FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

13. Amor verdadeiro


Fic: Sempre haverá um amanhã


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

N/A... Chegamos ao último capítulo...
Estou meio triste por acabar com a fic, mas eu não tenho a capacidade nem o tempo para fazer fics grandes...: /.
Bem... Só isso mesmo, espero que tenham gostado...
Fui...



Capítulo 13




Amor verdadeiro



Luna acordou com uma luz que iluminava toda a enfermaria, piscou umas três vezes e tudo entrou em foco, não era uma luz qualquer era a luz do sol que brilhava entre as montanhas que rodeavam Hogwats, pela sua altura, deveria estar amanhecendo.
Lembrou do dia anterior, e colocou a mão instintivamente no local onde, horas atrás ainda estava o seu corte, mas sentiu sua pele normal, completamente sarada. Olhou para a sua mesa de cabeceira que havia de lado de cada uma das camas da enfermaria e viu um enorme buquê de flores do campo, vermelhas, amarelas e lilases cores que Luna achava muito bonitas. Ela sorriu apenas uma pessoa sabia que ela gostava tanto dessas cores e destas flores, sorriu mais ainda quando se lembrou de determinada pessoa que, por acaso, estava entrando na enfermaria com uma caixinha de presente e um sorriso enorme quando viu que ela já estava acordada.
Cedrico se sentou na beira da cama e se curvou para dar um beijo carinhoso em Luna que estava muito feliz com a supresa.
Ele observou as flores por um instante e depois olhou para Luna com uma expressão tão sonhadora que parecia até aluado. Depois de um tempo abriu a boca para falar, mas Luna fechou a sua boca com o dedo indicador, falou em um sussurro:

-Eu te amo.

Cedrico sorriu amarelo, abraçou Luna e falou no ouvido dela:

-Eu te amo também.

Luna desviou os olhos de Cedrico e olhou para suas mãos que abrigavam a tal caixinha preta e pequena, deu um sorriso conquistador e perguntou:

-Não vai me dizer o que tem nessa caixinha?

Cedrico sorriu e deu um beijo leve no cantinho da boca de Luna:

-Não adianta me seduzir Luna, só vai saber o que tem aqui na hora certa.


Luna ficou meio emburrada ( de birra mesmo), mas Cedrico pegou em sua mão e levantou ela da cama.

-Então, quer dizer que já posso ir embora da enfermaria?-perguntou Luna, com o mesmo tom emburrado, mas na verdade ela queria curtir ao máximo o começo de suas férias, de preferência, junto com Cedrico.

-Claro que pode! Seu protetor está aqui!-brincou Cedrico. -Madame Pomfrey disse que assim que você acordasse você poderia sair.

Andaram em silêncio até o salão principal, ainda havia algumas pessoas que estranhavam o fato deles estarem juntos, mas nenhum dos dois ligou para os olhares, na sua grande maioria, invejosos.
Mais ou menos no meio do salão Luna se virou para Cedrico e perguntou novamente:

-Cedrico, por favor, me fala o que tem nessa caixinha!

-Ok, ok, mas vamos sair do meio dessa confusão.

Luna deixou Cedrico guiar ela até fora do castelo, depois Cedrico se virou para ela e disse:

-Fecha os olhos.

-Que brincadeira velha heim? – falou Luna, mas deixou que Cedrico colocasse suas mãos sobre seus olhos e a levasse para um lugar estranho, mas pelo cheiro, dava para saber que ainda estavam nos jardins.

-Pronto, pode abrir os olhos!-falou Cedrico tirando as mãos dos olhos de Luna.

Primeiramente ela não falou nada, depois também não falou nada porque tudo aquilo era perfeito. Eles estavam perto do lago negro, mas ela nunca estivera naquele lugar antes, era um tapete de rosas do campo, e logo Luna entendeu de onde Cedrico tirara tantas flores para seu buquê. Mas o impressionante foi que tinha em sua frente um piquenique completo, daria para no mínimo, quatro pessoas, mas eles eram apenas duas. Luna se virou para Cedrico e se agarrou em seu pescoço:

-Cedrico isso tudo está perfeito! Te amo, te amo,te amo!-falou ela, mas foi interrompida por um apaixonado e caloroso beijo de Cedrico.

Ele a deitou na toalha gigante de piquenique e se aproximou dela, beijou primeiro sua testa depois desceu para seu nariz, Luna sentiu cócegas, mas não ligou muito para isto, estava ansiosa para beijar a boca de Cedrico, mas este parecia se divertir dando apenas pequenos beijinhos em sua boca, a fazendo ficar com raiva e ao mesmo tempo muito ansiosa. Mas Cedrico continuava coma sessão tortura, dava um beijinho e recuava deixando Luna apenas na vontade. Depois de um tempo, Cedrico deu mais um beijo em sua testa e se sentou. Luna ficou confusa, como ela odiava o jeito mutável de Cedrico, era apenas mais um de seus charmes.

