, passeis minhas mãos pela as costas dela, apertava seu corpo contra o meu, me arrepiava inteira a metida que nosso contato se tornava mais próximo, nós beijamos até ambos ficar sem fôlego, deslizei meus beijos pelo o rosto dela descendo por seu queixo a onde dei uma leve e gostosa mordidinha, descia meus lábios por seu pescoço a beijando muito ali, escutei ela fazer um som diferente e observei ela esticar o pescoço praticamente pedindo pra mim continuar com os beijos.


Escutamos uma batida na porta, rápida como um gato Lílian pulou do meu colo para a cama, Harry entrou no quarto para avisar que o jantar estava pronto, Lílian respondeu com a voz ainda ofegante que nós já estávamos indo, Harry olhou para mim e depois olhou para ela, balançou a cabeça negando o obvio e saiu do quarto, Lílian levantou e me deu a mão para me ajudar a levantar, me levantei e andei de mãos dadas até a porta, antes de ela abrir a porta eu a puxei para os meus braços voltando a beijá-la apaixonadamente, ela retribuía o beijo da mesma maneira o encerrando após alguns minutos com vários selinhos saindo me puxando pela a mão.


***


Os dias foram se passando rapidamente, talvez por que estava tendo os melhores dias da minha vida, de manhã treinava quadribol com a Lílian, a tarde jogava futebol com o Alvo, e a noite ficava namorando Lílian em seu quarto, claro nossos namoros nunca passavam de beijos gostosos e raramente toques mais atrevidos, não era todos os dias que ela deixava eu passar a mão no corpo dela, ela só permitia isso minutos antes da Gina bater no quarto falando para mim ir dormir, só nos momentos que nossos beijos estavam passando do ponto apaixonado para o ponto louco de desejo. Tiago para provocar a irmão vivia chamando garotas para vim em casa, e eu adorava isso, pois Lílian não desgrudava nem por um segundo de mim, foi em um dia desses que demos nosso beijo mais gostoso, dentro da piscina, ela veio e pulou no meu colo passando suas penas ao redor da minha cintura me abraçando com elas e me beijou de maneira apaixonada e quente, tudo isso para mostra pra amiga do Tiago que eu tinha dona, o resultado foi eu ficar meia hora a mais na piscina morrendo de frio para ficar um pouco calmo e sair sem passar vergonha.


Depois que saia dos braços da Lílian e ia dormir no quarto do Alvo eu mergulhava de cabeça nos livros, li sobre a historia do Harry e nunca imaginei que ele seria tão importante, ele era simplesmente a pessoa viva mais importante da historia bruxa, me senti orgulhoso de ser amigo e genro dele. Também li sobre o maior bruxo das trevas, e com sinceridade o achei bem idiota, ele era muito poderoso mais seu medo de morrer acabou o derrotando, ele se alto derrotou.


Finalmente o dia de ir para Hogwarts estava chegando e eu realmente não estava muito ansioso, pois nunca tive uma vida tão boa como estava tendo e eu estava morrendo de medo de tudo mudar, não sabia os motivos mais estava morrendo de medo de perder Lílian, eu realmente estava muito apaixonado, só em pensar em perde-la meu coração disparava.


Sem conseguir dormir levantei e resolvi em beber água, no momento que estava passando pela a porta do quarto da Lílian ela abriu, sorrio para mim e me puxou para o quarto, senti seus braços rodearem meu pescoço e seus lábios grudarem nos meus, ela andava para trás me puxando enquanto nos beijávamos, quando encontrou a cama ela se deitou e me puxou pra cima dela, senti meu corpo pegar fogo, deitei entre as pernas dela e comecei a beijá-la de maneira mais intensa, minhas mãos acariciava o corpo dela de forma mais intima invadindo sua blusa, beijava o pescoço dela quando toquei em seu seio pela a primeira vez, notei que ela não fez movimento algum para tirar minha mão, hoje a noite ele me deu uma tremenda bronca quando tentei enfiar a mão debaixo da blusa dela e agora ela estava deixando eu acariciar seu seio por dentro da blusa, sentia a maciez dele e apertei um pouco massageando, escutei um gemidinho baixo sair da boca dela, não agüentei e voltei a beijá-la do jeito mais intenso possível, ela puxava minha blusa tentando arrancar fora, ergui meus braços ajudando-a, depois já sem a blusa tirei a blusa dela, comecei a beijar seus seios, ela segurava em meus cabelos forçando minha cabeça contra sua pele, escutei mais alguns gemidinhos gostosas saírem de sua boca, desci meus beijos por sua barriga, segurei o short dela ia puxando ele para baixo quando ela segurou minha cabeça.


 


“Não” ele dizia “Desculpa”


 


Sorrir com o que ela disse e subi novamente me deitando do lado dela, a puxei colocando deitadinha em cima de mim, abracei com força demonstrando que ela estava segura comigo, beijei sua testa descendo até seus lábios a onde deu um selinho.


 


“Não precisa se desculpa” falei “Foi ótimo até onde foi”


“Eu estava amando também” ela falou baixinho “To nervosa demais, meu coração ta batendo a mil, eu queria fazer isso com você antes de irmos para Hogwarts, eu realmente queria perder minha virgindade com você, só que eu fiquei segurando...segurando deixando tudo para a ultima noite, ai foi demais pra mim”


“È mesmo amor” falei acariciando a cabeça dela “Se esse era seu desejo, antes de irmos para a escola, nós tínhamos que ter tentado antes te daria mais segurança para ele”


“Eu te amo” ela falou.


“Eu também te amo” falei “Não deixe nada nos separar quando chegarmos em Hogwarts”


“Não deixarei” ela falou “Eu juro”


 


Demos mais alguns beijos e ela dormiu deitada em meu peitoral, ficou observando ela dormir por algum tempo, tão linda, eu amava essa garota, desejei que tudo desse certo a partir de amanhã, pois seria uma nova fase da minha vida, e queria que ela continuasse ao meu lado, deixei o sonho tomar conta e adormeci.  

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 0

Nenhum comentário para este capítulo!

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.