FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

ATENÇÃO: Esta fic pode conter linguagem e conteúdo inapropriados para menores de idade então o leitor está concordando com os termos descritos.

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

16. Novidades


Fic: Amor Improvável DM-HG Long


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

Capítulo 16


Novidades


 


Draco não havia pensado em suas ações. Apenas fez o que sentia.


 


Hermione, ao sentir os lábios de Draco encostarem-se aos seus, pensou em empurrar e lançar uma azaração. Porém, algo aconteceu. Um calor, um estremecimento, um frio na barriga. Sem chão, sem razão. Em apenas alguns segundos, Hermione Jane Granger perdeu toda a sua racionalidade. Deixou-se levar.


 


Draco nunca havia experimentado nada igual. Sempre gostou de beijar, mas beijar alguém que gostava era outra história. Os lábios de Hermione eram macios, mais macios do que podia um dia imaginar. Possuíam um gosto que a nada se igualava. Queria mais. Aprofundou o beijo e percorreu as mãos pelas costas. Aproximou ainda mais Hermione de seu corpo.


 


Hermione sentiu as mãos de Draco percorrendo suas costas. Parecia que ele marcava uma tatuagem com aquele toque. Sentia que seu corpo já não responderia a nenhuma ordem de seu astuto cérebro.


 


- Draco... Espera – Olhou para Draco que por alguns instantes manteve os olhos fechados e os lábios entreabertos.


 


- Diga, Hermione... – os olhos dele abriram-se e buscaram os dela. Suas bocas estavam separadas, porém seus corpos ainda estavam próximos. Os braços de Draco ainda envolviam o corpo da garota.


 


- Por que fez isso?


 


- Pelo mesmo motivo que você retribuiu.


 


Hermione afastou os braços dele de seu corpo. Um vazio invadiu seu corpo. Ela fingiu não sentir.


 


- Não posso dar conta disso agora! Por que me beijou?


 


- Eu quis, ok? Senti vontade! Sinto coisas que nunca senti quando estou com você – aproximou-se dela – Não é possível que não sinta nada!


 


- O que você quer afinal, Draco?


 


- Uma chance.


 


- Chance? Já estou dando uma chance. Estou tornando-me sua amiga.


 


- Sabe que não desse tipo de chance que estou falando. Você realmente não sente nada quando me aproximo de você? – chegou mais perto dela. Os lábios de ambos estavam próximos – Quero que me responda. Responda olhando nos meus olhos. Você não sente nada? – A cada palavra Draco roçava os lábios em Hermione.


 


Claro que a garota pensou em responder NÃO. NÃO SINTO NADA. Mas como? Como responder que não sentia nada se seu sangue parecia ferver apenas ao sentir a proximidade de Draco? Como se ao sentir aquele beijo seus pelos se arrepiaram? Como não sentir nada diante daqueles olhos azuis que a hipnotizavam? Impossível mentir. As palavras saíram...


 


- Sinto... É claro que sinto.


 


- Então... Dê-me uma chance, Hermione. Peço apenas uma chance e você verá que posso te fazer a mulher mais feliz deste mundo. Quero uma chance para ficarmos juntos. – Ele a afastou um pouco segurando seus braços. Ela soltou-se delicadamente e começou a andar pela sala em um gesto característico de dúvida e nervosismo.


 


- Juntos? Draco Malfoy e Hermione Granger?


 


- Eu mudei,... Ainda não posso te contar muita coisa, mas o meu nome está limpo no Ministério.


 


- Acredito. Só não entendo a razão.


 


- Um dia saberá. Contarei tudo a você!


 


- Sabe que meus amigos não irão aceitar isso numa boa?


 


- Imagino...


 


- Não quero mais saber de provocações.


 


- Vou me empenhar o máximo para que isso não aconteça. – ele dizia enquanto os olhos seguiam cada movimento que a morena dava.


 


- Draco... Não sei o que sinto por você. Não estou apaixonada... – Ele desviou os olhos dela pela primeira vez, de alguma forma aquilo o machucou – Só que também sinto algo que não consigo explicar quando estou com você. – Dessa vez foi ela quem se aproximou. Tocou de leve o queixo do rapaz e fez com que ele a olhasse. – Não quero te magoar.


