FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

ATENÇÃO: Esta fic pode conter linguagem e conteúdo inapropriados para menores de idade então o leitor está concordando com os termos descritos.

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

1. Cap Único.


Fic: NC-16 APRISIONADA. LandaMS. Comentários?


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

Aprizionada


 


O batom carmim deslizou pela boca dando forma acentuada aos lábios bem feitos. Era sua obrigação estar impecável. Ele jamais a perdoaria se ela fosse vê-lo vestida de qualquer jeito.Seu closet exclusivo estava repleto de tudo que uma mulher desejaria ter no guarda-roupa. Mais ela desejava colocar tudo no jardim e atear fogo. Odiava aquele lugar, odiava todas as lembranças que aquela mansão despertava nela desde o dia em que foi obrigada a morar ali. Tudo culpa de seu pai. Adoraria coloca-lo no meio da fogueira que faria com seus “pertences” e deixa-lo queimar até os ossos virarem cinzas. Como fizeram com sua mãe. Como ele foi idiota em aceitar um acordo daqueles. Acreditar em comensais da morte? Para no fim acabar como os amigos dela. Todos mortos.


Amarrou os fios da sandália preta em torno do tornozelo, olhou-se no espelho. Teve nojo do que viu.  Do que havia se tornado. Uma verdadeira prostituta.


O corpete preto acentuando a cintura fina. Elevando os seios de forma que os deixassem um pouco visíveis. A saia de tecido fino maleável e curta revelando pernas bem torneadas. Os cachos, agora, domados emoldurando o rosto perfeito de pele branca com sardas quase transparentes na região do nariz, os lábios extremamente vermelhos em fusão do batom que acabara de retocar. Como ele lhe dissera uma vez, “O pecado em forma de mulher”. Se não fosse pela ocasião, até acharia a frase engraçada. Imaginou Rony todo rubro de vergonha lhe dizendo essa frase. Sorriu pelo nariz. Irônico. A pessoa mais detestável da face da terra foi quem lhe dissera.


A porta se abriu e um elfo doméstico passou por ela.


_O mestre mandou Dick avisar que a senhorita pode descer.


_Obrigada Dick.


_Dick só faz o que me mandam fazer, srta. Granger.


Hermione sorriu para o elfo enquanto este se retirava de seu quarto.


Voltou a encarar o espelho se olhando dos pés a cabeça para ver se estava tudo no lugar.


_Impecável. – Murmurou para o próprio reflexo.


Deu alguns passos até a porta esperando até ela se abrir. Tudo na mansão era realizado através de mágica. Apenas uma pessoa tinha o poder de realizar feitiços em qualquer canto da mansão. Hermione estava restrita apenas ao seu quarto. Os elfos apenas a algumas partes da casa. Os seguranças a nenhuma. Segundos depois revelava-se um pequeno corredor até a escadaria que a levaria até a sala de visitas, depois a de jantar, biblioteca e finalmente ao escritório.


A mão escorregando pelo corrimão na intenção de se apoiar para não cair por causa do salto quinze que usava a deixava mais elegante apesar da roupa sexy que vestia.


O olhar de um comensal que cuidava da segurança da casa a seguiu até ela desaparecer no cômodo seguinte. Andou mais um pouco até a sala de jantar onde a mesa estava posta. Ele já estava sentado no lugar de sempre. A pose de um rei esperando sua rainha.


Hermione não podia negar. Era impossível negar isso. Absolutamente impossível.


Draco Malfoy era uma verdadeira perdição. Loiro, cabelo liso caindo nos olhos azuis acinzentados, que de vez em quando ele tentava jogar para trás na tentativa de tirá-los da frente do rosto. Corpo escultural, de fazer qualquer homem malhado morrer de inveja, 1,89m de altura, que mesmo Hermione estando quinze centímetros mais alta, ele ainda era mais alto seis centímetros. Lábios bem feitos, rosto sem nenhuma mancha do tempo, pele bronzeada e com gosto de menta e uísque de fogo. O terno preto importado de alguma loja francesa. Essa cor cai-lhe muito bem.


O sorriso cínico ao vê-la deslizar até a cadeira ao seu lado a tirava do sério. O odiava mais ainda do que aquela casa, suas roupas, seu quarto. Adoraria tortura-lo até a morte por obrigá-la a viver ali sob suas ordens. Viver trancafiada naquela mansão, sem poder sair sozinha.


Hermione observou ele erguer a mão e com o estalar dos dedos um serviçal se aproximar e puxar a cadeira para que ela se sentasse.


