FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

3. Três.


Fic: Lições do amor - HHr - Capítulo 22 ON LINE!


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

Três.


Lições do amor - o amor ensina mais do que se pode esperar.



Mesmo que tivessem se visto pela última vez algumas horas atrás, ela sentia-se ridícula enquanto caminhava em direção a casa dele. Não podia negar que queria vê-lo novamente, que tinha saudades do contato próximo que estabeleceram entre eles desde a festa, contudo não era apenas esse motivo que a levava até a casa de Harry. Queria lhe entregar um livro que havia dito que seria bom que o lesse antes da aula de monitoria, que seria no dia seguinte. Assim ele teria mais facilidade no desenvolver da matéria.


Porém as inúmeras hipóteses da recepção dela em sua casa a fazia querer dar meia volta em direção à sua própria casa. Talvez ele não quisesse que sua família tivesse conhecimento da relação que existia entre ele e a monitora. Uma nerd qualquer do colégio. Porém não iria desistir ao deparar-se já na frente da casa de Harry. Já tinha caminhado até lá e iria até o fim.


Subira os degraus da varanda da grande e bonita casa, totalmente diferente da pequena e humilde casa que dividia com a própria mãe, tocando a campainha. Suas mãos começara a suar frio e a idéia de que não devia ter feito isso a assombrara outra vez, fazendo com que desse as costas para a porta. Talvez se corresse ele não a veria e ficaria livre de uma recepção fria do moreno.


Contudo fora tarde demais ou ouvir a porta sendo aberta. Hermione se virou, lentamente, forçando um sorriso diante a expressão serena e sorridente da ruiva diante de si.


- Boa tarde. Posso ajudá-la?


Hermione assentira, lembrando-se de que a vira no colégio algumas vezes. Lembrou-se de quem ela era, Lily Potter, a mãe de Harry.


- Er... Sra. Potter, seu filho está? - perguntou timidamente. Usava um vestido florido, era simples como resto de suas roupas, e os cabelos estavam presos numa trança bonita.


- Está sim. Entre, eu vou chamá-lo. - Ela a convidou, dando passagem para que Hermione entrasse.


Ainda mais acochada, a moçinha entrou. Apertou o livro contra o peito, sentindo-se tão pequena dentro daquela casa imponente. Ficou até com vergonha de compará-la a sua. Na verdade ela caberia ali dentro da sala. Sorriu sem jeito a mulher ruiva, vestida tão elegante, e alisou o vestido.


Ela lhe sorriu de volta antes de subir a escada e desaparecer no andar de cima. Hermione suspirou, constrangida por estar ali. Realmente tinha sido uma péssima idéia. Pode notar o movimento de uma empregada na casa, fazendo-a sentir-se insignificante. De fato não podia entender como alguém como Harry Potter vira em si. Sua vida era confortável não apenas no colégio, como também em casa.


Distraidamente e nervosa caminhara pela ampla sala de visitas, seguindo até a lareira. Sorriu diante algumas fotos em porta-retratos sobre a lareira. Vira algumas fotos de Harry quando criança, até mesmo adolescente e sorrira diante a beleza que ele ainda mantinha.


Os passos de alguém descendo chamara sua atenção para a escada. Hermione virou-se, admirada pela visão que estava diante de seus olhos. Harry descia, terminando de fechar os últimos botões de sua camisa. Ele passou os dedos por entre os cabelos molhados, bagunçando-os ainda mais. Erguera seu olhar para a garota, sorrindo ao vê-la ali.


- Bem que quando minha mãe disse que tinha uma garota tímida me esperando eu imaginei que fosse você. - Harry disse se aproximando da morena.


- Eu... Eu... – gaguejou guardando um porta-retrato do qual nem percebera ter pegado. Por sorte não o deixara cair, era uma peça em cristal e estaria em sérios problemas se o fizesse. – Desculpe ter vindo aqui, mas precisava te entregar uma coisa.


- Não sem antes me cumprimentar devidamente. - Ele afagou a face corada de Hermione, beijando-a levemente nos lábios.