 


- Quero apenas tentar. Nunca me apaixonei, nunca senti isto em meu peito. Meu coração bate descompassado apenas ao pensar em você. Meu corpo anseia pelo seu. Apenas uma tentativa. Você nem gosta do Finnigan. Aliás, se ficar comigo terá que terminar com ele.


 


- Eu sei disso. Nem precisava ter dito – ela deu um sorriso ao olhar cada detalhe dos olhos de Draco – Você tem lindos olhos. – Ela passou as mãos pelos lisos cabelos dele que fechou os olhos com aquele toque – Não me sinto assim há muito tempo. Quero tentar. Aceito ficarmos juntos. – Ele abriu os olhos e um grande sorriso surgiu em seu rosto.


 


- Está falando sério?


 


Só que Hermione não respondeu. Levou sua mão direita de encontro à nuca de Draco. Entrelaçou sua outra mão a mão de Draco e o beijou. Ele enlaçou a cintura dela enquanto seu peito explodia de felicidade. Sentia um aperto gostoso em seu coração. Um aperto que só sentimos quando beijamos a pessoa que gostamos.


 


Logo as mãos que estavam dadas, soltaram-se. As mãos de Hermione percorriam as costas de Draco. Ele passava as mãos pelas costas e pela lateral do corpo da garota. Porém, queria sentir a pele dela. Devagar desceu a mão pela barriga dela e depois tornou subir por dentro da blusa. Seus dedos perceberam que ela se arrepiou com o toque, mas não se afastou.


 


Hermione sentiu um frio na barriga ao sentir a mão de Draco em sua pele. Sem deixar de beijá-lo, puxou a camisa que estava presa na calça e tocou as costas dele. Arranhou-o levemente e ele estremeceu. Os lábios não se separavam, as línguas invadiam uma a boca de outra. O beijo de Simas era ótimo, mas aquilo era indescritível. Draco começou a andar com Hermione até que foram obrigados a parar, pois ela chocou-se contra a parede.


 


- Desculpe – sussurrou Draco.


 


- Quieto... – ela retomou os beijos, mas não na boca. Passou a língua pelo pescoço dele chegando até a orelha. Draco fazia força para pensar. Claro que não era a primeira garota que o beijava, mas Hermione conseguia ir além de tudo o que ele já sentira. Hermione fazia com que ele sentisse novas sensações. Tudo isso passava pela cabeça dele enquanto ele perdia-se naquelas sensações quando de repente:


 


- Espera...


 


- Não gostou do meu toque?


 


- Não é isso... Hermione, vamos com calma. – Nem ele sabia como conseguiu juntar forçar para fazê-la parar. Suspirou e afastou-se dela.


 


- Você está certo... Vem aqui – Ela o abraçou. Ele nunca havia sido abraçado daquela forma. – Nunca pensei que um homem pudesse realmente interromper um toque... Um toque...


 


- Eu também nunca achei que fosse possível... Só que algo faz com que eu aja diferente com você, entende?


 


- Sim... É melhor eu ir... Já está ficando tarde.


 


- Não tão tarde assim, Hermione... Fica mais um pouco... Podemos sair para tomar um sorvete, que tal?


 


- Sorvete?


 


- Sim. Tenho certeza que se ficarmos aqui você não irá embora para casa hoje.


 


- Engraçadinho – ela ficou vermelha com o comentário. Isso não passou despercebido por Draco. Ele achou uma graça a reação dela e disse num impulso:


 


- Por isso me apaixonei por você.


 


- Como?


 


- É... Isso mesmo... Apaixonado. Essa é uma das razões... Em um momento me beija de uma forma enlouquecedora e no outro fica vermelha. Você é uma graça! – Draco dá um beijo estalado no rosto de Hermione. - Vamos?


 


- Nunca imaginei que existiria um Draco Malfoy apaixonado...


 


- Nem eu.


 


Ela pegou a bolsa e o casaco. Juntos aparataram em Hogsmead.


