FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

ATENÇÃO: Esta fic pode conter linguagem e conteúdo inapropriados para menores de idade então o leitor está concordando com os termos descritos.

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

13. Grupo verde


Fic: Heroes -O Torneio dos Deuses


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

Artemis, Holly e Morgana ficaram no acampamento arrumando o que faltava para seguirem para as missões que se abririam após a entrega do dinossauro. Moriarty estava fazendo uma ronda e Sauron e Mark acompanhavam Groar, que carregava sem problemas o dinossauro até o reino que o encomendara.


-Ele tem se mantido longe dela? –Artemis pergunta a Holly, observando o modo concentrado como Morgana observava o chão.


-Você passa bastante tempo tomando conta. –Holly responde quase irônica. Artemis fazia tudo mantendo um olho em Morgana.


-Mas eu ainda preciso dormir. –Retruca como se aquilo bastasse. –Já são dois dias em que ela está assim, parecendo distante, só responde com monossílabos.


-É um processo de criação. –Holly responde impaciente. –Ela sabe se cuidar bem sozinha.


-Criação? Interessante. –Artemis diz já se levantando para ir até Morgana. –Desculpe atrapalhar, mas posso tentar ajudar?


-Não sabe nada sobre magia. –Responde ríspida.


-Isso não é verdade. Experimente me falar sobre o que é e o que tem em mente. –Pede já abrindo seu notebook e iniciando a função de construção em 3D.


*****************************************************************


Harry e Eragon voam circulando uma longa torre, cujo cume não podia ser visto do chão e carregavam uma bandeira consigo, cada uma simbolizando um dos grupos. A grande torre tinha um corpo cujo diâmetro mal devia alcançar dois metros e era todo trabalhado com pinturas que pareciam contar histórias de homens batalhando contra outros e criaturas.


-O ar está ficando rarefeito! –Eragon diz ofegante, sentindo o efeito da grande altitude.


-Deixa comigo. –Harry diz e logo depois faz uma grande bolha em torno das cabeças deles, a seguir move os lábios dizendo “rápido” e apontando para cima, ao que ambos aumentam a velocidade de subida.


O final consistia de uma sala oval, onde certamente era impossível para qualquer um respirar. Havia no chão a pintura de muitos homens, mulheres e alguns seres, todos de uniformes semelhantes aos deles, as cores e os símbolos mudavam, porém alguns se repetiam com mais frequência. Em um plano mais alto, uma bancada onde estava hasteada apenas uma bandeira verde-musgo com uma árvore dentro de uma esfera prata.


Sem se demorar mais, Harry e Eragon foram até o local e hastearam a bandeira dos deuses do Raio e do Sol, simbolizando os dois grupos. Depois, começaram uma descida limitada apenas pela prudência, não queriam danos com a pressão.


No chão o restante dos grupos 1 e 3 se moviam inquietos, sabendo que a jornada estava muito longa e que algo poderia estar errado. Já haviam montado um plano de emergência para resgatar Eragon e Harry, porém esperavam um sinal negativo dos colares para isso.


-Jura. –Grier diz vendo uma grande sobra sobre uma nuvem, logo depois o dragão a perfurava, descendo aos rodopios. –Eles devem ter parado pra um lanche. –Comenta distraído ao ver que os dois garotos desciam sem problema aparente.


-A nossa missão está cumprida. –Annabeth diz ao olhar a relação de missões cumpridas no pergaminho de seu grupo.


-A nossa também, mesmo que não estivesse ativa, ela aparece como cumprida e com nossa pontuação. –Arya diz com um largo sorriso, era a prova de que poderiam avançar praticamente de quatro em quatro missões, cortando muito tempo desperdiçado entre uma missão e outra.


-Então qual a próxima missão? –Heracles pergunta, ao que Arya, Hermione e Annabeth se juntam com os dois mapas a frente.


-É a nossa. –Hermione diz apontando um ponto no mapa empunhado por Arya. –Ajudar um reino que está entre nossos amigos, será fácil. –Completa com um sorriso tranquilo.


-Como sabe que é um reino amigo? –Thalia pergunta olhando por cima do ombro dela.


-Porque já passamos tanto tempo debruçadas sobre os mapas que praticamente decoramos a posição de reinos amigos a nós. –Arya diz concordando com Hermione e guardando seu mapa.


