FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout  
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout FeB Bordas para criar o Layout
FeB Bordas para criar o Layout
 

(Pesquisar fics e autores/leitores)

 


 

::Menu da Fic::

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo


Capítulo muito poluído com formatação? Tente a versão clean aqui.


______________________________
Visualizando o capítulo:

6. A casa das serpentes


Fic: Hogwarts sob um novo olhar A VOLTA DOS MORTOS!


Fonte: 10 12 14 16 18 20
______________________________

Capitulo 6- A casa das serpentes


 


Olha aí! Quem diria? Eu, Cesc Fábregas navegando em um lago, até um castelo pra bater um papinho com um chapéu. É. Ninguém diria...


Olhei para aquela paisagem noturna tentando decorar cada sombra que se fazia presente a cada centímetro que nos aproximávamos de Hogwarts. Exagero! Mas é serio, o lugar é bonito... Depois de exatos trinta segundos, Zabine se pronunciou, sussurrando.


- Cadê nossas futuras esposas?


Olhei para a cara dele sem emoção alguma e disse num tom bem calmo:


- A minha eu não sei, mas a sua eu tenho certeza que não existe.


- Acha que eu vou ficar pra titia? – ele disse com um ar indignado.


- Não, eu acho que você vai ficar pra ninguém! – Disse em tom zombador. Ele me deu língua.  – Muito maduro Sr. Zabine!


- Também me acho maduro para a minha idade... Agora voltando ao que eu estava dizendo... Cadê a Claire e a Lou?- Espero que na mente distorcida do Zabine, a futura esposa dele seja a Claire e ele tenha imaginado um baita de um incesto entre mim e a minha irmã, se não ele vai ver! Não é uma ameaça... Estou pensando no bem dele! Mas ele estava certo. As duas não estavam no barquinho de papel. Ok. Eu sei que não é de papel! Olhei em volta e vi que estavam falando com a simpática ruiva que interrompeu nossa conversa com o gigante. Ao olhar pra trás para vê-las, vi também que no nosso barco estava o loiro-platina, que conhecia o gigante. Tratei de me apresentar, afinal preciso fazer amizades... O Zabine não conta!


- Como se chama?  - O loiro parecia ter acordado de um transe, ele tava olhando estranho pra água.


- S-Scorpius Malfoy!- Disse um pouco hesitante.


- E eu que achava meu nome diferente... A propósito, sou Cesc Fábregas. – Disse simpático como sempre... Sempre que eu quero, claro!


- E aí, Scorp! – Zabine se pronunciou animadamente. - Nem tinha reparado que estava aqui, irmãozinho!


- Vocês se conhecem? – Mau sinal! Se conhece o Zabine deve ser louco que nem...


- Nossos pais são melhores amigos...  – O garoto disse num quase murmúrio. Tive que me inclinar para ouvir tudo.  – Como vai ,Tony?


- Melhor impossível! E aí? Tava olhando o que todo concentradinho?- Zabine perguntou sem nenhum traço de vergonha na cara. Mas que novidade...


- O lago! Sabia que existe um monte de criaturas aqui embaixo?- Disse o loiro-platina subitamente animado. A careta surgiu no meu rosto inconscientemente. Oh Gosh! Era só o que me faltava! Olhei pros lados, desesperado tentando ver alguma coisa.


- Se refere aos peixinhos e coisinhos pequenininhos, né? – Disse apreensivo, tendo já a certeza absoluta que a resposta ia ser uma negativa cruel.


- Tá brincando? Quem vive aqui embaixo é a Lula - Gigante!- Arregalei os olhos. Ele continuou, para o meu desespero. - E os Sereianos, os Grindylows...


- CHEGA! – O interrompi, chamando atenção de todo mundo. A galera olhou curiosamente para mim. Falei baixinho dessa vez. – Já entendi loiro-platina, o lago é perigoso...


- Loiro-platina? – Ele me olhou como se eu fosse um ET.


- É com certeza melhor do que Loiro-problema... – Apontei com a cabeça o Zabine. Malfoy deu risada.


- Hey! Eu não sou loiro!- Disse o maluco indignado pelo motivo errado. E na minha concepção ele era loiro sim! O máximo que podia fazer por ele, é considerá-lo um castanho desbotado...


- Já repararam que todos têm as iniciais L.P? Loiro-platina, Loiro-problema... – Falei, apontando para cada um, depois de dizer seus respectivos apelidos. - E Lindo-perfeito!- Não preciso dizer para quem eu apontei ao dizer isso, né?