O serviçal se aproximou rapidamente fazendo o que o mestre queria.


Hermione sentou-se murmurando um “obrigado” tímido.


O serviçal não ousou responder. Eram todos proibidos de falarem com ela. E aí daquele que se atrevesse. os elfos eram excessões. Draco Malfoy mandava e desmandava. Agora era o “Lord”. Não o das Trevas, porque essa era já passara. Mas Voldermort deixara um legado. Draco Malfoy ainda era um comensal, o homem mais rico e poderoso do mundo bruxo. Tanto, que agora tinha sua própria escolta de comensais da morte.


Eles não eram verdadeiros comensais como Hermione gostava de “elogiá-los” em segredo, mais eram homens contratados para guardar a casa e as empresas Malfoy. E todos temiam seu mestre. Sabiam do que ele era capaz. Seu passado negro como suas roupas o condenavam.


Enquanto comiam, Hermione podia sentir o olhar dele a queimando. Evitava olhar para ele em todos os momentos, na esperança de que hoje ele não a desejasse. Mas parecia ser impossível. Toda vez que o garfo de prata entrava em contato com a língua, Hermione se sentia o prato servido naquela noite. Estrogonofe de frango com salada e arroz branco. Vinho tinto para acompanhar. Ele saboreava como se fosse ela. Estava começando a ficar incomodada com a intensidade com que seus olhos a avaliavam. Costumava ser pior quando o jantar transcorria silencioso demais. Gostava mais quando ele a provocava e Hermione respondia como uma criança mal criada. Apenas o barulho dos talheres em contato com a louça de porcelana chinesa era mal sinal.


Procurou se alimentar o mais rápido que a etiqueta social lhe permitia, acabando primeiro que ele e passando para a sobremesa. Sorvete de uva com calda quente de amoras importadas do Brasil.


Sete colheradas e a taça de cristal estava quase vazia, quando percebeu uma pequena movimentação ao redor. Olhou em volta e viu quando o ultimo serviçal saiu da sala fechando a porta dupla pelo lado de fora. O olhar voltou a analisar a louça sobre a mesa. O desconforto cada vez maior.


Depositou a colher sobre o pires. As mãos colocando uma mecha de cabelo atrás da orelha para segundos depois deposita-las sobre o colo. Voltando em seguida para o rosto e limpando uma sujeira inexistente na face limpa e levemente maquiada. Apenas os lábios se destacavam por causa do batom vermelho.


Draco não se moveu um milímetro. Apenas a observava.


Não agüentando tanta tensão, Hermione resolveu sair da sala.


_Vou para meu quarto.


Talvez o estivesse desafiando, mas não estava nem ligando. Estava acostumada a enfrentá-lo. Não seria nem a primeira, nem a ultima vez que o faria. Vinha fazendo frequentemente. Mas também sofria castigos na mesma proporção.


Afastou a cadeira decidida a sair, mas quando caminhou quatro passos para longe do lugar onde estava sentada, foi bruscamente impedida por mãos fortes. Virada com violência e prensada contra a mesa, estava impedida de sair da sala de jantar.


_Não mandei você sair Granger. – Draco falou ríspido, olhando bem fundo nos olhos amendoados e brilhantes.


_O que você quer? – Hermione perguntou num sussurro.


O olhar percorreu dos olhos para a boca convidativa.


_Minha sobremesa.


A frase se tornou tão baixa que Hermione quase não entendeu o que ele dissera. Apenas sentiu os lábios dele mergulharem nos seus sem cerimônia.


A língua pediu passagem e Hermione não teve alternativa se não retribuir o beijo. Imaginou que se retribuísse ele não passaria de beijos. Mas o volume entre as calças dele a fez se arrepender imediatamente.


Seu corpo era esmagado entre a mesa e o corpo do seu Senhor, impedindo-a de dar sequer um único passo.


Ele parecia ter dez mãos e estavam em todas as partes do seu corpo.


Hermione resfolegou e tentou empurra-lo pelo peitoral, mas Draco era mais forte e se vendo rejeitado acabou se enfurecendo.


Os dedos apertando os braços delicados a empurraram de encontro a uma parede próxima.


_Fica quieta. Não me obrigue a ser violento com você Sangue-Ruim maldita.


_Me solte. – Hermione ainda pediu lutando contra ele. As lagrimas já rolando pelo rosto.