-E aí, porque a demora? –Percy pergunta assim que Eragon e Harry chegam ao chão, o dragão desaparecendo logo depois.


-Subimos tanto que nem tinha ar no topo. E a boa notícia é que só um grupo já cumpriu essa missão. –Harry explica e logo depois recebe o abraço carinhoso de Hermione.


-Havia varias figuras de batalhas no caminho, no corpo da torre, e depois o que pareciam grupos de deuses, talvez os grupos campeões antes de nós. –Eragon completa se sentando, estava um pouco cansado.


-Isso não importa tanto. O importante é que o método funciona e podemos ir eliminando missões pela listagem do outro. –Arya diz e depois assovia chamando os unicórnios. –A próxima parada será para o jantar daqui cinco horas, depois continuaremos o caminho e pararemos cinco horas depois para a próxima refeição, então continuaremos e devemos chegar dentro de no máximo quatro horas ao reino que devemos ajudar. E será lá que dormiremos.


Ninguém questionou a ordem de Arya, seria sem dúvidas uma esticada longa, mas ambos precisavam compensar o tempo perdido com os imprevistos. Arya seguia no macho jovem, Eragon na fêmea adulta, Harry e Hermione no macho adulto, Grier se transformara em um pássaro, Thalia convocara um grande cervo que estava próximo e Annabeth e Percy foram colocados nos ombros de Heracles, que seguiria a pé.


*****************************************************************


Moriarty caminhava atento ao som e aos rastros, havia encontrado sinais de um grupo a cavalo e havia seguido até onde a mata se fechava. Ao ouvir sons, algo semelhante a risos, sobe na árvore silenciosamente e retira do bolso do colete seu monóculo, usando-o para vasculhar a margem do rio até encontrar um grupo de cinco homens, um deles muito jovem.


Uma análise preliminar mostrara que havia quatro cavalos bem presos, os arcos estavam no chão, ao lado dos arqueiros, que comiam e conversavam despreocupados. A fumaça que saía da panela, apoiada sobre a fogueira apagada, mostrava que apenas iniciavam a refeição.


Rapidamente, desce da árvore e vai na direção em que Sauron e Mark deveriam estar, esperando estar a uma distância segura e disparando sua arma em um sinal de alerta, que certamente o computador de Mark perceberia. Cinco minutos depois, Sauron e Mark apareceram voando rapidamente, Groar os seguia curioso.


-Moriarty, porque o chamado? –Sauron pergunta notando que não havia ameaça iminente, o que o deixara bastante irritado.


-Há um grupo almoçando a alguns metros daqui. São quatro homens, um adolescente, quatro cavalos bem presos a alguma distância na sombra. Dois são arqueiros, dois espadachins e o rapazinho tem uma espada curta.


-Interessante. Nenhum sinal do sexto? –Pergunta pensativo.


-Não. Eles estão almoçando e para o sexto não estar perto, deve ter caído em batalha antes. –Responde com um sorriso de canto, olhava Mark e Groar que possuíam o olhar afiado de um guerreiro prestes a entrar em batalha.


-Você se oculta na mata e atira, eu atacarei por cima, Groar dê a volta e ataque junto com Mark. –Sauron determina e invoca Melkor, montando rapidamente.


Groar disparou em alta velocidade na direção apontada por Moriarty, Mark fora voando baixo e Sauron sobe rapidamente ao nível das nuvens. Já Moriarty foi a pé, procurando o melhor lugar para se posicionar como franco atirador.


*****************************************************************


Assim que o grande grupo chega as enormes muralhas, cujos bordos não eram visíveis a olho nu, observam uma grande movimentação de guardas nos postos de observação e embaixo, dois deles se adiantando e indo falar com eles.


-Parem. –Ordena firme e se aproxima com espada em punho. –Quem são e a que vêm? –Pergunta olhando para todos, demorando-se mais nos rapazes.


-Somos sacerdotes dos deuses e viemos em paz. –Hermione diz movimentando a mão para que o cavaleiro visse o anel.


-É o anjo que cura? –O cavaleiro deixara o ar sisudo de lado e agora tinha uma expressão abobalhada, como se de repente os céus sorrissem para si.


-Sim, há feridos neste reino? –Hermione pergunta atenciosa, o outro cavaleiro voltara correndo para o castelo, gritava entusiasmado as boas novas.