Eles se entreolharam e começaram a dar risada. No começo fiquei meio ofendido, mas quer saber de uma? Meu convencimento além de charmoso pode ser engraçado também. Comecei a rir com eles.


- Ok, ok, ok... Pra não causar futuras inimizades, eu não vou nem comentar nada sobre isso. – Scorp, como chamou o Zabine, disse sem resquícios de timidez na voz.


- Chegamos galerinha do mal! – Disse Tony, pulando pra fora do barco. Observação: estou sim, chamando o Tony e o Scorp pelos apelidos... Os sobrenomes devem ser guardados para momentos de tensão...


- Seleção das casas... Tá nervoso, Cesc?- Malfoy me perguntou com uma cara de quem estava pronto para responder “Eu também!” assim que eu dissesse minha resposta.


- Na verdade... Não mais.  –Acompanhei o Tony, descendo com cuidado do barco, os monstros não fincariam seus dentes sujos na minha preciosa carne hoje! Nem nunca de preferência... – E acho que você não devia se preocupar também... Contanto que não vá para Lufa-lufa!


Deu pra ouvir o Tony soltar um risinho pelo nariz. Praga!Tô andando muito tempo com ele... Espero que eu não seja escolhido para a Lufa-lufa se não eu vou pagar minha língua. Olhei para as meninas que iam mais a frente, mas a Louise fingiu que não me conhecia. Ó-T-I-M-O! Melhor pra mim. Nos apressamos para acompanhar o grupo, que ...Nossa! Tava num nervosismo palpável. Acho que só eu e Tony estávamos muitíssimos tranquilos. Vai ver é por que nós não temos noção do perigo... Uma senhora, que eu só posso definir como mais velha que o tempo [2], não vamos nos esquecer da Madame Malkin, começou a dar nossas primeiras instruções.


-Olá, sejam bem-vindos! Me chamo Minerva McGonagall e sou a atual diretora de Hogwarts. – Ruga sobre ruga, isso é incrível!- Apesar de não ser mais minha função recepcionar os alunos, gosto de ver os rostos novos que usufruirão dos conhecimentos deste magnífico colégio por setes anos e...


Blábláblá... Me prometeram jantar e eu não vi nada até agora! É serio, estou com fome, isso aqui é um absurdo de grande, deve ter comida pra caramba aqui e eu tenho que ficar ouvindo as expectativas da diretora para o futuro? Me poupe, que eu já estou ficando desgastado...


-... Agora serão selecionados para as suas respectivas casas, que como já mencionei anteriormente, são todas de igual valor...


 Sei... Adianta o passo aí!


- Pelo visto temos alunos que estão com muita pressa, então irei lá pra frente e chamarei os seus nomes em ordem alfabética.Dirijam-se ao chapéu-seletor, sentem- se no banquinho e depois sigam para suas respectivas casas. Alguma dúvida?


Foi estranho. Quando ela disse que tinha alunos com pressa ela olhou pra mim. Claro que eu estava com pressa mesmo, mas será que deu pra reparar? Não dá pra ficar mal com a diretora no primeiro dia de não-aula, né? Fui acordado da minha reflexão, quando vi a ruiva, que já foi classificada no meu dicionário como CHATA, quase levantando a mão para perguntar alguma coisa inútil.


- Ninguém tem duvida não! Pode ir lá pra frente... – Todo mundo olhou, pela segunda vez só hoje, pra mim. Fiz um gesto com as mãos, tentando incentivar a diretora a ir andando, ela revirou os olhos e me obedeceu. Ui, que poder! Pros outros nojentinhos soltei um venenoso “Que é? Tá olhando o que?”Quase todos viraram instantaneamente, menos a ruiva que me encarou com um olhar de revolta e os meus queridos amiguinhos que fingiram não me conhecer, incluindo nessa lista Claire e Louise. A amizade é mesmo linda!


A diretora fez sinal de que podíamos entrar e fomos entrando mesmo, uns tropeçando nos próprios pés, tive que me controlar pra não rir da cara de um baixinho que quase capotou na minha frente. Chegamos lá na frente de todo mundo e o salão ficou estranhamente silencioso. Digo estranhamente, por que até dois segundos atrás tava um burburinho dos infernos! O chapéu começou a cantar uma musiquinha engraçadinha sobre as casas...


