FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

ATENÇÃO: Esta fic pode conter linguagem e conteúdo inapropriados para menores de idade então o leitor está concordando com os termos descritos.

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

20. Casamento


Fic: Lady Ginevra


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

Capítulo 20


 


No dia seguinte, desatou-se o inferno.


O clima foi o prelúdio do desastre. Pouco depois da alvorada se desencadeou uma violenta tempestade de relâmpagos. Um caiu sobre a cabana do curtume e outro quase destruiu o telhado da cozinha. Os trovões sacudiam os muros do castelo e a tormenta parecia não ter fim.


Alex ficou grudado em Gina, pois o barulho o assustava: cada vez que soava outro, tentava ocultar-se sob as saias da mulher.


Quando a tormenta amainou, Gina e Alex estavam exaustos e dormiram quase toda a manhã.


Hermione sacudiu Gina para despertá-la.


— Gina, por favor, se levante. Tenho que falar com você. Meu pai está subindo a última colina. O que lhe direi? Ficará furioso. Não sei o que fazer. Oh, Alex, por favor não chore! Não quis te assustar.


Gina se ergueu na cama a tempo de receber o filho, que se precipitou em seus braços.


Primeiro, tranqüilizou o pequeno e quando afinal o fez entender que nenhum dos dois estava em perigo, Alex deixou de chorar. Tinha estado inquieto desde a partida do pai e Gina supôs que era provável que ela mesma tivesse culpa. Tinha contagiado o pequeno com seu medo e soube que teria que ficar mais alerta para ocultar suas próprias preocupações.


— Hermione, ajude Alex a vestir-se, por favor. Eu devo ir depressa falar com Ronald antes que seu pai chegue. O que fiz com minha túnica?


Gina se vestiu a toda velocidade, agradecida que já tivessem passado os mal-estares matutinos. Nesse momento não tinha tempo de lutar contra um ataque de náuseas. Lavou o rosto com água fria e limpou os dentes, mas não perdeu tempo em pentear-se. Enquanto avançava pelo corredor, passou os dedos pelo cabelo para desembaraçá-lo um pouco.


— Mamãe, espere! — gritou Alex.


Gina se deteve no topo da escada, Alex correu para ela e pegou na sua mão.


— Você gostaria de visitar Alvo esta manhã? Lindsay o levará a cabana do ancião: ficará contente de te ver.


Alex ficou encantado: Alvo tinha se convertido em um de seus companheiros preferidos. Assentiu ansioso, soltou a mão de Gina e correu escada abaixo chamando Lindsay aos gritos.


Ronald não estava no salão grande. Hermione chamou Gina e indicou que se aproximasse da porta, que tinha aberto pela metade.


— Meu pai chegou. — sussurrou — Ronald está esperando-o.


— Fique aqui dentro, Hermione. — lhe ordenou Gina — Tentarei que meu irmão...


— Eu vou com você — afirmou Hermione.


Gina não discutiu. Hermione abriu totalmente a porta e saíram para o exterior.


O tempo estava frio e úmido. Havia nuvens cinza e caía uma garoa fina.


Lorde MacKay avistou a filha imediatamente e lhe fez um gesto de saudação. Não tinha desmontado e trazia com ele uns vinte membros do clã.


— Onde está MacBain? — gritou o lorde.


Ronald esperou que o pai de Hermione desmontasse e lhe respondeu:


— Partiu ontem para atender um assunto muito importante. Sugiro-lhe que volte dentro de duas ou três semanas, pois então MacBain terá retornado.


Lorde MacKay adotou uma expressão zangada.


— Hermione MacKay! — gritou.


— Sim, pai?


— Já se casou?


Hermione desceu os degraus, começou a cruzar o pátio e respondeu com um matiz de medo na voz:


— Não, pai.


— Isso significa guerra — gritou lorde MacKay, enquanto lhe inchavam as veias do pescoço.


Ronald moveu a cabeça.


— MacBain não tem tempo de brigar contra você. — afirmou — Tem nas mãos uma batalha mais importante.


MacKay não soube se se sentia insultado ou não.


— Contra quem está lutando? Contra os Gillevrey ou contra os O'Donnell? São uns tipos escorregadios. Embora não importa qual dos clãs se trata, pois os dois estão mal treinados e pode derrotá-los em um dia.


— Lorde MacBain foi à guerra contra a Inglaterra, papai — mentiu Hermione.


Isso fez com que o pai lhe prestasse toda sua atenção.


— Bom, nesse caso está bem.


— Lorde MacKay, está ensopado. Não gostaria de entrar e esquentar-se junto ao fogo? — disse Gina no papel de anfitriã amável, tratando de acalmar o ancião — Depois de uma viagem tão longa deve estar faminto — acrescentou, enquanto descia os degraus.


