FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

ATENÇÃO: Esta fic pode conter linguagem e conteúdo inapropriados para menores de idade então o leitor está concordando com os termos descritos.

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

35. Capitulo 35


Fic: A Caricia do Vento. - Concluida - Dramione


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

- Não sei o que quer dizer.


 


Ergueu os olhos para fitá-lo cautelosamente.


 


- Já entraram em contato com os meus pais?


 


Uma máscara desenhou-se sobre as feições vagamente juvenis, tornando-as duras e dissimuladas.


 


- Não posso lhe responder, Sra. Weasley - replicou Potter, formalmente.


- Pelo amor de Deus, me chame de Hermione! - declarou, agitada. - Não quero que me lembrem Rony!


- Não foi minha intenção, Hermione - retrucou Potter, descontraindo-se ligeiramente.


- Quando o resgate for pago, serei solta? - indagou, aproveitando-se do vestígio de compaixão na voz dele.


- Não sei por que não, se o resgate for pago.


 


Ele deu de ombros e recomeçou a andar.


 


Muito distante, soou um lamento solitário. Ela parou, prestando atenção para ver se ouvia o som de novo.


 


- O que foi isso? - murmurou.


 


Potter lançou um olhar para o sul.


 


- Um trem... a ferrovia Chihuahua Pacífico, que vem do lado mexicano de Presídio, Texas, atravessa as Sierras e o Copper Canyon até a costa do Pacífico. Dependendo do vento, a gente pode ouvir o seu apito ecoando pelas montanhas.


- A quanto tempo fica daqui? - indagou ela, uma nota ansiosa na voz.


- Voando não sei, talvez não longe, mas são cem milhas de terreno árduo, se tentasse chegar lá a pé. Não conseguiria, Hermione - comentou secamente.


 


Ela apertou os lábios. Recusou-se a admitir que passara pela sua cabeça a idéia de chegar lá, caso lhe aparecesse uma oportunidade de fugir. Potter parou.


 


- Vamos mudar de assunto - sugeriu, tentando tornar mais leve a tensa atmosfera. - Diga-me, há outras como você em casa?


- Sou filha única – disse a castanha -, o que é bom para vocês, já que meus pais pagariam qualquer coisa para me ter de volta.


 


Potter ignorou o sarcasmo.


 


- Tenho um irmão mais moço.. É um atleta nato... basquete, corridas. Quando estava no penúltimo ano da escola secundária, fez parte da lista dos melhores atletas como jogador de meio de campo. O treinador achava que tinha praticamente garantida uma bolsa de estudos para a universidade, quando se formasse. - Potter ficou pensativo. - Será que a conseguiu?


- Sente falta de sua família, não é? - comentou Hermione meigamente, sentindo de repente uma afinidade com ele.


 


Por um momento sentiu que ele começava a se retrair, preparando-se para negar a afirmativa dela. A seguir, sorriu, um brilho malicioso movendo-se nos seus olhos azuis.


 


- Sabe do que sinto falta? - Pareceu rir baixinho de si mesmo. - De um sundae de caramelo quente, com montes de creme batido, castanhas e uma cereja em cima. Chego a sonhar com isso de noite; às vezes, sinto um desejo tão grande que acho que vou ficar maluco se não tomar um.


 


Hermione sorriu.


 


- Um caso violento de paixão por doces.


- É - concordou Potter, os olhos brilhantes fitos nos dela. - E piorou depois que você chegou. - Como se tivesse percebido subitamente o que dissera, virou-se, deixando o espaço entre eles ficar maior. Agora caminhavam por entre os cavalos, e o moreno passou a mão pela anca de um cavalo de pelo castanho. - Quer dizer que é filha única?


 


Hermione hesitou, depois deixou que ele mudasse de assunto.


 


- É isso aí. Mimada e paparicada, uma fedelhinha rica, como Ronald costumava dizer.


- Falando carinhosamente, é claro - sorriu Potter.


- Não. - Notou o brilho da sua aliança, ao olhar para baixo. - Falando invejosamente, acho.


- Isso faz parte do motivo pelo qual você não está exatamente chorando a morte dele? - indagou, olhando para o perfil dela.


- Rony, na verdade, se interessava muito mais pelo meu dinheiro do que por mim. Gostava da sensação de poder que ele lhe oferecia - respondeu Hermione sem muito interesse.


- Por que está me contando isso?


 


Quando Hermione ergueu os olhos, ele a fitava com um toque de ceticismo no olhar.


 


- Não sei. Talvez porque você me tenha falado da sua família. Ou talvez porque eu tivesse que admiti-lo em voz alta, e ouvir as palavras - respondeu devagar. - Talvez queira que você seja meu amigo.


- Por quê? - insistiu Potter.


- Porque eu o faço lembrar-se de sundaes de caramelo quente, suponho. - Tentou brincar com ele, para que abandonasse o ar interrogador. - E importa o porquê?


- Talvez. - Olhou-a dos pés à cabeça. - Talvez você esteja querendo me dominar.


- E eu o conseguiria!?


 


Hermione inclinou a cabeça para o lado, deliberadamente provocante.


Potter levantou uma das sobrancelhas sardonicamente, antes de olhar para o outro lado.


 


- Tem a munição em todos os lugares certos.


 


Por trás do seu tom seco, Hermione pressentiu a concordância relutante. Não ficou surpresa ao saber que ele a achava atraente.


 


Mas era algo que ele apenas sugerira que interessava a Hermione. Embora Potter tivesse tentado cortar os laços com sua família e seu país, não conseguira fazê-lo integralmente. E Hermione Granger representava um elo com a pátria.


 


Como poderia conseguir tornar mais forte o elo e persuadi-lo a transferir a sua lealdade ao bando para ela? O uso do sexo era a resposta provável, mas ela a repelia com violência.


 


A caminhada tranqüila os havia levado à outra extremidade do prado. Um movimento à esquerda de Hermione chamou-lhe a atenção. Um garotinho se punha de pé, uma franja de cabelos negros caindo lhe sobre os olhos escuros. Parecia engolido pelo poncho cor de ferrugem que usava, assim como pelas folgadas calças marrons.


 


Hesitante, baixou a cabeça num cumprimento constrangido:


 


- Buenas tardes, señora, señor.


- Buenas tardes.


 


Hermione repetiu a frase com um sorriso levemente curioso.


Potter acrescentou o seu cumprimento ao dela.


 


- Já andamos bastante - falou, mudando de direção para retornar pelo prado. - É melhor voltarmos.


- Há muitas crianças por aqui? Já as escutei brincando do lado de fora.


 


Olhou para o conjunto disperso de casas de tijolo cru, vendo movimentos, mas incapaz de distinguir figuras àquela distância.


 


- Mais ou menos uma dúzia, creio, contando as crianças índias.


- Índias? - indagou Hermione.


- Havia umas duas famílias de índios tarabumaras morando aqui quando chegamos - explicou. - Vivem isolados, não se metem com a gente.


 


Hermione não procurou mais conversa enquanto voltavam para casa. Ele já lhe dissera tudo o que queria. Supunha que devia dar-se os parabéns por ter conseguido que Potter se abrisse tanto, embora as informações não tivessem nenhum proveito.

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 0

Nenhum comentário para este capítulo!

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.