 


“Quem sabe sua morada é a Grifinória,


Casa onde habitam os corações indômitos.


Ousadia e sangue-frio e nobreza


Destacam os alunos da Grifinória dos demais.”


 


Retiro o que eu disse! Musica chata do caral**!


 


“Quem sabe é na Lufa-lufa que você vai morar,


Onde seus soldados são justos e leais


Pacientes, sinceros, sem medo da dor.”


 


Pacientes e sem medo da dor? Essa é minha casa com certeza! Ai ,acaba logo com essa tortura, Senhor!


 


“Ou quem sabe  a Sonserina será a sua casa


E ali fará seus verdadeiros amigos,


Homens de astúcia que usam quaisquer meios


Para atingir os fins que antes colimaram.”


 


Uhu! Sonserina rules! Atingir os fins que antes colimaram é? Se é assim vou ter que dar um fim nesse chapéu agora mesmo, por que esse é o meu atual objetivo!


 


“Ou será a velha e sábia Corvinal,


A casa dos que tem a mente sempre alerta,


Onde homens de grande espírito e saber


Sempre encontrarão companheiros seus iguais.”


 


- É impressão minha ou o povo da Corvinal só tem uma qualidade?- Murmurei para o Tony, que me olhou fazendo um bico de quem tava analisando a situação, voltou a olhar pra mim e acenou afirmativamente fazendo uma careta do tipo “Pior que é verdade!”. A belíssima música acabou! Oooooohhhh! Como estou arrasado... A diretora, que agora eu esqueci o nome, agradeceu ao chapéu e voltou sua atenção para nós, pobres miseráveis que teremos que ficar com aquela tosquice na cabeça por alguns segundos.


 


- Bem começaremos agora a seleção das casas! Alvo Potter![N/A: eu sei q primeiro chamam os sobrenomes, mas vamos brincar de ignorar as formalidades de Hogwarts? Não me mate J.K.!]- Coitado! O primeiro foi sem anestesia nenhuma... Ele foi caminhando meio hesitante em direção ao banquinho, mas logo se animou ao ver o gigante acenando para ele.  O Chapéu velho deu um sorriso, acho, para o garoto antes de ser depositado na cabeça do pobrezinho.


- Um Potter! Faz dois anos que o último esteve aqui nesta mesma situação e quase nada mudou desde então... GRIFINÓRIA!- A galera da Grifinória gritou enlouquecida, acho que vi o garoto abraçando outro mais velho...


- Antony Zabine!- Ah é! O nome dele é com “A”! Iniciais A.Z! Legal... Ele foi todo se achando pra sentar no banco, com uma confiança invejável. Antes do chapéu encostar-se à cabeça dele, já foi gritando:


- SONSERINA!- O convencido abriu o sorriso de todos os dentes e murmurou um “Te vejo lá!” quando passou por mim.Retribuí com um “Ninguém te merece!” nada animado.


Uns dois alunos com os nomes começados com “B” foram chamados. Os nomes? Sei lá... Bicha e Besta! Satisfeitos? Pulemos para letra “C”... Os mais desatentos podem pensar:  “Agora é sua vez trastezinho!”Para esses eu lanço um sonoro: MEU NOME É COM “F” RETARDADOS! Mas era a vez da Claire, então eu vou narrar...


- Claire Sullivan!- A loirinha deu uma piscadinha pra minha irmã e um sorriso nervoso pra mim. Não entendi!


- Muito inteligente, sem dúvida de uma sabedoria incrível para idade... CORVINAL!- Sabedoria? A garota usa mais band-aids do que peças de roupa no momento! Ah, também quero ser chapéu-seletor! Não tem segunda opinião mesmo... Ela foi recepcionada calorosamente pela sua mesa. Os nomes foram passando e eu rezando pra chegar ao meu nome logo... Acho que eu cochilei de olho aberto porque quando me chamaram eu só atendi da segunda vez.


- Francesc Fábregas! Sr. Fábregas!- Tia McGonagall falou impacientemente na segunda vez.


- Oi!- Respondi meio atordoado. - O eco aqui é terrível... Foi mal!- Disse sinceramente, mas eu acho que ela não acreditou muito não... Sentei no banco e não pude deixar de fazer uma carinha de repulsa. Carinha, por que eu tentei disfarçar ao máximo, mas aquele chapéu não é só velho... Parece sujo também!


- Se não vejamos... Pensou em dar um fim em mim?- Ele disse surpreso. Eu gelei e depois fiquei vermelho feito um tomate.