— Não tenho fome e não sei por que precisaria me esquentar. Hoje faz tanto calor como sempre.


— Pai, entre, por favor.


Lorde MacKay negou com a cabeça.


— Não me moverei daqui até escutar o nome do homem que te fez cair em desgraça, Hermione. Quero saber agora mesmo quem é meu genro. Moça, quem é o MacBain que te envergonhou?


— Não se trata de nenhum MacBain — respondeu Hermione com voz tremula. Gina tentou silenciá-la antes que dissesse outra coisa.


Hermione moveu a cabeça.


— Tem que sabê-lo — murmurou.


— O que disse? Não foi um MacBain? — perguntou o pai.


— Pai, por favor me escute. — implorou Hermione — Devo explicar o que aconteceu.


— O único que quero escutar é o nome do homem com o qual vai casar.


Enquanto durou a discussão entre pai e filha, Ronald não disse uma palavra: parecia totalmente desinteressado. Mas quando Hermione passou junto a ele para aproximar-se do pai, o barão a segurou pelo braço para impedi-la de seguir.


— Ronald! — sussurrou Gina.


— Diabos! — murmurou Ronald.


A atitude de Ronald confundiu Hermione.


— Por favor, me solte. Este assunto não lhe compete.


— Oh, sim — replicou o jovem.


Hermione negou com a cabeça. Ronald assentiu.


— Hermione MacKay, sou responsável por você, e me deve obediência. Não dei permissão para ir a lugar algum. Fique atrás de mim e não se mova — disse em tom autoritário e duro.


Hermione ficou tão estupefata que não tentou discutir e se voltou para Gina em busca de auxílio, mas a irmã de Ronald encolheu os ombros. Parecia tão confusa quanto Hermione pela atitude do irmão.


— Obedeça.


Sem tempo de pensar, Hermione obedeceu. Situou-se detrás de Ronald e ficou nas pontas dos pés para lhe sussurrar:


— Não é responsável por mim.


Ronald lhe respondeu em outro sussurro:


— Serei.


Hermione não compreendeu o que Ronald dizia, mas Gina sim e se aproximou do irmão. Remus apareceu de algum lugar e lhe obstruiu a passagem. Era evidente que não queria que Gina se aproximasse de lorde MacKay.


Gina ignorou a interferência do soldado.


— Ronald, tem certeza de que quer fazer isto?


O irmão não respondeu. Lorde MacKay deu um passo adiante e tentou agarrar à filha.


— MacBain me prometeu um casamento. — afirmou — E não é homem de quebrar suas promessas.


— Não, é verdade. — afirmou Ronald — Haverá um casamento.


O lorde se apaziguou. Resmungou baixinho e fez um brusco gesto de assentimento.


— Papai, não há...


— Moça, cale-se enquanto eu arrumo os detalhes — ordenou o pai, sem afastar o olhar de Ronald — E quem é meu futuro genro?


— Eu.


Lorde MacKay ficou com a boca aberta e pareceu que os olhos iam saltar das órbitas. Negou com a cabeça e retrocedeu um passo afastando do inglês.


— Não! — vociferou.


Ronald não o deixou retroceder.


— Sim! — respondeu com ênfase.


Hermione agarrou o casaco de Ronald tentando afastá-lo.


— Você está louco? — perguntou.


Gina afastou Remus do caminho e ficou junto a Hermione.


— Solte-o — ordenou.


Hermione começou a protestar contra a absurda afirmação que Ronald acabava de fazer ao seu pai, mas Gina a conteve segurando-lhe a mão e sussurrando que esperasse até mais tarde para discutir.


— É um artifício? — perguntou Hermione, acreditando que Ronald se precipitava a fazer uma promessa para ganhar tempo.


— É possível — concedeu Gina, sabendo que o irmão nunca dizia algo que não estivesse convencido. Certamente, casaria-se com Hermione MacKay e a expressão decidida do irmão era indicação de que ninguém o impediria, nem mesmo uma noiva relutante.


— Você é inglês! — gritou o lorde — Nem pensar!


Ronald não se alterou diante da fúria do velho. Pelo contrário, sorriu e disse:


— Não necessito um dote substancial.


— Hermione MacKay! Por que não enfia uma adaga e as clavas no coração de seu pai? — gemeu o lorde.


— Mas, pai...!


— Silêncio — ordenou Ronald sem tirar o olhar do pai de Hermione. Esperava que o homem se lançasse sobre ele ou se controlasse.