A morena estremecera, quando sentira os lábios dele sobre os seus. Imediatamente fechou os olhos, e deixou que Harry a abraçasse. Passando seus braços fortes ao redor dela. O beijo fora lento, e um tanto rápido. Inexplicavelmente para os dois, mas forte o bastante para fazer o coração da morena disparar. Quando findara o beijo, o rapaz sorrira mordiscando o lábio rosado de Hermione.


- Agora sim você pode dizer. - Harry sorriu satisfeito. - O que tem pra me entregar?


- Um livro. - respondeu erguendo-o. As mãos tremiam sem que pudesse evitar. - Seria bom que o lesse para facilitar o aprendizado da matéria da nossa aula, amanhã. Achei que gostaria...


- Você está tremendo. - O moreno rira, pegando o livro das mãos de Hermione e jogando-o no sofá. Ele acolheu as mãos da garota entre as suas, beijando cada uma delas e olhando-a nos olhos. - Fica calma.


Ela olhou para o livro, antes de encará-lo. Não conseguia manter a calma perto dele, e ainda tinha o fator luxo de sua casa. O que não ajudava em nada.


- Desculpe. Estou um pouco nervosa. - Hermione murmurou, sorrindo fino.


- Por quê? - Ele a tocou no queixo, forçando que seus olhos se encontrassem.


- Você sempre me faz perguntas difíceis. - disse e riu brevemente. - Eu já disse que me deixa nervosa, e não consigo mudar isso. Sou muito tímida, tanto que nem sei como cheguei aqui.


Harry rira, maneando a cabeça. Seus dedos afagaram o rosto de Hermione delicadamente, fazendo-a suspirar.


- Se você chegou até aqui é porque algo está mudando. E eu espero que se acostume logo com a minha presença.


- Não ligue pra mim, eu sou muito boba. - Hermione falou. - Bem, espero que leia mesmo o livro, e... - suspirou ouvindo a mãe de Harry falar com a empregada. - Acho que já vou indo.


- Por quê? Você acabou de chegar. - Indagou confuso.


Hermione suspirou, abraçando o próprio corpo e percorrendo os olhos, pela ampla e bem decorada sala em que estava. Harry a olhou por um momento e fora questão de segundos para decifrar o porquê dela querer embora e o porquê de estar mais reservada do que de costume.


- Hermione. - Ele a chamou, sorrindo. - Não devia sentir vergonha de quem você é. E tão pouco devia ficar envergonhada por estar aqui. Você é uma garota maravilhosa, já é motivo suficiente para que eu esteja com você.


- É que tenho umas coisas pra fazer em casa. - desconversou, ignorando o motivo que ele citara. - Tenho que fazer o jantar, antes de minha mãe chegar. E ajudar Richard com o dever de casa. Eu o deixei sozinho para vir até aqui.


Ele cruzara os braços, fitando-a seriamente. Pelo visto o argumento que Hermione usara não o convencera em nada. Contudo ele assentira, seria melhor deixá-la ir do que permitir que ela continuasse ali, constrangida em sua presença.


- Está bem. Se você está dizendo.


- Agente se vê na escola amanhã. - disse baixo, e em seguida escutara o telefone tocar.


- É assim que você vai se despedir de mim? - Ele indagou maroto ao erguer uma sobrancelha, ignorando o toque do telefone.


- Como quer que eu me despeça? - perguntou Hermione, dona de uma ingenuidade que fizera Harry sorrir fascinado.


Ele a puxou pela cintura, colando seus corpos. Seus lábios pressionaram aos dela e Hermione suspirou quando dera passagem para que a língua dele explorasse sua boca carinhosamente. O fato de estarem em sua casa, correndo o risco de ser visto aos beijos com uma garota por sua mãe não lhe importava. O que havia entre ele e Hermione não era segredo para ninguém em seu colégio, e queria que fosse assim com sua família também. Após cessar o beijo ele se afastou para olhá-la, vendo-a ruborizada.


- Fui claro agora? - Perguntou em um sussurro.


- Muito até... - respondeu corada. Então com um pouco mais de coragem, o beijou outra vez, mas não deixara que ele prosseguisse. - Agora tenho mesmo que ir.


- Está bem. Vemos-nos amanhã. - Harry a acompanhou até a porta, abrindo-a para Hermione.