-Sim, muitos! –Diz se apressando em abrir caminho. –Por favor, me sigam. Os outros podem ir para o palácio, o rei certamente os receberá. –A urgência se mesclava a ansiedade e aquilo só reforçava a impressão de que o reino estava em problemas sérios.


-Então vamos todos. –Arya diz e bate nos flancos do unicórnio, os demais já imaginando que Arya havia visto aonde ir na mente do cavaleiro, a seguem.


-Ei, vocês. –Grier para a frente de Heracles e Thalia, bloqueando a passagem. –Não sabem curar como eu, então melhor irmos até o rei ver o que ta acontecendo.


-Nós não somos do seu grupo, então você terá que ir a frente. –Annabeth diz com prudência e Grier assente, seguindo na direção do castelo com o grupo vermelho.


Eles podiam ver que o feudo era enorme, havia uma região com diversas casas, logo depois uma grande área plantada, de onde saía bastante fumaça de alguns pontos como se houvessem apagado focos de incêndio. Não havia crianças correndo e poucas mulheres eram vistas, os homens carregavam ferramentas que pudessem servir como armas e havia muita movimentação em torno de uma casa de forja, ao lado do ferreiro e também na região dos estábulos. Um ponto que chamara a atenção, no entanto, era a quantidade de cavaleiros com armadura e armas que transitava por todos os lados, a infantaria parecia ter o tamanho de populações inteiras de pequenos reinos pelos quais haviam passado.


Já o grupo de magos, seguidos pelos unicórnios, entra em um grande estábulo improvisado como enfermaria. Havia várias camas feitas de palha envolvida por panos compridos, onde os feridos eram tratados.


-O trabalho será muito duro. –Eragon diz ao ver a quantidade enorme de feridos, muitos pareciam graves.


-A senhorita é o anjo com poderes de cura? –Um homem de vestes nobres pergunta após chegar à porta, antes estava cuidando de um paciente.


-Sim, me leve até os mais graves e indique os feridos a eles, que também podem fazer magias para curar. –Hermione orienta e o homem assente com um sorriso largo.


*****************************************************************


Um vento frio, que carregava um cheiro forte passa pelo grupo, que para de rir notando a estranheza da corrente que passara por eles. Os arqueiros levantam tentando sentir o cheiro de perigo ou ouvir algo suspeito, o rapaz mais jovem alça voo sem o auxilio de nada aparente, olhava todos os cantos.


-Algo a vista Peter? –O espadachim alto de cabelos longos pergunta em voz de comando.


-Sim, tem algo vindo na nossa direção… -Antes que pudesse terminar de falar, o rapaz é atingido por um disparo certeiro de Mark e sai rolando pelo ar para trás.


-Legolas… -O homem voltava a passar o comando, mas um gemido alto vindo da esquerda o faz se virar rápido e ver o amigo voar até se chocar contra uma grande árvore, tombando no chão inconsciente.


Ao tirar a espada rapidamente, acaba por cortar algo invisível, ouvindo um gemido rouco que se segue ao surgimento de Groar, que durante sua corrida foi acertado.


-Groar esmaga verdinho. –Groar diz antes de socar na direção do homem, que rapidamente conjura um escudo mágico. –Groar odeia bruxo! –Rosna começando a esmurrar muito velozmente a parede mágica.


Minutos depois por trás de Groar, um homem invisível se aproxima e ergue a espada com a ponta para baixo, cravando-a por trás do joelho com força, rompendo tendões, ossos e carne, fazendo Groar cair urrando e se debatendo, obrigando o homem invisível a se afastar.


-Preciso de ajuda! –O outro arqueiro brada atirando flechas consecutivas contra Mark, que conseguia interceptar as flechas mágicas com sua arma, segura pelo braço mecânico controlado pelo cérebro robótico.


-Deixa comigo! –Peter diz reaparecendo, agitava as mãos como se chamasse algo, ao que imediatamente fantasmas de crianças começaram a surgir.


-Aragorn, em cima! –O homem invisível diz e o líder se vira para olhar.


-Cuide dessa besta Siegfried. –Aragorn ordena enquanto tentava identificar a enorme criatura voadora, que trazia consigo um cavaleiro, ao qual reconheceu imediatamente. –Sauron… -Sussurra raivoso. –Legolas, preciso que atire na montaria voadora. Sauron é meu!