- Não!- Disse rápido demais...- Quero dizer... Hum... É... Tinha todo um contexto!- Disse finalmente, em minha defesa.


- Sei, sei... É muito inteligente, nota-se, mas não posso ignorar que tem uma nobreza e sangue-frio dignos de um grifinório, a sinceridade de um lufa-lufa... – Deus! Lufa-lufa não!


- Posso interromper sua avaliação?- Todo mundo me olhou com uma cara de espanto. – Poderia sugerir que me mandasse pra Sonserina?- Perguntei com os dois pés totalmente atrás...


- Eu iria chegar aí, Sr. Fábregas! Apesar de todas as qualidades e muitos defeitos que o senhor tem... – A galera riu... OTÁRIOS!- A melhor casa para o senhor, sem sombra de dúvidas é a... SONSERINA!


Palmas foram ouvidas vindas da minha nova mesa de jantar. Tony foi o primeiro a me cumprimentar e tenho que dizer, os sonserinos são meio frios comparados aos outros...


A seleção continuou e eu já estava me perguntando o quão deselegante seria se eu sugerisse que os outros fossem selecionados depois do jantar...


- Louise Fábregas!- A drogada da Louise foi toda animadinha pra o banco e sentou-se toda serelepe. Mandei um olhar de apoio do tipo “Quebre o pescoço!” ou seria a perna? Sei lá, mas a infantil me deu língua.


- Outro Fábregas? – Disse o chapéu com uma pontinha de desespero na voz antes de ser colocado na cabeça da minha irmã.- Ah! Pelo menos essa parece ter juízo! Hum... O orgulho da família com certeza... CORVINAL!


Hehe! O Chapéu é comediante também! Uns colegas da casa da minha irmã me olharam da mesa ao lado e eu os encarei com um olhar de morte. Eles viraram pra frente para cumprimentá-la.


- Você se desentende com um chapéu e eu sou o Loiro-problema?- Zabine me lançou um olhar entre incrédulo e irônico.


- Olha aqui a raiz do meu cabelo e me responda se eu sou loiro, Zabine!- Segurei meu cabelo com raiva, pra ver se ele se tocava o porquê do apelido ser TODO dele! Viu? Eu disse que precisava guardar os sobrenomes para os momentos certos...


-Rose Weasley! – Já ta no “R”? Nossa o negócio deslanchou de vez agora!


- Inteligentíssima, mas assim como fiz com sua mãe e seu pai antes de você, acho que o melhor local para colocá-la é na... GRIFINÓRIA!- Ou será no... HOSPÍCIO? Claro que o bonezinho de Adão nunca diria algo assim... Maior puxa-saco! A galera vibrou feito louco na mesa da Grifinória.Aliás, estou começando a achar que todo mundo por aquelas bandas é meio louco mesmo... Não sei! Prefiro me abster desse conhecimento...


- Scorpius Malfoy!- O último, graças a Deus! Peraí! É impressão minha ou o clima ficou meio tenso? Uhhh... Mistério...


- Traz muitas qualidades que eu nunca tinha visto antes em um Malfoy... Mas ainda sim... SONSERINA!


A galera da Sonserina não pareceu muito surpresa.Na verdade, os únicos que demonstraram uma reação normal fui eu e Tony, por que o resto se contentou em bater palmas bem frias... Ou deveria dizer geladas?


- Ficamos juntos... Que bom!- Scorp disse empolgado.


- Cuidado com o que diz, sou espanhol e tenho um vocabulário limitado no seu idioma, mas consegui tirar outro significado da sua frase... – Eu disse querendo cortar o barato dos L.Ps... 


- Ninguém irá tirar uma conclusão precipitada, afinal o único maldoso aqui é você!- Disse Tony, o sábio!


- Acorda Zabine! Se ainda não percebeu, estamos na casa das serpentes, irmãozinho!- Falei baixo, depois lancei um olhar de soslaio para os meus novos companheiros de casa de ambos os lados. Esse será um relacionamento interessante, com certeza.


- Agora que os nossos novos estudantes já estão acomodados... – Podem trazer a comida! Pensei animado. Mas a diretora tinha que acabar com minha alegria... – Vamos falar sobre as regras da nossa escola!