Ela acenou antes de partir, e ele sorriu fazendo o mesmo gesto. Fechou a porta, e o sorriso não sumira dos lábios apenas, aumentara. Céus, como podia se apaixonar assim? E tão de repente. Caminhou até o sofá, e jogou-se nele, pegando o livro. Nem notara que a mãe havia entrado no cômodo, e estava observando-o sorrir feito uma criança.


- Querido? - Lilian o chamou.


- Eu. - Harry erguera seu olhar para a mãe, vendo-a sentar-se ao seu lado no sofá.


- Qual é o motivo de tanta felicidade? Vai sair com seus amigos hoje? - a ruiva perguntara, colocando ao se aproximar, a cabeça do filho em seu colo. - E porque sua amiga não ficou mais?


- Não, eu não vou sair. Preciso ler esse livro até amanhã. - Harry suspirou ao erguer o livro fechado de literatura para que a mãe o visse. - E ela não ficou mais porque tinha que ir embora.


- Meu Deus, desculpe o espanto, mas... Vai ficar em casa para ler um livro? - indagou surpresa, afagando os cabelos dele.


- Vou. - Respondeu rindo. - Depois que me aproximei da Hermione e a conheci melhor perdi a vontade de fazer certas coisas e passei a me interessar por outras.


- Isso é inacreditável, deixe só eu notificar o seu pai. - brincou beijando a testa de Harry. - Hermione, é a garota que esteve aqui, a qual vive suspirando por ela?


- Ela mesma. - Harry sorriu, olhando para a mãe. - Ela é diferente das outras garotas, sabe? Ela até treme quando está perto de mim.


Lilian rira, lembrando-se dela mesma quando enfrentou James pela primeira vez. Fora uma experiência memorável, já que ela garçonete, derrubara todo o café que ele pedira por tremer demais. De fato, Hermione, estava fazendo mudanças visíveis no filho. Ele nunca ficara trancafiado em casa para estudar, nem quando tinha provas, ou quando a matéria era sua preferida. E ainda, as mudanças no caráter era o que mais a deixava orgulhosa. Harry sempre fora um tanto cafajeste, e irresponsável. Talvez um pouco mimado, mas notava seriamente que ele estava amadurecendo. Se tornando uma pessoa melhor. Um homem melhor.


E estava ansiosa para ver as outras mudanças que viriam com o tempo ao lado da moçinha tímida.


- Filho, eu fico muito feliz em ouvir isso. Significa que ela é especial para você. Não é mesmo? - ele suspirou outra vez, e Lilian sorrira.


- Ela é. E muito. - Harry esboçara um largo sorriso, um tanto constrangido pelo que iria confessar. - Eu acho que estou me apaixonando por ela.


- Outra revelação surpreendente. Nunca confessou gostar tanto de uma garota assim. - a mulher dissera. - E pelo visto, acho que é correspondido. E devo acrescentar que formam um casalzinho lindo.


- Pelo menos você acha isso. - Comentou com pesar, desfazendo o sorriso. Notara o olhar confuso da mãe. - Meus amigos acham que Hermione não faz o meu tipo, justamente por ser a garota mais inteligente do colégio e não se preocupar com popularidade. Acham que só porque eu sou popular e capitão do time de futebol, eu mereça alguém dessa categoria.


- É... As coisas nunca mudam no colégio. Mas o que é importante é sua opinião. Se acha que Hermione é a garota certa pra você, seus amigos terão que entender... Se não o fizerem, é porque não são seus amigos verdadeiros. - Lilian disse, e sorriu. - E cabe a você ficar do lado dela.


- E é isso que eu vou fazer. - Harry sorrira novamente. - Eu demorei a achar uma garota que valesse à pena e agora que eu encontrei não vou desistir por causa disso.


- Esse é o meu filho. - ela rira, bagunçando os cabelos dele. - Porque não a traz aqui qualquer dia desses, eu vou adorar conversar com ela.


- Posso tentar. Não prometo muita coisa. Hermione é muito tímida, você viu. Sem falar que ela ficou totalmente sem graça só de entrar aqui em casa. Ela é muito humilde.


- Oh, eu não havia percebido, mas... Antes de nos casarmos seu pai e eu não tínhamos muita coisa. E aposto que depois que conversarmos um pouco mais, ela vai se sentir mais confortável. Sabe o quanto sou boa nisso. - comentou divertida. Olhou no relógio, e levantou-se com cuidado. - Vou terminar de vistoriar o jantar, antes que seu pai chegue do trabalho.