Gina tentou acalmar Hermione, mas era difícil fazê-lo ao mesmo tempo em que prestava atenção ao lorde. A reação desse homem a assombrava. Os lordes não estavam acostumados a chorar, mas o pai de Hermione parecia a ponto de fazê-lo. Não tinha dúvida de que lhe custava aceitar o anúncio de Ronald.


— Um barão inglês casado com minha filha? Antes morreria!


Gina deixou de esfregar o ombro de Hermione e se adiantou.


— É um barão muito rico — exclamou.


O lorde a olhou com uma expressão que a Gina pareceu indignada.


— Nesta situação a riqueza não está em discussão. — murmurou — É muito rico?


Uma hora depois, Ronald e Hermione estavam casados.


 


Não houve tempo para celebrações. O padre MacKechnie acabava de benzer a união quando Michael entrou correndo no salão em busca de Remus ou de Ronald para lhes informar das novas.


Viu primeiro o barão.


— Um de nossos soldados que estava patrulhando a fronteira acaba de chegar. —disse — Avistaram soldados ingleses que avançam para cá. É um exército, barão, e estão a uma hora de viagem.


— Quantos são? — perguntou Remus.


— Muitos para contá-los — respondeu Michael.


Ronald soltou um grito tão violento e transbordante de fúria que deve ter sido ouvido até nas Lowlands.


O rei o tinha traído: o laço entre vassalo e monarca estava destruído. John tinha mentido, pois em lugar de mandar um mensageiro com sua escolta tinha enviado um exército.


Em menos de uma hora o castelo seria sitiado. Imediatamente, Remus se encarregou de preparar a área para um ataque posicionando guardas ao longo dos muros, e Ronald assumiu a responsabilidade de comandar um contingente de homens até a colina para sair ao encontro dos soldados ingleses pela lateral.


Disseram ao lorde MacKay que fosse para seu feudo antes que começasse a batalha, mas se negou e montou a cavalo para combater junto ao genro. Ordenou a seus homens que cavalgassem com a velocidade de um raio para seu próprio castelo e que reunissem às tropas. Ronald não pôde menos que agradecer a intervenção do lorde: sabia que necessitaria cada soldado que estivesse disponível.


Hermione não conseguia decidir entre se desesperar porque casou com um inglês ou ajudar na batalha contra os invasores. Quando Ronald se dispunha a sair, Hermione segurou as saias e correu atrás dele.


— Barão, não se atreva a me deixar viúva! — exigiu — Quero uma anulação, não um funeral.


Ronald agarrou o potro, segurou as rédeas em uma das mãos e se voltou para a noiva:


— Não obterá nenhuma das duas coisas — afirmou.


Hermione não soube o que dizer. Ronald a contemplou um longo momento e em seguida decidiu que não tinha mais tempo a perder com a recente noiva e se dispôs a partir.


— Espere.


— Sim?


As palavras lhe escapavam e simplesmente se jogou nos braços do noivo. Ronald soube o que tinha que fazer: soltou as rédeas, rodeou com os braços à noiva tremula e lhe deu um beijo transbordante de promessas, compromisso e uma boa dose de luxúria.


— Hermione MacKay, com o cabelo curto parece um moço, mas não há dúvida de que beija como uma mulher!


Hermione perdeu o fôlego e não conseguiu recuperar-se até que viu que o marido se afastava.


— Cuide do papai! — gritou.


— Farei isso, moça. Fique lá dentro e não saia.


Ao dar a volta para obedecê-lo Hermione viu Gina que corria pelo pátio.


— Gina, aonde vai? Aqui corre perigo.


Gina não a escutou e continuou correndo para a cabana de Alvo, ao mesmo tempo em que chorava.


Assim que a viu, Alex começou a soluçar. Gina pegou o menino e o abraçou com força.


— Alvo, leve Alex ao meu quarto. Faço-o responsável por ele. Não deixe que lhe aconteça nada de ruim: prometa-me isso.


— Prometo. — disse o ancião — E onde você estará enquanto eu cuido do pequeno?


— Não tenho tempo de explicar. — respondeu Gina — O rei John enviou um exército quatro vezes mais numeroso que o nosso.


— Garota, em outras ocasiões sobrevivemos e agora também o faremos.


Gina não podia ser razoável, pois o custo era muito alto para ela. Não queria que morresse um só homem por seu próprio conflito com o rei da Inglaterra. Estava convencida de que era a única capaz de impedir o massacre.


— O rei traiu meu irmão. Armou uma cilada, Alvo, e eu usarei a verdade para deter a luta antes que seja tarde.


Gina beijou Alex e o deixou ir com Alvo.


— Vá. — lhe murmurou — Preciso saber que os dois estarão a salvo.