Legolas lutava para se levantar, mas ao ouvir a ordem, mantém-se sentado, ergue o arco e encaixa a flecha, concentrando-se em um feitiço perfurante. Mirou poucos segundos e atirou, na direção do animal que parecia mergulhar, Aragorn trocava feitiços com Sauron e a flecha parecia que acertaria entre os olhos do alvo, porém o animal abriu a boca e liberou uma grande quantidade de chamas, que vaporizou a flecha e obrigou Aragorn a levantar um escudo mágico.


-Robin, preciso de apoio! –Legolas brada e pega três flechas, encaixando-as no arco, cada uma ganhando um brilho diferente.


-Peter! Cuida do homem de lata. –Robin corre para a esquerda, posicionando três flechas e também as encantando.


As seis flechas seguem em flancos diferentes, Sauron estava muito ocupado em seu duelo com Aragorn. Assim Melkor consegue afastar duas com a calda, desviar de outra girando no ar, porém três acabam o acertando, a primeira perfurou o dorso perto de onde Sauron estava, a segunda e a terceira acertaram o peito, explodindo, porém fazendo apenas o dragão urrar furioso enquanto tentava estabilizar o voo.


-Pegue o arqueiro, Melkor! –Sauron diz e desaparece em uma nuvem negra do dorso do dragão.


Aragorn olha o céu a procura de um rastro de Sauron, que surge logo atrás de si investindo com a espada, porém Siegfried se atira sobre ele e o derruba, chamando a atenção de Aragon.


Moriarty, já sobre uma árvore, observa Groar rastejando no chão e um pouco mais afastado um arqueiro sentado atirando contra Melkor, que mergulhava e investia contra o outro arqueiro. Programando a arma para sua maior potência, Moriarty atira no arqueiro caído, vendo o laser perfurar não apenas o peito do elfo, como o tronco da árvore, fazendo-a cair em cima dele.


Um grito abafado fez Moriarty ver Peter voando e rindo ao redor de Mark, que estava no chão rolando com os fantasmas das crianças o atacando, batendo nele com pedras e lâminas de metal usando tanta força que o metal do braço e da perna estava amassado, óleo pingava e se misturava ao sangue das partes humanas. Mirou na cabeça do garoto voador, mas o voo desordenado tornava difícil uma boa mira, então diminui a potência da arma pela metade, atira nas costas do garoto e volta a subir o ajuste, atirando na cabeça e a explodindo. Imediatamente os fantasmas desapareceram e Mark sentou ofegante, cuspia sangue e arfava com força, o corpo estava se recuperando através da magia e da nanotecnologia.


O próximo alvo de Moriarty seria o outro arqueiro, mas quando direcionou a mira viu Melkor mastigando Robin, o arco destruído caindo ensanguentado da boca do dragão. Virando-se para o centro da clareira, via Sauron e Aragorn em uma dura disputa de espadas, porém o mais intrigante era o jeito como Groar atacava o ar e este parecia revidar. Resolvendo que não haveria problemas em deixar sua posição naquele momento, Moriarty desse até Mark, que tinha a perna robótica aberta, os fios em curto.


-Sua visão de calor funciona? –Pergunta a Mark, ajoelhando-se atento ao lado dele.


  -Sim. –Responde sem entender, a voz estava fraca e ele suava como se estivesse muito febril.


-Nesse caso, atire no que está atacando Groar. –Moriarty ordena colocando seu braço em riste ao lado de Mark.


Mesmo achando aquilo complicado, Mark busca por alguma forma de calor, vendo um homem atacando com uma espada, a qual aparecia bem nitidamente sempre que Groar era perfurado. Não teria força para segurar a arma e atirar, seu ombro havia sido muito ferido e o braço metálico estava inutilizado, então ergue a  mão até o antebraço de Moriarty, direcionando-o até mais ou menos onde estava o guerreiro invisível e então fazendo uma leve pressão, que fora o sinal para Moriarty atirar.