- Está bem. - Harry erguera a cabeça do colo da mãe, vendo-a se levantar. - Mãe. - Ele a chamou, fazendo com que ela o olhasse. - Obrigado pela conversa.


- É meu encargo ter esse tipo de conversa, já que seu pai não é a pessoa mais adequada para conselhos amorosos. - Lilian dissera e o filho rira. - Divirta-se com o livro, querido.


- Ah vai ser uma diversão e tanto. - Ele comentara sarcástico. A mãe rira enquanto seguia para a cozinha.


Harry abrira o livro outra vez, em uma tentativa de lê-lo. Porém sabia que o esforço fora em vão. A visita de Hermione invadira sua mente, assim como a lembrança marcante dela no local. Ainda podia sentir o doce perfume dela e o gosto tímido e carinhoso de seus lábios quando o beijava. Ele suspirou, reprimindo a vontade de ir vê-la novamente. Nunca havia se apaixonado, contudo não imaginara que a sensação poderia ser tão agradável.


 


****




Hermione respirou fundo ao descansar o lápis sobre o livro que lia, apoiando o queixo em sua mão direita. Outra vez sua mente vagara para minutos atrás, quando estivera com Harry novamente. Entretanto, por mais que tentasse sentir-se feliz por aquele momento, sentia-se também com um pé atrás sobre tudo o que acontecia em sua vida.


Harry tinha um status mais elevado que o seu, não apenas no colégio como também fora dele. E por mais que as palavras dele sobre isso tivessem sido sinceras em uma esperança de animá-la, não foram suficientes. Era realista demais, e sabia reconhecer os fatos quanto a isso.


No entanto fora apaixonada por ele durante tanto tempo que não poderia desistir tão facilmente quando sua vida estava começando à se tornar um conto de fadas. Não abriria mão de tudo quando finalmente o tivera para si.


- Hermione. - Richard a chamara pela terceira vez, tentando acordá-la de seus pensamentos.


A garota virou o rosto para fitar o irmão. Richard a olhava com seus grandes e ternos olhos esverdeados, herdados do pai. Mas apenas devido à cor, no que era ternura, Hermione tivera que admitir, nunca a conhecera nos olhos de Alan. Abriu um sorrisinho sem graça, e voltou a fitar o caderno do menino.


- Onde é que paramos mesmo? - perguntou, e rapidamente, olhara no relógio. - Ainda temos 20 minutos antes de o jantar ficar pronto. Ou melhor, antes de ele descongelar no micro-ondas. - emendou e o outro rira.


- No que você estava pensando? - Ele perguntou, sorrindo para a irmã. - Tava com um olhar distante e uma carinha de feliz.


- Em coisas de garota, não devia se meter no mundo delas tão cedo. - advertiu marota. - Não concorda?


- Depende. Se ela for gatinha. - O garoto comentara, vendo a irmã ficar boquiaberta. - Qual é Mione? Eu tenho 13 anos, não sou mais criança. - Riu.


- Ah, mas é claro, e eu nem sei que às vezes dorme comigo. - zombou, recebendo um olhar severo e envergonhado. - Não se preocupe Rick, seu segredo está seguro comigo.


- Isso só acontece quando assisto a aqueles filmes de terror assustadores. - O garoto murmurou, recolhendo seus materiais sobre a mesa.


- Já cansou de estudar? - Hermione perguntou, murchando os ombros.


- Já. Estamos aqui a um tempão. E não estou tão ruim assim em matemática. - Disse enquanto guardava as coisas em sua mochila. - E você me confunde às vezes com a matemática. Confunde-se e me confunde.


- Ok, seu mal agradecido. Vou cuidar do jantar, então. - resmungou, levantando-se. - Ah, e guarde minhas coisas, sim?


- Ah, Mione. Eu agradeço. - Richard se aproximou, beijando-a no rosto. - Sem você eu seria um retardado. Você é a melhor irmã do mundo.


- Vem cá, seu bonitinho. - ela disse puxando-o para um abraço. Em seguida o beijou no rosto. - Depois vá lavar as mãos.