O QUE? Olhei incrédulo para o Tony que murmurou um “Aguente firme!”. Eu não quero aguentar firme! Já fiz isso demais... Dona Maomé começou a falar coisas nada adivinháveis do tipo “A floresta proibida é terminantemente PROIBIDA!”. Oh,sério? E por que colocaram um nome tão atrativo nela? “Nada de perambular pelo castelo depois do toque de recolher às nove...” Ah, fala sério! Pra que falar as regras se em dois tempos todos(leia-se EU) vão esquecer? Ok. Calma! Estamos mais perto do jantar do que há cinco minutos... A diretora mandou um olhar para a mesa da Sonserina depois de falar mais uma das milhões de regras do castelo. Lancei pra ela um olhar de puro ódio, sem bondade alguma e ela pareceu entender que já estava passando dos limites ou assim minha mente faminta quis acreditar, porque depois de menos de um minuto ela fez um gesto para que o jantar começasse.


A magia é uma coisa preciosa mesmo, porque do nada apareceu um banquete extraordinário nas mesas. Será que a comida estava aqui o tempo todo, só que disfarçada? Não importa, o importante é que ela está aqui agora e eu estou mais feliz do que pinto no lixo!


- Vai com calma, a comida não vai fugir de você! – Falou um Scorp surpreso e meio lerdo, diga-se de passagem, no meu lado esquerdo. O prato dele ainda estava com uma torta que eu me lembro de ter comido há alguns minutos atrás...


- Aí é que você se engana meu caro Scorp... – Falei dando uma pausa no jantar. – Surgiu num passe de mágica, desaparece num passe de mágica!


Tendo dito isso voltei a comer feito um condenado, coisa que, aliás, de fato eu sou! Passei não sei quantas horas enfurnado em um trem, com um bando de malucos sem ter uma refeição descente pra me consolar... Me senti melhor depois de ter quebrado a banca da cozinha de Hogwarts... Eles estavam me devendo essa! Os monitores se levantaram e começaram a chamar os alunos do primeiro ano para os dormitórios. Uma garota de uns dezesseis anos e belos olhos verdes começou a falar com uma voz bem melodiosa... Totalmente chave de cadeia!


- Alunos do primeiro ano, por favor, nos sigam até os seus respectivos dormitórios. – Tony que até então estava numa animada conversa com um garoto do terceiro ano sobre um campeonato de sei lá o que, despertou rapidinho ao ouvir a voz da garota. Foi o primeiro a entrar na fila e o primeiro a ver o outro monitor da nossa casa. Um rapaz de uns dezessete anos, com uns dois metros, acho, levantou bem no lugar que o Tony ia se enfiar para ficar mais próximo da monitora de longos cabelos negros.


- Vou logo avisando que eu não tolero gracinhas!- O cara olhou diretamente pro Tony que ficou meio estático. A monitora soltou um risinho baixo, jogou o cabelo pra trás de forma MUITO sedutora e continuou a falar.


- Sigam-me por aqui. - Preciso dizer que ela começou a andar graciosamente, como se estivesse dançando? Olhei para a cara do Scorp pra ver se ele estava vendo o mesmo que eu. O garoto tava com uma expressão de quem viu um fantasma, olhos arregalados e boca aberta. Eu não resisti, tive que dizer...


- Fecha a boca se não vai alagar a escola! – Ele piscou os olhos como se tivesse acabado de sair de um transe. Dei risada da cara dele que ficou todo nervosinho... Mas aí só foi mostrar a cara confusa do Tony, pra ele me perdoar e começar a rir também.


- Do que é que vocês estão rindo? - Falou o Loiro-problema todo mordido.


- De um idiota aí que quase perdeu os dentes por ser muuuito exibido!- Disse o Scorp numa crueldade sem tamanho. Voltamos a rir da cara do Zabine que realmente estava muito engraçada. Andamos por uns cinco minutos, sempre descendo, num silencio fúnebre, quando finalmente alguém se pronunciou.


- Estão decorando o caminho? – Falou a monitora que só agora me lembrei que se chamava Jéssica Wain, de uma maneira falsamente doce.


- Porque se não, espero que tenham um bom senso de direção. Nós não vamos fazer isso de novo. – Disse Paul Dolman, com sua voz raivosa que corta até diamante. Eu já estava pensando em começar a chorar, por que tudo que eu tinha visto e gravado era que Hogwarts tinha uma bela coleção de quadros e pedras...