Siegfried cai visível, não sangrava, pois a força do laser havia cauterizado o buraco aberto na lateral do corpo, o que só aumentara a dor, levando-a a beira da inconsciência, que não chegou antes do bárbaro avançar sobre si rugindo, usando as mãos para arrancar-lhe as pernas, os braços e por fim esmagar-lhe o esterno com murros. Groar, para finalizar, chama Melkor e lhe atira o tronco parcialmente esmagado de Siegfried, logo depois pegando a espada no braço morto e erguendo no ar como um espólio de guerra ao som de um rugido vitorioso.


A última batalha era a de Sauron contra Aragorn, porém, vendo que seu grupo praticamente vencera, o capitão negro dá um passo em falso para trás, deixando-se atingir para que Aragorn se distraísse “finalizando” o combate, entretanto Sauron aproveita a distração e a proximidade para possuir o adversário, arrombando-lhe as portas mentais com violência, espalhando-se em todas as direções, lançando-se em cada rede neural e absorvendo todo o conhecimento que o guerreiro possuía.


-Eu odeio quando ele faz isso. –Mark diz ao ver Aragorn convulsionando no chão.


-Não é o único. –Moriarty aponta para Groar, que estava encolhido perto de Melkor, que tentava com as garras dianteiras tirar os pedaços de tecido que ficaram agarrados em seus dentes.


-Um é mais nojento que o outro. –Mark complementa, vendo a cabeça de Aragorn explodir no instante anterior ao espectro sair para retomar a armadura.


*****************************************************************


Enquanto voava no perímetro em que se daria a batalha, espionando o lado inimigo, Grier, em forma de ave, vê um homem se retorcer sob uma abertura nas raízes de uma árvore frondosa, provavelmente um inimigo se esgueirando para organizar uma armadilha. Voando em círculos para se certificar de que não havia outros, Grier desce e pousa atrás da árvore, voltando à forma humana e pegando uma flecha em sua aljava, usando a  mão livre para puxar o pé do homem que geme seguidamente.


-Renda-se. –Grier ordena, observando o semblante duro do homem caído.


O rosto estava inchado, havia sangue sobre o uniforme verde escuro, alguns ossos pareciam fora do lugar, mas podia sentir a magia agindo. Um olhar mais apurado vê as orelhas pontudas, a forma suave do rosto, era um elfo muito mais parecido com Arya do que Eragon, que era meio elfo apenas.


-Mate-me de uma vez ou suma. Não pretendo ficar nisso o dia todo. –Diz audacioso, porem o tom élfico fazia a voz soar suave e melódica.


-Fica quieto e se segura. –Grier rosna e o puxa, abraçando-o com quatro mãos e fazendo asas surgirem em suas costas.


O corpo virara algo parecido com uma ave pré-histórica, sem penas e com bico largo, tão grande que encobria o corpo do elfo, levando-o em segurança até o seu castelo, parando no galpão improvisado como enfermaria.


-Paciente novo! –Grier anuncia chamando a atenção de Hermione. –Um elfo de um grupo rival estava se escondendo perto daqui, parece ter tomado uma baita surra. –Diz colocando o elfo sobre uma cama vazia.


-Continue seu trabalho, deixa que eu assumo. –Hermione pede e Grier volta à forma de pequeno pássaro para continuar a patrulha. –Qual o seu nome? –Pergunta ao ferido em tom gentil.


-Legolas. –Responde incerto, não entendendo o porquê o haviam trazido para uma espécie de enfermaria. –O que farão comigo?


-Nada de mal. Meu nome é Hermione, e só quero pedir que fique parado, pode doer um pouco, mas ficará bem. –Diz em tom suave e tranquilizador, logo depois tocando-o gentilmente no rosto.


Hermione sente a magia ser rapidamente sugada, era uma sensação diferente de curar uma pessoa comum, muito mais intensa e perigosa, por isso logo recolhe a mão. Ao cessar o contato, a transferência de magia cessa e ambos ficam ofegantes, se recuperando por um momento.


-Sinto não poder te curar completamente, mas preciso das reservas para a batalha. –Hermione se desculpa sentando-se ereta, atraindo uma bandeja com frascos coloridos.


-O que fez já é algo sem preço… de fato não sei o que pensar. –Diz visivelmente emocionado.


-Ei, vá com calma. Precisa descansar e não pensar em detalhes como agradecimento agora. –Recomenda pegando um frasco para limpar as feridas, com seu poder curara apenas os ferimentos internos mais graves.