- Sim, senhora. - O garoto concordou ao recolher os materiais da irmã também, saindo da cozinha e deixando-a sós.


Hermione sorriu, dirigindo-se até o balcão pequeno da cozinha, conjugada com a sala. A única coisa que separava os cômodos era outro balcão. Pegou os pratos dentro do armário, e os colocou junto aos copos, para levá-los a mesa. Retirara apenas dois pratos, pois a mãe iria ficar a noite toda no trabalho, cobrindo uma colega doente. Outra vez sozinha, pegou-se pensando em Harry. Apesar de serem de mundos completamente diferentes, sentia-se parte da vida dele, e mais do que nunca ele fazia parte da sua.


Levou os dedos aos lábios recordando-se do beijo que trocaram mais cedo. Nunca iria se acostumar com as reações que ele lhe causava, eram incríveis. Apenas desviou o foco dos pensamentos, quando o eletrodoméstico apitara. O jantar estava pronto...


Caminhou até ele e retirou o jantar, chamando pelo irmão. Colocou a comida sobre a mesa e sentou-se, esperando pacientemente pelo irmão. Aproveitara o momento de solidão para pensar mais um pouco sobre sua atual vida, fazendo-a sorrir. Porém, acordara novamente quando o irmão entrara na cozinha e sentou ao seu lado.


- O que tem pra jantar? - Ele indagou visivelmente faminto.


- O de sempre. Frango, purê e legumes. - respondeu rindo. - Mamãe disse que você tem que comer os legumes!


- Argh. - Richard fitara seu prato, fazendo uma careta ao cutucar uns brócolis com o garfo. - Isso é nojento.


- Nojento e necessário. - Hermione riu, colocando um pedaço de pão ao lado do prato do irmão. - Há pessoas que não tem nem isso para comer, Rick, deveria agradecer.


- Por que você tem que ser tão sincera? - Perguntou contrariado, porém reconhecendo que o que ela dissera era verdade.


- Bem... Funcionou, não é? - indagou risonha, colocando um pouco de comida na boca. - Mamãe disse quando volta? Ela saiu apressada, sabe quem ligou pra ela?


- Foi o... - o caçula ponderou por um momento, receoso. - Foi o papai.


- O pai? Que estranho ele nunca liga. - comentou, vendo Richard suspirar. - Eles brigaram pelo telefone, não é?


- Como de costume. Mamãe reclamou da falta de atenção dele com a gente e ele se exaltou. O restante você já pode prever.


- Posso sim, mas então... Está animado em ver o jogo de futebol no sábado? - perguntou mudando de assunto. Odiava ver o irmão triste pelas coisas que os pais faziam. Ela mesma ficava, mas entendia muito bem a situação, no entanto, Richard sentia falta de uma presença paterna, afinal um menino precisa disso. Já Hermione, sentia-se aliviada em não ter mais o pai por perto, pois se cansara de presenciar as tantas brigas, as quais agora se resumiam a telefonemas exaltados.


- Eu não sei se vou. - O garoto disse, dando um breve gole em seu copo de suco. - Conhece Draco Malfoy? Ele está implicando comigo também. Hoje ele me trancou no armário. Só não fiquei o resto do dia lá porque alguém viu e conseguiu abrir o armário e me soltar. Harry Potter conhece?


- Conheço... - sussurrou. - Ele o soltou? - esboçou um pequeno sorriso.


- Soltou. - Richard sorriu. - E disse que ia falar com Draco para que me deixasse em paz. Ele é diferente do que eu imaginava que fosse. Potter é um cara legal.


- Ele é sim. - Hermione disse e suspirou fundo, remexendo na comida. No entanto, o olhar curioso do garoto a fizera endireitar-se na cadeira. - Se Harry vai falar com o Malfoy, porque não quer ir ao jogo? Você estava tão entusiasmado.


- Porque eu não posso esperar que Harry me defenda o tempo todo do Malfoy. - Suspirou, fitando seu prato. Ele então sorrira diante uma idéia que tivera, erguendo seu olhar para a irmã. - Você podia ir comigo ao jogo.