- Não se preocupem! Tenho certeza que encontraremos almas caridosas para nos ajudar a chegar aos nossos destinos!- Scorp murmurou essa asneira por sobre o meu ombro e o do Tony, que vínhamos caminhando lado a lado, na frente dele. O traste estava se divertindo com a nossa situação caótica! – Calma! Estou brincando...


Agora sim fiquei calmo! Pelo que o Scorp disse não tem almas caridosas nesse lugar... Vou rezar para que a tolerância de atraso nas aulas seja de duas horas...


- Sangue-puro! – Disse Wain, para uma parede nas masmorras do castelo. Do nada uma passagem surgiu e deu lugar a uma enorme sala, rica em tons verde e prata. Era meio sombria, mas tinha certo charme. O fato de estarmos nas masmorras fazia com que a única fonte de luz viesse de tochas nas paredes e uma enorme lareira num canto à esquerda. Apesar de fechada, não era claustrofóbica. Enorme daquele jeito impossível de ser! Já estava indo em direção a um dos confortáveis sofás escuros perto da lareira, quando a voz do meu pesadelo, leia-se Dolman, disse:


- A senha é sempre essa! Não precisamos trocar porque nenhum bruxo de outra casa jamais se atreveu a vir aqui sem ser convidado. – Ele deu um sorriso de soslaio, nos mostrando o porquê. O cara era assustador!


- Eu mesmo só estou aqui porque não tem jeito!- Disse Tony, bem baixo para que só eu e o Scorp escutássemos. Mas as nossas risadas não saíram tão baixas assim. E o monstro do lago Ness, nos olhou de uma forma que até Hércules se assustaria. Cara! Ser dessa casa vai ser uma aventura diária! Desisti de sentar perto da lareira... Quanto menos eu me expuser ao perigo, mais me afasto da morte! Subimos as escadas em direção ao dormitório do primeiro ano.


- Estranho! Achei que fossem cinco camas por quarto... – Disse um Tony bem confuso ao entrar no lugar onde iríamos dormir por um ano. Nosso quarto, assim como o salão comunal, não tinha janelas. Isso será de muita valia ,afinal o sol nunca vai nos incomodar! Mas, pelo mesmo motivo, vou adiantar o horário do despertador... Nunca se sabe quando a cama vai te seduzir, né?


Três grandes camas, que tinham um tamanho entre uma cama de casal e uma de solteiro, estavam dispostas uma do lado da outra. O quarto era grande e tinha um banheiro no fundo. A decoração simples, mas seguindo a linha prata e verde, dava um ar meio imperial ao lugar.


- Meu pai já tinha mencionado algo assim... Parece que as cinco camas por quarto só existem nos outros dormitórios. Na Sonserina, o conforto vem sempre em primeiro lugar. Conforto e ostentação!- Disse o Scorp numa animação contagiante.


- Então viva o Tio Salazar!- Disse Tony fingindo que tinha um copo de champanhe nas mãos. Entrei na brincadeira...


- Viva ao tio... Ao tio quem? – Olhei em dúvida pro Tony ainda com a mão erguida como se estivesse brindando algo.


- Salazar Sonserina, o fundador da casa... – Disse Tony entre impaciente e divertido.


- Viva ao tio Salazar por nos oferecer a morada mais DARK de todas! Viva a casa das serpentes!!!- Falei animadamente. Esse ano tem tudo pra ser EXCELENTE!

[N/A: Olha aí q surpresa, Cesc na Sonserina!!! Bem não tenho muito o q dizer naum, só q a fic começa de verdade agora, já q os personagens finalmente chegaram a Hogwarts... Espero que tenham gostado... Não vai ter N/B não, pq a beta falou mal de mim... E eu sou uma ditadora!!! muahahahahaha!!! Idiotices a parte... COMENTEM!]

Primeiro Capítulo :: Próximo Capítulo :: Capítulo Anterior :: Último Capítulo

Menu da Fic

Adicionar Fic aos Favoritos :: Adicionar Autor aos Favoritos

 

_____________________________________________


Comentários: 0

Nenhum comentário para este capítulo!

_____________________________________________

______________________________


Potterish.com / FeB V.4.1 (Ano 17) - Copyright 2002-2023
Contato: clique aqui

Moderadores:



Created by: Júlio e Marcelo

Layout: Carmem Cardoso

Creative Commons Licence
Potterish Content by Marcelo Neves / Potterish.com is licensed under a Creative Commons
Attribution-NonCommercial-ShareAlike 3.0 Unported License.
Based on a work at potterish.com.