-Não é isto… um grupo rival, dias atrás, emboscou o meu… matou meus companheiros… fui o único a conseguir fugir. –Esclarece tentando conter a emoção, porém a proximidade da morte e a busca por um lugar seguro durante dias, o deixara fragilizado e desesperançado.


-Não estamos aqui para lutar contra o outro, temos apenas que cumprir as missões o mais rápido possível. –Explica em um tom reconfortante, deixando o medicamento de lado e virando o rosto dele para si, deixando que visse seus olhos. –Está seguro agora Legolas, nada de mal acontecerá com você. Por isso lhe darei uma poção para dormir sem sonhos, tudo bem?


-Sim… seria mais uma benção. –O tom beirava ao desespero, Hermione quase podia ver nos olhos claros a dor que os pesadelos deviam causar mesmo enquanto acordado.


Hermione se afasta por um momento, indo a uma estante e pegando um frasco em uma das mais altas prateleiras, depois volta e abre o pequeno frasco, ergue um pouco a cabeça de Legolas e despeja lentamente o líquido incolor.


-Quando acordar, a guerra terá chegado ao fim e seus ferimentos estarão curados. –Promete antes que ele fechasse os olhos, caindo em sono profundo.


*****************************************************************


O sol estava no alto do céu quando os nove sacerdotes foram com arma em punho para o alto do monte, que separava os dois territórios. Arya e Grier estavam nas extremidades e tinham o arco em suas mãos, no centro Heracles empunhava nas mãos sua espada e o machado que pertencera a Groar, Eragon, Harry e Hermione estavam entre Heracles e Arya, e Percy, Annabeth e Thalia, entre ele e Grier.


A frente dos nove, o chão não podia ser visto, pois erguia-se um mar de cavaleiros, na frente os soldados com grandes escudos metálicos, atrás os jovens e fortes espadachins e lanceiros, atrás destes a cavalaria experiente e ao redor e no alto, centenas de arqueiros com flechas que poderiam ser inflamadas.


-Esperem o meu sinal. –Arya os lembra fazendo referência a tática que haviam montado.


Tudo teria que acontecer de modo preciso, pois estavam longe do castelo e do contingente militar que ficara lá para proteger a fortificação. A missão era fazer um ataque tão brutal e devastador, que forçasse o inimigo a rendição, pois o rei amigo e uma cavalaria experiente estavam apostos no vale atrás do inimigo e única rota de fuga.


*****************************************************************


N/A: Oi, olha só a att rapidinha! Não se acostumem! Fim de trimestre e to cheia de trabalhos e provas! Com este capítulo minha dívida aqui ta paga, mas o próximo  GP é no dia 29/08.


N/A²: Então um grupo novo apareceu, mas logo depois desapareceu rsrs. O que acharam do massacre? Só pra informar, o Robin é o Robin Hood e o Peter é o Peter Pan! E aí, o que vocês esperam do Legolas no grupo 13? E como vocês acham que terminará essa batalha?


N/A³: Estou providenciando uma capa para a fic, alguém aí sugere uma garota com um estilo meio punk para simbolizar a Thalia? É a única falta dos 3 grupos!


Sirius Padfoot Black: Você quer me matar? Contabilizar os dias e os pontos! Isso daria trabalho demais, porém eu irei dando noção da passagem de tempo aos poucos e os pontos não são tão importantes assim, é mais um critério de desempate caso duas equipes concluam as missões ao mesmo tempo. Eles sabem a idade da Arya sim, ela disse quando todos falaram um pouco de si logo no início da jornada, apesar de eu não ter mostrado. Heracles é muito safado e mulherengo, mas ele e o Grier vão dar seus pitacos na vida amorosa do Eragon sim rsrsrs. Eu to planejando que eles fiquem uns 4 anos nesse torneio. E sim, eu cheguei a pensar numa continuação que seria como vai ser quando eles voltarem pros seus mundos e tal, mas ainda não me decidi sobre isso.