-E então? Já cansou de mim foi?-perguntou Luna num sorriso perfeito.

-Nunca. -falou Cedrico e Luna se assustou, ele se tornara repentinamente sério.

-Você me perguntou o que havia dentro da caixinha preta, pois bem, eu vou-te mostar.

Com estas palavras Cedrico estendeu a caixinha para Luna, esta recitou, mas pegou ela de suas mãos, olhou no rosto de Cedrico antes de abrir a caixa, ele estava inexpressível. Luna abriu a caixinha, fez uma cara de espanto quando viu o que tinha dentro dela, e fechou ela rapidamente.

-Não Cedrico. -falou ela, Cedrico só poderia estar brincando.

-Pegue, ela é sua.

-Mas Cedrico, é tão bonita e tão perfeita! Você deve ter passado um tempão para fazer! –Luna já estava novamente com lágrimas nos olhos.

-Não chore! Sério, eu passei realmente um tempão para fazê-la e não quero que você a receba com lágrimas nos olhos.

-Certo, está bem então. -falou Luna enxugando as lágrimas.

-Posso colocá-la em você?-perguntou Cedrico.

-Claro que pode. -Luna sorriu e entregou a caixinha para Cedrico.

Cedrico pegou a caixa e a abriu, tirou de dentro dela uma corrente delicada, era de prata, mas, no finalzinho dela, havia o pingente mais bonito que você poderia imaginar, um coração também feito de prata, no centro do coração que tinha ao seu redor diamantes pequeninos, havia as letras “C&L”. Quando você virava o pingente havia, gravado uma mensagem, que se precisava comprimir bem os olhos para poder ler: “ Sempre haverá um amanhã se você estiver perto da pessoa que ama”. Esta corrente Cedrico agora colocava, com cuidado, no pescoço de Luna. Depois, já com o colar,Luna se virou para Cedrico, e nem deu tempo para ele recuar, já estavam se beijando, um beijo carinhoso e sereno, como os sentimentos que habitavam estes dois seres, que precisaram se separar para perceber o quanto eles se gostavam.


Quatro anos depois, Cedrico estava em mais uma das suas viagens a negócios, não era fácil ser chefe do departamento de corporação internacional de magia, ainda mais tão jovem como ele era. Faltavam mais uma semana para ele poder voltar para casa, sorriu, um dos sorrisos característicos de quem ama de verdade. Queria muito já estar em casa, pois sua esposa Luna, sim, eles haviam se casado assim que ela terminou Hogwats, numa cerimônia simples, mas cheia de glamour em uma igreja para trouxas em Londres. Eles viviam agora em uma casa espaçosa, mas muito aconchegante em um dos bairros privilegiados de Londres.Eram só os dois naquela casa, mas em breve vão ser três pois Luna, por incrível que pareça, vai ser mãe em menos de quatro meses.
Pensou em tudo pelo que passou para poder ficar com Luna, pensou também da loucura que ele queria fazer naquele tempo em Hogwats, esquecer Luna, como se isso fosse possível...
Aproveitou estes pensamentos românticos ( pois eram raros nele) e resolveu escrever uma carta para Luna, ou melhor, um bilhete, ou como queira chamar, o que ele escreveu foi mais ou menos isso:

“Amada Luna,
Estou em mais uma entediante estada em um hotel aqui em Paris, cidade do amor, como muitos dizem, mas para mim, isso aqui não passa de um lugar preto e branco. Você é que costuma colorir minha vida, deve ser por isso que não vejo beleza nenhuma por aqui. Achei um poema em um dos jornais locais daqui ( você não sabe quanto eu demorei pra traduzir tudo ) e achei que tinha tudo a ver com a nossa história. Bem, aí vai:

Amor verdadeiro é aquele
Que não passa
É aquele que queremos que morra
Mas não conseguimos matá-lo
E quando pensamos que está morto
Nos volta a lembrança

Espero que tenha gostado da mensagem, e quero que saiba que, o que eu sinto por você, é o mais puro amor que pode existir na face da terra.
Com amor, Cedrico.”


FIM

N/A: acabou: /
Que pena né?!
Mas como mt gente disse q gostaram da minha fic ( eba!).
Vou fazer outra, só não sei bem com que casal...
O que vcs acham?
Respondam com que casal eu devo fazer a próxima fic e,
Claro, se gostaram do final dessa!
Tchau e bjus
Joana Granger

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 0

Nenhum comentário para este capítulo!

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.