 


Enquanto caminhavam pelas ruas do povoado, Hermione lembrou-se de Simas. Precisava escrever para ele o quanto antes. Melhor avisar logo. Draco notou que Hermione calara-se e perguntou:


 


- Está tudo bem?


 


- Sim... Só pensando em tudo que está acontecendo entre a gente.


 


- Relaxa, ok? Não quero te ver assim em dúvida.


 


- Não é dúvida.


 


- Então sorria. – Ele parou.


 


- Como?


 


- Sorria. Se não sorrir, serei obrigado a fazer cócegas em você.


 


- Não! Você não faria isso aqui!


 


- Não duvide! – e se aproximou dela levando sua mão de encontro à barriga dela que se contraiu com o toque. – Encontrei um ponto fraco? – sorriu de forma irônica.


 


- Só se você me alcançar! – e saiu em disparada. Draco levou alguns segundos para perceber que ela não pararia até que ele a alcançasse.


 


Apesar dos segundos de vantagem ele era mais alto e mais rápido. Logo estava em seu encalço. Esticou as mãos para pega-la, mas...


 


- ESTUPEFAÇA!


 


Hermione viu um feitiço passar ao seu lado e virou-se vendo Draco ser lançado ao longe. Ela conhecia aquela voz, mas tudo aconteceu rápido demais e antes que pudesse ir até Draco, Ron a segurou e ela viu Harry parar diante dos dois.


 


- Gatinha, você está bem?


 


- Hermione, o que aconteceu? Perdeu sua varinha? Por que estava fugindo do Malfoy?


 


- Porque estávamos brincando! Vocês piraram? – ela soltou-se da mão de Rony e andou apressadamente na direção que Draco havia caído. Os dois em seu encalço.


 


- Brincando, Mione? – perguntou Harry.


 


- Sim! – ela não parava. – Não disse que ele mudou? Lançar um feitiço assim! No meio da rua! Podiam ter acertado uma criança! – Ela falava sem parar de andar e sem se importar com os olhares e os flashes que acompanhavam toda a cena. Ela encontrou Draco desacordado e sentiu um aperto no coração, pegou sua varinha e disse:


 


- Harry e Ron... Eu preciso dizer uma coisa para vocês. Estou ficando com o Draco.


 


- Você o quê?- perguntou Harry.


 


- Você ouviu muito bem.


 


- Não entendo, Hermione! – foi a vez de Ron. – Quer saber... Não posso lidar com isso agora. – Antes que Hermione pudesse dizer alguma coisa, ele aparatou. Ela olhou para Harry que a encarava de maneira decepcionada.


 


- Harry... Não somos mais crianças...


 


- Eu sei, Mione, mas é complicado... Nem preciso falar sobre ele... Você sabe tudo de todas as coisas que ele fez não só para você para também para o mundo bruxo.


 


- Eu sei de tudo isso, só que acredito na mudança dele. Algo aconteceu, não sei muito sobre isso, mas ele mudou.


 


- Preciso ir... Gina está me esperando.


 


- Não vá, Harry...


 


- Conversamos outra hora. Tchau, Hermione.


 


Assim que ele saiu, a garota apontou a varinha para Draco e murmurou um feitiço. Ele levantou-se atordoado...


 


- Hermione?


 


- Está bem?


 


- Sim... só um pouco atordoado... – Levantou-se apoiando em Hermione. - Nem vi quem lançou o feitiço.


 


- Foi o Rony. Ele pensou que estivesse acontecendo alguma coisa.


 


- É um louco! Onde ele está?


 


- Primeiro, acalme-se. Você acabou de ser estuporado. Vamos caminhar, pois todos estão olhando para nós. – Eles começaram a caminhar e aos poucos as pessoas foram dispersando e mudando de assunto. – Eu contei a eles sobre nós.


 


- E aí? – ele virou-se para ela sem parar de caminhar. Ele notou que ela estava com os olhos marejados, apesar de não escorrer nenhuma lágrima.


 


- Eles não aceitaram muito bem. No fundo eu já esperava por isso.


 


- Tem alguma coisa que eu possa fazer?


 


- Não... Conversarei com eles com mais calma.


 


- Certo... Vamos tomar sorvete?