lucas esteves.: Foi proposital por a Mione cansada para mostrar que ela tem suas deficiências, tanto que ao longo da fic você verá que ela não luta corpo a corpo. De fato, eu pesquisei e matutei um pouco para bolar isso e colocar lá de um jeito preciso e que não ficasse muito complexo ou esotérico demais. Acertou sim, a Mione queria desviar de um caminho estranho rsrsrs e sim eu sou muito detalhista e adoro inserir essas pequenas coisas e gosto mais ainda quando alguém percebe! Confesso que não lembro se mostrei ele nomeando o Jura, mas enfim, deu p entender que era o nome do Dragão e é um nome com um bom significado no mundo de Eragon. Estou aguardando ansiosa os comentários que você ainda vai postar.


luiza potter: Huahuahua o que Harry tem de bobo o Percy tem de esperto, né? A Annabeth ta de olho,  se o Percy tentar ser esperto demais, vai tomar uma surra rsrsr. Hermione está relaxando, não está atacando o Harry, só não é tão rígida nesses assuntos, e a Arya com seus conselhos deixou as meninas mais confiantes em si e dispostas a tomar as rédeas, seja pra estimular ou frear.


may33: Foi uma ilha de romance num mar de aventuras, certo? Se o Felipe ganhar mais alguma eu faço esse tipo de bônus! Os garotos sabem bem que apesar de levar a fama de heróis, apanham para as garotas, isso é algo que os autores de Eragon e PJ trabalham bem nos livros e a JK devia ter explorado em HP também. As férias da F1 tão acabando e que bom que consegui ser bem fiel aos livros na cena E/A!


Swdezerbelles: Eu sempre valorizo os leitores que estão sempre me prestigiando. Dá trabalho agir pra evidenciar as diferenças quando eles são muito parecidos, mas estou tentando. Vamos ficar com a Hermione do livro 5, são os personagens do livro 5  que me dão base para as fics, por isso minhas Ginas são tão divertidas por exemplo. É cansativo ler histórico, por isso eu evito colocar, mas era necessário porque muita gente não conhecia Eragon e Percy. Que lê isso até acredita né rsrsrs? Eu engano bonito de entendida de romances rsrsrs. É, como Annabeth vai pedir conselhos a mãe, se a mãe é virgem né?


Eu antes fazia o romance logo para “me livrar” dele, mas tenho visto o quanto pode ser interessante explorar as fases, abordar os problemas e pequenas dificuldades, afinal nada é um mar de rosas.


Eu também gosto de cabeça de alga, mas isso é mais em momentos de descontração, eu queria algo mais emotivo, mais carinhoso. Quanto a Arya você quer dizer fazer como Devoir e Stan em que ela o chama de “meu menino”? Não sei se o Eragon ia gostar disso, mas valeu pelas ideias.


riraito: Também to atolada nos estudos rsrsrs. Não foi tanto assim um spoiler, visto que a Thalia poderia ser retirada de antes de virar árvore! Os deuses não podem interferir no torneio depois de começado, afinal isso seria ruim para todos eles, causaria favorecimentos a uns e outros, porém eu já adotei a sugestão de uma leitora e coloquei o Legolas para abalar um pouco as coisas. Sobre as fics, respondi como comentário.


Punkeeslaw Potter: Você leu os Spoilers!!! O.O Ao menos não foram tão reveladores quanto os de Eragon. Porque dizer isso a ele no Baile de Inverno?? Sim, ela dominam e estão sempre por trás dando suporte para os feitos deles.


Lembra que o Harry e o Eragon fizeram aquele escândalo para tomar banho juntos? Pois é, as garotas mostrando que não tem preconceitos quanto a isso. E de fato o lugar favorecia a uma conversa mais íntima, por isso eu o escolhi. Muitos gostariam de estar no lugar do Alan, não é? Mas não sei se no futuro ele será assim tão malandro, quem sabe. Arya tem muitos anos de vida, então ela é bem experiente sim. Tem razão, os rapazes ficam mais quietinhos e obediente para não brigar com as meninas. De fato ela sofreu muito com a perda do ex, então existe sim esse receio de passar por isso com Eragon, mas tem mais um monte de coisinhas nisso. Harry é bem certinho nessas coisas, digamos que nesse quesito a ordem se inverte um pouco, mas quanto a Percy e Annabeth é o contrário, ela que segura à situação, enfim, cada casal é um caso. E eu tento ao máximo manter-me fiel aos livros, e E/A é até interessante manipular esse chove não molha, apesar de me dar nervoso nos livros.

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 0

Nenhum comentário para este capítulo!

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2021
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.