A morena quase deixara o garfo cair das mãos. Ir ao jogo não estava definitivamente em seus planos. Aquelas noites glamorosas, onde as garotas da torcida se exibiam, e os caras do time ostentavam seus talentos, não lhe traziam boas recordações. Da última vez a trancaram no banheiro, e tivera sorte de o zelador ouvir seus gritos, horas depois. Assim como Richard, não podia esperar que Harry a defendesse a toda hora.


- Eu não sei Rick... Sabe que não gosto de futebol. - ela argumentou.


- É só um jogo, Mione. E você foi ao último jogo. - Olhou suplicante para a irmã. - Vamos. Fazemos o seguinte acordo, eu salvo você de qualquer perigo e você faz o mesmo comigo.


- Está bem, eu vou com você... - disse sem hesitar. - Mas quando o jogo terminar vamos embora imediatamente. Está bem?


- Ah. Eu queria ver a apresentação das líderes se o nosso time ganhar. Gina Weasley dançando é tão... - Ele calou-se com o olhar de repreensão da irmã. - Desculpa. - Murmurou voltando ao seu jantar.


- Me desculpe você, mas não vou ficar pra vê-la dançando. Sinto muito. É pegar ou largar...


- Está bem. Terminando o jogo nós vamos embora. - Concordou.




***




Após lavar as louças usadas no jantar, assistir um pouco de televisão com o irmão e obrigá-lo a ir deitar-se, Hermione seguira exausta para o seu quarto. Mais um dia tinha sido agitado e agradecera imensamente ao saber que poderia descansar.


Rapidamente tomara um bom banho, vestindo sua camisola confortável. Ajeitara sua cama e o travesseiro, suspirando quando finalmente pudera deitar. Seu corpo relaxou em contato com o colchão macio, contudo não estava com sono.


O toque do telefone que tinha em seu quarto ao lado da cama a fizera acender o abajur imediatamente. Sentou-se preocupada, para ligarem a essa hora poderia ser algo grave. Talvez algo que acontecera com sua mãe. Com o coração apertado, atendera ao telefone.


- Alô? - disse ao colocar o fone ao ouvido.


- Eu sei que estou sendo inconveniente em te ligar a essa hora. - A voz grave e masculina ao outro lado a fizera estremecer e sorrir. - E me desculpe se eu te acordei, mas eu precisava falar com você. Precisava ouvir sua voz.


- Harry... - ela sorriu largamente, deitando-se outra vez na cama, fitando o teto. - Juro que não esperava, mas foi uma surpresa boa, e... Eu não estava dormindo. - Hermione disse com o coração aos pulos.


- Ótimo. - Harry suspirou, aliviado. - Já li grande parte do livro que me trouxe. Minha mãe ficou surpresa quando disse que ficaria em casa pra ler um livro.


- Quem não ficaria não é? - ela riu, junto ao moreno. - Mas fico contente que tenha começado... E está gostando?


- Olha, pra ser sincero não. Mas eu tenho que ler, não é? Preciso passar em literatura de qualquer forma.


- Eu ainda tinha esperanças de que gostasse... - ela murmurou, e Harry a imaginou naquele momento. A imagem que sua mente criara era deveras tentadora. - Fiquei sabendo que tirou meu irmão do armário hoje na escola. Queria agradecer...


- Não precisa agradecer. - Ela ouvira um pequeno ruído, e poderia jurar que ele acabara de esboçar mais um de seus sorrisos encantadores. - De verdade. Falei com Draco sobre isso e o fiz prometer que o deixaria em paz.


- Outra vez obrigada. Richard é um bom garoto, não merece a perseguição... - ela disse. - Ficou muito chateado por ficar preso, e muito agradecido por tê-lo tirado de lá. Eu não me importo que façam coisas comigo, mas com ele é diferente. Rick é ainda uma criança, é muito ingênuo, aposto que caiu nas brincadeirinhas facilmente.


- Eu imagino como deve se sentir. Sou filho único, mas posso imaginar como seja.


- Meu irmão e eu somos muito unidos, ficamos mais quando... Bem, quando aconteceram algumas coisas na nossa família. - comentou, e por mais que estivesse envolvida com Harry, não julgou de bom tom, relatar que o pai saíra de casa levando tudo, inclusive a alegria dos filhos.


O silêncio invadira ambos por alguns segundos. Ponderaram em algo para mudarem aquele assunto desagradável, contudo Harry fora mais rápido.