_Sooolto. – A voz sussurrada e garregada de sarcasmo a fez tremer. – Assim que eu tiver o que quero.


Os lábios já borrados de batom voltaram a capturar os lábios dela. Que dessa vez não fizeram objeções. Quanto antes começasse mais cedo terminaria e ficaria livre pelo menos por algum tempo da presença dele. Fechou os olhos. Deixou-se dominar.


Salgado das lagrimas e doce do sorvete e da calda se misturaram com a cremosidade da sustância saborizada do batom, dando um gosto único que estava deixando Draco Malfoy enlouquecido e sedento por mais.


Direcionou os beijos para outras partes do corpo dela deixando marcas na pele macia do pescoço, colo e perto dos seios.


Hermione gemeu com a mordida que recebeu na curva do pescoço. Chegou a se encolher um pouco.


Draco a olhou por breves segundos antes de beijá-la profundamente.


Abraçando Hermione pela cintura e a erguendo no ar, ele caminhou com ela até a mesa colocando-a sentada no tampo de mogno. Encaixou-se entre as pernas dela e apertou as coxas com vontade.


Hermione puxava seus fios de cabelo com força, tentando inutilmente atribuir à mesma violência com que Draco tratava seu corpo. Mas mal sabia ela, que Draco interpretava seus gestos como incentivo para que continuasse aprofundando as carícias.


Os dedos procuraram o zíper do corpete.


Hermione sentiu as costas gelarem, os seios serem libertados e a boca de Draco sugar um deles. Gemeu.


_Vamos lá pra cima? – Draco convidou, sussurrando em seu ouvido.


Antes mesmo de Hermione absorver o que ele acabara de dizer, se viu erguida no ar, suas pernas em volta do quadril dele, e sua boca devorando a dela.  A posição em que estava, fazia com que seus seios ficassem esmagados contra o peito dele, e as coxas mais visíveis em função da posiçaõ ter erguido a saia para cima. 
Eles nem notaram o olhar espantado e invejoso do segurança parado perto da porta de saída quando apareceram no hall.


Os degraus foram obstáculos superados facilmente. Assim como a porta do quarto dele.


Ele a prensou na parede mais uma vez, aprofundando ainda mais o beijo.


Da parede para a cama foi um pulo.


Hermione foi jogada e pareceu não se importar com o ato brusco.


Já estava completamente envolvida e desejosa. Queria urgentemente ter seu “Senhor” investindo contra ela. Acariciando seu corpo.


Draco parecia enfeitiçar quando a solicitava dessa forma. Hermione se via envolvida, por mais que tentasse resistir, não conseguia. Estava e ficava completamente aprizionada nos olhos dele.


Observou ele se despir por completo e debruçar sobre o corpo dela na cama.


Seu pescoço foi à primeira parte do corpo dela que ele atacou. Passando para o colo e pulando para os lábios.


A mão acariciou a coxa, fazendo a mesma se encaixar em seu quadril. Hermione sentiu a masculinidade dele tocar sua intimidade.


Também sentiu os dedos grandes deslizarem a lateral da sua lingerie para baixo.


A pele toda arrepiou com o toque dos lábios gelados em sua barriga, um segundo antes dele se ajoelhar para despi-la da calcinha e da saia.


As sandálias também foram tiradas com calma, sendo jogadas aos pés da cama.


Pronto. Estava à mercê dele. Completamente nua e desejosa. Ela acreditava piamente que nessas horas era enfeitiçada, e que tudo que ele fazia era dar prazer a ambos.


Isso não podia negar.


Draco ergueu a perna direita dela para depositar um celinho no tornozelo. Foi descendo lentamente pela canela, deixando beijos pelo caminho, sentindo a maciez da pele lisa e sem pêlos. Passou para a outra coxa, antes de chegar ao seu objetivo. Mordeu levemente a parte interna fazendo Hermione ofegar por antecipação.


Hermione viu Draco Malfoy desaparecer entre suas coxas.


Seu corpo arqueou assim que sentiu a língua dele lhe tocar a intimidade.


Draco fez maravilhas ali, que fizeram Hermione entrar em estado de êxtase em questão de minutos.


As unhas bem feitas agarraram o lençol de cetim verde enquanto o corpo arqueava mais uma vez. Ondas elétricas subiram por sua espinha dorsal até se espalharem pelo resto do corpo, fazenda a tremer por completo.


Draco saboreou todo o prazer dela.


Subiu deslizando a língua pela barriga, entre o vale dos seios até o lóbulo da orelha esquerda onde mordiscou suavemente.