 


- Acho melhor não. Vou para casa.


 


- Espera... – Ele a puxou para uma rua sem saída e vazia. – Não vamos mudar nossos planos...


 


- Não estou muito bem com tudo isso, Draco.


 


- Sei... – riu de forma irônica e passou a mão pelos cabelos.


 


- Não estou entendendo sua ironia.


 


- Vai desistir de mim. Nunca magoaria seus amigos.


 


- Não é nada disso. Só estou em uma situação delicada. Preciso apenas ficar


um pouco sozinha.


 


- Mesmo? – ele tocou no rosto de Hermione.


 


- Sim... Vou te acompanhar. Não é bom aparatar sozinho depois de ser estuporado.


 


- Ok... – Draco a cada momento sentia coisas novas com Hermione. Ser cuidado era uma delas. Nunca ninguém havia realmente se preocupado e cuidado dele.


 


Ao chegarem à casa de Draco despediram-se com um beijo e Hermione aparatou em seu apartamento. Ao abrir a porta viu que tinha alguém sentado em seu sofá.


 


- Oi, Ron...


 


- Desculpe, mas não estou entendendo nada!


 


- Só espere um minuto... Já venho. – Ela foi até o quarto, colocou uma roupa mais confortável, pegou um pergaminho e pôs-se a escrever:


 


Simas,


Pediu sinceridade e é isso que terá. Melhor não me procurar por um tempo. Estou confusa com relação a nós e Draco. Não sei exatamente o que venho sentindo por ele... Nem sei se sinto algo, mas sei que não posso continuar com você como se nada estivesse acontecendo. Desculpe-me.


Com carinho,


Hermione.


 


Ela voltou para sala. Sentou-se ao lado de Ron.


 


- Exlique-se, Mione.


 


- Não tenho que me explicar. Apenas comunicar.


 


- É difícil ouvir que você está saindo com Malfoy.


 


- Também é difícil para mim, mas simplesmente aconteceu.


 


- E o Simas?


 


- Gosto dele, mas nunca senti nada além...


 


- E se o Malfoy estiver mentindo?


 


- Ele não está.


 


- Você não tem como saber, gata.


 


- Nem você. Queria apenas que vocês tentassem.


 


- Não sei, Mi. Só com o tempo mesmo.


 


- Eu sei... Não vou forçar nada...


- Só não quero que sofra.


 


- Sei disso, Ron...


 


- Você sente-se feliz com ele?


 


- Sim... Sinto algo que há muito não sentia.


 


- Certo... Eu só preciso me acostumar com a ideia. Precisamos também ter certeza de que ele não quer te usar.


 


- Ele mudou.


 


- Só te peço um tempo, Gatinha.


 


- Todo o tempo que for preciso! Não quer dormir aqui? Aí você já fica para almoçar. Mando uma coruja para o Harry vir com a Gi.


 


- Ok! Vou pegar uma cerveja para gente!


 


No dia seguinte, Ron ajudou no preparo do almoço. O casal chegou e Hermione teve uma conversa bem parecida com a que tinha tido com Ron. Gina a apoiava dizendo que Malfoy merecia uma chance.


 


Mudaram de assunto pouco tempo depois e a conversa foi permeada por lembranças de Hogwarts.


 


Os amigos foram embora e após arrumar tudo, Hermione sentou para assistir um pouco de televisão. Uma coruja chegou, ela já a reconhecia. Pertencia à Draco:


Mione,


Pegarei você no hospital após o final do expediente para jantarmos. Topa?


Beijos,


Draco.


 


Respondeu logo em seguida.


 


Draco,


Está combinado. Não há com o que se preocupar. Logo meus amigos entenderão.


Beijos na sua boca,


Hermione.


 


Assim que recebeu a resposta, Draco riu com a resposta de Hermione e foi escrever alguns relatórios sobre as poções para o tempo passar mais rápido.


 


****************************************************************


J.B.


Teremos novos aliados. Estarão conosco no dia D.


G.D.


 


****************************************************************


Cap pronto!!! VOTEM E COMENTEM!

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 0

Nenhum comentário para este capítulo!

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2022
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.