— Se a situação se tornar muito ameaçadora, me esconderei junto com o menininho. Trarei-o de volta quando tudo terminar.


— Como sairá fora do recinto?


— Eu tenho meus recursos. — se gabou Alvo — Moço, deixe de chorar. Teremos aventuras. Procuremos sua espada de madeira e liberemos nossa própria batalha.


Gina permaneceu um momento na cabana de Alvo; ajoelhou-se e rezou para ter coragem.


Terminou as preces, fez o sinal da cruz e se levantou. Hermione e Remus estavam na porta observando-a.


— Milady, as colinas formigam de ingleses. — informou Remus — Acharemos um modo de tirá-la daqui: não poderemos resistir contra um exército tão numeroso.


Hermione se esforçava para não chorar.


— Matarão papai e Ronald. Gina: nunca vi tantos soldados. Não sei o que vamos fazer.


—Tenho um plano. — afirmou Gina — Virão me buscar, não é mesmo? E você, Remus, simplesmente me entregará.


Remus moveu a cabeça.


— Não posso, milady.


— Não tem alternativa nesta questão. — replicou a mulher — Escute com atenção: pegaram-nos de surpresa, não é?


Esperou Remus assentir e continuou:


— Se tivéssemos tido tempo de nos preparar, o que você teria feito?


— Chamado nossos aliados. — respondeu Remus — E quando chegassem, superaríamos em número o inimigo. Neste mesmo instante corre a notícia pelas Highlands, pois a notícia de que há um exército tão abundante se estenderá como o fogo. Mas a maioria de nossos aliados está no norte, e possivelmente se inteirem agora das notícias. Virão.


— Mas será tarde, não?


— Sempre há esperanças, milady.


— Também há um plano melhor. — respondeu a senhora — Se eu me entregar por minha própria vontade aos soldados ingleses, estes retrocederão.


— Mas a levarão de volta a Inglaterra! — exclamou Hermione.


— Farão, se Remus não conseguir organizar um ataque a tempo. Quanto tempo levará reunir homens suficientes?


— Um dia inteiro — respondeu o soldado.


— Harry ainda não deve ter chegado à Inglaterra: saberá. Agregue-o a suas forças.


Gina continuou tentando convencer o comandante, mas Remus não estava de acordo com esse plano e insistia em que daria sua vida para salvá-la.


Então, Gina recorreu a um estratagema para conseguir o que queria: fingiu dar-se por vencida. Remus pediu que voltasse para salão grande e aguardasse ali com Hermione até que ele enviasse homens para tirar as duas às escondidas do castelo.


Gina assentiu. Começou a ascender à colina junto com Hermione, mas assim que Remus voltou a montar e se afastou, virou para a amiga.


— Terá que me ajudar. — lhe disse — Sabe que é o único modo, Hermione: não me farão mal.


— Não pode saber, Gina. — sussurrou Hermione, assustada — E o que me diz de seu filho?


— Estaremos bem. Draco não sabe que estou grávida e as dobras da túnica dissimulam. — Fez um gesto decidido — Estaremos bem.


— E se o barão Draco conduz o exército? Como evitará que a machuque?


— Não esqueci como me proteger. — respondeu Gina com voz transbordante de tristeza — Tratarei de não incitar a fúria do barão. Hermione, eu amo meu irmão e todos esses bons homens que estão ali. Não posso permitir que morram por minha causa.


— Deus amado, não sei o que fazer!


— Por favor, me ajude.


Por fim, Hermione se rendeu e fez um breve gesto de assentimento.


— Não está assustada, Gina?


— Oh, sim. — respondeu — Mas o temor não me domina. No fundo, sei que meu plano é efetivo. Harry me encontrará.


As lágrimas rolaram pelo rosto de Hermione e esboçou um sorriso forçado para dissimular seu terror.


— Queria ter alguém como Harry a quem pudesse amar e em quem pudesse confiar.


— Oh, Hermione, você tem! Ronald é tão gentil e bondoso quanto meu marido.


Então, o sorriso da amiga se tornou autêntica.


— Senhor, esqueci que estou casada! — exclamou — Vamos, temos que sair daqui antes que eu também esqueça que tenho coragem.


As duas mulheres mudaram de direção e correram para a entrada dos estábulos. Vinte minutos após, depois de vários subterfúgios e enganos, Gina saía do castelo e descia a colina.


Retornava ao inferno. Mas quando avistou Draco cavalgando em sua direção, o coração não parou e o estômago não se contraiu de terror.


Gina já não estava assustada e sim decidida: tinha um plano sólido.


Tinha Harry.


 

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 0

Nenhum comentário para este capítulo!

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.