- Eu queria ouvir uma boa notícia vinda de você. Vai ao jogo sábado?


- Vou com Richard. - ela respondeu.


- Isso sim é uma boa notícia. - Comentou o moreno, rindo.


- Richard insistiu, eu não gosto muito, porque não entendo nada... - falou sem jeito. - Entretanto, vai ser divertido.


- Pelo pouco que conheci dele acho que ele entende o suficiente por vocês dois. Talvez ele possa te explicar.


- Não acho que ele seja tão bom professor, e não vai querer perder o jogo para me explicar. - Hermione riu. - Mas posso acompanhar sem entender mesmo. É só vibrar quando a torcida o faz.


- Eu fazia isso quando era pequeno. - Harry disse, rindo. - Na verdade ainda faço quando vou a um jogo de baseball com meu pai. Ele já tentou me explicar várias vezes como é, mas nunca consegui entender.


- Posso te entender, por experiência própria. - ela riu também. - Er... Como descobriu meu número de telefone?


- Eu tenho meus contatos. - Disse em um tom maroto que a fizera sorrir.


- Ah, foi o que imaginei, porque estava tentando me lembrar quando foi que passei o número. - brincou, e ele rira. - Gostei muito de ter me ligado.


- Precisava te ligar. - A voz dele era calma e suave, a mesma que usava quando queria lhe dizer algo carinhoso. - Estava deitado na cama, tentando ler o livro, mas não conseguia. Você não saía dos meus pensamentos.


- Nem você dos meus. - Hermione respondeu no mesmo tom.


- Olha só. Uma confissão. Não foi pessoalmente, mas estamos evoluindo nisso. - Ele disse, fazendo-a rir.


- Pelo telefone é um pouco mais fácil. Vou tentar alguma coisa pessoalmente.


- Fico contente em saber disso. - Harry disse após um suspiro.


Hermione iria responder, mas os passos na escada a fizeram calar-se por um momento. Sua mãe chegara e ela nem havia se dado conta disso, até que leves batidas em sua porta a fizeram se sobressaltar.


- Hermione? Está falando ao telefone com Katie outra vez? - perguntou.


- Estou... - a morena dissera após pedir um minuto a Harry. - Mas...


- Quero que desligue já, entendeu? - Susan falou severamente.


- Está bem mãe, eu já vou desligar... - murmurou chateada. Suspirou e esperou um segundo até ouvir a porta da frente se fechar. - Harry... Ainda está aí?


- Estou. - Ele respondera em um fio de voz.


- Er... Que bom. Escute, eu tenho que desligar. Minha mãe chegou do trabalho, e não gostou nada de eu estar no telefone até essa hora. Desculpe-me. - murmurou envergonhada.


- Eu quem peço desculpas. Não deveria ter te ligado essa hora sabendo que poderia te causar problemas. Desculpe.


- Tudo bem, nos vemos amanhã na escola. Boa noite, Harry... - sussurrou.


- Boa noite, Hermione. – Ele se despediu, desligando o telefone em seguida.


A morena também desligara, colocando o telefone sobre a mesa. Ficou um tempo a fitar o nada, apenas sentindo o coração se normalizar aos poucos. Fora uma surpresa deliciosa ouvir a voz de Harry. Suspirou longamente, fechando os olhos para adentrar num sono calmo e sereno.


 


 


 


 


 


N/A: Capítulo cute, não é amados?! *-*
Bom, como prometido, vocês comentaram e nós postamos.
É assim que nós somos movidas. Por comentários. kkk
Então continuem comentando que a gente atualiza, ok?!

Queriamos agradecer todos os comentários carinhosos que recebemos.
Nós duas lemos todos e ficamos muito felizes com eles, de verdade. Então, obrigada. Continuem assim. xD

Ah e um detalhe que não podemos esquecer...
Campanha: Mah pare de cobiçar os Harry's das outras. kkkk
Somos à favor da morte da Gina, mas o Harry é da Mione, Mah.
kkkkk.

Esperamos que tenham gostado do capítulo.
E comentem dizendo o que acharam.

Beijo das autoras.

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 1

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

Enviado por Isis Brito em 05/08/2011

Aiiinn... que lindooo...*-*

Nota: 1

Páginas:[1]
:: Página [1] ::

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.