_Você é uma delicia.


Hermione não ousou responder. Não porque não quisesse, mas porque ainda estava entorpecida demais para falar com clareza.


Malfoy se ajeitou e impulsionando o quadril para frente a penetrando precisamente, fazendo com que Hermione gemesse mais alto.


Gemidos esses que se tornaram freqüentes à medida que ele se movimentava.


Hora ou outra ele roubava beijos dela, abafando os gemidos e transformando em suspiros que escapavam entre os lábios.


Mudança de posição e Hermione estava por cima, comandando o ato.


Levou as mãos ao cabelo, prendendo os fios entre os dedos.


Draco ergueu o tronco de modo que sua boca teve acesso aos seios dela.


Hermione observou Draco lamber, sugar e até mesmo mordiscar os mamilos intumescidos enquanto subia e descia sobre o membro dele.


Jogou a cabeça para trás dando mais acesso aos lábios de Draco que não recusou o convite tentador. Fez mais foi aproveitar o banquete.


Outra mudança de posição e Malfoy estava novamente por cima. Investiu sem piedade contra ela. Seu quadril se movimentando super rápido. Outra avalanche de sensações dominou o corpo de Hermione e quando estava quase alcançando o clímax, Draco saiu de dentro dela para sua decepção. Que durou milésimos de segundos, pois ele voltou com mais força, fazendo a vontade retornar instantaneamente. Ao mesmo tempo em que sentia o auge do prazer dele preencher-lhe por dentro liberava o seu.


Um ultimo jato de fluído e ele se viu aliviado. Pelo menos por aquela noite.


_Adorei minha sobremesa. Sussurrou no ouvido dela.


Mas então percebeu que ela não estava ouvindo (ou fingia não ouvir). O sono pós-sexo já começava dominá-la.


Sorriu levemente pela descoberta e ao sair de dentro dela, seus fluidos pingado no lençol, percebeu que ela estava em suas mãos há muito tempo. Teria Hermione Granger até que enjoasse.


E tendo consciência de como ela era na cama, tinha certeza de que isso demoraria uma eternidade para acontecer.


Rolou para o lado vendo Hermione virar de costas para ele. Aproveitou e encaixou o corpo ao dela num molde perfeito.


Sentido a respiração dela serena, suspirou.


_Você foi feita exclusivamente pra mim, Hermione. – Intercalou a frase com um beijo no ombro dela. – Só pra mim.


Hermione ronronou como uma gatinha recebendo carinho, mas não acordou.


Draco depositou outro beijo, dessa vez na curva do pescoço dela, que não se mexeu.


Fechando os olhos Draco deixou o sono domina-lo, mas tendo a certeza de que noites como aquela e muitas outras voltariam acontecer mesmo contra a vontade dela. Disso tinha absoluta certeza. 


Fim.


Cris ou Crik_Snap para os que não a conhecem. Anjo, coração, flor... tantos adjetivos e nenhum capaz de definir o meu carimho por uma pessoa que mora tão longe de mim.  E que por causa da net nos aproximou.
 Não podia deixar de escrever uma fic de niver para a minha primeira beta. A que me encentivou em tantos cap's e que infeliz mente teve que me deixar por falta de tempo. Mas essa fase eu superei com muita dor, mas superei. Espero que goste desse presente simbólico que escrevi para vc. Vc merece muito mais. Meus parabéns e que Deus ilumine seus caminhos.  Bjos de sua fã, e mais uma vez espero que goste da fic.

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 7

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por LoLa Malfoy em 28/07/2017
linda!
Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por RiemiSam em 16/04/2013

Elogiar é pouco para vc. Sou nova aqui, pois antes só lia no NYAH! Mas me cadastrei e tive contato com suas maravilhosas FICs. Adorei. Ganhou uma leitora/fã. 

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Minerva Lestrange em 10/02/2012

Também acho que merece continuação e obviamente concordo que ele quem está aprisionado. heheh! Muito legal!

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por silvia xavierdos santos em 09/02/2012

Bobo,mal sabe que quem está aprisionado é ele...Parabéns

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Aylane Cristina Macedo em 27/12/2011

Merece mesmo continuação, muuito boa ^^

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Naaty A. Silva em 26/11/2011

Concordo! Tá tão ótima que merece continuação!

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Angel_Slytherin em 08/07/2011

Lindo!! Eu acho que merece uma continuação hein?! =) ehehhee. 

Beijos
Angel_S

Nota: 5

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.